Ficha Corrida

05/09/2016

Tristeza não tem fim: Honduras, Paraguai, Brasil

Filed under: Argentina,Brasil,Golpe Paraguaio,Honduras,José Serra,Justiça — Gilmar Crestani @ 9:05 am
Tags:

Justiça_nProfessor de Direito Penal na Universidade de Buenos Aires se desencanta com o Direito. E justifica mostrando o que tem acontecido na América Latina. Na mesma toada e coincidentemente nesta mesma data, Juremir Machado da Silva conclui: “O direito é uma ideologia para ser usada conforme a ocasião.” Por razões diversas, a mesma sensação de desamparo quando se vê a própria OAB, pelas vias cloacais do Lamachia, se tornar braço jurídico do golpe paraguaio.

E aí aparece o Tarja Preta das Relações Exteriores querendo patentear o golpe para exporta-lo aos que ainda não foram golpeados:  “Serra quer exportar o golpe para o Mercosul

Volta uma velha sensação do direito romano retirado da Bíblia: “dar a César o que é de César”, modernizada com o “dar a cada um o que é seu”. Ao pobre, a pobreza; ao rico, a riqueza.

Gostaria de estar enganado, mas o direito me parece a única ciência cujo maior beneficiado é sempre o próprio cientista.

Tristeza não tem fim

Por Julio Maier *

Desconfío actualmente del Derecho, del orden jurídico y de sus instituciones prácticas. Esa falta de confianza comprende también a los operadores jurídicos, los jueces y funcionarios judiciales, los abogados y hasta los docentes en Derecho, y a los principios que adornan esos oficios, de modo genérico, esto es, sin intención alguna de injuriar a alguien en particular. Me pregunto yo a mí mismo: ¿cómo pude edificar mi vida alrededor de esta profesión y de sus instituciones? Una de mis conferencias, originada en una conversación con bachilleres con vocación de juristas, versaba sobre “¿Para qué sirve el Derecho?”. Hoy debería escribir lo contrario: el Derecho es inservible, al menos para los fines magnánimos para los cuales yo lo concebía. Es un mecanismo de dominación, de exclusión.

En efecto, a la vejez viruela, he venido a experimentar que no hace falta una intervención violenta, armada, contra las instituciones democráticas para anularlas en un santiamén. Nunca pude imaginar –a pesar de las amenazas pronunciadas y de la conciencia de que no todo estaba antes “bien hecho”– a un gobierno que en el mejor de los casos ganó una elección por un mínimo porcentaje de votos, en segunda vuelta y con todavía menor participación parlamentaria, en cuestión de horas o días podía desvalijar el trabajo de más de una década, regresar a épocas pasadas, ya transitadas y con resultados más que desastrosos para la población, todavía persistentes. Sirvan de ejemplo, en nuestro país, la derogación práctica, por decreto administrativo, de una ley de medios audiovisuales elaborada en años y alabada universalmente, la cercenación de los fondos sustentables de jubilaciones y pensiones universales y de otros beneficios sociales, el derrumbe de la paciente elaboración –de mayor antigüedad aún– de un mercado regional (Mercosur) y la trágica falta de aplicación de una de sus leyes básicas respecto de su administración (que sólo la R. O. del Uruguay, aparte del país excluido, osó defender como vigente e insustituible por otra solución ilegítima, de conformidad con la norma internacional de creación), el desmantelamiento de medios y oficinas estatales de auxilio para el juzgamiento de crímenes contra la humanidad, el reconocimiento inmediato, casi anticipado, de un gobierno de un país vecino, socio principal integrante del Mercosur, surgido de aquello que calificadas opiniones titulan como “golpe de Estado blando” –opiniones quizá discutibles pero nunca ignorables–, la pérdida de soberanía política y económica a favor de otro país dominante y su área de influencia, que incluye a los organismos financieros globales (FMI, Banco Mundial), el regreso de la desocupación de dos dígitos, alimentada por la propia administración pública (despidos masivos sin fundamento), de la inflación de porcentajes estratosféricos, del dólar como moneda nacional de ahorro y exportación de capitales, la calificación de inservible del Derecho laboral y sus convenciones colectivas, en fin, sólo unos pocos ejemplos de lo visto en medio año de gobierno. Más tristemente aún: todo ello contó con la colaboración –cuando no traición– de la oposición parlamentaria, incluso de parte del grupo político antes gobernante, que expresa verbalmente una cosa y hace otra, y con la cuasiomisión de las autoridades de la mayoría de las organizaciones sindicales. Pero, además, se reprime a organizaciones sociales como la Tupac Amaru, integrada por pueblos originarios, a la que se rotula como asociación ilícita, y se priva de libertad a sus dirigentes y colaboradores por la tamaña felonía de demostrar públicamente contra el gobierno.

A ello se suma lo sucedido ahora en Brasil, la mayor potencia económica, territorial y de población de nuestra América meridional, suceso anticipado en Paraguay y en Honduras a manera de ensayo: la utilización formal de un mecanismo constitucional de excepción como regla, para sustituir a una jefa de gobierno, que presidía el país votada por una inmensa mayoría del pueblo, sentencia de un tribunal integrado por legisladores elegidos popularmente, senadores nacionales, incluso algunos de ellos de la coalición política gobernante y varios sospechados formalmente por corruptos, cuasiconfesos de que la imputación contra la jefa de gobierno era inexistente o, cuando menos, no se había demostrado o no justificaba la condena. De nuevo era trágico, pero risible, payasesca, la exposición de fundamentos de los condenantes, la mayoría de los cuales no sólo no se atenía a la imputación deducida, objeto de la defensa practicada por la propia jefa de gobierno, sino que, antes bien, con claridad, ignoraba por completo la imputación deducida contra ella. Tan es así que no se alcanzó mayoría para condenar a la acusada a la pérdida de sus derechos políticos, sanción prevista en el ordenamiento jurídico-constitucional brasileño; sólo fue sustituida en su cargo de presidente del país.

Esto me afirma sin más en mi condena al Derecho como inservible o, mejor aún, servible a gusto y paladar de quien lo aplica prácticamente, sin reglas hermenéuticas claras y precisas, abierto a cualquier interpretación según los ideales (¿?), la necesidad o el interés de quien juzga. Un instrumento como éste no “hace justicia” en sentido alguno, sólo aplica poder, de modo similar a la violencia física, sin vergüenza o, mejor, sinvergüenzas o “canallas”, como dijera el legislador que señaló a uno de los condenantes con el dedo, según informó en este mismo diario un periodista brasileño, Eric Nepomuceno. Así sucede también en la vida común, fuera del ámbito político. Para muestra basta un botón: observen la imputación de fiscales y una organización social a la presidenta anterior y a su canciller por “traición a la patria” o, si les resulta mas sencillo, visiten una cárcel.

* Profesor titular consulto de DP y DPP, UBA.

Página/12 :: El mundo :: Tristeza não tem fim

14/08/2016

Rede Globo, desde 1954 dando golpes

Ninguém que não seja um fascista ou analfabeto político, desculpe a redundância, sabe perfeitamente que todos os golpes, desde 1954, têm a participação da Rede Globo. Frustrou-se em 54, com Getúlio, mas teve êxito em 1964. Além das rupturas, a Rede Globo sempre conseguiu impor não só sua agenda, como também seus ventríloquos. Para quem ainda não viu, o documentário Muito Além do Cidadão Kane é um bom começo. O livro do Daniel Herz, a História Secreta da Rede Globo documenta e mostra cada um dos episódios em que a Rede Globo fraudou a democracia e promoveu seus negócios.

Em 1964 a Rede Globo fez editorial saudando a chegada da ditadura. Recentemente reconheceu que foi um erro mas jamais pediu desculpas nem devolveu o que recebeu em troca do golpe. Seu dia a dia é recheado de pequenos e grandes golpes. Pequeno golpe foi distorcer o debate entre Lula e Collor. Grande golpe foi fazer publicar um livro com o título “Não Somos Racistas” para criminalizar as políticas de inclusão sociais e raciais do Governo Lula. Diariamente aparecem manifestações racistas de todo tipo, mas, para a Rede Globo, não há racismo. Para a Rede Globo, se os fatos não estão de acordo com suas más intenções, pior para os fatos. A obsessão em criminalizar o grande molusco não passa de cortina de fumaça para esconder suas relações, via Miriam Dutra & Brasif, com FHC. Com suas baterias voltadas contra a família Silva, as famiglias criminosas ganham imunidade para continuar atuando. Não por acaso silencia a respeito do primeiro a ser comido, de Eduardo CUnha, mesmo sabendo que Cláudia Cruz está com ele desde que era sua funcionária. Assim como Miriam Dutra, Cláudia Cruz saiu para continuar sendo…

As práticas da Rede Globo se submetem à Lei Rubens Ricúpero, revelada no Escândalo da Parabólica. Na ocasião os representantes de FHC & Rede Globo fizeram publicar uma cláusula pétrea do modus operandi da Rede Globo: “O que é bom a gente mostra, o que é ruim a gente esconde”…  Se lavar dinheiro no Panama Papers ou sonegar as Copas de 2002 e 2006 já é muito, mas não é tudo. Temos de lembrar da PROCONSULT, quando a Rede Globo tentou roubar a eleição de Leonel Brizola. A perseguição a Lula e sua família é uma verdadeira cortina de fumaça para proteger Eduardo Cunha, Romero Jucá, Michel Temer, Eliseu Rima Rica, Renan Calheiros e qualquer bandido que esteja, a seu serviço, na política.

Infelizmente, seu poder de recrutar midiotas que a seguem bovinamente parece interminável. A Plutocracia brasileira chegou ao ápice ao apoiar a Cleptocracia que tomou o Planalto Central na mão leve.

De nada adianta apenas culpa em Temer, Serra, Aécio, CUnha, Ana Amélia Lemos. Eles são apenas os marionetes atuais dos interesses da Rede Globo. Estes passam, mas desde 1954 a Rede Globo permanece dando as cartas em todos os ramos da nossa sociedade. Recruta, mediante a farta distribuição de estatuetas, quem lhe possa ser útil.

Ou o Brasil acaba com a Rede Globo ou a Rede Globo ainda transformará o Brasil num seu puteiro.

 

FORA TEMER VOLTA COM FORÇA TOTAL NO MINEIRÃO

Publicado em agosto 13, 2016 por Luiz Müller

:

No jogo de futebol feminino entre Brasil e Austrália nesta sexta no Mineirão, em Belo Horizonte, os torcedores voltaram a protestar pela saída do presidente interino, Michel Temer, com todas as forças; em um vídeo, um segurança dá as instruções a um grupo: “Temer vocês podem erguer à vontade! Mas tem símbolo da Globo, aí não pode!”; a Justiça Federal rejeitou ontem recurso do Comitê Rio 2016 e manteve liminar que permite a realização de protestos políticos nas arenas da Olimpíada do Rio; confira alguns vídeos

Do Brasil 247 – O jogo de futebol feminino entre Brasil e Austrália pela Olimpíada do Rio de Janeiro, que terminou em vitória para o Brasil nos pênaltis, nesta sexta-feira 12 no Mineirão, em Belo Horizonte, foi dominado por protestos contra o presidente interino, Michel Temer, nas arquibancadas.

Os registros foram feitos no mesmo dia em que a Justiça manteve liminar que permite a realização de protestos políticos nas arenas dos Jogos. Com a decisão, a Justiça Federal (TRF 2) rejeitou recurso do Comitê Rio 2016 que pretendia derrubar a liminar que permite os protestos.

Em um vídeo publicado pelo Mídia Ninja, uma orientação nova aos torcedores manifestantes: “Temer vocês podem erguer à vontade! Mas tem símbolo da Globo, aí não pode!”. Assista alguns dos protestos:

https://www.facebook.com/midiaNINJA/videos/698694720288676/

https://www.facebook.com/midiaNINJA/videos/698661706958644/

https://www.facebook.com/midiaNINJA/videos/698632640294884/

 

FORA TEMER VOLTA COM FORÇA TOTAL NO MINEIRÃO | Luíz Müller Blog

26/07/2016

Teoria da DependênCIA, de FHC & CIA

FHC & ClintonCom nojo dos nossos grupos mafiomidiáticos, vejo  todos os dias a RAI, Rede Internacional de Televisão Italiana. É uma espécie de fuga, confesso, e de saúde mental, gostaria de crer. Não perco os episódios “Un giorno nella Storia”. Hoje, por exemplo, falava de Vitaliano Brancati, um escritor siciliano que flertou com o início do fascismo mas que cedo renegou-o. Não é a todos que é dado a capacidade de identificar o ovo da serpente. Alguns só se dão conta depois de serem picados.

Poucos descobriram em FHC um agente dos interesses norte-americanos. Menos ainda foram os que denunCIAram seu trabalho de quinta coluna. Eleito e tendo feito das tripas  coração para destruir, com o PDV e a privataria, pouco se associou seus antecedentes teóricos com a prática no executivo.

Afinal, será que é tão difícil assim entender que a Teoria da Dependência é seu tributo aos seus finanCIAdores ideológicos. Se eu disser que só serei independente se depender de meu pai, dirão que sou louco, mas essa tem sido o projto de vida de FHC: o Brasil só se tornará um país independente se submeter aos EUA. FHC acredita que é melhor viver de migalhas, embaixo da mesa, do que tentar participar do banquete. Nunca uma personagem da história do Brasil encarnou tão bem o Complexo de Vira-Lata. Quando teve a oportunidade, FHC pôs em prática sua teoria, de subserviente. O modelo fracassou de público e crítica.

A eleição de Lula foi um giro de 180º. Pegou um time desacreditado em si e transformou em campeão da transformação social. Não só em termos econômicos, mas na esperança de chegar à universidade, de ter acesso aos serviços públicos, como saúde, mas, sua primeira iniciativa foi atuar para que os miseráveis pudessem fazer pelo menos 3 refeições por dia. Nem precisa dizer que sofreu todo tipo de boicote e ódio. Basta citar apenas dois episódios emblemáticos: Danusa Leão, musa da plutocracia, manifestando sua inconformidade com o fato de ter de dividir aeroportos internacionais com filhos de empregadas domésticas. O segundo exemplo foi dado por um funcionário da RBS, Luis Carlos Prates, representante máximo da cleptocracia midiática, que se mostrou inconformado com o fato de que, nos governos petistas, “qualquer miserável agora pode ter um carro”. 

As cinco famílias que dominam os tradicionais meios de comunicação (Civita, Frias, Mesquita, Marinho & Sirotsky) atuam como caranguejos no balde: quando um pobre caranguejo está buscando sair do balde, os outros o puxam pelas pernas. Bastou o Brasil respirar um pouco de democracia para que a plutocracia se insurgisse e construísse esse golpe paraguaio. Um golpe que coloca no comando da nação um exemplo clássico de quadrilha a serviço. Minam as esperanças e entregam o patrimônio, arduamente construído por todos os brasileiros,aos moldes dos antigos sátrapas persas.

E tudo isso se tornou possível, inclusive o golpe em curso, graças ao amestramento da manada de midiota que tem na Rede Globo sua égua madrinha. Tanto é assim que hoje a justiça já não é mais aquela ditada pelo STF, mas pelo Merval Pereira, o porta-boss da elite cleptocrata.

A vocação suicida da elite. Por Eleonora de Lucena

Por Fernando Brito · 26/07/2016

A natureza colonial de nossa elite, antes de significar a adesão à metrópole, implica a renúncia à ideia de ter um destino próprio. Ela  não se vê e não se quer como parte – privilegiada que seja – de uma nação, para o que é necessário compreender pertencer a um povo.

Num rabisco sociológico, não tem sentimentos de pertença – de ligação natural, de mesmo heterogênea, fazer parte de uma coletividade nacional. O prior, ainda seguindo este esboço, é que esta elite serve como referência para um grupo imensamente – e ponha imensamente num país com o grau de urbanização e o tamanho do Brasil – que a elas imita, porque a ele quer e crê pertencer.

Duro, mas preciso, o artigo da jornalista Eleonora de Lucena, na Folha de hoje, é um retrato agudo do comportamento desta elite, que não é apenas suicida, porque mata, ou tenta matar ao longo da história, a vocação do Brasil para ser uma das grandes – e certamente a de mais “biodiversidade” humana – nações deste planeta.

Escracho

Eleonora de Lucena*, na Folha

A elite brasileira está dando um tiro no pé. Embarca na canoa do retrocesso social, dá as mãos a grupos fossilizados de oligarquias regionais, submete-se a interesses externos, abandona qualquer esboço de projeto para o país.

Não é a primeira vez. No século 19, ficou atolada na escravidão, adiando avanços. No século 20, tentou uma contrarrevolução, em 1932, para deter Getúlio Vargas. Derrotada, percebeu mais tarde que havia ganho com as políticas nacionais que impulsionaram a industrialização.

Mesmo assim, articulou golpes. Embalada pela Guerra Fria, aliou-se a estrangeiros, parcelas de militares e a uma classe média mergulhada no obscurantismo. Curtiu o desenvolvimentismo dos militares. Depois, quando o modelo ruiu, entendeu que democracia e inclusão social geram lucros.

Em vários momentos, conseguiu vislumbrar as vantagens de atuar num país com dinamismo e mercado interno vigoroso. Roberto Simonsen foi o expoente de uma era em que a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) não se apequenava.

Os últimos anos de crescimento e ascensão social mostraram ser possível ganhar quando os pobres entram em cena e o país flerta com o desenvolvimento. Foram tempos de grande rentabilidade. A política de juros altos, excrescência mundial, manteve as benesses do rentismo.

Quando, em 2012, foi feito um ensaio tímido para mexer nisso, houve gritaria. O grupo dos beneficiários da bolsa juros partiu para o ataque. O Planalto recuou e se rendeu à lógica do mercado financeiro.

Foi a senha para os defensores do neoliberalismo, aqui e lá fora, reorganizarem forças para preparar a reocupação do território. Encontraram a esquerda dividida, acomodada e na defensiva por causa dos escândalos. Apesar disso, a direita perdeu de novo no voto.

Conseguiu, todavia, atrair o centro, catalisando o medo que a recessão espalhou pela sociedade. Quando a maré virou, pelos erros do governo e pela persistência de oito anos da crise capitalista, os empresários pularam do barco governista, que os acolhera com subsídios, incentivos, desonerações. Os que poderiam ficar foram alvos da sanha curitibana. Acuada, nenhuma voz burguesa defendeu o governo.

O impeachment trouxe a galope e sem filtro a velha pauta ultraconservadora e entreguista, perseguida nos anos FHC e derrotada nas últimas quatro eleições. Privatizações, cortes profundos em educação e saúde, desmanche de conquistas trabalhistas, ataque a direitos.

O objetivo é elevar a extração de mais valia, esmagar os pobres, derrubar empresas nacionais, extinguir ideias de independência. Em suma, transferir riqueza da sociedade para poucos, numa regressão fulminante. Previdência, Petrobras, SUS, tudo é implodido com a conversa de que não há dinheiro. Para os juros, contudo, sempre há.

Com instituições esfarrapadas, o Brasil está à beira do abismo. O empresariado parece não perceber que a destruição do país é prejudicial a ele mesmo. Sem líderes, deixa-se levar pela miragem da lógica mundial financista e imediatista, que detesta a democracia.

Amargando uma derrota histórica, a esquerda precisa se reinventar, superar divisões, construir um projeto nacional e encontrar liderança à altura do momento.

A novidade vem da energia das ruas, das ocupações, dos gritos de “Fora, Temer!”. Não vai ser um passeio a retirada de direitos e de perspectiva de futuro. Milhões saborearam um naco de vida melhor. Nem a “teologia da prosperidade” talvez segure o rojão. A velha luta de classes está escrachada nas esquinas.

*Eleonora de Lucena é repórter especial da Folha e foi Editora-executiva do jornal de 2000 a 2010

A vocação suicida da elite. Por Eleonora de Lucena – TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

25/05/2016

Cadê a manada da RBS?

John Travolta encontra no Parcão indícios da Operação Zelotsky…

1wdmzm

22/10/2015

Jornalismo de aluguel

Temos um notório corrupto na Presidência da Câmara, mas a Folha entende que não vem ao caso. Prefere não desviar o foco de seu ódio eterno, Lula. Apesar de todas as provas contra Eduardo CUnha, a Folha ainda não fez uma boa reportagem explicando aos brasileiros o histórico deste filhote de PC Farias. As relações de Lula e Dilma estão em abalo sísmico, mas as revelações da Suíça a respeito da corrupção do Eduardo Cunha não provoca nem coceira no jornalixo da Folha.

folha spA Folha de São Paulo mantém-se na cruzada de caça ao Lula. E para isso não medem esforços exatamente porque faz jornalismo sem escrúpulos. As contínuas e sucessivas tentativas de contraporem Lula e Dilma baseia-se exclusivamente na fonte dos desejos. Não há nunca um único fiapo de prova. Pior, os fatos provam exatamente o contrário, mas para o jornalismo de aluguel do golpe paraguaio, se os fatos não estiverem de acordo com as intenções golpistas pior para os fatos.

Alguém consegue imaginar jornais alemães vinculando os crimes praticados pela Volks ao governo da Angela Merkel. Alguém vinculou à famiglia Mesquita o assassinato da jornalista Sandra Gomide pelo Diretor de Redação do Estadão, Pimenta Neves?! Alguém cobra a família Sirotsky pelo estuprador de Florianópolis? Alguém cobra da Rede Globo por abrigarem em seu seio inveterados consumidores de cocaína? Ou o consumo de cocaína não alimenta o narcotráfico?

Então estamos assim, o ex-presidente FHC admite que não só sabia da corrupção na Petrobrás como nada fez para punir os corruptos como pretendia usar a corrupção para vender a empresa. Chegou a dar o primeiro passo, transformando para Petrobrax. A corrupção no governo FHC chegou a provocar pelo menos uma morte, a de Paulo Francis.

O ódio ao PT, Lula e Dilma se inscreve ao fato de adotarem, em termos de combate à corrupção, uma política bíblica de não deixar “pedra sobre pedra”. Dá para ver a diferença ou precise que desenhe?!

Aliados de Lula reprovam frase de Dilma Rousseff sobre corrupção

POR PAINEL – 22/10/15 02:00

Abalo sísmico Pegou muito mal no Instituto Lula o bate-boca de Dilma Rousseff com o chefe da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Para interlocutores do petista, a frase “meu governo não está envolvido em escândalo de corrupção”, proferida pela presidente da República em resposta ao peemedebista, soou como indireta à gestão de seu antecessor. As irritações de Lula com sua sucessora há muito deixaram de ser segredo. Mas o episódio tende a ampliar a fissura na relação entre criador e criatura.

Temperatura Um petista de São Paulo assim resumiu o humor no partido sobre a declaração de Dilma: “O cara no meio de uma saraivada, e ela parece jogar o tema da corrupção no colo dele”.

24/09/2015

Premiar Alckmin pela gestão hídrica equivale a DEA premiar Aécio

OBScena: Folha de 20/10/2014 explica prêmio gestor hídrico ao Alckmin

Folha 20102014A Drug Enforcement Administration (Órgão para o Controle/Combate das Drogas) é um órgão de polícia federal do Departamento de Justiça dos Estados Unidos encarregado da repressão e controle de narcóticos. Sendo um órgão norte-americano, eu não me admiraria se a DEA, mesmo com as informações da revista TMZ, conferisse ao Aécio Neves o prêmio aviãozinho do combate aos entorpecentes. A SABESP não é uma DEA nem Alckmin um Aécio, mas a premiação da Câmara dos De-puta-dos equivale a dar guarda de creche a pedófilo.

Da mesma forma, não há porque se admirar que um órgão comandado por este varão de Plutarco, Eduardo CUnha venha coroar os mais de 20 anos de PSDB em São Paulo com esta honraria. O racionamento d’água, que os jornais tratam eufemisticamente por crise d’água para esconder a crise de gestão, é algo impensável num país onde abundam os recursos hídricos.

É tão acintoso quanto compreensível. Eu não pensaria outra coisa de uma Câmara de Deputados que tem um paulista campeão de votos chamado Tiririca. Pior do que ele, outro paulista, Marco Feliciano. Como se isto não bastasse e para enaltecer o prêmio, o capitão mor das maracutaias, Eduardo CUnha. O prêmio da Câmara se equivale em desfaçatez à estatueta que a Rede Globo deu às “chicanas” do Assas JB Corp.

Pensando bem, num pais onde parcela da população pede às empregadas para baterem panela, onde nada do que se faz aqui em comparação com que se faz na terra da Volkswagen, onde as pessoas vestem camisas da CBF do José Maria Marin, Ricardo Teixeira, Marco Polo del Nero, para pedir menos corrupção, onde se quer trocar uma Presidenta, contra a qual não paira a menor denúncia, por um notório Napoleão de Hospício, nada pode ser impossível.

Premiação é inoportuna e acintosa, dizem entidades

FABRÍCIO LOBELDE SÃO PAULO

Entidades sociais e ambientais criticaram a premiação que será dada pela Câmara dos Deputados ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), pela gestão de saneamento e recursos hídricos no Estado.

Édison Carlos, do Instituto Trata Brasil, reconhece que São Paulo é o mais avançado em saneamento (justificativa dada para a concessão do prêmio), mas, segundo ele, nenhum Estado deveria ser premiado, já que todos estão muito longe de níveis satisfatórios de saneamento.

São Paulo, inclusive, não trata nem metade de seu esgoto. Édison disse acreditar que o momento para o prêmio é "inoportuno".

Para Mario Mantovani, diretor de políticas públicas da Fundação SOS Mata Atlântica, o prêmio é "equivocado" diante do momento vivido pelo Estado. "Acredito que a repercussão foi mais negativa do que positiva para o governador", diz ele.

Já para Carlos Thadeu, do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), a escolha de Alckmin para a premiação é um "acinte". "Milhares de pessoas passam por graves casos de falta de água e o governador é premiado. Não faz sentido", questiona.

Para Marussia Whately, da rede Aliança Pela Água, a concessão do prêmio "beira a falta de respeito com as pessoas que sofrem e ainda sofrerão com os efeitos da crise hídrica no Estado".

"Já é de conhecimento público, e inclusive citado em relatórios do Tribunal de Contas do Estado, que é falta de planejamento da gestão Geraldo Alckmin", diz sobre os problemas de abastecimento.

Para ela, prova disso é o fato de recursos que deveriam ser alocados em ampliação da rede de esgoto estarem sendo investidos de maneira emergencial na obtenção de água.

O presidente do sindicato dos funcionários da Sabesp, Renê Vicente, diz acreditar que o prêmio foi dado ao governador para dar visibilidade a Alckmin. "Não é hora de receber prêmio, mas de trabalhar para livrar São Paulo do risco de colapso de seus reservatórios."

Vicente diz ainda achar estranho que o deputado que indicou Alckmin ao prêmio, o tucano João Paulo Papa, tenha sido diretor da Sabesp.

"Parece uma autopromoção, já que o prêmio advém de alguém que era do seio da administração da Sabesp", argumenta.

28/06/2015

O que o helicóptero do pó tem a ver com a liberação da maconha?

Filed under: hiPÓcrita,Maconha,Patife — Gilmar Crestani @ 12:05 pm
Tags:

fhc-trip-maconha

Há que se admirar a capacidade dos bandidos em jogar a culpa de seus crimes nas costas dos outros. Diante de tanta desfaçatez, melhor seria Fernandinho Beira-Mar na Presidência da Câmara. Pelos menos entregaria o produto com rótulo correto.

Eduardo CUnha é o retrato pronto e acabado saído das tintas dos finanCIAdores do Instituto Millenium.

Por acaso os Perrella votam no PT? O Casagrande vota no PT? O Aécio Neves vota no PT? Com a palavra, Eduardo Cunha.

A frase atribuída ao office-boy dos empresários talvez explique a relação que existe entre o  helipóptero com a campanha de FHC pela liberação da maconha. Seria por isso que eles riem à toa?!

Cunha ofende 54 milhões de eleitores de Michel Temer

27 de junho de 2015 | 11:55 Autor: Miguel do Rosário

ScreenHunter_5938 Jun. 27 11.54

É impressionante o desrespeito com que Eduardo Cunha, cujo cargo de presidente da câmara deveria lhe conferir mais moderação, trata dezenas de milhões de eleitores do PT.

Em 2014, somente Dilma Rousseff obteve 54 milhões de votos.

O PT foi o partido mais votado no Congresso Nacional e tem a maior bancada dentre todos os partidos.

É o partido que o povo brasileiro escolheu para governar o país há 12 anos, auferindo o seu poder do sagrado sufrágio universal.

Dilma elegeu-se numa chapa com o PMDB. Ela, do PT, como presidente, e Michel Temer, do PMDB, como vice-presidente?

O que diz Cunha diante de correspondente estrangeiros?

Ao falar sobre a sua opinião contra a legalização das drogas, Cunha citou um vídeo satírico contra o PT. “O vídeo diz o seguinte: [o viciado] começa na maconha, passa para a cocaína e acaba votando no PT”, disse Cunha no evento destinado aos jornalistas estrangeiros. A coletiva foi concedida no hotel Windsor Guanabara, no Rio de Janeiro.

Que vulgaridade!

Repare que Cunha faz pior do que ofender o PT. Ele ofende seus eleitores, ou seja, a maioria do povo brasileiro, e as pessoas mais simples, que votaram no PT porque entenderam que é o partido que lhes ajudou a melhorar um pouco de vida.

Ofende inclusive os milhões de eleitores que votaram simultaneamente no PT e no PMDB.

Os eleitores de Michel Temer, o presidente de seu partido, também são drogados, Cunha?

A frase de Cunha traz uma carga fortíssima de preconceito.

Ora, o grosso do consumo de drogas se dá entre as classes mais abastadas.

O PT tem tido votos majoritariamente entre os mais pobres.

A asserção de Cunha, além de preconceituosa e ofensiva, é mentirosa.

A maioria dos consumidores de drogas pesadas não vota no PT.

Olha que eu considerei as drogas que, na minha opinião, são as mais pesadas: Globo e Veja.

Ah, o Cafezinho é a favor da liberação das drogas, ou seja, defendemos que as pessoas tenham liberdade de ler Globo quando quiserem.

Mas defendemos também que o Estado deveria ampliar suas campanhas para alertar as pessoas sobre os perigos que correm ao consumir drogas tão pesadas.

***

Cunha ironiza o PT: ‘Começa na maconha, vai para cocaína e vota no PT’

Na entrevista, Cunha também criticou a política externa do atual governo e disse que a coalizão mantida pela base aliada à presidente Dilma foi para o CTI – Centro de Tratamento Intensivo

POR CONGRESSO EM FOCO | 26/06/2015 18:30

Em entrevista a jornalistas estrangeiros, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), alfinetou mais uma vez ao PT e insinuou que seus eleitores eram viciados em drogas.

Ao falar sobre a sua opinião contra a legalização das drogas, Cunha citou um vídeo satírico contra o PT. “O vídeo diz o seguinte: [o viciado] começa na maconha, passa para a cocaína e acaba votando no PT”, disse Cunha no evento destinado aos jornalistas estrangeiros. A coletiva foi concedida no hotel Windsor Guanabara, no Rio de Janeiro.

“Temos uma elite que quer a droga, mas não quer o traficante, e as duas coisas são insociáveis. O consumo de drogas é o fator gerador da venda. É óbvio que a liberação das drogas vai aumentar o consumo e estimular maior violência associada ao consumo”, defendeu Cunha.

O presidente da Câmara também disse que, com a sua gestão, o Poder Legislativo ganhou “autonomia”. “Nós mudamos esse paradigma de que a pauta tem que ser única e exclusivamente a pauta do Executivo”, declarou ele. “A oposição abriu mão de obstruir e passar a discutir e votar os temas. Esse é o conceito que estamos introduzindo. O Parlamento conseguiu mais de 30 votações de emendas constitucionais em duas semanas. Essas trinta votações são inéditas. Nunca houve, mesmo em um ano, 30 votações de emendas constitucionais”, complementou.

Na entrevista, Cunha também criticou a política externa do atual governo e disse que a coalizão mantida pela base aliada à presidente Dilma foi para o CTI [Centro de Tratamento Intensivo]. ”Não temos um presidencialismo de coalizão. Temos um presidencialismo de cooptação”, disse. “Esse parlamentar que votava para o governo, única e exclusivamente, para garantir sua emenda, não apenas nesse governo, mas em qualquer governo, hoje ele vota pela sua consciência”, complementou.

O presidente da Câmara também ratificou que dificilmente o PMDB manterá a aliança com o PT nas eleições de 2018. Conforme informou o Congresso em Foco nesta semana, a intenção do partido é lançar candidato próprio.

Alem disso, Cunha informou que a Comissão Especial do Pacto Federativo concluirá os trabalhos na semana que vem, e a primeira proposta de emenda à Constituição deve ser votada no próximo semestre. Segundo Cunha, “a emenda proíbe transmitir encargos para estados e municípios, sem os respectivos recursos. Esse é o primeiro sinal para acabar com o processo que existe hoje, de transferência de obrigações sem dar capacidade aos entes federados de sobreviverem”.

Ao afirmar que estados e municípios estão no caminho da falência, o deputado garantiu que se esforçará para que o pacto represente um reequilíbrio de forças entre os entes federados. “Ninguém pode gastar aquilo que não tem condições de fazê-lo, nem obrigação que não tenha como financiar. Claro que no tempo, a União, obviamente, terá que pagar alguma coisa. Hoje, no momento de crise, não dá para achar que vai resolver o problema de todos tirando da União. Mas, programadamente essas coisas podem ser corrigidas”, salientou.

Cunha também afirmou que a Câmara pretende realizar uma reforma tributária que, de acordo com ele, fará o país alcançar um orçamento realista. “Precisamos efetivamente saber que tributos teremos para financiar despesas. Há uma inversão de valores no Brasil. Aqui o orçamento é votado no último dia do ano, de forma que ninguém conhece, e não tem a mínima seriedade, porque ninguém o aplica. Essa forma de fazer política é errada”, na sua avaliação.

Com informações da Agência Brasil

http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/cunha-alfineta-pt-e-classifica-eleitores-como-viciados-em-drogas/

Cunha ofende 54 milhões de eleitores de Michel Temer | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: