Ficha Corrida

31/03/2015

Não somos racistas, somos mafiosos

Não somos racistas, somos mafiosos, sonegadores, manipuladores, mas temos do nosso lado a fina flor do Poder Judiciário…

Fernanda Montenegro envia um beijinho no ombro a Ali Kamel

:

Numa das cenas mais inesperadas da teledramaturgia da Globo, a emissora dos Marinho fez um elogio rasgado à política de cotas raciais, no episódio de ontem da novela Babilônia; ao conceder um bônus a sua melhor advogada, a jovem negra Paula (Sheron Menezzes), Teresa (Fernanda Montenegro) ouviu: "Sabe o que eu queria fazer com esse cheque? Esfregar na cara de todas as pessoas que riram de mim por eu ter entrado na faculdade pelo sistema de cotas". Em seguida, respondeu: "beijinho no ombro pras invejosas"; alguns anos atrás, o superpoderoso Ali Kamel, diretor da Globo, publicou o livro "Não somos racistas", um libelo contra a política de cotas; a Globo agora é progressista ou aí tem coisa?

31 de Março de 2015 às 07:31

247 – Deu a louca na Rede Globo. Ou há algo que ainda não se poder enxergar com clareza. Em 2006, um dos mais próximos executivos da família Marinho, o jornalista Ali Kamel, publicou o livro "Não somos racistas", um libelo contra a política de cotas raciais – desde então, esta foi a posição editorial de todos os veículos de comunicação da Globo.

Ontem, no entanto, na novela Babilônia, o grupo dos Marinho deu um giro de 180 graus na novela Babilônia, que vem sofrendo críticas de setores conservadores desde o primeiro capítulo, quando a novela estreou com o beijo gay de Fernanda Montenegro e Natália Thimberg.

Desta vez, a polêmica envolveu a política de cotas raciais, numa cena exibida no capítulo desta segunda-feira. Ao conceder um bônus polpudo à sua melhor advogada, a jovem negra Paula (Sheron Menezzes), Teresa (Fernanda Montenegro) ouviu: "Sabe o que eu queria fazer com esse cheque? Esfregar na cara de todas as pessoas que riram de mim por eu ter entrado na faculdade pelo sistema de cotas".

Em seguida, respondeu: "beijinho no ombro pras invejosas".

Evidentemente, uma cena com esse teor político, no momento em que o Brasil é sacudido por uma onda neoconservadora, não entraria numa novela da Globo sem que tivesse sido discutida internamente. Mais do que simplesmente criar polêmica, ao discutir o tema das cotas raciais, a Globo parece disposta a assumir pautas mais progressistas.

Será que os Marinho decidiram mandar um "beijinho no ombro" para Ali Kamel? Confira, abaixo, a sinopse do livro "Não somos racistas", que fala do medo do autor em relação à política de cotas:

SINOPSE:

‘Não somos racistas’ é um livro nascido do espanto. Movido pelo instinto de repórter, Ali Kamel, diretor de jornalismo da Rede Globo, começou a perceber que a política de cotas proposta pelo Governo Lula – e que pode ser aprovada em breve pelo Senado – divide o Brasil em duas cores, eliminando todas as nuances características da nossa miscigenação. Ali constata, estarrecido, que, nesta divisão entre brancos e não-brancos, os ‘não-brancos’ são considerados todos negros. O primeiro capítulo de ‘Não somos racistas’ mostra como a política de cotas começou a ser construída no governo Fernando Henrique Cardoso. Mostra, ainda, como o jovem sociólogo Fernando Henrique foi uma das cabeças de um movimento que dominou parte da intelectualidade nacional nos anos 1950. Um movimento que se afastava do conceito de multiplicidade e democracia racial proposto por Gilberto Freyre em obras como ‘Casa grande e senzala’ e dividia o Brasil entre duas cores; negros e brancos. O livro de Ali Kamel começou a se desenhar em 2003, quando ele passou a publicar, quinzenalmente, uma série de artigos sobre as cotas no jornal ‘O Globo’. Neles, constatava o sumiço dos pardos e dos miscigenados nas estatísticas raciais brasileiras. Apontava, também, para o fato de que o branco pobre tem a mesma dificuldade de acesso à educação que um negro pobre, levantando a hipótese de que o maior problema do país talvez não seja a segregação pela cor da pele – e sim pela quantidade de dinheiro que se carrega no bolso. ‘Não somos racistas’ aprofunda e sistematiza as idéias apresentadas pelo jornalista naqueles artigos; a negação da miscigenação; o ‘olho torto’ das estatísticas, que escamoteiam problemas sociais na divisão da população por cores; a situação de negros e brancos no mercado de trabalho; o medo de que uma política de cotas, posta em prática, construa uma separação entre cores que nunca existiu, de fato, no Brasil, promovendo o ódio racial; os estudos científicos que provam que raças não existem e, portanto, não pode haver tratamento desigual para seres humanos iguais.

Fernanda Montenegro envia um beijinho no ombro a Ali Kamel | Brasil 24/7

2 Comentários »

  1. […] Source: fichacorrida.wordpress.com […]

    Pingback por Não somos racistas, somos mafiosos | psiu... — 31/03/2015 @ 12:24 pm | Responder

  2. […] Não somos racistas, somos mafiosos, sonegadores, manipuladores, mas temos do nosso lado a fina flor do Poder Judiciário… Fernanda Montenegro envia um beijinho no ombro a Ali Kamel Numa das cenas ma…  […]

    Pingback por Não somos racistas, somos mafiosos | EVS... — 31/03/2015 @ 12:24 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: