Ficha Corrida

28/10/2016

Saiba de onde vem o dinheiro que finanCIA o ódio a Lula

Folha 28102016O Movimento Bundas Liberadas é finanCIAdo por fontes externa e internas. Áudios provam que PMDB e PSDB deram dinheiro para o MBL adestrar os usuários de camisas da CBF para derrubarem a Presidente honesta para colar em seu lugar Michel Temer, Romero Jucá, José Sarney, advogado do PCC, Eliseu Padilha, Alexandre Frota,  Alexandre Moraes, Eduardo CUnha, José Serra. Esta plêiade de homens brancos e ricos contou com a turba de midiotas amestrados pela Rede Globo para retirar Dilma e assim se safar. As instituições estão funcionando, por isso haviam colocado Tarja Preta sobre o nome do novo Chanceler Brasileiro, aquele que acha que ser bravo com a Venezuela libera para lavar na Suíça.

A Folha coloca na capa mas não pinta com as cores apocalípticas de quando ataca o PT. Nestas horas não aparece seu partido. O suborno vira caixa dois e tudo parece como se fosse um evento da natureza.

O ódio ao Lula se deve ao fato de que, após mais de vinte  anos de investigação, nada conseguem provar. (Não seria o caso destes pantera-cor-de-rosa devolverem os gastos na perseguição ao Lula?!) E aí, como tomam a si por parâmetro, vendo comportamento daqueles que, tendo o mesmo poder que Lula, se locupletam, formam convicção que Lula tem de ser igual aos seus partidários. Foi tomando a si por parâmetro que Serra e FHC foram ao Uruguai com a intenção de comprar o Presidente daquele país.

O motivo por trás da perseguição ao grande molusco faz lembrar a passagem da biografia de Alexandre Magno contada por Plutarco. O  Rei Dario III da Pérsia fizera generosa oferta aos macedônios e o General Parmênio tenta convencer Alexandre em aceitar a proposta:

" – Se eu fosse Alexandre, aceitaria."

Alexandre lhe responde:

“ – E eu também, se fosse Parmênio aceitaria, mas sou Alexandre".

O ódio ao Lula é porque ele não tem contas na Suíça. Se ele tivesse conta na Suíça talvez também colocassem sobre seu nome uma tarja preta. Ou quiçá o tratariam como Eduardo CUnha. Se lavasse em Liechtenstein, seria adorado…

Quando a perseguição é só movida pelo ódio, a falta de provas vira prova de que ele é culpado.

Odebrecht diz que caixa dois para Serra foi pago em conta na Suíça

O ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB)

BELA MEGALE
DE BRASÍLIA – 28/10/2016 02h00 – FOLHA DE SÃO PAULO

A Odebrecht apontou à Lava Jato dois nomes como sendo os operadores de R$ 23 milhões repassados pela empreiteira via caixa dois à campanha presidencial de José Serra, hoje chanceler, na eleição de 2010.

A empresa afirmou ainda que parte do dinheiro foi transferida por meio de uma conta na Suíça.

O acerto do recurso no exterior, segundo a Odebrecht, foi feito com o ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho (ex-PSDB e hoje no PSD), que integrou a coordenação política da campanha de Serra.

O caixa dois operado no Brasil, de acordo com os relatos, foi negociado com o também ex-deputado federal Márcio Fortes (PSDB-RJ), próximo de Serra.

Os repasses foram mencionados por dois executivos da Odebrecht nas negociações de acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR), em Brasília, e a força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba.

Um deles é Pedro Novis, presidente do conglomerado de 2002 a 2009 e atual membro do conselho administrativo da holding Odebrecht S.A. O outro é o diretor Carlos Armando Paschoal, conhecido como CAP, que atuava no contato junto a políticos de São Paulo e na negociação de doações para campanhas eleitorais.

Ambos integram o grupo de 80 funcionários (executivos e empregados de menor expressão) que negociam a delação. Mais de 40 deles, incluindo Novis e Paschoal, já estão com os termos definidos, incluindo penas e multas a serem pagas. Falta apenas a assinatura dos acordos, prevista para ocorrer em meados de novembro.

A Folha revelou em agosto que executivos da Odebrecht haviam relatado à Lava Jato o pagamento de R$ 23 milhões (R$ 34,5 milhões, corrigidos pela inflação) por meio de caixa dois para a campanha de Serra em 2010, quando ele perdeu para a petista Dilma Rousseff.

Foi a primeira menção ao nome do político tucano na investigação que apura esquema de desvio de recursos na Petrobras.

Para corroborar os fatos relatados, a Odebrecht promete entregar aos investigadores comprovantes de depósitos feitos na conta no exterior e também no Brasil.

Segundo informações do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a empreiteira doou oficialmente em 2010 R$ 2,4 milhões para o Comitê Financeiro Nacional da campanha do PSDB à Presidência da República (R$ 3,6 milhões em valores corrigidos).

Os executivos disseram aos procuradores que o valor do caixa dois foi acertado com a direção nacional do PSDB, que depois teria distribuído parte dos R$ 23 milhões a outras candidaturas.

Segundo a Folha apurou, os executivos afirmaram também que o pagamento de caixa dois não estava vinculado a nenhuma contrapartida.

Pedro Novis e José Serra são amigos de longa data. O tucano é chamado de "vizinho" em documentos internos da empreiteira por já ter sido vizinho do executivo. O ministro também era identificado como "careca" em algumas ocasiões.

O nome de Serra é um dos que apareceram na lista de políticos encontrada na casa do presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Barbosa da Silva Júnior, o BJ, preso durante a 23ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Acarajé, em fevereiro deste ano.

Benedicto Júnior também está entre os delatores e fechou o foco de sua colaboração com os investigadores.

Os depoimentos dos funcionários da Odebrecht começarão após a assinatura dos acordos de delação.

Depois de finalizados, o material será encaminhado ao relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Teori Zavascki, para homologação.

OPERADORES

Atualmente filiado ao PSD, o empresário Ronaldo Cezar Coelho foi um dos fundadores do PSDB nos anos 80, tendo presidido o partido no Rio de Janeiro.

Durante os mais de 20 anos em que permaneceu na sigla, elegeu-se deputado federal pelo Estado, despontando como um dos políticos mais ricos da Câmara.

É amigo de José Serra e chegou a emprestar seu avião particular para o tucano usar durante a eleição de 2010.

Devido ao bom trânsito no mercado financeiro, teria atuado também como "tesoureiro informal", segundo participantes do comitê eleitoral.

Já Márcio Fortes é conhecido como homem forte de arrecadação entre o tucanato por causa da boa relação que mantém com empresários.

Ele atuou nessa área em campanhas de Fernando Henrique Cardoso à Presidência, na década de 1990, na campanha de 2010 de Serra e na de 2014 de Aécio Neves, todos do PSDB.

OUTRO LADO

Procurado para se manifestar sobre as informações dadas pela Odebrecht à Lava Jato, o ministro de Relações Exteriores, José Serra (PSDB), disse, por meio de sua assessoria, que "não vai se pronunciar sobre supostos vazamentos de supostas delações relativas a doações feitas ao partido em suas campanhas".

"E reitera que não cometeu irregularidades", afirmou.

O empresário Ronaldo Cezar Coelho declarou que não comentará o assunto até ter acesso aos relatos feitos pelos executivos da empreiteira que citam o seu nome.

Por meio de seu advogado, o criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, Cezar Coelho afirmou que participou da coordenação política da campanha de José Serra à Presidência, em 2010, na qual o tucano foi derrotado pela afilhada política do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff (PT).

No entanto, Cezar Coelho negou que tenha feito arrecadação para o tucano.

"Como fundador do PSDB, Ronaldo Cezar Coelho participou de todas as campanhas presidenciais da sigla", disse Mariz de Oliveira.

Em agosto, quando a Folha publicou que a Odebrecht relatou o pagamento de R$ 23 milhões via caixa dois, José Serra disse que a campanha de 2010 foi conduzida de acordo com a legislação eleitoral em vigor.

Afirmou ainda que as finanças de sua disputa ao Palácio do Planalto foram todas de responsabilidade do seu partido, o PSDB, e que ninguém foi autorizado a falar em seu nome.

"A minha campanha foi conduzida na forma da lei e, no que diz respeito às finanças, era de responsabilidade do partido", escreveu em nota na época.

A reportagem tentou contato com o ex-deputado Márcio Fortes por meio de telefone celular e de sua empresa, mas não obteve resposta até a conclusão desta edição.

A Odebrecht afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não irá se manifestar sobre a reportagem.

Desde que a empresa passou a negociar acordos de colaboração premiada e leniência (espécie de delação da pessoa jurídica), em março deste ano, ela deixou de se pronunciar publicamente sobre fatos investigados na Lava Jato ou que serão relatados por seu funcionários.

A expectativa de envolvidos nas negociações é que a assinatura dos acordos de delação ocorram em meados de novembro e a homologação deles seja realizada até o final do ano.

Nas conversas preliminares da Lava Jato com a Odebrecht, além de Serra, vários políticos foram mencionados, entre eles o presidente Michel Temer, os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, governadores e parlamentares. Todos os citados negam a prática de irregularidades.


Anúncios

17/08/2016

Entenda porque Marta Suplicy odeia Dilma e ama CUnha

Ninguém dá cavalinho de pau na política a menos que seja Marta Suplicy, que de seu não tem sequer o sobrenome, e com culpa em cartório. A Folha de São Paulo entrega as explicações do repentino apoio a Eduardo CUnha e Michel Temer no Golpe Paraguaio. Uma revelação como esta em relação ao primeiro a ser comido, ou mesmo envolvendo João Dória Jr não espantaria e seria tratado como um evento da natureza, mas em relação aos recém convertidos à cleptocracia desenfreada abala qualquer esperança na humanidade. Não há necessidade de mais nenhuma vírgula para entender o verdadeiro caráter desta alpinista.

Em delação, Odebrecht cita caixa 2 de R$ 500 mil para Marta em 2010

Lucas Lima/UOL/Folhapress

A senadora Marta Suplicy (PMDB), pré-candidata a Prefeitura de São Paulo, participa de sabatina no estúdio do UOL, na capital paulista

A senadora Marta Suplicy (PMDB), candidata à Prefeitura de São Paulo

BELA MEGALE
DE BRASÍLIA

17/08/2016 02h00

A senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) recebeu doação de R$ 500 mil via caixa dois da Odebrecht na campanha de 2010, segundo informação prestada durante processo de delação premiada de executivos da empresa.

Corrigido pela inflação do período, o valor seria hoje de R$ 757 mil.

Na época, Marta concorreu ao cargo pelo PT, partido que deixou em 2015 para se filiar ao PMDB, legenda pela qual disputa este ano a Prefeitura de São Paulo.

A senadora nega a acusação e diz não ter recebido doações da Odebrecht na eleição de 2010. Não constam registros de contribuição da empreiteira à campanha dela na Justiça Eleitoral naquele ano.

A informação foi prestada há cerca de duas semanas aos procuradores da República em Curitiba, que conduzem o processo de delação.

A negociação com os executivos ocorre paralelamente às conversas sobre a leniência com a Odebrecht, espécie de delação para pessoas jurídicas.

A citação a Marta integra um dos volumes preliminares da negociação com os procuradores. Caso o acordo de delação seja fechado, essas informações poderão ou não entrar na versão final.

Segundo depoimento prestado aos procuradores, a negociação sobre os R$ 500 mil foi feita com o empresário Márcio Toledo, hoje marido de Marta e namorado da senadora em 2010.

Toledo atuou nos bastidores da coordenação daquela campanha, inclusive na articulação para buscar potenciais doadores.

É a primeira vez que Marta Suplicy aparece como suposta beneficiária de caixa dois na investigação da Lava Jato.

Em junho do ano passado, o nome da senadora apareceu em laudo da Polícia Federal mostrando que sua campanha para o Senado recebeu R$ 100 mil em doações oficiais de duas empresas do lobista Julio Camargo, outro delator da Lava Jato.

Essas empresas se tornaram alvo de investigação por receber dinheiro da empreiteira Camargo Corrêa sem ter prestado serviço.

Na mesma semana em que o diretor da Odebrecht mencionou Marta, Marcelo Odebrecht, herdeiro do grupo e preso há mais de um ano no Paraná, teve uma conversa de mais de sete horas com os investigadores.

Um dos pontos que têm trazido dificuldades para a delação da empreiteira ser selada é que, como no caso de Marta e em outros, os executivos adotaram a versão de que a maioria pagamentos foi caixa dois, doação não declarada, e não propina.

Para fechar um acordo, os procuradores cobram dados sobre corrupção, incluindo repasse a campanhas eleitorais de recursos desviados dos cofres públicos.

A Folha revelou, no dia 7 de agosto, que executivos da Odebrecht afirmaram aos investigadores da Lava Jato que a campanha do hoje ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB-SP), à Presidência, em 2010, recebeu R$ 23 milhões da empreiteira via caixa dois.
Corrigido pela inflação do período, o valor atualmente equivale a R$ 34,5 milhões.

Marta Suplicy se elegeu senadora em 2010 por São Paulo com 22% dos votos, atrás de Aloysio Nunes (PSDB), que teve 30%.

Em abril de 2015, após ser ministra de Dilma Rousseff, ela entregou carta de desfiliação acusando o PT de limitar sua atuação. Cinco meses depois, se filiou ao PMDB com o objetivo de concorrer à prefeitura. Em pesquisa Datafolha em julho, ela apareceu em segundo lugar, com 16%.

OUTRO LADO

Procurada pela reportagem, a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) afirmou, por meio de sua assessoria, que "não houve nenhuma doação da Odebrecht" à sua campanha nas eleições de 2010.

"Os responsáveis pela arrecadação e prestação de contas foram o tesoureiro da campanha e o Comitê Financeiro Único do PT", afirmou. "Todas as doações da campanha foram contabilizadas oficialmente e declaradas à Justiça Eleitoral", completou.

Apontado pela empreiteira investigada na Lava Jato como intermediário da negociação para o suposto repasse, o marido dela, Márcio Toledo, declarou ser "leviana e mentirosa a afirmação de que negociei com a Odebrecht doação de recursos para a campanha de Marta Suplicy ao Senado em 2010".

20/06/2016

Mágica: Presidente CUnha e Vice-Rede Globo fazem sumir “corrupção” e “crise”

OBScena: “Somos todos CUnha”, no Parcão, almoçando grátis nas costas do MBL, foi financiado pelos golpistas.

Parcao2De repente, como num passe de mágica, sumiram as notícias ruins sobre economia. Os noticiários já não culpam o governo de Eduardo CUnha pela crise. Virou um problema externo. E antes que que alguém queira me corrigir dizendo se trata de um governo Temer e não CUnha, lembro que o único eleitor de Temer é CUnha, e sem este ele não passaria de um vice-decorativo. E CUnha só fez o serviço sujo sob o comando da Rede Globo. A combinação para levar pra rua aquela manada de amestrados vestindo verde amarelo, suspendendo um rodada do Brasileirão para transmitir ao vivo o espetáculo comandado por CUnha no Congresso os pés, os quatro, da famiglia Marinho. Ela, a Rede Globo, é a especialista em golpe. CUnha é especialista em chantagem, lavagem de dinheiro e compra de deputados.

O modus operandi do Golpe Paraguaio é o mesmo que vazou pela Parabólica, no clássico diálogo entre Rubens Ricúpero e Carlos Monforte. Reforçam o que eles entendem ser positivo nos golpistas sob a liderança de CUnha e escondem todos os escândalos do incrível Exército de Brancaleone do general Temer. Não por acaso o chefe da SGI é filho bastardo da ditadura. Como defendiam os midiotas do Parcão, não existe almoço grátis

Em menos de um mês três ministros já foram pra degola. E o mordomo de filme de terror já tem várias delações para explicar. Só para lembrar os anencefálicos, Dilma não foi delatada nenhuma vez. Nem Lula. Imagine se tivesse havido pelo menos uma delação em relação à Dilma ou a Lula. Teriam sido caçados pelas hienas de verde amarelo e enforcados em praça pública.

Dizer que o fascismo voltou às ruas como tropa de choque da direita é eufemismo. A direita nunca saiu das ruas porque estava sempre sendo cevada pelos meios de comunicação. Lembremos do caso do menino João Hélio, quando a Rede Globo buscou enfiar goela abaixo do Congresso a menoridade penal. Ora, todo dia são assassinadas crianças nas favelas, mas aí, inclusive e principalmente pela polícia, mas aí, para o fascismo mafiomidiático, não é crime, é limpeza. Quando ocorre uma morte como a do João Hélio as cores fascistas são pintadas com tintas ainda mais fortes, e o fascismo aflora sem dó nem piedade. Assim, os fascistas que adentraram sobre a UNB como a Marcha Sobre Roma, não é um fenômeno de camisas verde-amarelas. Os camisas negras na Itália fascista são inspiração das camisas verde amarelas que tomaram conta do Parcão  em Porto Alegre. Os midiotas que tanto lutaram para colocar o gaúcho Eliseu Rima Rica na Casa Civil e Pedro Parente na Petrobrax não passam de uma massa continuamente cevada e amestrada pela RBS. O fascismo à brasileira não prescinde do coronelismo eletrônico filiado, de norte à sul, à Rede Globo. De José Sarney, no Norte, à família Sirotsky, no Sul, o fascismo é serventia da casa. Basta ver o comportamento de seus âncoras em relação aos movimentos sociais. Viram verdadeiros pittbulls. Já em relação aos cleptomaníacos, parecem uns Luluzinhos da Pomerânia.

De repente sumiram as panelas e as manifestações, como dizia a RBS, “cívicas”. Sumiram das páginas dos jornais e nos comentários de rádios e tevês as palavras crise e corrupção. Mas eu ainda lembro da face destes hiPÓcritas, que fazem cara de brabos quando há um tiroteio entre traficantes na Vila Cruzeiro, mas não dizem uma vírgula a respeito dos consumidores do Parcão.  Não há narcotráfico sem consumidores. Não há aviãozinho de favela sem Perrelas, Aécios, ou Casagrandes. Mesmo quando se tem provas que o helPÓPtero saiu do Paraguai e foi até o Espírito Santo, e que tenha 450 kg de cocaína, e que se conheça piloto e seus patrões e a fazenda, ainda assim não vem ao caso. O único castigo é cara ainda virar Ministro da República das Bananas. Quando a Plutocracia derruba uma Presidenta honesta para colocar a cleptocracia em seu lugar, tudo é possível. Agora só falta escalarem Fernandinho Beira-Mar e Marcola.

De repente a manada de midiotas do Parcão tomou chá de sumiço. Alguns se dizem enganados. Ora, como era uma massa de brancos com curso superior, não há desculpa nem escapatório. Nunca foi falta de informação, foi só deformação de caráter.

17/06/2016

Com menos de um milésimo disto, Dilma foi golpeada e Lula está sendo caçado

OBScena: Ranking dos Delatados

DelatadosMichel Temer foi escolhido para presidir uma cleptocracia devido aos seus antecedentes. Suas únicas credenciais são seus serviços prestados à plutocracia. Sua única função é transformar a República em Ré Pública.

Ser desmentido por um larápio de manual já seria motivo suficiente, mas no Brasil amestrado pelos ensinamentos da Rede Globo, qualquer bandido pode ser Presidente. Aliás, para os bandidos, só preto, pobre e petista não pode ser Presidente. 

Onde estão as capas da Veja, as emocionantes coberturas, com jogral, para mostrar o modus operandi da quadrilha que tomou de assalto o Planalto Central. A Rede Globo não mostra porque senão teria de se incluir no roteiro. A Rede Globo é, desde sempre, o golpe. Não há indignação com Eduardo CUnha, com Aécio Neves, com Andrea Neves, com FHC, com José Serra, com Zezé Perrela, com heliPÓptero, com José Sarney, com Eliseu Rima Rica, assim como não há indignação com Fernandinho Beira-Mar e com Marcola. Se for toxicômano, pode ser funcionário. É pré-requisito pra trabalhar ao lado do Galvão Bueno.

Onde estão os indignados com a corrupção? Cadê a marcha dos zumbis para denunciar a cleptocracia que tomou o Planalto Central de assalto? Por que vazam áudios da D. Mariza mas não vazam das alpinistas Marcela, Cláudia Cruz, Andrea Neves? Por que a cunhada do Vaccari, Marice Lima, pode, só por ser cunhada de petista,  ser presa mas para as dondocas da plutocracia tá tranquilo, tá favorável?!

São tantas perguntas tolas porque sabemos que há um movimento internacional que finanCIA a perseguição da esquerda com vistas a se apropriarem das riquezas nacionais. Derrubaram e assassinaram Kadafi, na Líbia. Derrubaram e assassinaram Saddam Hussein, derrubaram o presidente do Egito, derrubaram o presidente da Ucrânia, tentaram derrubar o ditador da Síria. Na América Latina estão tentando derrubar Maduro, como fizeram com Hugo Chávez. Agora derrubaram a Presidenta Dilma. O que há em comum em todos os derrubados? Presidiam países produtores de petróleo. E quem é o maior consumidor de petróleo por trás de todos estes golpes? Os EUA. Até a Dory do desenho animado Procurando Nemo, que agora, por seu notório esquecimento, merece uma sequência própria, Procurando Dory, sabe!  O mais beócio dos mortais sabe perfeitamente porque o José Serra foi encarregado de entregar a Petrobrax à Chevron. Os quinta coluna, notórios também pelo complexo de vira-lata, fazem qualquer negócio para destruir o país e entregar nossos bens de mão beijada aos EUA.

FHC perpetrou, e foi endeusado por isso, uma teoria da dependência. O amante da Miriam Dutra vendeu a ideia de que só seremos independentes se dependermos dos EUA. Sonham em transformar o Brasil numa grande Porto Rico. As primeira medidas de José Serra são provas irrefutáveis disso. Esses criminosos de lesa pátria são festejados e protegidos pelos grupos mafiomidiáticos porque também estes são anti-nacionais. Odeio o povo brasileiro e todos os que fazem algo, por mais tímido e incipiente que seja, em benefício das menos favorecidos. Basta ver o combate às cotas sociais e raciais (Não Somos racistas, escreveu Ali Kamel). Combatem o Bolsa Família mas festejam o PROER.

Desde Getúlio Vargas a plutocracia, coordenada pela Globo, caça Presidentes que ousam mostrar inclinações de esquerda. Derrubaram Jango, caçam Lula e derrubaram Dilma. Sem esquecer que a Globo elegeu Collor e endeusou o capturado FHC, e tentou, com a Proconsult, roubar Brizola. O golpe em Dilma e a caça ao Lula é uma orientação editorial e empresarial da Rede Globo. Se tiver de distribuir estatuetas, distribuirá. Se tiver de criar institutos de captura, criará Innovare. Se precisar de auxílio do STF, Bonner ligará pra Gilmar Mendes.

A obsessiva caça ao Lula e o golpe dado em Dilma tem muitos autores e são os mesmos que protegem os cleptocratas.

Machado rebate Temer e confirma pedido de doações para campanha de Chalita

Leandro Prazeres
Do UOL, em Brasília

16/06/201618h41

O ex-presidente da Transpetro e delator da Operação Lava Jato Sérgio Machado divulgou uma nota nesta quinta-feira (16) na qual rebate as alegações feitas pelo presidente interino, Michel Temer (PMDB), de que ele não teria feito pedido de verbas a Machado para a campanha à Prefeitura de São Paulo de Gabriel Chalita (hoje no PDT) em 2012.

Em sua delação, Machado disse que Temer lhe pediu doações para a campanha de Chalita e que repassou R$ 1,5 milhão à campanha por meio de doações cuja origem eram dinheiro de propina. Ainda de acordo com Machado, o contexto da conversa "deixava claro que o que Michel Temer estava ajustando com o depoente (Machado) era que este solicitasse recursos ilícitos das empresas que tinham contratos com a Transpetro".

Na última quarta-feira (15), a Secretaria de Imprensa da Presidência da República divulgou uma nota negando que Temer tenha pedido recursos a Machado.

Nesta quinta-feira, no Palácio do Planalto, Temer se manifestou oficialmente sobre ao assunto, classificando as declarações de Machado como "levianas". "Se tivesse cometido delito, não teria condições de presidir o Brasil", afirmou o presidente interino.

SE TIVESSE COMETIDO DELITO, NÃO TERIA CONDIÇÕES DE PRESIDIR, DIZ TEMER

Em nota, Machado voltou a afirmar que se encontrou com Michel Temer na base aérea de Brasília e que, durante o encontro, Temer "solicitou doação para a campanha eleitoral de Chalita".

Em outro ponto da nota, Machado diz que todos os políticos que o procuravam em busca de doações sabiam que essas demandas seriam repassadas a fornecedores da Transpetro.

"O vice-presidente e todos os políticos citados sabiam que a solicitação seria repassada a um fornecedor da Transpetro, através de minha influência direta. Não fosse isso, ele teria procurado diretamente a empresa doadora", diz Machado.

Questionado sobre as declarações de Sérgio Machado, o ex-deputado federal Gabriel Chalita (PDT-SP) negou ter recebido doações intermediadas por Machado durante sua campanha à Prefeitura de São Paulo em 2012.

"Jamais pedi nada a ele. Já recebi doações de empreiteiras, mas nunca tive nenhum acesso à Queiros Galvão", disse Chalita na última quarta-feira (15). Segundo Machado, a Queiroz Galvão fez doações à campanha de Chalita após Michel Temer ter feito um pedido ao delator. Em nota, Chalita disse que jamais pediu recursos a Machado. "Não conheço Sérgio Machado. Portanto, nunca lhe pedi recursos ou qualquer outro tipo de auxílio à minha campanha."

Confira a íntegra da nota divulgada por Sérgio Machado.

"1) Quando se faz acordo de colaboração assume-se o compromisso de falar a verdade e não se pode omitir nenhum fato; falo aqui sob esse compromisso;

2) Em setembro 2012 fui procurado pelo senador Valdir Raupp (PMDB-RO), presidente em exercício do partido, com uma demanda do então vice-presidente da República, Michel Temer: um pedido de ajuda para o candidato do PMDB a prefeito de São Paulo, Gabriel Chalita, porque a campanha estava em dificuldades financeiras;

3) Naquele mesmo mês, estive na Base Aérea de Brasília com Michel Temer, que embarcava para São Paulo. Nos reunimos numa sala reservada;

4) Na conversa, o vice-presidente Michel Temer solicitou doação para a campanha eleitoral de Chalita;

5) O vice-presidente e todos os políticos citados sabiam que a solicitação seria repassada a um fornecedor da Transpetro, através de minha influência direta. Não fosse isso, ele teria procurado diretamente a empresa doadora;

6) Após esta conversa mantive contato com a empresa Queiroz Galvão, que tinha contratos com a Transpetro, e viabilizei uma doação de R$ 1,5 milhão feita ao diretório nacional do PMDB; o diretório repassou os recursos diretamente à campanha de Chalita. A doação oficial pode ser facilmente comprovada por meio da prestação de contas da campanha do PMDB ;

7) É fato que nunca estive com Chalita".

MACHADO: TEMER REASSUMIU PRESIDÊNCIA DO PMDB PARA CONTROLAR RECURSOS

Machado rebate Temer e confirma pedido de doações para campanha de Chalita – Notícias – Política

22/02/2016

FIFA no fiofó da Globo

 

Para entender o braço da FIFA no Brasil

seg, 22/02/2016 – 00:13 – Luis Nassif

Nos anos 70 a TV a cabo começou a ganhar força, assim como as transmissões esportivas internacionais. As redes de TVs tornam-se globais. E os eventos esportivos ganharam dimensão internacional. Ao mesmo tempo, a inclusão da África e da Ásia no negócio futebol ampliaram de forma inédita seu alcance.

É nesse novo quadro tecnológico que o futebol se torna um negócio bilionário. Na hora certa, no lugar certo, o cartola brasileiro João Havelange ajudou a dar forma final à FIFA. Desde os anos 20 o esporte já se constituía nos eventos de maior audiência do rádio. Com os avanços tecnológicos, os grandes espetáculos esportivos passaram a dispor de uma audiência global. E, dentre todos os esportes, nenhum chegou perto da popularidade e abrangência do futebol.

Em pouco tempo monta-se a rede global, com os seguintes personagens:

1.     A FIFA.

2.     As confederações

3.     Os clubes

4.     Os grupos de mídia hegemônicos em cada país filiado.

A parte econômico-financeira é composta do patrocínio aos torneios globais, torneios regionais e campeonatos nacionais. E os eventos os financeiros ocorrem na compra de direitos de transmissão para cada um dos eventos e nos patrocínios, e no mercado de jogadores.

A partir desses elementos teceram-se as relações de influência que acabaram resultando na organização criminosa desbaratada pelo FBI.

A base do poder na FIFA são as confederações nacionais.

Para garantir a perpetuidade do poder, há uma aliança simbiótica entre os dirigentes da FIFA, os grupos de mídia nacionais e os dirigentes das Confederações.

Em parceria com a FIFA os grupos de mídia conseguiram a exclusividade para os grandes eventos, que garantem os grandes patrocínios. E conseguiram os patrocínios para os eventos regionais e nacionais. O dinheiro captado serviu para irrigar os clubes e garantir a perpetuidade política dos grupos que controlam as confederações.

Por seu lado, a parceria sempre se dá com os grupos de mídia politicamente mais influentes. E garante a blindagem dos dirigentes das confederações – não apenas perante os governos nacionais como perante os sistemas de investigação locais.

Esse modelo criou tal blindagem político-policial que acabou transbordando para outras formas de ação de crime organizado, como a lavagem de dinheiro através do superfaturamento dos contratos e do comércio de jogadores.

Segundo dados da OCDE, o mercado de jogadores movimenta US$ 4 bilhões/ano, dos quais US$ 1 bilhão proveniente de lavagem de dinheiro. Parte relevante do dinheiro lavado vem dos subornos pagos por emissoras de televisão e patrocinadores aos dirigentes esportivos.

A internacionalização do futebol

A ampliação da globalização acabou introduzindo novos elementos nessa equação.

O primeiro, o da criação da cooperação internacional para o combate ao crime organizado, que ganhou ênfase após os atentados das torres gêmeas.

Como as organizações criminosas atuavam em nível global, havia a necessidade de uma cooperação em nível internacional. E aí sobressaiu a maior competência dos órgãos de investigação norte-americanos, especialmente devido à integração entre o FBI e as forças de segurança, conforme anotou Jamil Chade, correspondente do Estadão em Genebra, em entrevista ao GGN, sobre o seu livro “Política, propina e futebol: Como o PADRÃO FIFA ameaça o esporte mais popular do planeta”.

E aí entraram em cena os interesses geopolíticos norte-americanos, a noção histórica de interesse nacional amarrado aos interesses dos grandes grupos que se internacionalizam.

Um dos últimos mercados nacionais protegidos era o das comunicações. E, nesse mercado fechado, as transmissões de partidas de futebol sempre foram um fator crítico para a hegemonia das emissoras. Basta conferir a imensa luta da Record para tentar romper com o monopólio das transmissões da Globo.

A entrada do FBI nas investigações coincide com a ofensiva internacionalizante dos grandes grupos de mídia norte-americanos e, também – segundo Chade – com as manifestações de junho de 2013 no Brasil, que passaram a percepção de que a opinião pública nacional não mais aceitaria passivamente a corrupção dos dirigentes esportivos.

Quando o FBI entrou na parada, o jogo passou a virar. A imensa organização criminosa começou a ruir. E, no rastro desse desmonte, teve início a invasão final dos grupos de mídia norte-americano sobre os superprotegidos mercados nacionais de mídia.

Segundo Chade, empresas como a Time Warner, Disney, ESPN montaram estratégias inicialmente fechando contratos com países e clubes menores, de maneira a cercar os esquemas dos clubes maiores, que dominavam as confederações.

Para se ter uma ideia do impacto do fim do monopólio das transmissões esportivas, analise-se o mercado britânico. Com a pulverização dos canais pagos, o único evento que consegue chegar em 15 pontos de audiência são as transmissões de partidas de futebol. O restante não passa de 5 pontos.

O papel da Globo na corrupção da Fifa

O imenso poder político desses grupos garantirá algum tempo a mais de blindagem, antes que a longa mão do FBI chegue até aqui. Em alguns casos, o que garante é a aliança com os governos nacionais.

Segundo Chade, a primeira reação dos dirigentes teria sido lamentar que as prisões tivessem ocorrido na Suíça. “Se isso acontecesse na América Latina, já tínhamos resolvido tudo e estaríamos em casa”, comentou um argentino, membro da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol).  “Mas eles não estavam no Brasil nem em outra república latino-americana. As prisões ocorreram justamente na Suíça, país que passou a colaborar de forma estreita com os EUA”, continua Chade.

No caso brasileiro, a Globo estreitou relações com o MPF, tornando-se a principal âncora da Lava Jato. No seu horizonte estratégico, certamente estavam os problemas que vinham pela frente.

As principais operações identificadas foram compra de votos para a Copa de 1998, para a Copa de 2010 e a compra de apoio para a eleição de Blatter em 2011. E, importante, “a realização de acordos para a Taça Libertadores, a Copa América, a Copa do Brasil e as suspeitas sobre os Mundiais de 2018 e 2022”.

Continua o livro:

“De uma maneira constante, segundo a Justiça, a propina teria sido paga a Teixeira e Havelange para que influenciassem a Fifa na decisão de quem ficaria com os direitos de transmissão das Copas de 2002 e 2006, incluindo o mercado brasileiro”.

Continua o livro:

“Uma rede de televisão no Brasil é citada como uma das envolvidas no suborno, ainda que seu nome tenha sido mantido em sigilo no documento público, uma vez que o processo não era contra ela. Naqueles Mundiais, os direitos de transmissão eram da Rede Globo. Para os suíços, o serviço dos dois cartolas teria sido comprado por essa e outras empresas que queriam manter contratos e relações com a Fifa. O documento revela uma movimentação milionária nas contas de Teixeira e Havelange. Ambos receberam subornos no valor total de pelo menos 21 milhões de francos suíços, depositados em contas abertas em paraísos fiscais. Os pagamentos ocorreram entre 1992 e 2004, e o tribunal decidiu processar os brasileiros por “atos criminosos em detrimento da Fifa”.

Prossegue a denúncia que “subornos compravam influência na Fifa e garantia de contratos no Brasil”.

Esse esquema começou a operar em 1970, segundo o procurador Thomas Hildbrand, quando Havelange assumiu o poder. Testemunhas ouvidas por ele sustentaram que “o dinheiro vinha, em grande parte, de empresas que pagaram pela transmissão das imagens das Copas de 2002 e 2006. No caso do Brasil, o valor do contrato era de US$220 milhões. Outros contratos chegavam a US$750 milhões”.

Segundo eles, Teixeira e Havelange agiram com tal impunidade porque, por conta da “cultura” brasileira, as propinas equivaliam a suplementação de verbas

“Seria essa a suposta “cultura” dos brasileiros”, constata Chade. “Mais do que um absurdo e uma ofensa a milhões de pessoas, a estratégia da defesa revela, no fundo, a imagem que a entidade tem do país e de seus representantes. Essa imagem, de tão enraizada, foi usada até mesmo diante da Justiça”.

O melhor exemplo da forma como a FIFA agia foi na imposição do estádio de Brasília.

“Poucos dias após a final da Copa do Mundo, o estádio mais caro do Brasil e o terceiro mais caro do mundo recebeu outro momento de decisão: cem casais realizaram suas festas de bodas no palco que havia servido ao Mundial. O evento chegou a ser transmitido pela TV Globo, que pagou parte dos direitos da Copa e apagou qualquer tipo de crítica ao evento. Na reportagem, a emissora insistia que o casamento coletivo tinha sido uma “grande emoção” e que o estádio havia criado novas oportunidades. Com apenas dois times e ambos na quarta divisão do futebol brasileiro Brasiliense e Luziânia , o Distrito Federal passou a ser a imagem do escândalo da Copa do Mundo e de seu legado inexistente. Meses depois do final do Mundial, a falta de jogos no estádio Mané Garrincha levou o governo do DF a transferir parte de sua burocracia para o local e ocupou as salas com suas diferentes secretarias. Do lado de fora, o estacionamento feito para as torcidas se transformou em garagem para os ônibus da cidade. Um ano depois da Copa, o rombo no estádio era de mais de R$ 3,5 milhões”.

Sobre a corrupção cultural

O combate à corrupção exige mudança de padrões culturais. Não se pode aceitar passivamente conviver com empresas sobre as quais pairam suspeitas de atividades criminosas.

Afinal, como declarou o procurador Deltan Dallagnol “o nosso parâmetro para lidar com a corrupção deve ser o crime de homicídio. Quem rouba milhões, mata milhões”. A declaração foi dada na Globonews.

Segundo ele, o simples combate às pessoas corruptas não vai fazer com que a corrupção acabe no Brasil. “Nós precisamos mudar o sistema”, declarou no Programa do Jô.

O mesmo bordão foi brandido pelo procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, para criticar a Lei de Leniência:

“Infelizmente, a despeito de todas as obrigações internacionais assumidas pelo Brasil, as primeiras e únicas tentativas do Governo após a publicação da Lei Anticorrupção foram sempre no sentido de contorná-la, de desrespeitar o mínimo ético imposto por essa legislação”.

Carlos Fernando é vice-secretário de cooperação internacional do MPF, setor incumbido de buscar apoio nas investigações internacionais e de fornecer elementos solicitados pelos parceiros. Segundo Chade, o Brasil tem sido o país latino-americano que menos atendeu aos pedidos do FBI até agora.

Para entender o braço da FIFA no Brasil | GGN

26/10/2015

RBS & Globo, muito além da corrupção

RBS Ana ALCada dia que passa fica mais fácil de entender porque a RBS e a Rede Globo tanto apoiaram a Marcha dos Zumbis. A divulgação da Agenda 2020 também ajudam a entender o modus operandi da RBS. Com tudo isso, ainda não está fácil de entender como um grupo pode por tanto tempo corromper tanta gente.

A manada de midiotas amestrados, que se perfilam ao padrão de sonegação da RBS, a ponto de defenderem que sonegação não é crime, é ainda algo inexplicável à luz da razão. Mas, no mundo dos mortais, há explicações que a própria razão desconhece. O ódio desmedido com que a RBS se atirou contra Olívio Dutra e Diógenes de Oliveira é como meia palavra a bom entendedor. A RBS, cria da ditadura, não tem aptidão para viver na democracia. Alguns fatos provam isso. Quando Luis Fernando Veríssimo chamou Fernando Collor de Mello de ponto de interrogação bem penteado, a Zero Hora suspendeu-o. Como explicar que um jornal não só sobreviva a uma ditadura como cresce com ela, sem nunca ser importunado por ela, a ditadura, mas seja apreendido nas primeiras eleições livres após a ditadura? Simples, a RBS é fruto podre da ditadura. A caçada ao Olívio Dutra se explica pelo mau costume da RBS vive das tetas do Estado. A mudança na distribuição das verbas publicitárias foi uma facada nas costas da RBS.

O ódio ao Olívio começou quando desbancou o cavalo paraguaio, Antonio Britto, que havia doado a CRT à RBS.

A RBS conseguiu em Vieira da Cunha, uma pessoa com sobrenome e costume parecidos com o atual Presidente da Câmara Federal, para tentar desmoralizar o Governo Olívio. Afinal, como podia um governador do RS não só se negar a transferir recursos públicos a uma montadora, como também criar uma Universidade Estadual, a UERGS? Então inventaram uma CPI da Segurança. E foi nela que apareceu pela primeira vez que a RBS tinha uma subsidiária nas Ilhas Cayman…

Para resumir, Vieira da Cunha trouxe para o PDT quem fazia com ele dobradinha na RBS, Lasier Martins. Vieirinha virou Secretário do pior governo de Estado que já tivemos, e olha que Yeda Crusius, outra cria da RBS, já foi um desastre estupendo. E Lasier Martins é o segundo senador da RBS em Brasília. Já tinha Ana Amélia Lemos, cujo passado se confunde com a RBS.

O ódio a Lula, Dilma e ao PT pode ser explicado pela derrocada econômica da RBS, mas muito mais pela derrocada moral. Como não odiar quem disse que, para combater a corrupção, não deixará “pedra sobre pedra”, doa a quem doer?!

As provas: Globo (RBS) deu R$ 12 milhões na Zelotes

publicado 24/10/2015 –

A Zelotes tem muito mais roubalheira que toda a Vara do Moro – PHA

operação zelotes

O Conversa Afiada reproduz matéria de Najla Passos, na Carta Maior:

RBS, afiliada da Globo, pagou R$ 11,7 milhões para conselheiro do CARF

A Operação Zelotes apura o envolvimento de funcionários públicos e empresas no esquema de fraude fiscal que pode ter causado um prejuízo de R$ 19,6 bilhões
Najla Passos
Documentos sigilosos vazados nesta quinta (22) comprovam que o Grupo RBS, o conglomerado de mídia líder no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, pagou R$ 11,7 milhões à SGR Consultoria Empresarial, uma das empresas de fachada apontadas pela Operação Zelotes como responsáveis por operar o esquema de tráfico de influência, manipulação de sentenças e corrupção no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), o órgão vinculado ao Ministério da Fazenda que julga administrativamente os recursos das empresas multadas pela Receita Federal.
A SCR Consultoria Empresarial é umas das empresas do advogado e ex-conselheiro do CARF, José Ricardo da Silva, indicado para compor o órgão pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) e apontado pela Polícia Federal (PF) como o principal mentor do esquema. Os documentos integram o Inquérito 4150, admitido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na  última segunda (19), que corre em segredo de justiça, sob a relatoria da ministra Carmem Silva, vice-presidente da corte.
Conduzida em parceria pela PF, Ministério Público Federal (MPF), Corregedoria Geral do Ministério da Fazenda e Receita Federal, a Operação Zelotes, deflagrada em março, apurou o envolvimento de funcionários públicos e empresas no esquema de fraude fiscal e venda de decisões do CARF que pode ter causado um prejuízo de R$ 19,6 bilhões aos cofres públicos. Segundo o MPF, 74 julgamentos realizados entre 2005 e 2013 estão sob suspeição.
As investigações apontam pelo menos doze empresas beneficiadas pelo esquema. Entre elas a RBS, que era devedora em processo que tramitava no CARF em 2009. O então conselheiro José Ricardo da Silva se declarou impedido de participar do julgamento e, em junho de 2013, o conglomerado de mídia saiu vitorioso. Antes disso, porém, a RBS transferiu de sua conta no Banco do Rio Grande do Sul, entre setembro de 2011 e janeiro de 2012, quatro parcelas de R$ 2.992.641,87 para a conta da SGR Consultoria Empresarial no Bradesco.
Dentre os documentos que integram o Inquérito 4150 conta também a transcrição de uma conversa telefônica entre outro ex-conselheiro do Carf, Paulo Roberto Cortez, e o presidente do órgão entre 1999 e 2005, Edison Pereira Rodrigues, na qual o primeiro afirmava que José Ricardo da Silva recebeu R$ 13 milhões da RBS. “Ele me prometeu uma migalha no êxito. Só da RBS ele recebeu R$ 13 milhões. Me prometeu R$ 150 mil”, reclamou Cortez com o então presidente do Carf.
Suspeitos ilustres
Os resultados das investigações feitas no âmbito da Operação Zelotes foram remetidos ao STF devido às suspeitas de participação de duas autoridades públicas com direito a foro privilegiado: o deputado federal Afonso Motta (PDT-RS) e o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Augusto Nardes. O deputado foi vice-presidente jurídico e institucional da RBS, afiliada da Rede Globo no Rio Grande do Sul. Os termos de sua participação no esquema ainda são desconhecidos.
Nardes, mais conhecido por ter sido o relator do parecer que rejeitou a prestação de contas da presidenta Dilma Rousseff relativa ao ano de 2014, por conta das polêmicas “pedaladas fiscais”, é suspeito de receber R$ 2,6 milhões da mesma SGR Consultoria, por meio da empresa Planalto Soluções e Negócios, da qual foi sócio até 2005 e que ainda hoje permanece registrada em nome de um sobrinho dele.
Processo disciplinar
Nesta quinta (22), a Corregedoria Geral do Ministério da Fazenda anunciou a instalação do primeiro processo disciplinar suscitado pelas investigações da Operação Zelotes. Em nota, o órgão informou que o caso se refere a uma negociações para que um conselheiro do CARF pedisse vistas de um processo, sob promessa de vantagem econômica indevida, em processo cujo crédito tributário soma cerca de R$ 113 milhões em valores atualizados até setembro.



As provas: Globo (RBS) deu R$ 12 milhões na Zelotes — Conversa Afiada

12/10/2015

Pausinho da Força só é solidário no CUnha

Eduardo Cunha flexado O escritor e cronista Otto Lara Resende escreveu que  mineiro só é solidário no câncer. Se vivo fosse, diria que Paulinho da Força só é Solidário na corrupção. Depois de tudo o que já se sabe a respeito de Eduardo CUnha tentar fazer de conta que não há nada de mais prova que pior do Cunha são seus apaniguados.

Não havia entendido o nome Solidariedade para um partido nascido de uma Força Sindical, onde há de tudo, mas de menos solidariedade. Erro meu. Na minha ingenuidade pensava que o dirigente do sindicato dos pelegos fosse, com base na prisão da cunhada do Vaccari, cobrar a prisão da mulher do Cunha, que não tem foro privilegiado. Até porque a Suíça se encarregou de produzir as provas que a grampolândia das araucárias se nega.

Aliás, por falar em corrupção, Paulinho também é solidário às centenas de viagens do Napoleão das Alterosas para namorar nos fins de semana no Rio e em Florianópolis.

Prova-se assim que  Pausinho só é solidário com corruptos.

Nota da oposição pedindo afastamento deixou Cunha “puto”, diz Paulinho da Força

Postado em 12 de outubro de 2015 às 10:25 pm

Da Folha:

A nota divulgada pela oposição, no sábado (10), defendendo que Eduardo Cunha (PMDB-RJ) se afastasse do cargo de presidente da Câmara foi “um erro, uma besteira. Não acrescentou nada e só criou dificuldade para o nosso lado”, diz o deputado Paulinho da Força (Solidariedade), um dos líderes do movimento pró-impeachment de Dilma Rousseff.

O texto foi assinado por PSDB, DEM, PPS, PSB e até pelo Solidariedade, do próprio Paulinho.

As legendas já tinham combinado com Cunha uma forma de fazer o processo de impeachment contra Dilma Rousseff andar na Câmara, mas a iniciativa estaria colocando o plano em risco.

“O Eduardo ficou puto”, diz Paulinho. “Agora temos que consertar a m. que fizemos.”

Ele diz que a reação do presidente da Câmara o assustou. “Eu achei que tínhamos jogado a criança fora junto com a água, fiquei com essa impressão”, diz.

ADVERTISEMENT

O deputado, no entanto, acha que ainda há tempo de reparar o erro, já que Cunha estaria chateado mas não a ponto de romper com a oposição. “Vamos fazer uma reunião agora, vamos ver como consertar isso.”

Paulinho credita “o problema” ao PSDB, “que tem medo da opinião pública”.

Diário do Centro do Mundo » Nota da oposição pedindo afastamento deixou Cunha “puto”, diz Paulinho da Força

21/08/2015

Templo é dinheiro

Filed under: Eduardo Cunha,Operação Lava Jato,PMDB,Templo é Dinheiro — Gilmar Crestani @ 8:44 am
Tags:

OBScenas: Dallagnol e seu fado, “nem às paredes confesso”…

Como diz o ditado, quem dorme com cachorros acorda com pulgas: “Segundo Camargo, parte da propina foi paga por meio de transferências para as contas da Assembleia de Deus, no valor total de R$ 250 mil, em 2012. Cunha é ligado à igreja evangélica.” Por que só vazavam suspeitas contra Dilma, Lula e o PT e nada em relação a todos os demais partidos? Com a palavra os hidráulicos da Lava Jato.

dallgnol daltonDenúncia chega ao STF e amplia desgaste de Cunha

Procuradoria acusa presidente da Câmara de receber US$ 5 milhões em propina

Peemedebista é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro; deputado ataca governo e diz que é inocente

DE BRASÍLIA

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou nesta quinta (20) ao Supremo Tribunal Federal denúncia contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), complicando sua situação jurídica e dentro do Congresso.

Acusado de participar do esquema de corrupção descoberto na Petrobras pela Operação Lava Jato, Cunha se tornará réu se os ministros do Supremo aceitarem a denúncia, o que deverá alimentar pressões para que se afaste da presidência da Câmara.

Desde que assumiu o cargo, em fevereiro, Cunha impôs sucessivas derrotas à presidente Dilma Rousseff, contribuindo para aumentar a instabilidade política dos últimos meses. Nesta quinta, o deputado atacou o governo, disse que é inocente e reafirmou sua disposição de continuar no comando da Câmara.

Cunha foi acusado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, junto com a ex-deputada Solange Almeida (PMDB-RJ), sua aliada. A Procuradoria pede que o STF condene os dois a devolver US$ 80 milhões (R$ 277,4 milhões) aos cofres públicos.

Janot também apresentou denúncia contra o senador e ex-presidente da República Fernando Collor (PTB-AL). As ações contra Cunha e Collor são as primeiras propostas contra membros do Congresso desde o início da Operação Lava Jato, no ano passado.

Um grupo liderado pelo PSOL, que diz representar 30 dos 513 deputados federais, pediu nesta quinta o afastamento de Cunha da presidência da Câmara. O PSOL promete apresentar ao Conselho de Ética da Câmara pedido de cassação do seu mandato se o Supremo aceitar a denúncia.

Aliados de Cunha expressaram apoio ao presidente da Câmara. Líderes do PSDB e de outros partidos de oposição adotaram tom cauteloso, defendendo a continuidade das investigações sem se manifestar sobre a questão da permanência de Cunha no cargo.

Janot, que na quarta (19) acusou o deputado de usar a presidência da Câmara como um "escudo" para se proteger contra as investigações, decidiu não pedir o afastamento do peemedebista do cargo, mas cogita tomar essa medida mais tarde se surgirem novas evidências contra Cunha.

O ministro Teori Zavascki, relator dos processos relacionados à Operação Lava Jato no STF, terá que submeter a denúncia contra Cunha ao plenário do tribunal, composto por dez ministros. Não há prazo para a decisão do STF.

Janot incluiu na denúncia uma epígrafe, citando uma frase do líder indiano Mahtma Gandhi (1869-1948), segundo a qual "tiranos e assassinos […] parecem invencíveis, mas no final sempre caem".

A Procuradoria acusa Cunha de ter recebido US$ 5 milhões em propina para garantir dois contratos assinados pela Petrobras em 2006 e 2007, para fornecimento de navios para exploração de petróleo.

As acusações contra o deputado são baseadas principalmente em depoimentos do lobista Júlio Camargo, que representava a coreana Samsung Heavy Industries e a japonesa Mitsui nos contratos e decidiu colaborar com as investigações no ano passado.

O delator disse que acertou com o lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano e apontado como principal operador do PMDB no esquema de corrupção, uma propina de US$ 40 milhões para obter os contratos.

Segundo Camargo, o dinheiro seria repassado a Cunha e ao ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró. Baiano e Cerveró estão presos em Curitiba.

EM ESPÉCIE

A Procuradoria obteve provas de vários pagamentos feitos por Camargo a Baiano no exterior, mas não identificou contas controladas diretamente por Cunha que tenham recebido repasses. Segundo a Procuradoria, os pagamentos ao deputado foram feitos em espécie, no Brasil mesmo.

Para Janot, ficou comprovado que Cunha foi o verdadeiro autor de dois requerimentos protocolados na Câmara em 2011 por Solange Almeida, então deputada e hoje prefeita de Rio Bonito (RJ).

Segundo Camargo e o doleiro Alberto Youssef, principal operador do esquema de corrupção, o objetivo dos requerimentos era pressionar Camargo para não interromper o pagamento de propina.

Como a Folha revelou em abril, o nome de Cunha aparece nos registros eletrônicos da Câmara como autor dos arquivos de computador em que foram escritos os requerimentos protocolados por Solange.

Camargo disse que se reuniu com Cunha e Baiano em setembro de 2011 para tratar do assunto. Segundo ele, o deputado cobrou os US$ 5 milhões dizendo o seguinte: "Eu não sei da história e nem quero saber. Eu tenho um valor a receber do Fernando Soares e que ele atrelou a você".

Segundo Camargo, parte da propina foi paga por meio de transferências para as contas da Assembleia de Deus, no valor total de R$ 250 mil, em 2012. Cunha é ligado à igreja evangélica. (AGUIRRE TALENTO, DÉBORA ÁLVARES, GABRIEL MASCARENHAS, MÁRCIO FALCÃO, RANIER BRAGON E RUBENS VALENTE)

30/07/2015

Pegando os corruptos da CBF, Romário põe pá de cal no túmulo da Globo

CBFGloboHawillaA CBF é aquela entidade que veste os manifestantes Padrão FIFA. A marcha dos Zumbis, com as cores do José Maria Marin, Ricardo Teixeira, Marco Polo Del Nero é a última esperança destas pessoas, do J. Hawilla e da Rede Globo.

Se der certo o golpe, todos saem ganhando sem ter de dar satisfações à Justiça. O objetivo é derrubar o governo e chamar de volta Geraldo Brindeiro, quiçá um Rodrigo De Grandis, para proteger os pulhas. Como sabemos, os zumbis da CBF e Globo querem eliminar a concorrência na corrupção e implantar o Padrão FIFA: só pode roubar quem tiver conta na Suíça. Senão, como explicar a solidariedade dos golpistas com Eduardo CUnha, esta pessoa de reputação ilibada? Tão ilibada quanto a do Fernandinho Beira-Mar

De  lambuja, todos os corruptos que aparecem na Lista Falciani do HSDB serão nomeados para o Tribunal de Contas de São Paulo, para fazerem companhia ao Robson Marinho. Se não der certo, a última saída será se filiarem ao PSDB. Como sabemos, a filiação ao tucanos, como assevera Jorge Pozzobom, é garantia de imunidade.  Mas para isso, para não levar um balãozinho, terão de passar rasteira também no baixinho.

Vamos ver quem saca primeiro, se aquele que não sabe diferenciar mulher de travesti, Ronaldo, o melhor amigo do Galvão Bueno e do Aécio Neves, ou o Romário?

 

Entrevista. Romário

CPI do Futebol será profunda, garante senador

‘Del Nero é corrupto. Deve, tem de pagar’, diz Romário

Jamil Chade – 29 Julho 2015 | 19h 00

Às vésperas do início dos trabalhos da CPI do Futebol, em agosto, o senador e ex-jogador de futebol Romário (PSB-RJ) parte para o ataque contra os dirigentes do futebol brasileiro. Em entrevista exclusiva ao Estado, Romário aponta que o foco será investigar Marco Polo Del Nero, José Maria Marin e Ricardo Teixeira, o atual e os dois presidentes anteriores da Cofederação Brasileira de Futebol (CBF), e não economiza ataques contra os cartolas.

RELACIONADAS

O senador esteve em Genebra, na Suíça, até ontem para esclarecer a polêmica em relação a uma suposta conta bancária não declarada em seu nome. Mas fez questão de denunciar quem hoje manda no futebol brasileiro. "Vou até as últimas consequências, como presidente da CPI.”

Romário ainda desqualificou a capacidade de Ronaldo para assumir a CBF e sugeriu que o cargo seja dado para o ex-lateral Leonardo.

Como o senhor avalia a CBF hoje?

O que ocorre na CBF é lamentável e triste para o futebol brasileiro. Olha a situação que chegamos. O presidente (Del Nero) tem medo de viajar para não ser preso fora do País. Isso é… no mínimo ele sabe que é culpado. A não saída dele do País implica no fato de que ele sabe que pode ser preso a qualquer hora em qualquer lugar. Isso é muito ruim. Perdemos toda aquela paixão que existia pela seleção. Isso sem contar com os péssimos resultados dentro de campo. Fora, é esse desastre.

Romário garante que a CPI vai investigar a CBF desde a administração Teixeira

Romário garante que a CPI vai investigar a CBF desde a administração Teixeira

Para um jogador impacta?

Eu posso falar por mim. Vesti por muitos anos a camisa da seleção e nunca isso teve um impacto, apesar de esses casos já serem antigos. Nunca me atrapalhou em nada. Mas, dependendo de cada jogador, ele pode sofrer pressão ou não se sentir bem com tudo que ocorre fora de campo. Esses resultados ruins podem também ser reflexo de uma situação fora de campo.

Qual é a solução que o senhor sugere? A renúncia do presidente?

Não. A solução é a sua prisão. Ele é corrupto, ladrão, ele não faz bem para a seleção, ele deve, tem de pagar por isso. Comete coisas ilícitas dentro da CBF e é por isso que ele não sai do País. A CPI vai ser aberta a partir do dia 4 de agosto e com certeza Del Nero, Ricardo Teixeira e José Maria Marin serão os três alvos principais desse processo.

A bancada da bola pode ser um obstáculo na CPI?

Precisamos esclarecer. Eu também sou da bancada da bola. O problema é que existe a bancada da CBF. Isso sim me preocupa. Mas a força que a CBF tem na Câmara não se repete no Senado. Também vejo que os senadores têm interesse em moralizar o futebol e estou entusiasmado. Queira ou não, Del Nero é novo. Se estivéssemos falando apenas de Ricardo Teixeira, que montou toda uma rede de corrupção dentro de Brasília, de um modo geral, o problema seria maior. Mas em se tratando desse atual, o poder e força política dele ainda não chegaram ao mesmo nível. O que eu posso te afirmar é que vou até as últimas consequências, como presidente da CPI.

Muita gente diz que essa CPI terminará em pizza...

Tomara que sim. Mas essas pizzas vão servidas para esses caras que estarão na cadeia. Para que possam se alimentar. Teremos um resultado positivo.

Como o senhor planeja os trabalhos da CPI?

Vou me reunir com Polícia Federal, Ministério Público, TCU e outros órgãos para coordenar os trabalhos. Vamos convocar ainda o Pelé, Zico, Ronaldo e muita gente. Não vamos só chamar bandido. Mas eu estou comprometido a mudar muita coisa. Essa CPI terá resultados concretos.

Existe espaço para um ex-jogador assumir a CBF?

Não é porque foi o melhor do mundo ou é ídolo que você tem condição de ser presidente. Na verdade, do jeito que está, qualquer um pode assumir. Pois basta manter a sacanagem. Sacanagem todo mundo sabe fazer. Mas assumir a CBF, mudá-la, moralizar o futebol, nem todos podem fazer.

O Ronaldo seria alguém que poderia assumir essa função?

Ronaldo não. Longe disso.

Por quê?

Ele não faz parte da sacanagem do futebol. Ele tem uma história bonita no futebol. Infelizmente, na Copa, ele escolheu o lado errado. No final, meteu o pé e entende que esses caras não são o que ele pensava que eram. Mas, para ser presidente da CBF, ele não tem condições nenhuma em termos de preparação. Para eu não dizer que não tenho nome, uma pessoa que atuou em todas as posições no futebol foi o Leonardo. Não estou dizendo que ele deva assumir. Mas ele é uma pessoa que tem condições. Já teve experiência e seria um nome interessante.

O (Michel) Platini anunciou sua candidatura para a presidência da Fifa. Ele representa uma mudança?

Eu não acredito que vá mudar muito saindo (Joseph) Blatter e entrando Platini. São da mesma escola. A Fifa é corrupta e precisa ser alguém de fora do círculo. Não digo que Platini seja corrupto. Mas o sistema é corrupto e ele precisa estar fora do vício para romper com tudo isso.

Zico também busca apoio. Ele tem chances?

Não sei se ele teria condições de assumir a Fifa. Por ser brasileiro e por ter um nome positivo, pode ajudar. Mas vai ser difícil ele emplacar.

Zico pediu o apoio da CBF. Mas até agora não obteve.

Ele sabe que não pode depender da CBF para isso. A CBF vai votar em quem Blatter mandar votar. É assim que funciona.

Por que essa relação de Del Nero e Blatter?

Dois ladrões se combinam. Devem até dividir o dinheiro em contas em paraísos fiscais. O que tem de comum entre os dois é ainda a Copa. Ambos se enriqueceram muito, inclusive com dinheiro público.

Mas a Fifa anunciou que daria US$ 100 milhões como legado para o Brasil.

Era para fazer campos em Estados que não receberam a Copa. Mas não era para deixar na mão da CBF. É isso que fizeram. Aí você vai perguntar para a CBF onde está o dinheiro e eles dizem que 46% do valor precisa ir para pagar impostos. Eles nunca pagaram impostos e agora querem pagar? Isso é piada.

22/07/2015

Os tapetes onde meus labradores dormem são mais limpos que a boca da sra Isabela

Filed under: Isabela Odebrecht,Marcelo Odebrecht,Marmitex — Gilmar Crestani @ 10:03 am
Tags:

Pelo menos meus labradores não têm o costume de por a boca onde ela põe… Essa é a nossa elite, bonita por fora, corrupta por dentro. Que moral tem esta imoral? Sei, é a moral de quem não convive bem com quem não sabe conviver com quem não vive da corrupção.

Esposa de Marcelo sugeriu ‘marmitex’ para sindicalista em sua casa

:

Isabela Odebrecht, esposa do executivo Marcelo Bahia Odebrecht, preso na Operação Lava Jato, ironizou o convite feito à sindicalista Juvandia Moreira, líder dos bancários em SP, para que ela participasse de um jantar em sua casa em torno do ex-presidente Lula; "Se sujar minha toalha de linho ou pedir Marmitex… vou pirar. Saudações Sindicais? Não mereço", disse Isabela; do mesmo jantar participaram empresários como Jorge Gerdau e João Roberto Marinho

22 de Julho de 2015 às 06:49

247 – A esposa do executivo Marcelo Odebrecht, preso na Operação Lava Jato, demonstrou preconceito de classe quando foi informado que uma sindicalista, Juvandia Moreira Leite, líder dos bancários, participaria de um jantar na sua casa, em torno do ex-presidente Lula.

É o que informa a coluna Painel:

Esquerda caviar Em outro e-mail, em 2012, Marcelo confirma à mulher a presença de uma sindicalista em um jantar em sua casa. "Se sujar minha toalha de linho ou pedir Marmitex… vou pirar. Saudações Sindicais? Não mereço", respondeu Isabela.

Do mesmo jantar, participaram empresários de peso, como Jorge Gerdau, Abilio Diniz e João Roberto Marinho (confira aqui).

Esposa de Marcelo sugeriu ‘marmitex’ para sindicalista em sua casa | Brasil 24/7

27/06/2015

Empresas enfiam uma CUnha no Congresso

Filed under: Congresso Nacional,Corrupção Empresarial,Eduardo Cunha,Lobby,PMDB — Gilmar Crestani @ 10:05 am
Tags:

eduardo cunha (2)O ódio a Lula, Dilma e ao PT resultou na criação desta estranha criatura que é uma espécie de office-boy das empresas. Ao contrário dos EUA, no Brasil não há a figura oficial do lobby.  Por isso, a criação do atual representante do que existe de pior é resultado de um consórcio coletivo, do qual participam os assoCIAdos do Instituto Millenium, o fundamentalismo religioso, os hiPÓcritas do narcotráfico, os finanCIAdores ideológicos, as empresas predadores do pré-sal é a anencefalia de uma manada amestrada pelos grupos mafiomidiáticos. O cúmulo da hiPÓcrisia é que se isso fosse feito por alguém do PT, teríamos uma revolução das paneleiras de higienópolis. Como é feito por quem sempre fez isso, passa  a ser encarado como fato cotidiano da vida ordinária.

Como no verso do Fernando Pessoa, no poema do Tejo, “as acusações contra a corrupção não são contra a corrupção, mas contra a concorrência na corrupção”.

Deputados entregam íntegra de emendas elaboradas por empresas

sex, 26/06/2015 – 17:45

MARCELO CAMARGO/ABR/FOTOS PÚBLICAS

Troca-troca de projetos ficou mais intenso depois que a presidência da Câmara foi assumida por Cunha (PMDB-RJ)

da Rede Brasil Atual

Cresce, entre deputados, prática de apresentar íntegra de emendas elaboradas por empresas

Procedimento, tido como legítimo e comum no Congresso, tem sido criticado por analistas na atual legislatura, por estar sendo feito sem critérios. E já levou parlamentares a serem chamados de ‘office boys’

por Hylda Cavalcanti

Brasília – Quanto menor é o nível de conhecimento dos parlamentares sobre o processo legislativo e maior a renovação das bancadas, assim como o comprometimento deles com o poder econômico, maiores são as chances de aproveitarem contribuições e subsídios encaminhados por empresas privadas e instituições diversas em seus projetos e emendas. Muitas vezes até, eles aproveitam os próprios textos literais, da forma como lhes são entregues. Esse tipo de procedimento, que tem chamado a atenção da Câmara dos Deputados nos últimos dias, nas votações de maior repercussão, ultrapassa a questão do lobby e passou a levar os autores destas matérias a serem conhecidos como “parlamentares que atuam como laranjas” da iniciativa privada e de entidades de classe.

Mas a prática não é proibida e sempre foi comum nas últimas décadas, no Congresso Nacional. Segundo confirmam parlamentares e assessores da Casa, o envio sistemático de sugestões de emendas e até textos prontos aos gabinetes muitas vezes até ajuda na atuação dos parlamentares. Mas o aumento das sugestões acatadas, por outro lado, na avaliação de analistas legislativos, mostra que as relações entre os representantes do Congresso e estes setores estão cada vez mais intricadas. E que, nos últimos tempos, cada vez menos são feitas alterações ou apreciações por parte do gabinete do parlamentar.

“Não podemos ser ingênuos para criticar por criticar esse tipo de trabalho porque todos os órgãos possuem assessoria parlamentar justamente para atuar junto aos gabinetes da Câmara e do Senado, inclusive sindicatos e entidades de classe. Mas o aumento observado pode ser um reflexo de que alguma coisa não anda bem na atual legislatura”, afirmou o cientista político Alexandre Ramalho, consultor legislativo do Senado e professor da Universidade de Brasília (UnB).

‘Office boys’

Para o analista político Antônio Augusto de Queiroz, diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), o acompanhamento e trabalho de empresas e entidades junto aos deputados é legítimo. O problema apontado por ele é a forma como estas práticas têm sido observadas. “É preciso certo cuidado, critério para avaliar e participar da discussão sobre estas matérias a serem entregues. Caso contrário, os deputados correm o risco de se transformarem em meros office-boys das empresas", ressaltou.

Na última noite, durante o início da votação do Projeto de Lei (PL) 863, da desoneração, a divulgação, pelo jornal Folha de S. Paulo, de emendas aprovadas em nome de empresas e associações deram prova disso – o que foi ratificado, posteriormente, pelos deputados que as apresentaram. A protocolização das emendas entregues por empresas e entidades a esses parlamentares apenas registrou uma repetição do que aconteceu durante a apreciação do projeto de lei sobre a terceirização, em abril passado – quando os parlamentares se valeram da mesma prática.

Conforme avaliação primária da mesa diretora da Casa, na época – pelo menos 20 textos que foram formalizados, referentes a emendas ao PL da terceirização continham, ainda, o papel timbrado de instituições diversas.

No caso da votação do PL 863, foram confirmadas três emendas – apresentadas pela empresa Contax, de call center; pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit); e pela Frente da Indústria de Máquinas e Equipamentos, que congrega indústrias do setor. A primeira foi apresentada pelo deputado Tenente Lúcio (PSB-MG). A segunda, por Vanderlei Macris (PSDB-SP). A última, pelo parlamentar Jerônimo Goergen (PP-RS).

Os três confirmaram ter usado os textos, mas argumentaram que discutiram o assunto com estas empresas e entidades e, em alguns casos, o material foi analisado e passou por acréscimos com a participação de assessores de seus gabinetes.  “Não vejo problema em representar setores da sociedade”, afirmou à Folha o deputado Jerônimo Goergen (que não foi encontrado pela reportagem da RBA).

Aumento da pressão

A questão que chamou a atenção, no entanto, foi o fato de a maior parte dos deputados ter deixado claro o aumento da pressão, nos últimos dias, para pedir a retirada ou inclusão de itens que facilitassem a situação de determinados setores na mudança das alíquotas de recolhimento sobre o faturamento das empresas – uma vez que o projeto, que integra o ajuste fiscal do governo, tinha a proposta inicial de reduzir a desoneração para 56 setores da economia.

Para assessores das lideranças do DEM, do PSDB e do PDT, ouvidos em separado, uma parte do aumento deste tipo de auxílio indireto aos deputados tem ocorrido, nos últimos meses, também, em razão da renovação de 1/3 da Câmara. Boa parte dos projetos são de parlamentares que não conseguiram se reeleger e constantemente têm procurado os colegas das bancadas e entregado projetos pedindo para serem apresentados por eles. E a maior parte dos pedidos têm sido feitos junto aos recém empossados, como confirmou um advogado da liderança do PSDB.

O troca-troca de projetos ficou mais intenso depois que a presidência da Câmara foi assumida pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Cunha nunca escondeu que desde o início do primeiro mandato costuma pedir matérias para serem apresentadas por outros colegas, como estratégia para que sejam aprovados em comissões técnicas da casa e do Senado.

Regulamentação do lobby

Outro que usa o mesmo artifício é o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ). Ao ser questionado pelo fato de, em 25 anos na Câmara só ter conseguido aprovar uma única proposta de emenda constitucional (PEC) de sua autoria, Bolsonaro afirmou que o dado não reproduz a realidade porque outros projetos seus foram aprovados por colegas. "Sou completamente discriminado porque eu sou um homem de direita. Então, alguns projetos meus dou para outro deputado apresentar porque, se pintar meu nome, não vai para a frente", disse.

Para o especialista em marketing político Alexandre Bandeira, o tema remete diretamente à falta da regulamentação do lobby no país. A regulamentação é alvo de uma proposta que tramita no Congresso há décadas, sem apreciação por parte nem da Câmara nem do Senado.

“O conjunto dos parlamentares é soberano para decidir sobre as matérias e é legítimo esse aproveitamento de textos e matérias apresentados a eles por entidades da sociedade civil e instituições, que muitas vezes possuem assessorias parlamentares bem maiores que o número de servidores que compõem a estrutura dos gabinetes destes deputados. O que o país precisa é regularizar o lobby", acentuou Bandeira.

De toda forma, a repercussão desse rito legislativo leva os técnicos e segmentos diversos que acompanham as atividades do Congresso a observarem um outro lado da tramitação das propostas. Uma vez, que, embora um projeto aprovado na Câmara ou no Senado tenha o registro dos parlamentares autores –  responsáveis formalmente por tais textos – o caminho percorrido até a matéria ser incluída na pauta do plenário pode ter sido bem mais sinuoso do que o imaginado.

Deputados entregam íntegra de emendas elaboradas por empresas | GGN

03/06/2015

PSDB padrão FIFA

aecio teixeira e marinSe este elemento fosse petista, a Folha teria posto na Capa e o Jornal Nacional teria feito uma longa reportagem que incriminaria o Lulinha e a cunhada do Vaccari.

Como é do PSDB, fica parecendo apenas uma informação corriqueira, que todo dia sai em todos os jornais. Até porque o PSDB sempre tem alguém por ele no STF ou em qualquer outro degrau da Justiça para sentar encima dos processos em que estão envolvidos…

Pensando bem, todo dia tem alguém ligado ao PSDB, do baixo clero, com um processo nas costas. O problema é que nunca chega ao Capos. Lembremos, os parceiros de FHC na América Latina, Carlos Menem e Alberto Fujimori, estão ou já foram presos. No Brasil, para o PSDB, impera a Lei Jorge Pozzobom.

As medalhas distribuídas pelo Aécio Neves governador e as estatuetas da mais longeva parceira da FIFA/CBF no Brasil, a Rede Globo, são como os ósculos dos mafiosos: senhas!

O dia que em os verdadeiros chefões forem presos, aí sim teremos certeza que este tucano graúdo só foi preso porque viajou para o exterior…

Relator de MP apresenta texto favorável à CBF

DE BRASÍLIA

Em ação que beneficia a CBF, o deputado Otávio Leite (PSDB-RJ) apresentou nesta terça (2) o relatório da MP do Futebol em que desvincula o refinanciamento das dívidas dos clubes do cumprimento de exigências pela entidade.

Uma delas era a fixação de mandato de quatro anos para o seu dirigente, com apenas uma recondução.

Leite disse que quer evitar que ações judiciais apresentadas pelos clubes coloquem em risco o refinanciamento das dívidas dos times, principal objetivo da medida provisória. "A gente perderia tudo."

A mudança foi criticada por congressistas e Bom Senso. O relator leu o texto, mas não houve quórum mínimo para votar –por isso, voltará a ser discutido na semana que vem.

O deputado manteve o limite de 70% da receita bruta dos clubes para gastos com a folha do futebol profissional –as agremiações criticam a limitação.

O relator também mudou os prazos. Na versão original, os clubes teriam que parcelar as dívidas em três anos –o relatório amplia para cinco anos.

O relator fixou em 12 anos a idade mínima para a formação de atletas –os cartolas são contra– e ampliou o colégio eleitoral da CBF para incluir a participação de clubes da Série B.

28/05/2015

CBF lava fachada a jato

O Sportv acaba de mostrar. Na noite passada a CBF tirou o nome José Maria Marin da fachada. Isso, sim, é Operação Lava Jato!

ANTES

DEPOIS

CBF MARIN

07/04/2015

Gilson Langaro Dipp

Filed under: Alberto Youssef,Empreiteiras,Gilson Langaro Dipp — Gilmar Crestani @ 9:23 am
Tags: ,

Tive o privilégio de trabalhar na gestão do então Presidente do TRF4, Gilson Langaro Dipp. Acompanhei sua trajetória. E não há uma vírgula que pode ser atirada contra ele. Ao contrário do seu colega e também gaúcho com passagem pelo TRF4, Ari Pargendler, que maculou a toga por onde passou, Dipp  foi sempre muito respeitoso e respeitado por todos. A participação dele na Comissão da Verdade se não diz tudo diz muito a respeito de sua importância para o fortalecimento das instituições e da cidadania.

Discreto mas efetivo. Sem perseguir estagiários ou servidores. E com uma visão que extrapolava os limites do Direito. Embora concorde com a posição dele a respeito dos métodos empregados em relação ao doleiro Alberto Youssef, não me parece recomendável ser advogado de empreiteiro. Se há uma categoria que expropriou o Estado brasileiro é dos empreiteiros.

Carlinhos Cachoeira é um dos espécimes. Sempre haverá um Demóstenes Torres, um Gilmar Mendes, um Policarpo Junior, uma Veja para defende-los. Alguém ainda há de lembrar que a OAS era conhecida por “Obras do Amigo Sogro”, quando as relações da construtora com ACM eram não só familiares, mas incestuosas.

A Odebrecht cresceu com as privatizações de FHC. Só por aí se pode ter uma ideia do compadrio com a qual está acostumada. Se a parceria com Youssef depõe contra quem ousa se unir a ele, ser advogado de empreiteira depõe contra o advogado.

Quero mais ver este circo pegar fogo. Das cinzas brotará  Fênix

Delação de doleiro é ilegal, diz ex-ministro do STJ em parecer

Segundo Gilson Dipp, provas coletadas a partir de acordo firmado por Youssef são ‘imprestáveis’

Avaliação foi feita a pedido da defesa de Erton Fonseca, diretor da Galvão Engenharia preso desde novembro

MARIO CESAR CARVALHO, DE SÃO PAULO, para a FOLHA

Considerado um dos maiores especialistas em lavagem de dinheiro e delação premiada, o ex-ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Gilson Dipp defende, em parecer que fez para um dos réus da Operação Lava Jato, que o acordo do doleiro Alberto Youssef é ilegal e que todas as provas coletadas a partir dele são "imprestáveis".

O parecer do ex-ministro diz que há duas ilegalidades na delação do doleiro: 1) o acordo atual omite o fato de que ele descumpriu um pacto anterior, de 2003; e 2) falta credibilidade a Youssef para delatar quem quer que seja, já que ele mentiu e omitiu informações à Justiça antes.

Por isso, o advogado José Luis Oliveira Lima, que defende Erton Medeiros, diretor da Galvão Engenharia, ingressou nesta segunda (6) com um habeas corpus no STF (Supremo Tribunal Federal) em que pede que a delação seja anulada e seu cliente, solto –ele está preso desde novembro.

O acordo do doleiro foi homologado pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo, em 19 de dezembro de 2014.

No acordo de 2003, Youssef omitiu o nome de um dos seus principais clientes: o deputado federal José Janene (PP-PR), réu do mensalão que morreu de problemas cardíacos em 2010. Foi Janene quem introduziu Youssef no mundo político do PP e, posteriormente, na Petrobras.

O advogado do doleiro, Antonio Augusto Figueiredo Basto, diz que não há ilegalidade no acordo.

Outros delatores, como o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, afirmam que Medeiros pagava propina em obras da Petrobras. A empresa diz ter sido extorquida.

Autor de um livro sobre delação e ex-corregedor do Conselho Nacional de Justiça, Dipp afirma no parecer que o acordo de Youssef viola dois dos artigos da Lei do Crime Organizado (2013), que regula as colaborações: o que prevê a análise da personalidade do réu e o que determina o detalhamento das condições que regeram o acordo.

"A existência de acordo anterior descumprido constitui impeditivo ético e lógico para novo acordo", escreve. Sobre a personalidade do doleiro, Dipp expressa a opinião de que Youssef não preenche o requisito exigido pela lei.

"Uma vez quebrada a confiança, não há mecanismo jurídico ou processual capaz de restabelecê-la", prossegue em outro trecho do parecer.

O advogado da Galvão Engenharia diz no pedido de habeas corpus que há outras ilegalidades no acordo, entre as quais o fato de o ministro Teori Zavascki ter concordado que a família do doleiro ficasse com um apartamento avaliado em R$ 3,7 milhões. Os próprios procuradores diziam em denúncias anteriores ao acordo que o imóvel é produto de lavagem de dinheiro desviado da Petrobras.

Segundo Oliveira Lima, liberar o produto de crime para a mulher do delator viola o Código de Processo Penal, a Lei de Lavagem de Dinheiro e duas convenções internacionais das quais o Brasil é signatário: a de Mérida (sobre corrupção) e a de Palermo (crime organizado).

A entrega do imóvel, diz ele, afronta o direito "de reparação do dano" que os políticos e Youssef causaram nas finanças da Petrobras.

Dipp questiona validade da delação de Youssef

:

Segundo Gilson Dipp, ex-ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça), o acordo atual do doleiro Alberto Youssef na Lava Jato, negociado com o juiz Sergio Moro, é inválido; o motivo: num pacto anterior, de 2003, fechado com o próprio Moro, ele mentiu e omitiu o nome de seu principal cliente: o ex-deputado federal José Janene (PP-PR), réu do chamado mensalão, morto em 2010 por problemas cardíacos; ‘Provas coletadas a partir do acordo são ‘imprestáveis’", diz Dipp, que questiona a credibilidade de um delator que, em 2003, mentiu para o próprio Moro; "Uma vez quebrada a confiança, não há mecanismo jurídico ou processual capaz de restabelecê-la", menciona em trecho do parecer; Dipp questiona ainda o fato de Youssef ter permanecido com um imóvel de R$ 3,7 milhões em seu acordo

7 de Abril de 2015 às 05:23

247 – O ex-ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Gilson Dipp questionou a validade do acordo de delação premiada do doleiro Alberto Youssef na Lava Jato.

Segundo ele, o acordo atual não considera que ele descumpriu um pacto anterior, de 2003, e não tem credibilidade, já que ele omitiu o nome de seu principal cliente: o deputado federal José Janene (PP-PR), réu do chamado mensalão, morto em 2010 por problemas cardíacos. Janene teria sido a ponte do doleiro para ‘entrar’ na Petrobras.

‘Provas coletadas a partir do acordo são "imprestáveis"’, diz Dipp. "Uma vez quebrada a confiança, não há mecanismo jurídico ou processual capaz de restabelecê-la", menciona em trecho do parecer.

Em pedido de habeas corpus, o advogado da Galvão Engenharia, José Luis Oliveira Lima, também questiona o fato de Youssef ter ficado com apartamento avaliado em R$ 3,7 milhões. Segundo os próprios procuradores, imóvel é produto de lavagem de dinheiro desviado da Petrobras.

Leia aqui reportagem de Mario Cesar Carvalho sobre o assunto.

Leia, abaixo, reportagem do Consultor Jurídico:

Delação de Youssef é inválida, afirma ex-ministro Gilson Dipp

Por Felipe Luchete

Um parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal busca anular a delação premiada do doleiro Alberto Youssef, um dos protagonistas da operação “lava jato”, e todas as provas produzidas a partir dos seus depoimentos. Quem assina é o ministro aposentado Gilson Dipp, que deixou em 2014 sua cadeira no Superior Tribunal de Justiça. Ele avalia que, quando um delator quebra as regras do acordo, como Youssef já fez uma vez, o Estado não pode confiar nele de novo, a ponto de aceitar uma nova colaboração.

O documento enviado ao STF chama a atenção por ter sido elaborado pelo idealizador das varas especializadas em lavagem de dinheiro no país. Ex-corregedor nacional de Justiça, Dipp presidiu uma comissão de juristas montada no Senado para elaborar anteprojeto de reforma do Código Penal e é autor do livro A Delação ou Colaboração Premiada – Uma análise do instituto pela interpretação da lei (Editora IDP). 

O ministro aposentado escreveu o parecer a pedido do escritório Oliveira Lima, Hungria, Dallacqua e Furrier Advogados, que defende executivos da Galvão Engenharia.

Ele aponta que, em 2003, Youssef prometeu deixar atividades criminosas quando assinou sua primeira delação, no chamado caso Banestado. No ano passado, o juiz federal Sergio Fernando Moro considerou quebrado o acordo, pois o Ministério Público Federal disse que o doleiro continuava atuando na evasão de divisas e lavando dinheiro. Mesmo assim, sete dias depois, o próprio MPF deu uma segunda chance a Youssef, para receber informações sobre a “lava jato”.

Dipp diz que os procuradores da República foram omissos ao ignorar o episódio no documento que oficializou a segunda oportunidade. “Não há, sequer, uma menção à quebra do acordo pela prática de crime posterior.” A informação é importante porque o perfil do delator é um dos critérios que precisam ser levados em conta para a concessão do benefício, conforme o artigo 4º da Lei das Organizações Criminosas (12.850/2013).

“Resta evidenciado que o colaborador não preenche esse requisito, deduzido da própria sentença que o condena, que aferiu negativamente sua personalidade e antecedentes criminais”, afirma o parecer. “A lei deu como pressuposto lógico a sinceridade da intenção das partes de comprometerem-se com os limites da colaboração sem reservas. Principalmente porque a instituição desse mecanismo processual tem enorme repercussão (…) sobre o regime de execução penal e terceiros interessados e/ou atingidos pelo acordo.”

O ministro reconhece que a Lei das Organizações Criminosas não proíbe a segunda chance. Mas defende que outras normas com “parentesco” entre si impõem limites: a Lei Anticorrupção (12.846/2013), voltada para pessoas jurídicas, fixa que novos acordos de leniência só podem ser feitos num intervalo de três anos, mesmo prazo estabelecido pela Lei do Cade (12.529/2011). “A contemporaneidade das leis é evidente. E, assim, a inspiração legislativa não poderia ser diferente quanto à implementação da sanção ao acordante infiel”, diz.

Youssef já havia virado delator em 2003, no caso Banestado, mas descumpriu o acordo.

Dipp conclui que a segunda delação premiada “mostra-se imprestável por ausência de requisito objetivo — a credibilidade do colaborador — e requisito formal — omissão de informações importantes no termo do acordo”, tornando “imprestáveis” todos os atos e provas que vieram a partir do que declarou Youssef.  

Despacho ilegal
O acordo mais recente com o doleiro foi homologado em dezembro pelo ministro Teori Zavascki, do STF. Com base no parecer, a defesa do executivo Erton Medeiros Fonseca, diretor da Galvão Engenharia, quer agora que o despacho seja considerado ilegal. “Evidentemente, a homologação do acordo ofendeu o princípio constitucional do devido processo legal e produziu prova ilícita”, alegam os advogados José Luis Oliveira Lima, Jaqueline Furrier, Rodrigo Dall’Acqua e Camila Torres Cesar.

A tese é defendida em pedido de Habeas Corpus apresentado ao presidente do Supremo, ministro Ricardo Lewandowski. Embora a corte costume rejeitar HCs contra ato de seus próprios membros, os advogados alegam que o Plenário nunca debateu o tema tendo como pano de fundo os autos envolvendo o reconhecimento de uma delação premiada. Também solicitam decisão liminar para a liberdade do cliente.

A defesa questiona ainda termos do acordo que liberaram o uso de bens a familiares de Alberto Youssef, como um imóvel para sua ex-mulher. Os advogados dizem que a medida é ilegal, já que o MPF relaciona o patrimônio do doleiro a desvios na Petrobras e nenhuma lei permite esse tipo de benefício patrimonial.

Erton Medeiros Fonseca está preso em caráter preventivo desde novembro de 2014, quando a “lava jato” teve como alvo representantes de grandes empreiteiras. Ele foi acusado de integrar um “clube” de empresas que fraudaria contratos da Petrobras. De acordo com a defesa, a denúncia baseia-se apenas nas palavras de delatores, como Youssef.  

Clique aqui para ler o parecer de Dipp.

Clique aqui para ler o pedido de HC.

Dipp questiona validade da delação de Youssef | Brasil 24/7

23/03/2015

Saiba porque os anencefálicos odeiam Dilma

Filed under: Aécio Neves,AécioPorto,HSBC,Lista de Furnas,Lista Falciani,Lista Youssef — Gilmar Crestani @ 9:43 am
Tags:

Aecio e psdbPor despeito, por não terem alguém como Dilma, de quem não se pode dizer nada de desabonador e, pior, por terem de defender um helipóptero com 450 kg de cocaína, convenientemente aspirado pelo noticiário, por terem de defender um candidato que, com 17 anos ocupava cargo em Brasílía enquanto estudava no Rio, votarem no candidato considerado o pior senador no ranking da Veja.

Em todas as falcatruas, está a no meio da lista o nome Aécio Neves. Da Lista de Furnas, na Lista do Alberto Youssef, na Lista Falciani. A sorte deste construtor de aeroportos clandestinos, com dinheiro público, nas terras do tio Quedo, é ter de seu lado uma manada de anencefálicos e todos os a$$oCIAdos do Instituto Millenium. Tirem os grupos mafiomidiáticos, que diuturnamente aplicam a lei Rubens Ricúpero em relação ao Aécio, e ele não conseguiria chegar à janela de qualquer penitenciária.

Tirem o patrocínio da CIA a grupelhos como o MBL, ou os patrocínios da AMBEV, Multilaser ou Banco Itaú e Aécio será um nada da e à direita.

Pelo que sê do coronelismo eletrônico, Aécio Neves detém licença para roubar!

Vexame do UOL: esconde propinas a tucanos envolvendo doleiro pego no Suiçalão.

http://bit.ly/1FfjcQL

Fernando Rodrigues do UOL, que sentou em cima da lista do Suiçalão, deu mais um vexame jornalístico para blindar tucanos.

Soltando nomes de suiçaleiros a conta gotas, Rodrigues soltou o nome de alguns doleiros que tiveram contas no HSBC Suíço.

Um deles é Raul Henrique Srour, através da empresa offshore "Cristal Financial Services Ltd" criada no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas.

Rodrigues só disse que este doleiro foi citado na Operação Lava Jato como parte do grupo de Youssef e fraudou identidade para fazer operações de câmbio.

O que Rodrigues não disse está escancarado em toda a internet e documentado:
Está provado em uma investigação internacional feita em Luxemburgo e na Suíça, que a offshore "Cristal Financial Services Ltd" do doleiro recebeu dinheiro de uma conta clandestina da Siemens, aberta por diretores da filial brasileira, ao que tudo indica, usada para pagar propinas nos contratos de trens no governo tucano de São Paulo.

Por: Zé Augusto

sexta-feira, 20 de março de 2015

Filha do Serra patrocina fundação de ex-diretor que deu suporte ao golpismo neoliberal

O "VemPraRua" é um projeto criado por empresários (o fundador é Rogério Chequer) para derrubar o governo Dilma e implantar um governo neoliberal, anti-trabalhista, nos moldes do governo demotucano de FHC, apesar de mais esconderem do que revelarem estas verdadeiras intenções em sua pregação politica.
O registro do site "vemprarua.org.br" foi comprado pela Fundação Estudar, criada pelo homem mais rico do Brasil, Jorge Paulo Lemann, dono da cervejaria Ambev, que a mantém ao lado do banco BTG Pactual.
Depois que essa conexão veio a público, Lemann se declarou apartidário, a Fundação emitiu nota dizendo que o uso da entidade para registro do site foi um erro individual do ex-diretor-executivo Fábio Tran, que já não faz mais parte do quadro da instituição. Por fim cancelou o registro do site em em nome da Fundação.
O "VemPraRua" também se diz “suprapartidário”. Na maior cara de pau, pois fez campanha para Aécio Neves (PSDB-MG) e outros tucanos nas eleições passadas. José Serra (PSDB-SP) anda lado a lado com Rogério Chequer e discursa no caminhão do som deles.
Quem tem um histórico de forte ligação com a Fundação Estudar é Verônica Serra, filha do senador José Serra (PSDB-SP).
Recém-formada, ela ganhou uma bolsa de estudos desta Fundação para fazer um curso de MBA na Universidade de Harvard (EUA) entre 1995 e 1997. Na época, José Serra era ministro do planejamento de FHC. Mais tarde ele foi Ministro da Sáude e só regulou restrições na propaganda de cigarros, sem tocar na propaganda de cerveja. Sequer campanha educativa contra abuso no consumo houve.
Em 2008, Verônica Serra já era diretora da própria Fundação. Hoje ela aparece como parceira patrocinadora da Fundação. Ela também é sócia de Jorge Paulo Lemann no ramo de sorvetes de luxo, e de Marcel Telles, outro bilionário dono da Ambev, no ramo de TV a cabo.
Em tempo: é por estas e por outras que eu só compro cerveja Itaipava há algum tempo.

Os Amigos do Presidente Lula

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: