Ficha Corrida

03/09/2016

Dilma, vítima de um estupro mafiomidiático, sai maior do que entrou

Dilma Ditadura4_n

Dilma sai do golpe maior do que entrou. Já seus algozes, entraram anões e saíram ratazanas.

Dos bueiros abertos pela Rede Globo, RBS, Estadão, Folha de São Paulo, Veja saíram os autores do golpe paraguaio. Os grupos mafiomidiáticos são os autores intelectuais do golpe. Também por isso são os maiores beneficiários.

– Dilma não tem nada a ver com a Brasif, nem com Miriam Dutra. FHC e Rede Globo, tem!

– Dilma não tem nada a ver com Zezé Perrella. Aécio Neves, tem!

– Dilma não tem nada ver com o crime organizado e o PCC. Alexandre Morais, tem!

– Dilma não tem nada a ver com o Paraguai. Álvaro Dias, tem!

– Dilma não tem nada a ver com estupradores. Jair Bolsonaro, tem!

– Dilma não tem nada a ver com Eduardo CUnha. Michel Temer, tem!

– Dilma não está na Lista de Furnas, Lista Falciani, Lista Odebrecht, Panama Papers, Operação Zelotes, Operação Lava Jato. Os estupradores da democracia, sim!

– Dilma não foi delatada por ninguém. Rede Globo, RBS, Romero Jucá, Aécio Neves, José Sarney, José Serra, FHC, Eliseu Padilha, foram!

El ala rota

Por Sandra Russo

“Ahora no hay torturas, pero hoy también miro a los ojos a las personas que me juzgan, y todos nosotros seremos juzgados por la historia. Esta es la segunda vez en mi vida que, junto a mí, se juzga a la democracia”. Dilma Rousseff sabía, cuando comenzó su descargo antes de ser destituida, cuál sería el veredicto, porque nunca se trató de la investigación o constancia de un delito, sino de un juicio llevado adelante por la antipolítica que representan esos oscuros legisladores que a la hora de la vendetta, a la hora de levantar o bajar el pulgar, se exhibieron a sí mismos, ya en la Cámara de Diputados, en toda su pobreza moral e intelectual, gritando “¡Sí!” con invocaciones extrañas. “Por mis nietas”, “contra el comunismo”, “contra el Foro Social Mundial”, “por Dios” o “contra el populismo” fueron algunas de esas bizarras manifestaciones que decapitaron la democracia en Brasil. “Nunca cedí. Nunca cambié de bando”, dijo antes Dilma, pintándose en ese último capítulo de su gobierno, después de haber sido electa por 54 millones de personas, como un espécimen de la política de las convicciones, en oposición a la política de los intereses.

La mujer que nunca cedió es la misma adolescente de cabeza casi rapada que miraba fijo a jueces militares que se tapaban la cara en l970, cuando aquella militante de VAR Palmares de entonces 22 años fue condenada, torturada y encarcelada. La misma que varias décadas más tarde, después de la irrupción del neoliberalismo en los 90, unió su esfuerzo y su suerte a la de Lula. La misma que comprendió, junto a otros líderes y dirigentes de la región, que de desmontar la histórica farsa de la democracia latinoamericana y reconvertirla en una democracia representativa al servicio de los sectores populares se trataba el nuevo objetivo sincrónico que podía elevar a la región a un rango desconocido hasta entonces, después de dos siglos de pantomimas marcadas por el fraude, el golpe, la corrupción y la extranjerización.

¿A qué no cedió nunca Dilma? ¿Cuál es el bando al que siempre le fue leal? Aquella adolescente que integró el VAR Palmares como consecuencia del golpe militar de 1964, vivió, creció, maduró y fue la ministra de Energía de Lula y luego su sucesora. Los unía el mismo proyecto de país. No cambiaron sus ideas, cambiaron las circunstancias. La democracia es un término muy vago, muy abstracto, que sólo cobra vigor en los hechos de tanto en tanto. Básicamente implica reglas de juego. No existieron esa reglas de juego cuando la generación de Dilma y la de otros presidentes populares latinoamericanos tenían la edad de los jóvenes que ahora, nacidos y crecidos en democracia, de pronto ven asaltadas sus vidas por un orden extraño, que tiene las formas de la democracia pero que no la extiende a sus propias vidas. Que les saca derechos sobre sus propias vidas. Esta generación de jóvenes latinoamericanos, los de los países cuyos gobiernos fueron acusados de populistas y uno tras otro fueron siendo atacados y embestidos bajo diferentes formas de presiones bestiales, nacieron y crecieron bajo un ala que, aunque nunca se desplegó tanto como para amparar a todos, se extendía en ese sentido. Desde el cinismo del posicionamiento político, hoy muchos niegan lo que el pueblo sabe. Estos años marcaron vidas enderezadas por el ascenso social, y eso sólo fue posible porque no se cedió a las presiones. Las hubo ininterrumpidamente. Para no ceder, es necesario estar convencido más allá de cómo mida la imagen. Estos jóvenes nacieron y crecieron en países de culturas inclusivas, porque sus respectivos Estados coincidían, bajo diferentes estilos y medidas, en constituirse en los garantes responsables de ese tipo de bienestar.

El tipo de bienestar en el que creen quienes defienden los Estados inclusivos , es aquel que deviene del derecho de alguien sólo por la gracia de haber nacido. No es casual, ni fruto del peronismo del Papa, que sobre ese tipo de Estado caiga un halo vinculado a lo más elemental, lo más simple de la cristiandad o el humanismo. Las ideas que sostienen la defensa de los Estados inclusivos parte, en efecto, de ver en el otro, especialmente al más castigado, al último de la fila de atributos y dones, como a alguien de quien hay que hacerse responsable. El Estado inclusivo es una construcción colectiva elaborada desde los cimientos de una convicción moral. Es prepolítico. Es concebir la política de Estado, es decir, la esencia estatal, como la nodriza que da la leche de la madre ausente. Aquello que el último de los últimos no tuvo la suerte de recibir por el azar del nacimiento, tiene el Estado la obligación de proveerlo.

Pero no se hablaba de Estados inclusivos, al menos en América latina, cuando Dilma miraba fijo a los jueces militares que estaban por condenarla. El vértigo de la violencia que instauraron los golpes militares de los 70, y sus respuestas, obnubilaba. Cuando aquí en 1983, Alfonsín hizo llorar a millones de personas recitando el preámbulo de la Constitución, en este país se salía de una larga noche de siete años, y esa opresión nos hacía creer que el paso hacia lo constitucional sería el primero en un camino que seguiría por lo que también decía Alfonsín. Queríamos que la democracia curara, que alimentara, que educara. Creíamos que la democracia era eso. Y no lo fue.

Llevó muchos años, muchos muertos, mucho sufrimiento comprender que la democracia por sí misma, como simple regla de juego, no implica la equidad. Llevó una década perdida, de confusión y hechizo, de injusticia, de saqueo, comprender que a esa democracia inclusiva hay que llegar, que hay que tallarla, que si no queremos volver a perder nunca más las reglas del juego, que es lo único que garantiza un mínimo de civilidad, es ésa la lucha, la verdadera, la más clara, la más justa de las luchas a las que vale la pena adherir. La de hacer de la democracia no sólo un sistema, sino un lugar. Darle cuerpo y volumen a la democracia. Lograr que habite no sólo en las instituciones, sino sobre todo en cada ciudadano, en su vida privada, en su domingo en familia, en su paternidad, en su maternidad, en los anhelos que se pueden tener siendo realista, en la expectativa de los deseos satisfechos, en la chance de la felicidad.

El golpe de Brasil y el tembladeral en el que se ha convertido esta región y este país, vuelven a poner de relieve que todo nuestro esfuerzo como personas comprometidas con una idea del otro, con esa profunda idea de un Estado responsable especialmente de los más débiles, debe ser un motor. Un gran motor que nos guíe entre nuestras diferencias, porque es tan oscuro el tiempo que se avecina, que tenemos que echar mano de nuestra conciencia histórica. Eso sí nos une a muchos que pensamos diferente, pero que estamos de acuerdo en que la democracia, si no es inclusiva, es apenas una palabra y una fachada. De algún lugar se debería exprimir la empatía para encontrar la confluencia de las luchas y convertirlas en una sola.

Página/12 :: Contratapa :: El ala rota

17/03/2015

Para esquecer Malhães, Folha se fixa em Durst

ditadruanHavia, no Brasil, um torturador louco para contar as sessões de tortura, estupro e morte ocorridas nos porões da ditadura, Paulo Malhães. Nenhum jornal brasileiros, todos filiados ao Instituto Millenium, foi atrás destas personagens sinistras da ditadura. Por que O Globo iria, se em editorial saudou a chegada da ditadura. Pior, se aliou ao ditadores e deu a eles cobertura midiática.

A Folha de São Paulo não só fez às vezes de porta-voz dos ditadores como emprestou peruas para os torturadores, estupradores e assassinos escondessem as vítimas em valas clandestinas, como aquela encontrada no Cemitério de Perus, em São Paulo. É evidente que a Folha não iria atrás dos sádicos da ditadura. As histórias macabras, como aquelas praticadas e confessadas por Paulo Malhães, só vieram à tona graça à Comissão da Verdade. A Comissão da Verdade não é outra coisa senão a simples busca da verdade que os jornais, caso fossem livres para buscarem informações, teriam feito. Daí também decorre porque de todo ódio que marcha de zumbis chamada pela Folha & Globo pedido a volta da ditadura. Eles estão sedentos por sessões de tortura, estupro e morte. Dizem que o velho Frias, assim como o honorável Cidadão Boilensen, finanCIAdores da OBAN, assistiam pessoalmente as sessões nos calabouços do DOI-CODI.

Até a escolha do dia 15/03 para que os zumbis da ditadura saíssem às ruas não foi mera casualidade. A data coincide com a posse de alguns dos facínoras da ditadura. Era no dia 15/03 que eles se substituíam no comando ditatorial. É até engraçado que a Folha dê importância a um assassino norte-americano e esquece de informar sobre os muitos assassinos que faziam parte das sessões que o velho Frias presenciava. Quantas pessoas foram torturadas, estupradas e assassinadas na presença do progenitor da famiglia Frias sem que a Folha trouxesse o assunto aos seus leitores? Não é por outro motivo que, com ódio à Lula e Dilma, simplesmente porque as histórias macabras da ditadura, que eles, da Folha, entendem que foi uma ditabranda, viesse à tona com a Comissão da Verdade.

É pelo mesmo motivo que a régua que a Lava Jato passou no PP gaúcho não comoveu a Folha para uma reportagem. É pelos mesmos motivos que nada falaram a respeito do sequestro e estupro do Caso Ana Lídia, de apenas 7 anos, durante a ditadura, por um senador da ARENA, avó do PP.

 

Sem querer, magnata dos EUA confessa ter matado 3

‘Matei todos eles’, admitiu milionário de NY Robert Durst em série de TV

Confissão ocorre em programa sobre vida de Durst; promotoria o acusa, e ele pode ser condenado à morte

GIULIANA VALLONEDE NOVA YORK

Sem se lembrar de que estava sendo gravado, o milionário excêntrico de Nova York Robert Durst, 71, confessou em um programa de TV exibido neste domingo (15) que assassinou três pessoas.

No domingo, foi ao ar o último episódio da série documental: "The Jinx: A Vida e As Mortes de Robert Durst", do canal HBO. "Jinx", ironicamente, significa algo como "mau agouro" em inglês.

Ao término de uma entrevista, Durst aparentemente esquece-se que ainda está usando um microfone ligado e vai ao banheiro.

Lá, em uma conversa confusa consigo mesmo, diz: "Aí está, você foi pego". "Que diabos eu fiz?", pergunta-se. "Matei todos eles, claro."

A direção do documentário afirma que o magnata do setor imobiliário, cuja família tem fortuna estimada em US$ 4,4 bilhões, sabia estar com o microfone ativo.

As vítimas às quais Durst se refere seriam sua primeira mulher, Kathleen, cujo corpo nunca foi encontrado, a melhor amiga dele, Susan Berman, e um vizinho, esquartejado no período em que ele viveu disfarçado como uma mulher muda no Texas.

Durante a pesquisa para o documentário, o diretor e sua equipe acabaram descobrindo uma carta escrita por Durst a Berman cuja grafia é praticamente idêntica à de um bilhete que foi enviado pelo assassino à polícia na época do crime.

Confrontado com essa prova obtida pela produção, Durst negou novamente, durante o programa, o seu envolvimento nos casos. Logo depois, porém, saiu para o banheiro e fez a declaração que o incriminou.

Na noite de sábado (14), a polícia de New Orleans, que já havia sido informada da "confissão" antes de o programa ir ao ar, o prendeu sob acusação de assassinato.

Nesta segunda, a Promotoria de Los Angeles o acusou formalmente pela morte de Berman, e o milionário pode ser condenado à morte.

O histórico criminal do milionário começou em 1982, quando sua primeira mulher, Kathleen, desapareceu. O casamento era conturbado, e o próprio Durst admite que a agredia, mas sua culpa no caso nunca foi comprovada.

No ano 2000, as autoridades de NY reabriram o caso e convocaram para depoimento Berman, que tinha 55 anos, era confidente de Durst e atuou como sua porta-voz na década de 1980.

Um mês depois, Berman foi assassinada. Mais uma vez, a polícia não conseguiu provar a participação de Durst nesse crime.

Para fugir das repercussões, o milionário mudou-se para o Texas. Em 2001, seu vizinho, Morris Black, foi morto e esquartejado.

Durst confessou ter cortado o corpo do homem, mas afirmou que o homicídio aconteceu em legítima defesa. Segundo ele, o vizinho morreu acidentalmente –os dois estariam brigando e caíram ao chão quando a arma do milionário teria disparado e atingido Black. O júri comprou a tese de Durst, e ele foi considerado inocente.

Em 2010, o documentário "The Jinx" começou a ser produzido depois que o diretor Andrew Jarecki lançou o filme "Entre Segredos e Mentiras", inspirado na vida de Durst. O retratado assistiu ao longa e ligou para Jarecki: queria dar uma entrevista e contar sua visão dos fatos.

O diretor e o produtor Marc Smerling entrevistaram também familiares e amigos das vítimas, além de advogados do milionário.

04/09/2014

Ai que saudades da aurora da minha vida, da minha ditadura querida!

ditabrandaInacreditável, a Folha desova um editorial para atacar o bolivarismo da democracia, que, com leis aprovados nos parlamentos, botam os golpistas nos seus devidos lugares. De nada adianta a Folha vir com este papo que a ditadura lhe foi ditabranda. E os que morreram, para eles a ditadura foi branda?

Logo a Folha que foi cúmplice da ditadura, emprestando suas peruas para que os torturadores pudessem desovar os presuntos depois de os ter prendido sem ordem judicial; depois de presos, torturados; depois de torturados, estuprados; depois de estuprados, mortos; depois de mortos, esquartejados; depois de esquartejados (para que não pudessem ser encontrados pelos familiares), desovados, com ajuda das peruas da Folha, em covas clandestinas.

O que é pior, uma imprensa sob leis aprovados por Congressos Bolivarianos ou uma imprensa sob o AI-5, parceira dos ditadores?! Por que a Folha não comenta de sua parceria com a ditadura, ou porque O Globo publicou editorial saudando a chegada da Ditadura?! A Folha, por ter sido parceira, pode não gostar de lembrar, mas nós sabemos. E não vamos esquecer, nem deixar que ela esqueça!

Por que a Folha não fala da sua parceria com a RBS, Globo e outros a$$oCIAdos do Instituto Millenium para criarem site para patrulhar o Poder Judiciário brasileiro?! Onde está a lei que diz que os associados do Instituto Millenium estão acima do Poder Judiciário? Quem lhes outorgou o direito de fiscalizar as decisões do Poder Judiciário?

EDITORIAIS

editoriais@uol.com.br

Imprensa à bolivariana

Sob as ditaduras que comandaram a América Latina no século 20, foram vários os casos de empastelamento de jornais críticos ao regime de plantão. A truculência física contra a imprensa ficou no passado, mas, no presente, governos da escola bolivariana abusam do poder econômico e político para alcançar objetivos parecidos.

O caso mais recente foi registrado no Equador de Rafael Correa. Depois de 32 anos de existência, o jornal "Hoy", um dos maiores do país, deixou de existir. A Superintendência de Companhias, órgão estatal, determinou o seu fechamento, ao lado de 700 empresas de diversos setores, por perdas superiores a 50% do capital social.

A controladora do "Hoy" admitiu problemas financeiros, mas culpou a perseguição de Correa à imprensa crítica. As iniciativas do presidente incluem uma rigorosa Lei de Comunicação, processos judiciais contra jornalistas, auditorias financeiras periódicas, manipulação da publicidade estatal e intimidação de anunciantes privados.

Na Bolívia, o governo de Evo Morales fomentou, por intermédio de empresários amigos ou fundos anônimos, a compra de cinco canais de TV –dois dos quais de alcance nacional– e o principal jornal diário do país, o "La Razón".

São os chamados meios paraestatais, na definição do jornalista boliviano Raúl Peñaranda, autor de um premiado livro sobre o assunto. Controlados de fato pelo governo, passaram a fazer uma cobertura oficialesca –distante, portanto, do que se espera da imprensa.

O mesmo recurso aos meios paraestatais tem sido utilizado pelo chavismo na Venezuela, presidida por Nicolás Maduro. Ao menos três veículos importantes (o canal de notícias Globovisión e os jornais "Últimas Noticias" e "El Universal") foram há pouco tempo vendidos a pessoas ligadas ao governo, com impactos na linha editorial.

A também truculenta gestão de Cristina Kirchner, na Argentina, aprovou a Lei de Mídia, em 2009, desenhada para intimidar órgãos críticos da Casa Rosada, entre os quais os do Grupo Clarín.

Todas essas ações demonstram com clareza a faceta autoritária de líderes latino-americanos que têm em comum o fato de não saberem conviver com o contraditório.

Agindo como donos da verdade, debilitam o poder fiscalizador da imprensa e fragilizam o ambiente democrático que, mesmo imperfeito, permitiu sua ascensão ao poder através do voto.

21/08/2014

Pegaram o protegido do Ministro de Aluguel do PSDB no STF

Filed under: Bandidagem,Gilmar Mendes,PSDB,Roger Abdelmassih — Gilmar Crestani @ 10:22 pm
Tags: ,

 

O estranho caso do habeas corpus de Gilmar Mendes para Roger Abdelmassih

Postado em 20 ago 2014

por : Kiko Nogueira

Abdelmassih

Abdelmassih

ADVERTISEMENT

Algumas das mulheres estupradas pelo médico Roger Abdelmassih, preso ontem no Paraguai, devem representar contra Gilmar Mendes na Corte Internacional.

Uma delas, ao recebê-lo no aeroporto, avisou, dirigindo-se às câmeras de TV: “Não tem ministro que vai tirar você daqui”.

Abdelmassih foi condenado a 278 anos de prisão pela Justiça criminal de São Paulo em novembro de 2010, acusado de 52 estupros de suas próprias clientes. Estava detido.

Gilmar, então presidente do STF, entendeu que ele deveria recorrer em liberdade da sentença porque não representava perigo. Já tinha o registro cassado, não podia mais exercer a profissão e, portanto, não teria como continuar cometendo o crime.

No início de 2011, Abdelmassih era um foragido.

Gilmar é o mesmo que considerou “estranho” o episódio das doações feitas para pagar multas dos réus do mensalão. “Imagino que os militantes se disponham a cumprir alguns dias nos presídios”, disse, em resposta a uma carta de Suplicy.

Em matéria de estranheza, ele possui antecedentes. Concedeu habeas corpus a Daniel Dantas, preso pela Polícia Federal no caso Satiagraha em 2008.

Fez o mesmo com Cristina Maris Meinick Ribeiro, condenada por sumir com o processo de sonegação fiscal da Receita Federal contra a Globo.

Em maio de 2010, o habeas corpus de Abdelmassih fora negado pela ministra Ellen Gracie. Gilmar, porém, cravou que não havia elementos “concretos e individualizados, aptos a demonstrar a necessidade da prisão cautelar do ora paciente”.

A escritora Teresa Cordioli, vítima do médico nos anos 70, não perdoa o juiz. “O maior estupro foi feito pelo Gilmar Mendes, que o soltou. Aí nós criamos mais força na busca”, disse.

Gilmar nunca se manifestou sobre o episódio Roger Abdelmassih. Até agora, pelo menos.

Sobre o Autor

Diretor-adjunto do Diário do Centro do Mundo. Jornalista e músico. Foi fundador e diretor de redação da Revista Alfa; editor da Veja São Paulo; diretor de redação da Viagem e Turismo e do Guia Quatro Rodas.

Diário do Centro do Mundo » O estranho caso do habeas corpus de Gilmar Mendes para Roger Abdelmassih

20/08/2014

Abdelmassih fecha com chave de ouro a biografia de Gilmar Mendes

Filed under: Gilmar Mendes,Roger Abdelmassih — Gilmar Crestani @ 8:54 am
Tags:

 

Abdelmassih: repórter atravessa biografia de Gilmar

Só estava solto por um HC de plantão…

Há dois anos, Anael de Souza, editor do Domingo Espetacular, da Rede Record, leu uma reportagem sobre Roger Abdelmassih na revista “Poder” e passou ao produtor Leandro Santana: “vá atrás dele !”.
Nesta terça-feira, 19 de agosto, de manhã, na porta de casa, em Assunção, Leandro entregou Abdelmassih à Policia Federal do Brasil e a policiais do Paraguai.
Leandro sabe tudo sobre Roger.
Sabia, inclusive, quanto custou  o HC que ele obteve no Supremo, no plantão de Gilmar Dantas (*).
Leandro sabe, até, que poucos dias atrás, um parente de Roger diz ter entrado em contado com o advogado Marcio Thomaz Bastos, que lhe garantiu que a Policia Federal nao sabia do paradeiro do cliente e não havia nada a temer.
De fato, só quem sabia onde Roger estava era Leandro.
Que aguardou a informação até ter certeza de que era ele mesmo quem  morava em bela casa de um bairro chic, e levava os dois filhos do novo casamento a uma escola bilingue.
Roger se preparava para, na hora certa, entrar com outro recurso para tentar suspender a ordem de prisão.
Leandro tentou se assegurar de que quando acionasse a Policia Federal brasileira, a policia paraguaia não cometesse nenhum deslize.
E, hoje, os paraguaios se comportaram exemplarmente.
Os federais brasileiros prenderam Roger quando ele saia de casa.
Eles estavam acompanhados de policiais paraguaios, inclusive os da Policia de Imigração.
E, ao capturar o passaporte falso, tomou imediatamente a decisão de entrega-lo ao Brasil.
Leandro adotou o velho principio: siga o dinheiro.
Foi assim que quase chegou a ele, no interior de São Paulo, como mostrou uma reportagem do Domingo Espetacular
Roger montou um esquema complexo de remessa de dinheiro, atraves de varios intermediários, parentes e nao parentes.
A última remessa, segundo escuta legal, foi de R$ 500 mil.
Não fossem Anael e Leandro, Roger estaria em Assunção.
E talvez a clinicar.
Ele foi condenado a 278  anos de cadeia, por cometer crimes contra 35 mulheres pacientes.
Este ansioso blogueiro fez para o Domingo Espetacular uma reportagem com vitimas de Roger.
Uma delas disse que estava feliz porque ele tinha sido proibido de clinicar, mas, ao mesmo tempo, se sentia duplamente violada, porque tinha escapado da cadeia.
Roger obteve um HC de Gilmar para se defender em liberdade.
Tentou tirar passaporte, a Policia desconfiou que quisesse fugir e a Justiça passou a considerá-lo um foragido.
O azar dele foi o Anael ler aquela reportagem e mandar o Leandrinho atrás.
Outros jornalistas que atravessam a biografia do ex-Supremo Presidente Supremo do Supremo.
Paulo Henrique Amorim

(*) Clique aqui para ver como notável colonista da Globo Overseas Investment BV se referiu a Ele. A comentarista Lucia Hippólito, na GloboNews, cometeu o mesmo ato “falho”. Falho ? O link para a sua falha, porém, sumiu do YouTube. O Ataulfo Merval de Paiva preferiu inovar. Cansado do antigo apelido, o imortal colonista decidiu chamá-lo de Gilmar Mentes. Esse Ataulfo é um jenio. O Luiz Fucks que o diga.

Abdelmassih: repórter atravessa biografia de Gilmar | Conversa Afiada

DR JEKYLL AND MR HYDE, o reencontro

Filed under: Dr Jekyll an Mr Hyde,Gilmar Mendes,Roger Abdelmassih — Gilmar Crestani @ 7:29 am
Tags: , ,

O reencontro da obra com sua criatura. Qualquer pixote medianamente informado sabe que Gilmar Mendes é o representante vivo da ERA FHC no STF. Tudo o que faz ou deixa de fazer atende exclusivamente interesses do PSDB. Foi posto lá para isso e cumpre à risca. O que chama a atenção é outra coincidência que nasce desta relação. Todo mundo sabe dos amores do PSDB pela golpe paraguaio que derrubou Fernando Lugo. Álvaro Dias, inclusive, foi nomeado cônsul honorário em defesa dos interesses dos golpistas paraguaios. A dúvida que surge diante do fato de que a criatura do Gilmar Mendes estava hospedado no país que os tucanos têm por bastião da resistência ao bolivarianismo que assola a América Latina, é se toda vez que o delegados do PSDB que adentraram o Paraguai foram ou não hospedados pelo médico dos mil e um estupros.

O médico encontraram, agora falta reencontrarem o banqueiro que recebeu do mesmo fabricador dois habeas corpus…

Abdelmassih está para a medicina da forma que o PSDB está para a política! Por isso essa relação quase incestuosa entre criador e criatura.

medico e o monstro_nAbdelmassih, foragido desde 2011, é preso no Paraguai

Ex-médico foi condenado a 278 anos de prisão por estupro de 37 mulheres

Ação conjunta da PF e da polícia paraguaia o deteve em Assunção; chegada a SP está prevista para esta quarta

ROGÉRIO PAGNANDE SÃO PAULONANCY ESPINOLACOLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE ASSUNÇÃOFERNANDA REGINA DA CUNHACOLABORAÇÃO PARA A FOLHA, EM FOZ DO IGUAÇU (PR)

O ex-médico Roger Abdelmassih, 70, condenado em primeira instância a 278 anos de prisão pelo estupro de 37 mulheres, foi preso na tarde desta terça (19) em Assunção, capital do Paraguai. As suspeitas de crimes sexuais contra ele foram reveladas pela Folha em janeiro de 2009.

Antes conhecido como "médico das estrelas", por ser um dos principais especialistas em reprodução assistida do país, ele estava foragido desde 6 janeiro de 2011, quando a Justiça decretou sua prisão pela segunda vez.

Abdelmassih foi preso numa operação conjunta da polícia do Paraguai e da Polícia Federal brasileira, após permanecer 1.321 dias (ou 3 anos e 7 meses) como principal foragido da Justiça paulista –havia uma recompensa de R$ 10 mil por informações que levassem à sua captura.

Ele não ofereceu resistência, segundo o delegado federal Marco Paulo Pimentel, mas ficou muito nervoso ao receber a voz de prisão, quando saía da escola dos filhos pequenos, acompanhado da mulher, a ex-procuradora Larissa Maria Sacco.

O ex-médico não usava disfarce. As únicas diferenças da imagem conhecida eram um boné e a falta do bigode.

Extraditado, Abdelmassih foi levado à tarde para Foz do Iguaçu (PR) –ele passaria a noite na delegacia da PF. Sua chegada a São Paulo, onde ficará preso à disposição da Justiça, está prevista para as 13h desta quarta-feira (20).

Os advogados dele, Márcio Thomaz Bastos e José Luis Oliveira Lima, divulgaram nota à noite informando que o processo judicial não foi encerrado.

Em janeiro de 2009, após a Folha revelar as acusações contra Abdelmassih, uma série de outras vítimas procurou o Ministério Público.

Após investigação da Promotoria, ele foi denunciado por 56 ataques a 39 mulheres. Chegou a ficar preso de agosto a dezembro de 2009, mas obteve do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, o direito de responder o processo em liberdade.

A condenação foi em novembro de 2010 –em julho, seu registro de médico já havia sido cassado. Para parte dos ataques, a Justiça considerou não haver provas. A sentença apontou 48 ataques contra 37 mulheres, consumados ou não, de 1995 a 2008.

Abdelmassih fugiu em janeiro de 2011 ao ser decretada sua prisão após ter solicitado a renovação do passaporte –para a polícia, era um indício de que pretendia fugir.

31/05/2014

Tudo o que o primeiro mundo tinha a nos ensinar, veio na ditadura

Filed under: BBC,Ditadura,Imperialismo Colonial,Inglaterra — Gilmar Crestani @ 12:59 pm
Tags: , , ,

Ditadura x liberdade

Tortura à Inglesa

Enviado por Edsonmarcon, sab, 31/05/2014 – 00:33

Autor: Enviado por Edson Marcon

Na véspera de uma visita do então presidente Ernesto Geisel à Grã-Bretanha, em 1976, havia uma referência indireta à uma "reforma da tortura". Uma das cartas fala de "padrões aceitáveis de interrogatório (por exemplo, o que é permitido na Irlanda do Norte)".

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/05/140530_tortura_grabreta…

Britânicos ensinaram ‘tortura psicológica’ a militares brasileiros na ditadura

Emily Buchanan   –  Repórter de Assuntos Internacionais da BBC

Paulo Malhães

Documentos e depoimentos obtidos com exclusividade pela BBC revelam um lado pouco conhecido da ditadura militar brasileira – a de que autoridades da Grã-Bretanha colaboraram com generais brasileiros – inclusive ensinando técnicas "avançadas" de interrogação equivalentes a tortura. A repórter da BBC Emily Buchanan apurou a história.

Alvaro Caldas pertencia a um grupo comunista quando foi preso em 1970. Ele passou dois anos preso dentro de um quartel da polícia militar no Rio de Janeiro.

Ele foi submetido a espancamentos, choques e pendurado no "pau de arara" – amarrado de cabeça para baixo por horas.

Ao ser solto, ele desistiu da política e passou a se dedicar ao jornalismo esportivo. Em 1973, voltou a ser preso. Caldas foi levado ao mesmo prédio, mas tudo estava diferente por lá.

"Desta vez, a cela estava limpa e esterilizada, com um cheiro nauseante. O ar condicionado era muito frio. A luz estava permanentemente acesa, então eu não tinha ideia se era dia ou noite. Eles alternavam sons muito altos e depois muito baixos. Eu não conseguia dormir de jeito nenhum."

Alvaro conta que a sensação avassaladora que sentia era medo. De tempos em tempos, alguns oficiais entravam na cela, o encapuzavam e levavam para interrogações. Ele sentia que o objetivo era desestabilizá-lo, fazendo-o confessar algum crime que não havia cometido.

Isso não era tortura física, mas sim uma pressão psicológica intensa.

"Por sorte, só passei uma semana lá. Se tivesse ficado duas semanas ou um mês, teria enlouquecido."

‘Sistema inglês’

Esta nova técnica de interrogação ficou conhecida como "sistema inglês". Depoimentos coletados pela Comissão Nacional da Verdade – criada pelo governo para investigar episódios ocorridos durante a Ditadura Militar – explicam o porquê.

Nas mais de 20 horas de seu depoimento, o coronel Paulo Malhães – um dos mais temidos torturadores e que morreu poucos dias depois – ganhou destaque nacional ao confessar ter torturado e mutilado diversas vítimas.

Malhães expressou grande admiração pela tortura psicológica que, para ele, era muito mais eficiente do que a força bruta, especialmente quando a tentativa era de transformar militantes de esquerda em agentes infiltrados.

"Naquelas prisões com portas fechadas, você podia mudar a temperatura, a luz, tudo dentro da prisão. A ideia veio da Inglaterra", disse ele.

Ele admitiu, em conversa em privado com a advogada e integrante da Comissão da Verdade do Rio, Nadine Borges, que viajou à Inglaterra para aprender técnicas de interrogação que não deixavam marcas físicas. Borges relatou detalhes de sua conversa com Malhães à BBC.

"A melhor coisa para ele era a tortura psicológica. Ele também esteve em outros lugares, mas disse que a Inglaterra foi o melhor lugar para aprender."

‘Melhor escola’

O professor Gláucio Soares entrevistou vários generais nos anos 1990. Muitos contaram que enviaram militares à Alemanha, França, Panamá e Estados Unidos para aprender sobre interrogatórios, mas todos elogiaram a Grã-Bretanha como o melhor lugar de aprendizado.

O general Ivan de Souza Mendes teria dito a Soares: "Os americanos também ensinam, mas os ingleses é que são os mestres em ensinar como arrancar confissões sob pressão, por tortura, de todas as formas. A Inglaterra é o modelo de democracia. Eles dão cursos aos seus amigos".

O general Fiuza de Castro disse que os britânicos recomendam deixar os prisioneiros nus antes de interrogá-los, para deixá-los angustiados e deprimidos – um estado que favorece o interrogador.

As técnicas teriam sido criadas nos anos 1960 em territórios britânicos na Ásia e aperfeiçoadas contra militantes na Irlanda do Norte.

O método ficou consagrado em inglês como "Five Techniques", ou "Cinco Técnicas":

  • Manter a pessoa de pé contra uma parede por muitas horas
  • Encapuzar
  • Sujeitar a grandes barulhos
  • Impedir o sono
  • Pouca comida e água

Muitos dizem que essas técnicas equivalem à tortura. Em 1972, elas foram oficialmente proibidas pelo premiê Edward Heath, depois que o público tomou conhecimento que eram usadas contra os militantes irlandeses do IRA.

Mas no Brasil, os métodos de interrogatório psicológico seguiram adiante, atendendo as necessidades dos militares. O péssimo histórico de direitos humanos do Brasil estava começando a atrair publicidade negativa no mundo. Um método que não deixava marcas físicas era considerado perfeito pelos militares para extrair informações.

Aparentemente, não só os militares brasileiros foram à Grã-Bretanha, mas o inverso também aconteceu. O ex-policial Claudio Guerra disse que agentes britânicos deram cursos no quartel-general da polícia militar sobre como seguir pessoas, grampear telefones e usar as celas isoladas.

Guerra disse que viu esses agentes britânicos nas ocasiões em que visitou o quartel-general para recolher corpos de vítimas que sofreram com os métodos antigos.

Correspondências

Há mais pistas sobre a relação entre militares britânicos e brasileiros no prédio dos Arquivos Nacionais, na região londrina de Kew.

Em agosto de 1972, o então embaixador britânico no Brasil, David Hunt, escreveu uma carta secreta a uma autoridade com referência aos métodos mais sofisticados usados pelos brasileiros.

Ele escreveu: "Como você sabe, eu acho, eles (os militares brasileiros) foram influenciados por sugestões e conselhos emitidos por nós; mas esta conexão não existe mais… É importante que o conhecimento deste fato fique restrito."

Na véspera de uma visita do então presidente Ernesto Geisel à Grã-Bretanha, em 1976, havia uma referência indireta à uma "reforma da tortura". Uma das cartas fala de "padrões aceitáveis de interrogatório (por exemplo, o que é permitido na Irlanda do Norte)".

Um documento intitulado "Tortura no Brasil" classificado como "confidencial" fala da péssima publicidade que o Exército brasileiro estava recebendo mundialmente, e de como foram adotadas novas técnicas baseadas em métodos psicológicos.

"O Primeiro Batalhão do Rio estaria usando agora as novas técnicas, cuja introdução foi descrita por um comandante do Exército como uma página tirada da cartilha britânica."

A correspondência do ministério britânico das Relações Exteriores deixa claro que interesses comerciais eram de suma relevância e que o péssimo histórico de direitos humanos do Brasil era subestimado.

Alan Munro, que foi cônsul geral britânico no Rio nos anos 1970, disse que, pessoalmente, não tinha conhecimento da colaboração dos militares britânicos.

"Se os brasileiros estavam procurando técnicas de interrogatório usadas por autoridades britânicas, o melhor exemplo vinha dos primeiros anos da Irlanda do Norte. Isso teria sido aprendido por inciativa dos brasileiros, e no sentido de reduzir as práticas mais crueis, isso teria sido um passo no caminho certo", diz Munro.

Mas os brasileiros não veem isso como "um passo no caminho certo".

O diretor da Comissão da Verdade do Rio, Wadih Damous, disse que há anos conhece o envolvimento dos Estados Unidos no treinamento de militares do regime brasileiro, e que ficou indignado ao tomar conhecimento do papel dos britânicos.

"É sempre chocante ouvir que uma democracia que é tão importante, tão consolidada, tão velha, colaborou com a ditadura", disse Damous.

A BBC pediu uma declaração oficial ao ministério das Relações Exteriores da Grã-Bretanha. Um porta-voz disse que "não pode fazer comentários sobre administrações passadas", mas que qualquer política atual do governo de colaboração internacional cumpre com exigências de direitos humanos estabelecidas dentro do país.

Tortura à Inglesa | GGN

03/12/2013

Pode torturar, pó de cocaína, só não pode ser petista

Filed under: Ditadura,Lei da Anestia,Medievalismo,Poder Judiciário — Gilmar Crestani @ 8:07 am
Tags: , ,

E depois a sociedade não sabem o que legitima a formação de esquadrões da morte, milícias como as do Rio de Janeiro, ou o Primeiro Comando da Capital, em São Paulo. Infelizmente, para uma parte do Poder Judiciário, leis feitas por ditadores, durante a ditadura, não prescrevem. Só prescrevem seus crimes, desde que praticados sob tortura, claro.

A situação é kafkiana, mas é compreensível, como neste exemplo:

Um grupo de bandidos invade um shopping, sequestra todo mundo. Matam, torturam, estupram quem ousa pedir para sair. Depois de anos os bandidos cansam, e os familiares, desarmados, já cercam o prédio. Ainda com todos presos, os bandidos resolvem impor um pacto: serão soltos se assinarem uma declaração perdoando torturadores estupradores,  e de que não vão processa-los. Feito o pacto, todos voltam para suas casas, mas alguns resolver denunciar as condições em que foi firmado o pacto. Procuram Justiça, mas aí o phoder judiciário decide: que pacta sun servanda…. Não lhes passa pela cabeça o contraponto deste axioma latino, o rebus sic stantibus”.

E, regozijados, os bandidos vociferam: “decisão não se discute, se cumpre”, mesmo sabendo que o Poder Judiciário está estruturado para que as decisões sejam discutidas na primeira, segunda, terceira (STJ)  e quarta e última instância (STF)…

Como diria aquele filósofo que, antes de matar, torturava e estuprava: – a Lei de anistia é (d)o caralho!

Justiça suspende processo contra Curió por sequestro

TRF da 1ª Região decide por 2 votos a 1 que Lei da Anistia perdoou crimes da ditadura

DE BRASÍLIA

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região suspendeu uma ação penal movida contra o coronel da reserva Sebastião Rodrigues Curió por crimes no combate à Guerrilha do Araguaia (1972-1975), na época da ditadura militar.

A decisão da 4ª Turma do TRF-1 é mais uma derrota do Ministério Público Federal, que ajuizou diversas ações contra ex-agentes da ditadura sob o argumento de que cometeram o crime de sequestro de militantes políticos e que, pelo fato de os corpos não terem sido encontrados, o crime continua existindo.

A ação contra o major Curió, como ele era conhecido, foi ajuizada em março de 2012 e foi a primeira dessa série de processos. Houve decisão, na primeira instância, por abertura da ação. A defesa de Curió recorreu e o TRF-1, em decisão liminar (provisória), reverteu essa decisão.

No último dia 18, a 4ª Turma confirmou a liminar por dois votos a um –de que a Lei da Anistia perdoou os crimes da época da ditadura– e decidiu trancar a ação penal. Curió foi acusado de sequestro qualificado, que prevê pena de prisão de dois a oito anos.

Em São Paulo, o TRF-3 também já havia rejeitado, no início do ano, uma ação contra o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra e o delegado Dirceu Gravina pelo desaparecimento de um líder sindical.

Procurada, a PRR1 (Procuradoria Regional da República da 1ª Região) afirmou que ainda irá analisar se cabe recurso contra a decisão.

Integrantes do Ministério Público Federal dizem que essas ações rejeitadas podem chegar ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) e ao STF (Supremo Tribunal Federal).

(AGUIRRE TALENTO)

    Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

    %d blogueiros gostam disto: