Ficha Corrida

26/08/2016

O Eduardo CUnha argentino atuou sob as barbas dos arapongas brasileiros

Macri ArgentinaMaurício Macri está para Argentina como Aécio Neves está para o Brasil. A diferença é que lá, ao contrário do Brasil, o perdedor reconheceu o vencedor. Claro, ele não precisou golpear a democracia para se proteger dos próprios crimes. No Brasil não havia possibilidade de proteção a Eduardo CUnha, Aécio Neves, Romero Jucá, Renan Calheiros, José Serra, Rede Globo, Mossack & Fonseca, Michel Temer, família Sirotsky, FHC, José Sarney, Eliseu Rima Rica. A plutocracia brasileira se protegeu elevando a cleptocracia à condição de governo.

Não é sintomático que Macri, cartola dono do Boca Jrs, tenha vindo ao Brasil de José Maria Marin, Ricardo Teixeira, Rede Globo, Mossack e Fonseca, João Havelange para montar sua lavanderia Panama Papers?! Por que esta lavanderia, assim como o Operação Zelotes, virou, para delírio do Napoleão das Alterosas, pó!?

Hoje, a partir do momento em que a delação da OAS deixa de ser aceita porque entrega o primeiro a ser comido, o tarja preta e o suíço CUnha, fica ainda mais claro porque Lula foi obsessivamente caçado. A caça ao grande molusco foi uma cortina de fumaça perfeita para a proteção do bestiário que tomou o planalto central de assalto. A desfaçatez da plutocracia, perfeitamente tipificada pelos patos da FIESP, assaltou e levou na mão leve 54 milhões de votos.

A democracia está sendo estuprada à luz do dia, sob o olhar complacente e luxurioso dos grupos mafiomidiáticos.

E depois ainda dizem que não há crime perfeito. É tão perfeito que as pessoas mais esclarecidas restam petrificadas diante do assalto descarado à democracia. A sensação de impotência é aquela de roubo, quando os bandidos invadem nossa casa e vão carregando, um a um, nossos bens sem que possamos reagir!?  

El crimen se consumó en Brasil

La offshore Fleg de Mauricio Macri estuvo en el origen del delito investigado y en Brasil se articuló con otras dos empresas, Socma y Owners. Delgado remitió un escrito al juez Casanello considerando que fue una tríada que comenzó a armarse en las Bahamas.

Por Martín Granovsky

Por Martín Granovsky @

La causa contra Mauricio Macri por presunto lavado de activos a través de sus offshore subió un escalón clave. El fiscal Federico Delgado sacó las primeras conclusiones sobre Fleg, la sociedad radicada en Bahamas sobre la que este diario viene informando en detalle desde abril. Escribió Delgado: “La causa ya muestra que Fleg fue una empresa madre de otras empresas”.

En su escrito elevado al juez Sebastián Casanello, el fiscal sostiene que “a esta altura del proceso es posible ir precisando caminos por recorrer cada vez con más precisión”.

Uno de los caminos es el indicado: que Fleg fue una empresa madre.

Otro de los caminos debe seguirse de este modo según el acusador: “También hay que leer la relación entre Fleg y Owners como dos caras de una moneda”.

Y el tercer camino surge de esta frase del fiscal: “Finalmente, que Owners, Fleg y Socma Americana constituyen una tríada a la que subyace una misma realidad económica, más allá del velo societario”.

Según el escrito “esa tríada se comenzó a gestar en Bahamas y se perfeccionó en Brasil”.

Delgado suele eludir la jerga jurídica. Sin embargo el verbo perfeccionar, en Derecho, significa consumar. O sea que según Delgado el presunto delito comenzó a gestarse en Bahamas y se consumó en Brasil.

También en el último escrito el fiscal continuó con la carátula “Macri, Mauricio s/infracción art. 303”. La primera parte del artículo 303 del Código Penal establece que será “reprimido con prisión de tres a diez años y multa de dos a diez veces del monto de la operación, el que convirtiere, transfiriere, administrare, vendiere, gravare, disimulare o de cualquier otro modo pusiere en circulación en el mercado bienes provenientes de un ilícito penal, con la consecuencia posible de que el origen de los bienes originarios o los subrogantes adquieran la apariencia de un origen ilícito”.

Si el fiscal invocó ese artículo es porque tiene la hipótesis de que los hechos sobre los que está desarrollando su pesquisa podrían ajustarse al tipo penal del 303.

La gestación en Bahamas sería la creación de Fleg, con Mauricio Macri en el directorio junto a su padre, Franco.

En cuanto a la consumación, aquí va el párrafo del escrito de Delgado: “La relación entre Owners, Fleg y Socma Americana se realizó en Brasil y se cristalizó en un tiempo relativamente corto. Durante el mes de septiembre de 1998”. Según el diccionario de la Real Academia Española, cuando el verbo “cristalizar” se aplica a las ideas, los sentimientos o los deseos de una persona o de una colectividad significa “tomar forma clara y precisa, perdiendo su indeterminación”.

Fleg habría sido el primer paso de un despliegue territorial que remató en la creación de sociedades en Brasil.

El fiscal, tras analizar indicios aportados por el diputado neuquino del Frente para la Victoria Darío Martínez, los da por ciertos a tal punto que utiliza esos datos para construir su propia descripción de cómo sucedieron las cosas. Dice sin verbos condicionales que Socma Americana cobró nueve millones de dólares por parte de Fleg a cambio del 99 por ciento de las acciones de Owners do Brasil. Recuerda que Fleg quedó como accionista mayoritaria de Owners el 21 de septiembre de 1998.

Después, en octubre de 1998, Socma Americana “constituye otras tres sociedades nuevas y realiza aportes de dinero en cada una de ellas”. Las empresas son Partech-Unnissa (aporte de 1.892.000 reales), Partech (5.539.000 reales, a la que también se sumó la offshore de Caymand Island Equifax) e Itron do Brasil (3.417.872 reales).

A su vez Owners, dice el escrito del fiscal, se relaciona con tres firmas nuevas. Una es Martex do Sul, formada en 1999 con capital inicial aportado por Socma Americana. En 2007 se incorpora Owners-Fleg a Martex. Otra, formada en 2002, es Mega Consultoria, que también recibe a Owners-Fleg en el mismo año. La tercera es Itron do Brasil, formada en 1995 y también con el agregado de Owners-Fleg en 2007.

Resumen de Delgado: “Es decir que de la tríada Fleg-Socma Americana-Owners se constituyeron tres sociedades por el lado de Socma Americana (Partech-Unnisa, Itron do Brasil y Partech) y a la par Owners se incorporó a otras tres sociedades (Martex do Sul, Mega Consultaría e Itron do Brasil)”.

Misterio a develar según Delgado: “Hay en juego aproximadamente nueve millones de dólares cuyo origen hay que descubrir”.

Meta de máxima para Delgado: “Esos actos de comercio en los que se objetivó la relación triádica deberían estar registrados en el país vecino y con ese objetivo deben librarse los exhortos, los cuales deben estar orientados a solicitar información vinculada a las sociedades en relación a toda la información registral societaria, movimientos bancarios e información fiscal”.

Objetivo inmediato del fiscal: mientras las Cancillerías y las Justicias se intercambian los exhortos, un sistema en el que Delgado confía poco porque anota que en vez de contestar piden más información, el juez Casanello podría pedir la colaboración del Cuerpo de Peritos Contadores de la Justicia Nacional para que examinen la documentación afectada al proceso y señalen si el ‘grupo Macri’ asentó la salida de 9.300.000 dólares con el objetivo de constituir Fleg y si de alguna manera se registró la relación entre Fleg, Owners y Socma Americana en la AFIP”.

Recomendación de Página/12: releer ya mismo el artículo 303.

martin.granovsky@gmail.com

Página/12 :: El país :: El crimen se consumó en Brasil

14/07/2016

Os homens de benz que transformaram a República em Ré Pública

Filed under: Cleptocracia,João Dória Jr.,Plutocracia,PSDB — Gilmar Crestani @ 8:56 am
Tags:

Como nos bestiários medievais, a cada dia aparece um novo animal do grande zoológico golpista. Desta feita é João Dória Jr. que, por ser do PSDB, tem imunidade. Aliás, ser do PSDB e ter imunidade e impunidade é uma redundância. Nos tempos bíblicos, os judeus eram o povo escolhido por Deus. No Brasil do golpismo, o PSDB é partido protegido pelos deuses.

No golpe paraguaio em curso, o PMDB é apenas um exército de mercenários a serviço do PSDB. E o PSDB é a longa manus da plutocracia mafiomidiática. Para criminalizar a esquerda e conduzir a cleptocracia rumo ao assalto aos cofres públicos, todos os homens de Benz se unem. A massa bestializada, veste camisas verde-amarelas, os camicia gialla da mafiosa CBF, e se deixa conduzir bovinamente pela égua madrinha do golpismo, a Rede Globo. Enquanto isso, os homens de Benz se preparam para se revezarem aos atuais assaltantes. Dória Jr. tem  cara do golpe. É golpista de primeira hora. E tem os hábitos dos golpistas.

Nunca Jorge Pozzobom, o deputado gaúcho do PSDB, foi tão certeiro em sua afirmação apocalíptica:

Empresa bancou evento de Doria, diz Ministério Público

João Doria

THAIS BILENKY
FOLHA DE SÃO PAULO – 14/07/2016 02h00

Um vídeo mostrando João Doria (PSDB) em jantar bancado por uma empresa entrou na mira do Ministério Público Eleitoral. No evento, em junho, ele fala abertamente como pré-candidato a prefeito de São Paulo.

No entendimento da promotoria, o ato configura doação de campanha por pessoa jurídica, o que o Supremo vetou em setembro de 2015.

O promotor Carlos Bonilha afirmou que já reuniu elementos "fortes" e suficientes para entrar com ação na Justiça contra Doria por abuso de poder econômico. A legislação só permite que a ação seja ajuizada após o registro da candidatura, que pode ocorrer até 15 de agosto.

Se acolhida pela Justiça, a ação pode levar à cassação da candidatura ou do mandato, caso o tucano seja eleito. Se isso ocorrer, ele ficará inelegível por oito anos.

O evento, um jantar realizado em 9 de junho na casa de eventos Club A, teve o custo de R$ 60 mil bancado pela Gocil, empresa de segurança associada ao Grupo Lide, fundado por Doria.

Ao MPE, o PSDB afirmou que o evento não teve conotação política. No entanto, o pré-candidato disse na ocasião que pretendia ser prefeito. "Ao final dos quatro anos –não vou disputar reeleição, depois é renovação– quero ter o orgulho de dizer: cumpri o meu dever e fui um bom prefeito", discursou.

Bonilha ainda usará como base para a ação depoimentos do senador José Anibal (PSDB), do ex-governador Alberto Goldman (PSDB) e do vereador Adolfo Quintas (PSD) dando conta de suposta compra de votos de filiados nas prévias do PSDB.

Ao Ministério Público, Quintas afirmou que Doria chegou a dar até R$ 5.000 para militantes o apoiarem e conseguirem mais votos nas prévias do PSDB.

Doria também teria oferecido transporte para filiados comparecem às prévias e feito propaganda irregular, o que teria sido documentado em fotos. O pré-candidato acusa Quintas de calúnia na Justiça.

Bonilha também analisa se houve abuso de poder político na pré-campanha. Os indícios seriam o uso da imagem do governador Geraldo Alckmin (PSDB)e de cargos de seu governo.

O promotor se refere a passeios de Alckmin com Doria pela periferia e a distribuição de fotos de ambos para favorecer o pré-candidato. Há ainda menção a "loteamento de cargos em troca de apoios partidários". Alckmin negociou cargos com PP, PHS e PV para formar a coligação de Doria.

OUTRO LADO

O advogado do tucano, Anderson Pomini, disse que seu cliente ainda não foi intimado a se manifestar e que tem confiança de que a ação não prosperará.

A defesa de Doria afirmou que o jantar custeado pela Gocil era uma "homenagem" a Doria e "não guarda qualquer relação com as eleições municipais". Já os depoimentos de Aníbal, Goldman e Quintas seriam "mero inconformismo com o resultado das eleições prévias do PSDB da capital, desprovidos de qualquer elemento probatório".

23/11/2015

Os Bons Companheiros

FSP 23112015Manchete envergonhada, que funciona mais como álibi do que como informação, no canto do pé da página, a Folha diz que o “inquérito sobre cartel de trens em São Paulo está parado há um ano”. Não é verdade, o inquérito já foi julgado e a própria Folha registrou o veredito de absolvição: “Cartel não é ‘sinônimo de delito’, diz Serra em evento de comunicação”. Está há um ano parado, mas já esteve três escondidos na gaveta do Rodrigo de Grandis. Como sabemos, o MPF vê crime em todo os familiares do Lula, incluindo noras inexistentes e na cunhada do Vaccari. Claro, eles não são do PSDB, são do PT. Até aí, morreu neves, esta é mais uma cláusula pétrea na Constituição do golpe paraguaio. O Deputado do PSDB gaúcho, Jorge Pozzobom, lavrou a sentença que é um epitáfio na credibilidade dos perseguidores do Lula: "Me processa. Eu entro no Poder judiciário e por não ser petista não corro o risco de ser preso".

Portanto, a parceria da Folha com seus vazadores de aluguel se inscreve na normalidade do concubinato com que vivem os golpistas da imprensa e do MPF. E isso que a Suíça já se encarregou de produzir, gratuitamente, todas as provas que os mongoloides do MPF/PF sentam em cima. Se fosse coerente, a Rede Globo também daria uma estatueta a quem faz diferença no MPF, Rodrigo De Grandis.

PS. A manchete principal identifica que também em relação à Argentina os grupos mafiomidiáticos não comemoram a vitória de um projeto, mas a derrota de seus adversários ideológicos…

Inquérito sobre cartel de trens de São Paulo está parado há um ano

REYNALDO TUROLLO JR.
FLÁVIO FERREIRA
DE SÃO PAULO

23/11/2015 02h00

Um ano após ser concluído pela Polícia Federal, o principal inquérito criminal que investigou o cartel acusado de fraudar licitações de trens em São Paulo entre 1998 e 2008, em sucessivos governos do PSDB, está parado no Ministério Público Federal.

Responsável pelo caso, o procurador da República Rodrigo de Grandis ainda não decidiu se apresenta à Justiça denúncia criminal contra os suspeitos do caso, o que deflagraria uma ação penal após a PF ter indiciado 33 pessoas.

Grandis disse à Folha que ainda não protocolou a acusação formal porque aguarda o envio de documentos bancários por autoridades estrangeiras para comprovar crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Os indiciados são suspeitas de praticar os crimes de corrupção ativa e passiva, formação de cartel, fraude a licitações, evasão de divisas e lavagem de dinheiro, segundo o inquérito finalizado pela PF em 28 de novembro de 2014.

Entre os indiciados estão o ex-presidente da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) Mario Bandeira, o ex-gerente de Operações José Luiz Lavorente (os dois apenas por fraude a licitações) e os ex-diretores da estatal João Roberto Zaniboni e Ademir Venâncio de Araújo.

Na lista dos acusados pela PF estão ainda ex-diretores das empresas Siemens, Alstom, CAF, Bombardier, Daimler-Chrysler, Mitsui e TTrans, além do consultor Arthur Gomes Teixeira, apontado como intermediário de suborno.

Na ocasião da conclusão do inquérito, os indiciados negaram a prática dos crimes.

A investigação refere-se aos governos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin.

Para a PF, os indícios reunidos eram suficientes para iniciar uma ação penal, uma vez que, junto ao relatório, representou pelo sequestro de valores de sete empresas, o que a Justiça acatou.

A decisão de bloquear R$ 600 milhões das empresas sinalizou, no entendimento da polícia, que a Justiça reconheceu a existência de indícios e provas da autoria e da materialidade dos crimes.

Porém, para Grandis, ainda faltam provas sobre algumas contas bancárias e empresas localizadas no exterior. "Esses elementos são essenciais para a verificação do crime de lavagem de dinheiro e de evasão de divisas", afirmou Grandis, por e-mail.

Questionado sobre documentos bancários já enviados pela Suíça, o procurador disse que a existência de depósitos no exterior pode indicar apenas a evasão de divisas.

"Se a denúncia fosse oferecida ‘em partes’, sem a documentação relativa a cada país, haveria oportunidade para aditamentos da denúncia originária, o que acarretaria atraso na marcha do processo", disse o procurador.

A demora na entrega da denúncia pode beneficiar os indiciados. Os crimes de corrupção prescrevem em 16 anos – delitos do caso dessa natureza praticados em 1998 e 1999 (até novembro) já prescreveram. Em 2016, prescreverão os cometidos em 2000, e assim por diante.

DEMORA

Em 2013, Grandis foi alvo de duas apurações, no Ministério Público Federal e no Conselho Nacional da classe, por ter levado cerca de três anos para atender um pedido da Suíça, que investigava pagamento de suborno pela Alstom a servidores paulistas.

À época, Grandis disse que o pedido fora arquivado numa pasta errada e por isso não teve andamento. Uma das apurações contra ele foi arquivada e a outra, suspensa pelo Supremo Tribunal Federal.

Em outubro, Grandis passou a integrar uma força-tarefa que vai assumir parte da Operação Lava Jato desmembrou pelo STF para a Justiça em São Paulo.

ENTENDA O CASO

1 Em 2013, a Folha revelou que a multinacional Siemens delatou a existência de um cartel que atuava nos contratos de trens e metrô de SP e DF

2 O Cade (órgão de defesa econômica) assinou um acordo de delação com a Siemens para abrandar sua pena, caso o cartel fosse punido

3 Pela documentação apresentada, o conluio ocorreu de 1998 a 2008, nos governos de Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra, todos do PSDB

4 O esquema gerou vários inquéritos que resultaram em denúncias do Ministério Público de São Paulo nas áreas cível (pedidos de ressarcimento) e criminal

5 Em 2013, Grandis foi investigado por ter engavetado pedido de cooperação da Justiça suíça, que apurava pagamento de propina pela empresa Alstom a políticos e servidores de SP. Uma apuração foi arquivada e a outra, suspensa

6 Em nov.2014, inquérito da Polícia Federal indiciou 33 pessoas por corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, cartel e crime em licitação

7 O inquérito da PF foi remetido ao Ministério Público Federal em São Paulo, que, um ano depois, não ofereceu denúncia à Justiça nem arquivou o caso

8 O procurador da República Rodrigo De Grandis afirma estar esperando informações solicitadas a autoridades estrangeiras

24/06/2015

Método Folha de proteger capangas

zelotes rbs zhVeja como a Folha faz a manchete quando seus parceiros de Instituto Millenium são chamados a depor em CPI. Se quando um petista é chamado a Folha pão na manchete que é petista, para atingir toda a agremiação, porque a Folha não faz a mesma com seus parceiros. A Folha sabe aplicar ainda melhor que o Poder Judiciário a velha Lei Rubens Ricúpero: mostrar quando beneficia, esconder quando a prejudica.

A lenga lenga da matéria funciona como uma espécie de álibi. Veja, nós também noticiamos quando nossos parceiros estão envolvidos em caridade fiscal… Como os 12% da Folha só leem a manchete, não ficam sabendo da missa a metade. Pelo título pode-se ficar com a impressão tanto que sejam executivos das empreiteiras presos na Operação Lava Jato, como também poderia ser da fábrica de dedos de silicone. O subtítulo é ainda mais revelador: “lista inclui lideranças dos setores automotivos, financeiro e do comércio”. Só faltou dizer: “da Venezuela”. Só lá no meio do segundo parágrafo aparece algo um pouco mais verossímil: Ford, Mitsubishi Motors, Santander, Grupo RBS, CNC e Afávea.

Mas o suprassumo ainda estaria por vir mais adiante no texto: “Desde o fim de março, o órgão é alvo da Operação Zelotes, conduzida pela Polícia Federal, Receita, Corregedoria do Ministério da Fazenda e Ministério Público.” Nesta sentença de pé quebrado o sujeito oculto não são as empresas, mas, vejam só, o CARF. Não é o CARF que está sendo investigado, mas empresas do porte de uma RBS, de uma Gerdau. Fala sério, por que a Folha iria se indispor com seus financiadores ideológicos e parceiros do Instituto Millenium?

É este tipo de putaria que me emputece. Por que esta seletividade na forma de tratar corrupção? Por que se condena previamente sempre que alguém do PT é objeto de investigação, mas quando se trata de parceiros não criminaliza toda ANJ?!

CPI convoca executivos para depor sobre fraudes no Carf

Lista inclui lideranças dos setores automotivo, financeiro e do comércio

Ex-presidente e ex-conselheiros também foram chamados para falar sobre julgamentos de multas da Receita

EDUARDO CUCOLOGABRIELA GUERREIRODE BRASÍLIA

Executivos de grandes empresas que atuam no Brasil estão na lista de convocados para falar na CPI do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) sobre denúncias de manipulação de julgamentos relativos a multas da Receita Federal.

Nesta terça-feira (23), a comissão aprovou a convocação de 13 pessoas, que serão obrigadas a comparecer para depor. Entre elas estão executivos de Ford, Mitsubishi Motors, Santander, Grupo RBS, Confederação Nacional do Comércio (CNC) e Anfavea (associação das montadoras).

Foram chamados ainda o ex-presidente do Carf Edison Pereira Rodrigues e ex-conselheiros do órgão, além de Lutero Fernandes do Nascimento, assessor de Otacílio Dantas Cartaxo, que também presidiu o conselho. A expectativa da CPI é começar a ouvi-los na próxima semana.

O Carf é a última instância administrativa para se recorrer a uma multa aplicada pela Receita. É formado por representantes da Fazenda e dos contribuintes.

Desde o fim de março, o órgão é alvo da Operação Zelotes, conduzida pela Polícia Federal, Receita, Corregedoria do Ministério da Fazenda e Ministério Público. O grupo investiga um esquema de venda de sentenças para reduzir ou anular multas.

EXECUTIVOS

A convocação cita nominalmente o presidente da Anfavea, Luiz Moan Junior, o vice-presidente-executivo do Santander, Marcos Madureira, o presidente da diretoria-executiva do Grupo RBS, Eduardo Sirotsky Melzer, e o presidente da CNC, Antônio José Domingues de Oliveira Santos.

Também foram chamados os atuais presidentes da Ford e da Mitsubishi Motors no Brasil. O requerimento não cita nomes. Os cargos são ocupados pelos executivos Steven Armstrong e Aiichiro Matsunaga, respectivamente.

Foram convocados ainda os ex-conselheiros do Carf Adriana Oliveira e Ribeiro, Jorge Victor Rodrigues, Meigan Sack Rodrigues, Jorge Celso Freire da Silva e Gegliane Maria Bessa Pinto.

A comissão pediu a declaração de Imposto de Renda dos últimos cinco anos do ex-conselheiro do Carf Leonardo Manzan, ouvido pela CPI na semana passada. Ele é genro de Cartaxo e afirmou ter sido incluído por engano nas investigações.

A CPI também solicitou cópia de documentos entregues pelo ex-conselheiro Paulo Roberto Cortez à Coordenação-Geral de Pesquisa e Investigação da Receita em 2013. Na semana passada, a CPI recebeu informação de que Cortez informou ao órgão suspeitas de manipulação de julgamentos do Carf pelo ex-conselheiro José Ricardo Silva.

03/06/2015

PSDB padrão FIFA

aecio teixeira e marinSe este elemento fosse petista, a Folha teria posto na Capa e o Jornal Nacional teria feito uma longa reportagem que incriminaria o Lulinha e a cunhada do Vaccari.

Como é do PSDB, fica parecendo apenas uma informação corriqueira, que todo dia sai em todos os jornais. Até porque o PSDB sempre tem alguém por ele no STF ou em qualquer outro degrau da Justiça para sentar encima dos processos em que estão envolvidos…

Pensando bem, todo dia tem alguém ligado ao PSDB, do baixo clero, com um processo nas costas. O problema é que nunca chega ao Capos. Lembremos, os parceiros de FHC na América Latina, Carlos Menem e Alberto Fujimori, estão ou já foram presos. No Brasil, para o PSDB, impera a Lei Jorge Pozzobom.

As medalhas distribuídas pelo Aécio Neves governador e as estatuetas da mais longeva parceira da FIFA/CBF no Brasil, a Rede Globo, são como os ósculos dos mafiosos: senhas!

O dia que em os verdadeiros chefões forem presos, aí sim teremos certeza que este tucano graúdo só foi preso porque viajou para o exterior…

Relator de MP apresenta texto favorável à CBF

DE BRASÍLIA

Em ação que beneficia a CBF, o deputado Otávio Leite (PSDB-RJ) apresentou nesta terça (2) o relatório da MP do Futebol em que desvincula o refinanciamento das dívidas dos clubes do cumprimento de exigências pela entidade.

Uma delas era a fixação de mandato de quatro anos para o seu dirigente, com apenas uma recondução.

Leite disse que quer evitar que ações judiciais apresentadas pelos clubes coloquem em risco o refinanciamento das dívidas dos times, principal objetivo da medida provisória. "A gente perderia tudo."

A mudança foi criticada por congressistas e Bom Senso. O relator leu o texto, mas não houve quórum mínimo para votar –por isso, voltará a ser discutido na semana que vem.

O deputado manteve o limite de 70% da receita bruta dos clubes para gastos com a folha do futebol profissional –as agremiações criticam a limitação.

O relator também mudou os prazos. Na versão original, os clubes teriam que parcelar as dívidas em três anos –o relatório amplia para cinco anos.

O relator fixou em 12 anos a idade mínima para a formação de atletas –os cartolas são contra– e ampliou o colégio eleitoral da CBF para incluir a participação de clubes da Série B.

26/02/2015

Lista Falciani: HSBC rima com FHC

Os grupos mafiomidiáticos que estão usando da prerrogativa constitucional de silenciarem para não se auto condenarem. Se fossem falar, teriam de remontar ao caso das privatizações e a quem trouxe o HSBC ao Brasil. A velha mídia não condenou o comportamento de Joaquim Barbosa, que criou a Assas JB Corp para ludibriar o fisco e comprar um apartamento por dez dólares em Miami, simplesmente porque usa do mesmo expediente.

Quem não lembra da CPI da Segurança Pública que a RBS, em conluio com o PDT do Vieira da Cunha e do Gilmar Sossella, para derrubarem Olívio Dutra, teve revelado a existência de uma empresa no Paraíso Fiscal das Ilhas Cayman?! Quem queria ditar honestidade estava mais suja que pau de galinheiro. É o que acontece agora com o escândalo do HSBC, o SwissLeaks ou Suiçalão. A velha mídia, como fez a Rede Globo com a Copa de 2002, sonega e pratica a chantagem da honestidade alheia em benefício do próprio locupletamento.

Agora conseguiram o monopólio do vazamento, seja da Operação Lava Jato, seja dos implicados na Lista Falciani. E eles querem ensinar aos brasileiros o que é honesto, ético e bom para o Brasil usando cuecas sujas como tapa-olho em relação aos seus finanCIAdores ideológicos.

Tijolaço critica seletividade do Uol no caso Swissleaks

:

Fernando Brito questiona o porquê do jornalista Fernando Rodrigues ter revelado apenas o nome do empresário de ônibus Jacob Barata no caso Swissleaks e não de outros: ‘Será o sr. Rodrigues capaz de dizer que não há concessionários da mídia no “listão da evasão”? Ou será que Rodrigues publicou o “furo de reportagem” porque, há duas semanas, o Diário de Notícias, de Portugal, já tinha publicado a informação’

26 de Fevereiro de 2015 às 06:55

Por Fernando Brito, do Tijolaço

Fernando Rodrigues, colunista do UOL que é “dono” da lista das contas secretas do HSBC na Suíça solta mais um pedacinho da sua “verdade seletiva”.

Desta vez, empresários de ônibus, à frente dele a figura emblemática de Jacob Barata.

Aquele que casou a filha numa festança suntuosa no Copacabana Palace, com direito a cenas de Maria Antonieta e Gilmar Mendes, o lento, de padrinho.

O dono da lista justifica a publicação das contas de Barata e não de outras.

“Há interesse público na informação: as linhas de ônibus no Brasil são concessões do Estado”.

Mesmo aceitando o “critério” de Rodrigues – o que é uma tolice, porque todo empresário tira a sua fortuna do público, seja como concessionário, seja como vendedor de produtos e serviços (não dá para comprar um sabonete com o desconto do dinheiro mandado para fora pelo “saboneiro”) fica a pergunta:

E os concessionários de rádios e emissoras de televisão, não são concessionários?

Será o sr. Rodrigues capaz de dizer que não há concessionários da mídia no “listão da evasão”?

A Globo, por sinal, mantinha uma empresa de fachada na mesma Road Town, Ilhas Virgens, onde Barata sediava a empresa que operava a conta no HSBC.

Ou será que Rodrigues publicou o “furo de reportagem” porque, há duas semanas, o Diário de Notícias, de Portugal, já tinha publicado a informação de que Barata era titular de uma conta no banco suíço, republicando informações de um jornal angolano?

Ou seja, é uma “novidade de segunda mão”.

Que os nossos “jornalões”, neste instante, repercutem furiosamente.

Será que vamos depender dos jornais lá de fora para que o “interesse público” exista aqui?

Tijolaço critica seletividade do Uol no caso Swissleaks | Brasil 24/7

Mutirão do HSBC

"Caso HSBC é importante demais para ficar restrito", diz Randolfe Rodrigues

qui, 26/02/2015 – 10:32

Atualizado em 26/02/2015 – 10:36

O senador do PSOL alertou para a necessidade da abertura de uma investigação, com fim ao silêncio e às decisões seletivas de Fernando Rodrigues

Jornal GGN – O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) propôs, nesta quarta-feira (25) na tribuna do Senado, uma investigação para quebrar o silêncio sobre os mais de 8 mil brasileiros com contas secretas no banco HSBC na Suíça. Randolfe alertou para a importância do assunto, pouco abordado no Brasil, seja pela escassa divulgação de dados brasileiros pela imprensa, seja pela investigação da Polícia Federal e da Receita Federal.

“A denúncia contra o HSBC mostrou o Brasil no topo da cadeia criminosa”, disse, lembrando que o Brasil é o quarto da lista de países com maior número de clientes associados às contas vazadas e o nono entre os países com maior quantidade de dinheiro depositado: R$ 7 bilhões. “Em moeda nacional, isso representa uma quantia equivalente a R$ 20 bilhões, exatamente o que o Governo Dilma pretende arrecadar com o pacote de maldades que resume o ajuste fiscal desenhado pelo ortodoxo ministro da Fazenda, Joaquim Levy”, disse Randolfe.

O senador chamou a atenção para a diferença de tratamento do tema, que ficou conhecido como "Swiss Leaks", no Brasil com o restante do mundo. “Estranhamente, no Brasil, o caso do HSBC mereceu um estridente silêncio da grande imprensa”, e elogiou o esforço de blogs e blogueiros desvinculados da grande imprensa: “blogs como Megacidadania e O Cafezinho, sites como Brasil 247 e Diário do Centro do Mundo ou blogueiros como Miguel do Rosário e Luís Nassif vasculham e revelam dados que não se vê, nem se lê nos grandes veículos de comunicação”, afirmou.

Como exemplo, Randolfe citou a reportagem do Jornal GGN, publicada na última terça-feira (17), "A lista dos brasileiros no HSBC da Ásia atualizada". Nela, por meio de internautas e colaboradores, foi possível chegar a uma lista atualizada de nomes e endereços de 93 contas do HSBC relacionadas a brasileiros, divulgada por um jornalista de Hong Kong, na China.

“Este caso do HSBC é importante demais para ficar restrito à decisão pessoal, privativa, seletiva, monocrática de um único jornalista, de um só blog, de apenas um veículo poderoso da internet. O dinheiro sonegado e subtraído ao Brasil e aos brasileiros não pode ser envolvido pelo segredo, pelo sigilo, pela impunidade que todos combatemos”, concluiu o senador, fazendo referência a Fernando Rodrigues, o único jornalista brasileiro que tem acesso aos dados vazados.

24/04/2014

Mistério Púbico, apontaria da putaria

 

MP arquiva ação sobre promotor que esqueceu Caso Alstom na gaveta. Será que o MP é inútil?

23 de abril de 2014 | 20:30 Autor: Fernando Brito

mp

A Folha noticia que a “Corregedoria do Ministério Público Federal decidiu arquivar a investigação sobre o engavetamento de um pedido de cooperação jurídica da Suíça por quase três anos no gabinete do procurador da República Rodrigo de Grandis, responsável pelo inquérito do caso Alstom”.

De Grandis, como se sabe, disse que os pedidos foram parar “numa gaveta errada”, onde ficaram esquecidos, muito embora o Ministério da Justiça pelo menos três vezes lhe pedisse que respondesse à Suíça.

A Corregedoria do Ministério Público, pelo visto, considera dispensável o trabalho dos promotores que o integram,  ao afirmar que “a demora de dois anos e oito meses para atender ao pedido não causou prejuízos à investigação”.

Ora, se engavetar a investigação por dois anos e oito meses “não traz prejuízo à investigação”, para que mandar isso ao promotor?

Não seria melhor ele devolver o expediente dizendo que não ia investigar nada?

Para que serve, então, um caríssimo promotor de Justiça, pago pelo dinheiro público, para nada?

E a promotora que usou de um ardil para tentar quebrar o sigilo telefônico do Palácio do Planalto, também “não trouxe prejuízo”, uma vez que se descobriram suas intenções antes e, então, fica tudo por isso mesmo?

Será que o Ministério Público, que tem o papel de fiscal da lei, acha que suas próprias atitudes não devem ser avaliadas pela lei?

Acabou aquela história de que a lei é erga omnes (para todos)?

MP arquiva ação sobre promotor que esqueceu Caso Alstom na gaveta. Será que o MP é inútil? | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: