Ficha Corrida

31/05/2014

Enquanto EUA caem 1%, Brasil cresce 0,2%

Filed under: Brasil,Complexo de Vira-Lata,Economia,EUA,PIBe — Gilmar Crestani @ 9:37 am
Tags:

EUAGloboOntem a Folha publicou que o PIB dos EUA teve uma retração de 1%. Em bom português, caíram…

Considerando que se trata, segundo nossos vira-latas, de um país de primeiro mundo, com economistas, governos e povo de primeiro mundo, como admitir que não consigam crescer, eles que são tão inteligentes e melhores do que nós?! Pior, eles nem podem botar a culpa na Copa ou José Genoíno…

A mesma matéria dizia que economistas tipo primeiro mundo, do mundo civilizado, esperava uma contração de apenas 0,5%. Significa que os economistas made in USA, sonho de todo vira-lata tupiniquim, erraram na previsão em … 50%. Será que os jornais e colonistas ianques falam em PIBinho?! Será que por lá a oposição também torce pelo quanto pior, melhor? Duvido que a oposição de lá seja turbinada pelas velhas mídias e se envolva com helicópteros cheios de cocaína…

Só para refrescar a memória (de quem tem), quando soprava vento nos Tigres Asiáticos, FHC(1997-98) passava o pires no FMI. Se no México (1995) usavam um pouco mais de milho para tratar seus porcos, o Brasil do prof. Cardoso contraía o mal de Montezuma

O Brasil ainda não é o que gostaríamos que fosse, mas estaria muito melhor se não tivéssemos tanta gente com o Complexo de Vira-lata

Investimento e consumo desaceleram PIB

No primeiro trimestre, economia brasileira cresceu 0,2% sobre o trimestre anterior; indústria teve terceira queda

Juros mais altos, crédito mais restrito e cenário de insegurança com ano eleitoral fazem encolher os gastos privados

PEDRO SOARESSAMANTHA LIMADO RIO

Motor do PIB na última década, o consumo das famílias demonstrou seu esgotamento no resultado do primeiro trimestre, anunciado nesta sexta-feira (30): caiu 0,1% em relação a igual período de 2013, pior resultado desde o terceiro trimestre de 2011.

Tolhido por inflação em alta e menor vigor no mercado de trabalho, o consumo foi afetado ainda pelo crédito mais caro e restrito.

Os juros mais altos, que ajudaram a retrair as compras, também afetaram os investimentos das empresas. A queda foi de 2,1% tanto na comparação com o quarto trimestre quanto em relação aos três primeiros meses de 2013 –resultado mais fraco em dois anos.

Como resultado, o PIB –uma medida de crescimento da economia nacional– se expandiu 0,2% de janeiro a março –em linha com as previsões médias do mercado. Sobre o primeiro trimestre de 2013, o avanço foi de 1,9%.

O cenário à frente não é animador: a confiança de empresários e consumidores está nos níveis mais baixos desde a crise global de 2009.

Após o resultado, analistas revisaram projeções para baixo. Creem agora numa expansão mais perto de 1% do que de 2%.

A FGV estima algo próximo de 1,5%. "O PIB neste ano manterá o padrão de voo de galinha, mas numa decolagem ainda mais baixa", diz Vinícius Botelho, da FGV.

Trata-se de um baixo crescimento para um país ainda em desenvolvimento, que precisa aumentar a renda per capita de sua população.

No primeiro trimestre, dentre 29 países que já divulgaram dados, o Brasil ficou em 21º. Até o Japão, estagnado há mais de uma década, cresceu mais.

INVESTIMENTOS

A queda dos investimentos é um dos fatores que indicam um vigor menor da economia nos próximos trimestres, porque é por meio deles que as empresas ampliam sua capacidade produtiva e que o país expande sua infraestrutura.

A deterioração revelada no primeiro trimestre deste ano decorre do tombo da construção civil –o setor apresentou a maior retração desde o primeiro trimestre de 2009, auge da crise global.

Inserido na indústria, o segmento ajudou o desempenho do setor a descer ladeira abaixo e acumular três trimestres de contração, o que pode ser considerado uma recessão.

"A indústria vive um momento trágico, e as expectativas são ainda piores", disse o economista Sérgio Vale, da consultoria MB Associados.

Para Rebecca Palis, gerente do IBGE, a queda da construção veio em resposta à perda de ritmo de obras de infraestrutura, que caíram apesar das novas concessões públicas (rodovias, portos, aeroportos) e da Copa –cujo pico dos projetos de estádios e melhorias no entorno ficou para trás, em 2013.

Além da construção, a compra de máquinas e equipamentos pela indústria (que integra também o investimento) se enfraqueceu –um sinal de que empresários não esperam mais consumo para seus produtos nem uma retomada breve da produção.

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: