Ficha Corrida

21/05/2015

Vão pedir a exumação do Maurício Sirotsky Sobrinho e do Roberto Marinho?!

zelotes rbs zhSe para esclarecer a participação do PP gaúcho da Ana Amélia Lemos na Operação Lava Jato precisa exumar o corpo do líder, então para esclarecer todas lavagens do Grupo RBS, Gerdau, Rede Globo e demais partícipes da Operação Zelotes e da Operação Pavlova também teria de ser exumado os corpos dos que comandaram as lavanderias.

Não ouço, vejo ou leio os moralistas da RBS vociferando contra os envolvidos nos escândalos de sonegação no CARF e na lavagem de dinheiro no HSBC. A seletividade moral dessa gente inescrupulosa é uma luz sobre seu verdadeiro caráter.

Não há editoriais moralistas contra a Gerdau, a RBS e Rede Globo, o Márcio Fortes, o PP Gaúcho. Não há reportagens especiais mostrando como funcionava o esquema.

E, como sempre, a culpa é do Lula e da Dilma. Sim, deve dar um ódio danado de quem não joga para debaixo do tapete as denúncias de corrupção.

Imagine o que aconteceria se Lula ou Dilma comprassem a própria reeleição?! Se ao invés de Luciana Cardoso fosse Lulinha empregado na casa do Demóstenes Torres ou na Fazenda no Ronaldo Caiado?!

A pergunta que não quer calar: Por que os assoCIAdos do Instituto Millenium não se revoltam contra a corrupção praticada pelos políticos do PSDB? Será que as cinco irmãs (Globo, RBS, Folha, Estadão e Veja) entendem que o PSDB tem licença para roubar? Por que será que não foram atrás de mais informação para esclarecer o sumiço do helipóptero com 450 kg de cocaína?!

Onde está a hiena do DEM gaúcho, Onyx Lorenzoni, que não pede esclarecimentos aos seus parceiros da RBS & Gerdau? Por que tanta seletividade na indignação?!

OBScena:  domínio do fato é a confraternização entre Jorge Pozzobom, do PSDB gaúcho, e a famiglia Sirotsky, do Grupo RBS

pozzobom y Sirotsky

 

Zelotes: “Crimes tributários têm tratamento diferenciado de crimes comuns”, critica delegado da Polícia Federal

Published maio 20, 2015

zelotes - audiencia 20 de maio

Na mesa: os delegados Hugo Correia (E) e Marlon Cajado (D); no centro, o deputado Valtenir Pereira (Pros-MT)

Do VIOMUNDO

A subcomissão da Câmara dos Deputados que acompanha a Operação Zelotes recebeu, na manhã desta quarta-feira (20), os delegados da Polícia Federal Marlon Oliveira Cajado dos Santos, da Divisão de Repressão a Crimes Fazendários, e Hugo de Barros Correia, da Coordenadoria Geral da Polícia Fazendária. Os dois são responsáveis pela investigação da Operação Zelotes, que apura o esquema de corrupção no Conselho de Administração de Recursos Fiscais (Carf), em que empresas com débitos tributários com a Receita Federal pagavam propina a conselheiros que atuavam no órgão para escaparem das dívidas.

Na audiência pública, que foi acompanhada durante boa parte somente por deputados petistas, os delegados fizeram críticas à legislação, à composição do Carf e à Súmula Vinculante 24 do Supremo Tribunal Federal que, segundo eles, reduziu pela metade os inquéritos policiais contra crimes tributários nos últimos cinco anos.

“Não é que diminuiu a quantidade de crimes tributários, ou que a Polícia está investigando menos. A Súmula do STF, de 2009, consolida o entendimento de que a PF não pode instaurar inquérito policial se a Receita Federal, em sua última instância, não constituir definitivamente o crédito tributário. Isso dificulta e impede o início de uma investigação”, lamentou o delegado Hugo Correia.

O delegado informou que muitas das investigações relacionadas ao Carf só foram possíveis a partir de evidências de crimes de corrupção, advocacia administrativa, tráfico de influência e lavagem de dinheiro. Os delegados enfatizaram que a legislação brasileira permite um tratamento diferenciado para crimes tributários em relação aos crimes comuns. Segundo eles, a leis são mais condescendentes no âmbito do direito penal tributário.

De acordo com delegado Marlon Cajado dos Santos, a conclusão do inquérito deverá ocorrer em quatro meses, e que a ideia é desmembrar a investigação para dar mais celeridade. Marlon Cajado dos Santos também criticou a fórmula de composição do Carf, que possui 216 conselheiros, sendo metade de servidores de carreira da Receita Federal e a outra metade composta por representantes da sociedade civil. “Está demonstrada que a paridade do Carf facilitava a atuação de pessoas que buscavam cometer irregularidades”, disse com base nas investigações.

Deputado Pimenta defende “investigação dentro da investigação”

Relator da subcomissão, o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) defendeu que seja feita uma “investigação dentro da investigação”. O deputado disse temer que haja uma contaminação das “esferas superiores” no andamento dos processos, em razão dos vultuosos valores e do envolvimento de pessoas e empresas muito influentes no País.

Pimenta classificou como “estranho” o fato de a Justiça ter negado os 26 pedidos de prisão solicitados pelo Ministério Público Federal e ter decretado o sigilo das investigações. Diante desses fatos, o deputado Pimenta anunciou que, na próxima semana, fará uma representação ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) pedindo a instauração de procedimento para apurar possíveis irregularidades na prestação jurisdicional na 10ª Vara Criminal Federal do DF.

“Não é razoável que um País como o nosso, com as necessidades e as dificuldades que possui, tenha créditos bilionários sem que haja uma agilidade ou prioridade por parte do Poder Judiciário. Como é possível existir processos bilionários como esses prescrevendo em prejuízo da União em varas especializadas de combate à lavagem de dinheiro e aos crimes de colarinho branco?”, questionou o deputado Pimenta.

De acordo com o relator, deputado Paulo Pimenta, os próximos convidados para falarem à subcomissão serão o Presidente do Carf, Carlos Alberto Freitas Barreto,  e a Corregedora Geral do Ministério da Fazenda, Fabiana Vieira Lima.

Luizmuller’s Blog | Espaço de divulgação de textos e ações que defendem trabalho decente no Rio Grande e no Brasil

2 Comentários »

  1. […] Source: fichacorrida.wordpress.com […]

    Pingback por Vão pedir a exumação do Maurício Sirotsky Sobrinho e do Roberto Marinho?! | psiu... — 21/05/2015 @ 12:42 pm | Responder

  2. […] Se para esclarecer a participação do PP gaúcho da Ana Amélia Lemos na Operação Lava Jato precisa exumar o corpo do líder, então para esclarecer todas lavagens do Grupo RBS, Gerdau, Rede Globo e dem…  […]

    Pingback por Vão pedir a exumação do Ma... — 21/05/2015 @ 12:42 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: