Ficha Corrida

22/08/2015

Gilmar Mendes, a mão amiga do corrupto na hora difícil

Arruda, FHC e Gilmar MendesE aí, o mais suspeito dos Ministros, aquele que deu dois habeas corpus em menos de 24 horas para o corrupto pego no ato de corromper, que está sentado há mais de ano em cima do processo que trata do financiamento de campanhas, investe-se no papel de procurador e manda investigar a chefe do Executivo. É assim que funciona, para Gilmar Mendes, a tal de harmonia entre os poderes.

No caso, uma mesma empresa doa ao PT e ao PSDB. Gilmar Mendes, no seu canhestro estrabismo ideológico, criminaliza as doações feitas ao PT e sacraliza as feitas ao PSDB. Dinheiro doado ao PT é sujo; ao PSDB, limpo e cheiro…

O factoide do estafeta do PSDB no TSE é apenas diversionismo. Com esta atitude típica de um jagunço de Diamantino, desvia o foco do Varão de Plutarco, símbolo-mor da direita golpista, Eduardo Cunha, e, ao mesmo tempo redireciona as baterias sobre o alvo preferido do Napoleão das Alterosas.  Se der certo, o golpe paraguaio se avizinha.

Em relação a Gilmar Mendes, a história se repete ad nauseam.

Nestas horas não é demais lembrar a informação dada pelo O Globo: “Arruda diz que pediu a FHC para falar com ministro do TSE”. Não foi nem a primeira nem a última vez que os serviços do estafeta foram recrutados. Se tudo isso já é muito, mas não é tudo.

A Folha de São Paulo, tucana do cabelo ao cóccix, também registrou outra patranha perpetrada por Gilmar Mendes: “Após ligação de Serra, Mendes para julgamento de ação do PT”.

No início deste ano foi flagrado mais um caso da atuação promíscua de Gilmar Mendes. Desta feita, para salvar a pele de seu conterrâneo, Silval Barbosa, ex-governador do Mato Grosso, preso em Cuiabá-MT.

GILMAR MENDES SILVAL BARBOSAÀ época, a Folha registrou:  “Serra pediu que um assessor telefonasse para Mendes pouco antes das 14h, depois de participar de um encontro com representantes de servidores públicos em São Paulo. A solicitação foi testemunhada pela Folha. No fim da tarde, Mendes pediu vista, adiando o julgamento. Sete ministros já haviam votado pela exigência de apresentação de apenas um documento com foto, descartando a necessidade do título de eleitor’”. O compadrio do PSDB com o Poder Judiciário é tanto e de forma tão escancarada que o deputado do PSDB gaúcho, Jorge Pozzobom tornou pública uma regra que já percorria o senso comum: “Me processa. Eu entro no Poder judiciário e por não ser petista não corro o risco de ser preso".

A condução de Gilmar Mendes ao STF foi feita de forma pensada e não faltou quem apontasse de forma categórica e irretorquível: “Gilmar Mendes será uma tragédia no STF’”. Como diria outro Ministro do STF, e da mesma estirpe de Gilmar Mendes: “foi feita pra isso, sim”. E, pelos seus serviços já prestados, não há nenhum arrependimento por parte de quem o colocou lá, FHC. Nestes tempos de hiPÓcria descomunal, a atitude de Gilmar Mendes atualiza um cartaz das manifestações dos zumbis: “CUnha é corrupto, mas está do nosso lado”…

Só um profundo sentimento de ódio explica as sucessivas tentativas de criminalizar o PT e agora derrubar Dilma só para deixar no lugar deles gente como Gilmar Mendes, José Roberto Arruda, Aécio Neves, Silval Barbosa, José Serra, Geraldo Alckmin, Eduardo CUnha.

Como diria o velho Barão de Itararé, de onde menos se espera, de lá mesmo é que não sai nada. Nada de bom, diga-se de passagem!

Gilmar Mendes pede investigação de campanha de Dilma

TALITA FERNANDES – O ESTADO DE S. PAULO

21 Agosto 2015 | 21h 06

Em relatório encaminhado à Procuradoria-Geral da República (PGR) e à Polícia Federal, o ministro indica ‘vários indícios’ de que a campanha da petista teria sido financiada por recursos desviados da Petrobrás

Atualizado às 22h27

Brasília – O ministro Gilmar Mendes, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pediu a investigação de suposta prática de atos ilícitos na campanha que reelegeu a presidente Dilma Rousseff em 2014. Em despacho encaminhado hoje à Procuradoria-Geral da República (PGR) e à Polícia Federal, o ministro indica "potencial relevância criminal" na campanha petista. O ministro pediu ainda que a Corregedoria-Geral da Justiça eleitoral apure se houve descumprimento das leis eleitorais. "Além da violação à legislação eleitoral, há potencial relevância criminal nas condutas", diz o despacho, no qual o ministro sugere que há motivos para que seja aberta uma ação penal pública.

Sobre o descumprimento à legislação eleitoral, Gilmar utiliza informações reveladas pelas investigações da Operação Lava Jato para dizer que a campanha foi supostamente financiada com recursos da Petrobrás. Por ser uma empresa de capital misto (recursos públicos e privados) a petroleira é vedada de financiar campanhas eleitorais. "As doações contabilizadas parecem formar um ciclo que retirava os recursos da estatal, abastecia contas do partido, mesmo fora do período eleitoral, e circulava para as campanhas eleitorais", escreveu o ministro.

Além disso, Gilmar lança suspeita de que houve uso de recursos publicitários para financiamento da campanha, o que é vedado pela legislação. Para tal, o ministro cita delação premiada do lobista Milton Pascowitch, que afirmou a investigadores que parte dos recursos de propina teria sido repassada a pedido do então tesoureiro do PT João Vaccari Neto, hoje preso na Lava Jato, ao site Brasil 247, "simulando contrato de prestação de serviços". "O objetivo seria financiar a propaganda disfarçada do Partido dos Trabalhadores e seus candidatos, além de denegrir a imagem dos partidos e candidatos concorrentes", concluiu o ministro. "Em suma, há indicativos de que o partido recebeu auxílio por meio de sociedade de economia mista e publicidade", resume.

Na semana passada, Gilmar havia determinado ao TSE um levantamento para mostrar doações feitas ao PT por empreiteiras investigadas na Lava Jato. De acordo com o levantamento feito pela Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias, as empresas OAS, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, UTC, Camargo Corrêa, Engevix e Odebrecht doaram ao PT, entre 2010 e 2014, R$ 172 milhões. 

O ministro citou ainda informações reveladas pelo empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC, em acordo de delação premiada, no qual disse ter repassado R$ 7,5 milhões à campanha de Dilma.

Fornecedores. Além das inconsistências apontas nas doações, o ministro levanta suspeita sobre o pagamento de fornecedores da campanha. "Não bastasse o suposto recebimento pelo partido e pela candidata de dinheiro de propina em forma de doação eleitoral, há despesas contabilizadas na prestação de contas da candidata de duvidosa consistência", afirmou. "Assim, ao que parece, havia, supostamente, entrada ilegal de recursos públicos e saída de dinheiro da campanha em forma de gastos mascarados."

As contas de campanha da presidente Dilma e do PT foram aprovadas com ressalvas pelo TSE em dezembro de 2014. A aprovação se deu na Corte por unanimidade após os ministros acompanharem o voto do relator, que foi o próprio Gilmar. No despacho ele justificou seu voto pela aprovação alegando que "apenas no ano de 2015, com o aprofundamento das investigações no suposto esquema de corrupção ocorrido na Petrobrás, vieram a público os relatos de utilização de doação de campanha como subterfúgio para pagamento de propina".

Logo após o despacho do ministro, a Secretaria de Comunicação Social do Palácio do Planalto emitiu nota afirmando que: "Todas as contribuições e despesas da campanha de 2014 foram apresentadas ao TSE, que após rigorosa sindicância, aprovou as contas por unanimidade", diz a nota assinada pelo ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, que foi o tesoureiro da campanha de Dilma no ano passado.

O TSE tem hoje quatro ações que contestam a legitimidade da eleição de Dilma Rousseff, todas pedidas pelo PSDB. Essas ações podem gerar, no limite, a cassação da presidente.

25/09/2014

Gilmar Mendes não sabe perder

Bancada GM

Gilmar Mendes comanda reunião partidária

O jagunço de Diamantino não está feliz porque seu pupilo, José Roberto Arruda, foi considerado um ficha suja pelo TSE. O pai do Mensalão do DEM foi filmado traficando dinheiro. A Rede Globo mostrou no JN. Mas Gilmar Mendes, a pedido do FHC, tentou demover os demais ministros. Não conseguiu, aí, como mau perdedor, achou por bem chamar o TSE de Tribunal Nazista. Este é o tipo de Ministro que FHC plantou no STF.

Gilmar Mendes pensava que comandaria os Ministros do TSE da mesma forma com que amadrinhava Pedro Simon, Ana Amélia Lemos, Álvaro Dias.

Gilmar, nem todo mundo é capacho!

De fato, Gilmar Mendes já não vive um bom momento…

Mendes diz que TSE não vive ‘bom momento’ e critica sua composição

DE BRASÍLIA

O vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes, fez críticas à corte nesta quarta (24), um dia depois de o colegiado ter negado registro de candidatura do deputado Paulo Maluf (PP-SP), que tenta a reeleição.

Segundo Mendes, é "notório" que o tribunal não está "vivendo bom momento" e seria hora de se repensar sua composição, porque a corte parece não estar preparada para "enfrentar pressão".

Apesar de não explicitar o tipo de alteração que sugere, a crítica foi destinada às vagas ocupadas por advogados. Das sete cadeiras do TSE, três são ocupadas por ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), duas por ministros do STJ (Superior Tribunal de Justiça) e duas pela advocacia.

No julgamento de Maluf no TSE, foi justamente a ministra Luciana Lóssio, que ocupa uma cadeira da advocacia, a relatora do processo e a primeira a votar contra Maluf.

Ela foi acompanhada pelo outro integrante da advocacia, ministro Admar Gonzaga, pelo ministro Luiz Fux, do STF, e pela ministra Maria Thereza de Assis, do STJ.

Para Mendes, que foi vencido ao lado do presidente do TSE, Dias Toffoli e de João Otávio Noronha, do STJ, a corte mudou a jurisprudência só para prejudicar Maluf.

Procurado pela Folha, Gonzaga disse que não iria polemizar com Mendes. Luciana Lóssio não quis se manifestar.

(SEVERINO MOTTA)

21/09/2014

Adeus, pena de aluguel!

Enquanto os cães ladram, a caravana passa. O ódio disseminado pelos ventríloquos de aluguel é alimento para capacho. Tanto mais ódio disseminam, menos votos conseguem. É o caso clássico do comportamento que revela mais sobre quem odeia do que sobre o objeto do ódio. Por que tamanha obsessão? Por que é tão difícil usar a razão, botar os neurônios a trabalhar?

Será que eles não veem que os partidos com os quais estes magarefes se aliam tem muito, mas muito mais ficha sujas cassados pela Justiça Eleitoral? E isso que eles contam com um advogado de peso no STF, Gilmar Mendes, que, ao perder uma decisão, perde também a decência e chama o TSE de Tribunal Nazista. Tudo porque FHC lhe havia pedido para interferir a favor de José Roberto Arruda. Aliás, personagem incensado pela Veja como sendo um pessoa brilhante. Não há nos anais da corrupção alguém cujo ato de corromper tenha sido tão bem documentado, com áudio, vídeo e dinheiro, do que aquilo que se convencionou chamar de Mensalão do DEMo…. Pois este personagem mereceu a tentativa de interferência na decisão do Poder Judiciário de duas personagens muito queridas dos meios mafiomidiáticos: FHC & Gilmar Mendes.

Não é mera coincidência que o Instituto Millenium tenha partido para a tarefa de patrulhar o Poder Judiciário. De fato, terão muito trabalho para proteger tantos bandidos.

E aí, Villa? Como fica?

21 de setembro de 2014 | 13:54 Autor: Miguel do Rosário

ScreenHunter_4931 Sep. 21 13.42

Há alguns meses, o historiador ultratucano Marco Antonio Villa publicou um artigo no Globo, onde tem espaço cativo, intitulado Adeus, PT.

Foi reproduzido, naturalmente, em todos os espaços tucanos. Os blogueiros da Veja o reproduziram com entusiasmo.

Pois bem, nada com um dia após o outro.

Nem vou entrar no mérito se o PT vai crescer ou não este ano. Mas é absolutamente ridículo achar que ele vai “acabar”. Provavelmente, vai crescer.

Quanto ao PSDB, faltando cerca de 2 semanas para as eleições, as previsões dos próprios tucanos, segundo informação de Ilimar Franco, são sombrias:

Para onde vai o PSDB?
Por ILIMAR FRANCO

21.9.2014 9h07m
O PSDB está mergulhando numa profunda crise. As previsões dos especialistas são as de que os tucanos vão encolher na Câmara, no Senado e nos governos estaduais. Além disso, o partido não terá mais expectativa de poder. Se a presidente Dilma for reeleita, Marina Silva será a alternativa de poder para 2018. Se Marina vencer, quem assumirá a bandeira da oposição será o PT. Uma derrota em Minas deixará o partido ainda mais paulista.

O feitiço se voltou contra o feiticeiro. Tudo que Villa havia previsto acontecer contra o PT, vai desabar contra o PSDB.

E aí, Villa? Como fica? | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

13/09/2014

Biografia bonsai à moda tucana

Ô ô, o Estadão aCOCÔ!

Estadão recua em denúncia por explicação furada de Gilmar

sab, 13/09/2014 – 12:36

Atualizado em 13/09/2014 – 17:24

Luis Nassif

Na sexta-feira, 11 de setembro, o Estadão publicou matéria sobre ato do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda beneficiando enteada do Ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal). O título da matéria era “Enteada do Ministro Gilmar Mendes escapa da demissão Geral”.

A reportagem referia-se a um ato de Arruda excluindo a terapeuta Larisse Feitosa de um decreto de demissão em massa, em janeiro de 2007. Foram 16 mil excluídos. Dezenove dias depois, Arruda soltou outro decreto readmitindo nove pessoas. Larisse é filha de Guiomar Feitosa, atual esposa de Gilmar.

A informação era relevante para explicar a atitude atual de Gilmar, que se insurgiu com uma ferocidade inaudita contra a cassação de Arruda pela Lei da Ficha Limpa. Inclusive acusando de “tribunal nazista” todos seus colegas que – por unanimidade, contra seu voto solitário – decidiram pela cassação.

A reportagem saiu por engano, não por ser incorreta, mas por ter escapado da blindagem normalmente garantida a Gilmar.

Quem clicar no título da reportagem – na primeira página da editoria de Política – será direcionado para uma outra matéria, desmentindo a anterior (http://tinyurl.com/o6xcmxq). Em geral, o jornal tem dificuldades até para publicar direito de resposta.

A nova matéria acolhe, sem discutir, os argumentos da assessoria de Gilmar de que à época do decreto, “a mãe da servidora, a advogada Guiomar Feitosa, sequer namorava Gilmar Mendes”. Segundo a nota, o namoro teve início em janeiro de 2008 e casaram-se em outubro do mesmo ano.

Na reportagem, Gilmar apela para o álibi habitual de que “com dinheiro público financiam-se esses bandidos para fazer esse tipo de ataque baixo, vil”. Segundo o jornal, Mendes não especificou quem seriam os “bandidos”.

Bastaria uma pequena consulta ao Google para levantar um artigo célebre de Eliane Cantanhêde, no estilo “o amor é lindo”, publicado na revista Serafina da Folha (http://tinyurl.com/mthpb3f).

Segundo a reportagem, de 8 de junho de 2008, “Gil” e “Guio” “só se casaram no ano passado”, ou seja, em 2007, mas tiveram um longo “namoro espiritual”, segundo o texto romântico. “Gil” e “Guio” assumiram o namoro pela primeira vez em 2001, mas durou pouco. Reataram quatro anos depois, isto é, em 2005, depois de uma inimaginável cena de amor, na qual Gilmar, enquanto comia costelinhas, couves e farofas, cochichou em tom romântico para Guiomar: “quero mostrar uma coisa que comprei pensando em você.” Não era farofa, nem costelinha, mas um chalé no lago.

Já, naquele ano de 2008, Guiomar era comentada como uma das mulheres mais poderosas de Brasilia. Mas, segundo a cronista, ela tinha horror dessa classificação: "Não vai escrever aí que eu sou poderosa, porque não é nada disso." Então o que a senhora é? "Uma funcionária pública padrão e uma mulher apaixonada."

O Estadão aceitou o argumento de Gilmar, de que Gil e Guio não eram formalmente casados, quando Arruda beneficiou Larisse. Como se fosse necessário o vínculo formal para que Gilmar intercedesse pela namorada.

Não é a primeira blindagem a Gilmar. No ano passado, o IDP (Instituto Brasiliense de Direito Público) assinou contrato milionário com o Tribunal de Justiça da Bahia, justamente quando o tribunal entrou na mira do CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

Este ano, o IDP fechou parceria com a FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), parte de inúmeras ações milionárias no STF.

Um dos principais fatores de perda de credibilidade dos jornais tem sido sua moralidade seletiva.

Estadão recua em denúncia por explicação furada de Gilmar | GGN

Nem o conluio de Gilmar Mendes com FHC consegue salvar o careca da Veja

OS TRÊS PATETAS

Jose Roberto Arruda, Gilmar Mendes & FHCNão adiantou o magarefe do direito, Roberto Gurgel, protelar por três anos, a pedido de FHC, a denúncia. E aí chegamos no outro duto que mantinha Arruda por aparelhos, a Veja. Em julho de 2009, a Veja levou para as páginas cor de merda o açougueiro da moralidade alheia, com o título “Ele deu a volta por cima”. Por cima da ética, do decoro, da decência! Pior, como reincidente. José Roberto Arruda só foi escolhido como um dos três carecas de FHC por sua notória “honestidade”, revela na história da violação do painel do Senado em parceria com Luís Estêvão e ACM.

A mesma honestidade de FHC ao cobrar de Gilmar Mendes a defesa do seu pupilo no TSE. Gilmar Mendes perdeu e, como mau perdedor, achou por bem chamar o TSE de Tribunal Nazista. Nazismo, taí algo que, pelo seu mau comportamento, Gilmar Mendes paga tributo.

Arruda renuncia: "Não desisti, fui desistido"

Favorito na disputa pelo Governo do Distrito Federal, o ex-governador José Roberto Arruda, do PR, anunciou neste sábado, 13, em entrevista coletiva, a desistência de sua candidatura; com o registro barrado pela Justiça Eleitoral com base na Lei da Ficha Limpa, Arruda questionou a aplicação da lei; "A pergunta que se faz é se as leis são iguais para todos ou se mudam de acordo com a cara do freguês"; condenado por improbidade e conhecido por participar do chamado Mensalão do DEM, Arruda será substituído pelo vice na chapa, Jofran Frejat (PR); mulher do ex-governador, Flávia Peres (PR), foi escolhida a nova vice

13 de Setembro de 2014 às 13:48

Brasília 247 – Em entrevista coletiva neste sábado, 13, o ex-governador José Roberto Arruda (PR) oficializou a renúncia de sua candidatura a governador do Distrito Federal. Ele será substituído pelo vice na chapa, Jofran Frejat (PR). A mulher do ex-governador, Flávia Peres (PR), foi escolhida a nova vice.

Arruda teve o registro de candidatura barrado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com base na Lei da Ficha Limpa, por ter sido condenado por improbidade administrativa. O ex-candidato liderava com 37% das intenções de voto, segundo a última pesquisa Datafolha, da quarta-feira, 10.

José Roberto Arruda afirmou que a decisão renunciar foi debatida com a Coligação União e Força (PR-PTB- DEM-PMN-PRTB). "Eu não desisti, fui desistido. Discutimos e julgamos que tinha chegado o momento de fazer a substituição, de modo que as nossas propostas e o nosso plano de governo sejam mantidos", disse.

Sobre o substituto, o ex-governador frisou que Jofran Frejat é um nome de consenso. "Ele é um homem muito experiente, maduro, muito bem preparado e era a escolha natural." Arruda disse ainda que, em pesquisas feitas com o eleitorado, o nome da mulher dele, Flávia, se destacou. "Para a minha alegria, o nome da Flávia apareceu como o que mais tinha capacidade de me representar, mas, em uma decisão que eu considero de amadurecimento, ela achou que não era o momento", declarou.

O político do PR questionou a aplicação da Lei da Ficha Limpa. Para ele, no seu caso ela foi usada para "fins mesquinhos". "A pergunta que se faz é se as leis são iguais para todos ou se mudam de acordo com a cara do freguês", disse.

Decisões da Justiça

José Roberto Arruda foi condenado pelo Tribunal de Justiça do DF por improbidade administrativa no dia 9 de julho, em segunda instância, pelo suposto envolvimento no esquema de corrupção conhecido por mensalão do DEM.

Na quinta, o TSE rejeitou recursos protocolados pela defesa de Arruda e manteve a decisão de considerar o político do PR inelegível. Na sexta, a defesa protocolou petição em que pedia “urgência” ao Supremo Tribunal Federal (STF) para decidir se suspendia ou não decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que o considerou inelegível.

A Procuradoria-Geral Eleitoral enviou ao TSE pedido para que fossem suspensos todos os atos de campanha de Arruda. O partido tinha até este domingo (14) para decidir se substituía a candidatura dele, e o STF não havia se manifestado a respeito.

A defesa do ex-governador alega que o pedido de registro da candidatura foi feito antes da condenação, quando Arruda ainda era ficha limpa – e, por isso, o registro não pode ser indeferido.

Segundo o entendimento do TSE e do TRE, no entanto, a condenação posterior ao pedido de registro também pode ser vista como condição de inelegibilidade. A reclamação constitucional apresentada na quinta-feira afirma que estas decisões contrariam sentenças anteriores do próprio TSE. (Matéria atualizada às 17h12)

Arruda renuncia: "Não desisti, fui desistido" | Brasil 24/7

12/09/2014

Veja como vota o Cavalo de Tróia deixado por FHC, Gilmar Mendes

TSE mantém indeferida candidatura de Arruda

Apesar de derrota, candidato ao governo do DF recorreu ao STF e campanha continua

DE BRASÍLIA

Por seis votos a um o Tribunal Superior Eleitoral negou nesta quinta (11) recurso do ex-governador José Roberto Arruda (PR) e manteve indeferido seu registro de candidatura na disputa pelo governo do Distrito Federal.

Apesar da nova derrota na Justiça Eleitoral, Arruda já apresentou recurso Supremo Tribunal Federal e ainda poderá seguir normalmente com sua campanha.

Segundo o Datafolha, ele lidera a disputa com 37% das intenções de voto, à frente do atual governador, Agnelo Queiroz (PT), que tem 19%.

Arruda havia sido barrado pelo TSE no mês passado com base na Lei da Ficha Limpa. Primeiro governador a ser preso no exercício do mandato, ele foi condenado por improbidade administrativa nos desdobramentos da Operação Caixa de Pandora, que revelou o mensalão do DEM.

Devido a esta condenação, foi considerado "ficha-suja" e teve o registro de candidatura negado. No TSE, seus advogados disseram que, como a condenação aconteceu após ele ter apresentado pedido de registro, ela não poderia ser usada para impedi-lo de concorrer.

Os ministros, no entanto, entenderam que durante todo o processo de análise do registro de candidatura condenações podem ser usadas para barrar candidatos com base na Lei da Ficha Limpa.

Único a votar a favor de Arruda, Gilmar Mendes disse que a corte nunca havia usado condenações posteriores ao registro para barrar candidaturas.

(SEVERINO MOTTA)

10/09/2014

Afilhado de Gilmar Mendes & FHC perde mais uma

Filed under: Brasília,Ficha Suja,Gilmar Mendes,José Roberto Arruda,STJ — Gilmar Crestani @ 8:51 am
Tags:

Bancada do Gilmar Mendes recebendo instruções

Gilmar Mendes comanda reunião partidária

Será que Gilmar Mendes vai repetir o que disse quando perdeu no TSE: tribunal nazista?! A gente costuma atribuir o papel nefasto apenas ao executor, mas poucos lembram que alguém pôs ele lá para fazer exatamente o que está fazendo, e o elemento se chama Fernando Henrique Cardoso, também conhecido pela sigla FHC.

Diante de tantas condenações e considerando a expressiva votação com que os candangos o sufragam, já não podem mais dizer que são os corruptos são mandados para Brasília pelos Estados. A verdade é que á uma força atrativa, e que os brasilienses teimam em provar. Depois de Paulo Otávio, Luis Estêvão agora José Roberto Arruda. Que os candangos assumam sua parte no apoio aos corruptos.

STJ nega recurso e mantém como ficha-suja ex-governador Arruda

DE BRASÍLIA – A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça negou nesta terça (9), por 3 votos a 1, recurso do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (PR) e manteve sua condição de ficha-suja.

Sua defesa conta ainda com recursos para tentar salvar a candidatura. O problema é que pode não haver tempo hábil para garantir o nome de Arruda nas urnas em 5 de outubro.

Segundo o Datafolha, ele lidera a disputa pelo governo do DF, com 34%, seguido pelo governador Agnelo Queiroz (PT), com 19%, e por Rodrigo Rollemberg (PSB), com 13%.

Arruda foi condenado em segunda instância por improbidade administrativa, devido à participação no esquema que ficou conhecido como mensalão do DEM. Com a condenação, foi considerado ficha-suja pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), de acordo com critérios da Lei da Ficha Limpa.

Nesta terça, no STJ, ele tentou derrubar a condenação por improbidade. Com a derrota, apresentou outro recurso ao STJ. Não há prazo para que a nova apelação seja analisada.

Paralelamente, Arruda recorreu ao TSE. O julgamento desse recurso, previsto para esta terça (9) à noite, foi adiado por pedido de vista do ministro Gilmar Mendes. A expectativa é que o caso seja retomado na quinta (11). Até lá, a campanha do político pode prosseguir.

27/08/2014

Quem é vice-presidente de tribunal nazista é o quê? Nazista!

Filed under: FHC,Ficha Suja,Gilmar Mendes,José Roberto Arruda,Nazismo,TSE — Gilmar Crestani @ 9:34 pm
Tags:

A lista de serviços prestados aos corruptos é longa, mas alguns nomes sobressaem no armário do magarefe: Rober Abdelmassih, Daniel Dantas, Carlinhos Cachoeira, Demóstenes TorresGilmar Mendes ficou todo dodói porque não pode atender a mais um pedido de seu mentor, FHC, para soltar mais um corrupto.

“Nazista”. É Gilmar, sobre o TSE, no caso Arruda

:

Vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Gilmar Mendes criticou a decisão que rejeitou a candidatura de José Roberto Arruda ao governo do DF; segundo ele, a mudança de jurisprudência do TSE durante o julgamento do caso, sobre o momento em que as condições de inelegibilidade são aferidas pela Justiça Eleitoral, não teve justificativa; "Todo tribunal tem escrúpulo em mudar jurisprudência. E justifica. E não faz de conta que, ontem eu estava votando assim, e hoje é assado. Isso é brincadeira de menino"

27 de Agosto de 2014 às 18:55

André Richter – Repórter da Agência Brasil

O vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, criticou hoje (27) a decisão que rejeitou a candidatura de José Roberto Arruda ao governo do Distrito Federal, com base na Lei da Ficha Limpa. Segundo o ministro, a mudança de jurisprudência do TSE durante o julgamento do caso, sobre o momento em que as condições de inelegibilidade são aferidas pela Justiça Eleitoral, não teve justificativa.

"Todo tribunal tem escrúpulo em mudar jurisprudência. E justifica. Quem tem responsabilidade institucional, justifica. Estou mudando por causa disso. E não faz de conta que, ontem eu estava votando assim, e hoje é assado. Isso é brincadeira de menino. Agora, para esse caso eu voto assim. A gente não cria jurisprudência ad hoc [para o caso específico]. Quem faz isso é tribunal nazista", disse.

Na sessão de ontem (27), Mendes proferiu o único voto a favor da concessão do registro de candidatura de Arruda. No entendimento do ministro, as condições de elegibilidade são aferidas no momento da apresentação do registro, conforme a jurisprudência do TSE antes do julgamento de ontem. Segundo o ministro, a regra serve para evitar casuísmos políticos e a manipulação da pauta de julgamento para condenar políticos.

No julgamento de Arruda, a atual composição do tribunal definiu que as condições de inelegibilidade podem ser aferidas após o pedido de registro de candidatura, desde que seja garantido o direto à ampla defesa.

A defesa de Arruda se baseou na antiga jurisprudência para requerer a concessão do registro. Segundo a defesa, a decisão da Justiça do Distrito Federal que o condenou, em segunda instância, por improbidade administrativa, foi proferida no dia 9 de julho, após o protocolo do registro, ocorrido no TRE-DF em 4 de julho. Dessa forma, segundo a defesa, o candidato está apto para concorrer e não seria alcançado pela Lei da Ficha Limpa.

Mais uma do estafeta de FHC

Atendendo solicitação de FHC, Gilmar Mendes, assim como fizera com Carlinhos Cachoeira, Demóstenes Torres, Daniel Dantas, Roger Abdelmassih, continua sua luta solitária protegendo corruptos e bandidos. Não há, no meio jurídico, nem durante a ditadura, um personagem que mais tenha se postado ao lado dos piores condenados deste país. Gilmar Mendes é, no meio jurídico, a cara de FHC. Está para o Direito como FHC para a Administração Pública. A matéria da Folha, transcrita abaixo, é demolidora do caráter, se é que ainda restava alguns resquício, de FHC. Ao pedir para Ministros nomeados por ele para que inocentassem o corrupto, FHC fecha com chave de ouro uma biografia escrita com letras hipotecadas à corrupção.

Quando Gilmar Mendes acusou, sem provas e desmentido, Lula de procurá-lo estava apenas construindo um álibi perfeito para o que era e é uma prática corrente entre ele e seu mentor, FHC.

Enquanto não forem trocados todos os Sinistros deixados por FHC o STF continuará sob suspeita!

Por 6×1, TSE decide manter impugnação de Arruda

Roberto Jayme_ASICS_TSE:

Como relator, ministro Henrique Neves recomendou a rejeição ao recurso de José Roberto Arruda (PR) contra a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF) que o considerou inelegível com base na Lei da Ficha Limpa; Gilmar Mendes, único voto a favor do candidato, desabafou no plenário e classificou como "rastaquera" a política no Distrito Federal; Arruda ainda pode recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF)

TSE barra candidatura de Arruda para o governo do Distrito Federal

Cinco ministros enquadraram ex-governador na Lei da Ficha Limpa

SEVERINO MOTTADE BRASÍLIA

Cinco dos sete ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) votaram para barrar a candidatura do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (PR) com base na Lei da Ficha Limpa.

O julgamento ainda não tinha sido concluído. Caso fosse encerrado nesta quarta (27), ele seria considerado inelegível pela Justiça Eleitoral.

Apesar dessa situação, como ainda existe a possibilidade de recursos no próprio TSE e no STF (Supremo Tribunal Federal), Arruda poderá seguir com sua campanha normalmente até que sua apelação seja analisada.

Condenado por improbidade administrativa por órgão colegiado de Justiça no mês passado, Arruda já havia sido considerado inelegível pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Distrito Federal.

Pesquisa Ibope divulgada nesta terça (26) pela Rede Globo mostrava Arruda com 37% das intenções de votos para o governo do Distrito Federal.

Em conversa com um advogado de Brasília, à qual a Folha teve acesso, Arruda temia que o TSE barrasse sua candidatura.

"A situação que eu tenho hoje é que… Eu tenho uma chance no TSE menor", disse na conversa em que participaram, entre outras pessoas, o advogado Eri Varela, que há anos atua para o ex-governador Joaquim Roriz.

No áudio, Varela e Arruda falam sobre votos que podem ser favoráveis ao ex-governador no TSE. O advogado pergunta sobre os ministros Gilmar Mendes e João Otávio de Noronha. Ao responder, Arruda disse ter entrado em contato com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que os indicou para as cortes.

Questionado, Fernando Henrique Cardoso respondeu, em nota, que "Arruda falou comigo a respeito de seu recurso ao TSE. Queria que o julgamento ocorresse a tempo de, se favorável, concorrer ao governo de Brasília. Como sempre, sou muito cuidadoso nessas matérias. Apenas indaguei o ministro Gilmar se havia chance de isso ocorrer. Fui informado de que haveria um julgamento anterior que prejulgaria o caso. Nada mais pedi a ninguém".

Gilmar Mendes disse não se lembrar da conversa com FHC: "Posso ter falado sobre o tema, todos perguntam. Eu tenho dito a mesma coisa. A jurisprudência no TSE dizia que o que valia era o dia do registro da candidatura. Hoje, com a nova composição, não sei qual será o resultado".

João Otávio de Noronha disse que não foi procurado por FHC: "Estou indignado com esse tipo de coisa. Estão me vendendo nas costas aí. Se tem uma pessoa que vota claro e transparente no TSE, sou eu. Sabem como voto, o que penso. Não sou homem de surpresas".

06/07/2014

Pesos e medidas, Genoíno e Arruda

Condenação de ex-governador irá para 2ª instância

DE BRASÍLIA

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, derrubou decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que impedia o julgamento, em segunda instância, da condenação por improbidade administrativa do ex-governador do José Roberto Arruda (PR-DF).

Ele foi condenado em primeira instância pela Justiça do Distrito Federal e, caso a decisão fosse mantida na segunda instância, impediria sua candidatura neste ano.

Como o candidato sofreu condenação só na primeira instância, não está inelegível, segundo a Lei da Ficha Limpa. Arruda ficaria impedido se a condenação fosse mantida por um órgão colegiado (com vários juízes) antes que ele registrasse sua candidatura –o que ocorreu na semana passada.

Mesmo que ele seja condenado em segunda instância, a jurisprudência indica que isso não afetaria mais a candidatura. Caso Arruda vença e seja condenado antes da posse, poderá assumir. O Ministério Público é contra essa interpretação do STF e procura modificá-la.

Arruda foi condenado pelo caso conhecido como "mensalão do DEM".

12/04/2014

Velha mídia quebrou um galhinho de Arruda para sorte de José Roberto

E depois o Genoíno é que é corrupto!!

Candidatura de José Roberto Arruda em Brasília é tapa na cara

Bob Fernandes


José Roberto Arruda diz que sua candidatura ao governo de Brasília é "irreversível". Arruda renunciou ao governo do Distrito Federal, em 2010, depois de filmado recebendo dinheiro.

Em 2001, então senador, Arruda renunciou ao mandato. Por envolvimento no escândalo de adulteração do painel de votação do Senado.

Agora, em comício e vídeo, Arruda diz: deixou o governo do DF não pelo flagra recebendo grana, mas por ação das "forças do mal" e da "maldade humana".

E, claro, Arruda informa ao distinto público: ele agora é um homem "de fé" e está próximo de Deus.

Quem sabe não veremos Arruda na "Marcha da Família com Deus"?

A vice de Arruda será Liliane Roriz. Liliane é filha de Joaquim Roriz, que renunciou ao governo, em 2007, atolado em denúncias de corrupção.

Liliane é irmã da deputada Jaqueline Roriz, que também apareceu em vídeo. Cena em que Durval Barbosa, delator do chamado "mensalão do DEM", distribuía maços de R$ 50 mil.

Arruda anuncia ser candidato pelo PR. A vice, Liliane Roriz, é do PRTB. O presidente do PRTB é Luiz Estevão.

Estevão, ex-senador, cassado por envolvimento no escândalo do Fórum do juiz Lalau. Estevão fez um acordo: está devolvendo R$ 468 milhões aos cofres públicos.

Arruda quer ainda o apoio de Paulo Octávio, do PP. Octávio foi governador de Brasília por 22 dias. Vice de Arruda e acusado de corrupção, Octávio também renunciou ao governo.

A candidatura Arruda é algo inacreditável, mesmo para os padrões da política brasileira. E impõe algumas questões.

Sabe-se que o processo contra Arruda dormiu por anos no STJ. Mas, ainda assim, pergunte-se: o que tem a dizer a justiça do Distrito Federal?

Como explicar, para um cidadão comum, a candidatura Arruda & Cia?

Como um político filmado recebendo grana, depois preso, isso já há 4 anos, vai disputar o governo da capital do país?

Essa candidatura leva também a outras perguntas, de endereço geral: cadê a "indignação moral" com a corrupção? Onde estão o ímpeto investigativo e o barulho?

Como Arruda & Cia, para não falar de tantos outros, submergiu por 4 anos quase sem ser incomodado?

A candidatura de Arruda & Cia é um tapa na cara. Tapa na cara não apenas da chamada "sociedade", que não aceita mais, e coberta de razões, impunidade.

É tapa na cara da "moralidade" de ocasião. Da "indignação" quando apenas usada para fazer política na falta de ideias e projetos sólidos.

Um discurso moral hipócrita quando não resiste às biografias e nem ao espelho de tantos dos "acusadores".

Discurso que serve, tantas vezes, para apascentar a alma e o fígado de ressentidos e recalcados.

A candidatura de Arruda & e Cia nasce do silêncio cúmplice. E desnuda os que escolhem… o que deve ser condenado e o que deve e precisa ser escondido.

SQN

18/02/2014

E depois o Genoíno é que é corrupto?!

Quando um de seus heróis tomba, a velha Judith Brito não brinca e publica um epitáfio, como este parágrafo a respeito de mais um ato do cara que “deu a volta por cima” da Veja. Os assinantes de Veja têm este privilégio de serem guiados por pessoas que dão a volta por cima e deixam os outros por baixo. Quando vem a sentença, a Folha resume num parágrafo. Se fosse um petista, como teria sido a manchete? Lembrem-se, estas são as pessoas e revistas que lutam contra Mais Médicos!

DISTRITO FEDERAL

Arruda é condenado por irregularidades em jogo amistoso

DE BRASÍLIA – O ex-governador do DF José Roberto Arruda e o ex-secretário de Esportes Agnaldo Oliveira foram condenados em ação de improbidade administrativa por irregularidades na realização de um jogo amistoso entre Brasil e Portugal em 2008. A decisão é da 1ª Vara de Fazenda Pública do DF. Cabe recurso. A defesa do ex-governador não foi localizada.

17/12/2013

Veja esta

Filed under: DEMo,José Roberto Arruda,Policarpo Júnior,Quadrilha,Veja — Gilmar Crestani @ 8:56 am
Tags:

Justiça condena Arruda e deputada a pagar R$ 1,1 mi

Ex-governador do DEM foi condenado por improbidade administrativa em Brasília

DE BRASÍLIA

O ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda, a deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF) –filha do ex-governador Joaquim Roriz– e outras duas pessoas foram condenadas por envolvimento no mensalão do DEM.

A decisão é da primeira instância. Eles foram condenados a pagar R$ 1,1 milhão de multa, entre ressarcimento e danos morais, e estão impedidos de concorrer a eleições por oito anos. Apesar disso, cabe recurso da decisão, e a pena pode ser suspensa.

Foram ainda condenados o marido de Jaqueline Roriz, Manoel Neto, e o delator do esquema, Durval Barbosa, que foi beneficiado por ter colaborado com a investigação e não foi punido. Todos foram condenados por improbidade administrativa, na 2ª Vara da Fazenda Pública do DF. Cabe recurso da decisão.

A deputada Jaqueline Roriz foi flagrada em vídeo recebendo dinheiro de Durval Barbosa. Processada por quebra de decoro parlamentar, ela foi absolvida no plenário por 265 votos contra 166.

Na ação judicial, o Ministério Público acusa Jaqueline Roriz e o marido dela de receberem propina das mãos de Durval Barbosa para apoiar a candidatura de Arruda ao cargo de governador do Distrito Federal. Em depoimento à 2ª Vara da Fazenda Pública, Durval Barbosa confirmou todas as acusações.

21/08/2012

A condenação de um correligonário dos grupos mafiomidiáticos

Filed under: José Roberto Arruda,Painel do Senado — Gilmar Crestani @ 8:03 am

Silêncio gritante

O homem que mereceu as páginas amarelas de cocô da Veja, com o sugestivo título de Ele deu a volta por cima”, recebe da justiça a pá de cal que sela sua personalidade. Vou no site da revista dos consultórios de proctologia e dos anencefálicos e nada que mostre o comportamento do bom companheiro da Veja.

Ungido como o careca 2 para uma chapa dos sonhos do PSDB de José Serra, o estuprador do Painel do Senado, acompanhado por outro mascote dos grupos mafiomidiáticos, ACM, sofre uma condenação e a notícia é escondida.  E dele nãos e fala mais do que um parágrafo. Como diria Rubens Ricúpero, o homem da parabólica, “se é bom a gente mostra, se é ruim a gente esconde”. O jornal onde dá expediente Judith Brito segue à risca essa máxima dos energúmenos.

Arruda é condenado por violação de painel

A Justiça Federal em Brasília condenou o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda pela violação do painel do Senado, quando ele era senador, em 2000. A sentença o condenou a pagar uma multa que pode passar de R$ 2,5 milhões. O valor deve ser bloqueado dos bens do ex-senador. Além da multa, o juiz cassou por cinco anos os direitos políticos do ex-governador.

A defesa de Arruda afirma que vai recorrer e que os cinco anos de direitos políticos cassados só começam a valer após a decisão definitiva da Justiça.

10/07/2012

VEJA os quatro cavaleiros do apocalipse

Bomba: Veja engavetou entrevista com Arruda para proteger Demóstenes

Bomba: Veja engavetou entrevista com Arruda para proteger DemóstenesFoto: Edição/247

Grampo revela parceria entre a revista, o bicheiro Cachoeira  e o senador Demóstenes; “O Policarpo ajudou”, disse Cachoeira; ex-governador do DF, José Roberto Arruda, falou a Veja em setembro de 2010, às vésperas da eleição presidencial, e acusou Demóstenes de lhe pedir favores; nada foi publicado

10 de Julho de 2012 às 22:25

247 – Em setembro de 2010, José Roberto Arruda, ex-governador do Distrito Federal, que havia perdido o mandato no início do mesmo ano, foi procurado pela revista Veja. A publicação, da Editora Abril, prometia uma reportagem de capa, se Arruda decidisse quebrar o silêncio sobre sua queda. Para a missão, Veja escalou o repórter Diego Escosteguy. Surpreendentemente, Veja engavetou uma entrevista bombástica, que era cobiçada pela imprensa inteira.

Por quê? Qual o motivo para desprezar um furo jornalístico tão relevante?

A resposta está num grampo da Operação Vegas, revelado pelo jornalista Paulo Henrique Amorim, do site Conversa Afiada (leia mais aqui). Eis a transcrição da conversa, que foi captada no dia 20 de março de 2011, quando a entrevista foi publicada por Época, levada pelo próprio Escosteguy, que, desiludido, saiu da revista Veja:

Cachoeira – Fala doutor, não falou nada, não?

Demóstenes – Não, tenho que analisar com isso aí o que é que faz. Vamos pensar, amanhã você tá aí?

Cachoeira – Tô, precisava falar com você, o Chiquinho achou ruim, não me atendeu mais não.

Demóstenes – Fez bem. Chegar o porrete nele mesmo, sujeito safado.

Cachoeira – Tô pensando de ele fazer alguma coisa.

Demóstenes – Não, eu falei pra ele, nada, eu falei é a verdade, não tem nada de mentira não. Tá tudo certo.

Cachoeria – Esse trem do Arruda aí… Você leu a reportagem? O Diego Escosteguy trabalhava na Veja, fez a reportagem em setembro, a Veja não publicou, pediu que queria soltar agora, ele pegou e soltou. Mas você viu que na Época ele deu uma recuada, né?

Demóstenes – Aquilo, se sai em setembro, ia fuder com meio mundo, né.

Cachoeira – É, mas eu vi um negócio, o Policarpo ajudou também, viu. Ia fuder mesmo. Mas você viu que ele ficou com medo e recuou. Tenho certeza que ele recuou foi por causa do seu nome.

Demóstenes – É, sujeito à toa. Vamos ver o que a gente vai fazer.

Cachoeira – Fosse você não fazia nada não. Deixa esse homem pra lá, tá mais do que na cara, isso é retaliação dele, você bateu tanto nele. Tem que virar as costas pra isso aí.

O que havia de tão constrangedor nesta entrevista?

Havia uma acusação de José Roberto Arruda contra Demóstenes Torres. Arruda disse ter sido perseguido por Demóstenes, embora ambos fossem do mesmo partido, porque o senador goiano tentou emplacar, como fornecedora do governo do Distrito Federal, uma determinada empresa.

A quem era ligada esta empresa?

Obviamente, a Carlos Cachoeira.

E, neste caso, não era a Delta.

Bomba: Veja engavetou entrevista com Arruda para proteger Demóstenes | Brasil 247

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: