Ficha Corrida

02/12/2012

O público, o privado e FHC

Filed under: Aquilo era uma bagunça,FHC,Heráclito Fortes,Luciana Cardoso — Gilmar Crestani @ 8:39 am

Faltou acrescentar a transação cruzada com Heráclito Fortes, do partido seu aliado, DEM, que hospedou dona Luciana Cardoso, com salário de Cargo em Comissão no Senado, e no Senado não comparecia porque, segundo a filha do pai, aquilo era uma bagunça. Por que FHC nunca foi cobrado por isso?

Paulo Nogueira30 de novembro de 201242

É bem mais fácil apontar erros nos outros do que ver ver os nossos próprios ..

FHC

Acabo de ler uma mensagem de um leitor que merece as luzes do holofote, porque faz pensar. O autor dela se chama Manuel Henrique.

O texto é auto-explicativo, e demonstra apenas que o PT pode ser culpado de muitas coisas, a maior das quais é ter frustrado as expectativas de muita gente que acreditava que o partido tinha um código de ética puro como São Francisco de Assis.

Mas não dá para acusá-lo de ter inventado a nomeação de amigos e fazer o que FHC definiu, hoje, como uma “mistura entre o público e o privado”.

Ao texto de Manuel:

Hoje, os jornais destacaram a fala de FHC em um seminário, em que criticou subrepticiamente Lula por misturar o público e o privado. Seria cômico, se não … Mesmo nos comentários anti-FHC poucos lembraram do quanto ele misturou o público e o privado. FHC sabe bem do que fala. Afinal, como presidente da República, nomeou o então genro David Zylbersztajn como diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo (sem nem passar pela sabatina do Congresso) e para o Conselho Administrativo do Banco do Brasil. Também garantiu emprego para o filho Paulo Henrique no comissariado-geral responsável pelo pavilhão do Brasil na Expo 2000, na Alemanha. O comissariado, criado por decreto presidencial, geriu projeto orçado em R$ 14 milhões, mas realizado por 18 milhões, com recursos públicos. Para montar o estande foi contratada (sem licitação), por R$ 13,7 milhões, a Artplan Prime, uma agência de publicidade (!) dirigida por Fernanda Bornhausen Sá e Ricardo Dalcane Bornhausen, filha e sobrinho do então senador Jorge Bornhausen, na época presidente do então PFL (aliado do governo e hoje renomeado DEM). E olha que nem falei na “boquinhas” que Fernando Henrique conseguiu para o mesmo filho nas ex-estatais Companhia Siderúrgica Nacional na Light. Tudo isso enquanto ocupava a Presidência da República. Temos que reavivar essas memórias.

TAGS » dcm, FHC x Lula

POSTED IN » Política

About the author: Paulo Nogueira View all posts by Paulo Nogueira

Paulo Nogueira é jornalista e está vivendo em Londres. Foi editor assistente da Veja, editor da Veja São Paulo, diretor de redação da Exame, diretor superintendente de uma unidade de negócios da Editora Abril e diretor editorial da Editora Globo.

Diário do Centro do Mundo – O público, o privado e FHC

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: