Ficha Corrida

28/09/2015

Minas a cabresto, sim!

OBScena: reunião de cópula do PSDB

FHC, Aécio Neves, José Maria Marin & Marco Polo del NeroQuando a Folha corta as asas de um tucano, temos que dar asas à imaginação…

A Folha abandona o Napoleão das Alterosas e abraça de vez a candidatura dos amigos do Marcola. Nesta manhã, ao lerem o editorial da Folha o pessoal do PCC deve ter tido a mesma sensação de Júlio César ao cruzar o Rio Rubicão: alea jacta est! O editorial vem casado com o artigo do ilibado membro da CBF/FIFA, João Dória Jr.

Como não lembrar de José Serra no Caso Lunus ou no artigo do Mauro Chaves no Estadão, “Pó pará, governador!”?!

Aliás, duvido que O Estado de Minas gaste pólvora com este chimango com outro “Minas a reboque, não”. Só os coxinhas e o MBL ainda acreditam em Aécio Neves e sua louca cavalgada em busca do santo Planalto Central. De modo que o abandonado o peso morto do tapetão do aviazinho mineiro, a Folha e demais membros do Instituto Millenium começam a edulcorar outro nome.

Os dados foram lançados. João Dória Jr. se lançou hoje, via Folha, para a Prefeitura de São Paulo.

Em breve deve ser lembrado do Marcola para o Governo do Estado de São Paulo. Ricardo Teixeira para o governo do Rio de Janeiro. E José Maria Marin e José Serra ou Geraldo Alckmin para o Planalto.

EDITORIAIS

editoriais@uol.com.br

Asas de um tucano

Oscilando entre a vulgaridade confessa e a sugestão picante, uma copiosa literatura de entretenimento se produz na Grã-Bretanha em torno da vida íntima da casa real.

A curiosidade e a titilação não se limitam aos atuais herdeiros do trono –estando a rainha Elizabeth 2ª, pelo que se sabe, acima de pecadilhos mundanos–, mas também a figuras do passado.

Um típico exemplar do gênero, de autoria de Stephen Clarke, dedicou-se recentemente às não muito discretas escapadas daquele que seria o futuro Edward 7º, rei da Inglaterra entre 1901 e 1910.

Submetido ao controle rigoroso de sua mãe, a rainha Vitória, o jovem Albert Edward encontrou maneiras de entregar-se a movimentados, e não propriamente discretos, lazeres em Paris.

A crônica histórica tende a tratá-lo, hoje, com salaciosa indulgência –a que se pode acrescentar uma dose de diplomacia, uma pitada de geopolítica. As sendas de uma produtiva "entente" entre França e Inglaterra puderam abrir-se, em parte, graças à desenvoltura do membro da realeza nos estabelecimentos alegres da cidade luz.

As relações entre Minas Gerais e o Rio de Janeiro, sem dúvida, não se mostram tão tensas como as que marcaram França e Reino Unido ao longo da história. No papel de governador de Minas, e de herdeiro reluzente nas ordens do tucanato, o atual senador Aécio Neves aprimorou com garbo, mesmo assim, os contatos interestaduais.

Foram 124 viagens suas ao Rio de Janeiro, nos sete anos e três meses em que foi governador (2003-2010), a maioria delas entre quinta-feira e domingo. Partissem os voos do aeroporto de Cláudio, ao menos Aécio teria tirado aquela obra, construída com dinheiro público em terras familiares, do triste abandono em que se encontra.

Embora feitas em avião oficial, o fato é que não se registraram justificativas de Estado para tanta movimentação. Decreto assinado pelo próprio Aécio Neves permitiu seu acesso a aeronaves públicas em deslocamentos pessoais, "por questões de segurança".

Não será fora de propósito, em todo caso, invocar o antigo mote da mais alta condecoração britânica, a Ordem da Jarreteira: "honni soit qui mal y pense". Abominado seja quem pensar mal de tudo isso. Os ingleses entendem do assunto.

    19/10/2014

    Saiba onde nascem todas as denúncias contra Aécio

     

    Mídia e PSDB paulistas expuseram vida pessoal de Aécio

    Weden -sab, 18/10/2014 – 10:24 – Atualizado em 18/10/2014 – 12:13

    Há uma enorme hipocrisia no ar. Quando o PT e a rede trazem para campanha fatos dos hábitos "heterodoxos" de Aécio Neves, tanto como governador quanto como senador, não fazem mais do que repetir o que o próprio tucanato paulista trouxe à tona, através de seus jornalistas aliados, quando o político mineiro ameaçava a campanha de Serra à Presidência.

    Mesmo depois da eleição de 2010, a imprensa paulista continuou trazendo fatos delicados da vida do atual candidato, porque esperava ver um paulista candidato de novo. Mesmo que mais recentemente pareçam "se esquecer" do que fizeram, porque hoje apoiam Aècio, e criticar a atitude petista. Mas como esta afirmação é delicada, importante será mostrar as fontes que comprovam o que estamos falando.

    Por exemplo. O suposto uso de cocaína pelo ex-governador foi insinuado por um jornalista diretamente ligado ao também ex-governador José Serra. Isso se deu na época em que os dois tucanos disputavam o direito a ser o candidato à presidência, em 2010. Aqui embaixo a insinuação já famosa Pó pará, governador. O Estadão retirou o artigo de Mauro Chaves do arquivo digital, mas diversos sites recuperaram o texto no símile da página. Você pode encontrá-lo aqui:

    http://www.blogdacidadania.com.br/2013/05/como-o-estadao-fez-sumir-sua-chantagem-contra-aecio/

    O próprio programa Roda Viva, da TV Cultura, hoje ocupada pelo tucanato paulista, voltou ao assunto na entrevista com Aécio. Inclusive citando José Serra.

    https://www.youtube.com/watch?v=1f6LmE7vHIo

    O segundo "podre" da vida do candidato, a agressão a uma ex-namorada, também veio das mãos de um jornalista serrista. Juca Kfouri, no mesmo contexto eleitoral, divulgaria que Aécio bateu em sua namorada. Este artigo foi publicado no seu blog no portal Uol. Pode ser encontrado aqui.,

    http://blogdojuca.uol.com.br/2009/11/covardia-de-aecio-neves/

    Já depois da eleição de 2010, veio à tona o caso do bafômetro. O primeiro jornal a noticiar foi a Folha de S. Paulo. Você pode ler a nota aqui.

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po1804201106.htm

    A entrevista com Aécio bêbado foi divulgado pelo Estadão ainda neste ano:

    https://www.youtube.com/watch?v=1f6LmE7vHIo

    A denúncia sobre distribuição de ingressos no Mineirão por Aécio Neves foi de Jorge Kajuru, pela Band (outro veículo paulista), que o demitiu. E curiosamente foi o SBT, também paulista, por Hebe Camargo, que veio em defesa do jornalista. Uma outra entrevista sobre o caso foi feita na MTV, pertencente à Abril, também de SP.

    https://www.youtube.com/watch?v=yQycsM2nYXI

    A única "denúncia" que veio efetivamente do que Aécio chama de "submundo da iinternet" foi este aqui. Nele Aécio aparece embriagado num bar do Rio. Mas o PT não usou este vídeo.

    https://www.youtube.com/watch?v=-5fC8dVTmL0

    Portanto, antes de falar da rede, Aécio deveria criticar os "amigos" tucanos paulistas e a imprensa bairrista de São Paulo.

    Mídia e PSDB paulistas expuseram vida pessoal de Aécio | GGN

    08/10/2014

    Diários A$$oCIAdos: Minas a cabresto, sim!

    Quando estourou a briga de gangues no PSDB, José Serra fez publicar por seu amigo no Estadão, Mauro Chaves, o famoso artigo: “Pó pará, governador! Os diárias associados, em nome de seu candidato Aécio Neves, fizeram um editorial: Minas a reboque, não! Se antes havia dúvida do total engajamento dos grupos mafiomidiáticos entorno de Aécio Neves, agora não há mais dúvida. Está explícito. Toda a escumalha de golpistas e malversadores do dinheiro público, que acobertaram todas as falcatruas do Aécio, agora estão com ele.

    O que o coronelismo eletrônico precisa explicar porque em Minas, na sua terra, o povo preferiu Dilma. Se quem conhece Aécio não vota nele, porque alguém que não o conhece votaria nele. Só por ignorância.

    Sindicatos detêm pressão pró-Aécio de jornal

    :

    Os sindicatos dos jornalistas e funcionários de empresas jornalísticas de Minas Gerais divulgaram nota, assinada por seus presidentes, Kerison Lopes e Marco Antônio Jacob, reagindo à "convocação" feita pelos Diários Associados, que editam os jornais Estado de Minas e Correio Braziliense, para que seus funcionários participassem de atos de campanha do senador Aécio Neves (PSDB-MG); "Qualquer tipo de pressão deve ser denunciada para que sejam tomadas de medidas jurídicas cabíveis para resguardar o direito ao voto dos eleitores. As duas entidades também esclarecem que os Diários Associados não falam em nome dos trabalhadores. O voto dos mineiros é livre", diz a nota; na campanha mineira, o presidente dos Associados, Álvaro Teixeira da Costa, chegou a subir no palanque de Pimenta da Veiga e Aécio Neves; mídia familiar adere, sem máscara, a Aécio; jornalistas mineiros indignados

    7 de Outubro de 2014 às 19:47

    Minas 247 – O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais divulgou, nesta terça-feira, uma dura nota contra uma atitude tomada pelos Diários Associados, grupo de mídia que edita os jornais Estado de Minais e Correio Braziliense. Por meio de uma rede social, os Associados "convocaram" seus funcionários a participar de atos de campanha pró-Aécio.

    "Qualquer tipo de pressão deve ser denunciada para que sejam tomadas de medidas jurídicas cabíveis para resguardar o direito ao voto dos eleitores. As duas entidades também esclarecem que os Diários Associados não falam em nome dos trabalhadores. O voto dos mineiros é livre", diz a nota assinada pelo presidente do sindicato, Marco Antonio Jacob.

    Durante a campanha, o presidente dos Associados, Álvaro Teixeira da Costa, chegou a subir no palanque de Pimenta da Veiga, candidato derrotado em Minas, e de Aécio Neves.

    Ao longo desta campanha presidencial, praticamente todos os grupos da mídia familiar têm apoiado, de forma ostensiva, a candidatura Aécio (leia mais aqui).

    Leia, abaixo, a nota do sindicato:

    NOTA DE ESCLARECIMENTO
    Os Diários Associados divulgaram na intranet uma convocação, assinada em nome dos "funcionários", para a participação de uma caminhada a favor do candidato Aécio Neves, no sábado, com todos vestidos de azul ou amarelo, cores do PSDB. A mesma convocação  está sendo feita por apoiadores da campanha tucana por meio das redes sociais e Whatshap.
    O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais e o Sindicato dos Empregados da Administração das Empresas Proprietárias de Jornais e Revistas de Belo Horizonte esclarecem aos trabalhadores que ninguém pode ser obrigado a participar de ato de campanha de nenhum candidato a cargo eletivo.
    Qualquer tipo de pressão deve ser denunciada para que sejam tomadas de medidas jurídicas cabíveis para resguardar o direito ao voto dos eleitores. As duas entidades também esclarecem que os Diários Associados não falam em nome dos trabalhadores. O voto dos mineiros é livre.
    Kerison Lopes
    Presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais
    Marco Antônio Jacob
    Presidente do Sindicato dos Empregados da Administração das Empresas Proprietárias de Jornais e Revistas de Belo Horizonte

    Sindicatos detêm pressão pró-Aécio de jornal | Brasil 24/7

    25/09/2014

    Depois de transformar Minas em tapera, Aécio (re)volta!

    AECIM DILÇMINHA_nAécio viaja 7 vezes para Minas em 7 dias

    Sob a ameaça de sofrer derrota dupla em seu reduto político, tucano concentra agenda de campanha no Estado

    PT é favorito ao governo mineiro; irmã de presidenciável assumiu comando regional da comunicação do PSDB

    PAULO PEIXOTODE BELO HORIZONTE

    Distante de uma vaga no segundo turno da corrida presidencial, Aécio Neves (PSDB) passou a concentrar sua agenda em Minas Gerais, onde ele ainda não deslanchou apesar de ser seu reduto político.

    Nos últimos sete dias, de 11 viagens do tucano, sete foram para cidades mineiras –sendo duas para Belo Horizonte. Ele tenta evitar uma derrota dupla (nacional e estadual) já na primeira etapa da eleição.

    Depois de quase 12 anos sob o poder de aliados de Aécio, que governou Minas de 2003 a 2010, o PT é agora favorito para o governo do Estado.

    Segundo pesquisa Ibope desta semana, a diferença entre Pimenta da Veiga (PSDB), candidato de Aécio ao governo, e Fernando Pimentel (PT), que lidera a corrida, é de 19 pontos –25% ante 44%.

    Após a entrada de Marina Silva (PSB) na corrida presidencial, Aécio havia despencado para a terceira colocação em seu próprio Estado.

    Agora, recuperou a segunda posição, atingindo 31% das intenções de voto dos mineiros no último levantamento, ante 32% da presidente Dilma Rousseff (PT). Na média do país, Aécio tem 19%.

    O plano inicial do tucano era abrir ampla frente de votos em Minas, segundo maior colégio eleitoral do país.

    Na tentativa de ampliar seu apoio no Estado e ajudar Pimenta a diminuir a diferença sobre o candidato do PT ao governo, Aécio agendou outras duas visitas a Minas Gerais no último final de semana antes do primeiro turno.

    Nesta quarta-feira (24), o presidenciável tucano esteve em Uberaba e em Belo Horizonte, onde fez um novo apelo aos conterrâneos.

    "Faço um grande chamamento aos mineiros e às mineiras para que nos levantemos e nos coloquemos de pé contra a corrupção e a ineficiência, que não queremos no nosso Estado", disse Aécio.

    "Vamos chegar na frente em Minas Gerais, porque a nossa candidatura, a minha candidatura, traz o sentimento, a história, os valores de Minas Gerais", afirmou o tucano no Triângulo Mineiro, também nesta quarta (24).

    Nas últimas semanas, a campanha tucana em Minas passou por mudanças.

    Andréa Neves, irmã de Aécio, assumiu o comando das ações de comunicação. Na TV e nos discursos, adotou-se uma linha de ataques a Pimentel e ao PT. Servidores comissionados do Estado foram mobilizados, bem como aliados nos municípios.

    Colaborou DANIELA LIMA, de São Paulo

    16/09/2014

    Estado lamentável de Minas

    Vale para pessoas jurídicas o que o Barão Itararé dizia a respeito das pessoas física: quem se vende sempre recebe mais do que vale. Fica aberto e escancarado porque não sai nada a respeito da bandidagem que assola Minas Gerais. Nenhuma das falcatruas perpetrada em Minas saiu nas páginas deste pasquim fedorento. Temos aqui um exemplo do que aconteceu na Itália com Sílvio Berlusconi. Associado à máfia, o dono da Mediaset chegou a Primeiro Ministro e, em 20 anos, quebrou a Itália. Ao modo dos piores imperadores romanos, de Calígula, Nero e tantos outros, Berlusconi transformou a Itália num grande puteiro.

    A promiscuidade entre o poder público e grupos de mídia, como se vê neste caso de Minas, o principal problema que assola o Brasil. Não fossem os a$$OCIAdos do Instituto Millenium não teríamos tido ditadura, não teríamos tido Collor, muito menos FHC. Não nos esqueçamos, quem elegeu FHC foi a união do Rubens Ricúpero com a Rede Globo, ao melhor estilo do Escândalo da Parabólica.

    Não teríamos tido Antonio Britto, Yeda Crusius e agora Ana Amélia Lemos e Lasier Martins não fosse esta família mafiosa dos Sirotsky. O pior bandido é sempre aquele que diz trabalhar por Criança Esperança só para servir de álibi e lançar uma revista é uma guloseima para pedófilos, foi como o caso da Vogue pelo Grupo Globo.

    Cadê a SIP, a ANJ e os tais defensores da liberdade de imprensa? Diante destes senhores Fernandinho Beira-Mar mentia menos. E ele também sabia quem destes cheirava mais.

    Dono do Estado de Minas sobe no palanque tucano

    :

    O empresário Álvaro Teixeira da Costa (no detalhe), principal acionista dos Diários Associados, empresa que controla os jornais Estado de Minas e Correio Braziliense, subiu no palanque de Aécio Neves e Pimenta da Veiga no último sábado em Belo Horizonte; ao que tudo indica, o grupo já escolheu seus candidatos tanto para os governos federal como de Minas Gerais

    16 de Setembro de 2014 às 08:06

    Minas 247 – Uma presença inusitada chamou atenção no último comício do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e do candidato Pimenta da Veiga, que concorre ao governo mineiro, em Belo Horizonte. Estava lá, no alto do palanque, ninguém menos que o empresário Alvaro Teixeira da Costa, principal acionista dos Diários Associados, grupo de mídia que controla os jornais Estado de Minas e Correio Braziliense.

    Os jornais não declararam apoio formal às candidaturas do PSDB aos governos federal e mineiro, mas tudo indica que é essa a linha editorial dos Diários Associados. Na semana passada, o grupo não divulgou uma pesquisa EM/DATA para o Palácio da Liberdade, que havia sido registrada pelo próprio Estado de Minas. Não se sabe o resultado, mas outros institutos têm apontado vantagem do petista Fernando Pimentel superior a dez pontos.

    Em Minas, onde Aécio pretendia abrir uma vantagem de 4 milhões de votos na disputa presidencial, as pesquisas também vêm apontando a liderança da presidente Dilma Rousseff. E o tucano aparece embolado com Marina Silva. Nos últimos dias, Aécio reforçou sua presença no estado e trata como questão de honra a vitória de Pimenta da Veiga. O PT também trabalha para decidir a disputa no primeiro turno.

    Dono do Estado de Minas sobe no palanque tucano | Brasil 24/7

    07/11/2013

    Nesta briga de bugio entre Aécio (Amaury Ribeiro) e Serra, Folha inclui Dilma

    Qualquer pessoa medianamente versada na política brasileira conhece os antecedentes destas brigas entre Aécio e Serra. A fábrica de dossiês entre um e outro é pródiga. Mas, para não se desgastarem entre si, buscam involucrar o PT, e assim ganham o apoio dos inimigos tradicionais dos trabalhadores, os grupos mafiomidiáticos. O round mais célebre da briga de bugio foi o texto no Estadão, “Pó pará, governador”, a pedido de Serra, que o Estado de Minas, a pedido de Aécio, respondeu com Minas a cabresto não. Vira e mexe, as digitais de ambos aparecem em notinhas no Estadão, no Globo, na Folha. Para não dar munição ao adversários dos dois, os grupos mafiomidiáticos disfarçam buscando misturar com alguém do PT ou do Governo Federal. Mas só dois tipos ainda caem nesta esparrela: os mal informados e os mal intencionados.

    Juiz aceita denúncia contra acusados de violação de sigilo

    Jornalista que investigou Serra na campanha de 2010 vira réu em processo que apura quebra de sigilo fiscal

    Advogado do jornalista afirma que seu cliente ainda não foi citado e diz acreditar que a ação não irá prosperar

    DE BRASÍLIA

    A Justiça Federal em Brasília aceitou denúncia contra o jornalista Amaury Ribeiro Jr. e outros cinco réus por quebra do sigilo fiscal de integrantes do PSDB e familiares de políticos tucanos.

    O juiz Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara do Distrito Federal, tomou a decisão no último dia 30 e transformou os envolvidos em réus no processo sobre o caso.

    Em julho deste ano, o Ministério Público Federal denunciou à Justiça Ribeiro Jr. e os despachantes Dirceu Garcia e Antonio Carlos Atella, o office-boy Ademir Cabral e a então funcionária do Serpro cedida à Receita Federal, Adeildda dos Santos, pela quebra de sigilo de pessoas ligadas ao ex-governador José Serra (PSDB) em 2009.

    A Procuradoria pediu a abertura de inquérito para identificar mentores da ação.

    Em 2010, quando Serra enfrentou Dilma Rousseff na eleição presidencial, dados sigilosos do ex-ministro tucano Eduardo Jorge foram encontrados num dossiê em posse da equipe da pré-campanha do PT. Segundo a PF, o sigilo de Veronica Serra, filha de Serra, também foi quebrado.

    Após o caso ser revelado pela Folha, tucanos acusaram o comando da campanha de Dilma de encomendar a quebra de sigilo. Em depoimento à PF, Amaury Ribeiro acusou o presidente do PT, Rui Falcão, de copiar de seu computador dados de pessoas ligadas a Serra. Falcão sempre negou a acusação.

    Na denúncia, o Ministério Público pede autorização para "continuar a apuração do núcleo criminoso de Brasília e as ligações com a comunidade de informações".

    A declaração de Imposto de Renda de Eduardo Jorge integrava o dossiê elaborado pelo "grupo de inteligência" da pré-campanha petista.

    Para a Procuradoria, foram cometidos crimes de corrupção ativa, violação de sigilo funcional, falsificação de documento, falsidade ideológica e uso de documento falso.

    Segundo investigação, o despachante Dirceu Garcia fazia contato com o office-boy Ademir Cabral, que acionava um outro despachante, Antonio Carlos Atella. Este obtinha dados falsificando documentos ou contratando o despachante ligado a Adeildda.

    Um dos advogados de Amaury Ribeiro, Tracy Reinaldet, disse que seu cliente ainda não foi citado para se defender e que é possível até mesmo o encerramento do processo quando se explicar.

    "O juiz recebeu a denúncia mas o Amaury ainda não foi citado, por isso entendemos que a denúncia foi recebida de maneira precária. Estamos aguardando a citação para apresentarmos a defesa." A Folha não localizou ontem os demais acusados.

    (MATHEUS LEITÃO E SEVERINO MOTTA)

    Blog no WordPress.com.

    %d blogueiros gostam disto: