Ficha Corrida

23/12/2015

Para delírio do Aécio, PSDB paranaense vira pó

O Napoleão das Alterosas deve estar em delirium tremens com a notícia. Em síndrome de abstinência eleitoral, o candidato à Miss Colômbia, provavelmente esteja indo rumo ao aeroporto de Cláudio para pegar o avião do Estado, que lhe é de direito divido, para rumar a CUritiba.

PSDB é um partido que bate. Aécio bate cabeça, FHC, como Atlas, se debate com o fardo de seu passado corrupto, Beto Richa bate em professor, Geraldo Alckmin bate em aluno.

Vem daí a explicação para sua enlouquecida cavalgada em busca do golpe paraguaio… Bater em Dilma!

Os ratos já começam abandonar o navio fantasma… Aliás, por falar em fantasma, onde está o valentão das Araucárias, também conhecido por fujão, Fernando Francischini?!

Contra efeito Richa, Dias vai deixar o PSDB

:

Segundo o colunista Ilimar Franco, o senador Álvaro Dias está de malas prontas para o PV; desembarca do PSDB para fugir da brutal queda de avaliação do governador Beto Richa no Paraná; com o Estado ‘quebrado’, a reeleição do tucano também foi marcada pelo massacre da PM em protesto de professores em Curitiba, que deixou mais de 200 professores feridos; além disso, seus aliados afirmam que a intenção de Dias é disputar as eleições presidenciais em 2018; o PV lançou Eduardo Jorge (SP) em 2014; o governador tucano de São Paulo, Geraldo Alckmin, também mantém conversas com o PSB para uma eventual filiação, de olho em 2018

23 de Dezembro de 2015 às 06:30

247 – Mais um nome de peso do PSDB se prepara para ‘abandonar o navio’. Segundo o colunista Ilimar Franco, o senador Álvaro Dias está de malas prontas para o PV. Desembarca do PSDB para fugir da brutal queda de avaliação do governador Beto Richa no Paraná.

Com o Estado ‘quebrado’, a reeleição do tucano também foi marcada pelo massacre da PM em protesto de professores em Curitiba, que deixou mais de 200 professores feridos.

Além disso, diz, seus aliados afirmam que sua intenção é disputar as eleições presidenciais em 2018. O PV lançou Eduardo Jorge (SP) em 2014.

O governador tucano de São Paulo, Geraldo Alckmin, também mantém conversas com o PSB para uma eventual filiação, de olho em 2018. Reclama que se sente preterido na gestão de Aécio Neves.

Contra efeito Richa, Dias vai deixar o PSDB | Brasil 24/7

Anúncios

19/09/2015

Entenda as razões do golpe

meritocraciaTem horas em que penso que Lombroso teria razão. Para o criminalista italiano, haveria no biotipo características que indicariam se o sujeito é criminoso. Bastaria olhar para o elemento. Carlos Sampaio é irmão siamês do Aécio, para quem, momento vergonha alheia, pediu diplomação do STF.  Em relação ao escândalo da Petrobrás, Sampaio não quer concorrência

Pois é, quando veja o imagem de Carlos Sampaio a primeira coisa que me em mente é Cesare Lombroso.

Ele é da patota que quer moralizar o Brasil. Estufam o peito para falar em meritocracia, que estaria faltando no Governo Federal um choque de gestão.  Tanto mais eu conheço estes golpistas, mais convenço que, como diria o poeta, tem dias que a noite é um breu.  

Entenda-me. Se o sujeito é fruto da terra onde seu partido governa por mais de 20 anos, razão pela qual fez brotar e crescer o PCC, porque haveríamos de crer que algo melhor seria capaz de produzir. Fico a me perguntar quais são as reais intenções de sujeitos deste naipe. Seriam interessados em levar para as administrações públicas suas relações familiares, parentes e  amigos? Ou pretendem algo ainda maior, como disseminar pelo Brasil todo o sistema PCC de segurança pública. Sim, porque no Paraná, onde a dupla Fernando Francischini & Beto Richa governam não é diferente. Como em São Paulo, sentam com Marcola para conversar, e sentam o pau nos professores.

Será que alguém ainda lembra da sobrinha do Álvaro Dias, Veridiana Dias, pendurada num Ministério? Ou da Luciana Cardoso, filha do beócio FHC que ficou anos pendurada no gabinete do Heráclito Fortes no Senado, sem nunca aparecer por lá?! Ou da Andrea Neves, irmã do Aécio Neves, colocada no lugar que distribuía as verbas publicitários do governo de Minas quando o Napoleão era governador das Alterosas?! Ou do Carlos Crusius no governo da Yeda Crusius? Ou da Maria Helena Sartori, que por ser primeira dama ganhou status de Secretária, no atual governo do Tiririca da Serra?! E vamos parar por aqui que a lista é extensa.

São estes os personagens, todos de reputação ilibada, que dizem que vão melhorar o Brasil mediante a aplicação de um golpe paraguaio.

    Miguel do Rosário é blogueiro há mais de dez anos. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, cidade onde ainda amarra seu cavalo

    Líder do golpe é nepotista em sua terra natal

    18 de Setembro de 2015

    LUIS MACEDO: Brasília- DF- Brasil- 02/03/2015- O Lider do PSDB na Câmara dep. Carlos Sampaio (PSDB-SP), fala sobre a CPI da Petrobras. Foto: Luis Macedo/ Câmara dos Deputados

    Êê Brasil!

    Dêem uma olhada no email que eu recebi ontem à noite, de um leitor irritado com a hipocrisia do líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio, um dos mais histéricos defensores de um golpe paraguaio contra a presidenta Dilma.

    Confiram comigo se a gente tem ou não tem de rir no meio de tanta desgraceira política?

    Lembro-me da campanha do segundo turno do ano passado, quando se descobriu que Aécio Neves tinha nomeado a família inteira para o governo de Minas: irmã, pai, primo, tio.

    Isso sem falar nas histórias cabeludas de Claudio, onde além do aeroporto do titio, ainda tinha o primo de Aécio que ajudava o desembargador – nomeado por Aécio – a vender sentenças de habeas corpus para traficantes de drogas.

    Ah, esqueci.

    Esse tipo de história não vem ao caso.

    ***

    Boa noite, Miguel do Rosário. Sou de Valinhos, interior de São Paulo. Estou indignado porque minha cidade foi a que proporcionalmente mais conferiu votos ao deputado Carlos Sampaio, do PSDB, ano passado. Foram pouco mais de 30% dos votos válidos para deputado federal. A administração aqui é PSDB e tem estreitas ligações com o deputado, que é de Campinas, município vizinho. São tão estreitas essas ligações, que o prefeito nomeou, semana passada, conforme boletim municipal disponível no site da prefeitura, o pai do deputado Carlos Sampaio como secretário de arquivos e patrimônio.

    O cargo estava vago há algum tempo; Valinhos possui uma das maiores dívidas per capita do país, e com isso dificilmente consegue verbas para investimentos. Há dívidas correntes que ultrapassam 40 milhões de reais, apenas esse ano (o município possui 120 mil habitantes e tem um orçamento de aproximadamente 400 milhões), mas, mesmo assim, encontraram espaço para contratar o pai do edil, paladino da ética e da moralidade. Falso moralista e demagogo, isso sim! Só pra você entender a nossa situação, um sobrinho do deputado já é secretário em Valinhos (Alexandre Augusto de Morais Sampaio Silva, secretário de assuntos jurídicos).

    O sobrinho do deputado, inclusive, é quem assina o decreto do prefeito para a contratação do pai do deputado. Por favor, se puderem, façam uma matéria sobre esse cretino e ajude a reverberar quem é este crápula.

    http://pedefigo.com/clayton-nomeia-pai-de-carlos-sampaio-como-secretario-de-arquivos/

    ***

    Abaixo, íntegra do texto do link indicado.

    Clayton nomeia pai de Carlos Sampaio como secretário de arquivos

    no blog Pé de Figo.

    Com salário de R$ 11.656,20, o advogado Affonso Celso Moraes Sampaio, pai do deputado federal Carlos Sampaio, líder do PSDB na Câmara Federal,é o novo Secretário de Patrimônio e Arquivos Públicos de Valinhos.

    Através do Decreto nº 9017, de 04 de setembro de 2015, o prefeito Clayto Machado (PSDB) nomeou o advogado Affonso Celso Moraes Sampaio como novo Secretário de Patrimônio e Arquivos Públicos da Prefeitura de Valinhos.

    A nomeação ocorre num momento em que o prefeito anuncia medidas para cortar despesas, como o cancelamento do carnaval de rua de 2016, e com a dívida nominal da prefeitura ultrapassando a casa dos R$ 360 milhões.

    Affonso Sampaio é pai de Carlos Sampaio,líder do PSDB na Câmara dos Deputados, e o deputado federal mais votado em Valinhos nas eleições de 2014.

    O promotor de justiça Carlos Sampaio foi vereador, deputado estadual e três vezes derrotado como candidato a prefeito de Campinas.

    Sampaio teve repercussão na grande mídia após entrar com processo na justiça contra a presidenta Dilma por ela ter usado um vestido vermelho num programa oficial do governo na televisão.

    O pai do deputado substitui Odeismar de Brito na secretaria, com uma remuneração de R$ 11.656,20.

    A Secretaria de Patrimônio e Arquivos Públicos é o órgão responsável pela zeladoria, controle de imóveis locados e próprios municipais permitidos a uso, arquivo e controle do patrimônio mobiliário municipal.

    pai

    Secretário de Negócios Jurídicos

    A equipe do Pé de Figo está apurando a informação de que o Secretário de Assuntos Jurídicos e Institucionais, Alexandre Augusto Sampaio Silva seria sobrinho do deputado tucano.

    Fonte: PMV

    Líder do golpe é nepotista em sua terra natal | Brasil 24/7

    08/07/2015

    Crime premeditado: cacetada pode; pedalada, não!

    Beto BurristaQuem é o sujeito de “Geha foi repreendido e destituído do comando da ação”? Lula, claro, ou a Dilma. Se não foi nenhum destes, certamente foi alguém do PT, diria Fernando Francischini, Beto Richa, Aécio Neves, Álvaro Dias, FHC, José Serra, Geraldo Alckmin ou a Folha. Claro, e onde mais isto poderia estar acontecendo senão no Estado onde os sociopatas estão na vitrine?!

    Como foi premeditado no seio do partido queridinho da mídia, Poder Judiciário, Polícia Federal e Ministério Público, o jornal porta-voz da bandidagem tucana também se encarrega de construir, no meio da reportagem, a justificativa: “A lei gerou uma economia bilionária ao governo, que enfrenta uma crise financeira.” Quer dizer dar pedaladas fiscais é crime, se feitas pela Dilma, mas se forem pauladas nos professores, pelo PSDB, pode? Esse é o sentido da frase da Folha. A voz passiva empregada é a sentença de absolvição de quem exonerou o comandante: “Na terça, porém, após conduzir negociação para aproximar o carro de som dos manifestantes da Assembleia, Geha foi repreendido e destituído do comando da ação.” Embora o tCU ainda sequer tenha se manifestado, todo dia a velha mídia insiste em dizer que Dilma deu uma pedala fiscal. Criam na cabeça das pessoas aquilo que os a$$oCIAdos do Instituto Millenium querem usar de subterfúgio lacerdista para cassar o poder, e quiçá o mandato, e colocar no lugar o toxicômano das alterosas. Aquele que acha que a Presidência lhe pertence por direito divino.

    Lei Rubens Ricúpero 

    O que me deixa indignado em relação ao comportamento de nossa velha mídia é este tergiversionismo quanto envolve violência de seus parceiros ideológicos. E é um comportamento que vem desde sempre, a começar pelo Massacre de Eldorado dos Carajás

    Fosse um governo de esquerda, no título já estaria a criminalização do partido e o nome de quem os coxinhas precisariam linchar. Para o PSDB, continua a aplicação da lei perpetrada nos estúdios da Rede Globo, entre Carlos Monforte e Rubens Ricúpero: “o que é bom a gente mostra, o que é ruim a gente esconde”.

    Estou convencido que os bandidos mais perigosos não são os entregadores de pó, como Fernandinho Beira-Mar. Estes só entregam aos celerados que consomem. Quem, além de consumir o produto do Beira-Mar endossa crimes e incentiva golpe, criminaliza inocentes e alcovita bandidos é criminoso infinitamente mais perigoso. Afinal, o que é pior, entregar cocaína ao Casagrande ou insuflar golpe de Estado? Até porque Casagrande se limpou, mas seus patrões, não. Continuam fazendo editorial clamando por golpe de Estado.

    Como no caso do helipóptero, que, num passe de mágica, virou pó no noticiário, as barbaridades do PSDB em direção ao golpe, inclusive o massacre de professores, são todas perdoadas. É por isso que um Napoleão de hospício, como Aécio Neves, como um alucinado pela síndrome de abstinência, perpetra os mais absurdos atropelos éticos, linguísticos e institucionais e, como se fosse um inimputável, nada lhe é cobrado, como se o aloprado das alterosas não fosse um ex-candidato à Presidência e Presidente do PSDB.

    Ou o Brasil acaba com as bestas golpistas encasteladas nos grupos mafiomidiáticos, ou eles ainda vão reimplantar outra ditabranda, digo, ditadura.

    Coronel alertou sobre ‘abuso’ antes de ação policial no Paraná

    Geha foi afastado no dia anterior ao confronto com professores

    ESTELITA HASS CARAZZAIDE CURITIBA

    Comandante inicial da operação que deixou quase 200 feridos num protesto contra o governo Beto Richa (PSDB), o coronel da Polícia Militar do Paraná Chehade Elias Geha alertou os superiores sobre o "flagrante abuso de autoridade" da ação e acabou afastado um dia antes do confronto, em abril.

    Geha depôs ao Ministério Público do Estado sobre o episódio, no qual manifestantes, a maioria professores, foram alvos de balas de borracha.

    Ele era um dos militares a cargo da operação, que pretendia impedir a invasão da Assembleia e permitir a votação do projeto que alterou a previdência dos servidores. A lei gerou uma economia bilionária ao governo, que enfrenta uma crise financeira.

    Em mensagem de celular ao então subcomandante-geral da PM, Geha disse que impedir o acesso aos arredores do prédio criaria "um grave problema" para "a imagem do Estado, governo, PM e da segurança da Assembleia".

    "Não vejo como impedir o acesso de pessoas, caminhão de som, montagem de barracas. Nossa missão é garantir que a Assembleia não seja invadida e, caso ocorra, reintegrar a mesma. Outras providências caracterizam abuso de autoridade", escreveu ele.

    O plano das autoridades era impedir a circulação e manifestação de pessoas no entorno da Assembleia. O governo queria "blindar" o prédio, invadido no início do ano por manifestantes.

    Geha se opôs ao plano. "Gostaria que reestudassem o que planejaram anteriormente", escreveu no domingo, a três dias da operação.

    Na segunda, Geha se reuniu com o então secretário de Segurança, Fernando Francischini, e com o comando da polícia e fez novos alertas.

    Na terça, porém, após conduzir negociação para aproximar o carro de som dos manifestantes da Assembleia, Geha foi repreendido e destituído do comando da ação.

    Segundo a Promotoria, a "abrupta e temerária" mudança no comando mostra que as autoridades estavam dispostas "a utilizar seu poderio militar para impedir qualquer manifestação democrática".

    Na semana passada, o órgão ingressou com ação de improbidade contra Richa, Francischini e quatro comandantes da operação, por violarem o direito à reunião e à livre manifestação.

    OUTRO LADO

    A PM informou que não iria comentar a troca de comando, pois investiga a operação num inquérito próprio, que deve ser concluído até o final do mês. Richa refuta as acusações. Geha não quis dar entrevista.

    27/03/2015

    Uma árvore ginecológica que só dá Richa

    O Paraná está no mapa. Ao lado Paraguai. Como se sabe, o golpe paraguaio foi mais rápido que tirar foto na rua 24 Horas de Curitiba. A ligação entre Álvaro Dias, Fernando Francischini e os golpistas paraguaios se dá, vejam só, pela Ponte da Amizade.

    E não é que o catão dos pinhais, também conhecido como o varão das araucárias, tomou doril. Sumiu. Escafedeu-se. Soçobrou um morto velho de Guerra. E o suposto primo do suporto governador do suposto Estado do Paraná. No Paraná, como diria o velho João Figueiredo, planta que o Alberto Youssef garante. Em se plantando, no Paraná, dá. E não é que um pedófilo foi preso com uma tatuagem onde se lia o nome do suposto governador daquela espelunca: “Beto Richa”?! O pedófilo era asse$$or do emplumado tucano.

    É por isso que se diz que tucano tem bico grande mas pouco cérebro. Com eles tudo é inversamente proporcional. Tanto mais atacam, mais estão se defendendo. Tucano, no Brasil de FHC, virou ave de rapina. Tucano, como diz o Jorge Pozzobom, deputado do PSDB gaúcho, sem mídia vive em síndrome de abstinência. Eles estão sempre com um algum jornalista de aluguel embaixo do braço. No RS é o contrário, é a RBS que vive com tucano embaixo no braço.

    Para ajudar a Folha com “suposto primo” de Richa, a árvore genealógica do nepotismo no Paraná

    27 de março de 2015 | 16:37 Autor: Fernando Brito

    suposto

    A Folha de S. Paulo é um jornal capaz de produzir tantas folhices que criou seu próprio “podemos tirar, se achar melhor” tucano para o Governador Beto Richa.

    Agora criou a figura do “suposto primo”, algo equivalente ao “ligeiramente grávida”, para definir as relações de parentesco entre o tucano e Luiz Abi Auton, preso e indiciado por integrar organização criminosa, produzir fraude em licitação e  praticar falsidade ideológica.

    Como o governo paranaense nega o parentesco de uma maneira estranha – diz que “a bisavó do tucano era irmã da avó de Abi Antoun” – o Luiz virou “suposto primo”.

    Embora o juiz que decretou a prisão o tenha colocado em um quartel de Bombeiros “porque o parentesco com o governador poderia colocar sua segurança em risco num estabelecimento prisional”.

    Então, para ajudar a redação da Folha, além de publicar as definições de parentesco da Wikipedia, na ilustração, publico também o trabalho de dois professores da Universidade Estadual de Londrina, apresentado há um ano,  que descreve as teias do nepotismo no Paraná e Luiz Abi é tão primo que merece até um verbete:

    Luiz Abi Antoun, primo de Beto Richa, considerado uma das principais eminências do governo Richa. Abi trabalhou com Beto Richa quando este foi deputado estadual e depois, continuou trabalhando na Assembleia, cedido, na época ao deputado estadual Hermas Brandão. Abi é extremamente ativo no meio empresarial. Ele é casado com a jornalista Eloísa Fernandes Pinheiro Antoun, a qual foi vice-presidente da Sercomtel (a empresa de telecomunicações de Londrina)

    O trabalho, que está nos Anais do V Seminário Nacional Sociologia & Política , realizado em maio do ano passado, em Curitiba – muito antes, portanto, de surgir a suposta roubalheira do suposto primo, dá informações sobre a teia de nepotismo do governador é de autoria dos professores Solange  Fiuza e Evaristo  Colmán Duarte e dá ainda os detalhes sobre os cargos e posições da suposta mulher de Beto Richa, Fernanda, dos seus supostos irmãos José Richa Filho e Adriano, do suposto filho Marcello Bernadi Vieira Richa, da suposta nora  Fernanda Ressetti Santos e de outro suposto primo, Marcos Elias Traad da Silva, suposto Diretor do suposto Detran.

    Para o caso, por suposto, de quererem fazer jornalismo com fatos.

    Para ajudar a Folha com “suposto primo” de Richa, a árvore genealógica do nepotismo no Paraná | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

    04/03/2015

    Ai que saudades que eu tenho da valentia do Álvaro Dias (PSDB)

    Por onde andam os valentões do PSDB paranaense? Sumiu. Não vejo mais as postagens do Álvaro Dias, nem do Fernando Francischini, o valentão que acoca e sai na moita quando os movimentos sociais abrem o bico. De repente a república paranaense made in Paraguai emudeceu. Cadê os valentões que davam entrevista de revólver na cintura? E o Beto Richa, hein, um exemplar tucano feito a facão para aplicar o choque de gestão tucano?! Tomaram doril. E também estão perdendo um amigo e parceiro desde os tempos do Banestado, Alberto Youssef

    Mesmo com toda ajuda dos Delegados e Procuradores de Aluguel, o PSDB paranaense já está cruzando a Ponte da Amizade. A amizade com os golpistas paraguaios poderá servir para pedirem asilo. Nem o lago da Itaipú será grande o suficiente para abrigar as sujeiras destes paranaenses. De que adiantou incluir os mortos se o vivos já estão fugindo, trotando pelas sombras com o rabo entre as pernas?!

    Senador Álvaro Dias (PSDB) é citado na Lava Jato

    AD03032015

    Às vésperas da divulgação de uma lista com nomes de polílticos envolvidos com a corrupção e desvios bilionários na Petrobras, o doleiro Alberto Yousseff volta a delatar o pagamento de propinas para os partidos da direita, entre eles o PSDB, o PSB e o PP. Em um outro trecho da delação premiada na Operação Lava Jato, vazado para a mídia conservadora, Youssef indica o pagamento de comissões irregulares para integrantes daquelas legendas.

    Segundo afirmou à Polícia Federal (PF), o senador Ciro Nogueira (PP-PI), atual presidente do PP, o deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE), o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), que morreu em um acidente de avião, em agosto último, e o ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra, vítima de um câncer fatal, no ano passado, receberam subornos dos empreiteiros. Caciques do PP, de acordo com a delação premiada, teriam recebido subornos entre 2010 e 2011 da construtora Queiroz Galvão em um contrato para implantação de tubovias em Abreu e Lima, de R$ 2,7 bilhões.

    O acerto, diz o delator, teria sido fechado antes da assinatura do contrato, na época sob ameaça de criação de uma CPI sobre a estatal. Os R$ 10 milhões de propina também beneficiaram o ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra. Campos, segundo o doleiro, recebeu igualmente entre 2010 e 2011 R$ 10 milhões pelo contrato do consórcio Conest, formado pelas empreiteiras Odebrecht e OAS, para não criar dificuldades nas obras.

    com informações do Correio do Brasil

    Reunião secreta

    Durante encontro, em num hotel de luxo, na Zona Sul do Rio de Janeiro, o grupo pressionou executivos da Queiroz Galvão a concluir a negociata e ameaçou estimular a criação de uma CPI sobre a estatal, ideia acalentada oposição ao governo da presidenta Dilma, desde 2010.

    Nos dias que se seguiram, a empreiteira fechou o contrato e parte da propina foi paga em doações oficiais a candidatos, segundo o delator. O pagamento do suborno em dinheiro, disse Yousseff, teria sido efetuado por Fernando Soares, o Baiano, também preso na Lava Jato.

    As partes negociaram que R$ 10 milhões, total pago ao grupo, seriam destinados a “impedir a realização da CPI da Petrobras”, diz o corrupto confesso, em seu depoimento, conforme vazado, nesta terça-feira. Um dos beneficiários desse dinheiro teria sido o ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra. A parte do butim que coube ao PSDB, ainda de acordo com o depoimento, teria sido entregue ao senador Álvaro Dias (PSDB-PR), para a compra de um terreno, no Rio de Janeiro, pela quantia de R$ 3 milhões. A área comprada teria sido revendida para a Petrobras, meses depois, por mais de R$ 40 milhões. (matéria aqui)

    O delator também afirmou que o então governador pernambucano Eduardo Campos recebeu entre 2010 e 2011 o total de R$ 10 milhões em propina paga no contrato do consórcio Conest, formado pelas empreiteiras Odebrecht e OAS, para as obras da Refinaria Abreu e Lima. A propina teria servido para que ele “não criasse dificuldades nas obras”, segundo Yousseff.

    A Odebrecht teria sido responsável pela propina, no valor de R$ 30 milhões, e o total foi dividido entre Campos, Costa e o PP, disse o doleiro. O valor recebido por Campos teria sido entregue a um emissário do ex-governador, no Recife.


    LEIA TAMBÉM:

    SENADOR ÁLVARO DIAS LUCROU R$ 37 MILHÕES COM PROPINA DA CPI DA PETROBRAS


    Ligações clandestinas

    Em outro depoimento, o suspeito Leonardo Meirelles, apontado como “testa de ferro” do doleiro no laboratório Labogen, também indicou o envolvimento do PSDB no esquema de corrupção da Petrobrás desbaratado pela Operação Lava Jato da PF.

    Em depoimento prestado na à Justiça Federal no Paraná, Meirelles confirmou que o doleiro trabalhou, dentro do esquema da Petrobrás, também para o PSDB, além de PT, PMDB e PP, partidos governistas que haviam sido apontados por Youssef e pelo ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa.

    Meirelles disse ainda ter presenciado uma conversa telefônica de Youssef na qual Sérgio Guerra era mencionado. Esta acusação também foi feita por Costa no âmbito da delação premiada ao Ministério Público Federal. No caso de Meirelles, a referência ao PSDB foi feita após seu advogado, Haroldo Nater, questionar sobre o envolvimento de outras legendas no esquema além de PT, PMDB e PP.

    O homem apontado como “testa de ferro” de Youssef afirmou ainda que haveria um segundo tucano envolvido no esquema, além de Guerra, indicando a participação do senador Álvaro Dias. Embora não o tenha citado, nominalmente, deixou antever os fatos já citados em outras investigações da PF. Meirelles disse, no entanto, se tratar de alguém que é conterrâneo do doleiro. Álvaro Dias, senador reeleito do PSDB fez a carreira política em Londrina, no interior paranaense, cidade natal de Youssef. Dias, que integrava a CPI da Petrobrás que funcionou em 2009, nega manter qualquer relação com o doleiro.

    Durante oitiva realizada, no âmbito do processo, seu advogado perguntou especificamente sobre a ligação com Guerra. Foi então que respondeu ter presenciado uma conversa de Youssef em que ele citou ao telefone o ex-presidente do PSDB.

    – Em uma das ocasiões eu estava na sala, teve um contato telefônico do Alberto Youssef quando do qual surgiu o nome (Sérgio Guerra). Faltava um ajuste, alguém não estava reclamando, estava atribuindo alguma coisa que não estava acontecendo, que não estava caminhando em virtude do que tinha uma coisa do passado que estava parado – disse Meirelles.

    (Correio do Brasil / BR 29)

    Senador Álvaro Dias (PSDB) é citado na Lava Jato | BRASIL29 noti­cias

    24/02/2015

    Por onde andam Álvaro Dias & Fernando Francischini?

    Filed under: Álvaro Dias,Choque de Gestão,Fernando Francischini,Paraná — Gilmar Crestani @ 11:06 pm
    Tags: ,

    O PSDB continua fazendo história. E só continua porque os grupos mafiomidiáticos deram proteção a FHC. Nos demais países, elementos como FHC estão presos, vide Carlos Menem e Alberto Fujimori. No Brasil, com o compadrio do Poder Judiciário e do coronelismo eletrônico, não só safou-se de todas as safadezas, como foi entronizado pelos que não tem voto como príncipe, esta excrescência da Idade Média.

    Depois da Paraíba, que viu Cassio Cunha Lima ser preso, do Aécio Neves ser rejeitado pelo Estado que faliu, dos 30 anos do PSDB em São Paulo que resultaram em racionamento d’água e na criação do PCC, agora o Paraná brilha pelas mesmas razões. Na terra das araucárias erva daninha é inço. Todos os males mais recentes do Brasil têm raízes paranaenses. Por que será? Seria a proximidade com o Paraguai?!

    Choque de gestão made in PSDB? O Paraná tem!

    Universidades do Paraná em estado de alerta máximo

    ter, 24/02/2015 – 09:23

    Jornal GGN – O Paraná não está em seu melhor momento. As Universidades estão ameaçando cortar bolsas e até mesmo água para fazer frente aos cortes prometidos por Beto Richa, o governador reeleito. As instituições precisam de R$ 124 milhões para se manterem em 2015, o estado oferece R$ 9 milhões para que as sete universidades dividam entre si. Segundo os reitores, este valor não cobre nem o Pasep, que é uma contribuição obrigatória. Além disso, é bom lembrar que os professores e servidores continuam em greve. Leia a matéria da Folha.

    da Folha

    Universidades do PR ameaçam cortar bolsas e até água

    As sete instituições calculam que precisam de R$ 124 milhões para o custeio; governo Richa quer repassar no máximo R$ 9 milhões

    LUCAS REIS, DE SÃO PAULO

    Atingidas pelo corte de gastos da gestão Beto Richa (PSDB), as sete universidades públicas do Paraná ameaçam cortar bolsas de estudo, compra de materiais e até o pagamento de contas de água.

    Somadas, as instituições de ensino calculam que necessitam, em 2015, de R$ 124 milhões para custeio, que são utilizados também para incentivo à pesquisa, gastos com estagiários, entre outros.

    O governo paranaense, porém, sinalizou que poderá disponibilizar menos de 10% deste montante e ofereceu R$ 9 milhões a serem repartidos entre as universidades.

    Este valor, afirmam as instituições, não seria suficiente nem mesmo para o pagamento do Pasep, cuja contribuição é obrigatória. Nesta terça (24), os sete reitores vão se reunir com o governador Beto Richa, reeleito no ano passado, munidos de relatórios que apontam a impossibilidade de começar as aulas por falta de recursos.

    Além disso, professores e servidores estão em greve, completando o cenário caótico no ensino superior.

    "Se for mantida essa decisão do governo, não é exagero dizer que algumas universidades serão obrigadas a fechar. Não falo em extinguí-las, mas, sem recursos, é impossível trabalhar", disse Aldo Nelson Bona, reitor da Unicentro e presidente da Apiesp (Associação Paranaense das Instituições de Ensino Superior Público).

    Sem o custeio, a UEL (Universidade Estadual de Londrina) teme o corte de pelo menos 500 bolsas científicas, 300 estagiários e auxílio-moradia. "Atualmente não fazemos a manutenção predial adequadamente e não tivemos reposição de estoque. Não temos uma fonte alternativa para substituir este custeio", disse a reitora Berenice Quinzani Jordão.

    Em 2015, a UEL calcula um custeio de R$ 29,3 milhões, além de outros R$ 4,2 milhões para o hospital universitário. Na semana passada o governo liberou R$ 2,7 milhões para os quatro hospitais universitários. "Recebemos R$ 333 mil, o equivalente a apenas um mês de custeio do hospital", afirmou Berenice.

    Na Unespar (Universidade do Estado do Paraná), a crise interrompeu até a reforma dos banheiros, inacabados. A Unicentro (Universidade Estadual do Centro-Oeste) ameaça suspender o pagamento de serviços prestados por estatais e de contratos firmados com terceirizadas, dispensar todos os estagiários e cortar bolsas científicas.

    Em nota, a Secretaria da Fazenda informou que o imbróglio deverá ser resolvido na reunião desta terça-feira.

    Universidades do Paraná em estado de alerta máximo | GGN

    30/01/2015

    Na terra do Álvaro Dias, Fernando Francischini & Beto Richa é assim

    alvaro dias filha fora do casamentoA dúvida é se o novo Secretário de Segurança Pública do Paraná, Fernando Francischini, da bancada da bala e que dá entrevista armado, vai puxar o gatilho para detonar o “explorador”. Ele que se tornou tão valente em relação ao traficante na Indonésia acocou para o assessor do chefe… Como sempre, os xiitas da honestidade alheia (vide Demóstenes Torres), são sempre os que têm sujeito para esconder. Como diria a Eliane Cantanhêde, essa é tal a massa cheirosa do PSDB…

    Não sei porque não me surpreendo mais com más notícias na terra do porta-voz do Paraguai, Álvaro Dias, e do desde sempre colaborador do PSDB, deste os tempos do Banestado, Alberto Youssef

    Espero uma opinião abalizada do chefe da matilha, FHC, e de seu estafeta baiano, Antonio Imbassahy.

    Assessor do governo de Beto Richa é preso sob acusação de exploração sexual de menores

    Postado em 30 de janeiro de 2015 às 4:52 am

    Do uol:

    Marcelo Caramori, assessor do Governo do Paraná, foi preso no início da noite de quinta-feira (29) em Londrina, em uma operação que investiga a participação de servidores públicos em casos de exploração sexual de crianças e adolescentes na cidade. Um computador foi recolhido na casa do assessor, durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão, realizada por por agentes do Gaeco (Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado).

    Promotores do Ministério Público afirmam que Caramori já vinha sendo investigado e que a prisão está embasada em “indícios suficientes” que caracterizam a prática de exploração sexual de menores.

    A assessoria do governador Beto Richa (PSDB) negou que Caramori atuasse no Palácio Iguaçu. A informação repassada à imprensa é de que ele estaria nomeado em cargo comissionado, mas atuaria como fotógrafo do governo em Londrina. No Portal da Transparência do Governo do Paraná, no entanto, Caramori está relacionado como assessor da governadoria, recebendo salário de cerca de R$ 6,2 mil, pago em dezembro de 2014. O governador Beto Richa deve exonerar o assessor nesta sexta-feira.

    (…)

    Caramori gosta de aparecer em fotos ao lado de autoridades e celebridades. Em seu perfil em uma rede social, ele aparece em fotos ao lado de políticos, policiais, artistas e jornalistas famosos. Em uma das fotos, o assessor posa ao lado do jornalista da Rede Globo, Heraldo Pereira, o trata como “meu novo amigo e irmão”.

    Em outra imagem, ele aparece apontando o dedo indicador para o governador Beto Richa. A cena sugere que a selfie foi registrada pelo próprio governador. Na postagem, o assessor escreve “Hoje quem fez a foto foi o chefe o amigo e o governador…Valeu pelo carinho e pelos parabéns pelo meu aniversário..um gesto que representa muito para mim a amizade!!!!!”.

    Diário do Centro do Mundo » Assessor do governo de Beto Richa é preso sob acusação de exploração sexual de menores

    29/01/2015

    Rodízio à moda tucana

    agua rodizio paulistaFolha fura, enfim, a blindagem mafiomidiática em relação ao legado de quase trinta anos de choque de gestão do PSDB em São Paulo. 

    Agora que a Folha sai do armário, aguardo as manifestações sempre embasadas no despeito e no diversionismo do Fernando Francischini, do Álvaro Dias e o Antonio Ambassay, os trolls da internet. A velha mídia, no sempre lembrado método Rubens Ricúpero, não revela de onde os tucanos tiram o dedo que está sempre em riste para fiscalizar a moralidade alheia, mas o cheiro denuncia. Que os tucanos façam isso, é da sua natureza, que a mídia empreste defesa, coisa de jornalismo de aluguel,(pago com a distribuição de milhares de assinaturas

    Eles que têm opinião sobre tudo que, para atingir Dilma se perfilam ao lado de golpistas paraguaios ou de qualquer outro lugar, que defendem o assassinato do traficante brasileiro na Indonésia mas se calam diante dos parceiros com 450 kg de cocaína.

    Onde estão os profetas do apocalipse petista, Eliane Cantanhêde, Merval  Pereira, Arnanldo Jabor? Cadê as considerações deles a respeito da meritocracia implantada pelos tucanos na SABESP. E não é que as privatizações resolveriam todos o problemas do Brasil.

    As privatizações do FHC vieram para resolver problemas que antes não tínhamos, mas quem lucrou com isso, todos os grupos mafiomidiáticos, empreiteiras, que agora foram pegas pela Operação Lava Jato, adquiriram empresas públicas com empréstimos feitos no BNDES. Esse é o legado tucano que os xiitas da moralidade alheia não conseguem articular um parágrafo com sujeito verbo e predicado.

    cp28012015CRISE D’ÁGUA 

    SP projeta ‘rodízio drástico’ de água para evitar o colapso do Cantareira

    Segundo a Sabesp, Grande São Paulo pode ter racionamento de cinco dias sem água por semana

    Estratégia será adotada caso chuvas continuem abaixo da média e outras ações não evitem colapso do reservatório

    FABRÍCIO LOBELDE SÃO PAULOGUSTAVO URIBE

    Sem dar detalhes nem uma possível data de início, o governo paulista admitiu que poderá adotar um rodízio "drástico" e "pesado" de água na Grande São Paulo.

    A medida, segundo a gestão de Geraldo Alckmin (PSDB), seria uma última opção para evitar o colapso completo do sistema Cantareira, reservatório que atende 6,2 milhões de pessoas na região metropolitana de São Paulo e que ontem operava com 5,1% de sua capacidade.

    São Paulo vive hoje a pior crise hídrica da história, e o Cantareira pode secar completamente em março.

    Ontem, a informação sobre o rodízio partiu do diretor metropolitano da Sabesp, o engenheiro Paulo Massato. Segundo ele, diante do eventual agravamento da crise, a Grande SP poderá ter, por semana, cinco dias com rodízio.

    "Se as chuvas insistirem em não cair no Sistema Cantareira, seria uma solução de um rodízio muito pesado, muito drástico", disse, pela manhã, após evento com a presença do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

    Procurada ao longo de todo o dia por meio de sua assessoria, a Sabesp não detalhou o plano apresentado pelo diretor da empresa.

    Não se sabe, por exemplo, se a ideia de rodízio considera que toda a metrópole fique sem água cinco dias seguidos ou se haverá um esquema de alternância de fornecimento de água entre os bairros.

    Na entrevista, o executivo da Sabesp ponderou que esse modelo de rodízio será implementado em SP caso:

    1) as chuvas nos mananciais sigam abaixo da média: neste janeiro, a previsão é de que as chuvas no Cantareira fiquem abaixo da média, assim como nos últimos nove meses no reservatório.

    2) as obras para ampliar a produção de água não avancem em tempo: a maioria das obras anunciadas até agora tem inauguração prevista entre 2016 e 2018;

    3) o plano para aproveitar a poluída reserva da Billings fique inviável: anunciado na última semana por Alckmin, o plano, no entanto, não foi detalhado pelo governo ou pela Sabesp.

    Segundo o professor da Unicamp e especialista em hidrologia Antonio Carlos Zuffo, uma possibilidade é a Sabesp dividir a cidade em sete setores. Em cada um deles, o morador terá água por dois dias e, no restante da semana, ficaria sem água.

    "É uma medida severa, mas que traduz a realidade do Cantareira. Acabando a água do Cantareira, é a única forma de continuar abastecendo a cidade", disse.

    "Resta saber se a medida seria aplicada à toda Grande São Paulo ou apenas à região atendida pelo Cantareira."

    Ainda que não tão drástico, essa medida também não seria uma novidade para moradores de São Paulo e de seu entorno.

    Em 1985 e 2000, por exemplo, alguns bairros entraram em sistema de rodízio com um dia completo sem água e dois dias seguidos com fornecimento normal.

    Um rodízio seria a mais duro medida de Alckmin para enfrentar a crise, após, entre outros pontos, economizar água com a redução da pressão nos encanamentos e adotar a cobrança de uma sobretaxa na conta dos "gastões".

    Mesmo durante a severa estiagem de 2014, o tucano, então candidato à reeleição e que acabou eleito no primeiro turno, disse em diferentes oportunidades que SP não corria risco de desabastecimento de água. Disse também que nem teria de submeter Grande São Paulo a esquemas de racionamento ou rodízio.

    Hoje, um eventual racionamento teria que ser aprovado e regulado pela Arsesp (agência estadual).

     

    São Paulo prevê iniciar rodízio de água até abril

    O prazo coincide com o fim do período chuvoso no Sudeste e com a
    estimativa do término da segunda cota do volume morto do Cantareira

      CRISE DA ÁGUA

      Governo Alckmin projeta para abril início do rodízio

      Sem modelo definido, medida pode deixar Grande SP até 5 dias seguidos sem água

      Racionamento pode começar apenas em região abastecida pelo Cantareira, que atende 6,2 milhões de pessoas

      FABRÍCIO LOBELGUSTAVO URIBEDE SÃO PAULO

      Diante da maior crise hídrica da história da Grande São Paulo, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) prevê o início de um rodízio de água até a primeira quinzena de abril.

      O prazo discutido entre integrantes do governo e dirigentes da Sabesp, a estatal de saneamento, coincide com o fim do período chuvoso e a previsão de término da segunda cota do volume morto do sistema Cantareira.

      Hoje, o sistema abastece 6,2 milhões de pessoas nessa região. Na capital, atende toda a zona norte e partes das regiões leste, oeste, centro e sul.

      O formato do rodízio, porém, ainda não foi definido. Segundo a Folhaapurou, o cenário de 5 por 2 (cinco dias sem água para dois dias com abastecimento), citado pelo diretor Metropolitano da Sabesp, Paulo Massato, é o mais drástico entre os analisados.

      A metrópole só escaparia do rodízio agora, caso o período chuvoso registrasse um volume acima da média, o que é avaliado como improvável pelos meteorologistas.

      A equipe técnica da Sabesp estuda, por exemplo, entre outras alternativas, aplicar o rodízio num primeiro momento apenas sobre a área atualmente atendida pelo Cantareira –outros cinco mananciais atendem a Grande SP.

      No último rodízio feito na capital paulista, em 2000, por exemplo, por causa do baixo nível do sistema Guarapiranga, somente a zona sul e parte da zona oeste foram afetadas por cortes de água.

      Na época, o racionamento ocorria por um período de 24 horas, a cada três dias.

      Neste momento, a Sabesp discute ainda colocar a Grande SP em regimes menos drásticos que o já anunciado, como de 4 (sem água) por 2 ou de 3 (sem água) por 2.

      Essa escolha está condicionada ao volume de água que terá de ser economizado até o início do próximo período de chuvas, em outubro.

      Segundo especialistas ouvidos pela Folha, independentemente do período determinado, a Sabesp teria de oferecer ao menos dois dias seguidos de abastecimento em cada bairro, para garantir que os locais mais distantes dos reservatórios recebam água.

      "Num turno de apenas 24 horas com água, é possível que, em locais mais distantes, a água não chegue. Então, por isso, a decisão de dois dias com água", disse o professor Antônio Carlos Zuffo, da Unicamp.

      Ainda segundo especialistas, modelos com menos dias de torneiras secas, como o de 2 por 2, por exemplo, podem ser pouco econômicos diante da gravidade dessa crise.

      O governo estadual calcula ainda que a decisão do modelo a ser adotado deverá ser tomada pelo menos um mês antes do início do rodízio.

      Além do lançamento de uma campanha publicitária para orientar a população, deverão ser feitas adaptações nas tubulações da rede.

      Hospitais, escolas e presídios, por exemplo, teriam de ter um regime especial.

      Nesta sexta-feira (30), o governador deve ir a Brasília para encontro com a presidente Dilma Rousseff (PT).

      Juntos, devem anunciar a inclusão no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) da obra de transposição de água do rio Jaguari, na bacia do rio Paraíba do Sul, para uma represa do Cantareira.

      Com isso, a obra poderá ser contratada mais rapidamente, fora do processo normal de licitação. Com valor de R$ 830 milhões, a previsão é de que fique pronta em 2016.

      08/01/2015

      A vestal Messalina, o estafeta e o advogado

      O quebra-cabeça da Lista de Furnas está quase montado. As peças vão se encaixando de forma lenta, porém, inexorável.  Basta que se siga as vituperações das vestais da honestidade alheia, todos sempre albergados pelos grupos mafiomidiáticos. O jogo do esconde-esconde começou com a Ação 470, como se pode ver da pista deixada pelo magarefe do direito: “foi feito pra isso, sim”…

      Há uma cena repetida no âmbito do futebol. É a posição do zagueiro que levanta o braço para pedir o impedimento do autor do gol é quem deu condições ao .

      Os fatos recentes explicam porque a dupla Cheeg & Chong do Paraná está quebrando os pratos. De repente, não mais que de repente, Álvaro Dias tomou chá de sumiço. E por aí temos mais uma pista das epilepsias e sinapses no araponga das araucárias, Fernando Francischini. A outra margem do rio, como diria o também mineiro Guimarães Rosa, está para ser encharcada. No sumiço de um helicóptero com 450 kg de cocaína, casada com a informação da ADPF de que Juiz de Fora virou centro de distribuição de drogas para o Nordeste, podem estar as peças que faltam no tabuleiro.

      Para quem já comemorava vitória, antes do término da eleição, o histerismo de Napoleão de Hospício em tapete voador já está sob controle. Outras arestas estão sendo aparadas para deixar o mundo do jeito que ele é, redondo. Além de figurar com vitória folgada o ranking da Veja de pior Senador, agora também passa a ter de conviver com um estafeta de perna amputada. Como desgraça nunca vem só, está saindo de cena o teatro de ventríloquos, montados na administração do Estado, devido ao bullying da nova administração.

      Observe o tom sóbrio, quase asséptico, que a Folha dá ao fato. Não há aquelas manchetes apocalípticas, de condenação prematura. Pelo contrário, estão cheio de dedos, quase como que dizendo que não é nada disso do que você está pensando…. Pois é, este é o estilo dos assoCIAdos do Instituto Millenium: aos adversário, a condenação; aos correligionários, o perdão!

      Na imagem, o fio de Ariadne

      anastasia Aecio joaquimESCÂNDALO NA PETROBRAS

      Em depoimento, policial cita senador eleito pelo PSDB

      À PF, homem que levava dinheiro para doleiro diz ter entregue R$ 1 mi ao ex-governador Antonio Anastasia

      Tucano negou com veemência ter recebido a verba e classificou a acusação de ‘fora da realidade’

      ANDRÉIA SADIDE BRASÍLIA

      O depoimento que faz menção ao deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na apuração da Operação Lava Jato traz um novo político para o rol de citados no caso: o senador eleito Antonio Anastasia (PSDB), ex-governador de Minas Gerais.

      A citação está sob análise na Justiça Federal do Paraná. Não foi encaminhada à Procuradoria Geral da República até agora porque Anastasia só recuperou o chamado foro privilegiado às vésperas do recesso judicial, quando foi diplomado senador.

      Já a citação a Cunha está com a Procuradoria, pois ele já era deputado à época do depoimento. A acusação foi apurada por investigadores, que concluíram ser necessário abrir um inquérito para detalhar se há de fato algo concreto contra o peemedebista.

      Políticos têm foro privilegiado e, por isso, só podem ser processados na área criminal por tribunais superiores.

      No depoimento de 18 de novembro passado, o policial federal Jayme Alves de Oliveira Filho, o Careca, disse que entregou R$ 1 milhão ao então candidato a governador Anastasia a mando do doleiro Alberto Youssef em 2010.

      O tucano negou com veemência o teor do depoimento e disse desconhecer o policial e o doleiro. "É totalmente fora da realidade. Meu único patrimônio é moral, tenho toda uma reputação de honestidade. Qual seria o propósito disso? Fica até difícil comentar algo tão absurdo”, disse.

      Na declaração, o policial afirma que levou o dinheiro a uma casa em Belo Horizonte e que Youssef tinha dito que o destinatário era o então candidato tucano, que se elegeu governador.

      "Tempos mais tarde, vendo os resultados eleitorais, identifiquei que o candidato que ganhou a eleição em Minas era a pessoa para quem eu levei o dinheiro”.

      A polícia mostrou então uma foto do tucano. "A pessoa que aparece na fotografia é muito parecida com a que recebeu a mala enviada por Youssef, contendo dinheiro”, disse ele.

      Youssef triangulava as operações investigadas envolvendo funcionários da Petrobras, empreiteiras contratadas pela estatal e políticos. Careca, diz a PF, era responsável por entregar dinheiro em espécie a pessoas indicadas pelo doleiro.

      OUTRAS MENÇÕES

      O policial cita também outro parlamentar, Luiz Argôlo (SD-BA), cujo nome já havia sido mencionado no curso da investigação e que nega ter cometido irregularidades.

      Também há uma menção a Tiago Cedraz, filho do presidente do TCU (Tribunal de Contas da União), Aroldo Cedraz. Careca disse ter levado dinheiro "duas vezes” no escritório de Cedraz, que, segundo ele, "fica numa casa no lago, no final de uma rua sem saída em Brasília”.

      A assessoria de Cedraz disse que ele não conhece e nunca esteve com Careca ou com o doleiro Youssef e que coloca à disposição das autoridades o acervo de imagens da casa no Lago Sul de Brasília e o sigilo bancário.

      Colaboraram GABRIEL MASCARENHAS e SEVERINO MOTTA, de Brasília

      07/01/2015

      Cuba libre; EUA, não!

      Filed under: Álvaro Dias,Cheech & Chong,Cuba,EUA,Fernando Francischini,PSDB — Gilmar Crestani @ 8:33 am
      Tags:

      Alguém ainda lembra do slogan da dupla Cheech & Chong do PSDB (Álvaro Dias & Fernando Francischini): BR45IL ou CU13A?! Os EUA já fizeram a escolha deles mas a manada amadrinhada pela dupla paranaense ainda compra ideologia no Paraguai.

      O porta-voz do Paraguai, Álvaro Dias, que tomou um chá de sumiço com a Operação Lava Jato, deixou com o rato Francischini a continuidade na distribuição deste tipo de idiotice.

      cuba x 45Agora que Cuba liberta os presos políticos, quando os EUA farão o mesmo com os seus? No Brasil, Sininho continua presa… Até quando permanecerão presos ou asilados os cidadãos norte-americanos perseguidos por aquele Estado? Quando Bradley Manning, Julian Assange, Edward Snowden e tantos outros deixarão de serem perseguidos pelos EUA?

      Quando os EUA libertarão todos o presos de Guantánamo, presos sem mandado e há anos sem julgamento?

      Os EUA tinham posto Cuba, em 1982, com status de “Estado Patrocinador do Terrorismo”. O que será que Cuba fez para, de repente, deixar de ser um “Estado Patrocinador de Terrorismo”? Basta os EUA decidir?

        Cuba liberta presos políticos, dizem EUA

        Departamento de Estado anuncia soltura de parte de uma lista de 53 detentos, mas não divulga quantos nem quem são

        Entidade dissidente diz não ter sido informada de libertação; cubanos e americanos reataram relações após 51 anos

        DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

        O governo de Cuba libertou uma parte dos 53 detentos que os EUA consideram presos políticos, anunciou nesta terça-feira (6) a porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Jen Psaki.

        A promessa de soltura dos presos fora incluída no histórico anúncio do reatamento das reações diplomáticas –rompidas desde 1961– entre o regime cubano e os EUA, feito pelo presidente Barack Obama em 17 de dezembro.

        "Já libertaram vários desses presos. Obviamente, gostaríamos de ver o processo concluído", declarou Psaki.

        A porta-voz, porém, não informou quantas pessoas foram soltas nem quem são os libertados –disse só que faziam parte de lista apresentada por Washington a Havana.

        O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, alegou que os presos não foram identificados porque o governo não deseja "colocar um alvo ainda maior neles rotulando-os como dissidentes políticos".

        "Continuaremos pedindo ao governo de Cuba que mantenha seus compromissos", afirmou Psaki. Segundo a porta-voz, a lista "não deve ser vista como o fim de nossas discussões sobre direitos humanos com o governo de Cuba", mas como parte dela.

        O dissidente Elizardo Sánchez, líder da Comissão Cubana para Direitos Humanos e Reconciliação Nacional –entidade que monitora a situação dos presos políticos no país–, disse não ter nenhuma notícia sobre a soltura anunciada pelos EUA.

        "Não temos nenhuma informação até agora, nenhum nome. Vamos esperar para ver", afirmou Sánchez, que falou da capital cubana por telefone à agência Reuters.

        O senador americano Marco Rubio, um dos principais críticos do processo de reaproximação de Cuba na oposição republicana, afirmou que Obama deveria cancelar as negociações com Havana até que todos os 53 presos políticos fossem libertados.

        A porta-voz da chancelaria dos EUA buscou minimizar a relação entre a soltura dos presos e o sucesso das primeiras conversas de alto nível que os dois países terão em meio século, quando se reunirem em Havana no fim do mês.

        "Há muitos componentes na forma como essa nova abordagem a Cuba ajudará a sociedade civil. Sentimos que a libertação dos prisioneiros é importante. Ter um diálogo, abrir-se à capacidade de se comunicar também são passos importantes", disse.

        A subsecretária de Estado para o Hemisfério Ocidental (Américas), Roberta Jacobson, chefiará a delegação dos EUA que irá a Cuba. Segundo Psaki, faltam "detalhes" para definir a data exata da viagem.

        BEBÊ-SÍMBOLO

        Gema, a filha de um dos agentes cubanos soltos há 20 dias como parte das negociações entre os EUA e Cuba, nasceu nesta terça-feira (6) em Havana depois de ter sido concebida por inseminação artificial, anunciou o portal governista Cubadebate.

        Segundo o portal, a menina –concebida enquanto seu pai, Geraldo Hernández, estava preso nos EUA– nasceu de cesárea, pesa pouco mais de 3 kg e é "muito linda".

        27/12/2014

        Golpe paraguaio: quem planta vento colhe tempestade

        Filed under: Álvaro Dias,Fernando Lugo,Golpe Paraguaio,PSDB — Gilmar Crestani @ 12:00 pm
        Tags:

        alvaro dias filha fora do casamentoOs primeiros frutos do golpe paraguaio já estão no mercado. Pode-se, em menos de 24 horas, arrumar uma maneira constitucional de golpear a própria constituição. O que não se consegue é impedir que as pessoas percebam a mão que balança e dá o golpe. Triste coincidência. O maior porta-voz do  Paraguai no Brasil, que fez e faz a a defesa do golpe, é Álvaro Dias, do vizinho Paraná. Por osmose, o método paraguaio adentrou Paraná adentro e por lá tem fervorosos defensores. Além de Álvaro Dias, outros herói de facebook, Fernando Francischini. Uma procura do google por “alvaro dias paraguai” traça um bom perfil do senador tucano pelo Paraná…

        Como sói acontecer, sempre que há um golpe, os mais prejudicados são os movimentos sociais. Então o jeito é criminaliza-lo. Exatamente como fizeram os sucessivos governos em relação ao MST. Para isso contam com o apoio dos mesmos veículos que se locupletaram com a ditadura. O Instituto Millenium é o braço de apoio ideológico por traz da criminalização dos movimentos sociais. O agricultor Ilton Brum……

        SAIBA MAIS

        Organização tem como bandeira reforma agrária

        DE SÃO PAULO

        O Exército do Povo Paraguaio (EPP) é uma guerrilha marxista, considerada terrorista pelo governo, que teria ligação com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

        A principal demanda é por reforma agrária. As ações mais visíveis do grupo envolvem sequestros, não raro de brasiguaios, ou ataques à polícia e ao Exército. O ex-presidente Fernando Lugo foi criticado por ser pouco rígido com eles.

        O tamanho é desconhecido, mas não é um grupo grande. Um cartaz que oferecia recompensas por eles em novembro tinha 26 fotos.

        Em 2004, o EPP era uma ala radical do Partido Pátria Livre quando sequestrou e matou a filha do ex-presidente Raúl Cubas.

        Em 2008, sequestraram o pecuarista Luis Alberto Lindstrom. Solto após resgate, foi morto em 2013 numa cilada atribuída ao EPP.

        O grupo ainda mantém um refém: o policial Edelio Morinigo. Neste ano, uma facção criou a Agrupação Camponesa Armada (ACA).

        27/11/2014

        Safado!

        Filed under: Álvaro Dias,Golpismo,Golpistas,Porta-voz do PSDB,Safado — Gilmar Crestani @ 9:37 am
        Tags:

         

        Álvaro Dias é expulso de universidade sob os gritos de safado. Tucano queria falar sobre “ética”

        Alvaro

        Álvaro Dias teve que empreender fuga ontem (4) à noite depois de palestra sobre “ética” na Universidade Estadual do Centro-Oeste, em Guarapuava, a 250 km de Curitiba; senador atribuiu protesto a “grupelhos do PCdoB e PT despreparados para o debate de ideias afrontaram a democracia”; acadêmicos devolveram acusando o parlamentar de ser uma espécie de Demóstenes Torres (falso moralista) do Paraná; “Cavalaria, abaixo o choque! Cavalaria, abaixo o choque!”, gritavam os estudantes, em referência ao confronto da PM com professores em 1988, quando o tucano era governador do Paraná; assista ao vídeo com as vaias, a fuga e todo o quiproquó.

        O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) foi literalmente expulso ontem à noite da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), no município de Guarapuava, a 250 km de Curitiba, na região Centro do Paraná. O tucano falou à comunidade acadêmica sobre “Ética na vida pública”.

        “Cavalaria, abaixo o choque! Cavalaria, abaixo o choque!”, gritavam os estudantes nos corredores da Unicentro em perseguição à comitiva do senador Álvaro Dias, que teve de deixar às pressas o prédio da Universidade, após a conferência. As vaias e o quiproquó todo foram registrados em vídeo (assista logo abaixo).

        Em 30 de agosto de 1988, quando Álvaro era governo do Paraná Batalhão de Choque e Cavalaria da PM foram utilizados para dispersar professores em greve que protestavam em frente ao Palácio Iguaçu (sede do governo estadual). A partir desse confronto, todos os anos, profissionais da educação fazem eventos para relembrar o “massacre” atribuído ao tucano.

        Em seu perfil no Facebook , o senador acusou “grupelhos do PCdoB e PT” de tumultuar o evento de ontem na Unicentro. Segundo ele, “despreparados para o debate de ideias afrontaram a democracia”.

        “Revelaram o medo que começa a ganhar corpo, de que os detentores do poder, estão em fim de festa com a aproximação das eleições”, observou o parlamentar do PSDB.

        Não foi somente Álvaro Dias que teve problemas com estudantes no dia de ontem (4). Em Umuarama, na região Noroeste do estado, a 563 km da capital paranaense, o governador Beto Richa (PSDB) bateu boca com o estudante de agronomia Luan Ferro, do campus da UEM.

        Assista ao vídeo com as vaias contra Álvaro: (fonte:Esmael Morais)

        Álvaro Dias é expulso de universidade sob os gritos de safado. Tucano queria falar sobre “ética” « Poços10 – Poder e Política

        02/11/2014

        Neoautoritarismo en Paraguay do Álvaro Dias

        Filed under: Autoritarismo,Álvaro Dias,CIA,Golpismo,Golpistas,Paraguai — Gilmar Crestani @ 9:49 pm
        Tags:

        Figurinha distribuída pelo Álvaro Dias, no Facebook, em defesa dos golpistas paraguaios

        Paraguai e CIAQuem não lembra da defesa enfática que Álvaro Dias fez dos golpistas paraguaios. Foi ali, com Federico Franco, plantada a gênese do golpe que o mau perdedor PSDB busca insuflar no Brasil. O balão de ensaio paraguaio está dando semente e o PSDB, além do tapetão no TSE, também abriu as bocas de lobo para soltar as ratazanas do golpismo. Quem não tem voto, dá golpe.

        Fica a lição paraguaia: não basta dar golpe, a direita também precisa prender, torturar, estuprar, matar e depois esconder os pedaços para que as famílias não reconheçam!  Se não der certo, basta aprovar uma lei de auto anistia.

        Neoautoritarismo en Paraguay

        Por Rocco Carbone * y
        Clyde Soto **

        Cuando el poder no encuentra topes que lo contengan se desborda. Y es (casi) imposible que bajo tal circunstancia no se produzcan abusos: exabruptos destinados a reforzar la posición desde donde se posee la responsabilidad –convertida, por falta de límites, en privilegio– de determinar el curso de las cosas. El poder desbordado se convierte en abusivo y el poder abusivo desafiado suele transformarse en violento (violencia explicitada en símbolos o en materialidades), pues para sostenerse precisa neutralizar las resistencias. La violencia del poder abusivo vuelve dificultosa la convivencia humana bajo el signo de la cordura.

        Si se mira al Paraguay actual no se puede menos que visualizar la escalada de hechos que ratifican la descomposición de la política (entendida en un sentido democrático) a expensas de un renovado autoritarismo. Es que el viejo poder reconcentrado bajo la figura y las huestes del dictador entre 1954 y 1989 nunca fue contestado de manera suficiente como para erradicarlo definitivamente o para siquiera matizarlo de manera estable bajo los límites democráticos. Preso de un proceso que nada más reacondicionó al sistema político para preservar el poderío de los sectores enriquecidos y beneficiados bajo el régimen, el Paraguay entre 1989 y 2008 vivió una transición sin alternancia. Después se vino el interregno del gobierno de Fernando Lugo, pero luego del golpe, en junio de 2012, el país volvió a una vieja y aparentemente imperecedera hegemonía: la del Partido Colorado (Asociación Nacional Republicana, ANR). Partido co(n)fundido con el Estado y que dentro de sus márgenes supo cobijar, también, al autoritarismo stroesnista.

        Dado el contexto, el prefijo “neo” quizás ni siquiera sea necesario para identificar los rasgos comunes al conjunto de abusos autoritarios teñidos del estilo stroesnista que están asolando en estos días al Paraguay, tanto dentro como fuera de sus propias fronteras.

        La violencia de ese stroesnismo que nunca se fue se hizo patentemente dolorosa con el asesinato de dos personas por parte de sicarios en el norte del país: un periodista, Pablo Medina, y una joven que lo estaba acompañando en su recorrido, Antonia Maribel Almada, de apenas 19 años. Como responsables se señala a sectores vinculados con el narcotráfico, que hacía ya tiempo venían amenazando al periodista. Lo más grave del caso es la supuesta vinculación de un intendente de la ANR con el crimen: y peor aún es que ya siendo candidato al cargo, en 2010, circulaban denuncias acerca de sus nexos con el crimen organizado en torno de las drogas. El stroesnismo debe ser señalado si se quiere poner a este crimen en su contexto de más largo plazo. Recordemos que a Santiago Leguizamón lo asesinaron hace 23 años, en 1991, apenas iniciada la transición a la democracia. Y no debe olvidarse quién fue el primer presidente de dicho período, un general que como mínimo fue seriamente sospechoso de tener relaciones con el macabro negocio del narco. La dictadura cayó cuando dicho negocio ya estaba floreciente, con participación o anuencia de poderes políticos enquistados en el Estado. Ninguna narcorrepública (palabra repetida en estos días de conmoción) nace de la nada. Cuando se hace plenamente patente es porque ya lleva tanto tiempo que ha ganado suficiente confianza como para mostrarse en su esplendor, sin tapujos. Así es ya en Paraguay, como en otras tantas latitudes de América latina.

        El asesinato es el despliegue extremo del poder autoritario instalado. Esto se ratifica en los 115 casos de campesinos asesinados en el marco de la lucha por la tierra entre 1989 y 2013 –incluidos los del caso Curuguaty–, documentados en el Informe Chokokue de la Coordinadora de Derechos Humanos del Paraguay (Codehupy). Asesinato como forma nada singular, ya que el neoautoritarismo se manifiesta de manera diversa y apabullante en otros numerosos hechos. Se inscribe en el cuerpo de Rubén Villalba, que milita desde la cárcel de Tacumbú. Porque la militancia se hace con esa plataforma básica que es el cuerpo, que es el aparato político por excelencia: continente físico, espacio político, hábitat desde donde se produce la resistencia al poder. Y Rubén resiste con su cuerpo encarcelado, con su cuerpo que no pudo soportar la tercera huelga de hambre en 28 meses luego de la masacre de Marina Kue. La lucha de Rubén es la lucha de todx campesinx sin tierra. Y decir “sin tierra” es negar el derecho básico a la vida en el caso específico del campesinado.

        El autoritarismo stroesnista se verifica también en ese Paraguay que está fuera de sus fronteras. En la Argentina, concretamente, en el Deportivo Paraguayo, situado en la ciudad de Buenos Aires, el 11 de este mes. Ese día se armó un panel del que participaron los senadores Víctor Bogado, Hugo Richer, Arnaldo Giuzzio y el ex diputado Salym Buzarquis (todos de diferentes partidos), con la finalidad de recordar la modificación del artículo 120 de la Constitución para habilitar el voto de las personas paraguayas residentes en el extranjero y también con vistas a expresar un compromiso político para que aumente la participación de migrantes en las elecciones. Esto: escenario Deportivo puertas adentro. Porque en el espacio público distintas organizaciones político-culturales estaban en pie de protesta en contra de las políticas autoritarias del gobierno Cartes. Frente a ellas, los militantes colorados presentes no supieron responder mejor que con amenazas, violencia física e insultos en contra de lxs compañerxs militantes, gestualidades entre las que circularon un “vos estás marcada” o un “vos no sabés quién soy, te voy a romper la cara para que te acuerdes toda la vida”. Son emergentes lingüísticos del neo o viejo autoritarismo: el ¿inconsciente? político habla.

        ¿Cómo puede olvidarse la nefasta herencia stroesnista cuando salen al conocimiento público los sistemas corruptos de tráfico de títulos, de notas y de puntos en diversas facultades e institutos universitarios, incluidas las facultades de Derecho de la Universidad Católica y de la Universidad Nacional de Asunción (UNA)? Quizás no tendría que sorprender todo esto, dado que nada menos que el actual rector fue electo a partir de una especie de batalla seccionalera del coloradismo. Estos hechos no deben ser mirados como meras anécdotas de la coyuntura: la corrupción en las carreras de Derecho alimentará un sistema judicial tan descompuesto como sus integrantes, puesto al servicio de la injusticia y del sostenimiento de los poderosos desbocados en sus apetencias.

        Y ya que estamos en recuento: ¿cómo olvidar la ilegalidad del apresamiento, interrogatorio y procesamiento de un estudiante chileno? No más por haber estado registrando la manifestación de la Federación Nacional de Estudiantes Secundarios (Fenaes), que realizó una toma simbólica del Ministerio de Educación en demanda de una educación gratuita y de calidad. Entretanto, mientras un fiscal malgasta su tiempo pagado por lxs contribuyentes en perseguir y encarcelar a activistas, un diputado quedó libre –y aún conserva su cargo– pese a haber confesado autoría en el robo de recursos públicos por vía del pago a personas trabajadoras de su casaquinta, quienes supuestamente eran funcionarios públicos cuando en realidad eran parte de un esquema de corrupción entre congresistas.

        Paraguay se sacude (casi) cotidianamente con este tipo de casos y noticias. Que remiten menos a un anecdotario que a lastres autoritarios vigentes en los confines nacionales del país y hacia afuera de sus fronteras, también; menos a procesos de ampliación de derechos –vigentes en varios países de la región– que a privilegios. ¿Hasta cuándo seguirá siendo ésta la forma del agua en el país mediterráneo?

        * Profesor de la Universidad Nacional de General Sarmiento e investigador del Conicet.
        ** Investigadora del Centro de Documentación y Estudios (CDE, Paraguay).

        Página/12 :: El mundo :: Neoautoritarismo en Paraguay

        29/10/2014

        Sutileza linguística, Argôlo não tem partido…

        Filed under: Álvaro Dias,Luiz Argôlo (SD-BA) — Gilmar Crestani @ 9:30 am
        Tags:

        AlvaroDias03Se fosse um petista, estaria na manchete. Como é do partido do Roberto Freire, velho estafeta do José Serra, a Folha esquece de mencionar o partido. E, por falar nisso, e aquela denúncia de que Youssef tinha financiado o caixa 2 do PSDB,via Sérgio Guerra e Álvaro Dias? Vai ficar por isso mesmo, ou as investigações só serão levadas adiante quando o Senador do Paraná entrar no PT?!

        Conselho de Ética aprova cassação de Argôlo

        Processo será encaminhado ao plenário da Câmara, mas pode não ser votado até dezembro

        DE BRASÍLIA

        O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados aprovou, por 13 votos a 4, a cassação do deputado Luiz Argôlo (SD-BA) por envolvimento com o doleiro Alberto Youssef.

        Com a decisão do conselho, o processo de cassação de Argôlo terá que ser apreciado pelo plenário da Câmara. Com a aproximação do fim da legislatura, é possível que o deputado não perca seu mandato até dezembro.

        Argôlo não foi reeleito, mas ficou como suplente –e poderia assumir novamente o cargo na próxima legislatura.

        O processo por quebra de decoro foi aberto em 20 de maio devido a uma representação contra o deputado apresentada pelo PSOL. Ele é acusado de receber dinheiro e favores do doleiro Alberto Youssef e de ter usado dinheiro da Câmara para viajar e se reunir com o doleiro, preso na Operação Lava Jato.

        Segundo a apuração da Polícia Federal, Argôlo trocou 1.411 mensagens por celular com Youssef entre setembro de 2013 e março deste ano. Ele também foi acusado pela contadora Meire Poza, que trabalhava com o doleiro, de ser sócio informal do doleiro e de ter recebido um helicóptero de presente de Youssef.

        O relator do processo, deputado Marcos Rogério (PDT-RO), argumentou que Argôlo ajudou Youssef a obter vantagens junto à administração.

        A defesa disse que não há provas contra Argôlo e que ele comprovou que não houve um depósito de R$ 120 mil para um de seus assessores.

        25/09/2014

        Gilmar Mendes não sabe perder

        Bancada GM

        Gilmar Mendes comanda reunião partidária

        O jagunço de Diamantino não está feliz porque seu pupilo, José Roberto Arruda, foi considerado um ficha suja pelo TSE. O pai do Mensalão do DEM foi filmado traficando dinheiro. A Rede Globo mostrou no JN. Mas Gilmar Mendes, a pedido do FHC, tentou demover os demais ministros. Não conseguiu, aí, como mau perdedor, achou por bem chamar o TSE de Tribunal Nazista. Este é o tipo de Ministro que FHC plantou no STF.

        Gilmar Mendes pensava que comandaria os Ministros do TSE da mesma forma com que amadrinhava Pedro Simon, Ana Amélia Lemos, Álvaro Dias.

        Gilmar, nem todo mundo é capacho!

        De fato, Gilmar Mendes já não vive um bom momento…

        Mendes diz que TSE não vive ‘bom momento’ e critica sua composição

        DE BRASÍLIA

        O vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes, fez críticas à corte nesta quarta (24), um dia depois de o colegiado ter negado registro de candidatura do deputado Paulo Maluf (PP-SP), que tenta a reeleição.

        Segundo Mendes, é "notório" que o tribunal não está "vivendo bom momento" e seria hora de se repensar sua composição, porque a corte parece não estar preparada para "enfrentar pressão".

        Apesar de não explicitar o tipo de alteração que sugere, a crítica foi destinada às vagas ocupadas por advogados. Das sete cadeiras do TSE, três são ocupadas por ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), duas por ministros do STJ (Superior Tribunal de Justiça) e duas pela advocacia.

        No julgamento de Maluf no TSE, foi justamente a ministra Luciana Lóssio, que ocupa uma cadeira da advocacia, a relatora do processo e a primeira a votar contra Maluf.

        Ela foi acompanhada pelo outro integrante da advocacia, ministro Admar Gonzaga, pelo ministro Luiz Fux, do STF, e pela ministra Maria Thereza de Assis, do STJ.

        Para Mendes, que foi vencido ao lado do presidente do TSE, Dias Toffoli e de João Otávio Noronha, do STJ, a corte mudou a jurisprudência só para prejudicar Maluf.

        Procurado pela Folha, Gonzaga disse que não iria polemizar com Mendes. Luciana Lóssio não quis se manifestar.

        (SEVERINO MOTTA)

        Próxima Página »

        Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

        %d blogueiros gostam disto: