Ficha Corrida

05/09/2016

Tristeza não tem fim: Honduras, Paraguai, Brasil

Filed under: Argentina,Brasil,Golpe Paraguaio,Honduras,José Serra,Justiça — Gilmar Crestani @ 9:05 am
Tags:

Justiça_nProfessor de Direito Penal na Universidade de Buenos Aires se desencanta com o Direito. E justifica mostrando o que tem acontecido na América Latina. Na mesma toada e coincidentemente nesta mesma data, Juremir Machado da Silva conclui: “O direito é uma ideologia para ser usada conforme a ocasião.” Por razões diversas, a mesma sensação de desamparo quando se vê a própria OAB, pelas vias cloacais do Lamachia, se tornar braço jurídico do golpe paraguaio.

E aí aparece o Tarja Preta das Relações Exteriores querendo patentear o golpe para exporta-lo aos que ainda não foram golpeados:  “Serra quer exportar o golpe para o Mercosul

Volta uma velha sensação do direito romano retirado da Bíblia: “dar a César o que é de César”, modernizada com o “dar a cada um o que é seu”. Ao pobre, a pobreza; ao rico, a riqueza.

Gostaria de estar enganado, mas o direito me parece a única ciência cujo maior beneficiado é sempre o próprio cientista.

Tristeza não tem fim

Por Julio Maier *

Desconfío actualmente del Derecho, del orden jurídico y de sus instituciones prácticas. Esa falta de confianza comprende también a los operadores jurídicos, los jueces y funcionarios judiciales, los abogados y hasta los docentes en Derecho, y a los principios que adornan esos oficios, de modo genérico, esto es, sin intención alguna de injuriar a alguien en particular. Me pregunto yo a mí mismo: ¿cómo pude edificar mi vida alrededor de esta profesión y de sus instituciones? Una de mis conferencias, originada en una conversación con bachilleres con vocación de juristas, versaba sobre “¿Para qué sirve el Derecho?”. Hoy debería escribir lo contrario: el Derecho es inservible, al menos para los fines magnánimos para los cuales yo lo concebía. Es un mecanismo de dominación, de exclusión.

En efecto, a la vejez viruela, he venido a experimentar que no hace falta una intervención violenta, armada, contra las instituciones democráticas para anularlas en un santiamén. Nunca pude imaginar –a pesar de las amenazas pronunciadas y de la conciencia de que no todo estaba antes “bien hecho”– a un gobierno que en el mejor de los casos ganó una elección por un mínimo porcentaje de votos, en segunda vuelta y con todavía menor participación parlamentaria, en cuestión de horas o días podía desvalijar el trabajo de más de una década, regresar a épocas pasadas, ya transitadas y con resultados más que desastrosos para la población, todavía persistentes. Sirvan de ejemplo, en nuestro país, la derogación práctica, por decreto administrativo, de una ley de medios audiovisuales elaborada en años y alabada universalmente, la cercenación de los fondos sustentables de jubilaciones y pensiones universales y de otros beneficios sociales, el derrumbe de la paciente elaboración –de mayor antigüedad aún– de un mercado regional (Mercosur) y la trágica falta de aplicación de una de sus leyes básicas respecto de su administración (que sólo la R. O. del Uruguay, aparte del país excluido, osó defender como vigente e insustituible por otra solución ilegítima, de conformidad con la norma internacional de creación), el desmantelamiento de medios y oficinas estatales de auxilio para el juzgamiento de crímenes contra la humanidad, el reconocimiento inmediato, casi anticipado, de un gobierno de un país vecino, socio principal integrante del Mercosur, surgido de aquello que calificadas opiniones titulan como “golpe de Estado blando” –opiniones quizá discutibles pero nunca ignorables–, la pérdida de soberanía política y económica a favor de otro país dominante y su área de influencia, que incluye a los organismos financieros globales (FMI, Banco Mundial), el regreso de la desocupación de dos dígitos, alimentada por la propia administración pública (despidos masivos sin fundamento), de la inflación de porcentajes estratosféricos, del dólar como moneda nacional de ahorro y exportación de capitales, la calificación de inservible del Derecho laboral y sus convenciones colectivas, en fin, sólo unos pocos ejemplos de lo visto en medio año de gobierno. Más tristemente aún: todo ello contó con la colaboración –cuando no traición– de la oposición parlamentaria, incluso de parte del grupo político antes gobernante, que expresa verbalmente una cosa y hace otra, y con la cuasiomisión de las autoridades de la mayoría de las organizaciones sindicales. Pero, además, se reprime a organizaciones sociales como la Tupac Amaru, integrada por pueblos originarios, a la que se rotula como asociación ilícita, y se priva de libertad a sus dirigentes y colaboradores por la tamaña felonía de demostrar públicamente contra el gobierno.

A ello se suma lo sucedido ahora en Brasil, la mayor potencia económica, territorial y de población de nuestra América meridional, suceso anticipado en Paraguay y en Honduras a manera de ensayo: la utilización formal de un mecanismo constitucional de excepción como regla, para sustituir a una jefa de gobierno, que presidía el país votada por una inmensa mayoría del pueblo, sentencia de un tribunal integrado por legisladores elegidos popularmente, senadores nacionales, incluso algunos de ellos de la coalición política gobernante y varios sospechados formalmente por corruptos, cuasiconfesos de que la imputación contra la jefa de gobierno era inexistente o, cuando menos, no se había demostrado o no justificaba la condena. De nuevo era trágico, pero risible, payasesca, la exposición de fundamentos de los condenantes, la mayoría de los cuales no sólo no se atenía a la imputación deducida, objeto de la defensa practicada por la propia jefa de gobierno, sino que, antes bien, con claridad, ignoraba por completo la imputación deducida contra ella. Tan es así que no se alcanzó mayoría para condenar a la acusada a la pérdida de sus derechos políticos, sanción prevista en el ordenamiento jurídico-constitucional brasileño; sólo fue sustituida en su cargo de presidente del país.

Esto me afirma sin más en mi condena al Derecho como inservible o, mejor aún, servible a gusto y paladar de quien lo aplica prácticamente, sin reglas hermenéuticas claras y precisas, abierto a cualquier interpretación según los ideales (¿?), la necesidad o el interés de quien juzga. Un instrumento como éste no “hace justicia” en sentido alguno, sólo aplica poder, de modo similar a la violencia física, sin vergüenza o, mejor, sinvergüenzas o “canallas”, como dijera el legislador que señaló a uno de los condenantes con el dedo, según informó en este mismo diario un periodista brasileño, Eric Nepomuceno. Así sucede también en la vida común, fuera del ámbito político. Para muestra basta un botón: observen la imputación de fiscales y una organización social a la presidenta anterior y a su canciller por “traición a la patria” o, si les resulta mas sencillo, visiten una cárcel.

* Profesor titular consulto de DP y DPP, UBA.

Página/12 :: El mundo :: Tristeza não tem fim

11/12/2012

O STF e a interpretação da Constituição

Filed under: Golpismo,Honduras,Paraguai,STF — Gilmar Crestani @ 11:08 pm

Enviado por luisnassif, ter, 11/12/2012 – 12:34

Por JB Costa

Comentário ao post "Celso de Mello decide quem pode cassar mandatos"

Se o STF, por interpretação da Carta Magna determinar o fechamento do Congresso, os presidentes das duas Casas deverão obedece-lo, considerando que o Supremo é a única instância para fazer a exegese da Constituição?

Claro que isso é um raciocínio por absurdo cujo propósito é realçar que NENHUM dos três poderes tem prerrogativas absolutas nem incontestáveis. Se abrirmos frechas para isso, adeus democracia. By by a harmonia e a independência suscitada no art. 2º do "livrinho". O contencioso é entre prerrogativas de poderes. Não é uma pendengazinha simples , não.

Ora, se à Casa respectiva só cabe DECLARAR a perda do mandato, por que diabos, então, esse inciso? Foi, como já aventei em comentário anterior, de "brincadeirinha"?

Pode parecer redundância, ou mesmo truísmo, mas é sempre bom lembrar: todos os três poderes foram instituidos e devem atuar na forma como consagrado pelo Poder Constituinte Originário. Ou seja, interpretar não é inventar ou distorcer o sentido do exarado no Contrato. Observe que para os itens III, IV e V o §3º preconiza apenas DECLARAÇÃO por que NÃO HÁ CASSAÇÃO DE MANDATOS , mas a EXTINÇÃO. Já para os itens I, II e VI quando o motivo é a CASSAÇÃO, o § 2º deixa entrever sem nenhuma sombra de dúvidas que a prerrogativa é exclusiva da respectiva mesa a que estiver vinculado o parlamentar. O termo DECIDIDA é indubitável nesse aspecto.

Como diria aquele velho personagem da Escolinha do Prof. Raimundo: "há controvérsias".

O STF e a interpretação da Constituição | Brasilianas.Org

Marchadeiras do retrocesso

Filed under: Golpismo,Honduras,Paraguai,STF — Gilmar Crestani @ 10:55 pm

07:29, 10/12/2012 Paulo Moreira Leite

Em 1964, havia as marchadeiras do golpe militar. Eram aquelas senhoras que, de terço da mão, foram às ruas para denunciar a corrupção e a subversão, acreditando que iriam salvar a democracia.

Só ajudaram a instalar uma ditadura militar que o país até hoje não esqueceu.

Em 2012, temos uma marcha do retrocesso. Não há um golpe de Estado à vista.

Mas temos homens e mulheres em campanha para que o Supremo passe por cima do artigo 55 da Constituição e casse o mandato de três parlamentares condenados pelo mensalão.

Este número deve chegar a quatro em janeiro do ano que vem, quando José Genoíno deve assumir uma vaga como suplente.

A lei diz que, para cassar o mandato de um parlamentar, é preciso que a medida seja aprovada no Câmara ou no Senado, por maioria absoluta, em votação secreta, após ampla defesa.

Em vez de procurar votos no Congresso, como é obrigado a fazer todo cidadão interessado em mudanças de seu interesse, as novas marchadeiras querem uma cassação na marra.

Assim: o STF manda e o Congresso cumpre – mesmo que a Constituição diga outra coisa.

A desculpa é que estão preocupados com o decoro. Acham feio pensar que um deputado condenado a cumprir pena em regime fechado conserve suas prerrogativas de parlamentar. Concordo que é estranho. Muita gente acha que proibir a pena de morte é estranho. Mas está lá na Constituição. Muita gente acha que os índios e os negros não deveriam ter suas terras nem seus quilombos. Mas está lá.

Falta de decoro, que é sinônimo de falta de vergonha, de honradez, é defender que se desrespeite a Constituição.

Mas marchadeiros e marchadeiras são  assim. Foram à rua em 64 para combater a corrupção e a subversão e jogaram o país numa ditadura que só iria encerrar-se com a nova Constituição, em 1988, aquela mesma que se ameaça agora.

Não custa lembrar que o debate sobre cassação de mandatos tem poucas consequências práticas. Mesmo que a Câmara, cumprindo uma prerrogativa que a Constituição lhe oferece, resolva preservar seus mandatos,  eles sequer poderão voltar às urnas em 2014.  Já estarão enquadrados na Lei do Ficha Limpa. O que se discute, acima de tudo, é um direito.

É isso que se pode atingir.

Em 1988, 407 parlamentares votaram a favor do artigo 55, que define quem tem poderes para cassar mandato de senadores e deputados. Deixaram lá, por escrito, explicitamente, para ninguém ter duvida. A Câmara, no caso de Deputados. O Senado, no caso de senadores. Não há mas, porém, todavia.

E isso e pontdo.

É como bomba atômica. O Brasil assumiu o compromisso constitucional de não desenvolver energia nuclear com fins militares. Está lá e não se discute.

Por que se considera vergonhoso que a Câmara queira definir o destino de seus membros?

Porque está em jogo um princípio: apenas representantes eleitos pelo povo podem cassar o mandato de um representante eleito. Foi essa a grande lição de um país que saía de uma ditadura, iniciada com a promessa de que iria salvar a demoracia.

É uma regra coerente com a noção de soberania popular, de que todos os poderes emanam do povo “que o exerce através de representantes eleitos.”( Está lá, justamente no artigo 1).

Como recorda o deputado Marco Maia, em artigo publicado hoje na Folha de S. Paulo, o artigo 55 nasceu numa votação ampla e plural. Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, votaram  a favor.

Aécio Neves, apontado por FHC como candidato para 2014, também. Delfim Netto, que ainda exibia a coroa de tzar do milagre brasileiro da ditadura, também.

Isso quer dizer que havia um consenso político a respeito. Por que?

Não se discutia o motivo das cassações passadas. A imensa  maioria dos casos envolvia perseguição política notória, contra adversários que a ditadura queria   excluir da vida pública. Mas havia  corruptos de verdade entre aqueles que perdiam o mandato. Teve um governador do Paraná que foi afastado depois que foi gravado fazendo um pedido de propina. A fita com a gravação chegou ao Planalto e ele foi degolado.

Os constituintes se encarregaram de definir um ritual democrático para garantir o cumprimento da lei em qualquer caso.Não se queria uma democracia à paraguaia, onde as regras são vagas e pouco claras, permitindo atos arbitrários, como a deposição de um presidente que só teve duas horas para defender-se.

Ao contrário do que ocorre numa ditadura, quando o governo improvisa soluções ao sabor das conveniências e a Constituição é um enfeite para fazer discurso na ONU, numa democracia existem regras, que devem ser cumpridas por todos.

Isso permitiu que, em 1992, o Senado tivesse cassado os direitos políticos de Fernando Collor que, em 1994, julgado pelo Supremo, Collor foi absolvido por falta de provas válidas. Era contraditório? Claro que era.

Mas era o que precisava ser feito, em nome da separação entre poderes. Coubera ao Congresso fazer o julgamento político de Collor. Ao Supremo, coube o julgamento criminal.

No mais prolongado período de liberdades de nossa história moderna, o Brasil aprendeu que a única forma de livrar-se de uma lei errada é

apresentar um projeto de mudança constitucional, reunir votos e ir à luta no Congresso.

Vários artigos da carta de 1988 foram reformados, emendados e até extintos de lá para cá. Quem acha que o artigo 55 está errado, pode seguir o exemplo e tentar modificá-lo. Vamos lembrar quantas mudanças foram feitas nos últimos anos. Mudou-se o caráter de empresa nacional, permitiu-se a reeleição para mandatos executivos e muitas outras coisas mais, não é mesmo?

O caminho democrático é este.

Quem quiser cassar mandato dos deputados, só precisa reunir uma maioria de votos, no Congresso.  Se conseguir, leva. Se não conseguir, paciência.

ÉPOCA – Paulo Moreira Leite

Procurador do "mensalão" diz que Valério não mostrou provas

Filed under: Golpismo,Honduras,Paraguai — Gilmar Crestani @ 10:51 pm

Enviado por luisnassif, ter, 11/12/2012 – 17:27

Do G1

Para Barbosa, denúncia sobre elo de Lula com mensalão deve ser apurada

Presidente do STF diz que tomou conhecimento não oficial de depoimento.
À Procuradoria, segundo jornal, Marcos Valério envolveu Lula no mensalão.

Mariana OliveiraDo G1, em Brasília

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, afirmou nesta terça-feira (11) que Ministério Público deve apurar a acusação, feita por Marcos Valério, de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabia do esquema criminoso do mensalão. Durante intervalo da sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ao ser questionado por jornalistas se as acusações deveriam ser investigadas, ele disse: "Eu creio que sim".

Barbosa não respondeu se considerava a acusação grave e disse que tomou conhecimento "não oficial" do depoimento dado por Marcos Valério. "Tomei conhecimento oficioso, não oficial".

Segundo reportagem publicada na edição desta terça do jornal "O Estado de S. Paulo", Valério, apontado como operador do mensalão e condenado a mais de 40 anos de prisão pelo STF, disse em depoimento à Procuradoria-Geral da República, prestado em setembro, que Lula autorizou empréstimos dos bancos Rural e BMG para o PT com objetivo de viabilizar o esquema. Conforme a publicação, o dinheiro também foi usado para pagamento de "despesas pessoais" de Lula.

"O Estado S. Paulo" informa que teve acesso às 13 páginas do depoimento de três horas e meia dado por Marcos Valério no último dia 24 de setembro. De acordo com o texto, Valério procurou voluntariamente a Procuradoria-Geral após ter sido condenado pelo STF pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Em troca do novo depoimento e de mais informações sobre o esquema de desvio de dinheiro público para o PT, Valério pretende obter proteção e redução de sua pena.

saiba mais

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse nesta terça, por meio de sua assessoria de imprensa, que não vai se pronunciar sobre o assunto até o final do julgamento no STF. A Procuradoria já havia informado que novas informações repassadas por Marcos Valério não seriam incluídas na ação do mensalão, embora pudessem resultar na abertura de um novo processo em primeira instância, por exemplo.

Autor da denúncia do mensalão, o ex-procurador-geral da República Antonio Fernando de Souza afirmou que a abertura de um novo inquérito para investigar a eventual participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no esquema dependeria da apresentação de provas que apontassem a veracidade do depoimentode Valério ao Ministério Público Federal.

"A informação que eu tive é que esse depoimento é baseado no ‘eu acho’, ‘eu vi’, ‘me disseram’. Não sei o que o Ministério Público Federal tem a fazer, mas pelo que vi não tem nem o que fazer porque não tem documentos, não tem a data. Só tem a fala, sem indicação de como confirmar isso, pelo que sondei", disse.

O ministro Marco Aurélio Mello afirmou que "cabe a quem de direito tomar as providências" sobre o novo depoimento. "Cabe a quem de direito tomar providências. O que se deve destacar é que não há repercussão no processo da AP 470. Caberá ao Ministério Público avaliar. […] Se o procurador entender que há elemento e que deve pedir instauração de inquérito, cabe a ele. Não emito entendimento porque sei do depoimento pelos jornais", afirmou o ministro.

Ouvir Marcos Valério é propor transparência, é colocar todo o fato à luz, para que a sociedade possa dele tomar conhecimento"

Álvaro Dias, líder do PSDB no Senado

Oposição quer ouvir Valério
O líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PSDB-PR), afirmou que vai protocolar convite para que Marcos Valério preste explicações na Casa sobre depoimento dado à Procuradoria-Geral da República. "Vamos criar o fato político no Congresso. Ouvir Marcos Valério é propor transparência, é colocar todo o fato à luz, para que a sociedade possa dele tomar conhecimento".

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) classificou como "graves" as declarações de Marcos Valério e defendeu investigação pela Procuradoria-Geral da República. "[São] graves, na direção daquilo que a imprensa já havia publicado. Cabe a meu ver a PGR analisar que procedimentos tomará em seguida, se há novos indícios que possam modificar sua posição", disse.

O PPS também cobrou que o Ministério Público abra investigação para apurar o envolvimento de Lula no esquema do mensalão. "Diante das declarações dadas ao Ministério Público não resta outro caminho. É abertura imediata de inquérito", afirmou o presidente do partido, deputado Roberto Freire (SP).

Lamentável que denúncias sem nenhuma base na realidade sejam tratadas com seriedade"

Rui Falcão, presidente do PT, em nota

PT aponta ‘mentiras envelhecidas’
O Instituto Lula informou ao G1 que ele não pretende se manifestar sobre a reportagem. Mas, segundo a assessoria do instituto, se mudar de ideia, Lula se manifestará por meio de nota oficial.

O PT divulgou nota nesta terça lamentando a divulgação pela imprensa do depoimento de Valério à Procuradoria-Geral da República com supostas denúncias contra o ex-presidente Lula. Para o partido, "supostas afirmações" refletem apenas uma "tentativa desesperada de tentar diminuir a pena de prisão que Valério recebeu do STF".

Segundo a nota, assinada pelo presidente do PT, Rui Falcão, o depoimento é uma "sucessão de mentiras envelhecidas, todas claramente desmentidas". O partido considerou "lamentável que denúncias sem nenhuma base na realidade sejam tratadas com seriedade".

O advogado do ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, José Luís Oliveira Lima, afirmou, por meio de nota, que seu cliente "jamais" se reuniu no Palácio do Planalto com Marcos Valério, com o ex-presidente Lula e com o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares. O texto do criminalista foi publicado no blog que Dirceu mantém na internet. "A prova testemunhal e documental produzida na Ação Penal 470 (mensalão) demonstrou de maneira cabal que a nova declaração de Marcos Valério não tem qualquer procedência".

Valério cita reunião com Lula e Dirceu
O jornal informa que, aos procuradores, Marcos Valério disse que esteve com o então presidente Lula no Palácio do Planalto, acompanhado do então ministro da Casa Civil José Dirceu, sem precisar a data, e afirmou que Lula deu "ok" aos empréstimos do Banco Rural e do BMG para o PT. Valério também disse no depoimento, ainda segundo o "Estado de São Paulo", que repassou R$ 100 mil para despesas pessoais de Lula, por meio da empresa Caso, de Freud Godoy, então assessor da Presidência da República.
A CPI dos Correios, conhecida como CPI do Mensalão, comprovou recebimento de depósito de R$ 98,5 mil de Marcos Valério para a empresa Caso, segundo a reportagem do jornal. Ao investigar o mensalão, a CPI dos Correios detectou, em 2005, um pagamento feito pela SMPB, a agência de publicidade de Valério, à empresa de Godoy. O depósito foi feito, segundo dados do sigilo quebrado pela comissão, em 21 de janeiro de 2003.

O ex-assessor Freud Godoy disse ao G1que pretende processar Marcos Valério.
A reportagem do jornal afirma ainda que, no depoimento, Marcos Valério disse que o então presidente Lula e o então ministro da Economia, Antônio Palocci, fizeram gestões junto à Portugal Telecom para que a empresa repassasse R$ 7 milhões ao PT. Esses recursos teriam sido enviados por empresas fornecedoras da companhia, por meio de publicitários que prestavam serviço ao PT. Segundo a reportagem do jornal, as negociações com a Portugal Telecom estariam por trás da viagem a Portugal, em 2005, de Valério, seu ex-advogado Rogério Tolentino e o ex-secretário do PTB Emerson Palmieri.
De acordo com o relato da reportagem, Marcos Valério disse aos procuradores que o PT pagou as despesas de R$ 4 milhões com os advogados dele no processo do mensalão. O partido nega, segundo o jornal. Nesta terça, o presidente da legenda, Rui Falcão, disse em nota que o partido é alvo de uma "campanha difamatória".
No depoimento, segundo o texto, Valério contou que soube, em conversa com o ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira, que o empresário Ronan Maria Pinto vinha chantageando Lula, Dirceu e Gilberto Carvalho, ministro de Lula e do atual governo da presidente Dilma Rousseff, em razão do assassinato de Celso Daniel (PT), prefeito de Santo André. Outro empresário amigo de Lula, José Carlos Bumlai, teria pago R$ 6 milhões para comprar 50% do jornal "Diário do Grande ABC", que vinha publicando reportagens sobre o assunto.

Ainda de acordo com a reportagem, Marcos Valério acusou outros políticos de terem sido beneficiados pelo chamado valerioduto, entre eles o senador Humberto Costa (PT-PE). AoG1, Costa negou que tenha se beneficiado do esquema.
A reportagem relata ainda que Marcos Valério disse ter sido ameaçado de morte por Paulo Okamotto, atual diretor do Instituto Lula e amigo do ex-presidente. "Se abrisse a boca, morreria", disse o empresário no depoimento à Procuradoria-Geral da República. "Tem gente no PT que acha que a gente devia matar você", teria dito Okamotto a Valério, em encontro num hotel em Brasília, em data não informada pelo depoente, segundo o jornal.

Ao jornal "O Globo", Okamoto negou que tenha pressionado Valério e disse duvidar que o empresário tenha feito tais afirmações em depoimento à Procuradoria Geral da República.
Procurada pelo G1, a assessoria do Banco Rural informou que avalia se divulgará nota sobre o depoimento. O advogado de Marcos Valério, Marcelo Leonardo, afirmou ao G1 que vai se pronunciar após ler a reportagem. As demais pessoas mencionadas pela reportagem do "Estado de São Paulo" negaram as declarações.

Mensalão
Durante os quatro meses de julgamento, o Supremo concluiu que o mensalão foi um esquema articulado de pagamento de uso de recursos públicos e privados para pagamento a parlamentares em troca da aprovação no Congresso de projetos de interesse do governo Lula e condenou 25 dos 37 réus. Segundo a denúncia da Procuradoria Geral da República, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, condenado a mais de dez anos de prisão, foi o "chefe" do esquema, o que ele nega. (Veja 10 conclusões do STF sobre o caso.)

Procurador do "mensalão" diz que Valério não mostrou provas | Brasilianas.Org

18/05/2012

Terrorismo de Estado made in USA

Filed under: Assassinato,Honduras,Isto é EUA!,Terrorismo de Estado — Gilmar Crestani @ 8:09 am

 

La muerte de civiles hondureños salpica a la Agencia Antidroga de EE UU

Cuerpos especiales de la DEA aplican estrategias de guerrilla empleadas en Irak y Afganistán

Eva Sáiz Washington 17 MAY 2012 – 19:46 CET14

Agentes de la DEA durante una operación antidroga. / AFP

La supuesta implicación de agentes de la Agencia Antidroga de Estados Unidos (DEA en sus siglas en inglés) en dos operaciones contra el narcotráfico en Honduras con fuego cruzado, en las que murieron cuatro civiles, ha desatado la indignación de los ciudadanos de la nación centroamericana. La noticia, que ha publicado The New York Times, llega pocos días después de que se conociera que la DEA había enviado cuerpos de élite al país para instruir y acompañar a las brigadas de narcóticos hondureñas en las redadas contra los cárteles de la droga.

La DEA ha negado categóricamente que sus hombres efectuaran disparo alguno. “Trabajamos mano a mano con nuestros colegas hondureños, pero en ambas operaciones nos limitamos a servir de apoyo”, según declaraciones de la portavoz de la Agencia, Dawn Dearden, recogidas por The New York Times. Sin embargo, la presencia de agentes de EE UU en el país y las dudas que envuelven a estas dos operaciones han levantado las suspicacias de los ciudadanos y han puesto de manifiesto los riesgos de aplicar las técnicas de guerrilla empleadas en escenarios de guerra a la lucha contra el narcotráfico.

Alrededor del 90% de la cocaína procedente de Colombia y Venezuela llega a EE UU a través de Centro América y la tercera parte lo hace por Honduras

En la primera escaramuza, ocurrida el 6 de mayo, la refriega tuvo lugar cuando un comando compuesto por oficiales estadounidenses y hondureños se disponía a abortar un intercambio de cocaína. Los traficantes abrieron fuego y lograron escapar, de acuerdo con The New York Times. El viernes pasado, sin embargo, cuando otro equipo mixto confundió una embarcación de recreo con un bote que transportaba droga y disparó contra la tripulación, cuatro civiles, dos de ellos mujeres embarazadas, resultaron muertos, según la denuncia que hizo el alcalde de Ahuas, Lucio Baquedano, al diario Tiempo. El Gobierno de Honduras, sin embargo, comunicó que solo habían fallecido dos narcotraficantes.

Los agentes de la DEA destinados a Honduras —la mayoría veteranos de la guerra de Irak y Afganistán— tienen prohibido disparar salvo en casos de legítima defensa y no pueden intervenir aunque los efectivos hondureños o sus propios hombres estén en peligro. Además, deben informar previamente de todas las misiones a la embajadora de EE UU en el país centroamericano, quien está encargada de velar por que en ninguna se violen los derechos humanos.

Honduras se ha convertido en una de las principales prioridades de la política de lucha contra el tráfico de estupefacientes del Gobierno de Obama. Alrededor del 90% de la cocaína procedente de Colombia y Venezuela llega a EE UU a través de Centro América y la tercera parte de ese porcentaje lo hace por Honduras, donde la presencia de los cárteles, amparada por el desgobierno que impera en muchas zonas del país, es cada vez mayor.

Los cuerpos de élite de la DEA tienen prohibido disparar salvo en casos de legítima defensa

En la actualidad, la DEA posee tres bases en el país centroamericano, todas abiertas con el consentimiento del Gobierno de Tegucigalpa. Allí sus agentes instruyen a las fuerzas locales en las tácticas de guerrilla aprendidas en los dos países asiáticos para combatir a la insurgencia, según informó The New York Times el 5 de mayo.

No es la primera vez que las actividades de la DEA en otros países han suscitado críticas y reproches. En 2011, la agencia reconoció haber participado en operaciones de lavado de dinero en suelo mexicano para detectar dónde guardaban y cómo movían el dinero del contrabando de drogas las organizaciones criminales. Dos años antes, se descubrió la existencia del programa Rápido y Furioso, mediante el que el Gobierno de EE UU entregó armas a cárteles de México para conocer qué ruta hacían. Ambas estrategias pusieron en serio peligro la colaboración en la lucha contra el narcotráfico entre ese país y EE UU.

La política antidroga en Centro América sigue siendo un objetivo principal para EE UU. El Pentágono mantiene 200 equipos especiales en la zona para entrenar a los cuerpos de lucha contra estupefacientes de los países centroamericanos.

La muerte de civiles hondureños salpica a la Agencia Antidroga de EE UU | Internacional | EL PAÍS

08/05/2012

Honduras senza diritti

Filed under: Honduras,Manuel Zelaya,Roberto Micheletti — Gilmar Crestani @ 8:31 am

Depois do golpe consumado, com o apoio dos EUA e dos grupos mafiomidiáticos sul-americanos, o sub-produto em abundância é o crime. Tendo em conta a participação dos EUA, nem poderia ser diferente.

Honduras: un documentario e un’intervista sulla difficile situazione a Zacate Grande, dove si trova l’accampamento di osservazione dei diritti umani del Comitato dei Familiari dei Desaparecidos in Honduras.

Honduras: un documentario e un’intervista. Il video è stato girato nella penisola di Zacate Grande, dove si trova anche l’accampamento di osservazione dei diritti umani sostenuto dal COFADEH, il Comitato dei Familiari dei Desaparecidos in Honduras. Si tratta di un documento di grande valore (sottotitolato in italiano) perché è una testimonianza diretta delle problematiche vissute dalla stragrande maggioranza della popolazione rurale di questo paese nell’era post-golpe, cioè sotto la presidenza di Porfirio Lobo, succeduto a Manuel Zelaya dopo che questo fu cacciato manu militari dal paese nel giugno 2009 (cronologia golpe).

E’ un’autoproduzione che hanno girato Raffaella Mantegazza e Yukai Ebisuno in collaborazione con il Collettivo Italia Centro America CICA. L’idea era quella di raccontare attraverso la microstoria di Franklin e Pedro, leader di ADEPZA, l’organizzazione campesina Asociación por el Desarrollo de Península de Zacate (Associazione per lo sviluppo della penisola di Zacate), le ingiustizie che si stanno vivendo in Honduras dopo il colpo di stato del 2009. Per spiegare meglio l’emarginazione, gli abusi, il fenomeno dei paramilitari (o “polizie private”) e la povertà pubblico un’intervista a Raffaela che ha potuto toccare con mano la situazione e raccontarcela in modo diretto. Ringrazio Raffaella e Yukai per l’intervista, per le splendide foto allegate e i chiarimenti che vedrete e leggerete qui sotto.

L’Honduras attualmente il paese più violento del mondo, con un tasso di omicidi che supera le 80 unità per ogni 100.000 abitanti: per capirci, il famigerato Messico della guerra al narcotraffico mantiene comunque un tasso “ragionevole”, anche se drammaticamente in crescita da 5 anni, di 18 omicidi ogni 100.000 abitanti e solo alcuni stati del Nord come Chihuahua o Sinaloa superano la soglia dei 50. Il paese centroamericano ha vissuto una grave retrocessione democratica dopo il golpe, un aumento delle denunce per sparizioni forzate e violazioni gravi ai diritti umani mentre in economia fa affidamento sugli investimenti stranieri, anche in agricoltura o nell’energia, e sul fantomatico ideale delle città-modello o charter city, dei piccoli paradisi tipo Singapore isolati dal resto paese, delle isole finte di “primo mondo” che secondo il presidente trascineranno il resto dell’economia.

Quando e quanto tempo sei stata in Honduras?
Parlo al plurale perché sono stata in Honduras con il mio compagno Yukai con cui vivo e lavoro: siamo stati quasi 4 mesi, da fine settembre 2011 ai primi di gennaio 2012, nella penisola di Zacate Grande nel Golfo pacifico di Fonseca tra Salvador e Nicaragua, abitata da campesinos e pescatori, e poi nella regione di Intibucá, abitata principalmente da indigeni Lenca, come osservatori dei diritti umani e come foto-documentaristi, in collaborazione con il CICA (Collettivo Italia Centro America). Viviamo tra il Messico (dove vive metà della mia famiglia) e l’Italia, dove abitiamo in un ecovillaggio tra Torino e Milano, tra le risaie del novarese e ci dedichiamo, oltre alla nostra ricerca personale attraverso il mezzo audiovisivo, all’agricoltura biologica e all’organizzazione di eventi per proporre un stile di vita verso la decrescita. Attraverso il racconto di microstorie cerchiamo di indagare la realtà e allo stesso tempo proporre una riflessione critica del modello culturale dominante: per noi l’etica e l’estetica sono strettamente interconnesse e crediamo che l’atto creativo sia una forma di agire politico oltre che una ricerca espressiva.

Honduras senza diritti – AgoraVox Italia

01/12/2011

Honduras militariza su inseguridad

Filed under: Democracia made in USA,Direitos Humanos,Honduras — Gilmar Crestani @ 8:37 am

Sob patrocínio dos EUA, a ditadura implantada com o golpe militar que afastou Manuel Zelaya, perseguiu, prendeu e matou jornalistas, fechou veículos de comunicação, agora põe a pá de cal. Se os EUA exigem do Irã segurança para a embaixada Inglesa, por que os EUA não exigem democracia onde ajudaram a dar golpe de estado?

Según un decreto-ley, las funciones policiales descansan en manos de las Fuerzas Armadas, en forma temporal, para atender situaciones de emergencia que afecten a las personas y los bienes.

El Congreso hondureño aprobó por unanimidad un proyecto para que las Fuerzas Armadas realicen tareas de seguridad interior por el tiempo que dure la emergencia nacional que decrete el Ejecutivo. A partir de un decretoley de interpretación del artículo 274 de la Constitución, las funciones policiales descansan en manos de las Fuerzas Armadas, desde la noche del martes y en forma temporal, para atender aquellas situaciones de emergencia que afecten a las personas y los bienes. La decisión coincide con una crisis de imagen de la Policía Nacional. Desde diversos sectores políticos reclaman que la policía, cuestionada por sus vínculos con el crimen organizado y el narcotráfico –y cuyos miembros han sido acusados de cometer asesinatos y extorsiones, entre otros delitos– sea intervenida de inmediato. Sectores de la sociedad civil, académicos y políticos temen que el desembarco de las Fuerzas Armadas en las calles hondureñas reavive excesos y violaciones de los derechos humanos cometidos durante la dictadura en ese país.

El diario hondureño El Heraldo menciona que la norma destaca que “(las fuerzas de seguridad) podrán participar en forma permanente en la lucha contra el narcotráfico y además cooperar en el combate al terrorismo, tráfico de armas y el crimen organizado, a petición de la Secretaría de Seguridad”. Para realizar las funciones policiales en forma temporal, “el Poder Ejecutivo debe emitir el correspondiente decreto de emergencia, estableciéndose el término de vigencia de la norma y sus alcances”.

“Los fantasmas de los años ‘80, cuando las Fuerzas Armadas cometieron violaciones a los derechos humanos, no deben entorpecer esta decisión histórica, ya que estamos ante otro momento impactante en la vida nacional”, destacó Juan Orlando Hernández, dirigente del oficialista Partido Nacional. El presidente del Congreso instó por igual a oficiales y soldados a que dimensionen la responsabilidad que les toca asumir y “la confianza en ellos (los militares) que les estamos depositando”.

“El tigre está al acecho”, dijo el diputado Sergio Castellanos, de la centroizquierdista Unificación Democrática (UD). Y reconoció que siente temor de que se repitan los crímenes que dejaron, como saldo, al menos 182 desaparecidos y más de 200 asesinatos extrajudiciales cometidos por las Fuerzas Armadas. Pese a la inquietud del legislador, UD acompañó la norma que otorga facultades policiales a las Fuerzas Armadas.

Entretanto, la rectora de la Universidad Nacional Autónoma de Honduras (UNAH), Julieta Castellanos, llamó nuevamente al gobierno a tomar acciones que permitan la depuración policial, tras el asesinato de dos estudiantes –uno de ellos su hijo– por efectivos de las fuerzas de seguridad. “Creo que ningún funcionario público, ninguno que haya sido electo por el pueblo, puede darle la espalda a una demanda que es tan legítima como tener un órgano policial depurado y al servicio de la ciudadanía”, dijo Castellanos.

Al hablar ante el Congreso, la rectora pidió una intervención “nacional e internacional” de la policía que se lleve a fondo. Tanto para los representantes de la UNAH como para algunos sectores empresarios y organizaciones de defensa de los derechos humanos, las medidas que se tomaron hasta ahora para combatir la corrupción policial han sido superficiales.

El presidente hondureño, Porfirio Lobo, se resistió hasta ahora a intervenir la policía. En reiteradas oportunidades señaló que no se puede actuar a la ligera y que se debe dar tiempo para que el actual ministro de Seguridad, Pompeyo Bonilla, trabaje en la resolución del problema. Sin embargo, Lobo adelantó, con buena cintura política, que no se opondría a las recomendaciones que provengan de sectores de la sociedad sobre este asunto. El mandatario hondureño había enviado un mensaje al Congreso para que le diera herramientas jurídicas que permitieran a las Fuerzas Armadas realizar tareas policiales. Actualmente, los militares acompañan a los policías en tareas preventivas de seguridad, pero están bajo el mando de oficiales policiales y no pueden realizar arrestos y registros de viviendas. Honduras ostenta uno de los índices de homicidios más altos del mundo con 82,1 cada 100 mil habitantes.

Página/12 :: El mundo :: Honduras militariza su inseguridad

21/10/2011

Melhor só o silêncio da SIP & Instituto Millenium

Filed under: Honduras,Karla Rivas,Manuel Zelaya,Repórteres Sem Fronteira — Gilmar Crestani @ 7:24 am
Tags:

Foi tudo o que se viu publicado. O silêncio é absoluto, mas muito bem pago. É por isso que eles são a$$oCIAdos

GOLPISTAS

Reporteros sin Fronteras premió ayer a la periodista hondureña Karla Rivas, en reconocimiento a su labor desde el golpe de Estado de 2009 “y por su lucha contra la impunidad y la democracia” en ese país. Desde el golpe del 2009, en ese país fueron asesinados 16 periodistas por grupos armados. El premio llegó con otra noticia: la Corte Suprema hondureña sobreseyó ayer en forma definitiva a los militares golpistas que derrocaron al presidente Manuel Zelaya.

Página/12

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: