Ficha Corrida

22/02/2016

Teoria da dependência

OBScena: Don Corleone e il capo di tutti i capi

FHC & MarinhoE assim fica demonstrada e provada a teoria da dependência vendida por FHC e comprada por beócios de todos os naipes. A independência de FHC, e não é só na teoria, depende da Brasif, da Miriam Dutra, do Fernando Lemos, do Rodrigo de Grandis, da RBS, da Folha, do Estadão, do Instituto Millenium, da Globo, do Merval Pereira, do Noblat, e da ignorância dos midiotas.

O que deu errado no crime perfeito da dupla FHC e Globo. Por Paulo Nogueira

por Paulo Nogueira 21 de fevereiro de 2016

Roberto Marinho celebra um feito do companheiro FHC

FHC e a Globo cometeram um crime quase perfeito.

Tiraram Mírian Dutra de cena numa operação ganha-ganha. FHC ganhou a presidência. A Globo ganhou o controle sobre um presidente que reinou oito anos.

Alguém pode imaginar o que significa esse controle? Num país cujas verbas publicitárias federais são brutalmente altas, é a garantia de dinheiro fácil e farto para uma emissora.

E o acesso ao dinheiro do BNDES? Um presidente nas mãos da Globo abriria os cofres do BNDES. Mírian tocou nisso em sua entrevista ao DCM. É repulsiva a foto na qual FHC e Roberto Marinho estão abraçados na inauguração de uma supergráfica do Globo financiada pelo BNDES, no final dos anos 90.

A descarada confraternização mostrava que as duas partes estavam certas de que o crime era perfeito.

E foi – até aparecer uma coisa chamada internet.

A internet rompeu o monopólio da mídia nas informações que chegam aos brasileiros.

Não fosse isso, Mírian não teria como publicar sua história. Bater na Folha? Esqueça. Na Veja? Conte outra piada. No Estadão? Hahaha.

Mas a barreira do silêncio não vigora na internet. E uma modesta revista digital, a Brazil com Z, se incumbiu de dar voz a Mírian.

Era tão forte o que ela tinha a dizer que a mídia foi obrigada a correr atrás – com vergonhoso atraso.

O pretexto usado por mais de vinte anos para não tocar no assunto era o triunfo da hipocrisia: era uma “questão privada”.

Ora, era privada apenas porque ninguém investigou o assunto.

Quem acredita que um pacto entre um presidente e a Globo é questão privada acredita em tudo, para usar a celebrada frase de Wellington.

A Globo protegeria FHC por simpatia e amizade?

Ora, ora, ora.

A Globo vendeu caro seu apoio aos militares em plena ditadura. Num livro com os documentos de Geisel, Roberto Marinho surge a certa altura cobrando novas concessões da ditadura com o argumento de que era seu “melhor amigo” na imprensa.

No livro o que se vê é um Roberto Marinho paranoico, para o qual uma empresa que não cresce logo declina.

Se com os generais foi assim, como terá sido com um presidente fraco?

FHC viveu o bastante – 83 anos agora – para ver a lama enfim emergir e lhe roubar a possibilidade de continuar a posar como um moralista perante brasileiros ingênuos e desinformados.

Quanto à Globo, o caso mostra quanto é ruim para uma empresa ser mimada com privilégios e vantagens infames.

A Globo jamais teve que ser competente. Caiu tudo para ela no colo.

Fosse competente, continuaria a pagar o mensalão de Mírian Dutra até o final de sua vida.

É monstruoso o preço da economia de custo que algum burocrata da Globo vislumbrou com a supressão do salário de Mírian.

A Globo é uma história de muita esperteza e pouca inteligência.

Mas, como diz o provérbio, a esperteza quando é demais come o dono.

Neste caso, comeu não só a Globo como FHC.

Roberto Marinho celebra um feito do companheiro FHC

Roberto Marinho celebra um feito do companheiro FHC

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/o-que-deu-errado-no-crime-perfeito-da-dupla-fhc-e-globo-por-paulo-nogueira/

Anúncios

18/05/2015

Ronaldo: Caiado por fora; podre por dentro

Filed under: DEMo,Luciana Cardoso,PSDB,Ronaldo Caiado,Senado — Gilmar Crestani @ 9:18 am
Tags:

Quando um burro cavalga é porque há um desvio da natureza. E não se pode falar em natureza quando se fala de seu maior inimigo. É por isso que todo venenoso defende  agrotóxicos. O moralismo rastaquera da oposição é o moralismo de perdedor. Nada de novo no front. A filha do FHC, Luciana Cardoso (leia abaixo a matéria da Folha de 27/03/2009) não hibernou por anos, lotada no gabinete do Senador Demóstenes Torres(aquele que se fosse petista estaria preso) , mas em casa recebendo do Senado?! Não estes os que alimentam a marcha dos zumbis, o MBL os cheiradores de carteirinha?! Não são eles os heróis da Veja, da Rede Globo, da RBS, da Gerdau, de todos os hidrófobos golpistas?! Não são eles que estão sempre de dedo em riste para acusar o governo de corrupção?! Claro, como diz o ditado, a melhor defesa é o ataque. Atacam para se defenderem.

Estivesse no PSDB/DEM, Fernandinho Beira-Mar seria apenas mais senador gazeteiro e frequentaria a parte de baixo do ranking da Veja

caiadoServidora atua em escritório particular de senador do DEM

Funcionária registrada no gabinete de Ronaldo Caiado trabalha na sede de apoio de suas fazendas, em Goiânia

Parlamentar possui um escritório político na cidade, como permite o Senado, mas em um outro endereço

RUBENS VALENTEENVIADO ESPECIAL A GOIÂNIA E CAMPINORTE (GO)

Pouco antes das 14 horas do dia 9 de abril, a servidora do Senado Meiry Rosa de Oliveira, nomeada pelo senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), cumpriu sua rotina de parar o carro no estacionamento privativo e abrir o cadeado do escritório localizado em uma casa na rua 26, em Goiânia (GO), onde trabalha.

Duas semanas depois, a Folha encontrou a assessora novamente no local.

O escritório político informado por Caiado à direção do Senado, porém, fica em outro endereço. Pelas regras da Casa, assessores dos senadores nos Estados devem trabalhar nos escritórios políticos indicados previamente ao Senado pelos congressistas.

O prédio em que Meiry atua é o escritório de apoio às fazendas de Caiado, também frequentado por seu irmão, Rondon, que, segundo a assessoria do senador, auxilia na administração das propriedades rurais da família. Caiado declara ter sete fazendas no interior de Goiás.

Segundo Meiry, o escritório particular também é usado para cuidar dos negócios do senador do DEM.

"Escritório financeiro dele, no geral. (…) Cuida de todas as finanças, de todos os pagamentos dele."

Em entrevista à Folha, Caiado disse que o escritório das fazendas não é o local fixo de trabalho da assessora.

"Então, esse assunto, onde ela fica, isso é uma coisa muito relativa. Ela despacha comigo na minha casa, despacha comigo no escritório político, despacha comigo no escritório [em] que você viu meu irmão. Agora, falar que ela é fixa naquele local, isso não procede", disse.

Caiado confirmou que o escritório frequentado por Meiry também cuida dos assuntos das fazendas. "Ali, eu e meu irmão, nós temos vários negócios de família, (…) assuntos que ficaram em comum", disse o senador.

Caiado também informou que tem nove assessores morando em cidades do interior do Estado. Segundo o senador, eles encaminham relatórios de trabalho e periodicamente vão a Goiânia para participar de reuniões.

 

Luciana Cardoso, filha de FHC

ESPALHADO

O gabinete dividiu o Estado em nove regiões, nas quais vive e trabalha cada um dos assessores. Em ofício ao Senado em março, Caiado informou que mantém apenas um escritório de apoio em Goiás, na rua 1.130, em Goiânia, a cerca de 2 km do escritório das fazendas.

Em 2009, após o escândalo dos atos secretos, o Senado procurou moralizar a situação dos assessores nos Estados. Em ato próprio, a Comissão Diretora estabeleceu que os senadores podem criar "escritórios de apoio" nos Estados, mas os endereços precisam ser comunicados por escrito.

O ato não prevê punições, no entanto deve ser obedecido por todos os gabinetes. Em caso de descumprimento, o Ministério Público pode ajuizar ações de improbidade e buscar ressarcimento aos cofres públicos.

A Folha indagou ao Senado onde devem trabalhar assessores dos senadores nos Estados. A Casa respondeu: "O servidor deve prestar serviços nessa unidade ou, alternativamente, em outra, caso o senador tenha mais de uma unidade no Estado".

Falando em tese, sem saber do caso concreto, três senadores disseram à reportagem que o Senado impede que assessores vivam e trabalhem em municípios que não contam com escritórios políticos previamente informados à Casa.

"O Senado é uma bagunça"

Funcionária do Senado para cuidar "dos arquivos" do senador Heráclito Fortes (DEM-PI), Luciana Cardoso, filha do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, diz que prefere trabalhar em casa já que o Senado "é uma bagunça". A coluna telefonou por três dias para o gabinete, mas não a encontrou. Na última tentativa, anteontem, a ligação foi transferida para a casa de Luciana, que ocupa o cargo de secretária parlamentar. Abaixo, um resumo da conversa:

FOLHA – Quais são suas atribuições no Senado?
LUCIANA CARDOSO –
Eu cuido de umas coisas pessoais do senador. Coisas de campanha, organizar tudo para ele.

FOLHA – Em 2006, você estava organizando os arquivos dele.
LUCIANA –
É, então, faz parte dessas coisas. Esse projeto não termina nunca. Enquanto uma pessoa dessa é política, é política. O arquivo é inacabável. É um serviço que eternamente continuará, a não ser que eu saia de lá.

FOLHA – Recebeu horas extras em janeiro, durante o recesso?
LUCIANA –
Não sei te dizer se eu recebi em janeiro, se não recebi em janeiro. Normalmente, quando o gabinete recebe, eu recebo. Acho que o gabinete recebeu. Se o senador mandar, devolvo [o dinheiro]. Quem manda pra mim é o senador.

FOLHA – E qual é o seu salário?
LUCIANA –
Salário de secretária parlamentar, amor! Descobre aí. Sou uma pessoa como todo mundo. Por acaso, sou filha do meu pai, não é? Talvez só tenha o sobrenome errado.

FOLHA – Cumpre horário?
LUCIANA –
Trabalho mais em casa, na casa do senador. Como faço coisas particulares e aquele Senado é uma bagunça e o gabinete é mínimo, eu vou lá de vez em quando. Você já entrou no gabinete do senador? Cabe não, meu filho! É um trem mínimo e a bagunça, eterna. Trabalham lá milhões de pessoas. Mas se o senador ligar agora e falar "vem aqui", eu vou lá.

FOLHA – E o que ele te pediu nesta semana?
LUCIANA –
"Cê" não acha que eu vou te contar o que eu tô fazendo pro senador! Pensa bem, que eu não nasci ontem! Preste bem atenção: se eu estou te dizendo que são coisas particulares, que eu nem faço lá porque não é pra ficar na boca de todo mundo, eu vou te contar?

16/10/2014

Qual é o mérito de ser funcionário fantasma?

É esta a moralidade no trato da coisa pública que Aécio quer trazer de volta para o Planalto. Alguém ainda há de lembrar de outro caso que ganhou pouca repercussão porque se tratava da filha de FHC. Imagine se fosse o filho do Lula fosse um funcionário fantasma do Senado, como foi Luciana Cardoso, filha de FHC?! O que é o Aécioporto senão o emprego de recursos públicos

O PSDB deixou esqueletos espalhados por vários órgãos públicos. Toda vez que Lula ou Dilma encontravam um infiltrado, demitiam. A oposição, insuflada pela mídia parceira do PSDB, começou a tratar a demissão de funcionários fantasmas de aparelhamento do Estado pelo PT. É inacreditável, mas é verdade, o PSDB transformou o Estado em propriedade privada do partido e de seus familiares. Por que será que FHC nomeou seu genro, David Zylbersztajn, para a Agência Nacional do Petróleo? É assim que funcionara a política tucana da meritocracia

É dessa promiscuidade que se deve lembrar na hora de votar para Presidente.

Aécio ainda não explicou cargo "fantasma" no Minist. da Justiça em Brasília, aos 17 anos, morando no RJ.

http://aecioneves.com.br/noticia-a-coligacao-muda-brasil-esclarece-as-mentiras-e-farsas-propagadas-pela-campanha-do-pt.html?utm_source=portal-aecio-neves&utm_medium=home-ultimas-noticias-minibar&utm_campaign=&utm_content=

O candidato Aécio Neves (PSDB) confirmou através de nota acima que teve um cargo no gabinete de seu papai, deputado em Brasília na época, representando Minas, enquanto o tucano morava e estudava no Rio de Janeiro.
Só corrigiu uma informação: este cargo não foi em 1977, e sim de 1980 a 1983. 

Mas mandou às favas seu discurso sobre meritocracia no preenchimento de cargos por critérios técnicos, ao dizer que "não havia irregularidade".

Não muda a situação de nepotismo e do que hoje chamariam de "funcionário fantasma", já que não comparecia ao órgão de trabalho.
Mas Aécio ainda não disse nada sobre outro cargo que continua constando em sua biografia oficial da Câmara dos Deputados. Lá diz que ele tinha um cargo em 1977 (17 anos) no CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), órgão do Ministério da Justiça.

O CADE funciona em Brasília. Como Aécio conseguia trabalhar no órgão a 1000km de distância de onde morava? E isso em 1977 quando nem havia internet. Não havia irregularidade?

http://www2.camara.leg.br/a-camara/conheca/historia/Ex_presidentesCD_Republica/aecio.html

02/12/2012

O público, o privado e FHC

Filed under: Aquilo era uma bagunça,FHC,Heráclito Fortes,Luciana Cardoso — Gilmar Crestani @ 8:39 am

Faltou acrescentar a transação cruzada com Heráclito Fortes, do partido seu aliado, DEM, que hospedou dona Luciana Cardoso, com salário de Cargo em Comissão no Senado, e no Senado não comparecia porque, segundo a filha do pai, aquilo era uma bagunça. Por que FHC nunca foi cobrado por isso?

Paulo Nogueira30 de novembro de 201242

É bem mais fácil apontar erros nos outros do que ver ver os nossos próprios ..

FHC

Acabo de ler uma mensagem de um leitor que merece as luzes do holofote, porque faz pensar. O autor dela se chama Manuel Henrique.

O texto é auto-explicativo, e demonstra apenas que o PT pode ser culpado de muitas coisas, a maior das quais é ter frustrado as expectativas de muita gente que acreditava que o partido tinha um código de ética puro como São Francisco de Assis.

Mas não dá para acusá-lo de ter inventado a nomeação de amigos e fazer o que FHC definiu, hoje, como uma “mistura entre o público e o privado”.

Ao texto de Manuel:

Hoje, os jornais destacaram a fala de FHC em um seminário, em que criticou subrepticiamente Lula por misturar o público e o privado. Seria cômico, se não … Mesmo nos comentários anti-FHC poucos lembraram do quanto ele misturou o público e o privado. FHC sabe bem do que fala. Afinal, como presidente da República, nomeou o então genro David Zylbersztajn como diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo (sem nem passar pela sabatina do Congresso) e para o Conselho Administrativo do Banco do Brasil. Também garantiu emprego para o filho Paulo Henrique no comissariado-geral responsável pelo pavilhão do Brasil na Expo 2000, na Alemanha. O comissariado, criado por decreto presidencial, geriu projeto orçado em R$ 14 milhões, mas realizado por 18 milhões, com recursos públicos. Para montar o estande foi contratada (sem licitação), por R$ 13,7 milhões, a Artplan Prime, uma agência de publicidade (!) dirigida por Fernanda Bornhausen Sá e Ricardo Dalcane Bornhausen, filha e sobrinho do então senador Jorge Bornhausen, na época presidente do então PFL (aliado do governo e hoje renomeado DEM). E olha que nem falei na “boquinhas” que Fernando Henrique conseguiu para o mesmo filho nas ex-estatais Companhia Siderúrgica Nacional na Light. Tudo isso enquanto ocupava a Presidência da República. Temos que reavivar essas memórias.

TAGS » dcm, FHC x Lula

POSTED IN » Política

About the author: Paulo Nogueira View all posts by Paulo Nogueira

Paulo Nogueira é jornalista e está vivendo em Londres. Foi editor assistente da Veja, editor da Veja São Paulo, diretor de redação da Exame, diretor superintendente de uma unidade de negócios da Editora Abril e diretor editorial da Editora Globo.

Diário do Centro do Mundo – O público, o privado e FHC

12/12/2011

“Corrupção sistêmica” na famiglia Cardoso

Como declarou o poodle de Juan Árias, no Brasil, pós FHC, a corrupção é sistêmica. Pelo menos na famiglia delle. Ou já foi esquecido aquele episódio em que a filha do prof. Cardoso, Luciana Cardoso, não ia trabalhar no Senado porque aquilo era uma bagunça. A velha e empedernida mídia pode esquecer, mas internet, não. O patrão e campeão da moralidade, Heráclito Fortes, era o alcoviteiro da vez. É, mas não era louca o suficiente para rasgar o salário que recebia sem trabalhar…

Do paraíso fiscal ao Paraíso, SP. A conexão Citco-PHC

Não, não é FHC, de Fernando Henrique Cardoso. É mesmo PHC, de Paulo Henrique Cardoso, filho do ex-presidente.

É o primeiro dos fios do novelo obscuro puxado pelo livro “Privataria Tucana” que, nós dissemos, iam começar a ser puxados.

Aos fatos, sem ilações e com documentos.

O livro de Amaury Ribeiro mostra que as empresas de fachada offshore de Ricardo Sérgio Oliveira, Verônica Serra e seu marido Alexandre Bourgeois foram abrigadas no Citco Building, edifício-sede de um grupo de companhias que, além das Ilhas Virgens onde se situa,  se espalha pelos ancoradouros piratas de Aruba, Curaçao, Bahamas, Ilhas Cayman, Barbados e por aí …

Eles foram para a sede da Citco B.V.I. Limited, em Tortola, como está documentado no livro de Amaury.

Foram longe, porque a Citco tem um escritório de negócios no Brasil. Bem ali em São Paulo, na Avenida Bernardino de Campos, 98, 14° andar, no bairro – se podemos perdoar a ironia – do Paraíso,  onde funciona a Citco Corporate Serviços Limitada, uma “pequena empresa” – com capital registrado de apenas R$ 10 mil – dirigida pelo senhor José Tavares de Lucena, representante plenipotenciário da Citco  Corporate Services, situada no 26° andar do número 701 da Brickell Avenue, em Miami, Flórida.

O décimo-quarto andar do nosso Paraíso paulistano é também a sede de inúmeras empresas. O senhor Lucena é um homem polivalente, que administra um uma plêiade de empresas dedicadas a negócios imobiliários  (a Select Brasil Investimentos), de telecomunicações( BBT do Brasil), informática (Torex International Sistemas de Informática), de embalagens (Dixie Toga, a dos copinhos plásticos) e muitas outras.

Nessa árdua tarefa ele tem a ajuda de outro contador, Jobelino Vitoriano Locateli, ambos muito atarefados com suas tarefas de representar oficialmente instituições de grande porte, como o JP Morgan e Citibank.

Mas sobra um cantinho no amplo andar do prédio da Bernardino de Campos para empresas menores,tão pobres quanto  a pobre Citco Corporate Serviços Limitada e seus R$ 10 mil de capital social.

É o caso da Radio Holdings SA , que tem capital social neste valor, dos quais 98,6% (R4 9.860,00) pertencem a PHC, Paulo Henrique Cardoso, como demonstra certidão da Junta Comercial de São Paulo. Lucena e Jobelino revezam-se como  administradores da empresa de PHC.

Esta pobre microempresa do filho do ex-presidente Fernando Henrique comprou, por R$ 2,98 milhões -  300 vezes seu capital social – a Rádio Itapema FM, que pertenceu ao grupo Manchete e ao RBS. E o fez como sócia majoritária de ninguém menos que  a Walt Disney Company, sob o nome de ABC Venture Corp, no endereço nos famosos estúdios de Burbank, Califórnia.

A rádio, claro, certamente por economia, também foi para efeitos fiscais, para o Paraíso paulistano da Bernardino de Campos, no mesmo lotado 14°andar.

Mas nada disso vai para os jornais.

Sobre os temas tucanos, o jornalismo investigativo brasileiro não aguenta sequer uma manhã de Google.

Será que o Ministério Público é melhor que ele?

Tijolaço – O Blog do Brizola Neto

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: