Ficha Corrida

27/03/2014

Ué, seu Rossi, mas teu patrão não falou que a dita foi branda?!

O que causa espécie não é este animal confessar que destroçava pessoas durante a ditadura. Estes animais com forma humana sempre existiram e existirão. A tristeza me vem de pessoas pretensamente inteligentes que se congratulam com o regime cuja única obra foi deixar aflorar, e proteger, os instintos mais animalescos que se pode ver em qualquer espécie animal. Aliás, nunca é demais lembrar que os atuais grandes grupos de mídia, a$$oCIAdos ao Instituto Millenium, não só se congratularam com a ditadura, como dela retiram o sumo do seu crescimento. Sem ditadura não existiria Rede Globo, Grupo RBS, Grupo Folha da Manhã, Estadão, Abril/Veja. Seriam todos jornais de bairro. Até hoje a Rede Globo admitiu que errou ao apoiar a ditadura, mas não pediu desculpas nem devolveu o que lucrou com ela, a ditadura. A Folha achou por bem publicar que não foi ditadura, mas ditabranda. Logo a Folha que emprestava as peruas que distribuíam o jornal para que agentes do tipo Paulo Malhães pudessem desovar junto com o matutino os presuntos fabricados à noite nos porões da ditadura. Mas como diz a manada de muares por aí, na ditadura não havia corrupção. Pois é, matar quem denunciava a corrupção também não era corrupção. ERA PRAZER!

Clóvis Rossi é um jornalista como muitos no Brasil que clamam por liberdade de expressão. Qual a liberdade que ele tem de escrever sobre o papel de seu patrão e da empresa do patrão na produção de Paulo Malhães?

Paulo MalhoesCLÓVIS ROSSI

O orgulho do assassino

Confissões do coronel Malhães chocam pelo sadismo, mas não por contar o que já se sabia

Mesmo para quem lidou durante muitos anos com a questão dos direitos humanos, no Brasil e na América Latina, é chocante ler o depoimento do coronel reformado Paulo Malhães à Comissão Nacional da Verdade (folha.com/no1430795).

Mas choca apenas pelo sadismo revelado pelo oficial e pela frieza com que confessa crimes bárbaros. O fato de que havia torturas e assassinatos já era arquiconhecido e, portanto, não pode provocar surpresa, a não ser em distraídos, desavisados ou viúvas da ditadura, como os que promoveram a fracassada reedição da Marcha da Família.

De todo modo, creio que seja uma das primeiras vezes, talvez até mesmo a primeira, em que um torturador –e não um torturado– admite os fatos como os fatos se passaram. Com o adicional de que era um oficial cuja função lhe permitia ter pleno conhecimento de tais fatos.

José Carlos Dias, o advogado que o interrogou na CNV, chamou o coronel reformado de "sádico e exibicionista".

É verdade, mas é preciso ter claro que o sadismo e o exibicionismo podem ser características específicas de um ou de outro oficial (há mais Malhães por aí), mas a violência contra os opositores do regime era uma política de Estado, não uma iniciativa dos porões.

Estes só acrescentavam o sadismo, mas o esquema geral tinha a aprovação das cúpulas militares e, por extensão, da cúpula do poder político, à época ocupada por generais.

Matar, torturar, fazer desaparecer –tudo isso era um sistema, bem documentado, de resto, nos livros desse notável Elio Gaspari sobre o período militar, o mais completo balanço jamais publicado a respeito (acabam de ser lançadas reedições atualizadas).

É por isso que se torna inaceitável o silêncio das Forças Armadas a respeito do que ocorreu no período.

Alegar que o que houve no Brasil, em dados momentos dos anos 60 e 70, foi uma guerra contra a subversão não resiste a uma análise séria. Tanto é assim que o coronel Malhães descreveu como os torturadores faziam para dificultar ou impossibilitar a identificação dos torturados que matavam.

Ora, mesmo numa guerra, há normas e códigos, entre os quais o de devolver os cadáveres.

Se trataram de fazê-los desaparecer ou de dificultar a identificação, só pode ser porque sabiam que estavam fazendo algo ilegal, errado, absurdo, de uma violência (no caso contra os familiares em busca de informações) adicional à já insuportável violência que é o assassinato e/ou a tortura.

Vamos ser claros: houve, sim, alguns choques armados entre opositores e repressores, mas a maior parte das mortes foi assassinato puro e simples.

Tudo bem que houve uma anistia para ambos os lados e que a maioria aceita que ela era indispensável para poder virar a página e tocar adiante o país.

Ainda assim, não deixa de ser incômodo saber que um assassino e torturador confesso anda por aí livre e sem ter sido submetido ao menor constrangimento. Um assassino que se orgulha dessa condição.

crossi@uol.com.br

    7 Comentários »

    1. […] usam de eufemismo, sonegam informação, silenciam nomes e partidos. Em casos extremos, como Paulo Malhães, que foi executor da política defendida por eles na ditadura, executam como queima de arquivo. […]

      Pingback por Manipulação made in Folha | Ficha Corrida — 16/06/2014 @ 9:18 am | Responder

    2. […] e logístico à ditadura. Os principais algozes estão morrendo ou sendo queimados, como Paulo Malhães, por saberem demais… Mas o STF do Joaquim Barbosa e do Gilmar Mendes estão mais preocupados com […]

      Pingback por Por que não há nenhum magistrado brasileiro neste congresso?! | Ficha Corrida — 24/05/2014 @ 9:59 am | Responder

    3. […] torturam, estupram, matam, cortam os dedos para impedir a identificação(vide confissão de Paulo Malhães), esquartejam e escondem as partes do que sobra da […]

      Pingback por E os empresários? | Ficha Corrida — 14/05/2014 @ 8:45 am | Responder

    4. […] MILITAR, como diria Paulo Malhães, é o caralho! Sem eufemismo dona ditabranda, o que houve foi Ditadura Militar com apoio da Folha, […]

      Pingback por A Folha continua com seu Regime… Militar | Ficha Corrida — 28/03/2014 @ 8:09 am | Responder

    5. […] See on fichacorrida.wordpress.com […]

      Pingback por Ué, seu Rossi, mas teu patrão não falou que a dita foi branda?! | EVS NOTÍCIAS. — 27/03/2014 @ 5:43 pm | Responder

    6. […] O que causa espécie não é este animal confessar que destroçava pessoas durante a ditadura. Estes animais com forma humana sempre existiram e existirão. A tristeza me vem de pessoas pretensamente in…  […]

      Pingback por Ué, seu Rossi, mas teu patrão n&a... — 27/03/2014 @ 5:43 pm | Responder

    7. […] José Carlos Dias, o advogado que o interrogou na CNV, chamou o coronel reformado de ‘sádico e exibicionista”. Leia mais no blogue Ficha Corrida. […]

      Pingback por Faltam os nomes dos comandantes do torturador coronel Malhães | andradetalis — 27/03/2014 @ 12:53 pm | Responder


    RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

    Deixe um comentário

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

    Foto do Google

    Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

    Conectando a %s

    Blog no WordPress.com.

    %d blogueiros gostam disto: