Ficha Corrida

04/09/2016

Onde se lê Cristovam Buarque, pode-se ler Vieira da CUnha

Filed under: Capacho,Capturado,Cristovam Buarqeu,Golpe,Golpistas,Vieira da Cunha — Gilmar Crestani @ 10:53 am
Tags:

Cristovao BuarquePara os gaúchos que não estão muito familiarizados com as boçalidades do Cristovam Buarque e quiserem entender como ele “funciona” um ventríloquo, há um sósia gaúcho perfeito, Vieira da CUnha. Emula os discursos e considera-se acima dos seus pares pelo simples fato de ser teúdo e manteúdo da RBS.

Vieira da CUnha, como Cristovam, se faz de capacho porque, assim,  pensa, pode se fazer presentes nos banquetes da plutocracia.

O PDT, que foi de Brizola, virou esta mescla de oportunistas sebosos. Como mariposas, surfam na luz dos holofotes sem se darem conta que é a mesma luz que os tornam opacos.

Vieira da CUnha pensou, como Cristovam, que ser aceito pelos golpistas de ocasião lhes serviria de escada para ascender. Vieirinha comendo pelas mãos da RBS para derrubar Olívio Dutra deve estar se vendo na pele de Cristovam Buarque.

Nunca a mediocridade se distribuiu, entre Vieirinha e Cristovam, de forma tão equilibrada… 

A melhor definição destas personagens foi dada pelo Gregório Duvivier; são uns limpa chão com merda.

Cristovam Buarque, o que foi sem nunca ter sido

sab, 03/09/2016 – 13:12 – Atualizado em 03/09/2016 – 19:52 – Luis Nassif

 

Nunca me permiti confundir ideias com pessoas. Nem desqualificar ideias baseado em viés ideológico.

Tive um carinho especial por Roberto Campos, por Ernane Galveas, admiração pela inteligência de Delfim Neto, reconhecimento da responsabilidade pública de Camilo Pena, Dias Leite, Reis Velloso e outros ministros da ditadura, sem deixar de criticar a ditadura.

Nos anos 90, cheguei até a elogiar Olavo de Carvalho e ir a Curitiba para uma palestra em um evento que ele organizou, nos tempos em que sua voz era minoria: apesar de discordar de suas posições, reconhecia sua coragem de remar contra a maré. E quase chegamos a um acordo de que o Banco Central era uma invenção das esquerdas para liquidar com o capitalismo brasileiro.

Por outro lado, tenho uma alergia invencível à mediocridade e ao oportunismo. Mas tenho evitado fulanizar as críticas, por saber que é trocar o efeito pela causa. Nesse enorme besteirol que cercou o impeachment, até me segurei quando vi a notável colunista política dizer que o fatiamento do julgamento pelo Senado iria instaurar a insegurança jurídica no país. A idade está me fazendo mais contido.

Faço essa enorme digressão para me desculpar do que se segue, romper com minhas promessas e implicâncias e fulanizar: o senador Cristovam Buarque representa o que de mais oportunista e medíocre uma falsa concepção de esquerda trouxe ao país. Sempre foi a prova maior da falta de discernimento das esquerdas; e se seu novo discurso pegar, será a confirmação da falta de discernimento da direita. É um desaforo à inteligência, à coerência e à seriedade política!

Sempre foi raso como um pires. Seu esquerdismo era o que de mais anacrônico a esquerda brasileira exibia nos anos 90. No governo do Distrito Federal, proibiu o uso da palavra “qualidade”, por se tratar de “conceito neoliberal”.

No Ministério da Educação foi um blefe. Não implementou uma política sequer. Escudou-se no padrão Paulo Renato de inação, e definiu como único foco o ensino fundamental, para não ter que enfrentar o desafio do ensino universitário.

Foi demitido por não ter colocado um programa de pé. Repito: não colocou nenhum programa de pé. Após sua saída, Fernando Haddad – como Secretário Executivo e, depois, como Ministro – montou o Reuni, o Prouni, o exame do Enem, a educação inclusiva, o Fundeb. Com esse universo para ser desbastado, Cristovam não ousou um programa sequer. E saiu com fama de educador, apenas por se apresentar como candidato da educação.

Teve eleitores curiosos, como Pedro Malan, meramente por ser considerado um petista civilizado, que conversava com todo mundo, citava alguns autores e se comportava bem à mesa. Confundiam educação social com educação política, currículo com conhecimento. Na época, Vicentinho podia não entender o jogo de talheres em banquete, mas estava anos-luz à frente de Cristovam no quesito modernidade.

Em meados dos anos 90, nos ensaios de modernização do pensamento do PT estavam Aloizio Mercadante, Guido Mantega, Eduardo Suplicy, Luiz Gushiken, José Dirceu, sindicalistas como Vicentinho e outros. Nunca se ouviu a menor contribuição de Cristovam.

Lembro-me de um primeiro contato com ele, no Instituto Cidadania, em uma rodada para o qual fui convidado por Lula, junto com o Clóvis Rossi e o Elio Gaspari. Passamos uma manha inteira discutindo diversos temas. De Cristovam só percebi movimentos de cabeça, sempre consentindo, nunca refutando – pois o ato de refutar exige argumentação.

Seu artigo em O Globo de hoje – “O impeachment incompleto” (http://migre.me/uToZN) – é um desaforo para quem se apresenta como “professor emérito da UnB”. Foi copiado do Rodrigo Constantino ou de Roberto Freire. O artigo é uma fraude!

Cristovam cria um estereótipo de esquerda, que nada tem a ver com os governos Lula e Dilma, para poder desancar recorrendo aos argumentos de um Constantino e de outros gênios do senso comum e dos slogans furados.

Há inúmeras críticas consistentes a serem feitas aos dois governos. Mas o mínimo que se exige é a compreensão de sua verdadeira natureza

No momento em que a grande discussão global é sobre o fracasso do neoliberalismo, com a crise de 2008,  Cristovam Constantino mergulha,  nos discursos dos anos 90, nos quais eram criticados os conceitos primários que ele, Cristgovam, advogava no GDF, e transporta para uma realidade totalmente diversa.

Diz ele que não basta o impeachment:

O impeachment só se justificará plenamente se servir para levar as forças progressistas na direção de sua atualização em relação às novas realidades e aos novos sonhos no mundo.

Precisamos fazer o impeachment do modelo que ficou arcaico: não percebeu as mudanças que ocorrem no mundo.

Pela introdução, aguarda-se a descrição das “mudanças que ocorrem no mundo”.

Primeiro, Cristovam defende o eficientismo, em um momento em que o mundo discute o Estado de bem estar social, a ecologia, o combate à miséria e as esquerdas discutem a reconstrução da socialdemocracia.

A sociedade justa depende de uma economia eficiente; isto exige respeitar os limites fiscais e entender que a propriedade privada dos meios de produção e o mercado dinamizam a economia, criando os recursos a serem aplicados na sociedade.

Diz isso a respeito de um governo que incentivou as hidrelétricas na Amazônia, que lançou diversos programas industriais, que lançou os planos TI Maior e outros. A única coisa que não se pode acusar o governo Dilma é de não ter perseguido uma economia eficiente. Se tivesse competência, Cristovam faria uma crítica desses planos e as razões do fracasso. Como não é, cria um estereótipo (o governo que é contra a propriedade privada) e enfia nele o argumento à martelada.

Depois da apologia da eficiência, rebate o eficientismo, para não perder outros slogans que anotou no seu caderninho:

Entender que não é mais o crescimento econômico e a distribuição de seu produto e renda que fazem o mundo melhor, mas a elevação do bem-estar social, em equilíbrio ecológico.

O artigo todo é isso, uma miscelânea de conceitos soltos, sem nenhuma costura lógica. Vai jogando slogans e quem quiser que pegue um pedaço e leve para casa. Por exemplo: o que ele quer dizer com esse mixórdia palavrória?

O governo substituto pode não fazer as reformas que os 13 anos de governo de esquerda não fizeram, mas poderá permitir a estabilidade e o diálogo necessários para a travessia em que uma nova esquerda vá se formando; o que seria difícil com o mesmo modelo arcaico no poder, impedindo o avanço conceitual e contaminando a moral das esquerdas e comprometendo ainda mais o funcionamento de uma economia eficiente.

E usa e abusa o conceito da ética, como se tivesse entrado na lama e saído sem respingos. Leia-se o que dele escreveu seu marqueteiro Luiz Fernando Emediato (http://migre.me/uTpzB).

Cristovam lembra o título de uma peça de teatro famosa, de 1946,  de Jean Paul Sartre. Ou uma comedia dell’arte de Carlo Galdoni. O personagem Cristovam, enfim, é eterno.

Por Maria Silva

Claudio Moura e Castro, um  tucano  notório (?) que escrevia (?) na Veja, atacou impiedosamente a gestão de Cristovam Golpista Buarque no MEC, por causa da sua recusa em implantar um indice de avaliação da educação basica.

O golpista dizia que era uma proposta "neo liberal". Covarde e oportunista como só ele, jogava pra plateia de sabujos do corporativismo sindical docente, que ele acreditava ser sua "base" de apoio politico no MEC. 

Após sua merecida demissão, Haddad lança então o IDEB e a Prova Brasil, que davam sustenção e fundamentação às politicas publicas de melhoria na qualidade do ensino. Haddad também  criou e implantou o Plano de Ação Articulada para auxiliar estados e municipios na questão do planejamento educacional e liberação de recursos do governo

Cristovam Buarque, o que foi sem nunca ter sido | GGN

26/10/2015

RBS & Globo, muito além da corrupção

RBS Ana ALCada dia que passa fica mais fácil de entender porque a RBS e a Rede Globo tanto apoiaram a Marcha dos Zumbis. A divulgação da Agenda 2020 também ajudam a entender o modus operandi da RBS. Com tudo isso, ainda não está fácil de entender como um grupo pode por tanto tempo corromper tanta gente.

A manada de midiotas amestrados, que se perfilam ao padrão de sonegação da RBS, a ponto de defenderem que sonegação não é crime, é ainda algo inexplicável à luz da razão. Mas, no mundo dos mortais, há explicações que a própria razão desconhece. O ódio desmedido com que a RBS se atirou contra Olívio Dutra e Diógenes de Oliveira é como meia palavra a bom entendedor. A RBS, cria da ditadura, não tem aptidão para viver na democracia. Alguns fatos provam isso. Quando Luis Fernando Veríssimo chamou Fernando Collor de Mello de ponto de interrogação bem penteado, a Zero Hora suspendeu-o. Como explicar que um jornal não só sobreviva a uma ditadura como cresce com ela, sem nunca ser importunado por ela, a ditadura, mas seja apreendido nas primeiras eleições livres após a ditadura? Simples, a RBS é fruto podre da ditadura. A caçada ao Olívio Dutra se explica pelo mau costume da RBS vive das tetas do Estado. A mudança na distribuição das verbas publicitárias foi uma facada nas costas da RBS.

O ódio ao Olívio começou quando desbancou o cavalo paraguaio, Antonio Britto, que havia doado a CRT à RBS.

A RBS conseguiu em Vieira da Cunha, uma pessoa com sobrenome e costume parecidos com o atual Presidente da Câmara Federal, para tentar desmoralizar o Governo Olívio. Afinal, como podia um governador do RS não só se negar a transferir recursos públicos a uma montadora, como também criar uma Universidade Estadual, a UERGS? Então inventaram uma CPI da Segurança. E foi nela que apareceu pela primeira vez que a RBS tinha uma subsidiária nas Ilhas Cayman…

Para resumir, Vieira da Cunha trouxe para o PDT quem fazia com ele dobradinha na RBS, Lasier Martins. Vieirinha virou Secretário do pior governo de Estado que já tivemos, e olha que Yeda Crusius, outra cria da RBS, já foi um desastre estupendo. E Lasier Martins é o segundo senador da RBS em Brasília. Já tinha Ana Amélia Lemos, cujo passado se confunde com a RBS.

O ódio a Lula, Dilma e ao PT pode ser explicado pela derrocada econômica da RBS, mas muito mais pela derrocada moral. Como não odiar quem disse que, para combater a corrupção, não deixará “pedra sobre pedra”, doa a quem doer?!

As provas: Globo (RBS) deu R$ 12 milhões na Zelotes

publicado 24/10/2015 –

A Zelotes tem muito mais roubalheira que toda a Vara do Moro – PHA

operação zelotes

O Conversa Afiada reproduz matéria de Najla Passos, na Carta Maior:

RBS, afiliada da Globo, pagou R$ 11,7 milhões para conselheiro do CARF

A Operação Zelotes apura o envolvimento de funcionários públicos e empresas no esquema de fraude fiscal que pode ter causado um prejuízo de R$ 19,6 bilhões
Najla Passos
Documentos sigilosos vazados nesta quinta (22) comprovam que o Grupo RBS, o conglomerado de mídia líder no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, pagou R$ 11,7 milhões à SGR Consultoria Empresarial, uma das empresas de fachada apontadas pela Operação Zelotes como responsáveis por operar o esquema de tráfico de influência, manipulação de sentenças e corrupção no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), o órgão vinculado ao Ministério da Fazenda que julga administrativamente os recursos das empresas multadas pela Receita Federal.
A SCR Consultoria Empresarial é umas das empresas do advogado e ex-conselheiro do CARF, José Ricardo da Silva, indicado para compor o órgão pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) e apontado pela Polícia Federal (PF) como o principal mentor do esquema. Os documentos integram o Inquérito 4150, admitido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na  última segunda (19), que corre em segredo de justiça, sob a relatoria da ministra Carmem Silva, vice-presidente da corte.
Conduzida em parceria pela PF, Ministério Público Federal (MPF), Corregedoria Geral do Ministério da Fazenda e Receita Federal, a Operação Zelotes, deflagrada em março, apurou o envolvimento de funcionários públicos e empresas no esquema de fraude fiscal e venda de decisões do CARF que pode ter causado um prejuízo de R$ 19,6 bilhões aos cofres públicos. Segundo o MPF, 74 julgamentos realizados entre 2005 e 2013 estão sob suspeição.
As investigações apontam pelo menos doze empresas beneficiadas pelo esquema. Entre elas a RBS, que era devedora em processo que tramitava no CARF em 2009. O então conselheiro José Ricardo da Silva se declarou impedido de participar do julgamento e, em junho de 2013, o conglomerado de mídia saiu vitorioso. Antes disso, porém, a RBS transferiu de sua conta no Banco do Rio Grande do Sul, entre setembro de 2011 e janeiro de 2012, quatro parcelas de R$ 2.992.641,87 para a conta da SGR Consultoria Empresarial no Bradesco.
Dentre os documentos que integram o Inquérito 4150 conta também a transcrição de uma conversa telefônica entre outro ex-conselheiro do Carf, Paulo Roberto Cortez, e o presidente do órgão entre 1999 e 2005, Edison Pereira Rodrigues, na qual o primeiro afirmava que José Ricardo da Silva recebeu R$ 13 milhões da RBS. “Ele me prometeu uma migalha no êxito. Só da RBS ele recebeu R$ 13 milhões. Me prometeu R$ 150 mil”, reclamou Cortez com o então presidente do Carf.
Suspeitos ilustres
Os resultados das investigações feitas no âmbito da Operação Zelotes foram remetidos ao STF devido às suspeitas de participação de duas autoridades públicas com direito a foro privilegiado: o deputado federal Afonso Motta (PDT-RS) e o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Augusto Nardes. O deputado foi vice-presidente jurídico e institucional da RBS, afiliada da Rede Globo no Rio Grande do Sul. Os termos de sua participação no esquema ainda são desconhecidos.
Nardes, mais conhecido por ter sido o relator do parecer que rejeitou a prestação de contas da presidenta Dilma Rousseff relativa ao ano de 2014, por conta das polêmicas “pedaladas fiscais”, é suspeito de receber R$ 2,6 milhões da mesma SGR Consultoria, por meio da empresa Planalto Soluções e Negócios, da qual foi sócio até 2005 e que ainda hoje permanece registrada em nome de um sobrinho dele.
Processo disciplinar
Nesta quinta (22), a Corregedoria Geral do Ministério da Fazenda anunciou a instalação do primeiro processo disciplinar suscitado pelas investigações da Operação Zelotes. Em nota, o órgão informou que o caso se refere a uma negociações para que um conselheiro do CARF pedisse vistas de um processo, sob promessa de vantagem econômica indevida, em processo cujo crédito tributário soma cerca de R$ 113 milhões em valores atualizados até setembro.



As provas: Globo (RBS) deu R$ 12 milhões na Zelotes — Conversa Afiada

15/09/2015

Quando envolve a Rede Baita Sonegadora, ninguém Motta…

Cadê o Vieirinha, moleque de recados da RBS. Que vergonha para o PDT, uma sigla que já foi grande e hoje vive de aluguel na RBS. A parceria do Vierinha com a RBS na CPI da Segurança Pública, vejam só, para atingir Olívio Dutra, um dos homens públicos mais probos deste Estado, granjeou-lhe simpatia a ponto de alugar a sigla para o funcionário Lasier Martins, numa preparação para a candidatura ao senado, levar a Agenda 2020 da RBS pelos quatro cantos.

Um Estado onde a RBS detém 80% do mercado de mídia só poderia resultar numa manada de midiotas. Cabresteados pela RBS, elegeram o PP gaúcho, todinho na Lava Jato, Afonso Motta, prestes a botar a tornozeleira, Lasier Martins e Ana Amélia Lemos, o que dá a RBS dois Senadores. E, hors concours, o Tiririca da Serra, SARTORI…  Todos eles aliados de Aécio Neves. Essa é a gente que vive de disseminar ódio a Lula, Dilma e ao PT. O que o pitt bull Lasier Martins tem a dizer a respeito de seu colega de RBS, em breve de tornozeleira eletrônica, e de partido?!

Na véspera do 20 de setembro, quando a gauchada comemora uma revolução da casa-grande perdida para o Império, cantemos o Hino Rio-Grandense: “sirvam nossas patranhas de modelo a toda terra”.

PF cita deputado Afonso Motta na operação Zelotes

Inquérito apura suspeitas sobre participação do Grupo RBS em suposta fraude no Carf

Inquérito apura suspeitas sobre participação do Grupo RBS em suposta fraude no Carf | Foto: Gustavo Lima/Agência Câmara/CP

Inquérito apura suspeitas sobre participação do Grupo RBS em suposta fraude no Carf | Foto: Gustavo Lima/Agência Câmara/CP

O deputado federal Afonso Motta (PDT-RS) foi citado nas investigações da Polícia Federal sobre o esquema de corrupção no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), órgão vinculado ao Ministério da Fazenda, de acordo com o Jornal Folha de São Paulo. O nome do parlamentar surgiu no inquérito aberto para apurar as suspeitas de participação do Grupo RBS. Motta foi vice-presidente jurídico e institucional da empresa até 2009, antes de se eleger à cadeira na Câmara.
Nesta terça-feira, Motta confirmou ter atuado em defesa da RBS ao longo de oito dos 11 anos em que as ações são investigadas. “Após minha saída, houve decisão desfavorável à empresa. A reversão da sentença ocorreu depois. Vejo a citação do meu nome como algo natural, pois trabalhei no período que corresponde a etapa da investigação. Porém, não posso comentar sobre a investigação, porque não fui notificado de nada”, afirmou. Como é deputado federal, ele tem foro privilegiado e só pode ser investigado com autorização do Supremo Tribunal Federal (STF). A Procuradoria-Geral da República (PGR) vai analisar o material coletado pela PF e decidirá se pedirá ou não abertura de inquérito ao STF.
As fraudes investigadas no Carf foram descobertas a partir da Operação Zelotes, deflagrada pela PF em abril. O Carf funciona como tribunal administrativo, responsável por julgar recursos de empresas autuadas pela Receita Federal por deverem impostos. Segundo investigações, conselheiros recebiam propina para votar em favor de redução e até do perdão das dívidas. O contato era feito por intermediários. Lobistas, escritórios de contabilidade ou de advocacia eram responsáveis por cooptar empresas dispostas a pagar propina a conselheiros do esquema, em troca de influência nos resultados dos processos.
Em nota, o Grupo RBS informa que Motta deixou a empresa em 2009 para exercer carreira política. O grupo não comentou a investigação da Polícia Federal sobre a atuação da RBS junto ao Carf.

Correio do Povo | Notícias | PF cita deputado Afonso Motta na operação Zelotes

05/09/2015

Agenda 2020 da RBS

zelotesLasier Martins é o projeto da RBS para o Piratini em 2020. À moda Cosa Nostra, a RBS utilizou o braço da Rádio Gaúcha para levar o pitt bull a pastorear sua manada de bovinos pelo interior do RS. Não bastava ter uma Ana Amélia Lemos no PP gaúcho, a RBS também precisa de uma sigla de aluguel. Foi Vieira da Cunha que entregou a barriga de aluguel para que a RBS pudesse parir outro senador. Assim, a RBS é o único grupo de comunicação que não precisa de intermediários, já tem só pra si dois senadores. Por pouco não conseguiu emplacar a Miss Lagoa Vermelha no Piratini. Não funcionou, então montou o plano B e emplacou o Tiririca da Serra. A estratégia foi criminalizar o PT e Tarso Genro. Poderia ser qualquer um menos alguém do PT. Por quê a RBS tem tanto medo do PT? Claro, o sonho da RBS é ter alguém que lhe entregue, seja em marketing ou facilidades públicas aos finanCIAdores ideológicos, uma CRT a cada quatro anos.

A parceria da RBS com prefeituras do interior, mediante o finanCIAmento de parceiros ideológicos, explica porque o RS está muito atrás de Santa Catarina. Outra explicação está na presença do latifúndio no RS. Em Santa Catarina impera a pequena propriedade.

O atraso gaúcho atende pela união do lumpempresariado  com o lumpenjornalismo. Em que outro estado um grupo de jornalismo criminalizaria um governo que “ousasse” criar uma Universidade Estadual? Olívio Dutra foi diabolizado pela RBS.

Claro, contou com meninos de aluguel, que se venderam pois dois minutos de presença, ao vivo, no Jornal Nacional. Vieira da CUnha, que pelo sobrenome não se perca, alugou seu PDT em troca do acobertamento da RBS. Hoje é Secretário, da cota da RBS,  de Educação. Não é sem motivos que a RBS faz vistas grossas ao abandono de Porto Alegre por José Fortunati. Assim, a RBS mediante seus muitos braços mafiomidiáticos detém dois senadores (Ana Amélia & Lasier), um ventríloquo no governo do Estado, um estafeta na Secretaria de Educação, e um palerma de Prefeito de Porto Alegre.

Só os midiotas não entendem. Para entender bastaria ver quem são os que estão na Lista Falciani do HSBC, no CARF, na Operação Zelotes, Operação Rodin, Operação Pavlova. Por que, vira e mexe, o Gerdau é figura presente para ditar o que é bom ou ruim para o Estado? Será porque o Gerdau, como a RBS, tem interesse no CARF?! Por que eles não param de lorotas, deixem de sonegação e paguem em dia os impostos?!

E ainda há quem não entenda porque o RS está tão mal.

Um relato sobre a misteriosa Agenda 2020

Postado por Juremir em 24 de agosto de 2015

Há nomes que surgem do nada e começam a ter grande influência nos bastidores da administração pública formulando sugestões de políticas que vão se fixando como entidades misteriosas. Por toda parte, ouve-se falar na tal Agenda 2020. De onde surgiu? O que é? Em princípio, é a plataforma de um grupo de empresários que busca implementar Estado mínimo, apostar em políticas de incentivos fiscais para empresas e fazer lobby para os seus amplos interesses. Recebi um interessante e-mail de sobre a Agenda 2020 de uma fonte que não pode ter o seu nome divulgado por medo de sofrer represálias muito óbvias.

Uma fonte entranhada.

“Existe uma empresa que é onde funciona a Agenda 2020, a Polo RS, coordenada por Ronald Krumenauer, e os projetos dela são mantidos por colaboração dos voluntários da Agenda, voluntários esses todos empresários de alta classe do Estado. O que sempre me chamou atenção foi o fato de que a Agenda não tinha nenhuma atividade específica. Mesmo assim eles mantém um corpo de funcionários até pequeno, mesmo assim nunca vi um lugar onde o dinheiro saia de forma tão fácil. A atividade principal deles foram os Debates RS, onde visitavam diversas cidades a apresentaram sua agenda junto com o senador Lasier Martins a equipe da Rádio Gaúcha. Outro fato interessante se refere à sugestão de uma pauta sobre sonegação de impostos, já que sempre escutei discursos indignados contra os impostos no Brasil. A resposta foi bastante clara de porque aquela pauta não deveria ser levantada: ‘Tu queres pegar mais da metade do conselho da Polo’. O presidente da Agenda 2020 é uma figura meramente figurativa, quase nunca aparece no local e nas poucas vezes que vai fica menos de 10 minutos no local em conversa reservada com Ronald. Bom há outras questões sobre a Agenda que podemos levantar, especialmente de onde vem o dinheiro que sustenta aquela estrutura, já que o escritório está localizado em uma região muito cara da cidade, sem contar os gastos com pessoal, viagens e etc”.

A Agenda 2020 é parceira da RBS.

Nada de irregular. Só desconhecido do público mais amplo. O time da Polo é pesado.

Esta notícia, recuperada na Internet, dá uma ideia da densidade econômica do pessoal e da sua capacidade de influência: “Conselheiros e associados da Polo RS – Agência de Desenvolvimento, reunidos nesta segunda-feira, dia 19 de agosto, em Porto Alegre, elegeram o empresário Humberto César Busnello como o novo presidente do Conselho de Administração da entidade, período 2013/2015. O encontro foi liderado por Bolivar Baldisserotto Moura, presidente do conselho da Polo RS entre 2007 e 2013. A reunião contou com os conselheiros Jorge Gerdau Johannpeter (Gerdau), Heitor Müller (Fiergs), Zildo De Marchi (Fecomércio), Ricardo Russowsky (Federasul), Paulo Vanzetto Garcia (Sinduscon), José Eduardo Cidade (Walmart) e Vagner Calvetti (Ipiranga), Anton Karl Biedermann e as presenças de Renato Gasparetto e Luiz Carlos Bohn”. Tropa de choque.

Eleito, Busnello declarou: “Vamos intensificar nosso relacionamento com o Executivo, com Legislativo e o Judiciário. Temos estudos e propostas sobre o futuro do Rio Grande do Sul que precisamos apresentar a todos os gaúchos”.

Apresentou-as a Sartori.

Será que o máximo de gaúchos quer o Estado mínimo?

Juremir Machado da Silva – Blogs – página 3 – Correio do Povo | O portal de notícias dos gaúchos

27/11/2013

O que eles escondem embaixo da bandeira?

Jogo dos sete erros: Adivinhe quem está com a mão na bunda do Onix? E o que o anão faz de tão engraçado que faz Vieirinha soltar as pregas? Adivinha quem não saiu na foto?

Eu ainda lembro o que vocês fizeram no golpe da CPI da Segurança! Coincidência, Vieirinha é apenas mais um candidato da RBS. A outra é a Ana Ameba, e senador a RBS já tem as pampas.

 

PDT gaúcho se reúne com sete partidos para definir alianças para 2014

| Foto: Paulo Dias/Divulgação DEM

O deputado federal e pré-candidato do PDT ao Piratini, Vieira da Cunha (PDT), se reuniu, na manhã desta sexta-feira (26), com representantes de sete partidos políticos para discutir um projeto de governo para o Rio Grande do Sul | Foto: Paulo Dias/Divulgação DEM

Nícolas Pasinato

O deputado federal e pré-candidato do PDT ao Piratini, Vieira da Cunha (PDT), se reuniu, na manhã desta sexta-feira (26), com representantes de sete partidos políticos para discutir um projeto de governo para o Rio Grande do Sul. Na ocasião, foi assinado um manifesto por seis das sete legendas presentes classificado como um documento de “parceria pelo desenvolvimento do Rio Grande do Sul”. Assinaram PDT, PSD, PSC, DEM, PR e PPS. O Partido Verde foi único que não subscreveu o documento.

Os partidos que assinaram o manifesto possuem juntos 150 deputados federais na Câmara. Incluindo o PV o número subiria para 159. Esse índice é relevante, pois dois terços do espaço da propaganda eleitoral de TV e rádio é calculado, proporcionalmente ao número de representantes na Câmara dos Deputados, considerado, no caso de coligação, o resultado da soma do número de representantes de todos os partidos que a integram. “Caso confirmada essas alianças, dificilmente esse tempo será superado”, prevê Vieira da Cunha.

Porém, ele ressalta que não existe ainda um anúncio de aliança para 2014. “É um anúncio de uma parceria pelo desenvolvimento do Rio Grande. Essa parceria vai ou não se tornar uma coligação dependendo dos fatos políticos e outras questões que o futuro irá dizer”, destaca.

Para Vieira, o encontro também simboliza uma resposta para lideranças do PDT, que defendem a permanência do partido na coalizão liderada pelo PT para a reeleição do governador Tarso Genro. “Demonstra que há abertura de várias forças políticas partidárias para um projeto alternativo para o Rio Grande do Sul. Desmente a afirmação que estaríamos isolados na corrida para o Palácio Piratini”, disse.

O empresário gaúcho José Paulo Cairoli, presidente estadual do PSD, ressaltou que foi construída uma agenda de convergência sobre os grandes problemas do estado para que eles possam ser inseridos dentro de um programa de governo. O presidente estadual do PR, Cajar Nardes, afirmou que o grupo de partidos presentes querem um estado mais eficiente. “Temos uma sociedade digital e queremos um estado digital e não um estado analógico como o de hoje. Qualquer cidadão, se perguntado, diria que o governo deixa a desejar nos serviços prestados”, afirmou Nardes.

Sérgio Stasinski, do PV, esclareceu que não assinou o documento em função do partido não ter discutido em profundidade o assunto. Por outro lado, destacou como positiva a possibilidade da candidatura de Vieira da Cunha como alternativa para o Estado. “Precisamos rediscutir também o Pacto Federativo, onde os estados e os municípios ficam com quase todos os serviços e a União com quase toda arrecadação. Temos de distribuir isso”, acrescentou.

O presidente estadual do DEM, Onyx Lorenzoni, classificou a candidatura de Vieira como uma “possibilidade de construção de um projeto de recuperação do Rio Grande do Sul”. “Os desafios para os próximos anos são intransponíveis. Para isso, esse grupo convida outras agregações políticas e a sociedade gaúcha organizada para fazer parte dessa discussão”, declarou.

Segundo ele, o estado necessita de um melhor nível de segurança, infraestrutura, saúde e educação. “As pesquisas mostram que o Rio Grande do Sul quer mudar e nós estamos dispostos a construir um projeto sério e sem empreguismo para botar a companheirada para trabalhar como o atual governo faz”, defendeu.

Sérgio Ramos, do PPS, disse que o seu partido concorda que o Estado passa por uma profunda crise e que é necessário construir políticas que possam perseverar no tempo. O presidente do PSC, Moisés Rangel, também lamentou a gestão financeira do atual governo e disse que o seu partido quer contribuir para reverter esse quadro. “Não concordo que o Rio Grande do Sul seja ingovernável. É necessário mudar os rumos do governo”, avaliou.

Confira o documento assinado pelos partidos na íntegra

“Manifesto ao Rio Grande

Ao aproximar-se o período de definições em relação às Eleições Gerais de 2014, os partidos signatários deste Manifesto, por suas lideranças, convidam uma reflexão.

Considerando a necessidade que tem o Rio Grande do Sul de uma gestão pública que enfrente de forma eficaz os problemas que tornaram ineficiente a prestação de serviços de responsabilidade do Estado;

considerando que a crise de gestão é percebida no preocupante e crescente endividamento do Estado e na incapacidade de gerar novas receitas, o que impede o Governo de cumprir sua função de promover o desenvolvimento e garantir o bem-estar ao povo gaúcho;

considerando que a falta de investimentos em áreas vitais de responsabilidade do Estado compromete o presente e o futuro da sociedade Rio-grandense;

considerando a necessidade de uma alternativa a esse inaceitável contexto, incompatível com o papel de vanguarda que o Rio Grande do Sul sempre desempenhou na Federação brasileira,

as agremiações subscreventes e suas lideranças anunciam publicamente a sua disposição de firmar parceria pelo desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Sul e convidam as demais forças políticas e a sociedade Rio-grandense a somarem esforços na construção de um projeto que resgate a governabilidade, a confiança, a autoestima e a esperança do povo gaúcho em um futuro melhor para todos os filhos e filhas desta terra”.

PDT gaúcho se reúne com sete partidos para definir alianças para 2014 « Sul 21 Sul 21

04/10/2012

Quando não é sim, e vice-versa, aparece Vieirinha

Filed under: Corrupção,Eleições,Porto Alegre,Vieira da Cunha — Gilmar Crestani @ 8:06 am

Com certeza, este não será o problema das eleições. Preocupa muito mais a proximidade de Fortunati com a RBS em relação à especulação imobiliária. Quando alguém está muito próximo da RBS, algo sujo logo logo vai aparecer.

MP investiga suspeita de uso da máquina pública para fins eleitorais em Porto Alegre

Líderes partidários ligados à coligação de Manuela D’Ávila apresentaram publicamente a denúncia em coletiva | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Samir Oliveira *

O Ministério Público (MP) do Rio Grande do Sul irá investigar uma denúncia de utilização da máquina pública para fins eleitorais em Porto Alegre. O promotor eleitoral Mauro Rochemback iniciou a investigação nesta segunda-feira (1), após receber a denúncia da coligação Juntos por Porto Alegre (PCdoB, PSD, PSB, PSC e PHS), da candidata Manuela D’Ávila.

Na sexta-feira (28), todos os 36 vereadores receberam um envelope contendo uma denúncia anônima de uma moradora do bairro Rubem Berta, que estava indignada com a forma como havia sido conduzida uma reunião do Orçamento Participativo (OP) na região. O encontro havia acontecido na quarta-feira (26) e, na ocasião, conselheiros do OP e assessores da prefeitura prometeram o encaminhamento de obras na região e pediram votos ao prefeito José Fortunati (PDT) e a Cássio Trogildo (PTB) – que se licenciou da Secretaria de Obras e Viação (Smov) para concorrer a uma vaga na Câmara Municipal.

A moradora encaminhou aos parlamentares uma gravação de mais de 40 minutos de toda a reunião. Nesta terça-feira (2), os líderes partidários da coligação de Manuela D’Ávila concederam uma coletiva à imprensa para anunciar o caso e entregar cópias da gravação aos jornalistas.

“Vivemos de política a cada dois anos”, diz assessor da Smov

O chefe da Assessoria Comunitária da Smov, Antônio Olímpio Guimarães Filho, conhecido como Toninho, esteve na reunião do Orçamento Participativo do dia 26 de setembro para pedir votos para o prefeito José Fortunati e para seu chefe, o secretário Cássio Trogildo – que está licenciado da pasta para concorrer ao cargo de vereador.

Na reunião, com cerca de 60 moradores do Rubem Berta, Toninho promete o asfaltamento de uma rua do bairro. “Vocês podem ter certeza que na semana que vem vamos estar trabalhando”, assegurou. De fato, a obra em questão começou nesta terça-feira (2).

Em seu pronunciamento, Toninho fez referência a várias obras que, segundo ele, teriam sido tocadas por determinação do “secretário Cássio”. Ele não poupou elogios ao chefe. “Ele atende a todos que vem procurar. Vivemos de política a cada dois anos. Quem está no governo, quem não é concursado, se disser que não vive de política, é mentira”, diz o assessor comunitário da Smov, acrescentando que é por esse motivo que ele foi na reunião “anunciar um serviço que em alguns dias vamos estar realizando”.

"Se é asfalto por voto, o caderno do OP pode ser rasgado", diz carta anônima que acompanhava material entregue a vereadores de Porto Alegre: "Mesmo no anonimato, peço muito a ajuda de vocês" | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Toninho demonstra bastante confiança na reeleição do prefeito José Fortunati. “Daqui a dois anos vamos voltar aqui para poder dizer para vocês que vamos continuar fazendo mais. Tanto o Fortunati como prefeito, como o Cássio, que vai retornar para a Secretaria de Obras. É que nem se diz: quando o cliente é bem atendido, ele retorna para a casa. E nós vamos ser bem reconhecidos pela sociedade, vamos retornar para a Smov e vamos fazer mais por vocês”, assegurou.

No encerramento de sua fala, o assessor da prefeitura demonstra ainda mais confiança e diz que o prefeito vencerá no primeiro turno. “Quando vocês menos esperarem, as máquinas vão estar aqui trabalhando. Fortunati fez e está fazendo. E, juntamente com o Cássio, vão fazer muito mais. As pesquisas já estão mostrando mais de 47% de aprovação do eleitorado. Isso quer dizer que vai ter vitória no primeiro turno. As eleições vão acabar logo, logo”, conclui Toninho. As últimas palavras do seu pronunciamento são os números eleitorais de Fortunati e de Cássio Trogildo.

Conselheiro do OP distribui material de campanha durante a reunião

O conselheiro Maurício Melo, do Orçamento Participativo, foi o mais empolgado cabo eleitoral do prefeito e de Cássio Trogildo na reunião de quarta-feira (26). Apesar de ser uma reunião para discutir as demandas dos moradores no OP, ele disse que estava lá como “amigo” do secretário licenciado da Smov. “Estamos aqui como amigos do Cássio”, argumentou, citando, em sua fala, o chefe da Assessoria Comunitária da Smov, Antônio Guimarães Filho, o Toninho.

O pronunciamento de Maurício Melo foi, o tempo inteiro, dedicado à eleição de Cássio Trogildo. “Com a ajuda de vocês, o Cássio vai se eleger o vereador mais votado dessa cidade”, conclamou.

Em seguida, Maurício Melo fez referência ao material de campanha do candidato, que estava sendo distribuído na reunião do OP. “Aqui tem uma prestação de contas, como secretário, do que o Cássio fez. É a política diferenciada, primeiro eu vou fazer, primeiro eu vou plantar para colher na comunidade. Então é isso, é uma política diferente”, elogiou.

O tom de ato de campanha prevaleceu o tempo inteiro na reunião. “Quero pedir para vocês, pessoal, saiam daqui hoje e entrem nessa campanha do Fortunati e do Cássio. Entrem nessa campanha a fundo, com os parentes, levem o material, que vocês vão fazer parte de uma história de mudança aqui no Rubem Berta. O Cássio vai voltar para a Secretaria de Obras, se Deus quiser e se a comunidade quiser”, exaltou.

"Estão usando máquina pública como nunca antes em Porto Alegre", denunciou Nelcir Tessaro (PSD), vice na chapa de Manuela | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

O conselheiro do OP terminou seu discurso pedindo que os moradores do bairro colocassem materiais de campanha do secretário licenciado da Smov em suas casas. “Aqui tem a faixinha para aqueles que puderem colocar na frente da sua casa. Ou vão pedir para botar no vizinho. Levem as faixinhas. Tem aqui o materialzinho, nos ajudem”, solicitou.

Comerciante também faz campanha durante reunião e oferece alimentos à população

A reunião com integrantes do OP ocorreu a pedido do comerciante Alcindo Lintener. Em seu discurso, ele se mostrou um animado cabo eleitoral do prefeito José Fortunati e de Cássio Trogildo.

“Precisamos nos mobilizar, convocar os familiares, precisamos nos mobilizar de verdade para trazer essas duas figuras para o desenvolvimento de Porto Alegre, para o crescimento da nossa cidade”, conclamou.

Conhecido como Lu, Alcindo disse, no pronunciamento, que colocou salsichão e pãozinho à disposição dos moradores na reunião. “Para encerrar, muito obrigado pela presença de vocês aqui, muito obrigado pela presença de todos. E quem quiser participar, eu botei ali um salsichãozinho, eu botei ali um pãozinho, para sair daqui com o estômago forrado. E depois é só alegria”, animou-se.

“Há indícios de uso da máquina administrativa” reconhece promotor eleitoral

O promotor eleitoral Mauro Rochemback já ouviu toda a gravação da reunião do Orçamento Participativo denunciada ao Ministério Público e reconhece que há indícios de utilização da máquina pública para conquista de votos. “Os indícios do uso da máquina administrativa estão ali. Foi uma reunião envolvendo funcionário de uma secretaria pedindo votos”, observa.

O promotor já instaurou um procedimento investigativo e garantiu que começará nesta quarta-feira (3) a expedir ofício intimando as pessoas que participaram da reunião a deporem. Mauro Rochemback disse que não tem como avaliar, ainda, se a denúncia pode atingir a candidatura de José Fortunati à reeleição. “Ainda não tenho a dimensão da investigação. Há referência ao prefeito, as pessoas pedem votos para os dois”, explicou, em referência ao secretário licenciado de Obras e Viação, Cássio Trogildo.

O promotor disse que não há tempo para impedir a candidatura de Cássio, mas assegurou que, se for comprovado o uso da máquina pública, sua investigação poderá impedir a diplomação do petebista, caso ele consiga ser eleito.

Vieira da Cunha: "a denúncia é infundada e tem motivações políticas" | Foto: Leonardo Prado /Ag.Câmara

Campanha de Fortunati diz que denúncia é “última tentativa da oposição”

Coordenador da campanha de José Fortunati, o deputado federal Vieira da Cunha (PDT) assegura que não há utilização da máquina pública para fins eleitorais por parte da prefeitura. Ele diz que a denúncia feita pela candidatura de Manuela D’Ávila é “infundada”.

“A denúncia é infundada e tem motivações políticas. É uma última tentativa da oposição, que sabe que será derrotada. O Toninho estava no direito de fazer campanha, tenho absoluta convicção de que não houver uso da máquina pública para arrecadar votos”, declarou em entrevista ao Sul21.

Em nota divulgada pela campanha do prefeito, Vieira disse que o asfaltamento da rua em questão no bairro Rubem Berta seguiu os trâmites legais do Orçamento Participativo. “A obra em questão foi solicitada pela Associação Comunitária dos Moradores do Residencial Rubem Berta em agosto de 2011, passou por todas as instâncias de participação popular e desde 30 de setembro está programada para ser realizada, inclusive com publicação no portal da prefeitura”, justificou.

A reportagem tentou contato com Cássio Trogildo, mas seu telefone estava desligado.

* colaborou Natália Otto

Sul 21 » MP investiga suspeita de uso da máquina pública para fins eleitorais em Porto Alegre

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: