Ficha Corrida

28/06/2016

Entenda porque a Folha ama odiar o PT e odeia amar o PSDB

OBScena: entrou numa Frias porque cospe pra cima

O editorial desta terça-feira da Folha de São Paulo fornece, para quem tiver algum neurônio em funcionamento, porque o PSDB é o queridinho dos plutocratas. Até quando o PSDB rouba merenda a culpa recai sobre o PT. Por aí se entende a obsessiva caça ao grande molusco. Enquanto as baterias estiverem apontadas contra pedalinhos, os inúmeros escândalos estrelados pela cleptocracia peessedebista corre solta. O tom do editorial já diz tudo. Conta o roubo da merenda escolar em tom de conversa de sacristia. Tudo no condicional. Não há criminalização do PSDB nem as cores apocalípticas com que sempre pinta o PT. Não há ataque aos mandantes nem aos beneficiados, muito menos relacionada com a violência da polícia contra os estudantes que denunciaram o roubo da merenda.

Enquanto caçam Lula e fazem teatro com prisão de Paulo Bernardo, Eduardo CUnha e seu vice decorativo se encontram às escuras no Palácio do Jaburu. Ora, é assim que funciona a plutocracia. Uma cortina de fumaça serve para esconder os atos dos usurpadores. Cadê a prisão de Eduardo CUnha? Ah, ele tem foro privilegiado. É, mas o Delcídio Amaral também tinha. E a mulher e filha do CUnha? O que elas têm de diferente da cunhada do Vaccari? Claro, é a mulher do bandido mais protegido da República das Bananas.

A prova da merenda

28/06/2016 02h00 – Editorial

Está marcada para esta terça-feira (28), na Assembleia Legislativa de São Paulo, a segunda sessão da CPI da merenda. Em tese, a comissão parlamentar deveria fortalecer as investigações do escândalo na alimentação escolar, conduzidas desde janeiro pelo Ministério Público e pela Polícia Civil.

Têm-se esquadrinhado contratos celebrados entre a Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf) e dezenas de prefeituras, além da Secretaria Estadual da Educação.

Suspeita-se de um esquema de superfaturamento na distribuição de suco de laranja para a rede pública, com propinas que atingiriam até 30% dos valores contratados.

Por meio de delações premiadas, alguns investigados implicaram membros do governo Geraldo Alckmin (PSDB), além de deputados federais e estaduais. Entre eles, Fernando Capez (PSDB), presidente da Assembleia.

Apesar disso —ou por causa disso—, são diversos os sinais de que a investigação parlamentar caminha para não cumprir seu papel.

Não só 8 de seus 9 integrantes são de partidos da base de apoio de Alckmin, como o presidente e o vice da comissão pertencem ao PSDB e ao PSB (partido do vice-governador), respectivamente. Tal domínio alimenta temores de que a apuração se concentrará em prefeituras do PT, desviando o foco do governo estadual e de Capez.

Como se não bastasse, um dos titulares da comissão, Barros Munhoz (PSDB), notabilizou-se há alguns anos por afirmar: "CPI, no Brasil, só vocês da imprensa acreditam, mais ninguém. (…) É conversa mole, coisa para enganar".

A frase infame tem sido confirmada nos âmbitos federal, estadual e municipal. Há tempos os políticos aprenderam a domesticar CPIs —quando não utilizá-las para extorsões e propinas—, tornando ultrapassada a máxima de que se sabe como tais comissões começam, mas não como terminam.

No Estado de São Paulo, nos últimos anos, a ampla base de apoio dos governos do PSDB tem agido para impedir que a Assembleia apure escândalos envolvendo políticos do partido. As poucas investigações que conseguem superar essa barreira terminam desidratadas e sem resultados.

No escândalo da merenda, o governo do Estado se considera vítima, segundo declarou Alckmin. Tanto o governador como seus aliados deveriam, portanto, ser os maiores interessados em esclarecer o episódio, não importa a coloração partidária dos envolvidos.

Se a alegação fosse sincera, caberia dar força à CPI na condição de instrumento para elucidar os fatos.

editoriais@uol.com.br

02/10/2015

Agora só uma saída para Eduardo CUnha, se filiar ao PSDB

OBScena: vejo onde se localiza o cérebro dos midiotas

CUNHA'SAcabou, pero no mucho. Ainda há uma saída para Eduardo CUnha, filiar-se ao PSDB. Caso ainda tenha alguma dúvida, CUnha deveria consultar o deputado do PSDB gaúcho, Jorge Pozzobom.

Sabe aquele momento vergonha alheia? É ver tanto moralista de puteiro se aliando ao Eduardo CUnha para combater a corrupção. Começa por Aécio Neves, passa pelo MBL até chegar em Mart Suplicy e Hélio BiCUdo. Todos querem derrubar Dilma, não porque conseguem apontar um único desvio ético, mas para que possam limpar a área e continuarem fazendo que sempre fizeram sem nunca terem sido molestados pelo vazadores da Lava Jato.

Não duvide se o MPF designar o Rodrigo de Grandis para cuidar de mais este caso suíço, haja vista a maneira como ele se desincumbiu da tarefa de investigar o Robson Marinho… Se depender desta gente que vive de perseguir Lula, Eduardo CUnha ainda pode acabar no TCE/SP.

Ora, desde quanto ter contas na Suíça é negativo para a imagem de homens públicos amados pelos assoCIAdos do Instituto Millenium?! Por acaso os grupos mafiomidiáticos fazem algum escândalo com a relação à Lista Falciani do HSBC ou com os pegos na Operação Zelotes (RBS)?!

É claro que a velha mídia prefere mil vezes um Collor, um FHC, um Eduardo CUnha, um Aécio Neves,  um Severino Cavalcanti, um Augusto Nardes a um Lula  a uma Dilma…

Dá para entender agora porque querem derrubar a Dilma e criminalizar o Lula ou ainda precise que desenhe?

Suíça diz que Eduardo Cunha tem controle de quatro contas

Uma das contas tem o presidente da Câmara e sua mulher como beneficiários

Revelação feita por procuradores suíços constrange deputado, que em março negou ter dinheiro fora do Brasil

DE SÃO PAULO DE BRASÍLIA

Procuradores da Suíça informaram seus colegas brasileiros que o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), tem o controle de ao menos quatro contas secretas, segundo a Folha apurou com investigadores que atuam no caso.

Uma dessas contas tem como beneficiários Cunha e sua mulher, a jornalista Claudia Cordeiro Cruz, que foi apresentadora de telejornais da Rede Globo ente 1989 e 2001.

A revelação feita pelas autoridades suíças criou constrangimento para Cunha, que é acusado pela Procuradoria-Geral da República de receber propina do esquema de corrupção descoberto pela Operação Lava Jato na Petrobras.

Cunha foi questionado sobre o assunto no plenário da Câmara nesta quinta (1º), mas se recusou a responder. A pergunta foi feita da tribuna pelo líder da bancada do PSOL, deputado Chico Alencar (RJ).

"O presidente Eduardo Cunha tem ou não tem contas na Suíça?", perguntou Alencar. "Será que esse assunto vai ficar abafado aqui na Câmara?".

Cunha, que presidia a sessão, não olhou para o deputado em nenhum momento. Quando Alencar concluiu o discurso, Cunha ignorou a pergunta e limitou-se a dar continuidade à votação de um projeto na área de segurança pública: "Como vota a Rede?".

O presidente da Câmara desistiu de uma viagem à Itália que estava marcada para esta quinta. Ele explicou a deputados que resolveu cancelar a viagem para "enfrentar a situação" e não ser acusado de "estar fugindo" agora.

Os valores depositados nas quatro contas associadas a Cunha foram bloqueados pelas autoridades suíças, que não revelaram o valor total.

As contas foram abertas em nome de empresas sediadas em paraísos fiscais, países que, diferentemente da Suíça, não costumam colaborar com investigações sobre lavagem de dinheiro e corrupção.

O Ministério Público da Confederação Suíça começou em abril a investigar a suspeita de que Cunha escondera dinheiro no país. Nesta semana, transferiu o caso para as autoridades brasileiras, como fez antes com outras pessoas investigadas pela Lava Jato.

Os lobistas Julio Camargo e Fernando Soares, que fizeram acordo de delação premiada e colaboram com as investigações, dizem ter repassado US$ 5 milhões em propina a Cunha para garantir um contrato com a Petrobras.

Outro lobista ligado ao PMDB, João Augusto Henriques, preso em 21 de setembro, disse à Polícia Federal que depositou recursos numa conta de Cunha, sem saber que pertencia ao deputado.

Qualquer brasileiro pode manter contas bancárias no exterior, mas a lei exige que elas sejam declaradas à Receita Federal, se o saldo no fim do ano for igual ou superior a R$ 140, e ao Banco Central, para quem tiver mais de US$ 100 mil fora do país.

Em março deste ano, em depoimento à CPI da Petrobras, Cunha afirmou que não possuía nenhuma conta fora do Brasil. "Não tenho qualquer tipo de conta em qualquer lugar que não seja a conta que está declarada no meu Imposto de Renda", disse.

Na declaração entregue à Justiça Eleitoral em 2014, Cunha indicou patrimônio de R$ 1,65 milhão, incluindo uma única conta bancária, no Itaú, com saldo de R$ 21,6 mil.

De acordo com o Código de Ética da Câmara, a omissão de informação patrimonial relevante é um dos motivos que "constituem procedimentos incompatíveis com o decoro parlamentar, puníveis com a perda do mandato".

Qualquer deputado pode pedir a abertura de um processo de cassação do mandato de Cunha, mas ele só seguiria adiante se fosse aceito pelo Conselho de Ética da Câmara, colegiado hoje controlado por deputados fiéis a Cunha.

O advogado de Cunha, Antonio Fernando de Souza, disse por meio de nota que não faria comentários sobre as contas encontradas na Suíça e que o deputado pretende se defender no Supremo Tribunal Federal, que ainda não decidiu se aceita a denúncia apresentada pela Procuradoria contra Cunha.(MARIO CESAR CARVALHO, AGUIRRE TALENTO, DÉBORA ÁLVARES, MÁRCIO FALCÃO E RANIER BRAGON)

11/07/2015

Chaminé do IBOPE expele algo branco e não é fumaça

Filed under: Aécio Neves,Golpismo,Golpistas,IBOPE,Napoleão de Hospício — Gilmar Crestani @ 10:58 pm
Tags:

aécio napoleão de hospicio fui-eleito1Quando morre um Pontífice, os Cardeais se reúnem no Vaticano para elegerem um sucessor. Após cada escrutínio, as chaminés expelem fumaça.  Se não há consenso, a fumaça é preta. Quando sai a branca, habemus papam. Como não há consenso na direita quanto a quem cabe o botim do golpe, o Napoleão das Alterosas, sempre que a mídia joga fumaça, pensa em assumir por direito divino. Como no programa de humor da Multishow, vai que cola

A louca cavalgada do Aécio Neves, não fosse um diagnóstico estarrecedor da nossa direita golpista, pareceria apenas alguém saído das tripulias do Monty Python.  Com seu histrionismo disléxico, Aécio parece ter saído de uma cena da Vida de Brian…. Foi assim que em questões de horas perpetrou três atos falhos homéricos: “fui reeleito presidente da República”, e, como Presidente do PSDB, confessa à Rádio Itatiaia que “o PSDB é o maior partido de oposição ao Brasil”. Na sua louca e alucinada cavalgada, o gazeteiro Napoleão de Hospício, pior senador no ranking da Veja, também assumiu-se “nós, cariocas”.

Há uma constatação tão óbvia quanto necessária: como admitir que Aécio esteja em condições psíquicas e populares de assumir o poder depois do golpe se ele sequer ganhou em Minas? Teria algo a ver com o fato de que agora anda se declarando “carioca”. Ele quer assumir a Presidência para não precisar mais comparecer ao Senado ou para poder morar definitivamente no Rio enquanto terceiriza o poder ao Renal Calheiros e ao Eduardo CUnha? E, por fim, se Aécio assumir a Presidência ele vai declarar guerra à Venezuela? Será que ele tem noção do que isso significa em termos comerciais só no ramo das drogas!?

As agressões, típicas de quem vive em síndrome de abstinência, é a outra faceta do estadista que fez a seguinte recomendação aos aliados do governo Dilma: “suguem mais um pouco e venham para o nosso lado”. E parece que o convite deu certo, os corruptos da Lava Jato, que em época eleitoral, faziam as capas da Veja, já estão em estado avançado indo para os lados do magarefe das gerais. E aí, para não deixar dúvidas ao golpismo, o IPOBE prepara esta presepada.

Ibope pesquisa eleição fictícia e elege Aécio

A mais de três anos das eleições presidenciais, o Ibope pesquisou cenários sobre a sucessão de Dilma Rousseff e descobriu que se a disputa fosse hoje o senador Aécio Neves (PSDB-MG) teria 48% contra 33% do ex-presidente Lula; única finalidade da pesquisa é inflamar ainda mais os ânimos golpistas de uma ala da oposição, que tenta, a todo custo, conseguir a cassação da presidente Dilma Rousseff e do vice Michel Temer, para entregar o poder presidencial temporariamente ao deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que convocaria eleições em 90 dias; Ibope também pesquisou cenários de uma eventual disputa entre Lula e Geraldo Alckmin, que apontou empate técnico; como Aécio sabe que só será candidato caso haja impeachment, ele tem orientado aliados, como o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) e o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), a trabalhar dia e noite pelo golpe

11 de Julho de 2015 às 17:03

247 – A mais de três anos das eleições presidenciais, o Ibope realizou uma pesquisa eleitoral feita sob medida para inflamar o golpismo que vem sendo abraçado por uma ala da oposição, liderada pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG). Segundo o instituto, se as eleições fossem hoje, Aécio teria 48% dos votos contra 33% do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, num eventual segundo turno.

A validade de uma pesquisa eleitoral a tanto tempo de uma disputa presidencial é praticamente nula, mas o levantamento do Ibope atende a uma finalidade: a de manter acesa a chama do golpe. Desde a convenção nacional do PSDB, realizada no último domingo, 5 de julho, lideranças tucanas, incluindo o próprio Aécio, têm falado em abreviar o mandato da presidente Dilma Rousseff.

O senador mineiro, por sua vez, tem orientado aliados próximos, como o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) e o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), a explicitar a linha de ação. Ambos têm defendido a cassação não apenas da presidente Dilma Rousseff, como também do vice Michel Temer, do PSDB. Neste cenário, o poder presidencial seria entregue temporariamente ao deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que teria a obrigação de convocar eleições em 90 dias.

Este cenário, no entanto, não interessa aos outros três presidenciáveis tucanos, que são o senador José Serra (PSDB-SP) e os governadores Geraldo Alckmin e Marconi Perillo. Todos preferem que a disputa se dê no cronograma normal, ou seja, em 2018. O desespero de Aécio, no entanto, decorre justamente desse fato. Ele sabe que dificilmente conseguirá se manter candidato até lá. Por isso mesmo, ele é hoje o principal artífice do golpe contra a presidente Dilma.

A pesquisa Ibope, que será divulgada neste domingo, também pesquisou um cenário envolvendo Lula e o governador Alckmin. Neste caso, haveria empate técnico: Alckmin com 40% e Lula com 39%. Mas é um cenário tão inútil quanto o que envolve Aécio.

Ibope pesquisa eleição fictícia e elege Aécio | Brasil 24/7

08/07/2015

Faltou um parágrafo nesta informação da Folha

Filed under: CGU,Napoleão de Hospício,Petrobrás — Gilmar Crestani @ 8:35 am
Tags:

aecio_louco1A CGU é um órgão dotado de estrutura e independência por obra de uma das pessoas mais odiadas pelos que vivem da corrupção, Lula.

Logo, as investigações contra a corrupção da Petrobrás, e sem a participação das capas da Veja e de estatuetas da Rede Globo, começou antes por um órgão do próprio governo. Assim fica fácil de entender porque todos os maiores beneficiários, que são os de sempre, das grandes empresas continuam defendendo o financiamento privado das campanhas. O movimento de criminalização do PT, Lula e Dilma não passa de diversionismo, como forma de eliminarem potenciais concorrentes no ramo da corrupção.

O PSDB e seus parceiros mafiomidiáticos deveria eliminar, primeiro, o uso de cocaína entre eles, para evitar que saiam a público com síndrome de abstinência, parecendo verdadeiros Napoleões de Hospício.

Ex-diretores viajaram com acusado de pagar propina, diz Hage a CPI

Segundo ex-ministro da CGU, grupo foi a vinhedos na Argentina

AGUIRRE TALENTODE BRASÍLIA

O ex-ministro da CGU (Controladoria-Geral da União) Jorge Hage afirmou nesta terça (7) à CPI da Petrobras que Jorge Zelada e Renato Duque, ex-diretores da Petrobras presos na Operação Lava Jato, fizeram uma viagem não-oficial a vinhedos na Argentina junto com o acusado de operar pagamentos de propina da SBM Offshore, Julio Faerman.

Hage também revelou detalhes da investigação do órgão sobre o caso da SBM, empresa holandesa representada no Brasil por Faerman –apontado como responsável por pagamentos de propina a funcionários da Petrobras.

Segundo Hage, a CGU confirmou com a Polícia Federal e companhias aéreas que Zelada, Duque e José Orlando Azevedo –ex-presidente da Petrobras America e primo do ex-presidente da estatal José Gabrielli– viajaram com Faerman e um sócio dele.

O ex-ministro não informou a data nem detalhes do roteiro da viagem, exceto que o grupo foi a "vinhedos de Mendoza", na Argentina.

No caso de Zelada, a CGU também apontou vazamento de documentos sigilosos da estatal à SBM –obtidos, segundo Hage, por meio do uso da senha do ex-diretor no computador da casa dele "em horário avançado da noite, não era horário de funcionamento da Petrobras".

Zelada e Duque são investigados por suspeita de participarem do esquema de corrupção na estatal.

A CGU abriu processos punitivos contra os dois, Azevedo e outros ex-funcionários da Petrobras no caso SBM. Hage citou à CPI outros alvos: o ex-diretor internacional Nestor Cerveró, que está preso, José Augusto Salgado da Silva e José Eduardo Loureiro, ex-gerente do Comperj.

Duque e Cerveró têm negado as acusações. A defesa de Zelada não quis comentar. Os demais não foram encontrados pela Folha.

A CGU disse que não poderia informar os nomes dos alvos porque os processos estão sob sigilo.

    30/05/2015

    Em São Paulo todo Mistério é Púbico

    FHC DepedenteNo Púbico só tem chato, piolho e medalhas escondidos. Assim fica fácil entender porque um larápio condenado na Suíça pode ser Presidente do Tribunal de Contas em São Paulo. Ou um ladrão de medalhas possa, impunemente, comandar a CBF. Com um Ministério Público que premia ladrão o PCC pode virar símbolo de política de segurança. Não é mero acaso que o piores bandidos sejam paulistas. Que os grupos mafiomidiáticos mais manipuladores (Veja, Folha Estadão) sejam paulistas.

    O que estes paulistas tomam para brotar tantos Ademar de Barros, Paulo Salim Maluf, Orestes Quércia, FHC, José Serra, José Maria Marin, Robson Marinho, Marco Polo Del Nero?! Será desta convivência pacífica com o crime que faz brotar PCC por lá?! Por será que em São Paulo um assassino, como Pimenta Neves, pode ser Diretor de Redação?

    Ou seria por que em SAMPA um bom magistrado, do tipo José Renato Nalini, precisa comprar ternos em Miami? Aliás, é de lá que nasceu aquela teoria defendida por Joaquim Barbosa segundo a qual “juiz deve ter remuneração muito elevada para não ter preocupações de ordem material. É fator primordial de sua independência”. Resumindo a tese de JB, rico é honesto; pobre, corrupto.

    Se nas margem do Ipiranga D. Pedro pode gritar Independência ou Morte, os marginais do Tietê seguem o teórico da dependência, FHC: Dependência ao Norte! Em terra que manda Lalau, Nalini, Rodrigo de Grandis et caeterva não admira que prosperem Lalaus, Marins, Malufs, FHCs, Serras, Alckmins.

    A escola Nicolau dos Santos Neto, o Lalau, cresceu e prosperou a ponto de grupelhos como MBL e Instituto Millenium pregarem aberta e escancaradamente, como durante as manifestações golpistas contra Dilma, a sonegação.

    Com instituições públicas como o MP paulista o negócio é cantar com Chico Buarque: CHAME O LADRÃO!

    MP de São Paulo vai tirar a medalha de Marin?

    29 de maio de 2015 | 10:58 Autor: Fernando Brito

    micomp

    Parece que não é só da sede do prédio da CBF que o nome de José Maria Marin terá de ser apagado.

    O Ministério Público de São Paulo também terá de passar um “photoshop” no Colar de Mérito que deu ao “boleiro” da CBF.

    Concedida, aliás, por unanimidade  pelo  Órgão Especial do Colégio de Procuradores de Justiça.

    A comenda o tornou “membro honorário do Ministério Público do Estado de São Paulo.”

    Foi em 2008, não na pré-história de Marin.

    Ou então fazer coo o próprio Marin fez com a medalha que embolsou dos jogadores do Corinthians, campeões da da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2012.

    Discretamente, sumir com a medalha.

    Claro que não se acusa o MP de São Paulo de nada, a não ser de não desconfiar de quem todo mundo já tinha um hipopótamo atrás da orelha há muitos e muitos anos.

    MP de São Paulo vai tirar a medalha de Marin? | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

    05/05/2015

    Beto Richa é a parte boa do Aécio Neves

    Filed under: Aécio Neves,Beto Richa — Gilmar Crestani @ 10:06 pm
    Tags:

    03/05/2015

    O Exército Islâmico, versão do PSDB

    Manipulação midiaticaOs profissionais da imprensa foram e são o triunfo do PSDB. Vamos começar pela origem. A Rede Globo plantou em FHC sua funcionária Miriam Dutra. Convenceu o amante da funcionária de que ela estava grávida dele. Disso resultou duas providências: a) degredaram a moça para a Espanha; b) FHC foi assim capturado e ficou à mercê dos desígnios da Rede Globo. O silêncio sobre esta operação poderia ter sido quebrado, não houvesse um Engavetador Geral no MP chamado Geraldo Brindeiro. De outro lado, a Globo não fez nada diferente do que mandava a Lei Rubens Ricúpero, revelada no Escândalo da Parabólica, quando Carlos Monforte mostrou a mão leve do jornalismo.

    Se é folclórica as sucessivas ligações de José Serra pedindo a cabeça de jornalistas, também não é menos verdade que ele sempre teve à mão sujeitos como Mauro Chaves. Sem um ventríloquo à mão Serra não teria detonado correligionário e concorrente à candidato pelo PSDB, Aécio Neves, com o antológico artigo: “Pó pará, governador!” O jornal Estado de Minas, que comia e come pelas mãos de Andrea Neves, vestiu a carapuça e respondeu: “Minas a reboque, não”. Seja brigando entre si, seja como bucha de canhão contra seus adversário, o PSDB sempre pode contar com uma Judith Brito, um Sirotsky, um Frias, um Mesquita, um Civita, um Marinho. A ANJ está aí para isso mesmo.

    A distribuição de milhares de assinaturas de impressos dos assoCIAdos do Instituto Millenium é como alfafa para burros. Vira esterco e sobe à cabeça da manada da marcha dos zumbis.

    Fala-se nas execuções de jornalistas pelo EI, mas quando o PSDB faz o mesmo, os comparsas silenciam! É tal de Omertà à moda mafiomidiática!

    Jornalistas do Paraná protestam contra violência de máfia tucana

    2 de maio de 2015 | 16:33 Autor: Miguel do Rosário

    img_1_3_6738

    Quem censura a imprensa no Brasil?

    Quais os governos estaduais ameaçam o trabalho da imprensa?

    Segundo jornalistas do Paraná, o perigo vem de bandidos ligados a esquemas inscrustados no governo do estado, presidido pelo tucano Beto Richa.

    Não há denúncia na grande imprensa, apesar de profissionais da própria imprensa local, em subsidiárias de grandes grupos, estarem à frente de protestos.

    No máximo, os protestos chegam ao site da CBN Paraná, mas não à CBN São Paulo ou do Rio de Janeiro.

    A denúncia de que membros do governo Beto Richa, assim como fazia o governo de Minas, tem relação autoritária e truculenta com a imprensa, agredindo a parte mais fraca, o profissional de jornalismo, não sai na mídia corporativa.

    Os políticos, quando não gostam de uma reportagem, não descontam nos barões de mídia. Eles atacam o trabalhador da imprensa, que a própria empresa de mídia sacrifica facilmente, se for necessário.

    Destaco um trecho da notícia publicada há pouco na CBN/PR: “Depois da veiculação de reportagens sobre a rede de corrupção e pedofilia dentro da Receita Estadual do Paraná, um dos jornalistas da RPC TV foi ameaçado de morte, e precisou ser retirado do estado. O produtor James Alberti foi ameaçado por meio de um telefonema no dia 09 de abril. Ele estava em Londrina e recebeu a ligação em que se revelava um esquema para matá-lo por meio de um suposto assalto a uma churrascaria na cidade. Diante da ameaça, a empresa providenciou a retirada do jornalista da cidade onde realizava a investigação que envolve pessoas muito próximas ao governador Beto Richa, como seu parente, Luiz Abi Antoun, e o ex-inspetor geral de fiscalização da Receita Estadual, Marcio de Albuquerque Lima.”

    *

    Na CBN Paraná.

    Jornalistas fazem protesto pela liberdade de imprensa no Paraná

    Jornalistas do Paraná fazem neste domingo (03) um protesto contra os casos de intimidação e ameaça a profissionais do estado. A data foi escolhida porque marca a comemoração da Liberdade de Imprensa.

    A manifestação foi convocada pelo Sindijor, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná. Uma campanha, com o tema “Basta de perseguição a jornalistas” vai ser lançada no ato, com o apoio do Sindicado dos Jornalistas do Norte do Paraná, Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Federación de Periodistas de América Latina y el Caribe (FEPALC) e a Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ).

    Depois da veiculação de reportagens sobre a rede de corrupção e pedofilia dentro da Receita Estadual do Paraná, um dos jornalistas da RPC TV foi ameaçado de morte, e precisou ser retirado do estado. O produtor James Alberti foi ameaçado por meio de um telefonema no dia 09 de abril. Ele estava em Londrina e recebeu a ligação em que se revelava um esquema para matá-lo por meio de um suposto assalto a uma churrascaria na cidade. Diante da ameaça, a empresa providenciou a retirada do jornalista da cidade onde realizava a investigação que envolve pessoas muito próximas ao governador Beto Richa, como seu parente, Luiz Abi Antoun, e o ex-inspetor geral de fiscalização da Receita Estadual, Marcio de Albuquerque Lima.

    Outro caso de intimidação de jornalistas do Paraná pela Polícia Civil também ganhou repercussão. Profissionais do jornal Gazeta do Povo e do Metro foram pressionados a revelar as fontes de uma reportagem que investigou irregularidades de policiais civis e militares.

    O protesto acontece neste domingo (03), na Feira do Largo da Ordem. A concentração foi marcada para 10h, atrás das ruínas.

    Jornalistas do Paraná protestam contra violência de máfia tucana | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

    15/04/2015

    Agora é científico: foi a marcha dos ignorantes!

    Filed under: Direita,Educação Pública,Ignorância,Marcha dos Zumbis,USP — Gilmar Crestani @ 8:16 am
    Tags: ,

    educacao padrao fifaSe alguém tinha alguma dúvida a pesquisa da USP comprova. Nem no lugar mais distante da civilização foi reunida tanta ignorância em tão pouco espaço. A concentração da imbecilidade reuniu só respostas boçais. A pesquisa da USP nos obriga a revisitar o velho ditado “o ódio cega” para atualizado “o ódio cega e imbeciliza”.

    A USP comprova que de que nada adianta bons colégios, acesso fácil à educação se o ambiente onde o indivíduo se desenvolve é doentio. É importante constatar que esta ignorância generalizada tem patrocinador. E sabemos quem são. Basta verificar quem recrutou a manada para xingar a Presidente Dilma na abertura da Copa do Mundo de 2014, no Itaquerão. São eles os assoCIAdos do Instituto Millenium, MBL, a Multilaser, a AMBEV e o Banco Itaú. Como diria o filósofo francês, Louis Althusser, são, atualmente, os verdadeiros aparelhos ideológicos do nosso mau estado. São eles os maiores responsáveis pelo déficit civilizatório desta parcela da sociedade reunida na marcha dos zumbis. São todos alunos da escolinha Ana Maria Braga. Foi-se o tempo em que nossa direita tinha bons filósofos, economistas, pensadores originais e de formação cultural sólida. Hoje, ao invés de sólida, a formação é sórdida!

    Em São Paulo, onde a USP concentrou a pesquisa, há um dado concreto que ajuda a explicar o fenômeno revelado pela pesquisa. Os mais de 20 anos de governos tucanos, cuja principal política de ensino foi a distribuição de milhares de assinaturas da Veja, Estadão & Folha, só poderia resultar nisso.

    Como diria a principal fonte de informação dessa turma, a Veja, é uma manada que descende diretamente do Boimate, cruza de bovinos como tomate!

    A pesquisa da USP comprova a genialidade de um torneiro mecânico que tem um dedo a menos. Precisou o grande molusco sair do seu silêncio obsequioso para que nós, diplomados em vários conheceres, constatássemos que todos os larápios da Operação Lava Jato, da Operação Zelotes, da Lista Falciani do HSBC, da Rede Globo de Sonegação, Gerdau & RBS detém diploma de curso superior. Não há no meio de tanta bandidagem nenhum analfabeto ou com pouca instrução.

    A falência do nosso ensino resta cabalmente comprovado! 

    Pesquisa da USP mostra a força da desinformação

    :

    Pesquisa sobre o comportamento dos manifestantes da Avenida Paulista no último domingo mostra que 73% não confiam nos partidos, 70% não confiam nos políticos, 64% acreditam que o PT quer implantar um regime comunista, 71% que Lulinha, o filho do ex-presidente, é sócio da Friboi e 53% que o PCC é um braço armado do PT; foram feitas 571 entrevistas com manifestantes maiores de 16 anos, entre 13h30 e 17h30 do último dia 12; dados são de pesquisa coordenada pela professora de Relações Internacionais da Unifesp Esther Solano e pelo filósofo Pablo Ortellado, da USP; para Esther, a "despolitização" é "impressionante"

    15 de Abril de 2015 às 05:42

    247 – Uma pesquisa realizada com os manifestantes que foram à Avenida Paulista no último domingo 12, protestar contra o governo e pedir a saída da presidente Dilma Rousseff, captou a insanidade das ruas e mostrou a força da desinformação de quem tem ido aos protestos.

    As respostas das 571 entrevistas com manifestantes maiores de 16 anos, feitas entre 13h30 e 17h30, mostram que 73% não confiam nos partidos, 70% não confiam nos políticos e 64% acreditam que o PT quer implantar um regime comunista no Brasil.

    Dos entrevistados, 71% acreditam também que Lulinha, o filho do ex-presidente, é sócio da Friboi e 53% que o PCC é um braço armado do PT. Para 56%, o Foro de São Paulo quer criar uma ditadura bolivariana no Brasil.

    "O PT trouxe 50 mil haitianos para votar na Dilma nas últimas eleições" foi uma frase que recebeu a concordância de 42,6% dos manifestantes que responderam à pesquisa. Esse resultado em especial foi criticado hoje pelo presidente do PT, Rui Falcão (leia mais).

    A maioria também não aponta nenhuma liderança política como referência. Apenas 8% citaram o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e 12%, o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Os políticos que mais receberam a confiança dos entrevistados foram Geraldo Alckmin (29%), José Serra (23,8%), Aécio (22,6%) e Jair Bolsonaro (19,4%).

    O levantamento foi coordenado pela professora de Relações Internacionais da Unifesp Esther Solano e pelo filósofo Pablo Ortellado, da Universidade de São Paulo. "Entre um público que se autodefine como de direita ou de centro-direita [46%, segundo o Datafolha], políticos de oposição deveriam estar melhor colocados", comentou Esther Solano. Para ela, a "despolitização" é "impressionante".

    Confira aqui a íntegra da pesquisa.

    Pesquisa da USP mostra a força da desinformação | Brasil 24/7

    10/03/2015

    Espanando a Lista de Furnas

    Filed under: Aécio Neves,Lista de Furnas,Ministério Público — Gilmar Crestani @ 9:58 am
    Tags:

    Apesar de todo o esforço do Ministério Público e do Poder Judiciário, está cada vez mais difícil deixar a Lista de Furnas virar pó novamente. A cada nova espanada, o nome que sempre aparece em primeiro lugar é o de Aécio Neves, líder máximo do PSDB golpista. Por que será que tudo o que envolve o PSDB não é investigado e é assunto indigesto na velha mídia? Será que isso tem algo a ver com as milhares de assinaturas distribuídas pelo PSDB nas escolas públicas de São Paulo. Como diz o velho ditado, é só seguir o dinheiro. O pó já sabemos, sumiu, evaporaram 450 kg num sniff. Agora, a Lista de Furnas vai ser difícil de esconder. Está tatuada na cara do Aécio Neves. Os jornais, usando o método Rubens Ricúpero, até podem tentar esconder, mas Internet é nossa. O assunto não vai ser jogado, como tantos outros crimes praticados pelo pessoal de bico longo e cérebro pequeno.

    Quem vai investigar Aécio em Furnas?

    Por Miguel do Rosário, no blog O Cafezinho:

    Os escândalos envolvendo o PT, reais ou imaginários, ocupam milhares de repórteres, todos frenéticos e ambiciosos, tentando um lugar ao sol.
    Investigar treta petista, mesmo inexistente, vale promoções, prêmios, aumentos de salário, tapinha nas costas dos patrões.
    Investigar escândalo tucano, como sabem os jornalistas mineiros, paranaenses e paulistas, apenas serve para abreviar a carreira.
    Há vários documentários sobre a brutalidade do PSDB contra jornalistas que insistem em investigar desvios do partido.
    Vejam a desproporção no tratamento das notícias.
    Todo o auê das últimas horas se dá porque o PGR protocolou, junto ao STF, a abertura de inquéritos envolvendo importantes políticos.
    Só isso: foram abertos inquéritos. Agora os políticos serão investigados, poderão se defender, etc.
    Pois bem, ao final de 2014, foi instaurado, junto à Polícia Federal, um inquérito para se investigar a sonegação da Globo.
    Não se trata de qualquer sonegação, nem de qualquer empresa.
    O valor cobrado pela Receita à Globo, superior a R$ 600 milhões em 2006, corresponderia hoje a mais de R$ 1 bilhão.
    Não falamos de qualquer empresa, mas de uma concessão pública, a maior do Brasil, e o maior grupo de mídia da América Latina, um império construído sobre o cadáver da nossa democracia.
    Por que a abertura do inquérito na PF não foi capa de nenhum portal ou revista?
    É uma coisa apavorante: parece que não existiu.
    Eu mesmo, que estive na superintendência da PF no Rio de Janeiro, conversei com o delegado, vi o documento, às vezes duvidava de mim mesmo.
    O povo não teve esse direito básico: saber que foi aberto um inquérito para se investigar a sonegação da Globo.
    Um ano depois, soubemos através de reportagem do Diário do Centro do Mundo que o inquérito foi arquivado.
    Claro, o próprio pacto de silêncio da mídia ajudou neste sentido.
    O caso apenas ganhou um pouco de notoriedade quando o então candidato ao governo do Rio, Anthony Garotinho, durante sabatina com uma repórter global que tentava acuá-lo com uma bateria de acusações, defendeu-se dizendo que as investigações contra ele eram apenas isso, investigações, e não condenações, da mesma forma que havia uma investigação em curso contra a Globo.
    Por que abrir inquérito contra um político vale capa de todos os portais, jornais e revistas do país, e abrir inquérito contra a Globo não aparece em lugar nenhum?
    As investigações sobre a sonegação da Globo já haviam motivado a abertura de inquérito preliminar no Ministério Público do Distrito Federal.
    A notícia saiu em vários sites alternativos, até mesmo num portal ligado à Globo, o Comunique-se (que publicou, naturalmente, num viés chapa-branca).
    Saiu também no portal da EBC.
    O Ministério Público Federal do Rio de Janeiro havia fugido pela tangente, através de uma nota escorregadia, em que afirmava que sabia da sonegação, do roubo do processo, mas que não podia fazer nada.
    Nada como ser educado e usar palavras bonitas para dizer ao povo, como Poncio Pilatos, que “lavo as mãos”.
    Nada de hotsite especial, como fizeram agora para a Lava Jato.
    Nada de cartilha para crianças, como fizeram com o mensalão.
    O MPF-RJ, ao menos, fez uma coisa boa. Foi ele que repassou o caso à Polícia Federal, superintendência do Rio de Janeiro, Delegacia Fazendária, que abriu um inquérito.
    Mais tarde, quando a íntegra do esquema foi divulgada pela blogosfera, com os nomes das empresas usadas pela Globo para praticar uma evasão fiscal bilionária, notou-se novamente o estrondoso, quase atômico, silêncio da nossa mídia corporativa.
    Ninguém quis investigar, ou mesmo noticiar, um esquema que mostra, de maneira emblemática, como os grandes grupos econômicos fazem para sonegar dezenas de bilhões de reais por ano.
    O mesmo silêncio se viu para o estudo do Sindicato dos Procuradores da Fazenda Nacional, estimando a evasão fiscal brasileira em 2014 em mais de R$ 500 bilhões.
    *****
    Voltando a Lava Jato, a grande novidade dela é trazer informações novas sobre a Lista de Furnas, um caso de corrupção que envolve diretamente Aécio Neves.
    Ora, Aécio Neves quase foi presidente da república, é presidente do principal partido de oposição e as forças políticas que o apoiam tentam derrubar Dilma para colocá-lo em seu lugar.
    Qualquer coisa ligada a seu nome deve ser investigada profundamente, porque é de interesse nacional.
    E agora descobrimos que alguns delatores até tentam apontar o dedo para a oposição. Mas as autoridades, assim como fizeram no caso da sonegação da Globo, não parecem se interessar.
    Alberto Youssef mencionou propina paga a Aécio Neves com dinheiro público, de uma estatal federal, Furnas, de 1994 a 2001.
    Youssef não é o primeiro a falar do caso.
    Há um sujeito engaiolado nos presídios de Minas Gerais, Nilton Monteiro, que sempre quis ajudar a Justiça, mas nunca recebeu os benefícios da “delação premiada”.
    Será porque Monteiro sempre deixou claro que queria delatar os esquemas tucanos, mais particularmente de Aécio Neves, em Furnas?
    (Ouça o áudio da entrevista do Viomundo com Nilton Monteiro. Serve para entender porque Ali Kamel tenta, tão desesperadamente, asfixiar a blogosfera com processos.)
    Há inúmeras reportagens sobre a lista de Furnas na blogosfera, todas embasadas em documentos. A delação premiada de Youssef apenas chega para reforçá-las.
    A Folha hoje publica uma matéria em que menciona a delação de Youssef contra Aécio Neves. Mas faz de tudo para esconder o nome de Aécio, que aparece apenas no fim do texto.
    Repare só o título:

    O cinismo não tem limites.
    Na delação de Youssef aparece ainda o nome de Augusto Montenegro, dono do Ibope, envolvindo num esquema de corrupção.
    Montenegro é um amigo de longa data da grande mídia.
    O Ibope também está ligado ao golpe militar. Somente há pouco a instituição liberou uma pesquisa que realizou em 64, mostrando João Goulart com alta popularidade no país.
    Diante do interesse histórico evidente, porque o Ibope não divulgara a informação imediatamente após a queda do regime militar, para ajudar o país a entender a sua história?
    Por que a mídia (e o próprio Ministério Público, que se tornou quase um braço da nossa mídia) faz infográficos maravilhosos com as delações de Youssef, mas ignora solenemente as partes em que ele menciona a corrupção de Aécio Neves, presidente do PSDB, e Augusto Montenegro, dono do Ibope?
    *****
    Ao invés de investigar as novas revelações sobre a Lista de Furnas, a mídia centrou sua artilharia semiótica em Dilma.
    Manchetes, insinuações, títulos, interpretações enviesadas, trataram de compensar a ausência absoluta de indícios da participação da presidenta em qualquer esquema escuso, na Petrobrás ou em qualquer estatal.
    Exatamente o contrário do que se dá com Aécio Neves, que foi diretamente acusado pelo doleiro, confirmando uma denúncia de outro indivíduo importante, Nilton Monteiro, e corroborando o documento chamado Lista de Furnas, onde consta a assinatura de Dimas Toledo, operador do PSDB.
    A lista foi autenticada pela perícia da Polícia Federal, mas o caso sempre foi sistematicamente abafado pela imprensa.
    Ou seja, o nosso PGR abriu inquérito contra políticos com base apenas em delações de Costa negadas por Youssef, como é o caso de Lindberg Farias, Humberto Costa e Palocci. Mas mandou arquivar inquérito contra Aécio, apesar das delações de Youssef serem confirmadas por Nilton Monteiro e por um documento autenticado pela Polícia Federal.
    Os tucanos jogam pesado. O advogado de Nilton Monteiro diz que tem medo de morrer, mas seus temores jamais foram publicizados na grande mídia.
    Dino Miraglia fala ainda da morte da modelo Cristiana Aparecida Ferreira, que foi sua cliente, e morreu, no ano 2000, em circunstâncias misteriosas. A modelo atuava como “mula” de corruptos tucanos em Minas, e sua morte oferece toda a aparência de “queima de arquivo”.
    A mídia se cala, mais uma vez, sobre Furnas, tentando manipular investigações políticas e enganar a opinião pública.
    Ao invés disso, o Globo prefere, em pleno Dia Internacional da Mulher, publicar uma charge repugnante contra a primeira mulher presidente da república do nosso país.

    Repugnante e cheia de reverberações sinistras.
    Afinal, quem é o Exército Islâmico, símbolo máximo de brutalidade antidemocrática e ignorância sangrenta, disposto a degolar uma presidenta eleita e reeleita por mais de 50 milhões de eleitores?
    Quem está jogando pesado para derrubar Dilma, ou pelo menos, mantê-la, a ela e a seu governo, acuados, paralisados, sem força para levar adiante, por exemplo, mudanças efetivas na política de comunicação?
    Bem que eu andei comparando a nossa mídia ao Estado Islâmico, por conta de sua agressividade assassina em relação a jornalistas e políticos que fogem do script.
    Agora eles mesmos vestiram a carapuça.

    Postado por Miro às 22:01

    Altamiro Borges: Quem vai investigar Aécio em Furnas?

    Deputados de MG levam
    Aécio e Furnas a Janot

    Quem sabe está esquecido na gaveta do Dr De Grandis ?

    O amigo navegante viu que Janot e o Ministro Teori avisaram  ao Machão do Leblão que ele escapou de Furnas, “por enquanto”, como diz o FHC …
    O amigo navegante se lembra de o Rogerio Correia e outros deputados levarem ao Dr Janot, ano passado, a investigação sobre o Machão do Leblão atolado em Furnas.
    Parece que o Dr Janot estava concentrado  no Anastasia, coitado, o bode expiatório, e ainda nao leu o material que o Rogerio lhe enviou.
    Assim sendo, o deputado Padre João faz questão de voltar ao gabinete do Dr Janot e constar da agenda oficial, para entregar, de novo, o que talvez tenha ficado esquecido na gaveta do Procurador De Grandis.
    Sabe como é, amigo navegante, nessas coisas é bom insistir …

    Paulo Henrique Amorim

    03/12/2014

    Ué, mas isso não contradiz o discurso do Instituto Millenium!?

    Corrupção os maiores casosÉ fato, já não há mais lugar para Engavetador Geral. Também está com os dias contados o tempo do Silenciador Geral.  O espírito republicano manda investigar tudo e todos. E punir os culpados. Só os a$$oCIAdos do Instituto Millenium fazem tudo sozinhos: investigam, acusam, condenam e executam a pena sem que os acusados possam se defender. A divisão dos poderes, de que falava Montesquieu, ainda existe, por mais que a PEC-37 tenha tentado o contrário e a ANJ ainda não tenha sido recepcionada pela Constituição Federal como mais um poder da república.

    É claro que ainda falta muito para melhorar. Por exemplo, quando um Ministro do STF, Gilmar Mendes, impede que Rodrigo de Grandis responda pelo engavetamento da corrupção do PSDB, ve-se que falta algo para avançarmos. Além disso, quem investiga o Ministério Público, o STF e o Tribunal de Contas. Por que nada acontece a Gilmar Mendes quando ele, em menos de 24 horas, dá dois habeas corpus a Daniel Dantas filmado corrompendo? Por que a Veja pode publicar o que bem entende sem ter de provar nada do que afirma?

    Quando a Rede Globo será punida pela sonegação de mais de R$ 600 milhões na Copa de 2002? Se FHC, ao invés de patrocinar a corrupção com a compra da reeleição,  tivesse feito a parte talvez estivéssemos melhor ranqueados!

    Brasil melhora três posições em ranking mundial de corrupção

    Diretor de ONG diz que país está estagnado no combate às fraudes

    LEANDRO COLONDE LONDRES

    Apesar de recuperar três posições, o Brasil se mantém no grupo de alerta dos países que não diminuem a percepção de corrupção ao longo dos anos, segundo ranking que será divulgado nesta quarta-feira (3) em Berlim pela ONG Transparência Internacional.

    O Brasil aparece na 69ª colocação entre os 175 países avaliados, mesma posição alcançada em 2012 –em 2013 havia atingido o 72º lugar. Neste ano está empatado com Grécia, Itália, Romênia, Bulgária, Senegal e Suazilândia.

    Numa escala de 0 (altamente corrupto) a 100 (muito transparente), o Brasil obteve 43 pontos, apenas um a mais que em 2013, e se mantém entre os dois terços dos incluídos na zona de alerta porque não conseguem superar a faixa dos 50 pontos.

    Em sua análise sobre os dados deste ano, a ONG Transparência Internacional avalia que o Brasil dá sinais de "estagnação" na diminuição da corrupção, assim como outros países da América Latina.

    "Pode parecer um bom sinal porque há sempre a possibilidade de agravamento. Mas a realidade é que a estagnação não é boa notícia. Isso é bem exemplificado no Brasil e no México", diz Alejandro Salas, diretor da ONG para temas da América Latina.

    O México, envolvido no recente assassinato de 43 estudantes, está na 103ª colocação: "Estes dois países (Brasil e México), em vez de fazer uso positivo de sua influência como líderes geopolíticos, mostram sinais de estagnação e até mesmo atraso, permitindo o abuso de poder e desvio de recursos para o benefício de poucos", diz Salas.

    Ele destaca que, apesar dos passos dados nos últimos anos em relação à transparência de informação e combate ao desvio de dinheiro público, "os esquemas de corrupção que envolvem indivíduos, no mais alto nível de poder, e a falta de punição dos corruptos continuam a prevalecer nas Américas".

    O ranking da Transparência Internacional é divulgado desde 1995 e se baseia em dados obtidos por 12 instituições internacionais. O Brasil está à frente de Argentina, Bolívia, Paraguai e Venezuela, mas atrás de Uruguai e Chile.

    16/11/2014

    Tapetão do PSDB pegou 9 corruptores

    A Operação Lava Jato começou em março contra lavagem de dinheiro operada por antigo parceiro do PSDB desde os tempos do BANESTADO, Alberto Youssef. Em determinado momento das eleições, com a delação premiada em andamento, fizeram vazar que Álvaro Dias e Sérgio Guerra também teriam sido abastecidos pelo esquema. Como se trata de políticos do PSDB, a notícia passou batida. Talvez porque se tratava de preparar a capa da Veja que viria na véspera do segundo turno das eleições

    Tudo muito nebuloso? Nebuloso nada. Jogada ensaiada, com a internação de Youssef na véspera para preparar a capa da Veja com o “eles sabiam de tudo” era a explicação que faltava para entender do inxerto de um morto do PSDB.

    Os delegados da Operação Lava Jato e dublês de cabos eleitorais de Aécio Neves ainda precisam provar se são ou não apenas instrumentos golpistas de um Álvaro Dias, de um Aécio Neves ou de um FHC. Terão pela frente a chance de mostrar que a prisão dos grandes empresários não é mais uma jogada ensaiada para servir de álibi para as verdadeiras intenções golpistas.

    Será que a prisão dos empresários serviria apenas para criar uma aura de legitimidade, de modo que a próxima tacada viria escudada por esta de agora, com vistas a alcançar um objetivo caro à cúpula do PSDB, o golpe?!

    O que não podemos esquecer é que desde o momento em que FHC passou a faixa para o Lula há uma frustração muito grande na direita brasileira. FHC pensava igual Janio Quadros (para quem perdeu as eleições paulistanas e sofreu o vexame da cadeira desinfetada), que Lula seria um péssimo presidente a ponto de achar que voltaria ao Planalto nos braços do povo. Quando viu que as coisas não eram bem assim, o Instituto Millenium criou o clima para que Lula sofresse impeachment. FHC deu uma declaração em 2005 que traduz muito bem o tamanho de seu caráter: “se Lula for retirado do poder, assume o Vice, José Alencar, então vamos deixá-lo sangrando e assim ganharemos fácil em 2006”.

    Mas Lula deu a volta por cima e se reelegeu apesar das idênticas tentativas de golpe naquela reeleição como às de agora, com Dilma. O famoso caso dos aloprados montados pelo núcleo do José Serra na Polícia Federal, com o famoso delegado Bruno estrelando o golpe, levou aquelas eleições de 2006 ao segundo turno. A única punição ao vazador das fotos vazadas à Globo, Delegado Bruno, foi uma suspensão de 9 dias.

    O Mote Golpista

    lacerdismo

    O que está acontecendo agora não é nada diferente do que já houve antes em vários momentos destes país. Pelo menos desde Getúlio há um projeto de golpe muito bem sintetizado por Lacerda, que a direita traz à tona toda vez que perde uma eleição. José Aníbal foi quem se encarregou de ressuscitar o lema de sempre dos dos golpistas sem votos. Neste momento eles estão no estágio do “se eleito, não pode tomar posse”. Ainda terão pela frente ainda o “se tomar posse, não pode governar”, como, aliás, fizeram todo o tempo. Basta lembrar que os mesmos que aprovaram a CPMF durante o governo FHC foram os mesmos que acabaram com a CPMF no governo LULA…

    No estágio atual dos eventos relacionados ao golpe em andamento o que chama mais a atenção é total ausência de acusações aos executivos da maiores empresas brasileiras presos. Não há uma linha de acusação em relação às 9 empreiteiras: Camargo Corrêa, OAS, Odebrecht, UTC, Queiroz Galvão, Galvão Engenharia, Mendes Júnior, Engevix e Iesa. OAS, Odebrecht. Até parece que foram petistas e não executivos de grandes empresas os presos pela Operação Lava Jato…

    Por que nestas horas não pedem pena de morte aos empresários presos?

    Ouvi de um jornalista esportivo, Farid Germano Filho, de famosa famiglia envolvida no Escândalo do Detran Gaúcho, acusações ensandecidas contra Dilma simplesmente porque durante a operação de prisão dos principais dirigentes da empresas ela estava na Austrália participando do G20. Como se Dilma e não os agentes da Polícia Federal tem autoridade para prender.

    Não disse nenhuma palavra, por exemplo, em relação à OAS, com quem o time e de sua famiglia fez a ARENA, e que está sendo acusada no desvio de dinheiro em esquema montado na Petrobrás. Os veículos de comunicação da velha mídia ainda não assimilaram a derrota e, por isso, não desceram do palanque. Por que será que não há uma única linha na velha imprensa pedindo severas punições a estes grupos empresariais.  Simplesmente porque são elas que os finanCIAm! Por que Farid Germano Filho não falou nos executivos das maiores empreiteiras do Brasil presos por corrupção. Claro, por diversionismo, prefere atacar Dilma do que defender seus corruptos, simplesmente porque Dilma não fará nada contra ele, enquanto as empresas poderiam cortar financiamento eleitoral à famglia Germano ou ao Grupo Pampa, dona d’O Sul, TV Pampa e Rádio Grenal, dentre outras. Farid pode ser mau caráter, mas burro ele não é…

    Duas imagens que não cabem no cérebro de um Germano, seja pai, filho ou bastardo:

    dilma_brics_capa

    A Odebrecht e a Queiróz Galvão, por exemplo, estão envolvidas no tremsalão também conhecido propinoduto tucano nos trens em São Paulo. Engraçado como as coisas que envolvem os tucanos andam mais devagar que a perfuração dos túneis, graças à parceria com gente como Rodrigo de Grandis. Mesmo que as justiças da Alemanha e Suíça tenham condenados respectivamente Siemens e Alstom, no Brasil o PSDB sofre de liberdade. Até parece que os ataques ao PT se deve única e exclusivamente para eliminar a concorrência, jamais eliminar a corrupção.

    Gilmar Mendes tem parte na culpa dos corruptores

    Para eliminar os principais focos de corrupção envolvendo as empreiteiras há, primeiro, que se mudar a cultura que impera no STF. Quando no STF a votação estava 6 x 1 a favor do financiamento público das eleições, Gilmar Mendes pediu vistas e até agora não tirou o traseiro de cima. É compreensível. Como líder do PSDB no STF, o que o PSDB pensa, Gilmar executa. Roberto Requião cobrou de Gilmar Mendes o retorno ao Plenário do STF para que concluísse a ação a tempo de influenciar nas eleições de 2014, mas o representante do PSDB no STF entendeu por bem que esta seria a grande chance de seu partido retornar ao Planalto. Deu no que deu, mas o PSDB não se desistiu. Por isso o tapetão, para o PSDB, é sua última e única chance de retornar ao poder. Quando ao nível de Gilmar Mendes basta dizer que chamou o TSE de Tribunal Nazista, e seus colegas de STF (Joaquim Barbosa, Rosa Weber, Luiz Fux, Barroso e Teori Zavascki) de bolivarianos). Nada mal para um jagunço de Diamantino.

    Vamos lembrar que as principais iniciativas para que se diminua o nível de corrupção partiram do Governo Federal. Contrariamente ao tempo de FHC, não mais se engaveta ou se impede a Polícia Federal de atuar. Graças à Lei nº. 12.846 sancionada pela Dilma em 2013 e que começou a vigorar a partir de janeiro deste ano. Esta lei define melhor os corruptores, pessoas físicas ou jurídicas. A nova lei permite aplicar aos sócios e executivos das empresas multas que variam de 0,1% a 20% sobre o faturamento, podendo inclusive resultar na  extinção da empresa, vindas a figurar no Cadastro Nacional de Empresas Punidas (CNEP).

    Se Gilmar Mendes não tivesse sentado num processo já decidido, com o único intuito de tirar uma carta na manga para tentar reverter um escorre irreversível, um dos principais caminhos para acabar com a corrupção já estaria em andamento. A quem não interessa funcionamento público senão àqueles que são movidos pelos interesses das grandes empresas. Hoje o Congresso é escolhido pelos que mais recebem dinheiro privado para a campanha.

    Financiamento Privado das Campanhas 

    Vou pegar dois casos, Eduardo Cunha, no Rio de Janeiro, e Beto Albuquerque no RS.

    Eduardo Cunha é o representante da grandes empresas de telecomunicações, aos quais se aliou para tentar derrotar o marco civil da Internet. Matéria da Carta Capital de março dava conta que “Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara, e apontado como o mais ferrenho defensor dos interesses das empresas de Telefonia nessa questão”. Na edição de ontem, 15/11/2014, a Carta Capital atualiza e dá sentido à informação de março: “Líder do PMDB e candidato a presidente da Câmara gastou 6,4 milhões de reais para reeleger-se. Empresas de setores defendidos por ele estão entre principais financiadores”. Como defender o interesse público se o político é financiado pelo interesse privado?! E o que é pior, com poderes suficiente para disputar a presidência do Congresso…. Elucidativo, não?!

    Beto Albuquerque foi financiado pelo agronegócio e por isso defendeu a liberação dos transgênicos. Mas isso só se tornou público graças à sua participação como vice da Marina Silva. Coube à Folha o papel de revelar a relação do socialista com os transgênicos. Ao financiamento cabe a reciprocidade no Congresso.

    Houvesse o financiamento público, este tipo de relação direta entre financiador e financiado deixaria de existir e nem por isso haveria mais prejuízo aos cofres públicos.

     

    11/11/2014

    Vidas Secas

    Fatalidade é nascer no deserto. Em São Paulo, vender a SABESP para fazer caixa e deixar que o tempo decide se haverá ou não água não é fatalidade. Há muita coisa a explicar porque, depois de mais de 20 anos de gestão do PSDB, não houve um mínimo de investimento para remediar a situação. Privatizar a companhia de fornecimento de um bem essencial, em que a lógica do lucro se sobrepõe ao interesse público, dá nisso. E tudo poderia ser diferença se não houvesse uma manipulação obscena da velha mídia paulista. Se o interesse público se sobrepusesse ao interesse político-partidário, talvez as vítimas da crise d’água pudessem ter construído reservatórios, perfurado poços artesianos. Se a poluição é uma das causas, por que a velha mídia paulista e seus finanCIAdores ideológicos combateram a construção de ciclovias e o uso preferencial de transporte público (BRTs) em substituição ao transporte particular, de carros?!

    O que antes acontecia no Nordeste, agora acontece em São Paulo. Com uma diferença. O governo federal, contra tudo e todos do Sul/Sudeste, está construindo um aqueduto para transpor o São Francisco e levar água aos nordestinos da Caatinga. Além disso, distribuiu centenas de milhares de cisternas. A solução, passadas as eleições, foi Alckmin ir a Dilma e pedir R$ 3,5 bilhões. Esse é o tal de choque de gestão do PSDB: privatizar o lucro e socializar os prejuízos.

    O que fizeram os sucessivos governos do PSDB em São Paulo para evitar uma situação como esta? PRIVATIZARAM A SABESP!

    Banho de caneca, filas na madrugada e até roubo de água: como é viver na seca

    Renata Mendonça Enviada da BBC Brasil a Itu (SP)

    • 7 novembro 2014

    Compartilhar

    Reproduzir

    null

    "É desumano. Chegou num ponto que a gente começou a ver situações inacreditáveis. Uma pessoa chegou na bica com uma arma e falou pro pessoal: ‘passa a água!’ Olha a inversão de valores que a gente tem."

    Cenas como a descrita acima assustaram Victor Terraz, morador de Itu (102 km de São Paulo), a cidade mais afetada pela seca que assola o Estado de São Paulo. Assim como os outros 163 mil ituanos, ele tem sofrido com a falta de água na região, que já está há nove meses em racionamento.

    A última vez que Victor e sua esposa Silvia tiveram água correndo pelas torneiras foi no dia 8 de setembro. De lá para cá, quase 60 dias se passaram e eles se viram obrigados a alterar suas tarefas diárias mais básicas para se adaptarem à "vida na seca".

    Moradores na caixa d'água em Itu / Crédito: BBC Brasil Idosos, adultos e crianças: moradores de todas as idades buscam água para suprir a seca em Itu

    "Começamos a tomar banho de caneca, dar descarga era só uma vez a cada três dias, a louça ficava mofando na pia porque não tinha água para lavar", contou Victor à BBC Brasil.

    "Eu saio do trabalho e vou direto para a faculdade. Chego em casa às 23h e é nessa hora que eu consigo sair para ir na bica pegar água. Só que lá você passa uma, duas, às vezes três horas na fila para encher um galão. E no dia seguinte às 6h tem que estar de pé."

    Ao entrar no apartamento localizado no Parque Industrial, um dos bairros em situação mais crítica em Itu, ele se desculpa: "Por favor, não repare a sujeira aqui em casa." Pela casa estavam espalhados galões, baldes e potes, mostrando que o jeito é armazenar água onde for possível.

    No banheiro, baldes e bacias ocupam o lugar do box, um pote de sorvete virou a fonte de água para lavar as mãos e o rosto, e o vaso sanitário vive fechado para amenizar o mau cheiro. "Passei produto, Bom Ar, mas não tem muito jeito, o cheiro é esse mesmo, porque não tem descarga há meses, é só balde", lamenta Silvia.

    Leia mais: Na cidade sem água, contas continuam chegando; entenda o ‘caos’ em Itu

    Silvia e Victor / Crédito: BBC Brasil Silvia e Victor não recebem água em casa há dois meses

    ‘Calamidade’

    O taxista Luiz Carlos da Costa também sentiu na pele o problema da seca em Itu. Depois de 20 dias sem abastecimento, ele chegou à conclusão de que "sem água, você perde a dignidade."

    "Fiquei dois dias sem tomar banho porque não tinha água. Minha casa ficou imunda, num estado de calamidade", conta.

    Para amenizar o problema, ele ia buscar água na bica do bairro enquanto tentava solicitar um caminhão pipa para a empresa que administra o abastecimento de água em Itu.

    "Liguei várias vezes na Águas de Itu, ficava uma hora esperando só para ser atendido. Pedi para eles mandarem o caminhão, até me prontifiquei a ficar aqui esperando, mas só veio um nesse domingo, depois que eu já tinha comprado 2.500 litros de água."

    A Águas de Itu é uma empresa privada que tem a concessão da prefeitura para o abastecimento de água da cidade. Em meio à crise, a companhia está disponibilizando caminhões pipa para levar água a residências, escolas, hospitais e prédios públicos. São cerca de 34 a 38 caminhões pipa por dia, segundo a empresa.

    Filas na madrugada / Crédito: Divulgação Na falta de água, moradores fazem fila até de madrugada para abastecer galões nas bicas

    Mas os caminhões viraram alvo de ‘ataques’ da população. No desespero da falta de água, alguns moradores chegaram a fazer emboscadas para conter os caminhões da empresa antes que eles chegassem ao seu destino.

    "Aqui na rua, o caminhão foi passar só 1h30 da manhã, porque ele senão ele é atacado", explica Luiz Carlos.

    "Os caminhões sofrem retaliações, teve um motorista de um deles que foi espancado, tudo isso por causa da briga pela água. Agora os caminhões que entram na cidade são escoltados pela guarda municipal para não dar problema", conta Victor.

    Leia mais: Conheça soluções para a crise da água em 6 cidades do mundo

    Conflitos

    Buscando água nas bicas e caixas d’água espalhadas pela cidade, Luiz Carlos já viu de tudo. "A situação lá é desesperadora", resume.

    "As filas são enormes, todo lugar que tem um poço, uma caixa, você tinha que ficar horas na fila e era uma briga, uma desavença pra ter água, pra encher um galão", conta.

    Além das bicas, a prefeitura colocou algumas caixas d’água em bairros da cidade para que a população tivesse mais lugares para se abastecer.

    "Não tem organização, é briga atrás de briga, não tem controle nenhum. Às vezes você está esperando, e o cara põe uma mangueira na torneira e vai encher quatro caixas de 1.000 litros no carro dele. Aí você discute, briga, mas ele também não tem culpa", relata Victor.

    Garrafas de água / Crédito: BBC Brasil Para driblar a seca, moradores juntam todos os tipos de recipiente que possa armazenar água

    A água virou tamanha raridade em Itu que, segundo relatos, passou a ser motivo até para roubo. Victor contou que já houve caso de assalto à mão armada na bica – não para roubar o carro ou a carteira, mas sim o galão de água dos primeiros da fila.

    "Eu vi idosos correndo atrás de caminhão de água, eu chorei…nunca vi isso na minha vida", lamentou Luiz Carlos.

    Leia mais: Maior crise hídrica de São Paulo expõe lentidão do governo e sistema frágil

    Negócio

    A escassez fez com que a água – e tudo relacionado a ela – virasse um ‘negócio’ lucrativo em Itu. Os preços de garrafas e galões de água mineral subiram no supermercado e, fora dele, os valores são ainda mais inflacionados.

    Um caminhão pipa com 15 mil litros de água pode custar entre R$ 800 e R$ 1.500 em Itu. O preço dele fora do período de escassez é cerca de R$ 400.

    Um dos produtos mais procurados pelo ituano hoje em dia para armazenar água no quintal, a caixa d’água, também sofreu um superfaturamento na cidade – uma de 1.000 litros, que custaria entre R$ 350 e R$ 400, pode sair por R$ 500 ou mais. A bomba d’água também ficou mais cara.

    Morais, vendedor de galões / Crédito: BBC Brasil Morais decidiu fazer dinheiro vendendo galões nas bicas de Itu

    Muitos vendem galões de plástico perto das bicas da cidade. Um deles, identificado apenas como Morais, contou que "o menor, de 20 litros, custa R$ 20…esse maior, de 50 litros, é R$ 100". Isso sem a água, que "a pessoa tem que encher aqui na bica."

    Morais começa o serviço às 5h e termina às 18h. Segundo ele, dá para vender uma média de 30 galões de 50 litros por dia.

    Mesmo com o negócio lucrativo, ele torce para que as chuvas voltem e acabem com a seca na cidade. "Também tive que buscar água na roça."

    Banho de caneca, filas na madrugada e até roubo de água: como é viver na seca – BBC Brasil

    Na cidade sem água, contas continuam chegando; entenda o ‘caos’ em Itu

    Renata Mendonça Enviada da BBC Brasil a Itu (SP)

    • 7 novembro 2014

    Compartilhar

    Reproduzir

    null

    Em Itu, a cidade mais seca de São Paulo – a 102 km da capital -, água na torneira é uma raridade. Moradores têm se virado comprando água ou abastecendo suas casas enchendo galões nas bicas espalhadas pela cidade. A conta de água, no entanto, ainda chega alta para alguns ituanos.

    Thiago Ferreira, por exemplo, está há 45 dias sem uma gota na torneira. Suas duas últimas contas, porém, chegaram com cobranças dobradas.

    "Não tem água nenhuma. Eu costumava pagar R$ 23, agora chegaram essas contas de R$ 57, R$ 63. Aí eu vim aqui reclamar, mas eles disseram que eu tenho que pagar. Vou fazer o quê?", disse à BBC Brasil.

    Conta de água / Crédito: BBC Gabriel recebeu conta de R$ 63, mas não tem água em casa

    A reportagem contatou a empresa Águas de Itu, empresa privada que tem a concessão da prefeitura para o abastecimento de água da cidade, que reconheceu estar tendo alguns problemas com cobranças indevidas.

    "Na época de estiagem, as pessoas não se dão conta que na realidade elas estão gastando muito mais do que no tempo normal. Isso acontece porque elas reservam mais. E essa água ela utiliza", explica Maurício Camilo, coordenador de sistema operacional da Águas de Itu à BBC.

    "Mas todas as contas anormais passam pelo financeiro. Então liga no 0800 para abrir solicitação de atendimento ou indo nas lojas e levando essa situação. Todos os casos são revistos."

    Leia mais: Banho de caneca, filas na madrugada e até roubo de água: como é viver na seca

    Gastos

    Sem água na torneira, a alternativa encontrada pelos moradores tem sido comprar água. No condomínio Villa Verde, o síndico Mário Vanini conta que já gastou R$ 75 mil em caminhões pipa para abastecer os apartamentos dos 500 moradores desde fevereiro.

    "Não recebemos água da rede há 28 dias. Mas nossa conta que era de R$ 5 mil agora está na faixa dos R$ 7 mil. Estamos comprando caminhões desde que começou o racionamento, já gastamos R$ 75 mil reais. Os moradores pagam uma taxa a mais de R$ 150 reais só de água", conta.

    Mas os que não têm condição financeira de comprar água, tentam se virar como podem. Dona Rita, de 85 anos, mora com a filha, que fez um empréstimo para suprir os gastos com água.

    "Minha filha gastou quase R$ 400 na caixa (d’água). Com mais os 1.000 litros de água que ela comprou, ficou em mais de R$ 500. Ela que fez um empréstimo pra pagar, porque eu sou pensionista, o que eu ganho não dá pra nada", lamenta.

    Caos

    Itu historicamente sofre com a falta de água todos os anos, mas em geral os racionamentos costumavam durar apenas os meses do inverno no meio do ano.

    "Nós nos preparamos para uma estiagem de 30, 60, até 90 dias que é a estiagem que historicamente nós vivenciamos. Os investimentos foram feitos nessa ordem, o que nós não esperávamos, e aí não é só Itu, é uma seca prolongada como essa", disse Maurício Camilo.

    Em meio ao caos na cidade, alguns tentam achar os culpados pela situação. Os moradores se revoltaram com a prefeitura, fizeram protestos em frente à Câmara dos Vereadores e alguns deles chegaram a atacar o comitê de campanha do deputado federal eleito Herculano Passos (PSD), que foi prefeito de Itu de 2005 a 2012 e é visto como ‘culpado’ pela situação por muitos ituanos.*

    Protesto contra a crise da água em Itu / Crédito: Divulgação Moradores sofrem e protestam a falta de água em Itu; contas continuam chegando

    A Águas de Itu também foi alvo de retaliações – os caminhões pipa da empresa que distribuíam água na cidade sofreram ataques de moradores.

    Questionada pela reportagem sobre o que levou Itu a essa situação, a companhia citou a estiagem histórica e disse que, por conta dela, "todo o Estado precisará rever o planejamento com relação a água."

    "Foi a pior estiagem dos últimos 100 anos. Itu sofre mais com essa situação pelas características do município de ter seus mananciais que nascem e morrem no município. Não temos nenhum rio intermunicipal. Tem que chover para que nós possamos ter a recuperação desses mananciais", explicou Maurício Camilo.

    Leia mais: Conheça soluções para a crise da água em 6 cidades do mundo

    Justificativas

    Para o prefeito Antonio Tuíze (PSD) erros de administrações passadas contribuíram para a situação em que a cidade se encontra hoje.

    "Por muitos anos, nós tivemos erros no direcionamento do abastecimento público na cidade, não é problema meu. Eu estou aqui há um ano e 10 meses e estou lutando para trazer investimentos", disse em entrevista no último final de semana ao jornal local Periscópio.

    Obra de desassoreamento / Crédito: Divulgação Desassoreamento da Represa Fubaleiro – uma das obras para amenizar a falta de água

    Para tentar administrar o problema na cidade, a prefeitura criou um Comitê de Gestão, com a participação de secretários municipais, de vereadores, da empresa Águas de Itu e da Associação dos Engenheiros. Esse comitê faz reuniões todas as manhãs para avaliar a situação do dia anterior e pensar em novas ações para o dia seguinte.

    Dele saiu a ideia de distribuir caixas d’água em alguns pontos da cidade para aumentar os pontos de distribuição de água para a população. Foi de lá também que veio a ideia das duas obras recentes que Itu começou a fazer para amenizar o problema da seca, a captação de água dos ribeirões Mombaça e Pau D’Alho, que ficam na região.

    O governador Geraldo Alckimin (PSDB) também prometeu ajudar o município e já destinou R$ 2 milhões para amenizar a situação em Itu. "Foram liberados 20 caminhões-pipa e estamos mandando também água da Sabesp, apesar de ser um serviço da prefeitura", anunciou o governador paulista.

    Obra Mombaça / Crédito: BBC Brasil Obras para captação de água do Mombaça já começaram e estão previstas para terminar até janeiro

    Chuvas

    Nesta semana, Itu pode finalmente festejar a volta das chuvas na cidade. Na segunda-feira, no fim da tarde caiu um temporal que fez a alegria dos moradores.

    Foram 40 milímetros de água caindo do céu – o equivalente ao que choveu em outubro inteiro -, que ajudaram a melhorar a situação dos reservatórios em Itu. Seriam necessários, porém, 300 milímetros até o fim do ano para a cidade rever o racionamento.

    A chuva ‘abençoada’, no entanto, também causou estragos na cidade. Alguns pontos de alagamento foram registrados e, na Praça da Matriz – a principal da cidade -, uma rede de esgoto estourou, espalhando a sujeira acumulada pelas ruas. O cheiro forte fez comerciantes fecharem os negócios mais cedo e irem para casa.

    "É comum você ter nas épocas de grande chuva os rompimentos de rede, o volume de água quando é grande tem alguns transtornos. Em todo momento quando tivermos chuvas fortes nós vamos ter problema, como nós tivemos problema quando não choveu", explicou Maurício Camilo.

    *Procurado pela reportagem para comentar o problema da água em Itu, o deputado Herculano Passos não respondeu até o fechamento da reportagem. A prefeitura da cidade também não se manifestou.

    Na cidade sem água, contas continuam chegando; entenda o ‘caos’ em Itu – BBC Brasil

    29/09/2014

    Choque de gestão à moda do PSDB

    Filed under: Choque de Gestão,Crise da Água,Meritocracia,Racionamento de Água,SABESP — Gilmar Crestani @ 8:37 am
    Tags:

    Sem água na privada!

    SABESP RacionamentoCorte de água durante a noite já atinge ruas dos Jardins; Sabesp nega

    LUIZ FERNANDO TOLEDO – O ESTADO DE S. PAULO

    29 Setembro 2014 | 01h 00

    Em ruas como a Haddock Lobo e a Alameda Tietê, condomínios, bares e restaurantes têm registrado interrupção do fornecimento entre 22 horas e 6 horas; problema não afeta moradores e clientes, porque os imóveis têm reservatório próprio

    Condomínios, bares e restaurantes do bairro dos Jardins, zona sul de São Paulo, têm registrado corte no abastecimento de água durante toda a madrugada. Em ruas como a Haddock Lobo e a Alameda Tietê, zeladores e comerciantes relataram que a interrupção ocorre entre 22 e 6 horas. O problema só não é percebido pelos moradores porque todos os imóveis têm reservatório próprio.

    Diante da crise hídrica que atinge o Estado de São Paulo, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) tem praticado a redução na pressão da água na rede durante a noite, como parte de um programa de sua gestão operacional. Apesar dos relatos, a companhia nega corte de água.

    Em uma lanchonete na Rua Haddock Lobo, funcionários relataram ao Estado que o abastecimento é cortado há pelo menos um mês depois das 23 horas. “Como temos caixa d’água, não há problema, mas algumas vezes já chegou a faltar”, afirmou uma gerente, que preferiu não se identificar.De acordo com ela, nestas ocasiões os atendentes chegaram a armazenar água em galões para suprir a demanda de clientes – o estabelecimento só fecha na madrugada.

    Na mesma rua, o Estado apurou que pelo menos dois condomínios passam pela mesma situação. O porteiro Antonio Everaldo da Silva, de 63 anos, contou que “dia sim, dia não” nota a falta d’água. Como o banheiro do funcionário é o único do prédio que é abastecido diretamente pela água da rua, a torneira deixa de funcionar. “A gente precisa usar um banheiro lá no fundo, que recebe da caixa d’água”, explicou.

    O zelador Antonio Mendes confirmou a informação. “Os moradores só não reclamam porque o reservatório é de 60 mil litros, então o problema não chega nos apartamentos”, disse. Para conscientizá-los, Mendes colou um aviso escrito por ele no elevador, pedindo economia. “A Sabesp já está interrompendo o fornecimento durante a noite. O problema da falta de água em SP é real”, diz o texto.

    Outro condomínio na mesma via enfrenta o mesmo problema. O porteiro Luís Lino, de 43 anos, foi o primeiro a notar. “Estamos sem água à noite há uns 15 dias. Percebo porque não dá para usar o banheiro aqui”, disse. De acordo com Lino, os moradores no local tomaram consciência de um possível racionamento e, há três meses, decidiram economizar no uso. “A conta diminuiu uns 30%.”

    A mesma história se repete em um restaurante na Alameda Tietê, em que o abastecimento é interrompido pontualmente às 22 horas. Assim como nos outros locais visitados, um funcionário do local contou que se não fosse a caixa d’água, o problema poderia comprometer o atendimento no local.

    Para todos os casos, a Sabesp negou falta de abastecimento. De acordo com a companhia, todos os endereços mencionados pela reportagem foram visitados por técnicos e apresentaram abastecimento normal, com pressão mínima de 10 metros de coluna d’água (mca). “Não há registros de ocorrência de falta d’água na central de atendimento para nenhum imóvel mencionado”, completa a nota da assessoria de imprensa.

    Crise. Bairros da zona norte foram os primeiros a sofrer com o corte. Os casos começaram a se intensificar em fevereiro, quando a Sabesp tornou público que o Sistema Cantareira – que responde por 45% da Grande São Paulo e parte da capital – estava em crise.

    24/09/2014

    Choque de gestão à moda tucana

    Filed under: Choque de Gestão,Crise da Água,Meritocracia,Racionamento de Água — Gilmar Crestani @ 10:12 am
    Tags:

    águaoA revolta da (falta de) água

    Protagonistas de quebra-quebra com direito a ovada em vereador, moradores de Itu improvisam até piscina para conseguir tomar banho

    LUCAS SAMPAIOENVIADO ESPECIAL A ITU (SP)

    "Quem atirou os ovos e os tomates foram as donas de casa mesmo", diz o historiador Fábio Lepinsk, 30, sobre o protesto contra a falta de água que acabou em quebra-quebra em Itu (a 102 km de SP) na segunda-feira (22).

    No ato na Câmara Municipal da cidade, em racionamento há oito meses, manifestantes jogaram pedras e outros objetos nos vereadores. O presidente da Casa, Marco Aurélio Bastos (PSD), levou uma "ovada" no rosto.

    "Minha avó tem bronquite e osteoporose e tem de acordar de madrugada para conseguir pegar água", diz Lepinski, que participou do ato. "O povo não aguenta mais."

    O protesto era o assunto da cidade nesta terça (23). A controvérsia era apenas o estrago na Câmara. "Achei ótimo. Só não concordei com a depredação", diz Arlete Martin, 54, dona de uma loja.

    Uma nova manifestação deve ocorrer hoje (24/9) ou quinta em frente à prefeitura.

    PISCINA DE 10 MIL LITROS

    No racionamento em vigor, a cada dois dias os moradores recebem 10 horas de água.

    Mas nem essa regularidade existe, diz Eduardo Castro, 41, dono de um café. "O que causa indignação é a expectativa pela água. Se eles disserem que vai vir água uma vez por semana e entregarem, você se prepara", afirma.

    O fornecimento cabe à Águas de Itu. Assim como a Sabesp, empresa ligada ao governo Geraldo Alckmin (PSDB), a concessionária culpa a estiagem no Estado pela falta de abastecimento.

    Diante da situação, a população vem tomando medidas extremas –e criativas.

    Após ficar 17 dias "na seca", Roberto Nunes Jr., 43, comprou uma piscina de 10 mil litros, duas caixas de água, duas bombas e um caminhão-pipa cheio.

    O conjunto, que custou R$ 2.000, funciona como um reservatório doméstico: a água do caminhão é guardada na piscina, bombeada para as caixas e usada em atividades como banho e limpeza.

    Ao ver a piscina de Nunes Jr., o garçom Roberto Joel, 46, perguntou quanto custava chamar um caminhão-pipa. "Paguei R$ 800 por uma caixa de 5.000 litros, mas ainda não consegui enchê-la porque não vem água. Está uma pouca vergonha isso", diz.

    VIGIA

    A dona de casa Elaine Rocha, 42, que mora com mais sete, está há 22 dias sem uma gota na torneira. "Fico de madrugada de vigia e coloco o despertador de hora em hora para ver se veio água", diz.

    Ela precisou pegar água da chuva na calha do telhado para dar banho na mãe doente, de 78 anos. "Não fui ao protesto porque não posso deixar minha mãe sozinha", diz.

    Segundo a PM, cerca de 2.000 pessoas participaram da manifestação, marcada pelo Facebook.

    A Tropa de Choque jogou bombas de gás lacrimogêneo, e sete pessoas foram detidas por dano ao patrimônio, mas liberadas por falta de provas.

    12/09/2014

    Surge a explicação para a defesa dos cartéis por José Serra

    José SerraPara os oportunistas que não têm memória, vamos recordar o que disse o impoluto varão da velha mídia: “Cartel não é sinônimo de delito, diz Serra." Só Serra não sabe que Cartel é um crime tipificado. Não fosse assim porque a Polícia Federal e o Ministério Público gastariam energia investigando. Para o PSDB crime só é crime se for perpetrado por adversários. Por isso, toda vez que algum político do PSDB levantar o dedo para denunciar a corrupção dos outros ele está apenas querendo evitar concorrência. Qualquer aluno do segundo semestre de Direito sabe que ‘Cartel, além de ser um ilícito administrativo, é crime punível com pena de 2 a 5 anos de reclusão ou multa, nos termos da Lei 8137/90’.

    Órgão federal vê indício de cartel em estacionamentos de São Paulo

    Cade investigará seis empresas suspeitas de combinarem preços entre 2010 e 2011 na capital

    E-mails sugerem que elas simularam concorrência; se forem condenadas, podem ser multadas pelo governo

    DE BRASÍLIA

    Seis empresas de estacionamento serão investigadas pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) pela prática de cartel em São Paulo.

    Segundo o órgão federal, que pertence ao Ministério da Justiça, há indícios de que as empresas combinaram preços e trabalharam em conjunto para dividir o mercado de estacionamentos durante os anos de 2010 e 2011.

    O processo administrativo para apurar o caso foi aberto nesta quinta-feira (11).

    As evidências foram obtidas numa operação de busca e apreensão do próprio Cade em abril de 2012 na sede de uma das empresas suspeitas de formar o cartel.

    O material indicou que ocorriam acertos entre seis operadoras. A ideia era simular concorrência em licitações, para dar uma falsa aparência de competição.

    De acordo com a nota técnica que baseia o processo, a combinação é sugerida em trocas de e-mails entre funcionários das companhias.

    Numa delas, os executivos combinavam como as redes de estacionamento atuariam na licitação do Centro Empresarial Nações Unidas, aberta em 2011. O empreendimento é um dos maiores centros de negócios do país.

    Há um mês o espaço trocou a empresa que gerencia seu estacionamento. Atualmente, parar o carro ali por três horas custa R$ 29.

    Foram encontrados indícios de acordos semelhantes para o estacionamento do Instituto Tomie Ohtake, também na zona oeste. Hoje, o preço para estacionar no local por três horas é R$ 30.

    O cartel é considerado a mais grave infração à ordem econômica, já que prejudica os consumidores com o aumento artificial de preços.

    As empresas investigadas estão entre as maiores do setor na capital paulista. São elas: Allpark (do grupo Estapar), Garage Inn, Multipark, Netpark, Rod e Zig Park.

    Procuradas por volta das 20h desta quinta, após a divulgação da investigação, as empresas não responderam.

    Além das empresas, 17 pessoas serão investigadas por participação no cartel.

    TRÂMITE

    Os acusados agora irão apresentar suas defesas e só então a Superintendência-geral do Cade fará sua recomendação. Caso opine pela condenação, o processo será julgado pelo tribunal do órgão.

    Se condenadas, as empresas podem ser multadas em até 20% de seu faturamento bruto em 2013 (ano anterior à instauração do processo administrativo).

    As pessoas físicas estão sujeitas a multas entre R$ 50 mil e R$ 2 bilhões caso seja comprovado envolvimento no suposto cartel.

    (RENATA AGOSTINI)

    Próxima Página »

    Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

    %d blogueiros gostam disto: