Ficha Corrida

04/09/2016

Jogo dos erros: descubra o intruso escanteado

Filed under: China,Dilma,G20,Michel Temer,Turquia — Gilmar Crestani @ 8:03 pm
Tags: ,

 

temvagaai

03/09/2016

Dilma, vítima de um estupro mafiomidiático, sai maior do que entrou

Dilma Ditadura4_n

Dilma sai do golpe maior do que entrou. Já seus algozes, entraram anões e saíram ratazanas.

Dos bueiros abertos pela Rede Globo, RBS, Estadão, Folha de São Paulo, Veja saíram os autores do golpe paraguaio. Os grupos mafiomidiáticos são os autores intelectuais do golpe. Também por isso são os maiores beneficiários.

– Dilma não tem nada a ver com a Brasif, nem com Miriam Dutra. FHC e Rede Globo, tem!

– Dilma não tem nada a ver com Zezé Perrella. Aécio Neves, tem!

– Dilma não tem nada ver com o crime organizado e o PCC. Alexandre Morais, tem!

– Dilma não tem nada a ver com o Paraguai. Álvaro Dias, tem!

– Dilma não tem nada a ver com estupradores. Jair Bolsonaro, tem!

– Dilma não tem nada a ver com Eduardo CUnha. Michel Temer, tem!

– Dilma não está na Lista de Furnas, Lista Falciani, Lista Odebrecht, Panama Papers, Operação Zelotes, Operação Lava Jato. Os estupradores da democracia, sim!

– Dilma não foi delatada por ninguém. Rede Globo, RBS, Romero Jucá, Aécio Neves, José Sarney, José Serra, FHC, Eliseu Padilha, foram!

El ala rota

Por Sandra Russo

“Ahora no hay torturas, pero hoy también miro a los ojos a las personas que me juzgan, y todos nosotros seremos juzgados por la historia. Esta es la segunda vez en mi vida que, junto a mí, se juzga a la democracia”. Dilma Rousseff sabía, cuando comenzó su descargo antes de ser destituida, cuál sería el veredicto, porque nunca se trató de la investigación o constancia de un delito, sino de un juicio llevado adelante por la antipolítica que representan esos oscuros legisladores que a la hora de la vendetta, a la hora de levantar o bajar el pulgar, se exhibieron a sí mismos, ya en la Cámara de Diputados, en toda su pobreza moral e intelectual, gritando “¡Sí!” con invocaciones extrañas. “Por mis nietas”, “contra el comunismo”, “contra el Foro Social Mundial”, “por Dios” o “contra el populismo” fueron algunas de esas bizarras manifestaciones que decapitaron la democracia en Brasil. “Nunca cedí. Nunca cambié de bando”, dijo antes Dilma, pintándose en ese último capítulo de su gobierno, después de haber sido electa por 54 millones de personas, como un espécimen de la política de las convicciones, en oposición a la política de los intereses.

La mujer que nunca cedió es la misma adolescente de cabeza casi rapada que miraba fijo a jueces militares que se tapaban la cara en l970, cuando aquella militante de VAR Palmares de entonces 22 años fue condenada, torturada y encarcelada. La misma que varias décadas más tarde, después de la irrupción del neoliberalismo en los 90, unió su esfuerzo y su suerte a la de Lula. La misma que comprendió, junto a otros líderes y dirigentes de la región, que de desmontar la histórica farsa de la democracia latinoamericana y reconvertirla en una democracia representativa al servicio de los sectores populares se trataba el nuevo objetivo sincrónico que podía elevar a la región a un rango desconocido hasta entonces, después de dos siglos de pantomimas marcadas por el fraude, el golpe, la corrupción y la extranjerización.

¿A qué no cedió nunca Dilma? ¿Cuál es el bando al que siempre le fue leal? Aquella adolescente que integró el VAR Palmares como consecuencia del golpe militar de 1964, vivió, creció, maduró y fue la ministra de Energía de Lula y luego su sucesora. Los unía el mismo proyecto de país. No cambiaron sus ideas, cambiaron las circunstancias. La democracia es un término muy vago, muy abstracto, que sólo cobra vigor en los hechos de tanto en tanto. Básicamente implica reglas de juego. No existieron esa reglas de juego cuando la generación de Dilma y la de otros presidentes populares latinoamericanos tenían la edad de los jóvenes que ahora, nacidos y crecidos en democracia, de pronto ven asaltadas sus vidas por un orden extraño, que tiene las formas de la democracia pero que no la extiende a sus propias vidas. Que les saca derechos sobre sus propias vidas. Esta generación de jóvenes latinoamericanos, los de los países cuyos gobiernos fueron acusados de populistas y uno tras otro fueron siendo atacados y embestidos bajo diferentes formas de presiones bestiales, nacieron y crecieron bajo un ala que, aunque nunca se desplegó tanto como para amparar a todos, se extendía en ese sentido. Desde el cinismo del posicionamiento político, hoy muchos niegan lo que el pueblo sabe. Estos años marcaron vidas enderezadas por el ascenso social, y eso sólo fue posible porque no se cedió a las presiones. Las hubo ininterrumpidamente. Para no ceder, es necesario estar convencido más allá de cómo mida la imagen. Estos jóvenes nacieron y crecieron en países de culturas inclusivas, porque sus respectivos Estados coincidían, bajo diferentes estilos y medidas, en constituirse en los garantes responsables de ese tipo de bienestar.

El tipo de bienestar en el que creen quienes defienden los Estados inclusivos , es aquel que deviene del derecho de alguien sólo por la gracia de haber nacido. No es casual, ni fruto del peronismo del Papa, que sobre ese tipo de Estado caiga un halo vinculado a lo más elemental, lo más simple de la cristiandad o el humanismo. Las ideas que sostienen la defensa de los Estados inclusivos parte, en efecto, de ver en el otro, especialmente al más castigado, al último de la fila de atributos y dones, como a alguien de quien hay que hacerse responsable. El Estado inclusivo es una construcción colectiva elaborada desde los cimientos de una convicción moral. Es prepolítico. Es concebir la política de Estado, es decir, la esencia estatal, como la nodriza que da la leche de la madre ausente. Aquello que el último de los últimos no tuvo la suerte de recibir por el azar del nacimiento, tiene el Estado la obligación de proveerlo.

Pero no se hablaba de Estados inclusivos, al menos en América latina, cuando Dilma miraba fijo a los jueces militares que estaban por condenarla. El vértigo de la violencia que instauraron los golpes militares de los 70, y sus respuestas, obnubilaba. Cuando aquí en 1983, Alfonsín hizo llorar a millones de personas recitando el preámbulo de la Constitución, en este país se salía de una larga noche de siete años, y esa opresión nos hacía creer que el paso hacia lo constitucional sería el primero en un camino que seguiría por lo que también decía Alfonsín. Queríamos que la democracia curara, que alimentara, que educara. Creíamos que la democracia era eso. Y no lo fue.

Llevó muchos años, muchos muertos, mucho sufrimiento comprender que la democracia por sí misma, como simple regla de juego, no implica la equidad. Llevó una década perdida, de confusión y hechizo, de injusticia, de saqueo, comprender que a esa democracia inclusiva hay que llegar, que hay que tallarla, que si no queremos volver a perder nunca más las reglas del juego, que es lo único que garantiza un mínimo de civilidad, es ésa la lucha, la verdadera, la más clara, la más justa de las luchas a las que vale la pena adherir. La de hacer de la democracia no sólo un sistema, sino un lugar. Darle cuerpo y volumen a la democracia. Lograr que habite no sólo en las instituciones, sino sobre todo en cada ciudadano, en su vida privada, en su domingo en familia, en su paternidad, en su maternidad, en los anhelos que se pueden tener siendo realista, en la expectativa de los deseos satisfechos, en la chance de la felicidad.

El golpe de Brasil y el tembladeral en el que se ha convertido esta región y este país, vuelven a poner de relieve que todo nuestro esfuerzo como personas comprometidas con una idea del otro, con esa profunda idea de un Estado responsable especialmente de los más débiles, debe ser un motor. Un gran motor que nos guíe entre nuestras diferencias, porque es tan oscuro el tiempo que se avecina, que tenemos que echar mano de nuestra conciencia histórica. Eso sí nos une a muchos que pensamos diferente, pero que estamos de acuerdo en que la democracia, si no es inclusiva, es apenas una palabra y una fachada. De algún lugar se debería exprimir la empatía para encontrar la confluencia de las luchas y convertirlas en una sola.

Página/12 :: Contratapa :: El ala rota

30/08/2016

Estupro à brasileira

OBScena: um dos muitos adesivos da Dilma distribuídos pelos estupradores golpistas

estupro adesivo-2Sim, porque sexo não é, né. Se não for consensual, é estupro. Saber perder é como saber ouvir um não. Aécio Neves não soube perder. Também não sabe ouvir NÃO. Juca Kfouri contou esta história. Então há uma lógica, quem bate em mulher também bate na democracia. Em bom português, dá golpe!

Como não dá para ler os jornais brasileiros, todos envolvidos no GOLPE, me informo pelos jornais do exterior. Hoje, por exemplo, o principal jornal de Buenos Aires, Pagina12, sacou, diante de uma quadrilha de homens brancos e ternos pretos, uma conclusão freudiana. É a cultura do estupro do machismo brasileiro. A figura da mulher Dilma foi vilipendiada, inclusive com a participação de algumas mulheres, como Ana Amélia Lemos, a Louro José do Senado. A imagem com áudio que correu o mundo na abertura da Copa do Mundo de 2014, no Itaquerão, mandava a Dilma tomar no cu. Não houve reação alguma por parte da emissora que transmitia, pelo contrário, regozijava-se.

O estupro como ferramenta política também foi usado, como descobriu e revelou a Comissão da Verdade, nos porões do DOI-CODI. Os finanCIAdores da Operação Bandeirantes – OBAN, participavam das sessões de tortura, estupro, morte e esquartejamento dos presos políticos. Talvez por isso as sessões eram noturnas e os corpos dilacerados eram depois levados por peruas camufladas para o Cemitério de Perus. Não por acaso, terra do pato da FIESP, desde sempre patrocinadora dos estupros coletivos da democracia.

A imprensa brasileira é maior responsável pela cultura do estupro. De todo tipo de estupro. Talvez por isso não tenha se indignado quando um dos políticos com maior déficit civilizatório, Marco Feliciano, foi denunciado por assédio sexual pela própria funcionária. Para a velha mídia o estupro de seus parceiros ideológicos passa batido, da mesma forma que passa batido a apreensão de um heliPÓptero com 450 kg de cocaína, mesmo que seu proprietário vire ministro. Ou talvez por isso.

A pior democracia é preferível a qualquer tipo de golpe, mormente quando seus defensores agem como estupradores.

Estupro a la democracia

Por Martín Granovsky

Cada 11 minutos una mujer es violada en Brasil. Si es negra, joven y pobre tiene más posibilidades de sufrir una agresión. Los estudios de Antropología les pusieron título a los datos: cultura del estupro.

Después de asistir a la sesión del Senado contra Dilma Rousseff, cualquiera puede reemplazar la palabra “mujer” por “Constitución” y la palabra “negra” por “democracia” y verá que la teoría puede aplicarse a la política sin forzar nada. Nada.

Los senadores de la oposición avanzaron un nuevo capítulo en la violación de las reglas del debido proceso. Vulneraron los derechos políticos de Dilma, que si no hay un milagro perderá la presidencia y quedará inhabilitada por ocho años para la política. Y aplastaron los derechos humanos de los brasileños: en octubre de 2014 votaron en primera y segunda vuelta por Dilma contra Aecio Neves y le dieron la victoria. Desde aquel alud de 54 millones de votos a hoy, con un golpe en marcha, pasaron menos de dos años.

“Ahora, la ruptura democrática se da por medio de la violencia moral y los pretextos constitucionales para que gane apariencia de legitimidad el gobierno que asume sin el amparo de las urnas”, dijo Dilma. “Se invoca la Constitución para que el mundo de las apariencias encubra hipócritamente el mundo de los hechos.”

No es un tema de forma, porque en democracia la forma es fondo. Una constelación formada por la gran banca internacional, los gigantes de la empresa brasileña, una parte de la Justicia, los megamedios, todos los parlamentarios del PSDB y la mayoría de los legisladores del PMDB tratan de construir apariencias para violar la Constitución.

Brasil no vive bajo un régimen parlamentario. Pero el Congreso censura a la Presidenta que tiene mandato hasta el 31 de diciembre de 2018.

Los diputados deben fundamentar su acusación contra Dilma como en cualquier proceso. Pero uno explicó la acusación honrando al oficial que torturó a la Presidenta cuando era guerrillera y otros dedicaron el voto a madres, hijos y cuadros.

Tal como denunciaron cuatro congresistas ante la Comisión Interamericana de Derechos Humanos, a Dilma hasta le restringieron el tiempo de sus testigos. Es decir, el derecho a defensa. Cuando fue notificado de que la petición había llegado a la CIDH, el canciller José Serra dijo: “Son unos brutos, diríjanse al Senado”. En política internacional la representación la asume el Poder Ejecutivo, no el Congreso. Un resumen y el texto completo de la petición a la CIDH pueden leerse aquí: http://bit.ly/2bzINaZ. Para brutalidades consultar a Serra.

Ayer mismo, en el Senado, varios senadores criticaron el desempeño de Dilma en el gobierno. Pero en un juicio político los senadores son jueces, no parlamentarios en medio de una interpelación. Los jueces preguntan y después sentencian. No replican.

El presidente de la Corte Suprema, Ricardo Lewandowski, encargado de dirigir las sesiones del Senado, dejó que alegremente los senadores esquivaran su papel de jueces. Pero corrigió a Dilma: “Le pido que no hable más nada del gobierno interino”, exigió tras las menciones de Rousseff al “gobierno usurpador” y “golpista”. “La condena exige pruebas cabales de que se haya cometido, dolosamente, un delito de responsabilidad fiscal”, explicó Dilma. “Sin delito, es golpe”, sintetizó.

Es equivocado pensar que el juicio político sin derechos es una cosa y la política otra. Son dos caras de lo mismo. Para observar lo que ocurre en Brasil no hace falta ningún diario del futuro. Ningún diario del lunes. Como citó la propia Rousseff, Temer ya impuso límites de gasto fiscal hasta el 2037 que ni siquiera las políticas sociales podrán perforar. Su gobierno también impulsó la baja de edad de imputabilidad y la tercerización laboral. “Van a precarizar”, anunció en el Senado Roberto Requiao, uno de los pocos del PMDB fieles al proyecto original. “En Brasil no se va a poder nacer ni trabajar.”

La Policía Federal busca meter preso a Lula, el único del PT en condiciones de competir en las presidenciales de 2018. Las policías militares (que en Brasil son las malditas provinciales) lubrican cada vez más el gatillo fácil o, como ayer, reprimen manifestantes en San Pablo. El futuro ya llegó.

Dilma, ayer, se equivocó de interlocutores. Les habló a los senadores, no al pueblo. Pero no es por sus debilidades políticas que los esclavócratas de Brasil quieren echarla. Es para ser fieles a la cultura del estupro que practican desde el siglo XVI.

martin.granovsky@gmail.com

Página/12 :: Contratapa :: Estupro a la democracia

28/08/2016

Golpe Brasileiro visto da Argentina

Filed under: Dilma,Golpe,Golpe Paraguaio,Jornais,Mídia Golpista,Página12 — Gilmar Crestani @ 10:19 am
Tags:

Enquanto todos os golpistas mantém obsequioso silêncio na véspera do crime, os jornais do mundo todo acusam o golpe. Da Al Jazira ao New York Times, do Le Monde ao La Reppublica. Todos dão nome aos bois: golpe!

Dilma Rousseff, de 22 años, condenada por un tribunal militar.

EL MUNDO › EL ABOGADO DE DILMA COMPARO EL PROCESO EN BRASIL CON EL JUICIO A SACCO Y VANZETTI

Un golpe en clave de farsa tragicómica

Los golpistas probablemente contarán con más de los 54 senadores necesarios –sobre un total de 81– para destituir a Rousseff en la votación prevista para mediados de esta semana. Pero antes tendrán que soportar su mirada.

Por Darío Pignotti

Desde Brasilia

Este lunes cuando Dilma Rousseff se presente ante el Senado, convertido en tribunal donde se le sustancia el impeachment , “ella va a poder mirar a los ojos a los golpistas y ellos, lo digo porque los conozco, creo que no resistirán la mirada” anticipó Lindbergh Farias. El senador del Partido de los Trabajadores habló ayer con periodistas sobre el “clima” político que se espera para este 29 de agosto, el día más aguardado desde el inicio del proceso contra la mandataria separada del cargo, el cual es ocupado interinamente por Michel Temer, del Partido Movimiento Democrático Brasileño (PMDB) , agrupación que controla la primera minoría de la Cámara alta.

La alianza del PMDB con el Partido de la Socialdemocracia Brasileña (PSDB) del ex candidato presidencial Aecio Neves y el ex mandatario Fernando Henrique Cardoso, junto a otras fuerzas menores probablemente contarán con más de los 54 senadores necesarios –sobre un total de 81– para destituir a Rousseff en la votación prevista para mediados de esta semana.

Si es confirmado como presidente definitivo, Temer embarcará de inmediato hacia China para participar en la cumbre del Grupo de los 20 donde sueña ser fotografiado saludando a Barack Obama, quien a través de varios gestos diplomáticos ha demostrado su complacencia con la degradación institucional brasileña.

Una segura ovación recibirá mañana a Dilma cuando pase, posiblemente junto a Luiz Inácio Lula da Silva, por la avenida principal de Brasilia, el Eje Monumental, donde será ralizado un acto en “defensa de la democracia” convocado por sindicalistas, militantes de agrupaciones de izquierda y campesinos sin tierra. Una barrera metálica de casi un kilómetro de extensión, conocida como “El Muro de Berlín”, fue instalada en esa avenida para impedir choques entre dilmistas y militantes que apoyan el impeachment.

Otro senador petista,Paulo Paím, declaró que el ingreso de Dilma al recinto, “será un momento histórico que mostrará a una presidenta honesta, de coraje ante aquellos que quieren condenarla por delitos que no cometió”. Optimista, Paim sostuvo que todavía hay chances de que el campo democrático sume los votos necesarios para devolver a Dilma a su cargo. Según la ley del impeachment el jefe de Estado procesado garantiza su permanencia en el gobierno si logra uno de los votos del Plenario. Paim y la senadora comunista Vanessa Grazziotin denunciaron ayer la “lamentable” ausencia de congresistas opositores durante la exposición de uno de los testigos de la defensa de Rousseff, el ex ministro de Hacienda Nelson Barbosa.

Sostuvo Grazziotin que los sillones vacíos del PMDB, PSDB, Demócratas y otras fuerzas conservadoras confirman la “farsa” de este proceso, donde los senadores son jueces que deben tomar en cuenta los alegatos de la acusación y la defensa antes de emitir su voto.

No caben dudas de que el proceso contra Rousseff es un “ritual vacío” sostuvo el viernes Gleisi Hoffmann, durante la sesión en la que el presidente del Senado, Renan Calheiros, aliado de Temer, admitió que este juzgamiento se parece bastante a un “hospicio”.

Los ánimos exaltados del viernes no se repitieron ayer cuando el ex ministro Barbosa hizo una exhaustiva demostración de algo que hasta los enemigos de Dilma parecen aceptar en secreto: no hay evidencias de que la mandataria haya violado las leyes de Presupuesto y Responsabilidad Fiscal. Y, agregó, los cargos que se le imputan son irrisorios y si fueran constatados merecerían sanciones administrativas, jamás la destitución.

De allí que el bloque de senadores antidilmistas insista en concluir a la brevedad un juicio en el que se desnudan todas las irregularidades montadas para acabar con el gobierno de una presidenta impopular, que fue votada por 54 millones de ciudadanos en 2014. Sin dudas el impeachment no será el último capítulo de este proceso que el abogado defensor José Eduardo Cardozo continuará ante el Supremo Tribunal Federal, que hasta el momento eludió hacer lugar a las apleaciones sobre temas de fondo y se limitó a responder demandas formales. Y una vez agotada la instancia del Supremo Tribunal lo más probable es que el caso derive en la Corte Interamericana de Derechos Humanos, vinculada a la Organización de Estados Americanos, cuyo presidente Roberto Caldas ha demostrado preocupación ante la fragilidad institucional brasileña.

Desde que Michel Temer fue abucheado por miles de personas en el estadio Maracaná en la apertura de las Olimpíadas, el 5 de agosto, ante la mirada algo perpleja de algunos líderes extranjeros y cientos de millones de televidentes en decenas de países, su equipo de marketing y el servicio diplomático tomaron conciencia de lo difícil que será construirle un perfil de líder democrático. A pesar del probable botox y el discreto implante capilar con que rejuvenece su apariencia, Temer no goza, y difícilmente gozará, de una buena imagen internacional.

Este Brasil post-democrático, mismo que el golpe sea legalizado, está muy desprestigiado y tiende a perder parte del liderazgo regional, así como el predicamento entre los países emergentes construidos durante los trece años de mandatarios petistas iniciados el primero de enero de 2003, cuando Fidel Castro y Hugo Chávez viajaron a Brasilia para la toma de posesión de Lula.

Ante el riesgo de otro “Maracanazo”, la semana pasada Temer evitó estar en el cierre de los Juegos para escaparle a la rechifla del público y dejó plantado al primer ministro de Japón Jinzo Abe, quien no escondió su enojo. La ausencia de mandatarios latinoamericanos y de países emergentes en el palco oficial del estadio fue un retrato de la orfandad diplomática brasileña actual y mostró el un contraste con lo ocurrido en la final de la Copa del Mundo de 2014, cuando Rousseff recibió Vladimir Putin, tras lo cual encabezó una cumbre conjunta de jefes de Estado de Unasur y el grupo BRICS.

Ayer el líder del bloque de senadores del Partido de la Socialdemocracia, Cassio Cunha Lima, soltó una ironía sobre los productores y camarágofos que están realizando “ese filmete de propaganda internacional del PT”. Cunha Lima, aliado de Neves, no ocultaba su desprecio por el documental de la directora brasileña Anna Muylaert con el uruguayo Cesar Charlone como responsable de fotografía.

Los directores Oliver Stone y Ken Loach, el lingüista Noam Chomsky la actriz Susan Sarandon firmaron la semana pasada un manifiesto de repudio a la destitución de Dilma, similar a otros respaldados por ex candidato presidencial demócrata Bernie Sanders y la central sindical norteamericana AFL-CIO.

Al contrario de los legisladores del bloque destituyente molestos con la filmación del video sobre los últimos días de Dilma como presidenta apartadada del cargo, el senador petista Jorge Vianna destacó ayer la importancia del registro histórico de este proceso “ilegítimo” que el abogado José Eduardo Cardozo comparó con el que sufrieron en Estados Unidos los anarquistas italianos Nicola Sacco y Bartolomeu Vanzetti, que pese a ser inocentes fueron ejecutados en 1927.

Algunos volantes que convocan a la marcha de mañana en defensa de la democracia frente al Congreso están ilustrados con la foto de la joven prisionera Dilma Rousseff, de 22 años, que en 1970 fue condenada por un tribunal militar.

“No sé lo que se escribirá sobre este impeachment” en 2016 comentó el senador Vianna en el Plenario, quien luego de criticar a la complacencia de la prensa brasileña en el golpe militar de 1964 mencionó que los diarios extranjeros están denunciado la conspiración contra Rousseff. Citó un artículo publicado este sábado por el francés Le Monde donde se sostiene que “si esto no es un golpe de Estado es una farsa tragicómica”.

Página/12 :: El mundo :: Un golpe en clave de farsa tragicómica

20/07/2016

Golpe en Brasil: Genealogía de una farsa

Sae em todos os países de língua espanhola, inclusive se pode baixar em língua espanhola, um livro narrando o percurso da maior farsa já montada pela plutocracia brasileira para assaltar o erário público mediante um governo formado, majoritariamente, por cleptomaníacos. Até parece que os novos ministros foram retirados das listas policiais. Quanto maior o crime, mais chances tem o investigado de se tornar Ministros. E tudo graças ao patrocínio da FIESP e o adestramento da Rede Globo.

Os mais renomados intelectuais das Américas e da Europa furam o bloqueio dos grupos mafiomidiáticos brasileiros e contam o que os golpistas escondem do público brasileiro.

Graças ao livro também os intelectuais e o povo de língua espanhola passam a saber mais a respeito do golpe, que a cada dia compõe num painel irretocável do que existe de mais perverso em nossa sociedade.

Golpe en Brasil: Genealogía de una farsa

AA. VV. & Leonardo Boff & Cuauhtémoc Cárdenas Solórzano & Boaventura d…

Español

Descargar (magnet link) aqui, para fazer o download

Golpe en Brasil: Genealogía de una farsa

Sinopsis

Golpe en Brasil reúne textos escritos entre abril y junio de 2016, período en el que se dio inicio al proceso de destitución de la presidenta Dilma Rousseff. Los autores aquí presentados nos ayudan a entender cómo se ha gestado y qué perspectivas se abren en el complejo proceso de desestabilización del orden democrático que vive actualmente Brasil.
Escrito en la intensidad y la vertiginosidad de un proceso que aún está en curso, este libro pretende ser el testimonio de un momento trágico de la historia latinoamericana. La mayor nación de la región, la que supo liderar durante la última década un proceso de cambio y de transformaciones sociales sin precedentes; la que apoyó y promovió un activo proceso de integración regional, contribuyendo a su reconocimiento global como país soberano y solidario, dispuesto a revertir una historia de negación de derechos, de exclusiones y discriminación; Brasil, el país de todos, convertido ahora en el laboratorio de experimentación de un nuevo tipo de golpe institucional que puede extenderse por todo el continente.
El golpe: la farsa. La aniquilación de la soberanía popular, base de la democracia, y su substitución por una república de autócratas corruptos. Brasil, el país donde la dictadura prometió durar un día y se instaló por larguísimos 21 años, nuevamente poniendo en evidencia el desprecio de sus élites hacia la democracia y hacia los derechos ciudadanos.

Autores:

Leonardo Boff

Cuauhtémoc Cárdenas Solórzano

Boaventura de Sousa Santos

Eduardo Fagnani

Amy Goodman

Glenn Greenwald

Michael Löwy

Immanuel Wallerstein

Pablo Gentili

epublibre – Golpe en Brasil: Genealogía de una farsa

17/06/2016

Com menos de um milésimo disto, Dilma foi golpeada e Lula está sendo caçado

OBScena: Ranking dos Delatados

DelatadosMichel Temer foi escolhido para presidir uma cleptocracia devido aos seus antecedentes. Suas únicas credenciais são seus serviços prestados à plutocracia. Sua única função é transformar a República em Ré Pública.

Ser desmentido por um larápio de manual já seria motivo suficiente, mas no Brasil amestrado pelos ensinamentos da Rede Globo, qualquer bandido pode ser Presidente. Aliás, para os bandidos, só preto, pobre e petista não pode ser Presidente. 

Onde estão as capas da Veja, as emocionantes coberturas, com jogral, para mostrar o modus operandi da quadrilha que tomou de assalto o Planalto Central. A Rede Globo não mostra porque senão teria de se incluir no roteiro. A Rede Globo é, desde sempre, o golpe. Não há indignação com Eduardo CUnha, com Aécio Neves, com Andrea Neves, com FHC, com José Serra, com Zezé Perrela, com heliPÓptero, com José Sarney, com Eliseu Rima Rica, assim como não há indignação com Fernandinho Beira-Mar e com Marcola. Se for toxicômano, pode ser funcionário. É pré-requisito pra trabalhar ao lado do Galvão Bueno.

Onde estão os indignados com a corrupção? Cadê a marcha dos zumbis para denunciar a cleptocracia que tomou o Planalto Central de assalto? Por que vazam áudios da D. Mariza mas não vazam das alpinistas Marcela, Cláudia Cruz, Andrea Neves? Por que a cunhada do Vaccari, Marice Lima, pode, só por ser cunhada de petista,  ser presa mas para as dondocas da plutocracia tá tranquilo, tá favorável?!

São tantas perguntas tolas porque sabemos que há um movimento internacional que finanCIA a perseguição da esquerda com vistas a se apropriarem das riquezas nacionais. Derrubaram e assassinaram Kadafi, na Líbia. Derrubaram e assassinaram Saddam Hussein, derrubaram o presidente do Egito, derrubaram o presidente da Ucrânia, tentaram derrubar o ditador da Síria. Na América Latina estão tentando derrubar Maduro, como fizeram com Hugo Chávez. Agora derrubaram a Presidenta Dilma. O que há em comum em todos os derrubados? Presidiam países produtores de petróleo. E quem é o maior consumidor de petróleo por trás de todos estes golpes? Os EUA. Até a Dory do desenho animado Procurando Nemo, que agora, por seu notório esquecimento, merece uma sequência própria, Procurando Dory, sabe!  O mais beócio dos mortais sabe perfeitamente porque o José Serra foi encarregado de entregar a Petrobrax à Chevron. Os quinta coluna, notórios também pelo complexo de vira-lata, fazem qualquer negócio para destruir o país e entregar nossos bens de mão beijada aos EUA.

FHC perpetrou, e foi endeusado por isso, uma teoria da dependência. O amante da Miriam Dutra vendeu a ideia de que só seremos independentes se dependermos dos EUA. Sonham em transformar o Brasil numa grande Porto Rico. As primeira medidas de José Serra são provas irrefutáveis disso. Esses criminosos de lesa pátria são festejados e protegidos pelos grupos mafiomidiáticos porque também estes são anti-nacionais. Odeio o povo brasileiro e todos os que fazem algo, por mais tímido e incipiente que seja, em benefício das menos favorecidos. Basta ver o combate às cotas sociais e raciais (Não Somos racistas, escreveu Ali Kamel). Combatem o Bolsa Família mas festejam o PROER.

Desde Getúlio Vargas a plutocracia, coordenada pela Globo, caça Presidentes que ousam mostrar inclinações de esquerda. Derrubaram Jango, caçam Lula e derrubaram Dilma. Sem esquecer que a Globo elegeu Collor e endeusou o capturado FHC, e tentou, com a Proconsult, roubar Brizola. O golpe em Dilma e a caça ao Lula é uma orientação editorial e empresarial da Rede Globo. Se tiver de distribuir estatuetas, distribuirá. Se tiver de criar institutos de captura, criará Innovare. Se precisar de auxílio do STF, Bonner ligará pra Gilmar Mendes.

A obsessiva caça ao Lula e o golpe dado em Dilma tem muitos autores e são os mesmos que protegem os cleptocratas.

Machado rebate Temer e confirma pedido de doações para campanha de Chalita

Leandro Prazeres
Do UOL, em Brasília

16/06/201618h41

O ex-presidente da Transpetro e delator da Operação Lava Jato Sérgio Machado divulgou uma nota nesta quinta-feira (16) na qual rebate as alegações feitas pelo presidente interino, Michel Temer (PMDB), de que ele não teria feito pedido de verbas a Machado para a campanha à Prefeitura de São Paulo de Gabriel Chalita (hoje no PDT) em 2012.

Em sua delação, Machado disse que Temer lhe pediu doações para a campanha de Chalita e que repassou R$ 1,5 milhão à campanha por meio de doações cuja origem eram dinheiro de propina. Ainda de acordo com Machado, o contexto da conversa "deixava claro que o que Michel Temer estava ajustando com o depoente (Machado) era que este solicitasse recursos ilícitos das empresas que tinham contratos com a Transpetro".

Na última quarta-feira (15), a Secretaria de Imprensa da Presidência da República divulgou uma nota negando que Temer tenha pedido recursos a Machado.

Nesta quinta-feira, no Palácio do Planalto, Temer se manifestou oficialmente sobre ao assunto, classificando as declarações de Machado como "levianas". "Se tivesse cometido delito, não teria condições de presidir o Brasil", afirmou o presidente interino.

SE TIVESSE COMETIDO DELITO, NÃO TERIA CONDIÇÕES DE PRESIDIR, DIZ TEMER

Em nota, Machado voltou a afirmar que se encontrou com Michel Temer na base aérea de Brasília e que, durante o encontro, Temer "solicitou doação para a campanha eleitoral de Chalita".

Em outro ponto da nota, Machado diz que todos os políticos que o procuravam em busca de doações sabiam que essas demandas seriam repassadas a fornecedores da Transpetro.

"O vice-presidente e todos os políticos citados sabiam que a solicitação seria repassada a um fornecedor da Transpetro, através de minha influência direta. Não fosse isso, ele teria procurado diretamente a empresa doadora", diz Machado.

Questionado sobre as declarações de Sérgio Machado, o ex-deputado federal Gabriel Chalita (PDT-SP) negou ter recebido doações intermediadas por Machado durante sua campanha à Prefeitura de São Paulo em 2012.

"Jamais pedi nada a ele. Já recebi doações de empreiteiras, mas nunca tive nenhum acesso à Queiros Galvão", disse Chalita na última quarta-feira (15). Segundo Machado, a Queiroz Galvão fez doações à campanha de Chalita após Michel Temer ter feito um pedido ao delator. Em nota, Chalita disse que jamais pediu recursos a Machado. "Não conheço Sérgio Machado. Portanto, nunca lhe pedi recursos ou qualquer outro tipo de auxílio à minha campanha."

Confira a íntegra da nota divulgada por Sérgio Machado.

"1) Quando se faz acordo de colaboração assume-se o compromisso de falar a verdade e não se pode omitir nenhum fato; falo aqui sob esse compromisso;

2) Em setembro 2012 fui procurado pelo senador Valdir Raupp (PMDB-RO), presidente em exercício do partido, com uma demanda do então vice-presidente da República, Michel Temer: um pedido de ajuda para o candidato do PMDB a prefeito de São Paulo, Gabriel Chalita, porque a campanha estava em dificuldades financeiras;

3) Naquele mesmo mês, estive na Base Aérea de Brasília com Michel Temer, que embarcava para São Paulo. Nos reunimos numa sala reservada;

4) Na conversa, o vice-presidente Michel Temer solicitou doação para a campanha eleitoral de Chalita;

5) O vice-presidente e todos os políticos citados sabiam que a solicitação seria repassada a um fornecedor da Transpetro, através de minha influência direta. Não fosse isso, ele teria procurado diretamente a empresa doadora;

6) Após esta conversa mantive contato com a empresa Queiroz Galvão, que tinha contratos com a Transpetro, e viabilizei uma doação de R$ 1,5 milhão feita ao diretório nacional do PMDB; o diretório repassou os recursos diretamente à campanha de Chalita. A doação oficial pode ser facilmente comprovada por meio da prestação de contas da campanha do PMDB ;

7) É fato que nunca estive com Chalita".

MACHADO: TEMER REASSUMIU PRESIDÊNCIA DO PMDB PARA CONTROLAR RECURSOS

Machado rebate Temer e confirma pedido de doações para campanha de Chalita – Notícias – Política

15/06/2016

Golpe engrandece Dilma e diminui Rede Globo

Quem, antes do golpe, tinha dúvidas a respeito do verdadeiro caráter da Rede Globo hoje não pode ter mais. Já não se precisa de exames laboratoriais para sabermos que o golpismo está no DNA da Globo. Se isso já seria suficiente para pessoas honestas e de caráter para repudiar o maior grupo de comunicação, ainda não é tudo. Temos de verificar quem faz parte da manada coercitada para se ter uma ideia mais aproximada do nível da trupe. Comecemos por quem sempre esteve pari passu com a Rede Globo. A mudança de cores nas notícias é por demais evidentes. A crise já não culpa da Dilma, nem do Temer, é da conjuntura internacional. Os problemas já não são criados pelo governo, são apenas eventos da natureza… Mas vejamos uma pequena amostra dos ventríloquos da Rede Globo no golpe.

Gilmar Mendes. Deve-se a ele a blindagem ao decadelatado, Aécio Neves, e o apadrinhamento de José “tarja preta” Serra para as Relações Exteriores, com acordo foi sacramentado num almoço devidamente registrado.

Michel Temer. Apresentou suas credenciais com uma frase que se não é um ato falho, é de uma desfaçatez sem precedentes: “sei tratar com bandidos”. A afirmação passou a fazer ainda mais sentido quando vieram à luz as gravações do Sérgio Machado, mostrando quem eram os bandidos a quem ele se aliara.

Eliseu Rima Rica – colocado no governo Dilma pelo então vice-presidente decorativo com a mesma intenção com que articulara a eleição do Eduardo CUnha para a presidência da Câmara, é também uma indicação apadrinhada pela RBS, parceria da Rede Globo nas lavagens e sonegações, com grande interesse em terminar com o combate à corrupção. Mas não só. Devido à excitação com que deixou os manifestantes do Parcão de Porto Alegre, a RBS ganhou o direito de indicar o Presidente da Petrobrás, Pedro Parente. Não se duvide também do dedinho da Ana Amélia Lemos, do PP gaúcho, aquele partido pego todinho e por inteiro na Lava Jato.

Eduardo CUnha – nestas horas já dispensa apresentações. É o personagem símbolo do “Somos Todos CUnha” finaCIAdos pelos patinhos da FIESP. De herói dos golpistas à degolado pelos próprios pares, goza de uma sobrevida devido à omissão do STF, que prendeu Delcídio mas deixou CUnha dar o Golpe. O mistério maior em relação ao CUnha diz respeito à imunidade alcançada pela esposa e filha. Aliás, a mesma inimputabilidade da Andrea Neves.Claro, elas não se chamam Marice Lima.

E, por fim, ficamos sabendo que o ódio de classe desta turma e seus midiotas à Dilma e a caça ao grande molusco tem muito motivos. Nenhum deles honestos. Houve um golpe da plutocracia para instalar a cleptocracia.

Há delações em relação à Sarney & FHC, mas a bala de prata é Lula. Caçar Lula dá o mesmo prazer que caçar javali ou raposa aos reis de antigamente. É só um esporte.

Mas o tempo é senhor da razão.

Ainda há juízes em Berlim.

Fuga de protestos: Globo paga estúdio de 3 andares e Temer convida Dilma

Fuga de protestos: Globo paga estúdio de 3 andares e Temer convida Dilma

ter, 14/06/2016 – 18:06 – Atualizado em 14/06/2016 – 18:06

Jornal GGN – Tanto a grande imprensa, quanto o presidente interino Michel Temer estão preocupados com as manifestações contrárias tornarem-se pauta internacional nas Olimpíadas 2016. Enquanto que, para fugir do possível constrangimento de reações populares, a Globo constrói estúdio de três andares, o peemedebista já anunciou que não se opõe à presença da presidente afastada Dilma Rousseff na abertura do evento.

O Uol publicou: as árvores ao redor do estúdio panorâmico de 500 metros quadrados foram pensadas para não deixar sombras nos programas da TV, mas os três andares, "acima do nível da rua", foram mesmo planejados "para evitar protestos".

A reportagem foi além. Disse que a obra em pleno Parque Olímpico da Barra da Tijuca, onde ocorrerão os principais eventos esportivos neste segundo semestre, "é uma das principais apostas da emissora para a cobertura da competição e funciona como demonstração de poder da empresa de mídia na Rio-2016".

Além da visão panorâmica, o segundo e terceiro andar são a blindagem da emissora para as transmissões ao vivo não sofrerem, ou pelo menos não divulgarem, as manifestações da Globo e da SporTV. "Havia um temor de que transeuntes fizessem manifestações ou mostrassem cartazes atrás do vidro", publicou o Uol.

Do lado do Planalto interino, o atual presidente também mostra receios de sofrer o mesmo que ocorreu com a presidente Dilma Rousseff, nos jogos da Copa do Mundo de 2014. Apesar de não associar com as vaias da grande plateia brasileira nas partidas e competições – e sob as câmeras do mundo, Temer deu as boas vindas à presença de Dilma logo na abertura do evento. Afirmou que não é contra a presidente afastada aparecer na cerimônia.

"Para mim, tanto faz. Não tenho objeção. evidente que não tenho", apenas afirmou, em rápida entrevista com o COI (Comitê Olímpico Internacional) e o Comitê Organizador Rio-2016.

Também disse não se importa nem um pouco que a Olimpíada (e os olhos de todo o mundo) ocorra no mesmo momento da votação final do impeachment no Senado. "Não me preocupa nem minimamente", disse, emendando, em tentativa de melhorar: "O Brasil não vive para quem os dirige, vive para seu povo. Em nome do povo é que estamos trabalhando".

Fuga de protestos: Globo paga estúdio de 3 andares e Temer convida Dilma | GGN

17/11/2015

O ódio golpista se deve aos avanços de Lula e Dilma

Filed under: Dilma,Golpismo,Golpistas,Lula Seja Louvado,Tim Vickery — Gilmar Crestani @ 12:01 am
Tags:

 

Tim Vickery: Minha primeira geladeira e por que o Brasil de hoje lembra a Inglaterra dos anos 60

Tim Vickery* Colunista da BBC Brasil

  • 13 novembro 2015

Eduardo MartinoImage copyright Eduardo Martino

Acho que nasci com alguma parte virada para a lua. Chegar ao mundo na Inglaterra em 1965 foi um golpe e tanto de sorte. Que momento! The Rolling Stones cantavam I Can’t Get no Satisfaction, mas a minha trilha sonora estava mais para uma música do The Who, Anyway, Anyhow, Anywhere.

Na minha infância, nossa família nunca teve carro ou telefone, e lembro a vida sem geladeira, televisão ou máquina de lavar. Mas eram apenas limitações, e não o medo e a pobreza que marcaram o início da vida dos meus pais.

Tive saúde e escolas dignas e de graça, um bairro novo e verde nos arredores de Londres, um apartamento com aluguel a preço popular – tudo fornecido pelo Estado. E tive oportunidades inéditas. Fui o primeiro da minha família a fazer faculdade, uma possibilidade além dos horizontes de gerações anteriores. E não era de graça. Melhor ainda, o Estado me bancava.

Olhando para trás, fica fácil identificar esse período como uma época de ouro. O curioso é que, quando lemos os jornais dessa época, a impressão é outra. Crise aqui, crise lá, turbulência econômica, política e de relações exteriores. Talvez isso revele um pouco a natureza do jornalismo, sempre procurando mazelas. É preciso dar um passo para trás das manchetes para ganhar perspectiva.

Será que, em parte, isso também se aplica ao Brasil de 2015?

Não tenho dúvidas de que o país é hoje melhor do que quando cheguei aqui, 21 anos atrás. A estabilidade relativa da moeda, o acesso ao crédito, a ampliação das oportunidades e as manchetes de crise – tudo me faz lembrar um pouco da Inglaterra da minha infância.

Por lá, a arquitetura das novas oportunidades foi construída pelo governo do Partido Trabalhista nos anos depois da Segunda Guerra (1945-55). E o Partido Conservador governou nos primeiros anos da expansão do consumo popular (1955-64). Eles contavam com um primeiro-ministro hábil e carismático, Harold Macmillan, que, em 1957, inventou a frase emblemática da época: "nunca foi tão bom para você" ("you’ve never had it so good", em inglês).

É a versão britânica do "nunca antes na história desse país". Impressionante, por sinal, como o discurso de Macmillan trazia quase as mesmas palavras, comemorando um "estado de prosperidade como nunca tivemos na história deste país" ("a state of prosperity such as we have never had in the history of this country", em inglês).

Arquivo PessoalImage copyright Arquivo Pessoal Image caption Vickery volta ao local onde passou sua infância

Macmillan, "Supermac" na mídia, era inteligente o suficiente para saber que uma ação gera uma reação. Sentia na pele que setores da classe média, base de apoio principal de seu partido, ficaram incomodados com a ascensão popular.

Em 1958, em meio a greves e negociações com os sindicatos, notou "a raiva da classe média" e temeu uma "luta de classes". Quatro anos mais tarde, com o seu partido indo mal nas pesquisas, ele interpretou o desempenho como resultado da "revolta da classe média e da classe média baixa", que se ressentiam da intensa melhora das condições de vida dos mais pobres ou da chamada "classe trabalhadora" ("working class", em inglês) na Inglaterra.

Em outras palavras, parte da crise política que ele enfrentava foi vista como um protesto contra o próprio progresso que o país tinha alcançado entre os mais pobres.

Mais uma vez, eu faço a pergunta – será que isso também se aplica ao Brasil de 2015?

Alguns anos atrás, encontrei um conterrâneo em uma pousada no litoral carioca. Ele, já senhor de idade, trabalhava como corretor da bolsa de valores. Me contou que saiu da Inglaterra no início da década de 70, revoltado porque a classe operária estava ganhando demais.

No Brasil semifeudal, achou o seu paraíso. Cortei a conversa, com vontade de vomitar. Como ele podia achar que suas atividades valessem mais do que as de trabalhadores em setores menos "nobres"? Me despedi do elemento com a mesquinha esperança de que um assalto pudesse mudar sua maneira de pensar a distribuição de renda.

Mais tarde, de cabeça fria, tentei entender. Ele crescera em uma ordem social que estava sendo ameaçada, e fugiu para um lugar onde as suas ultrapassadas certezas continuavam intactas.

GettyImage copyright Getty Image caption ‘Parte da crise política da Inglaterra foi vista como protesto contra o progresso entre os mais pobres’, diz Vickery

Agora, não preciso nem fazer a pergunta. Posso fazer uma afirmação. Essa história se aplica perfeitamente ao Brasil de 2015. Tem muita gente por aqui com sentimentos parecidos. No fim das contas, estamos falando de uma sociedade com uma noção muito enraizada de hierarquia, onde, de uma maneira ainda leve e superficial, a ordem social está passando por transformações. Óbvio que isso vai gerar uma reação.

No cenário atual, sobram motivos para protestar. Um Estado ineficiente, um modelo econômico míope sofrendo desgaste, burocracia insana, corrupção generalizada, incentivada por um sistema político onde governabilidade se negocia.

A revolta contra tudo isso se sente na onda de protestos. Mas tem um outro fator muito mais nocivo que inegavelmente também faz parte dos protestos: uma reação contra o progresso popular. Há vozes estridentes incomodadas com o fato de que, agora, tem que dividir certos espaços (aeroportos, faculdades) com pessoas de origem mais humilde. Firme e forte é a mentalidade do: "de que adianta ir a Paris para cruzar com o meu porteiro?".

Harold Macmillan, décadas atrás, teve que administrar o mesmo sentimento elitista de seus seguidores. Mas, apesar das manchetes alarmistas da época, foi mais fácil para ele. Há mais riscos e volatilidade neste lado do Atlântico. Uma crise prolongada ameaça, inclusive, anular algumas das conquistas dos últimos anos. Consumo não é tudo, mas tem seu valor. Sei por experiência própria que a primeira geladeira a gente nunca esquece.

*Tim Vickery é colunista da BBC Brasil e formado em História e Política pela Universidade de Warwick

Tim Vickery: Minha primeira geladeira e por que o Brasil de hoje lembra a Inglaterra dos anos 60 – BBC Brasil

07/07/2015

Rã que dá carona a escorpião está sujeita a chuvas e ferroadas

Filed under: Dilma,Entrevista,Folha de São Paulo,Manipulação — Gilmar Crestani @ 10:04 am
Tags:

fsp 07072015A Dilma não precisava dar esta entrevista para a Folha. Bastava botar estas mesmas explicações no Blog do Planalto ou mandar para sites fora dos eixo golpista. Dar entrevista para as cinco irmãs (Globo, Estadão, Folha, Veja & RBS) é legitimar quem sempre esteve ao lado dos golpistas e ditadores e contra a democracia. Dilma presta um desserviço à democracia. Queremos menos Dilma e mais Tsipras; menos PT e mais Syriza. Dilma deveria ter feito com a Folha o que o povo grego fez com os colonialistas europeus: OXI!

A Folha faz às vezes de porta-voz do PSDB e só a Dilma não vê. Na mesma edição em que publica esta entrevista, a Folha sai-se com esta pérola: “Petista monta operação de defesa prévia do Planalto”. Por este texto, até parece que a Folha sequer leu a entrevista que publicou. Como assim “monta operação de defesa prévia” se o tCU teria dado 30 dias para o governo explicar o que o tCU jamais pediu para governante algum?! O tCU, pra começo de conversa, é órgão auxiliar do Congresso. O tCU não condena, recomenda! Só um boçal sem nenhum caráter não sabe disso.

Devido a este tipo de jornalixo é que fica difícil de entender porque Dilma deu entrevista à Folha. Sinceramente, não dá para entender, a não ser pela Síndrome de Estocolmo, que petistas continuem dando entrevistas para os grupos mafiomidiáticos.

Como na fábula da rã e do escorpião, o veneno é da natureza da Folha. Foi só a Dilma dar a costas que eles tascaram a primeira ferroada Petista monta operação de defesa prévia do Planalto”.

Pedaladas foram adotadas antes de nós, afirma Dilma

Presidente diz não ver risco de enfrentar impeachment com base em julgamento sobre contas do governo no tcu

DA COLUNISTA DA FOLHA DE BRASÍLIA

Em entrevista à Folha, a presidente Dilma reconhece ter cometido erros no seu primeiro mandato (2011-2014), mas não coloca na lista as pedaladas fiscais –pagamento de contas do Tesouro Nacional por bancos públicos.

"Eu não acho que houve o que nos acusam", afirmou a petista sobre a análise que o TCU (Tribunal de Contas da União) está fazendo sobre as pedaladas fiscais.

Segundo ela, o governo dará "uma resposta circunstanciada" sobre o assunto. "É interessante notar que o que nós adotamos foi adotado muitas vezes antes de nós."

Diz ainda não temer que a oposição use o caso para abrir um processo de impeachment contra ela. "Acho que vão tentar e podem até fazê-lo. [Mas] É necessário provar."

ENTREVISTA – DILMA ROUSSEFF

‘Eu não vou cair, isso aí é moleza’, afirma Dilma

presidente chama a oposição de ‘um tanto golpista’, diz que ‘o pmdb é ótimo’ e que não se sente no volume morto

MARIA CRISTINA FRIASCOLUNISTA DA FOLHAVALDO CRUZNATUZA NERYDE BRASÍLIA

No auge da pior crise de seus quatro anos e meio de governo, a presidente Dilma Rousseff desafiou os que defendem sua saída prematura do Palácio do Planalto a tentar tirá-la da cadeira e a provar que ela algum dia "pegou um tostão" de dinheiro sujo.

"Eu não vou cair. Eu não vou, eu não vou. Isso aí é moleza, é luta política", disse a presidente nesta segunda-feira (6), durante entrevista exclusiva àFolha, a primeira desde que adversários voltaram a defender abertamente seu afastamento do cargo.

Apesar do cerco político que parece se fechar a cada dia, Dilma chamou os opositores para a briga. "Não tem base para eu cair, e venha tentar. Se tem uma coisa que não tenho medo é disso", afirmou a presidente, acusando setores da oposição de serem "um tanto golpistas".

Com dedo indicador direito erguido, foi mais enfática: "Não me atemorizam". A presidente tirou o PMDB da lista de forças políticas que tentam derrubá-la. "O PMDB é ótimo", disse Dilma, esquivando-se de responder sobre o flerte de figuras do partido com a tese do impeachment.

Dilma descartou a hipótese de renúncia e comentou o boato disseminado na internet, e prontamente desmentido por ela, de que havia tentado se matar. "Eu não quis me suicidar na hora que eles estavam querendo me matar lá [na cadeia, durante a ditadura militar], a troco de que eu quero me suicidar agora?".

Folha – O ex-presidente Lula disse que ele e a sra. estavam no volume morto. Estão?
Dilma Rousseff – Respeito muito o presidente Lula. Ele tem todo o direito de dizer onde ele está e onde acha que eu estou. Mas não me sinto no volume morto não. Estou lutando incansavelmente para superar um momento bastante difícil na vida do país.

Lula disse que ajuste fiscal é coisa de tucano, mas a sra. fez.
Querido, podem querer, mas não faço crítica ao Lula. Não preciso. Deixa ele falar. O presidente Lula tem direito de falar o que quiser.

A sra. passa uma imagem forte, mas enfrenta uma fase difícil.
Outro dia postaram que eu tinha tentado suicídio, que estava traumatizadíssima. Não aposta nisso, gente. Foi cem mil vezes pior ser presa e torturada. Vivemos numa democracia. Não dá para achar que isso aqui seja uma tortura. Não é. É uma luta para construir um país. Eu não quis me suicidar na hora em que eles estavam querendo me matar! A troco de quê vou querer me suicidar agora? É absolutamente desproporcional. Não é da minha vida.

Renúncia também?
Também. Eu não sou culpada. Se tivesse culpa no cartório, me sentiria muito mal. Eu não tenho nenhuma. Nem do ponto de vista moral, nem do ponto de vista político.

A sra. fala que não tem relação com o petrolão, mas está pagando a conta?
Falam coisas do arco da velha de mim. Óbvio que não [tenho nada a ver com o petrolão]. Mas não estou falando que paguei conta nenhuma também. O Brasil merece que a gente apure coisas irregulares. Não vejo isso como pagar conta. É outro approach. Muda o país para melhor. Ponto.

Agora excesso, não [aceito]. Comprometer o Estado democrático de direito, não. Foi muito difícil conquistar. Garantir direito de defesa para as pessoas, sim. Impedir que as pessoas sejam de alguma forma ou de outra julgadas sem nenhum processo, também não [é possível].

O que acha da prisão dos presidentes da Odebrecht e Andrade Gutierrez?
Olha, não costumo analisar ação do Judiciário. Agora, acho estranho. Eu gostaria de maior fundamento para a prisão preventiva de pessoas conhecidas. Acho estranho só.

Não gostei daquela parte [da decisão do juiz Sergio Moro] que dizia que eles deveriam ser presos porque iriam participar no futuro do programa de investimento e logística e, portanto, iriam praticar crime continuado. Ora, o programa não tinha licitação. Não tinha nada.

A oposição prevê que a sra. não termina seu mandato.
Isso do ponto de vista de uma certa oposição um tanto quanto golpista. Eu não vou terminar por quê? Para tirar um presidente da República, tem que explicar por que vai tirar. Confundiram seus desejos com a realidade, ou tem uma base real? Não acredito que tenha uma base real.

Não acho que toda a oposição que seja assim. Assim como tem diferenças na base do governo, tem dentro da oposição. Alguns podem até tentar, não tenho controle disso. Não é necessário apenas querer, é necessário provar.

Delatores dizem que doações eleitorais tiveram como origem propina na Petrobras.
Meu querido, é uma coisa estranha. Porque, para mim, no mesmo dia em que eu recebo doação, em quase igual valor o candidato adversário recebe também. O meu é propina e o dele não? Não sei o que perguntam. Eu conheço interrogatórios. Sei do que se trata. Eu acreditava no que estava fazendo e vi muita gente falar coisa que não queria nem devia. Não gosto de delatores.

Mesmo que seja para elucidar um caso de corrupção?
Não gosto desse tipo de prática. Não gosto. Acho que a pessoa, quando faz, faz fragilizadíssima. Eu vi gente muito fragilizada [falar]. Eu não sei qual é a reação de uma pessoa que fica presa, longe dos seus, e o que ela fala. E como ela fala. Todos nós temos limites. Nenhum de nós é super-homem ou supermulher. Mas acho ruim a instituição, entendeu? Transformar alguém em delator é fogo.

Tem gente no PMDB querendo tirar a sra. do cargo.
Quem quer me tirar não é o PMDB. Nã-nã-nã-não! De jeito nenhum. Eu acho que o PMDB é ótimo. As derrotas que tivemos podem ser revertidas. Aqui tudo vira crise.

Parece que está todo mundo querendo derrubar a sra.
O que você quer que eu faça? Eu não vou cair. Eu não vou, eu não vou. Isso é moleza, isso é luta política. As pessoas caem quando estão dispostas a cair. Não estou. Não tem base para eu cair. E venha tentar, venha tentar. Se tem uma coisa que eu não tenho medo é disso. Não conte que eu vou ficar nervosa, com medo. Não me aterrorizam.

E se mexerem na sua biografia.
Ô, querida, e vão mexer como? Vão reescrever? Vão provar que algum dia peguei um tostão? Vão? Quero ver algum deles provar. Todo mundo neste país sabe que não. Quando eles corrompem, eles sabem quem é corrompido.

    Folha – A sra. não teme que possa ser vítima de um processo de impeachment com base nas pedaladas fiscais ou no processo do PSDB no TSE?
    Dilma Rousseff – Não. Acho que vão tentar e podem até fazê-lo. [Mas] É necessário provar. Ou então não vivemos num regime democrático de direito. No passado, como é que se provavam as coisas? Desafiava-se para um duelo: quem morria era culpado, quem sobrevivia era inocente. Aí houve a instauração dos processos e investigações.

    E aí se criou um conceito chamado prova objetiva. A partir daí, a partir da revolução francesa, os processos têm que ser fundamentados.

    Com relação ao TCU, que resposta o governo dará?
    O governo dará uma resposta circunstanciada, item a item, para o TCU.

    O TCU diz que a responsabilidade é da presidente, não do secretário ou do ex-ministro.
    O TCU não diz isso, porque ainda não votou nada.

    Reservadamente, dizem isso.
    Não discuto off [jargão jornalístico que define fonte de reportagem que dá informação mediante anonimato]. O que eu vou discutir?

    Vou discutir oficialmente com o TCU. Estamos levantando respostas tanto técnicas quanto jurídicas para cada uma das questões.

    E se o julgamento for político?
    De quem? Do TCU? Aí não tem base. Aí é que eu estou te falando: não vivemos na Idade Média. Tem que provar circunstanciadamente, e vou me defender circunstanciadamente, com provas objetivas.

    Mas a responsabilidade é de quem?
    Eu não acho que houve o que nos acusam.

    Aliás, é interessante notar que o que nós adotamos foi adotado muitas vezes antes de nós.

    Não na proporção que foi adotada em seu governo.
    Eu gostaria de saber em que legislação está em que a proporção altera a qualidade. Quero saber onde está isso. Aliás, a nossa proporção é porque o PIB mudou, e o orçamento também.

    A sra. é muito criticada, e ouvimos muito na rua, que a sra. não reconheceu erros. É uma reivindicação até um pouco inócua, porque a sra. já mudou a condução da política econômica, isso parece refletir alguma mudança na sua avaliação. Isso não ajudaria na popularidade e deixaria de dar combustível à crítica?
    Você acha que a sociedade merece respostas inócuas? Eu não acho.

    Mas por que a sra. não reconhece seus erros?
    Mas eu reconheço todos os meus erros. Não tenho o menor compromisso em não mudar. A gente, quando acha que não é daquele jeito, muda.

    16/06/2015

    Segredos públicos da entrevista da Dilma ao Jô

    Hienas: não basta FHC dar entrevistas todos os dias, é mais importante que Dilma nunca possa dar entrevistas!

    ODIO intolerancia

    De repente a entrevista da Dilma ao Jô assanhou uma matilha faminta por carne humana. É a mesma matilha que levou o Brasil a uma ditadura de 20 anos. É o tipo de gente que nunca se indignou com o fato de que a ditadura prendia opositores sem mandado judicial. Uma vez presos, eram torturados. Depois, estuprados. E para que não pudessem denunciar os sádicos, eram esquartejados e os corpos dilacerados eram jogados em valas clandestinas. A Folha de São Paulo, sempre tão ciosa para atacar seus adversários políticos, emprestava as peruas de distribuição dos jornais para esconder o mortos na vala do Cemitério de Perus, na Grande São Paulo. Gente que não só não se escandaliza com o fato de que empresários que financiavam a tortura como também acha normal que estes mesmos empresários presenciassem as sessões de tortura como se participassem de uma sessão de swing. Nem o Marques de Sade foi tão longe em busca do prazer via sofrimento alheio.

    A entrevista da Presidente Dilma, por sinal também presa e torturada, ao Jô também revela o grande defeito do PT. Fica mais do que evidente a incompetência do PT em lidar com o monopólio da informação. O cartel montado entorno do Instituto Millenium vê o PT como inimigo mortal, por isso o ataca sem trégua nem quartel. Diuturnamente se ocupa em verberar catilinárias aos moldes do que já fizera antes, nos governos  Vargas e João Goulart. Ou será que o PT não sabia da participação dos assoCIAdos do Instituto Millenium na instauração e sustentação da ditadura?! Em sendo assim, como admitir que políticos petistas subam às tribunas legislativas para homenagear os donos e seus veículos?! Toda vez que um petista dá entrevista às cinco irmãs está legitimando seus métodos e limpando um passado antidemocrático destes veículos. Não é mero acaso que o método de esconder as notícias boas e aumentar o tom das cores escuras nas ruins tenha sido revelado exatamente numa orgia vazada por antenas parabólicas. O método Rubens Ricúpero, que serviu para pintar em aquarela um governo desprezível em qualquer sentido que o termo possa ter, como o foi o de FHC, é o mesmo método, de mãos trocadas, para esconder qualquer notícia boa nas gestões Lula e Dilma. A paradigmática entrevista do Rubens Ricúpero ao Carlos Monforte, vazado pelas antenas parabólicas, sintomaticamente não causou escândalo algum. Assim como até hoje os mesmos que se escandalizam com a entrevista dada ao Jô jamais se perguntaram o que estava por trás da da relação de FHC com Miriam Dutra e o filho que não era dele. Ninguém ousou se perguntar o que a Globo lucrou com a captura de um presidente mediante uma funcionária. Por que ela foi escondida, melhor, degredada para a Espanha? Quem a sustentou lá?

    Pesquisa indica que 12% odeiam o PT. Por que estes 12% tem mais mídia que os demais 88% de brasileiros que não são movidos pelo ódio? Simples, porque o ódio é o principal produto de empresas como a Folha, Estadão, Veja, Globo, RBS? É o que elas têm feito sempre em relação a governos de esquerda. E apesar do bombardeio de ódio, só conseguiram reunir uma manada desprezível.

    Infelizmente, só a esquerda ainda não se deu conta disso. Ou alguém acha que não há uma relação entre fatos como pedir “menos escolas, mais prisões” e atacar diuturnamente o Governo Olívio Dutra, como o fez a RBS, simplesmente por ter criado a UERGS?! Alguém ainda lembra como a Folha, via sua subsidiária, a Gráfica Plural, tentou implodir o ENEM? Por que, de repente, parou o bombardeio contra o ENEM? Por que será que são os mesmos que odeiam o PROUNI, o FIES e o Bolsa Família sob condição de que os filhos sejam matriculados e frequentem as escolas?

    As mesmas pessoas que acham normal comprar reeleição, que, ainda no Palácio, tenha passado o pires para criar a Fundação iFHC, criminalizam o fato de a mesma Odebrech remunerar o serviço prestados por Lula ao abrir-lhes mercados internacionais?! O que explica o fato de a Revista Época, pertencente a Rede Globo, tirar do site a notícia que falava de FHC passando o chapéu, dentro do Palácio do Planalto, ao grupo de empresários para garantir sua aposentadoria. O grupo Reuters, ao velho método Rubens Ricúpero, atualizou a putaria cunhando uma expressão cara ao banditismo travestido de jornalismo: “Podemos tirar, se achar melhor”.

    A repercussão da entrevista da Dilma ao Jô Soares entre as pessoas que consomem estes produtos é algo tão previsível quanto desprezível. É que estes grupos estão acostumados ao padrão Luis Carlos Prates de jornalismo. Afinal, somente entre estas pessoas um canastrão como Arnaldo Jabor é levado a sério! Hoje, se alguém quer ser bem quisto nos grupos mafiomidiáticos, basta atacar o PT. Para as cinco irmãs (Veja, Estadão, Folha, Globo & RBS), atacar Lula, Dilma e o PT, é cerimônia, à moda da Cosa Nostra, de aceitação na famiglia.

     

    ‘Sou anarquista’

    Após críticas de opositores de Dilma por entrevista com presidente, apresentador defende que ‘artista não pode ter uma posição política no sentido intelectual’

    LÍGIA MESQUITA, MÔNICA BERGAMO, COLUNISTAS DA FOLHA

    Desde o fim da eleição presidencial de 2014, Jô Soares passou a criticar em seu “Programa do Jô”, na Globo, aqueles que pedem o impeachment de Dilma Rousseff.

    Suas posições no quadro “As Meninas do Jô”, em que debate com jornalistas, entre outras coisas, a política nacional, passaram a ser vistas como “de esquerda” e o apresentador ganhou, nas redes sociais, uma reputação de “petista fanático”.

    Na sexta (12), Jô entrevistou por 69 minutos a presidente no Palácio da Alvorada, em Brasília. Seu programa marcou 7 pontos no Ibope na Grande São Paulo, um aumento de 2 pontos em relação às quatro sextas-feiras anteriores (cada ponto equivale a 67 mil domicílios).

    Após a exibição da entrevista (disponível no site do programa), Jô voltou a ser atacado pelo tom da conversa, tido por críticos como ameno, e pela escolha da entrevistada. Ele falou à Folha:

    Folha – Você ficou chateado com as críticas?
    Jô Soares – Nem um pouco. Algumas delas foram tão impertinentes que até achei graça. As pessoas têm o direito democrático de criticar. E eu sabia que as opiniões ficariam divididas. Houve comentários muito raivosos e outros muito carinhosos. Só tenho a agradecer as centenas de manifestações de carinho. As pessoas têm o direito de falar. Todos têm o direito de se manifestar. Mas, para mim, mais do que valeu.

    Houve críticas ao tom da conversa.
    Não era um debate. Era uma entrevista. Não cabia a mim rebater a presidente a cada momento. Eu fiz as perguntas que precisavam ser feitas. Agora, se as respostas não agradaram, o problema é de quem ouviu.

    Como escreveu o [ator] Otavio Martins no Facebook, esse pessoal é capaz de querer a recontagem dos gols da Alemanha [risos]. O que começou a me irritar foi essa conversa de “Fora Dilma”. Como? Ela é a presidente da República. Ela foi eleita. Ela não é um técnico de futebol. O país está dividido, mas não é por isso que vou deixar de entrevistar a presidente.

    A entrevista foi feita no tom que você sempre adota no programa.
    Exatamente. Sou jornalista também, desde 1963, quando trabalhei no jornal “Última Hora”. São 54 anos de profissão em que navego pelo humor, pelo jornalismo, pelo teatro. Já entrevistei de Luis Carlos Prestes a Paulo Maluf, fazendo todas as perguntas que um jornalista democrático deve fazer. O Lula foi ao meu programa 13 vezes [antes de ser presidente].

    Você entrevistou outros presidentes no cargo também.
    Entrevistei Fernando Henrique Cardoso no Palácio do Planalto na época da reeleição. Todas as entrevistas no programa sempre foram feitas em tom de cordialidade e intimidade. Não é porque a Dilma está com a popularidade baixa que seria diferente. Não tenho por que mudar o meu estilo.

    Nem vou deixar de entrevistar a presidente do meu país porque ela está passando por um momento grave. E queriam tanto ouvir a entrevista que não teve sequer panelaço. Foi uma recepção sensacional.

    Você acompanhou a repercussão nas redes sociais?
    Eu soube que bateu recorde, foi “trending topic” [figurou nos assuntos mais comentados do Twitter]. Isso é o que interessa. A prova de que eu estava certo é que a entrevista despertou toda essa atenção.

    O programa vai deixar de entrevistar políticos por um tempo?
    Não. Nunca mudei meu programa e nunca vou mudar. São 26 anos fazendo entrevistas. E quero dizer o seguinte: o programa retoma o seu ritmo normal nesta semana. Amanhã teremos de volta as “Meninas do Jô”.

    Existe a possibilidade de mudança de formato no seu programa para aumentar a audiência?
    O programa diminuiu em tempo, tenho uma entrevista a menos. Eu não sou pago para analisar o que faço, sou pago para fazer. Em um programa de entrevistas, a única coisa que muda é o entrevistado ou o entrevistador.

    Neste ano, demos uma enxugada em termos visuais [até o sexteto que o acompanhava diminuiu].Tirando isso, o que interessa é o conteúdo. Meu contrato com a TV Globo vai até 2016.

    Antes de entrevistar a presidente, falava-se nas redes sociais numa guinada à esquerda sua.
    Eu acho graça. Tudo depende de quem estou entrevistando. Repito: se entrevisto um tucano, sou petista. Se entrevisto um petista, sou tucano. É o mesmo equilíbrio que a Folha tem.

    O artista não pode ter uma posição política no sentido intelectual. Tem que ser anarquista. Intelectualmente, eu sou anarquista.

    30/05/2015

    Dilma: “Aeroportos da Copa não têm padrão Fifa, têm padrão Brasil”

    OBScena: coxinhas golpistas pedido hospitais padrão FIFA

    FIFAAdivinha quem, no auge das manifestações pedido para tudo um “padrão FIFA”, rejeitou o padrão FIFA: ela mesma, Dilma.

    Veja se isto não é um bom motivo para dar um golpe nela. Onde já se viu pedir que as coisas tenham um padrão melhor do que aquele da FIFA?!

    Na marcha dos zumbis, alguns dos muitos anencefálicos portavam cartazes pedido golpe militar, educação e hospitais padrão FIFA. Nunca é demais lembrar que a mesma mancha de energúmenos achou por bem se dizer contra a corrupção. E, vejam só, com patrocínio da CBF. Veja pelas camisetas e não estão todas com o emblema da CBF. Será que eles vão marchar pedindo intervenção militar na CBF?

    O MBL terá força para seguir até a sede da CBF e ver se já tiraram o nome de José Maria Marin da fachada?

    Claro que não. O que a direita hidrófoba quer e tomar o poder sem precisar de votos. Como maus perdedores, aliaram-se ao que existe de mais corrupto para se dizerem contra a corrupção. Imagine, falar contra a corrupção na sede da Rede Globo ou nas filiais como a TV TEM e a RBS

    Abaixo matéria d’O Globo tentando desmerecer as obras nos aeroportos. Aliás, a Folha, no dia 12/06/2014 ousou por em manchete o que o Instituto Millenium apregoava a torto e a direito: “Copa inicia com seleção em alta e organização em cheque”. Este é o padrão do jornalismo que prefere puxar o saco de bandido e corrupto só para atacar um governo honesto e legitimamente eleito.

    Por conhecer José Maria Marin e a Rede Globo desde os tempos da ditadura, Dilma sabia que seu padrão não era igual ao deles. Rede Globo, Folha, Estadão, Veja, RBS são todos têm padrão FIFA…

     

    27/05/2014 13h51 – Atualizado em 27/05/2014 14h16

    Aeroportos da Copa não têm ‘padrão Fifa’, têm ‘padrão Brasil’, diz Dilma

    Presidente ironizou termo usado para definir padrão de qualidade da Fifa.
    Ela voltou a dizer que reformas não irão atender exclusivamente ao Mundial.

    Filipe Matoso Do G1, em Brasília

    Alvo de críticas por conta dos atrasos na conclusão das reformas de alguns dos aeroportos de cidades-sedes da Copa do Mundo, a presidente Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira (27) que as estruturas aeroportuárias brasileiras ampliadas para receber turistas durante o evento esportivo não são "padrão Fifa", e sim "padrão Brasil".

    "O padrão Fifa é uma forma incorreta do Brasil tratar de algumas questões. Os aeroportos, por exemplo, não têm padrão Fifa, têm padrão Brasil, vocês vão me desculpar", disse a presidente, durante almoço no qual o PP formalizou apoio a sua tentativa de reeleição.

    O padrão Fifa é uma forma incorreta do Brasil tratar de algumas questões. Os aeroportos, por exemplo, não têm padrão Fifa, têm padrão Brasil, vocês vão me desculpar"

    Dilma Rousseff, presidente da República

    Durante discurso aos dirigentes do partido governista, Dilma voltou a dizer que as reformas nos aeroportos brasileiros não tiveram como objetivo exclusivo atender ao mundial da Fifa, mas também aos "113 milhões de brasileiros que viajam de avião" atualmente.

    Na avaliação da chefe do Executivo, tanto brasileiros quanto estrangeiros poderão ter acesso aos "aeroportos padrão Brasil". Segundo ela, o legado que o Brasil deixará para os estrangeiros que vierem ao país assistir aos jogos da Copa será a imagem de um país hospitaleiro, civilizado e afetivo.

    "Eles [visitantes estrangeiros] não levam aeroporto, estádio e nenhum projeto de mobilidade urbana realizado. Eles podem levar na mala a certeza de que somos um povo gentil, hospitaleiro, civilizado e afetivo. Isso eles podem levar e nós, eu tenho certeza, nós vamos fazer uma grande Copa, a Copa das Copas", observou.

    Na semana passada, Dilma afirmou, durante um programa de rádio, que os aeroportos brasileiros "estão preparados" para receber os turistas da Copa. Apesar da declaração otimista de Dilma, o governo já reconheceu que as obras dos aeroportos de pelo menos quatro cidades-sede não ficarão prontas a tempo da Copa. Nos terminais do Rio (Galeão), de Fortaleza, Belo Horizonte (Confins) e Cuiabá, as reformas iniciadas para atender ao evento de futebol serão concluídas somente após o Mundial.

    G1 – Aeroportos da Copa não têm ‘padrão Fifa’, têm ‘padrão Brasil’, diz Dilma – notícias em Política

    16/05/2015

    Dilma só tem uma saída: enjaular os dois jagunços

    Quando Lúcifer vira amigo dos golpistas e atiça com inferno, sente-se o cheiro de enxofre. Dilma não pode sucumbir à pressão de jagunços. Tem de emparedá-los. Ou então renuncie. O Brasil não pode se dar ao luxo de entregar o governo à chantagem de dois personagens do submundo. Eles sobrevivem graças ao compadrio com os golpistas do Instituto Millenium. O que precisa ficar claro é que não se pode dar margem a que pessoas sem qualquer compromisso ético saia a público com um discurso deste tipo: botar a culpa em Dilma pelos crimes que cometeram. Se não cometeram, porque temem? Basta que se defendam. É isso que Dilma tem feito em relação a todas as tentativas de incrimina-la. Deixa que a acusem, mas não arrefece em relação ao combate à corrupção.

    Qualquer pessoa medianamente informada já se deu conta que a histeria da mídia em relação à ela diz mais respeito aos problemas da velha mídia do que os problemas, que são muitos, do próprio governo.

    Os grupos mafiomidiáticos já se emparceiraram com a ditadura uma vez. Todos os passos atuais são dados na mesma direção. Uma vez bandidos, bandidos continuarão. Hoje, jagunços do tipo Renan e Cunha só sobrevivem com ajuda de aparelhos. Aparelhos mafiomidiáticos. Para quem participava das sessões de tortura e estupro na ditadura fazer parceria com estes dois é fichinha, como se dizia antigamente.

    Contra Janot, Cunha ameaça Dilma com ‘inferno’

    :

    O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), decidiu jogar ainda mais pesado contra o Palácio do Planalto; avisou que se o procurador-geral Rodrigo Janot for reconduzido ao cargo, em meados deste ano, a presidente Dilma Rousseff conhecerá o que chamou de "inferno" no parlamento; ou seja, um quadro ainda pior do que o atual, em que o governo vem sofrendo sucessivas derrotas; investigado na Lava Jato, depois de ter sido acusado pelo doleiro Alberto Youssef de receber recursos do grupo Mitsui, Cunha suspeita que o Planalto estimula a ação de Janot contra ele; presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), também promete guerra caso Janot seja reconduzido

    16 de Maio de 2015 às 06:27

    Brasília 247 – O que já é ruim pode ficar ainda pior. Quem avisa é o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

    Investigado na Lava Jato, depois que foi acusado pelo doleiro Alberto Youssef de receber recursos do grupo Mitsui, Cunha mandou recados ameaçadores ao Palácio do Planalto. Disse que se Janot for reconduzido ao cargo, em meados deste ano, o Palácio do Planalto conhecerá o que chamou de ‘inferno’ no parlamento.

    Uma ameaça preocupante, uma vez que o governo tem sofrido inúmeras derrotas na casa. Uma das mais recentes foi a derrubada do fator previdenciário, na última semana, que pode inviabilizar o ajuste fiscal.

    A ameaça de Cunha teria sido transmitida ao ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante (saiba mais em reportagem da Agência Globo). "Depois de tentar, sem sucesso, arregimentar apoio entre seus aliados na Câmara para aprovar uma PEC que impede a recondução dos procuradores, Cunha articulou com seus aliados para convocar Janot para a CPI da Petrobras. Um requerimento com este fim foi apresentado pelo deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP) na comissão, mas não houve apoio dentro da CPI e sequer foi posto em pauta", diz trecho da reportagem.

    O mandato de Janot na Procuradoria Geral da República vencerá em setembro e a presidente deve indicar, ainda em agosto, o nome de seu preferência, que pode ser o do próprio procurador-geral.

    Renan e Janot

    Assim como Eduardo Cunha, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) também se mostra incomodado com a eventual recondução de Janot.

    "A Dilma está fazendo isso para me afrontar", teria dito Renan ao ex-presidente Lula, no encontro que mantiveram na semana passada, segundo registro do colunista Ilimar Franco, do Panorama Político. Renan avalia que Janot tem agido como "instrumento do Planalto" na Lava Jato.

    Contra Janot, Cunha ameaça Dilma com ‘inferno’ | Brasil 24/7

    03/05/2015

    Saiba porque Globo, Folha, Veja, Estadão & RBS odeiam Dilma

    folha-copa

    Dilma na copan

    Dilma Bonner

    Comunicação do governo na Copa rendeu prêmio internacional

    sab, 02/05/2015 – 10:17

    Enviado por Veras

    Quem ficou sabendo disso?

    Copa do Mundo rende prêmio ao governo Dilma Rousseff

    Por Paula Bonelli – Do Glamurama

    O governo de Dilma Rousseff foi homenageado por ter se comunicado bem na Copa

    Em meio ao noticiário negativo de crises econômicas e política, um alento para a Secretaria de Comunicação Social de Dilma Rousseff. O trabalho da Secom durante a Copa do Mundo de 2014 foi premiado nesta quarta-feira com o​ PRWeek 2015 Global Awards em Londres. O case de relações públicas apresentado venceu por ter dado todo o apoio necessário à mídia antes e durante o evento, mas também por ter mostrado o Brasil como um país diverso, sustentável e em desenvolvimento .

    Comunicação do governo na Copa rendeu prêmio internacional | GGN

    13/04/2015

    Obama: “The Woman”

    Filed under: Barack Obama,Dilma,The Woman — Gilmar Crestani @ 10:07 am
    Tags:

    O presidente do EUA, sem poder contar com péssima direita brasileira, ve-se na contingência de elogiar Dilma. Já havia feito isso com Lula, mas ainda assim mandou seus xeretas espionarem a Petrobrás e Dilma. No tempo de FHC não havia necessidade disso, o próprio contava tudo. Bill Clinton ficou até com nojo de tanto sabujismo e, para testar até onde ia o limite da falta de hombridade, exigiu que os diplomatas brasileiros teriam de tirar os sapatos para entrarem nos EUA. Conseguiu. O capaxismo de FHC, seu histórico servilismo não tem limites de subserviência. Como convicto ventríloquo, abaixou as calças e ficou de quatro. No seu governo, a Raitheon, com o SIVAM,  deitou e rolou.

    Agora esta pedrada no estômago do vira-latas. Ao invés de elogiar o amante de Miriam Dutra, reconhece o papel de Dilma. É, não há mais Geraldo Brindeiro, não há mais engavetador geral. Tudo vem à tona, inclusive aquela corrupção que atolou o PP gaúcho, a RBS e o Gerdau. Viva Dilma, viva a Operação Zelotes. Eles não sobrevivem a uma boa dose de democracia…

    Obama: “foi preciso que uma mulher chegasse ao poder, para se começar a limpar a corrupção no Brasil”

    12 de abril de 2015 | 12:23 Autor: Miguel do Rosário

    11139351_811933225562704_7014198253973102977_n

    Essa é para matar coxinha.

    O principal elogio de Barack Obama à presidenta Dilma, e foram muitos elogios, foi a sua firmeza no combate à corrupção.

    Obama disse, literalmente: “Foi preciso que uma mulher chegasse ao poder para se começar a limpar a corrupção no Brasil”.

    De fato, os zumbis que saem às ruas pedindo intervenção militar, em inglês, por causa da corrupção, são pobres coitados lobotomizados pela mídia.

    Não fosse a autonomia que Dilma deu à Polícia Federal, e o respeito com que tratou o Ministério Público, mesmo os seus setores mais radicalizados contra o governo, não haveria o combate à corrupção que vemos hoje.

    Acho que os coxinhas vão precisar falar outra língua. O inglês não está dando certo.

    ***

    No Portal Metrópole.

    Na Cúpula das Américas, Obama elogia Dilma e diz que Brasil é exemplo de combate a corrupção

    Depois de um ano, a presidente Dilma Rousseff ouviu finalmente um pedido de desculpas do presidente dos EUA pela espionagem da agência americana no Brasil. Em discurso, o presidente Barack Obama soltou série de elogios sobre a presidente e disse que o Brasil é um exemplo de combate a corrupção

    Por Redação – com informações do Estadão

    A presidente Dilma Rousseff ouviu finalmente do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, um tipo de pedido de desculpas, ainda que não tradicional, pela espionagem levada a cabo pela National Security Agency sobre o governo e empresas brasileiras. Ao responder se a crise estabelecida em 2013 pela descoberta da espionagem estava superada pela marcação da visita aos EUA para junho deste ano, Dilma revelou o que o presidente americano lhe falou durante a reunião bilateral de hoje: ele lhe ligará quando quiser saber algo do Brasil.

    “O governo americano não disse só para o Brasil, mas disse para todos os países do mundo que os países amigos, os países irmãos não seriam espionados. E também tem uma declaração do presidente Obama: ele falou pra mim que quando ele quiser saber qualquer coisa, ele liga pra mim. (Eu) não só atendo, como fico muito feliz”, contou.

    O encontro dos dois presidentes durou cerca de meia hora. De acordo com a presidente, os dois trataram dos temas de cooperação que o Brasil quer ver avançar na visita, entre eles cooperação na área de energias alternativas, educação, defesa e o programa Open Skies para a aviação civil.

    Em discurso na Cúpula das Américas, a presidente ouviu elogios do presidente Barack Obama: “Vejam só o exemplo do Brasil, em combate a corrupção… Precisou-se que uma mulher chegasse ao poder para se começar a limpar a corrupção”, disse ele.

    Descontraída, a presidente agradeceu quando foi elogiada pela elegância. E, ao ser perguntada se o presidente americano havia comentado sua nova silhueta – Dilma perdeu 16 quilos -, respondeu: “Olha, ele não elogiou. Mas eu gostaria que tivesse elogiado.”

    Confira o artigo original no Portal Metrópole: http://www.portalmetropole.com/2015/04/no-brasil-precisou-que-uma-mulher.html#ixzz3X6mw7qU2

    Obama: “foi preciso que uma mulher chegasse ao poder, para se começar a limpar a corrupção no Brasil” | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

    10/03/2015

    “Exército Islâmico” made in Brasil

    Dilma vai tratar o “Exército Islâmico” tucano com punhos de renda?

    9 de março de 2015 | 20:22 Autor: Fernando Brito

    fhcisis

    É curiosa a ordem dos valores da elite brasileira.

    Quando se trata de defender seus apetites, às favas o mínimo de civilidade.

    As declarações hoje, de Fernando Henrique Cardoso – “não adianta tirar a Dilma” – e do více de Aécio, Aloysio Nunes Ferreira –  “quero sangrar a Dilma”  – mostra com que tipo de gente se está lidando.

    Como eu disse ontem aqui, a charge do Chico Caruso, num baita ato falho, mostrou que a oposição, aqui, virou um “Exército Islâmico”.

    Quatro meses após as eleições e estão com a faca nos dentes.

    Do outro lado, nossa Presidenta – aquela a quem chamam de terrorista e ditadora – segue em suas platitudes de que “aqui as pessoas podem se manifestar, e têm espaço para isso, e têm direito a isso.”.

    Cara Presidenta, isso é o óbvio ululante, cono diria o Nélson Rodrigues.

    Não é preciso explicar que o Brasil é uma democracia, onde se goza de todas as liberdades de manifestação.

    Só a extrema-direita e a nossa mídia assolada pelo fantasma “bolivariano” é que dizem o contrário.

    Quem defende o seu governo é que é discriminado, maltratado, suspeito e maldito nas rodas da elite e da classe média. E, mesmo em meio ao povão, tem de se encher de dedos ou argumentos.

    Agora, se a Presidenta da República, que recebeu a minha procuração e a de mais de 54, 5 milhões de eleitores brasileiros para enfrentar a esta gente não enfrenta, como quer que seus eleitores enfrentem?

    A senhora foi brizolista tempo suficiente para saber que o líder forte faz fortes as forças que lidera.

    Não adianta dizer na entrevista coletiva que ““os que forem a favor do quanto pior melhor’não tem compromisso com o Brasil”.

    Essa frase tinha de estar na sua fala de ontem, porque, do contrário, ela não sai.

    Hoje eu assisti o jornal Hoje, da Globo, num restaurante simples que frequento.

    Não houve “panelaço”, mas também, não houve entusiasmo.

    E depois de sua fala, pau, pau , pau. Tome de “Lava-Jato”.

    A senhora, Presidenta, está – confessadamente – sendo sangrada pela mídia.

    Não se limite a afirmar o óbvio, de que estamos numa democracia com total liberdade de expressão.

    Afirme o que é, de fato, a democracia: o conflito dos interesses das maiorias com o das minorias.

    Este também, deve ser livre, sem que o governo fique emparedado em um “bom-mocismo” que nos deixa inermes diante de uma ofensiva manifestamente golpista.

    Porque democracia e liberdade, Presidenta, só podem existir quando a verdade é dita sem rodeios.

    A democracia não é poder apenas falar o que se quiser, na oposição.

    Democracia é, também, o direito da maioria – comprovada nas urnas –  de falar.

    Quem é o “Exército Islâmico” do Chico Caruso?

    8 de março de 2015 | 10:54 Autor: Fernando Brito

    caruso

    A charges de Chico Caruso deram um passo para frente, de ontem para hoje.

    A de ontem, parece que trocas as bolas e põe como cozinheiros os dois principais ingredientes do “Caldeirão do Janot”, onde Cunha e Renan não estão sendo cozinhados propriamente em fogo brando.

    Na de hoje, a qual muitos vão criticar pelo mau-gosto da cena de decapitação, justo no Dia Internacional da Mulher, eu prefiro ver outra coisa.

    Quem é o “Exército Islâmico” do cartunista?

    A midia, inclusive seus patrões, os Marinho?

    O “mercado financeiro”?

    O PSDB e seu arquivado neolíder, Aécio Neves?

    A Justiça não é, porque Chico sabe que nem sequer pedido de arquivamento há em relação a Dilma.

    Mas a gente poderia citar outros ou imaginar ali, atrás do capuz preto o velho Fernando Henrique Cardoso, aquele que diz que Dilma “não deve ser salva”, talvez porque tenha sido eleita, coisa que os tucanos já não conseguem faz quase 20 anos, desde 1988 e mereça morrer.

    São tantos e tão graúdos os que querem passar o facão na goela de Dilma que Chico poderia inaugurar ali o turbante árabe padrão “camisa do Botafogo”, com seus patrocínios tipo “classificados”.

    Baita ato falho, hein, Caruso?

    Você acabou de mostrar  que os pretendentes a algozes de Dilma são fundamentalistas, intolerantes, violentos, sanguinários.

    Retratou-os como quem quer se impor no poder abaixo de ameaças, facadas, terrorismo.

    Acabou dando concretude àquilo que seu muito mais talentoso parceiro de humor e de rodas de jazz, o iluminado Luís Fernando Veríssimo, escreveu hoje, no mesmo O Globo:

    Às vezes, as melhores definições de onde nós estamos e do que está nos acontecendo vem de onde menos se espera.

    Você mostrou quem é mesmo que quer degolar a Presidenta eleita pelo voto.

    Parabéns, Chico, você foi verdadeiro na sua morbidez.

    Quem é o “Exército Islâmico” do Chico Caruso? | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

    Próxima Página »

    Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

    %d blogueiros gostam disto: