Ficha Corrida

19/12/2014

Pó pará, governador!

aecion

A louca cavalgada rumo ao Absurdistão de um ex-candidato com Síndrome de Abstinência. A notícia de hoje da Folha de São Paulo resume o tamanho do Aécio Neves. Se ele queria punir quem o associou às drogas deveria ter processado quem primeiro levantou esta hiPÓtese, Mauro Chaves, do Estadão, com o clássico: Pó pará, governador! Por que Aécio Neves não processou José Serra, a mão por trás da acusação do articulista do Estadão?!

Aécio ressuscita, via judiciário, o mote do artigo do jornal Estado de Minas em sua defesa: Minas a reboque, não!  Aécio é valente com twitteiro mas manso com Estadão. Por quê? Por que Aécio Neves nunca processou o Juca Kfouri (Aécio Neves condena intervenção estatal no futebol por ser amigo dos que “reduziram o futebol a pó”)? Será que Aécio Neves vai processar o site norte-americano TMZ, que também o associou ao pó?

O tamanho de um homem também se mede pela tamanho de sua  covardia. Processar os menores com medo dos grandes, eis o verdadeiro caráter de Aécio Neves.

Juiz manda Twitter revelar usuários a Aécio

Senador será informado sobre identidades de 20 pessoas que o ligaram a uso de drogas

DANIELA LIMAENVIADA ESPECIAL A BRASÍLIAALEXANDRE ARAGÃODE SÃO PAULO

A Justiça de São Paulo determinou a quebra dos sigilos cadastrais e eletrônicos de 20 usuários do Twitter que vincularam o senador Aécio Neves (PSDB-MG) a práticas criminosas e consumo de drogas. Os advogados do tucano agora terão acesso aos dados desses usuários, o que possibilitaria a identificação e pedido de punição individual.

A decisão, do último dia 12, atende a pedido feito pelo tucano durante a eleição. Na ação, Aécio requisitava acesso a dados de 66 usuários da rede social. O próprio tucano retirou, depois, 11 nomes do processo. Dos mencionados como "caluniadores" e "detratores", 35 foram isentados de culpa pelo juiz Helmer Augusto Toqueton Amaral.

A Folha noticiou a ação em setembro e apontou que jornalistas, cineastas e professores universitários eram donos de perfis denunciados pelos advogados de Aécio. Após ser procurada pela reportagem, a equipe jurídica da campanha do então presidenciável disse ter havido uma falha e fez um pente fino na lista, deixando 55 nomes.

Na época, o juiz determinou que o Twitter repassasse os dados para o tribunal, ressalvando que nenhuma informação fosse repassada aos advogados de Aécio até a análise do conteúdo veiculado feito pelos perfis listados.

No dia 12, o magistrado decidiu que 20 dos perfis de fato produziram conteúdo que vinculou Aécio ao consumo ou tráfico de drogas.

"Inegável que nossa Carta Magna garante expressamente o direito à liberdade de expressão e a livre manifestação do pensamento", diz o juiz no início da sentença.

"Ocorre que, ao passo que nossa Constituição prestigia os direitos supramencionados, ela também reconhece a importância da inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das pessoas, assegurando o direito à indenização caso ocorra alguma violação a tais garantias", conclui Amaral.

Os demais, segundo o magistrado, apenas republicaram links de internet, não podendo, portanto, ser responsabilizados como autores.

O Twitter recorreu alegando que os perfis têm direito a expressar opinião com liberdade e que a quebra representaria censura. Procurada nesta quinta (18), a empresa disse que tem como política não comentar processos legais.

Os advogados de Aécio, por sua vez, argumentaram que os usuários formam uma "rede" paga por adversários para disseminar conteúdo difamatório nas redes sociais. "Difamação e calúnia são crimes previstos no código penal e não se confundem com o livre direto de opinião", diz Juliana Abrusio, sócia do escritório que representa Aécio.

25/08/2014

Ley de Médios, urgente!

Imagen: Gentileza Espectador.com

SUBNOTAS

“Los latinoamericanos nos debíamos el debate sobre la función de los medios en el sistema democrático”

El periodista y abogado uruguayo asumirá su puesto en octubre. En esta entrevista, se pronuncia a favor de la regulación estatal de los medios de comunicación audiovisual, advierte sobre los monopolios de información tanto privados como estatales y traza las líneas de acción que se propone para fomentar la libertad de expresión en el continente. Los grupos más discriminados y las nuevas tecnologías.

Por Sonia Santoro

Desde octubre, la Comisión Interamericana de Derechos Humanos (CIDH) tendrá un nuevo relator especial para la Libertad de Expresión. El elegido, después de un largo proceso que comenzó en diciembre del año pasado y al que se presentaron 49 postulantes, fue Edison Lanza, periodista y abogado uruguayo. Entre sus líneas de trabajo buscará construir principios y estándares para “ayudar a revertir los procesos de concentración, sin afectar la viabilidad de los medios de comunicación” y trabajar por la protección de periodistas en situaciones de riesgo y en la investigación de sus asesinatos. Se destaca su compromiso en desarrollar el vínculo entre el derecho a la libertad de expresión y la promoción de los derechos de grupos “que sufren o han sufrido discriminación (niñas y niños, mujeres, pueblos originarios, población lgbti, personas con discapacidad, etc.)”.

Lanza será designado por un período de tres años, renovable una vez, y asumirá el cargo el 6 de octubre de este año, en reemplazo de la colombiana Catalina Botero.

Desde el otro lado del río, respondió algunas preguntas acerca de los desafíos que tiene por delante.

–El 6 de octubre asume como nuevo relator. ¿Qué expectativas tiene en este nuevo rol?

–Estoy convencido de que se trata de una posición clave para la promoción y cumplimiento del derecho a la libertad de expresión y el derecho a la información en la región. Gracias al trabajo que han realizado de varios relatores y relatoras, la Relatoría se ha consolidado como una institución de referencia para el campo de estas libertades, los derechos humanos y la comunicación. Como expresé en la entrevista que mantuve con los comisionados y comisionadas, no vengo a trabajar contra nadie, sino con todos los actores del sistema democrático que tienen incidencia en estos temas, incluidos, por supuesto y fundamentalmente, los Estados. Creo que la Relatoría puede ayudar a encauzar los debates que están teniendo lugar en la región en torno de la libertad de expresión y la democratización de la comunicación; a mi juicio nuestros países tienen la madurez suficiente para debatir abiertamente sobre libertad de expresión, y sería algo sin sentido cerrarnos a reflexionar sobre la democracia, el pluralismo y la libertad de expresión, aun con los puntos de vista y los intereses más diversos.

–¿Cuáles serán sus líneas prioritarias de trabajo?

–Voy a tratar de sintetizar algunas líneas. La promoción de la diversidad y el pluralismo en la comunicación, en todas las direcciones, es un eje de trabajo. Promover regulaciones que limiten la formación de oligopolios y monopolios y la concentración de los medios de comunicación que afecten las posibilidades de divulgación de información y opiniones o el pluralismo. Y hablo tanto de concentraciones en el sector privado como en el estatal o público. Hay definiciones claras en el Sistema Interamericano sobre las consecuencias negativas de los monopolios y oligopolios, pero hay que profundizar estos estándares existentes: hay que construir principios y estándares para ayudar a revertir los procesos de concentración, sin afectar la viabilidad de los medios de comunicación. Por supuesto que siguen siendo una prioridad los problemas estructurales que en muchas regiones siguen sin ser superados. Promover una estrategia integral en contextos de agresiones y ataques a la integridad física de los comunicadores, en base a la prevención de la vulneración de sus derechos, la protección de periodistas cuyas vidas se encuentren en riesgo e investigación transparente de los asesinatos y agresiones ocurridos. La implementación eficaz de mecanismos de protección para los comunicadores amenazados forma parte de las obligaciones positivas del Estado. Pero desde una perspectiva más integral, tener escoltas y carros blindados es una solución simple, pero costosa para los Estados y compleja para un periodista en ejercicio. Se debe mirar de manera integral el fenómeno, apostando a medidas de promoción del derecho a la libertad de expresión y de prevención, protección y sanción. Si no avanzamos en la lucha contra la impunidad de los crímenes contra la libertad de expresión, mediante un trabajo de prevención de la comisión de estos delitos, las restantes medidas siempre serán insuficientes. También propongo desarrollar el vínculo entre la plena realización del derecho a la libertad de expresión y la protección y promoción de los derechos de distintos grupos que sufren o han sufrido discriminación (niñas y niños, mujeres, pueblos originarios, población lgbti, personas con discapacidad, etc.), afín con el fin de promover que los Estados adopten obligaciones positivas para revertir o cambiar situaciones discriminatorias existentes y que estos grupos puedan ejercer de manera plena la libertad de expresión y la protección de sus derechos frente a expresiones abiertamente discriminatorias. La vigencia y protección de la libertad de expresión en el mundo on line es una precondición que concierne y beneficia a todas las personas. Entre esas prioridades, es clave velar por y promover el acceso universal a este fabuloso espacio para la educación, la llegada a la información, la expresión personal y el entretenimiento. Y finalmente creo que hay que seguir insistiendo en acceso a la información pública y mecanismos para prevenir la censura indirecta.

–¿Cuáles son los principales problemas en las Américas relativos a la libertad de expresión? ¿Cuáles son específicos del Cono Sur?

–Considero que los problemas y desafíos que enfrenta la libertad de expresión en la región pueden agruparse en dos grandes dimensiones: los problemas estructurales que subsisten en algunas subregiones y una agenda emergente. Entre los problemas estructurales señalo algunos: la violencia y agresiones contra periodistas y defensoras y defensores de derechos humanos (presente en algunos países de América Central y América del Sur); el uso del derecho penal para criminalizar la expresión, o el derecho penal de excepción para acallar la protesta y la crítica; la escasa diversidad de medios y la falta de pluralismo en las voces representadas en el sistema mediático, sobre todo en algunos países; la debilidad de los medios públicos y la falta de reconocimiento a los medios comunitarios, y la batalla contra la cultura del secreto que persiste en todos los países de la región, aunque con avances importantes (adopción de leyes, instalación de órganos garantes, jurisprudencia local), pero con la preocupación de que algunos Estados extienden el secreto por razones de seguridad nacional y la persecución de informantes, que es la contracara de este avance. Luego tenemos la agenda emergente, a la que debemos prestar atención. Las múltiples discusiones sobre libertad de expresión e Internet. En 2013, la Relatoría incluyó en su informe anual un estudio vinculado a Internet y libertad de expresión, que contiene estándares para la evaluación y el análisis de las situaciones particulares. El desafío principal, entonces, pasa por consolidar Internet como un espacio de protección, promoción y respeto de los derechos humanos, así como también de denuncia de vulneración de los mismos. Deberíamos reflexionar más en clave regional, porque hay temas comunes a la subregión. Esta semana, la Corte Interamericana dictó una sentencia sobre el caso de dirigentes mapuches condenados por terrorismo, en la que se pronuncia sobre los tipos penales de contornos difusos y vagos que afectan la protesta social y la libertad de expresión, y que por lo tanto son incompatibles con la Convención. Me temo que es un buen punto que debería revisarse en los países del Mercosur. En la subregión se ha avanzado en la regulación de los medios audiovisuales; aunque cada país ha aplicado un ritmo y un modelo propios, parece buen momento para ver los resultados de la aplicación de cada uno de estos modelos. Progresivamente los países se vienen incorporando al concierto de naciones con leyes de acceso a la información pública que respetan los estándares de derechos humanos, esperemos que Argentina y Paraguay se sumen rápidamente a esta realidad. De todos modos, me parece que nuestros países tienen una agenda pendiente en materia de prevenir la censura indirecta, la asignación arbitraria de recursos desde el Estado hacia el sistema de medios y completar la reforma de los sistemas de medios audiovisuales, de acuerdos con los estándares construidos por el sistema interamericano. Luego hay situaciones particulares con el ejercicio del derecho a la libertad de expresión en contextos electorales, en fin, temas no faltan.

–¿La concentración de medios sigue siendo un obstáculo importante a la libertad de expresión en la región? ¿Cómo evalúa las nuevas leyes que intentan regular el universo mediático?

–América latina asiste a una discusión inédita sobre el papel del Estado en la regulación de los medios de comunicación audiovisuales, y la propia función de los medios en el sistema democrático, una discusión que personalmente considero válida si la damos en el marco de un efectivo respeto y promoción del derecho a la libertad de expresión y no como una excusa para controlar los medios. Es un debate que los latinoamericanos nos debíamos, porque heredamos problemas de larga data en relación con los sistemas mediáticos. Autores de la región, entre ellos valiosos aportes de expertos argentinos, explican este rezago: hubo una ausencia regulatoria del Estado durante décadas, lo que permitió que la comunicación quedara casi en las exclusivas manos del sector comercial, en muchos casos con índices de concentración y control de la propiedad muy elevados, algo atípico para democracias consolidadas. La región también muestra cierto rezago en la tarea de construir medios públicos independientes, y es un hecho que durante años fueron relegados al papel de Cenicienta, aunque ahora muchos Estados han comenzado a mejorar su financiamiento. Por otra parte, tenemos un sector social-comunitario excluido durante décadas, o reconocido a medias, de modo discriminatorio y sin políticas de promoción. Este combo produjo una producción audiovisual muy concentrada en las capitales de los países, en formatos de baja calidad, cuando no –como ocurrió en el caso uruguayo– consumimos durante mucho tiempo mayormente producción extranjera. En este menú, la concentración de medios es un ingrediente que no se puede ignorar, porque una vez que tenemos un sistema de medios concentrado se generan consecuencias negativas en el espacio público y relaciones complejas entre los medios y el sistema político, que además son poco transparentes. Frente a esta situación, los gobiernos, sobre todo en la última década, han desarrollado diversas estrategias. Las leyes de servicios de comunicación llegan en un momento en el que la industria ya está desarrollada, y consiguientemente se producen tensiones y reacciones. Claro, hay que observar con mucho cuidado estas leyes, porque deberían tener el objetivo de promover la transparencia en la asignación de frecuencias, la diversidad y el pluralismo, sin limitar el goce de la libertad de expresión. También hay que estudiar lo que viene sucediendo con países que han ido, gradualmente, primero habilitando al sector comunitario, buscando una transición ordenada hacia un sistema más plural en la televisión digital, como ha ocurrido en el caso uruguayo. Brasil, en cambio, comenzó por el intento de generar una televisión pública de calidad y de alcance nacional y regular mejor el sistema de televisión para abonados, pero mantiene no cambiada la estructura de sistema de medios comerciales. Todas estas experiencias son válidas, siempre que en nombre de la diversidad y el pluralismo no se generen restricciones innecesarias a la libertad de expresión, algo que la propia Convención Americana previene en su artículo 29. Este puede ser un buen momento para analizar las diversas experiencias y también cómo se han aplicado en la práctica estas normas, porque una cosa son los textos y la intención del legislador, y otra cosa es la aplicación.

–¿Qué desafíos a la libertad de expresión presentan los intentos de regulaciones de Internet y las nuevas tecnologías?

–Enormes. El desarrollo de Internet ha masificado la cultura, el entretenimiento, la circulación de información y ha permitido, como nunca antes, el ejercicio de la libertad de expresión a título individual y colectivo. Y esto ha sido posible por las características especiales de este nuevo espacio público, por su conformación de red, que lo hacen distinto de los restantes medios inventados hasta el presente. Por ello cada regulación que los Estados pretenden establecer tiene implicancias para la libertad de expresión y otros derechos humanos. Creo en la gobernanza multi stakeholder (N. de E.: Se refiere a la participación o consideración de los enfoques de todos los actores que importan en un sistema) de este espacio, y desde su lugar específico la Relatoría debe tener un rol. No voy a abundar aquí, pero hoy están sobre la mesa marcos normativos que implican hablar del manejo de los contenidos en la red, la responsabilidad de los intermediarios, el filtrado de información, el manejo de la red en el contexto de protestas sociales y/o políticas, en fin, es un tema inagotable. Sí apunto, además, que la región viene abordando este tema con leyes nacionales, como el Marco Civil de Brasil, o el marco regulatorio chileno, pero también hay un uso desmedido del derecho penal para intentar combatir abusos en la red.

–El informe de la relatoría para la libertad de expresión de 2013 incorporó un punto específico sobre la violencia que sufren las mujeres periodistas en el ejercicio de su libertad de expresión, especialmente en el caso de México. ¿Trabajará sobre la especificidad de las violencias que sufren las mujeres periodistas?

–La Comisión Interamericana ha señalado que los escenarios de violencia en América latina incluyen un componente de exacerbación contra las mujeres, en particular en el contexto de discriminación por razones de género que aún persiste en muchos países. No sería justo si no dijera que la actual relatora ha incorporado la perspectiva de género en sus informes sobre violencia contra periodistas y me comprometo a mantener esa línea de trabajo, tanto en los informes como en posibles casos que la Comisión decida admitir y eventualmente presentar ante la Corte Interamericana.

–Cuando algunos medios publican contenidos sexistas y son criticados por esto, se amparan en el derecho a la libertad de expresión para justificarse. ¿Cómo cree que se debería trabajar desde los distintos actores intervinientes –sociedad civil, Estado, periodistas, empresas– para desarticular estos argumentos y lograr cambios?

–Es cierto que los medios de comunicación en la región tienen, en muchos casos, una historia de mala práctica en relación con la discriminación contra las mujeres y otros grupos. ¿Cómo provocar cambios en esta práctica sin interferir en la libertad de expresión? Esta es una pregunta que todos nos hacemos y creo que hay muchas experiencias que nos pueden ayudar a resolver este dilema. En primer lugar hay que destacar el trabajo de las organizaciones de mujeres que decidieron utilizar el camino de la capacitación y la promoción de y hacia los comunicadores como forma de incidir, y han logrado paulatinos progresos; luego los observatorios y los informes críticos con el modo de hacer periodismo y publicidad creo que juegan un papel, al igual que las universidades, que deben trabajar profundamente en los aspectos éticos de la comunicación; finalmente la propia televisión desde la ficción puede promover la igualdad. La mejor forma de combatir el discurso discriminador es con argumentos y evidencia de peso. También estoy siguiendo con mucho interés algunas experiencias institucionales, como la Defensoría del Público argentina, cuya práctica de promoción, recepción de denuncias, audiencias públicas y mediación es una herramienta clave y parece estar comenzando a rendir frutos, sin acudir necesariamente a la punición de los medios. Sé que el movimiento feminista se pregunta sobre la pertinencia de penalizar las expresiones discriminatorias, y allí la Relatoría debe abrir un debate sobre cuál es el límite de los discursos protegidos por la libertad de expresión y cuáles constituyen discursos de odio, que ingresan dentro de la prohibición del 13.5 (incitación a la violencia contra grupos de personas por motivos de discriminación).

Página/12 :: Dialogos :: “Los latinoamericanos nos debíamos el debate sobre la función de los medios en el sistema democrático”

11/05/2014

Jornalismo Jequiti

Jornalista e patrãoÉ lícito uma concessão pública, com isenção de impostos, destinada a abastecer o público com informações isentas, honestas, éticas e de interesse público usar a concessão pública para promover produtos seus em detrimento aos dos demais.

Aliás, é lícito usar uma concessão pública para enriquecer vendendo cosméticos. E este é apenas mais um exemplo.

Pior ainda do que isso é esconder informação que atrapalha a vida de parceiros ao mesmo tempo em que dão relevância a informações que denigrem a imagem de seus adversários. Mostrei aqui outro dia o modus operandi deste grupos das cinco irmãs, cinco as famílias mafiomidiáticas, o caso envolvendo a antiga GaúchaCar e a RBS.

Aliás, o RS produziu outro exemplo desta suruba entre o hospedeiro e os metazoários. O impoluto candidato a senador pelo PDT e dublê de serviçal da RBS, Lasier Martins confessou em entrevista à Revista PRESS que usava espaço na RBS para se vingar de seu ex-patrão do Correio do Povo, Renato Ribeiro. Contei esta história em 2003, no Observatório da Imprensa.

Hoje, as empresas usam o espaço público, construído na e durante a ditadura, para venderem: recebem para dar uma informação, mas também cobram para esconderem.

Sabe quadrilha? Não o poema do Drummond, não, mas a mafiosa? O jornal publica o que saiu na TV, o rádio espalha o que o jornal disse e o portal do grupo na internet resume o que saiu na TV, Rádio e Jornal, todos do mesmo patrão.

O novo baú

Jequiti se torna a 2ª maior fonte de receita do Grupo Silvio Santos; apresentador desistiu da venda e investiu R$ 350 milhões

JULIO WIZIACKDE SÃO PAULO

Todo domingo, o apresentador Silvio Santos, 84, comanda o "Roda a Roda Jequiti", programa que distribui prêmios de até R$ 1 milhão em barras de ouro a clientes e consultores da marca de cosmético do grupo que, neste ano, completará oito anos.

A empresa nem atingiu a pré-adolescência e já tomou 7% das receitas do setor dominado por Natura e O Boticário. Com esse desempenho, ultrapassou a Liderança Capitalização e se tornou a segunda maior fonte de receitas do Grupo Silvio Santos, atrás do SBT.

A Folha apurou que a virada ocorreu no ano passado. O balanço consolidado da Jequiti deverá mostrar vendas de cerca de R$ 450 milhões. Em 2012, foram R$ 370 milhões. O crescimento foi de cerca de 20%. No período, a média de expansão do setor não chegou a 10%.

A Jequiti passou a responder por pouco mais de 20% do Grupo Silvio Santos. Em 2007, seu peso era de 0,5%.

O "patrão", como os executivos chamam Silvio Santos, está feliz. Graças a esses resultados, também aumentou o valor do cheque pago pela Jequiti pelo uso do espaço publicitário no SBT. Ainda segundo apurou a reportagem, foram mais de R$ 30 milhões, em 2013.

Contar com Silvio Santos como garoto-propaganda fez com que o número de consultoras (vendedoras de porta a porta) da Jequiti chegasse a 210 mil. No ano passado, eram 190 mil. As consultoras são o motor das vendas. Além de fãs do "patrão", para elas, faz diferença vender um produto que ele mesmo usa.

SUAVE

Silvio costuma aparecer na TV dizendo que gosta dos produtos. Não é jogo de cena. Ele usa a linha Suave, porque ela tem fragrâncias discretas. Intolerante a perfumes, Silvio pediu que os produtos da marca fossem antialérgicos.

Mesmo alérgico, não há viagem ao exterior de que ele não volte carregado com vidrinhos, frascos e potes de cremes. Os produtos exclusivos para negros da linha Beauty Hair, por exemplo, surgiram de uma viagem do apresentador aos EUA.

Também foi dele a ideia de lançar perfumes em frascos de 25 ml a R$ 10. Os executivos da Jequiti não tinham gostado da ideia, porque a margem de lucro de um produto desses é pequena. O "patrão" impôs a ideia e já foram mais de 2 milhões de unidades vendidas que trouxeram à marca novos consumidores.

Silvio está cada vez mais presente na rotina da Jequiti. Toda sexta-feira, o presidente da companhia, Lásaro Carmo Jr., tem reuniões com Silvio. Não é raro interromper o fim de semana para falar com o "patrão" nos estúdios do SBT. Carmo Jr. passou a ser um dos preferidos de Silvio também para opinar sobre os destinos do grupo.

PASSADO SEM PERFUME

Mas nem sempre foi assim. Em 2010, logo após a quebra do Banco PanAmericano, que antes ocupava o lugar da Jequiti em importância, Silvio Santos planejou vender tudo e se mudar para os EUA.

O apresentador tinha acabado de empenhar praticamente o seu patrimônio para arcar com um prejuízo inicialmente calculado em R$ 2,5 bilhões. Mais tarde, uma auditoria verificou que o rombo era maior, R$ 4,3 bilhões.

A solução foi a venda do controle do banco para o BTG. Assim, Silvio se livrou do problema. Pouco depois, recebeu uma oferta de R$ 1 bilhão da Coty Cosmético, interessada em adquirir o controle da Jequiti.

Naquele momento, o Grupo Silvio Santos já havia sido avaliado em R$ 2,5 bilhões pelo Fundo Garantidor de Créditos, que emprestou o dinheiro para cobrir o rombo inicial do PanAmericano.

A oferta pela Jequiti fez Silvio Santos perceber que tinha nas mãos uma mina de ouro. Por isso, ele cancelou o contrato que mantinha com o banco Barclays, que buscava potenciais compradores.

Também desistiu de ter um sócio e decidiu pôr a mão no bolso. Em 2012, Silvio destinou R$ 150 milhões à Jequiti, resolvendo os proble- mas de curto prazo da companhia. Neste ano, já foram quase R$ 200 milhões a mais.

Boa parte desses recursos foi para quitar os financiamentos com bancos e turbinar o plano de crescimento –aumento de produção e melhorias na distribuição.

Esse quantia é a mesma que o SBT teria de investir para recuperar o espaço perdido para a Record, vice-líder em audiência. Mas, nesse caso, Silvio não decidiu se vai assinar o cheque.

A Jequiti não quis se manifestar. A assessoria de Silvio Santos não ligou de volta até o fechamento desta edição.

03/11/2013

Quem ganha com a ditadura, como o Grupo Clarín e Grupo Globo, não sabe perder

Daniel Paz & Rudy

EL PAIS › ENTREVISTA EXCLUSIVA A MARTIN SABBATELLA

“NO VAMOS A ESPERAR NI UN MINUTO PORQUE YA ESPERAMOS CUATRO AÑOS”

Por Victoria Ginzberg

Bajó 18 kilos desde que está al frente de la Afsca. “Vienen con la inercia de creer que pueden estar por encima de la ley”, dijo Sabbatella a Página/12. Explicó que Clarín tiene quince días para confirmar el inventario de propiedades, luego serán tasadas y se seleccionarán las señales o bienes que irán a concurso. Finalmente entrarán los nuevos licenciatarios .

“Vienen con la inercia de creer que pueden estar por encima de la ley”

Lo que se viene: tasación, selección y concurso de las licencias. Las otras empresas. Los medios comunitarios. “Que (el Grupo Clarín) siga queriendo generar palos en la rueda es muy posible, pero se les van acabando las posibilidades”, asegura Martín Sabbatella.

Por Victoria Ginzberg

Está flaco. “Bajé 18 kilos”, dice, sonriente, Martín Sa-bbatella. Pero la cara de satisfacción parece estar más ligada a la decisión de la Corte Suprema de, finalmente, convalidar la Ley de Servicios de Comunicación Audiovisual. “Se terminó la incertidumbre. Lo que hay que hacer ahora es aplicarla íntegramente.” “No vamos a esperar ni un minuto, porque ya se perdieron cuatro años y es una deuda de hace 30”, dice a Página/12 en su despacho, donde se destacan dos pantallas en las que se ven todos los canales de noticias. No hay mucho más en la oficina. En el escritorio, delante de sus papeles, una foto suya con la Presidenta y, al lado, un pequeño busto blanco del ex presidente Néstor Kirchner. El presidente de la Afsca (Autoridad Federal de Servicios de Comunicación Audiovisual) reconoce que es posible que el Grupo Clarín se resista a cumplir con la decisión del máximo tribunal, pero asegura que la adecuación de oficio del multimedios está en marcha y explica los detalles de ese proceso.

–¿Cómo sigue lo que se inició el jueves durante la reunión en Clarín?

–Lo que hicimos fue notificar el proceso de adecuación de oficio del Grupo Clarín. El Grupo Clarín tiene ahora 15 días para ratificar la información que le hemos dado. Le llevamos lo que en la Afsca figura que es de ellos. Luego pasa al proceso de tasación. Una vez que están tasadas las licencias se selecciona cuáles son las licencias y los bienes afectados al uso de las mismas para concursar, se concursa, se adjudica y los nuevos licenciatarios tienen que hacerse cargo de las empresas. El licenciatario anterior tuvo que haber garantizado el servicio, para no perjudicar desde ningún punto de vista al público y al mismo tiempo tiene que haber garantizado el conjunto de las fuentes de trabajo, porque en las cláusulas del concurso está la continuidad de los trabajadores.

–¿Cree que Clarín buscará seguir ganando tiempo especulando con un cambio de gobierno?

–Ellos hicieron medidas dilatorias porque sabían que la ley era constitucional y querían sostener su situación de privilegio. Fueron poniendo palos en la rueda. Una parte de la Justicia fue parte de ese plan. La Cámara (Civil y Comercial) hizo un fallo a medida del Grupo Clarín en el que determinaba que era legal y se podía aplicar todo lo que afectaba a los competidores del Grupo Clarín y era inconstitucional y no se podía aplicar todo lo que afectaba al Grupo Clarín. Eso agudizaba la situación de injusticia en el mercado de la comunicación. Esas prácticas dilatorias tenían el objetivo de sostener su situación de privilegio esperando un contexto político que los favoreciera. En muchos casos, el acuerdo político que podía tener el Grupo Clarín y su CEO, (Héctor) Magnetto, con determinados sectores del arco opositor, era poner el aparato comunicacional al servicio de las estrategias opositoras a cambio de generar contextos políticos que le permitan evitar el cumplimiento de la ley. Eso continúa.

–¿Es posible entonces que Clarín consiga un nuevo amparo que frene la aplicación de la ley?

–Hubo un litigio judicial, había incertidumbre. Se terminó. Chau. Final. A cumplir la ley. Si me pregunta si Clarín va a seguir insistiendo para evitar cumplir con la ley, es muy posible que lo haga. Hay antecedentes, por ejemplo, el no cumplimiento de algo que no tiene discusión judicial como es la grilla, y también desobedecen órdenes judiciales. Es un elemento para pensar que seguirán queriendo resistir el cumplimiento de la ley, porque vienen con la inercia histórica de creer que pueden estar por encima de la ley. Su poderío comunicacional y económico lo utilizaban para extorsionar a los poderes públicos y para definir no sólo qué leyes cumplen y cuáles no, sino para definir qué leyes tienen que salir y cuáles no. Pero sus posibilidades se reducen muchísimo. Un proceso histórico que vive la Argentina, no sólo por la ley de medios, sino por la ampliación de derechos, produce la alegría de quienes son sujetos de esos derechos y la bronca y el odio de quienes pierden privilegios.

–¿Qué pasa con el resto de las empresas que deben adecuarse a la ley?

–Paralelamente a la adecuación de oficio del Grupo Clarín está la adecuación voluntaria del conjunto de empresas que se presentaron y eso está en distintas etapas. En tratamiento de estudio técnico, en algunos casos ya tienen aprobación del directorio, en otros están en plena transferencia, que es la venta que ellos hacen.

–¿Quiénes son?

–En distintos momentos está todo el resto: Vila-Manzano, Telefe, Indalo…

–Uno de los principales argumentos de Clarín es que sólo se les exige a ellos la adecuación…

–Eso es falso. Mentira. La ley es para todos. ¿Por qué se habla del Grupo Clarín? Porque es el único que no quiere cumplirla y es el que más se excede de los límites de la ley. Tiene 237 licencias de cable y se puede tener 24. La ley es para todos, no es para Clarín. Pero el resto de las empresas está en el proceso de adecuación. Es más, el socio de Clarín en Cablevisión se presentó y dijo “no quiero que mi socio me arrastre a la ilegalidad”, pero no puede expresar la voluntad del grupo porque solo tiene el 40 por ciento de Cablevisión.

–¿De qué se debería desprender Clarín? ¿Cuáles serían sus opciones, si quisiera presentarse voluntariamente?

–Para la Afsca la adecuación de Clarín es una adecuación de oficio, porque el plazo para la presentación de adecuaciones voluntarias está vencido. La Corte lo dijo.

–¿Qué pasa si mañana hacen una presentación?

–La adecuación de oficio está en marcha. Lo que puede hacer el Grupo Clarín es tomar como propio lo que presentó su socio minoritario el 5 de diciembre. Si completa esa presentación, si la expresa el conjunto del grupo, como si tomara una reserva hecha por su socio minoritario y la continuara, eso lo puede hacer. La Afsca estaría dispuesta a evaluarlo y a tenerlo en cuenta. Pero eso tiene que ser más o menos rápido porque el proceso de adecuación de oficio avanza y la viabilidad de una propuesta que retome lo presentado por su socio depende del avance de la adecuación de oficio.

–En la audiencia pública había mencionado algunas de las posibilidades que tenía Clarín en caso de haberse presentado voluntariamente.

–Lo que comenté en la audiencia fue un ejemplo de lo que hubiesen podido hacer. Nosotros todavía no definimos nada. Es un ejemplo que no sé si es lo que va a pasar, porque la Afsca tiene que estudiar después de la tasación qué es lo que selecciona para concursar para que la empresa esté en regla. No es solamente lo que excede de la cantidad de licencias, sino también de la cuota de marcado y evitar las superposiciones que están prohibidas en el marco de la ley. La Afsca no decidió qué se va a concursar. Pero volviendo a un supuesto caso, lo que dije en la audiencia es que si hubiese venido Clarín voluntariamente podría haberse quedado con canal 13, con FM 100, radio Mitre, con la señal TN y una empresa de cable del 35 por ciento por fuera de las áreas de cobertura de las otras licencias. Y es una empresa gigante. No es insustentable de ninguna manera. Pero es un supuesto. No hemos definido nada. Lo que sí hay es un criterio de que lo que se va a seleccionar para concursar es lo que cause menor perjuicio posible a la empresa, dejándole lo de mayor valor económico y lo de mayor valor simbólico.

–¿En una adecuación voluntaria Clarín podría haber creado otra empresa para venderse entre socios o accionistas? ¿Podrían haberse dividido el grupo entre ellos?

–Cualquier ley antimonopólica permite que los socios se dividan y cada uno tenga empresas del tamaño que permite la ley. Pero tiene que haber una división de verdad. Tienen que ser unidades productivas y económicas distintas con administraciones distintas, gerencias distintas, estudios distintos… empresas distintas.

–¿Aunque mantengan los mismos intereses?

–Pueden ser amigos y juntarse a comer asados, pero no pueden funcionar como grupo, no pueden tener un vínculo económico. Los socios se pueden dividir, eso lo puede hacer Clarín o cualquiera. Eso tiene que ser verificado por las áreas de fiscalización nuestra y por Defensa de la Competencia.

–¿Pueden ser empresas de padre e hijo?

–La ley no prohíbe que dos familiares se dediquen a la misma actividad. Lo que sí prohíbe es que conformen un grupo.

–Hay un reclamo de los medios comunitarios para que se apliquen otros aspectos de la ley, vinculados a la adjudicación de licencias a medios sin fines de lucro. ¿En qué está ese proceso?

–La ley busca democratizar la palabra y tiene dos grandes aspectos para lograrlo. Uno es la generación y fomento de nuevas herramientas comunicacionales en el conjunto del territorio nacional para que nuestro pueblo pueda tomar la palabra. Esas herramientas son nuevas productoras de contenidos audiovisuales, nuevas señales, canales, emisoras radiales, tanto del mundo privado como del mundo público, como de asociaciones comunitarias sin fines de lucro. Otro aspecto es el que venimos hablando que es la adecuación para enfrentar las tendencias monopólicas, las posiciones dominantes que no permiten que estén todas las voces porque se constituyen en un elefante toma todo que lesiona el resto. Uno de estos aspectos era el que estaba controvertido en la Justicia, el otro aspecto se ha desarrollado muchísimo estos cuatro años. Por ejemplo, hay más de cinco mil horas de producción de contenidos audiovisuales, hay más de 900 series de ficción, cantidad de nuevas señales, nuevas radios y entre otras cosas la transformación de la comunicación en forma directa o indirecta ha generado más de cien mil puestos de trabajo. Esto desmiente a los que dicen que la aplicación de la ley va contra la creación de nuevos puestos de trabajo. No solamente protege las fuentes actuales sino que genera nuevos puestos. Por supuesto que esto es un proceso, hay mucho más por hacer. Lograr el 33 por ciento de organizaciones comunitarias sin fines de lucro en el espectro es un proceso. Estamos avanzando bien, pero es cierto que en algunas zonas el espectro está ocupado y para ocupar el 33 por ciento hay que ordenarlo, o, a medida que vayan caducando licencias del sector público o privado, se pueden ocupar con organizaciones sin fines de lucro, porque el espectro es finito. No va a ser de un día para el otro. Lo importante es que el proceso está en marcha y que se vayan dando pasos importantes. Estuve la semana pasada en Bariloche, donde se inauguró el primer canal de pueblo originario. Hay cantidad de radios y señales de televisión en universidades y escuelas o en organizaciones, hace pocos días reconocimos canales de baja potencia. Hago un balance altamente positivo. Pero es cierto que la posibilidad de aplicar la ley integralmente potencia todos sus aspectos. Es más fácil la generación de nuevas voces cuando se va desconcentrando.

–¿Hay en el mercado potenciales compradores de las empresas de las que los empresarios de medios ya conocidos deben desprenderse?

–Nosotros creemos que sí. El mundo de la comunicación audiovisual es un mundo que crece permanentemente y es muy atractivo para las inversiones.

–Otro de los argumentos de Clarín es que se los van a vender a “amigos del gobierno”…

–En la adecuación voluntaria es el propio empresario que elige a quién le vende. En la adecuación de oficio se concursa. Ni el Estado ni la Afsca lo deciden. Es otra de las falsedades, como cuando decían que nos íbamos a meter con los contenidos. La ley busca que estén todas las voces, las que te gustan, las que no, los que mienten, los que no, todos.

–También dicen que la adecuación de oficio incumple el fallo de la Corte…

–Es otro disparate. Hay dos formas: la adecuación voluntaria y la adecuación de oficio. La de oficio está contemplada. Los plazos de la adecuación voluntaria están vencidos. Lo dijo la Corte. Fue contundente. Clarín tiene la posibilidad de adecuarse voluntariamente a través de la presentación que hizo su socio minoritario. Y si no, sigue la de oficio. No vamos a esperar ni un minuto porque ya se perdieron cuatro años. Y es una deuda de la democracia de hace 30. Lo dijo Leopoldo Moreau en el homenaje a Raúl Alfonsín que hizo el jefe de Gabinete. Dijo que ellos presentaron una ley hace 25 años y por la presión de las corporaciones no lo pudieron lograr. El problema de la concentración mediática en la Argentina y la lesión que le hace la concentración a la libertad de expresión y a la democracia no es un invento nuestro, es un dato histórico.

–La Corte dice que podría haber lugar para una indemnización. ¿Cómo sería eso?

–Tanto en la adecuación voluntaria como en la de oficio el dinero de la transferencia se lo queda el licenciatario anterior, por lo tanto recupera la inversión. En el caso de la adecuación voluntaria, la empresa que vende elige el comprador y en otro caso es por concurso, pero siempre la plata llega al licenciatario. La Corte dice que si se siente perjudicado puede hacer una demanda, como cualquiera. La ley prevé que por única vez podés vender, para dar cumplimiento a la ley. El resultado de esa venta se lo queda el licenciatario anterior. Para la ley, con eso se cubre la situación. Si igual creés que no te alcanzó, tenés derecho a hacer una demanda, lo que no significa que tengas razón.

–¿Se vende con los bienes?

–Cuando lo vende el licenciatario lo arregla él. En el caso del concurso, se concursan las licencias y los bienes afectados al uso de la misma. Todo lo que se necesita para que el servicio funcione.

–¿Las personas que trabajan en ese lugar siguen trabajando ahí?

–En la transición, el licenciatario anterior tiene que garantizar las fuentes de trabajo y el nuevo licenciatario tiene que darle continuidad a las fuentes de trabajo en las condiciones de las negociaciones colectivas.

–Una vez que la Afsca avance con la adecuación, ¿hay vuelta atrás? Hay diputados que ya anunciaron su voluntad de cambiar la ley.

–Toda ley puede ser modificada por otra ley, todo decreto puede ser modificado por otro decreto. Por eso es cierto que, más allá de la ley de medios, puede haber intentos de distintos sectores de frenar este rumbo de profundas transformaciones, esta ampliación de derechos que vive la Argentina. En ese sentido, es cierto que el pasado está a la vuelta de la esquina. Por eso la importancia de seguir teniendo mayorías en el Congreso para profundizar y ampliar la democracia.

–El 10 de diciembre vence su mandato al frente de la Afsca, ¿se queda o se va?

–No es decisión mía, es de la Presidenta de la Nación.

Página/12 :: El país :: “Vienen con la inercia de creer que pueden estar por encima de la ley”

04/10/2013

Capitão-de-mato ataca novamente

Filed under: Cristina Linecker,Felipe Recondo,Golpismo,Joaquim Barbosa,STF — Gilmar Crestani @ 7:44 am
Tags:

 

Jornalista condena "discriminação odiosa" de Barbosa

:

Colunista Gilberto Dimenstein escreveu sobre a perseguição do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, à funcionária Cristina Linecker, casada com o repórter Felipe Recondo, a quem sugeriu "chafurdar no lixo"; segundo Dimenstein, "buscando atingir o marido, atirou na mulher"; ministro do STF alega "conflito de interesse" no fato de uma técnica casada com um repórter ser lotada no STF

4 de Outubro de 2013 às 07:24

247 – Pegou, mas muito mal mesmo, para o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, a intenção de perseguir a funcionária Cristina Linecker, lotada no gabinete no ministro Ricardo Lewandowski (leia mais aqui). Segundo o jornalista Gilberto Dimenstein, um dos principais colunistas da Folha, Barbosa promoveu "discriminação odiosa" e tem como alvo o repórter Felipe Recondo, do Estado de S. Paulo, a quem já sugeriu "chafurdar no lixo".

Ouvido pela Folha a respeito do caso, Barbosa apontou suposto conflito de interesses. "Faço a pergunta: qual a isenção que teria um repórter nessas condições de cobrir o trabalho de um ministro que, de certa forma, ao escolher seu cônjuge para função de confiança, contribui para o aumento de sua renda familiar? Só isso. Não estou tratando de funcionário comum, concursado, membro do corpo efetivo do STF. Não é disso que se trata, não é de nepotismo, é conflito de interesse".

Poder-se ia perguntar,  por exemplo, qual a isenção da Globo para cobrir o julgamento do chamado mensalão se, de certa forma, contribui para a renda familiar de Joaquim Barbosa, pagando o salário de seu filho, contratado por Luciano Huck, mas isso não vem ao caso.

Abaixo, a coluna de Dimenstein, em que ele afirma que "buscando atingir o marido, atirou na mulher":

A discriminação odiosa de Joaquim Barbosa

Não tenho propensão a embarcar em causas corporativistas.

Nesse caso, passou dos limites – e quem passou dos limites foi o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa.

Ele quer expulsar do STF, onde atua desde 2000, uma funcionária de carreira e devidamente concursada, sem nenhuma mácula em sua biografia, por um motivo: ela é casada com um jornalista (Felipe Recondo, do "Estado de S.Paulo") e está lotada no gabinete do ministro Ricardo Lewandoswski.

A acusação: esse grau de parentesco ajudaria o repórter a ter informações privilegiadas.

Ou seja, a mulher, que já no STF está desde 2000, é punida pela atividade profissional do marido. Beleza de justiça.

Fico pensando se não influiu no ataque de Barbosa um fato em especial. O repórter ganhou um prêmio Esso por sua reportagem sobre salários no Judiciário.

Certa vez Barbosa chamou-o de "palhaço" e o mandou "chafurdar no lixo".

Com todo respeito à atuação de Barbosa no caso do mensalão, difícil não ter a suspeita de que ele, buscando atingir o marido, atirou na mulher.

Jornalista condena "discriminação odiosa" de Barbosa | Brasil 24/7

JB quer demitir mulher de jornalista a quem agrediu

:

Ganha mais um capítulo a relação conturbada entre o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, e os meios de comunicação; agora, ele quer a cabeça da funcionária Adriana Leineker Costa, lotada no gabinete do ministro Ricardo Lewandowski; a conduta "antiética", segundo Barbosa, é o fato de ela ser casada com Felipe Recondo, do Estado de S. Paulo; o jornalista é o mesmo que o presidente do STF mandou "chafurdar no lixo" quando investigava gastos extraordinários dos ministros; dias atrás, outra jornalista do Estado, a correspondente Claudia Trevisan, foi presa, nos Estados Unidos, ao tentar entrevistá-lo; será que o Brasil tem um déspota à frente do Poder Judiciário?

3 de Outubro de 2013 às 08:44

247 – O presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, acaba de dar mais uma demonstração cabal de que tem dificuldades para conviver com os meios de comunicação. Na última terça-feira, 1 de outubro, ele encaminhou um ofício ao ministro Ricardo Lewandowski nos seguintes termos:

Senhor Ministro,

Durante minha ausência do País, no período de 24 a 30 de setembro passado, Vossa Excelência encaminhou ofício ao presidente do Tribunal de Justiçado Distrito Federal e dos Territórios solicitando prorrogar a cessão de ADRIANA LEINEKER COSTA para continuar exercendo o cargo em comissão de Assessor de Ministro, nível CJ-3.

2. Considerando possuir a servidora relação marital com jornalista setorista de um grande veículo de comunicação, que exerce suas funções nas dependências do Supremo Tribunal Federal utilizando-se da intranet, internet e telefones colocados a sua disposição, reputo antiética sua permanência em cargo em comissão junto a Gabinete de um dos Ministros da Casa, além de constituir situação apta a gerar desequilíbrio na relação entre jornalistas encarregados de cobrir nossa rotina de trabalho.

3. Estando a servidora lotada no Gabinete de Vossa Excelência, agradeceria o obséquio de suas considerações a respeito.

Atenciosamente,

Ministro Joaquim Barbosa

Presidente

A conduta "antiética" atribuída por Barbosa à servidora Adriana Leineker Costa é o fato de ser casada com o jornalista Felipe Recondo, do Estado de S. Paulo.

Recondo é o mesmo a quem Barbosa sugeriu "chafurdar no lixo". O motivo: ele investigava gastos dos ministros com passagens aéreas e com outras despesas, como a reforma de R$ 90 mil nos banheiros de Joaquim Barbosa.

Dias atrás, o presidente do STF esteve envolvido em outra polêmica, quando a jornalista Claudia Trevisan, também dos Estados Unidos, foi presa quando tentava entrevistá-lo, nos Estados Unidos.

A despeito da consulta, o ministro Lewandowski já mandou avisar que não irá reconsiderar a decisão de manter a servidora em seu gabinete.

30/08/2013

Coisas que só acontecem no “primeiro” mundo

 

Por que o The Guardian capitulou ao terror do Estado?

:

Jornalista Luiz Claudio Cunha critica o jornal britânico The Guardian, que, depois de publicar diversas revelações sobre a espionagem do governo dos EUA, com documentos do ex-colaborador da CIA Edward Snowden, se agachou para os arapongas e destruiu seus arquivos; assim, perdeu a chance de repetir o feito histórico do New York Times, que, em 1971, publicou os papéis do Pentágono

30 de Agosto de 2013 às 18:51

Por Luiz Cláudio Cunha – O planeta agitou-se, no início de junho, com a revelação de um jornalista americano que vive no Rio de Janeiro. Blogueiro do respeitado jornal inglês The Guardian, o advogado Glenn Greenwald, 46 anos, divulgou o maior vazamento da história envolvendo a vasta comunidade de inteligência, ao revelar documentos top secret da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos. O material foi fornecido a ele pelo especialista em informática Edward Snowden, 29 anos, um ex-analista da CIA e ex-consultor da própria NSA, a maior agência de espionagem eletrônica do mundo.

Edward Snowden e Barack Obama: fala que eu te escuto

Snowden provou enfim o que todos imaginam, sentem e desconfiam: sob o governo do democrata Barack Obama, os Estados Unidos exercem, com furor e amplitude cada vez maior, o seu papel de Big Brother de dimensões planetárias. Bilhões de ligações telefônicas, e-mails, fotos, mensagens e videoconferências são vigiados diariamente pelo aparato de inteligência norte-americano, com base nos gigantes da telefonia e a cumplicidade de legendas da internet como Google, Facebook, Microsoft e Skype.
O repórter José Casado, de O Globo, atuando em conjunto com Greenwald, colocou o Brasil na roda, com documentos de Snowden provando que milhões de e-mails e ligações de brasileiros e estrangeiros em trânsito pelo país foram monitorados pela teia da NSA, que tinha até 2002 sua mais importante estação de espionagem na América Latina montada em Brasília.

Fundo do poço

O mundo, pelo que revela esta semana a revista alemã Der Spiegel, de acordo com Snowden, era um quintal dos arapongas americanos: com base num ‘Serviço Especial de Coleta’ espalhado numa rede internacional de 80 embaixadas e consulados norte-americanos, a NSA grampeou, entre outros, o sistema de vídeo interno da sede da ONU, a representação da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em Viena e até os computadores da missão diplomática da União Europeia (EU) em Nova York.
O caso chegou ao fundo do poço em Londres, no domingo, 18 de agosto, quando o brasileiro David Miranda, companheiro de Greenwald, foi detido pela polícia inglesa numa escala do vôo que fazia entre Berlim e Rio de Janeiro. Seis agentes se revezaram num exaustivo interrogatório de quase nove horas a que submeteram Miranda, detido com base numa lei antiterror de 2000, que antecede portanto a paranoia de segurança desatada um ano depois com os ataques do 11 de setembro da Al-Qaeda.

As sedes da NSA, nos Estados Unidos, e do GCHG, na Inglaterra: o Big Brother existe

Nenhuma pergunta sobre terrorismo foi feita ao brasileiro, detido no aeroporto de Heathrow apenas pela condição de parceiro do jornalista que hoje mais assombra os serviços de inteligência ocidentais. Perguntaram a Miranda sobre o seu relacionamento com Greenwald, os nomes de seus contatos, suas reportagens, suas novas revelações. Pouco antes de completar o período regulamentar para detenção sem denúncia formal, a polícia liberou Miranda para o retorno ao Brasil, confiscando antes o laptop, o celular e os pen-drive com arquivos criptografados que ele levava para Greenwald.

A opinião pública internacional ficou chocada com a descoberta de tantos abusos e violências, secretas ou ostensivas, praticadas de forma sistemática por duas das maiores democracias do mundo. Mas, o mundo clamoroso do jornalismo pouco falou ou simplesmente ignorou um incrível deslize ético cometido justamente pelo The Guardian, num dos episódios mais bizarros do eterno conflito entre a liberdade de expressão e a sacrossanta segurança nacional: a capitulação do jornal ao Serviço Secreto inglês, que o obrigou a destruir fisicamente os computadores onde arquivava documentos secretos vazados por Edward Snowden.

O caldo entorna

O épico deslize do jornal de Greenwald foi confessado justamente pelo editor do The Guardian, Alan Rusbridger, 59 anos, dois dias após a prisão do brasileiro em Heathrow. O próprio jornal, que classifica o fato como "um dos mais estranhos episódios na história do jornalismo da era digital", publicou uma enviesada justificativa de Rusbridger, que pode ser assim resumida:
No final de junho, duas semanas após a primeira bombástica reportagem de Greenwald, o jornal publicou outros documentos do NSA que revelavam o envolvimento do seu correspondente inglês, o secretíssimo GCHQ, na coleta de dados privados pelo programa de monitoramento chamado PRISM. Ninguém mexe impunemente no Government Communications Headquarters, que paira acima do MI-5 (o FBI inglês) e até do MI-6 (a CIA local, mais conhecido por ser a repartição de Sua Majestade onde trabalha um tal Bond, James Bond).

Alan Rusbridger, o editor e o The Guardian: arapongas na redação

O caldo entornou quando o jornal revelou como agentes do GCHG espionaram líderes aliados dos britânicos em dois encontros de cúpula em Londres. Horas depois, dois graduados oficiais da Inteligência procuraram Rusbridger em seu escritório, na sede do jornal em Kings Cross, zona central londrina, onde o jornal ocupa um prédio de sete andares que dominam um complexo de auditórios e artes visuais.

Os agentes foram cordiais, mas deixaram claro que estavam ali seguindo "ordens superiores" para exigir a entrega de todos os arquivos que Snowden forneceu ao The Guardian. Alegaram que o material era roubado, mas não chegaram a ameaçar com a Lei de Segredos Oficiais. Rusbridger e seu editor adjunto, Paul Johnson, argumentaram que a reportagem tinha um ‘substancial interesse público ao descrever uma vigilância governamental de escala até então desconhecida … particularmente devida à aparente fraqueza do controle do Parlamento e do Judiciário’. Ninguém convenceu ninguém, e os agentes foram embora.

Cena patética

O jornal continuou, pelas três semanas seguintes, a publicar novos dados comprometedores sobre a parceria NSA-GCHG na intercepção de telefones e internet. Os agentes voltaram, desta vez com um discurso mais rigoroso: "Vocês já se divertiram bastante. Agora nós queremos aquele material de volta", exigiram. Os dois oficiais deram outra explicação para a impaciência dos chefes. Temiam que governos estrangeiros, especialmente Rússia ou China, invadissem a rede do jornal. Os editores retrucaram, alegando o sistema de segurança que envolvia os arquivos, mantidos isolados e fora de qualquer sistema do jornal. Entre 16 e 19 de julho, a pressão do governo aumentou, com telefonemas e reuniões seguidas, aumentando o risco de uma ação judicial ou até de uma blitz policial.

Dois objetivos pareciam claros: ou inibir o jornal de novas denúncias ou forçar a simples entrega dos arquivos. Rusbridger explicou aos arapongas da rainha que havia cópias extras dos arquivos nos Estados Unidos e no Brasil. Mas, diante do perigo iminente de um processo, que poderia congelar a reportagem ou forçar a devolução do material, o editor amoleceu e disse que preferia destruir os seus arquivos. O jornalista achava que entregar o material aos agentes seria uma traição à fonte dos arquivos, Edward Snowden, e os arquivos ainda seriam usados pelos Estados Unidos para seu indiciamento na Justiça.

Nesse momento, Rusbridger tomou a temerária decisão de destruir os arquivos de Londres, para continuar usando suas cópias no Brasil e na América, onde os jornalistas são protegidos pela Primeira Emenda que garante a livre expressão. O caso tomou, então, uma dimensão patética: uma constrangedora discussão entre jornalistas e agentes de inteligência sobre a melhor forma de destruir um arquivo e, ao mesmo tempo, proteger o jornal e seus repórteres.

A prova do crime

E uma cena inimaginável chegou então ao porão do prédio de escritório de Kings Place, numa quente manhã de um sábado, sob o testemunho solitário de cinco pessoas: o adjunto Paul Johnson, a diretora executiva Sheila Fitzsimons e o especialista em computação do jornal, David Blishen, vigiados por dois graduados oficiais do GCHQ, armados apenas de notebooks e câmeras digitais. O McBook do jornal que trazia os arquivos explosivos de Snowden foi atacado ferozmente por Johnson e Blishen, que usaram um moedor de disco e uma furadeira para destruir o disco rígido e os chips de memoria. Os agentes tiraram fotos dos despojos no chão, mas não levaram nada.

Moedor de disco e furadeira: assim acabou o arquivo do The Guardian

Era um ato simbólico, como descreveu o jornal, com tom filosofal: "Foi um encontro inigualável na longa e difícil relação entre imprensa e os órgãos de inteligência, e um inusitado e muito físico acordo entre as exigências da segurança nacional e da livre expressão". A prova do crime, uma foto com os restos mutilados do que um dia foi a memória destroçada do computador do jornal, estampou o artigo do The Guardian com a autoconfissão da autodestruição praticada sob a pressão e controle do governo britânico. Muito mais poderia ser dito ou lembrado ao principal personagem dessa história, Alan Rusbridger, nascido no norte da Rodésia (atual Zâmbia), ex-integrante do coro de uma igreja cristã, pianista amador apaixonado por Chopin e professor visitante de História da Universidade de Londres.

Rusbridger tem idade e experiência suficientes para lembrar um precedente histórico que, ao contrário dele, eleva e consola o jornalismo, como trincheira de resistência ao poder e exemplo pétreo da livre expressão devotada ao interesse público. Em 1971, 42 anos antes do The Guardian dizer ‘sim’ e capitular sem remorso ao terror do Estado, o The New York Times disse ‘não’ e resistiu bravamente ao poder intimidador da maior potência militar do mundo. Num domingo, 13 de junho, o mais importante jornal do mundo começou a publicar a primeiro de nove reportagens que resumiam as 7 mil páginas de 43 volumes da mais demolidora análise da Guerra do Vietnã. Era um estudo top-secret do Departamento de Defesa sobre o conflito que envolvia os americanos no Sudeste asiático entre 1945-67.

A manchete que quebrou a segurança nacional: 47 volumes de verdades secretas

Cívica epifania

Só 15 cópias foram feitas, por ordem do secretário de Defesa Robert McNamara. Apenas 36 especialistas participaram do projeto, um deles um ex-comandante da Marinha e analista estratégico chamado Daniel Ellsberg, então com 40 anos. Trabalhando na Rand Corporation, encarregada do estudo, passou meses e noites furtivas copiando página por página na máquina xerox que revelaria ao mundo os ‘Papéis do Pentágono’.

Separados por quatro décadas, Ellsberg e Snowden, por razões parecidas, tiveram a mesma cívica epifania, de repente iluminados pela revelação sobre a natureza maligna do poder a que serviam.

Snowden, em 2013, percebeu: "Eu estou disposto a me sacrificar porque não posso, em sã consciência, deixar que o governo dos Estados Unidos destrua a privacidade, a liberdade da Internet e os direitos básicos das pessoas em todo o mundo, tudo em nome de um maciço serviço secreto de vigilância que eles estão desenvolvendo".

Ellsberg, em 1971, constatou: "Não há duvida em minha mente de que meu governo está envolvido em uma guerra injusta que vai continuar e se ampliar. Milhares de jovens estão morrendo a cada dia. Senti que, como cidadão americano, como um cidadão responsável, já não podia ocultar esta informação do público americano. Eu fiz isso sabendo que corria perigo, e estou preparado para responder às consequências desta decisão".

Ellsberg e Neil Sheehan, Glenn Greenwald e Snowden: a consciência fala mais alto

Os papéis do Pentágono, que reconheciam secretamente que a guerra não tinha futuro e que a derrota era inevitável, foram vazados por Ellsberg para um velho conhecido do Vietnã, Neil Sheehan, 34 anos, repórter do The New York Times, conhecido como um teimoso descendente de irlandeses que acordava tarde e escrevia ferozmente entre uma e quatro horas da madrugada. Ellsberg tinha encontrado o sujeito e o instrumento certos para seu empreendimento. O repórter Harrison E. Salisbury, que vazou para o mundo o discurso secreto do premiê Nikita Khrushchov ao congresso do PC soviético em 1956 denunciando os crimes de Josef Stálin, definiu assim o The New York Times: "Era o mais completo, minucioso e responsável diário que o tempo, o dinheiro, o talento e a tecnologia na segunda metade do Século 20 era capaz de produzir".

A 400 metros

Desde 1896, quando Adolph S. Ochs comprou aquele pequeno jornal para torná-lo uma legenda do jornalismo, a redação era movida por um lema que hoje faz falta ao bom jornalismo de todas as latitudes: "Dar a notícia de forma imparcial, sem medo ou favor, independente de qualquer partido, seita ou interesse envolvido". Nos anos 70, afrontar ao mesmo tempo o Pentágono dos falcões do Vietnã e a Casa Branca de Richard Nixon era tarefa para poucos ou para loucos, sem medo ou favor. Só podia ser coisa para o Times do velho Adolph.

Divulgar os segredos e a autocrítica do complexo industrial-militar era uma tarefa portentosa, mesmo para um jornal tão destemido. Tom Wicker, um de seus maiores repórteres, resumiu: "A publicação dos Papéis do Pentágono foi a mais celebrada violação da segurança nacional dos tempos modernos". Por isso mesmo, exigiu cuidados extremos, que mostram a obstinação de uma pauta que movia montanhas. Não era possível trabalhar um material tão sensível no burburinho do terceiro piso do velho prédio de 15 andares do Times, no número 229 da rua 43. Ali, a redação ampla e aberta ainda não tinha os cubículos e baias que retalhou o espaço a partir de 1978, quando chegaram os computadores. Não era um bom ambiente para trabalhar e digerir os 43 volumes sensíveis e nervosos do Pentágono.

A velha sede do NYT, o hotel onde trabalhou a equipe: a 400 metros do barulho

A solução foi descer até o térreo, dobrar 140 metros à esquerda, até a 7ª Avenida, descer 90 metros até a rua de baixo e andar mais 170 metros até o número 234 da rua 42, onde ficava o hotel New York Hilton. Ali, 400 metros distante da redação barulhenta, o Times discretamente instalou a sua força-tarefa, comandada por Sheehan e integrada por outros três editores, quatro repórteres, cinco secretárias, um pesquisador, um diagramador, três grandes cofres e vários guardas de segurança do jornal, que não faziam ideia do que vigiavam ali, 24 horas ao dia. De acordo com o código da equipe, no yellow floor (andar amarelo) ficava o apartamento 1106, base de trabalho do solitário Sheehan. Todos os outros se distribuíam pelos quartos do blue floor (andar azul), no 13º piso do Hilton.

O pesadelo

Todas as folhas de rascunho e páginas amassadas na rotina agitada daquelas 15 pessoas eram recolhidas cuidadosamente em sacolas de shopping no fim do dia e levadas de volta para a redação da rua 43, onde eram trituradas. O jornal sabia do poder de seus inimigos, e também vivia a paranoia de estar sob vigilância. Nas manhãs serenas de domingo, o chefe da segurança do Times fazia uma cuidadosa vistoria e troca das linhas telefônicas do terceiro (redação), décimo (editorial) e décimo quarto (editoria-executiva) andares. O editor-executivo do jornal, o experiente Abe Rosenthal, vivia um pesadelo recorrente quando dormia: via Nixon em rede nacional de TV, tendo ao lado os outros três presidente vivos (Truman, Eisenhower e Johnson), vociferando contra o vazamento da papelada do Pentágono pelo Times.

Na vida real, não foi tão ruim, mas foi quase isso. O jornal, que tinha uma tiragem de 815 mil exemplares na semana, preparou uma edição especial de 1,5 milhão de exemplares naquele domingo histórico, 13 de junho de 1971. Nixon ficou furioso quando leu e entendeu a gravidade do vazamento. "Temos que botar essa gente na fogueira por este tipo de coisa… Vamos botar esses filhos-da-puta na cadeia!", trovejou para seu assessor de Segurança Nacional, Henry Kissinger. A primeira reação da Casa Branca na Justiça bloqueou novas edições, e o Times suspendeu sua série por duas semanas.
Esperto, Ellsberg vazou novos papéis do Pentágono para o concorrente, o The Washington Post, dando trabalho dobrado aos advogados de Nixon. E o vazamento virou inundação quando Ellsberg repassou documentos a outros 17 jornais, só para chatear a Casa Branca.

Nixon e uma boa ideia: entrou em Watergate em 1972, saiu da Casa Branca em 1974

O processo na Justiça subiu para a Suprema Corte, onde o Times acabou ganhando por 6 a 3 o direito de retomar a publicação dos Papéis do Pentágono, numa histórica decisão que reafirmou a liberdade de expressão assegurada pela Primeira Emenda. Derrotado, e preocupado com novos vazamentos, Nixon repassou a tarefa para seu chefe da Casa Civil, John Ehrlichman, que teve uma boa ideia: em 24 de julho de 1971, um mês e onze dias após a revelação dos Papéis do Pentágono, foi criada a unidade secreta dos ‘Encanadores da Casa Branca’, integrada por homens como E. Howard Hunt e G. Gordon Liddy. O último trabalho deles foi a invasão de um prédio de escritórios em Washington. Eles entraram na madrugada de 17 de junho de 1972 em Watergate. Richard Nixon saiu da Casa Branca ao meio-dia de 9 de agosto de 1974. O chefe supremo dos encanadores não conseguiu estancar o vazamento de sua autoridade e tornou-se o primeiro presidente americano a renunciar ao cargo.

A distância medida

A aposta arriscada do The New York Times em 1971, em tempos tão inseguros quanto os atuais, levanta uma questão pertinente para o The Guardian de 2013: por que o jornal inglês não apostou contra o poder, como fez o americano? A força-tarefa montada no hotel em torno de Neil Sheehan mostra uma férrea determinação do Times e a consciência do papel histórico de um jornal que assume um compromisso, sem medo ou favor. A constrangedora cena armada no porão por Alan Rusbridger exibe uma inesperada capitulação do Guardian na infame presença de agentes secretos que brandem a ameaça da lei e fazem terror com o peso do Estado.

Quatro décadas antes, o Times pesou as alternativas legais e brigou com a força da lei, sem sucumbir a ela, nem se intimidar diante dela. Tanto que levou o caso às últimas instâncias da Suprema Corte, de onde o jornal saiu adornado por uma vitória que reafirmou o primado da imprensa livre sob o império de um presidente politicamente belicoso e moralmente desonesto como Richard Nixon, conhecido desde 1950 na campanha para senador na Califórnia como ‘Tricky Dick’ (Dick Vigarista).

Os agentes que visitaram o Guardian, para ameaçá-lo, fizeram o que deles se esperava, mas o editor do jornal não reagiu como seria esperado. A justificativa da capitulação de Rusbridger pela existência de arquivos replicados em solo americano e brasileiro só agrava sua falta de firmeza e de caráter. Justamente por ter os documentos protegidos, tinha o Guardian todos os motivos para desdenhar da ameaça de uma retaliação legal ou até de uma blitz policial. A violência do Estado britânico, calcado na lei antiterror, soaria inútil e despropositada.

Mais do que isso: competia ao Guardian, como fez o Times com bravura, expor a face truculenta dos agentes graduados do GCHG que falavam em nome do governo. A resistência do Guardian em torno de uma boa causa, a livre expressão e a independência do jornal diante do governo, só lhe traria apoio político, a solidariedade internacional e o respeito de seus leitores.
O editor do The Guardian preferiu se prestar ao indigno papel de quebrar seu computador diante de dois agentes secretos e espatifar sua credibilidade diante dos leitores.

Em 2013, o The Guardian se dobrou diante do poder, ajoelhado no porão.

Em 1971, o The New York Times dobrou o poder, entrincheirado no 11º andar do hotel onde mostrou o seu papel na história.

Esta é a diferença medida entre um e outro. Doze andares de ética.

Por que o The Guardian capitulou ao terror do Estado? | Brasil 24/7

21/07/2013

Folha prova do próprio veneno

Filed under: Censura,Foicebook,Folha de São Paulo — Gilmar Crestani @ 9:52 am
Tags: ,

Como diria o antigo entregador do jornal Folha: “no dos outros é refresco”… O que é pior, censurar uma foto de peladões ou publicar uma ficha falsa da Dilma? O que é pior, censurar foto de grupos nus ou apoiar a ditadura emprestando os próprios veículos para transportar clandestinamente presos políticos pelos agentes da ditadura?

SÉRGIO DÁVILA

Facebook, ame-o ou deixe-o

SÃO PAULO – Na sexta-feira, o Facebook censurou um texto noticioso da Folha publicado na página que o jornal mantém na rede social e na qual tem 1,76 milhão de simpatizantes.

Falava da manifestação de um grupo pró-passe livre em Porto Alegre e mostrava foto de protesto em que pessoas apareciam nuas. Procurada pelo jornal, a empresa não quis explicar a censura.

O Facebook é, hoje, o terceiro "país" do mundo em "população", com 1,1 bilhão de usuários, 73 milhões deles no Brasil. Pois este "país" é uma ditadura, que pratica censura prévia e póstuma. Sem explicações.

Espiona também seus "cidadãos", como mostrou o austríaco Max Schrems, em entrevista à Folha. Ele venceu uma ação contra a empresa, que teve de exibir tudo o que tinha arquivado dele: um dossiê de 1.222 páginas, algumas com e-mails que ele pensava ter deletado para sempre.

E divide o que sabe de seus "cidadãos" com "governos amigos", como fez com o serviço de espionagem dos EUA pelo programa Prism, segundo revelou o britânico "Guardian".

Não sou um ativista anti-Facebook. Sou "cidadão" desde 2005, quando estudava em Stanford e a rede mal tinha evoluído de sua origem –ajudar nerds a classificar rostos (daí o "face" do nome) como bonitos ou feios.

Mas tenho discutido aqui se devemos nos entregar a essa "rede social" sem questionar suas práticas e sua ética. Como numa seita, muitos não querem nem ouvir falar disso.

Um apresentador de TV que respeito insinuou que o "mimimi" da "grande mídia" com o Facebook era inveja. Uma amiga e ex-editora da Folha disse que, com tantas objeções, o jornal não deveria estar ali.

"O espírito do Facebook é ame-o ou deixe-o?", provoquei, citando um dos slogans da ditadura militar (1964-1985). Ela respondeu que, "se há tantas restrições sobre a postura empresarial das redes, me parece, sim, um ame-o ou deixe-o".

Não amo, nem deixo. E continuarei a questionar.

07/03/2013

¿Es Manning un héroe o un traidor?

Por Juan Gelman

Es notorio que el soldado Bradley Manning, el abastecedor de Wikileaks de la mayoría de los 250.000 cables reservados o secretos del Departamento de Estado que Assange dio a conocer, aceptó en la primera audiencia del tribunal militar que lo juzga la responsabilidad en diez de los 22 cargos que se le imputan. Aunque son menores, ya le acarrean en conjunto una sentencia de hasta veinte años de prisión. Entre los que se declaró inocente figura el más grave: el de ayudar al enemigo (www.salon.com, 1-3-13). Se pena con prisión perpetua.

Manning explicó en su testimonio que lo había hecho para revelar “el coste de la guerra” en Irak, donde fue analista de Inteligencia, y “abrir un debate sobre la política exterior” de EE.UU.. Declaró que había ofrecido la información a The New York Times, a The Wa-shington Post y a Politico sin solicitar remuneración económica alguna y que, no habiendo obtenido respuesta de esos medios, se la entregó a Wikileaks como último recurso. Naturalmente, esas publicaciones negaron ese hecho, aunque posteriormente aceptaron publicar cables seleccionados vía Wikileaks.

¿Fue sincera la decisión de Manning? Antes había dicho confidencialmente lo mismo a un amigo sobre su desilusión cuando descubrió que los ocupantes detenían “no a insurgentes sino a opositores del gobierno de Maliki. Denunció el hecho ante sus superiores y lo ignoraron. Revisó los documentos que asentaban actos de alta criminalidad y violencia y no pudo ya en conciencia contribuir a su ocultamiento. Fue, en realidad, un acto de conciencia, de buena conciencia y heroísmo”, declaró el columnista Glenn Greenwald, quien cubrió exhaustivamente el caso para el diario británico The Guardian (www.democracynow.org, 5-3-13).

Manning fue encarcelado en mayo del 2010 en condiciones tan duras que el relator especial sobre tortura de las Naciones Unidas Juan Méndez, al cabo de una investigación de 14 meses, concluyó que había sido sometido a tratos crueles, inhumanos y degradantes prohibidos por la Convención de la ONU sobre el tema (www.guardian.co.uk, 12-3-12). Méndez dirigió una carta al gobierno de EE.UU. en la que señaló que el largo período de aislamiento aplicado a Manning entrañaba, a su juicio, una coerción “presuntamente destinada a persuadirlo de que involucrara a otros” (//rogerhollander.word press.com, 12-3-12). Es decir, a Assange.

No fue el único intento: un agente del gobierno visitó a Manning varias veces pretendiendo ser periodista y sacerdote para asegurarle el secreto de lo que conversaran. Según el agente, el prisionero le explicaba que había infiltrado la información porque deseaba que el mundo supiera lo que él había sabido: “Quiero que la gente vea la verdad… sea quien sea… porque sin información, el público no puede tomar decisiones con conocimiento de causa”. Cuando le preguntó a Manning por qué no había vendido los documentos a un gobierno extranjero, éste respondió que la información debía hacerse pública para provocar “una discusión mundial, debates y reformas” (www.guardian.co.uk, 2-3-13). No entregó la información a Al Qaida, no quiso hacerse rico, quería otra cosa, aun conociendo que podía terminar en la cárcel de por vida.

Es curioso. Cuando estalló la cuestión de Wikileaks, los funcionarios estadounidenses afirmaban que la filtración podía poner en peligro vidas humanas. En cambio, Robert Gates, entonces jefe del Pentágono, no le dio la importancia que los fiscales hoy le atribuyen para condenar a Manning. Consideró que las reacciones eran excesivas. “El hecho es –dijo– que los gobiernos tratan con EE.UU. por su propio interés, no porque les gustemos, no porque confíen en nosotros y no porque supongan que podemos guardar secretos. Muchos gobiernos, algunos gobiernos, tratan con nosotros porque nos temen, algunos porque nos respetan y la mayoría porque nos necesita. Como ya se ha dicho, somos todavía esencialmente la nación indispensable. ¿Es embarazoso (lo de Wikileaks)? Sí. ¿Es desa-gradable? Sí. ¿Consecuencias para la política exterior de EE.UU.? A mi juicio, definitivamente modestas” (//thecaucus.blog.nytimes.com, 30-11-10).

Los cargos contra Manning también parecen excesivos. Ni los periodistas Carl Bernstein y Bob Woodward, que destaparon en The Washington Post las trapisondas de Richard Nixon en el llamado caso Watergate causando su renuncia como presidente de EE.UU., ni Daniel Ellsberg, que filtró The New York Times y otros periódicos los “Papeles del Pentágono” sobre la guerra en Vietnam, fueron procesados. Y se trató de historias de innegable magnitud.

Se conoce que Osama bin Laden estaba muy interesado en libros de Bob Woodward como Las guerras secretas de la CIA 1981-1987 (Sudamericana, Buenos Aires, 1988) o Bush en guerra (Península, Barcelona, 2003) que traen mucha información de nivel mucho más delicado y secreto que todo lo filtrado por Manning. Woodward y los altos funcionarios de la Casa Blanca que le proporcionaban esa información nunca fueron acusados de ayudar al enemigo. Tal vez se distrajeron.

Página/12 :: Contratapa :: ¿Es Manning un héroe o un traidor?

03/11/2010

Reciclando emails

Filed under: Isto é PSDB! — Gilmar Crestani @ 10:36 am
Tags: ,
Recebi emails de todos os tipos. Não respondia nem pretendo respondê-los agora. Inclusive e principalmente aqueles que atacavam Dilma. Se defendessem Serra, talvez respondesse. Mas só atacavam. Como Lula e Dilma sofreram muitas acusações de serem autoritários e contra a liberdade de imprensa (engraçado, não diziam que eram contra a liberdade de expressão…), reproduzo abaixo o perigo de que a liberdade de expressão, não de imprensa, saiu ilesa. Gostaria que refutassem, ponto por ponto, as afirmações abaixo.
serra-dedo-narizJosé Serra não lida bem com perguntas que questionem seus pontos de vista. Coloca-se como um defensor da liberdade de imprensa, mas desrespeita jornalistas que publiquem matérias desfavoráveis a seus interesses.
Em 27 de setembro de 2010, Marina Silva deu declarações que ajudam a entender o padrão de comportamento do presidenciável com a imprensa: “Tenho ouvido reclamações nos últimos dias que o ex-governador José Serra tem ficando nervoso quando fazem perguntas que ele não gosta. Ouço também relatos de que há uma tentativa de intimidação dele aos jornalistas. Existem duas formas de tentar intimidar a imprensa. Uma é aquela que vem a público e coloca de forma infeliz uma série de críticas. Outra é aquela que, de forma velada, tenta agredir jornalistas, pedir cabeça de jornalista, o que dá na mesma coisa, porque o respeito pela democracia e pela liberdade de imprensa é permitir que a informação circule. Serra constrange e tenta intimidar jornalistas”.

(Fonte:http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/marina+critica+serra+por+tentar+intimidar+a+imprensa/n1237785254076.html)
Se você é jornalista e trabalha em uma redação já deve ter ouvido alguma história sobre telefonemas que ele teria dado a donos e diretores pedindo a demissão de repórteres “irresponsáveis”. Decidimos reunir apenas episódios concretos, públicos e comprováveis, para que o eleitor tenha ferramentas para ajustar sua percepção à realidade.

13 de outubro de 2010
Vítima: Valor Econômico (repórter Sérgio Bueno)
O repórter Sérgio Bueno fez pergunta sobre Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto. E ouviu do candidato: “Seu jornal faz manchete para o PT colocar no horário eleitoral. Eu sei que, no caso, vocês não têm interesse na Casa Civil, naquilo que foi desviado. Seu jornal, pelo menos, não tem. Agora, no nosso caso, nós temos.” Horas depois, a diretora de redação do Valor, Vera Brandimarte, ensinou: “O jornalista [Sérgio Bueno] só estava fazendo o trabalho dele, que é perguntar. Todos os candidatos devem estar dispostos a responder questões, mesmo sobre temas que não lhes agradem”.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po1410201008.htm

28 de setembro de 2010
Vítima: Folha de S.Paulo (repórter Breno Costa)
Em Salvador, diálogo entre o repórter Breno Costa, da Folha, e o candidato do PSDB. “Candidato, nesses últimos dias de campanha, qual deve ser a [sua] estratégia?”. Resposta de Serra: “Certamente não é perder tempo com matéria mentirosa como a que você fez”. Sobre a matéria, explicação da Folha: “Serra referia-se à reportagem que mostrou ressalvas feitas por técnicos do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo no ano de 2009, quando ele era governador. As objeções técnicas do TCE-SP, que aprovou suas contas, referiam-se a ações que, hoje, fazem parte da lista de promessas do tucano”.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po2909201010.htm

15 de setembro de 2010
Vítima: CNT/Gazeta (entrevistadores Márcia Peltier e Alon Feurwerker)
Serra irritou-se durante gravação e ameaçou deixar o programa “Jogo do Poder”, da CNT, comandado por Márcia Peltier e Alon Feurwerker. Ele não gostou de perguntas feitas e depois de dizer que estavam “perdendo tempo” com aqueles assuntos, passou a discutir com Márcia. Disse que, em vez de tratarem do programa de governo, estavam repetindo “os argumentos do PT”. Em seguida, levantou-se para deixar o estúdio. “Não vou dar essa entrevista, você me desculpa. Faz de conta que não vim”, disse Serra, reclamando que a entrevista não era um “troço sério”. Logo depois, pediu que os equipamentos fossem desligados e disparou: “Isso aqui está um programa montado.” A apresentadora negou com firmeza a acusação e teve uma conversa reservada com Serra. Só então o candidato aceitou voltar ao estúdio.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po1609201022.htm

7 de agosto de 2010
Vítima: TV Cultura – Gabriel Priolli
No final da tarde, Fernando Vieira de Mello, vice-presidente de conteúdo, chamou Priolli à sua sala para comunicá-lo de seu afastamento da direção de jornalismo da emissora. O episódio aconteceu apenas 5 dias depois de Priolli assumir o cargo. Ele havia encomendado uma reportagem sobre pedágios. A Folha escreveu sobre o episódio: “Nos corredores da emissora e na blogosfera, circula a informação de que, por trás da saída de Priolli, está uma reportagem sobre problemas e aumento nos pedágios. A reportagem teria sido “derrubada” – jargão para o que não é veiculado – por Mello. “A reportagem não foi ao ar na quarta-feira por uma razão simples: não estava pronta”, diz Mello. “Eram ouvidos só [Geraldo] Alckmin e [Aloísio] Mercadante. Em período eleitoral, somos obrigados a ouvir todos os candidatos. Foi isso que fizemos”, acrescenta. Dias antes, outra dança de cadeiras originou rumores sobre a influência do governo estadual sobre a TV. Segundo estes, Heródoto Barbeiro teria sido substituído por Marília Gabriela no Roda Viva por ter feito uma pergunta incômoda a Serra.
Escreveu o Observatório da Imprensa: “Explicações complicadas terão que ser dadas pelo candidato à presidência José Serra – acusado de ter pedido a cabeça dos jornalistas”
Fonte: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=597IPB010

23 de agosto de 2010
Vítima: TV Brasil
O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, se irritou com uma pergunta de uma jornalista da TV Brasil, emissora estatal, sobre o fato de a propaganda na TV completar uma semana hoje e a expectativa do tucano de conseguir reagir nas pesquisas. “Pergunta lá pro seu pessoal na TV Brasil. Eles têm uma opinião”, disse Serra.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/poder/787723-serra-se-irrita-com-pergunta-de-jornalista-da-tv-brasil.shtml

Julho de 2010
Vítima: Rádio Mirante AM, do Maranhão – repórter Mário Carvalho
Serra irritou-se quando foi perguntado sobre o que faria para diminuir sua rejeição no Nordeste. Respondeu: “Onde você viu essa informação? Você está fazendo campanha para Dilma”. “No Ibope e no Datafolha”, disse Carvalho. “De qual emissora você é?” “Da Mirante AM”. “Não é rádio do Sarney? Eu não sei aonde você viu isso. Vamos fazer uma coisa, você quer fazer propaganda pra Dilma? Eu acho legítimo que sua rádio e você faça campanha para Dilma. Não tenho nada a me opor. Agora não venha falar mentira. Tudo bem, faz a campanha direto”, disse, gritando, Serra.

16 de julho
Vítima: TV Globo – Fábio Turci
O repórter Fábio Turci dirige a Serra uma pergunta sobre juros. O perguntado não esconde sua irritação, e indaga com a devida veemência: “De onde você é?” Turci esclarece ser da Globo. E Serra, de pronto: “Ah, então desculpe”.
Fonte: http://www.cartacapital.com.br/politica/pesos-e-medidas

22 de junho de 2010
Vítima: TV Cultura – Mediador Heródoto Barbeiro
“Como o estado poderia prestar serviço não cobrando pedágios tão caros como são cobrados no estado de São Paulo? A gente viaja por aí e as pessoas reclamam que para ir de uma localidade à outra custa R$ 8,80″, questionou o jornalista. “Você tá transmitindo o que o PT vive dizendo”, acusou. O candidato explicou que o modelo de privatização de rodovias de São Paulo passou por mudanças em seu governo. “Nós mudamos o modelo de concessões e os pedágios baixaram em relação aos elementos anteriores”. Ao final da discussão, Serra classificou as indagações do jornalista de “trololó petista” e condenou Barbeiro por não apresentar resultados do governo tucano em São Paulo. “Essas perguntas têm sempre de vir acompanhadas de resultados”, exigiu o tucano. Logo depois, Barbero deixou a bancada do programa, dando lugar a Marília Gabriela.
Assista ao bate-boca: http://www.cafenapolitica.com/wordpress/?p=1751

29 de maio de 2009
Vítima: Estadão – repórter Sandro Villar
Escreveu o Estadão: “A entrevista coletiva foi tumultuada. A segurança reprimiu os jornalistas com certa dose de truculência. O governador fugiu das perguntas políticas. Ao ser perguntado pelo repórter do Estado se faria dobradinha com Aécio Neves na eleição para a presidência, Serra se irritou. “Pensei que você veio para perguntar sobre o hospital”, respondeu (em referência a uma pauta publicada). Um segurança agarrou o repórter na frente do governador, que condenou a atitude do rapaz (do repórter!) e soltou um sonoro palavrão impublicável.Villar declarou, em correspondência a Luis Carlos Azenha: “Não faz muito tempo surgiram informações de que o Serra foi submetido a um cateterismo realizado secretamente na calada da noite. Eu queria perguntar isso ao governador para ele desmentir ou não. Mas, pela segunda vez, fui agredido pela segurança de Sua Excelência. Protestei e disse que nem na época da ditadura militar fui tratado com tanta truculência”
Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,professores-chamam-serra-de-ditador-em-presidente-prudente,379226,0.htm

10 de maio de 2010
Vítima: Rádio CBN (Comentarista Miriam Leitão)
Em entrevista pela manhã, Miriam perguntou se o presidenciável respeitaria a autonomia do Banco Central ou se presidiria também a instituição, caso vencesse a eleição. Serra primeiro respondeu que a suposição da jornalista era “brincadeira”. Em seguida, disse, ríspido: “Você acha isso, sinceramente, que o Banco Central nunca erra? Tenha paciência!” Questionado se interviria na instituição ao se deparar com um erro, Serra interrompeu Miriam: “O que você está dizendo, vai me perdoar, é uma grande bobagem.”

10 de maio de 2010
Vítima: Rádio Nacional
Relato da Folha de S. Paulo: Um repórter da Rádio Nacional, emissora estatal, perguntou se o tucano acabaria com o Bolsa Família. Serra reagiu de forma ríspida. “Por que a pergunta? Porque disseram para você que eu vou acabar? Então eu gostaria de saber a fonte. Isso é uma mentira total”, afirmou. Em outro momento de irritação, Serra não quis detalhar sua posição referente à divisão dos royalties do pré-sal. “Não vou ficar repetindo.” Assessores de Serra procuraram repórteres para pedir desculpas pelo tom do tucano, que chegou ao evento com 40 minutos de atraso.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc2005201009.htm
FONTE:

http://www.conversaafiada.com.br/politica/2010/10/28/marina-sabe-como-serra-trata-jornalista/#comment-245884

Conceitos tucanos/demonícos indispensáveis para entender Veja, Folha, Estadão e Globo. Estes são conceitos oficiais do candidato Serra:

JORNALISMO INVESTIGATIVO é aquele que é deve ser feito com rigor contra petistas, considerando-os sempre culpados mesmo quando eles forem inocentes ou quando os autores das mutretas forem tucanos/demonícos.

JORNALISMO ADULATIVO é aquele que deve ser feito em relação aos tucanos/demonícos, quer não investigando as mutretas que eles cometeram, quer inocentando-os, quer atribuindo as mutretas deles aos seus adversários petistas.

ISENÇÃO JORNALISTICA só tem quem faz JORNALISMO INVESTIGATIVO e JORNALISMO ADULATIVO nos moldes acima conceituados. Tudo que for feito sem o respeito dos conceitos acima será considerado JORNALISMO “CHAPA-BRANCA”, JORNALISMO PARTIDÁRIO, JORNALISMO ENGAJADO ou JORNALISMO PETISTA.

28/10/2010

O DEMOcrata que se preparou a vida toda para receber jornalista ajoelhado

Filed under: Isto é PSDB!,PIG — Gilmar Crestani @ 7:47 pm
Tags: , ,

José Serra e a liberdade de expressão

Retirado do ESCREVINHADOR, do Rogrigo Viana

Recebo, do jornalista Antônio Biondi, levantamento exaustivo que mostra o apreço de José Serra pela liberdade de imprensa…

===

José Serra não lida bem com perguntas que questionem seus pontos de vista. Coloca-se como um defensor da liberdade de imprensa, mas desrespeita jornalistas que publiquem matérias desfavoráveis a seus interesses.

Em 27 de setembro de 2010, Marina Silva deu declarações que ajudam a entender o padrão de comportamento do presidenciável com a imprensa: “Tenho ouvido reclamações nos últimos dias que o ex-governador José Serra tem ficado nervoso quando fazem perguntas que ele não gosta. Ouço também relatos de que há uma tentativa de intimidação dele aos jornalistas. Existem duas formas de tentar intimidar a imprensa. Uma é aquela que vem a público e coloca de forma infeliz uma série de críticas. Outra é aquela que, de forma velada, tenta agredir jornalistas, pedir cabeça de jornalista, o que dá na mesma coisa, porque o respeito pela democracia e pela liberdade de imprensa é permitir que a informação circule. Serra constrange e tenta intimidar jornalistas”.

(Fonte: IG)

Se você é jornalista e trabalha em uma redação, já deve ter ouvido alguma história sobre telefonemas que ele teria dado a donos e diretores pedindo a demissão de repórteres “irresponsáveis”. Decidimos reunir apenas episódios concretos, públicos e comprováveis, para que o eleitor tenha ferramentas para ajustar sua percepção à realidade.

13 de outubro de 2010

Vítima: Valor Econômico (repórter Sérgio Bueno)

O repórter Sérgio Bueno fez pergunta sobre Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto. E ouviu do candidato: “Seu jornal faz manchete para o PT colocar no horário eleitoral. Eu sei que, no caso, vocês não têm interesse na Casa Civil, naquilo que foi desviado. Seu jornal, pelo menos, não tem. Agora, no nosso caso, nós temos.” Horas depois, a diretora de redação do Valor, Vera Brandimarte, ensinou: “O jornalista [Sérgio Bueno] só estava fazendo o trabalho dele, que é perguntar. Todos os candidatos devem estar dispostos a responder questões, mesmo sobre temas que não lhes agradem”.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po1410201008.htm

28 de setembro de 2010

Vítima: Folha de S.Paulo (repórter Breno Costa)

Em Salvador, diálogo entre o repórter Breno Costa, da Folha, e o candidato do PSDB. “Candidato, nesses últimos dias de campanha, qual deve ser a [sua] estratégia?”. Resposta de Serra: “Certamente não é perder tempo com matéria mentirosa como a que você fez”. Sobre a matéria, explicação da Folha: “Serra referia-se à reportagem que mostrou ressalvas feitas por técnicos do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo no ano de 2009, quando ele era governador. As objeções técnicas do TCE-SP, que aprovou suas contas, referiam-se a ações que, hoje, fazem parte da lista de promessas do tucano”.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po2909201010.htm

15 de setembro de 2010

Vítima: CNT/Gazeta (entrevistadores Márcia Peltier e Alon Feurwerker)

Serra irritou-se durante gravação e ameaçou deixar o programa “Jogo do Poder”, da CNT, comandado por Márcia Peltier e Alon Feurwerker. Ele não gostou de perguntas feitas e depois de dizer que estavam “perdendo tempo” com aqueles assuntos, passou a discutir com Márcia. Disse que, em vez de tratarem do programa de governo, estavam repetindo “os argumentos do PT”. Em seguida, levantou-se para deixar o estúdio. “Não vou dar essa entrevista, você me desculpa. Faz de conta que não vim”, disse Serra, reclamando que a entrevista não era um “troço sério”. Logo depois, pediu que os equipamentos fossem desligados e disparou: “Isso aqui está um programa montado.” A apresentadora negou com firmeza a acusação e teve uma conversa reservada com Serra. Só então o candidato aceitou voltar ao estúdio.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po1609201022.htm

7 de agosto de 2010

Vítima: TV Cultura – Gabriel Priolli

No final da tarde, Fernando Vieira de Mello, vice-presidente de conteúdo, chamou Priolli à sua sala para comunicá-lo de seu afastamento da direção de jornalismo da emissora. O episódio aconteceu apenas 5 dias depois de Priolli assumir o cargo. Ele havia encomendado uma reportagem sobre pedágios. A Folha escreveu sobre o episódio: “Nos corredores da emissora e na blogosfera, circula a informação de que, por trás da saída de Priolli, está uma reportagem sobre problemas e aumento nos pedágios. A reportagem teria sido “derrubada” – jargão para o que não é veiculado – por Mello. “A reportagem não foi ao ar na quarta-feira por uma razão simples: não estava pronta”, diz Mello. “Eram ouvidos só [Geraldo] Alckmin e [Aloísio] Mercadante. Em período eleitoral, somos obrigados a ouvir todos os candidatos. Foi isso que fizemos”, acrescenta. Dias antes, outra dança de cadeiras originou rumores sobre a influência do governo estadual sobre a TV. Segundo estes, Heródoto Barbeiro teria sido substituído por Marília Gabriela no Roda Viva por ter feito uma pergunta incômoda a Serra.

Escreveu o Observatório da Imprensa: “Explicações complicadas terão que ser dadas pelo candidato à presidência José Serra – acusado de ter pedido a cabeça dos jornalistas”
Fonte: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=597IPB010

23 de agosto de 2010

Vítima: TV Brasil

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, se irritou com uma pergunta de uma jornalista da TV Brasil, emissora estatal, sobre o fato de a propaganda na TV completar uma semana hoje e a expectativa
do tucano de conseguir reagir nas pesquisas. “Pergunta lá pro seu pessoal na TV Brasil. Eles têm uma opinião”, disse Serra.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/poder/787723-serra-se-irrita-com-pergunta-de-jornalista-da-tv-brasil.shtml

Julho de 2010

Vítima: Rádio Mirante AM, do Maranhão – repórter Mário Carvalho

Serra irritou-se quando foi perguntado sobre o que faria para diminuir sua rejeição no Nordeste. Respondeu: “Onde você viu essa informação? Você está fazendo campanha para Dilma”. “No Ibope e no Datafolha”, disse Carvalho. “De qual emissora você é?” “Da Mirante AM”. “Não é rádio do Sarney? Eu não sei aonde você viu isso. Vamos fazer uma coisa, você quer fazer propaganda pra Dilma? Eu acho legítimo que sua rádio e você faça campanha para Dilma. Não tenho nada a me opor. Agora não venha falar
mentira. Tudo bem, faz a campanha direto”, disse, gritando, Serra.

16 de julho

Vítima: TV Globo – Fábio Turci

O repórter Fábio Turci dirige a Serra uma pergunta sobre juros. O perguntado não esconde sua irritação, e indaga com a devida veemência: “De onde você é?” Turci esclarece ser da Globo. E Serra, de pronto: “Ah, então desculpe”.
Fonte: http://www.cartacapital.com.br/politica/pesos-e-medidas

22 de junho de 2010

Vítima: TV Cultura – Mediador Heródoto Barbeiro

“Como o estado poderia prestar serviço não cobrando pedágios tão caros como são cobrados no estado de São Paulo? A gente viaja por aí e as pessoas reclamam que para ir de uma localidade à outra custa R$ 8,80″, questionou o jornalista. “Você tá transmitindo o que o PT vive dizendo”, acusou. O candidato explicou que o modelo de privatização de rodovias de São Paulo passou por mudanças em seu governo. “Nós mudamos o modelo de concessões e os pedágios baixaram em relação aos elementos anteriores”. Ao final da discussão, Serra classificou as indagações do jornalista de “trololó petista” e condenou Barbeiro por não apresentar resultados do governo tucano em São Paulo. “Essas perguntas têm sempre de vir acompanhadas de resultados”, exigiu o tucano. Logo depois, Barbero deixou a bancada do programa, dando lugar a Marília Gabriela.
Assista ao bate-boca: http://www.cafenapolitica.com/wordpress/?p=1751

29 de maio de 2009

Vítima: Estadão – repórter Sandro Villar

Escreveu o Estadão: “A entrevista coletiva foi tumultuada. A segurança reprimiu os jornalistas com certa dose de truculência. O governador fugiu das perguntas políticas. Ao ser perguntado pelo repórter do Estado se faria dobradinha com Aécio Neves na eleição para a presidência, Serra se irritou. “Pensei que você veio para perguntar sobre o hospital”, respondeu (em referência a uma pauta publicada). Um segurança agarrou o repórter na frente do governador, que condenou a atitude do rapaz (do repórter!) e soltou um sonoro palavrão impublicável.Villar declarou, em correspondência a Luis Carlos Azenha: “Não faz muito tempo surgiram informações de que o Serra foi submetido a um cateterismo realizado secretamente na calada da noite. Eu queria perguntar isso ao governador para ele desmentir ou não. Mas, pela segunda vez, fui agredido pela segurança de Sua Excelência. Protestei e disse que nem na época da ditadura militar fui tratado com tanta truculência”
Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,professores-chamam-serra-de-ditador-em-presidente-prudente,379226,0.htm

10 de maio de 2010

Vítima: Rádio CBN (Comentarista Miriam Leitão)

Em entrevista pela manhã, Miriam perguntou se o presidenciável respeitaria a autonomia do Banco Central ou se presidiria também a instituição, caso vencesse a eleição. Serra primeiro respondeu que a suposição da jornalista era “brincadeira”. Em seguida, disse, ríspido: “Você acha isso, sinceramente, que o Banco Central nunca erra? Tenha paciência!” Questionado se interviria na instituição ao se deparar com um erro, Serra interrompeu Miriam: “O que você está dizendo, vai me perdoar, é uma grande bobagem.”

10 de maio de 2010

Vítima: Rádio Nacional

Relato da Folha de S. Paulo: Um repórter da Rádio Nacional, emissora estatal, perguntou se o tucano acabaria com o Bolsa Família. Serra reagiu de forma ríspida. “Por que a pergunta? Porque disseram para você que eu vou acabar? Então eu gostaria de saber a fonte. Isso é uma mentira total”, afirmou. Em outro momento de irritação, Serra não quis detalhar sua posição referente à divisão dos royalties do pré-sal. “Não vou ficar repetindo.” Assessores de Serra procuraram repórteres para pedir desculpas pelo tom do tucano, que chegou ao evento com 40 minutos de atraso.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc2005201009.htm

15/03/2010

Liberdade de Expressão

Filed under: PIG — Gilmar Crestani @ 7:58 pm
Tags: ,

Washington Araújo, da Carta Maior

Liberdade de Expressão

Organizado pelo Instituto Millenium, realizou-se em São Paulo no dia 1º de março de 2010 o I Fórum Democracia e Liberdade de Expressão congregando a fina flor do empresariado da comunicação brasileira e acolhendo representantes de grandes grupos de mídia da América Latina, em especial da Venezuela e da Argentina, além renomados nomes do colunismo político que brilham em nossos veículos comerciais. Pretendeu ser um contraponto à 1ª Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), cuja etapa nacional ocorreu em Brasília entre os dias 14 a 17 de dezembro de 2009. A Confecom envolveu mais de 20.000 pessoas em todo o país, recepcionou 6.000 propostas originárias das etapas estaduais e aprovou 500 resoluções.

A Confecom de Brasília trouxe à discussão temas como Produção de Conteúdo, Meios de Distribuição e os Direitos e Deveres da Cidadania, o Fórum de São Paulo propunha a defesa de valores como Democracia, Economia de Mercado e o Individualismo.

Todo cidadão brasileiro era bem-vindo para participar da 1ª Confecom. Para assistir ao Fórum Millenium era indispensável o pagamento de R$ 500,00 a título de inscrição. Na Confecom as seis maiores corporações empresariais de veículos de comunicação do Brasil fizeram questão de marcar sua ausência. No Millenium as ausentes se fizeram presentes. Dentre as quais destaco: Associação Brasileira de Empresas de Rádio e Televisão (Abert) e a Associação Nacional dos Jornais (ANJ), entidades que envolvem a Globo, o SBT, a Record, a Folha de S. Paulo, o Estado de S. Paulo, a RBS, Instituto Liberal, Movimento Endireita Brasil (MEB), e outras empresas que decidiram boicotar a I Conferência Nacional de Comunicação, numa demonstração de forte apreço pela democracia. Se essas entidades desejaram evitar o confronto na Confecom mostraram-se pintadas para guerra no Millenium.

Cotejando os temas abordados no Millenium e, principalmente, os conferencistas que lá foram vivamente aplaudidos, posso imaginar que se pretende agregar novos significados ao verbete “liberdade de expressão”.

São eles:

1. Liberdade de expressão é interditar todo e qualquer debate democrático sobre os meios de comunicação.

2. Liberdade de expressão só pode ser invocada pelos que controlam o monopólio das comunicações no país.

3. Liberdade de expressão é bem supremo estando abaixo apenas do Deus-Mercado.

4. Liberdade de expressão é moeda de troca nas eternas rusgas entre situação e oposição.

5. Liberdade de expressão é denunciar qualquer debate sobre mecanismos para termos uma imprensa minimamente responsável.

6. Liberdade de expressão é gerar factóides, divulgar informações sabidamente falsas apenas para aproveitar o calor da luta.

7. Liberdade de expressão é deitar falação contra avanços sociais, contra mobilidade social, contra cotas para negros e índios em universidades públicas.

8. Liberdade de expressão é cartelizar a informação e divulgá-la como capítulos de uma mesma novela em variados veículos de comunicação.

9. Liberdade de expressão é não conceder o direito de resposta sem que antes o interessado passe por toda a via crucis de conseguir na justiça valer seu direito.

10. Liberdade de expressão é explorar a boa fé do povo com programas de televisão que manipulam suas emoções e suas carências oferecendo uma casa aqui outro carro ali e assim por diante.

11. Liberdade de expressão é somente aprovar comentários aptos à publicação em sítio/blog da internet se estes referendarem o pensamento do autor e proprietário do sítio/blog.

12. Liberdade de expressão é ser leviano a ponto de chamar a ditadura brasileira de ditabranda e ficar por isso mesmo.

13. Liberdade de expressão é imputar ao presidente da República comportamento imoral tendo como fundamento depoimento fragmentado da memória de um indivíduo acerca de fato relatado quase duas décadas depois.

14. Liberdade de expressão é apresentar imparcialidade jornalística do meio de comunicação mesmo quando os principais jornalistas fazem de sua coluna tribuna eminentemente partidária.

15. Liberdade de expressão é fazer estardalhaço em torno de um sequestro que não ocorreu há quase 40 anos com a clara intenção de tumultuar o processo político atual.

16. Liberdade de expressão é assacar contra a honra de pessoa pública utilizando documentos de autenticidade altamente duvidosa e depois fazer mea culpa na seção “Erramos”.

17. Liberdade de expressão é submeter decisões editoriais a decisões comerciais de empresas e emissoras de comunicação.

18. Liberdade de expressão é somente dar ampla divulgação a pesquisas de opinião em que os resultados sejam palatáveis ao veículo de comunicação.

19. Liberdade de expressão é não ter visto “Lula, o filho do Brasil” e considerá-lo péssimo produto cinematográfico sem ao menos tê-lo assistido.

20. Liberdade de expressão é minimizar o descaso do poder público ante as enchentes de São Paulo e reduzir candidato à presidência a mero poste.

21. Liberdade de expressão é ter dois pesos em política externa: Cuba é o inferno e China é o paraíso.

22. Liberdade de expressão é demonizar movimentos sociais e defender a todo custo latifúndios vastos e improdutivos.

23. Liberdade de expressão é usar uma concessão pública para aumentar os níveis de audiência com o uso perverso de crianças no papel de vilões.

24. Liberdade de expressão é desqualificar quem não aprecia a programação servida pelo Instituto Millenium.

25. Liberdade de expressão é rejeitar in totum toda e qualquer proposição da Conferência Nacional de Comunicação.

26. Liberdade de expressão é apostar em quem ofereça garantias robustas visando manter o monopólio dos atuais donos da mídia brasileira.

27. Liberdade de expressão é obstruir qualquer caminho que conduza mecanismos de democracia participativa.

28. Liberdade de expressão é fazer coro contra qualquer governo de esquerda e se omitir contra malfeitorias de qualquer governo de direita. Ou vice-versa.

29. Liberdade de expressão é fugir como o diabo foge da cruz de expressões como liberdade, democracia, cidadania, justiça social, controle social da mídia.

30. Liberdade de expressão é lutar para manter o status quo: o direito de informar é meu e ninguém tasca.

11/03/2010

Globo escraviza a liberdade de expressão!

Filed under: Cosa Nostra,PIG — Gilmar Crestani @ 6:45 am
Tags: , ,

Anúncio censurado por O GLOBO!

Anúncio censurado por O GLOBO!

O Globo inviabiliza anúncio sobre cotas e sofre ação na Justiça
Ativistas sociais e intelectuais do Rio de Janeiro protocolaram nesta segunda (8) uma representação contra o jornal O Globo no Ministério Público daquele Estado. Eles acusam a publicação de agir contra a liberdade de expressão ao inviabilizar um anúncio de um manifesto do movimento nacional Afirme-se!, favorável as políticas de ação afirmativa e das cotas raciais.
Segundo a ação há fortes indícios de “práticas infrativas à liberdade de expressão e ao direito à informação”. Para publicar o manifesto (figura ao lado), que no último dia 3 circulou em uma página em outros jornais nacionais, O Globo apresentou à Agência Propeg uma tabela no valor de R$ 54.163,20, mas após ter acesso ao conteúdo estipulou o valor em R$ 712.608,00.

“A alegação de O Globo para tal alteração foi expressa nos seguintes termos: o anúncio foi analisado pela diretoria e ficou definido que será Expressão de Opinião, pois, o seu conteúdo levou a esta decisão”, diz o conteúdo da ação.

Segundo a representação, o valor cobrado inicialmente estava dentro da realidade do mercado. Pelo mesmo anúncio, por exemplo, o jornal Folha de S.Paulo cobrou R$ 38.160,00 e o Estado de S.Paulo R$ 37.607,23.

“Deve ser dito que, dos jornais mencionados, a Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e O Globo competem, no mercado editorial, em distribuição, circulação e influência nacionais. Em termos de linha editorial, esses três veículos são, nitidamente, contrários às cotas e às políticas de ação afirmativa. No entanto, diferentemente de O Globo, todos os demais aceitaram publicar o Manifesto, custeado pela sociedade civil por um preço comercialmente realista”, diz o documento.

A Campanha

O principal objetivo da campanha Afirme-se foi sensibilizar os ministros do Supremo Tribunal federal (STF) para a justeza e constitucionalidade das políticas de ação afirmativa já existentes, a favor de indígenas e afrodescendentes. A principal delas são as cotas em universidades, a regularização de terras dos remanescentes dos quilombos e programas especiais dos ministérios das Relações Exteriores e reforma Agrária.

Diz a representação que no Brasil a adoção de tais práticas, “implementadas timidamente há menos de uma década, vem sofrendo ataques poderosos de setores da grande mídia.

“Há uma verdadeira campanha que objetiva duas coisas: 1) extinguir, vetar, destruir as poucas iniciativas institucionais de ação afirmativa já existentes; 2) impedir, bloquear, derrotar qualquer possibilidade de implantação ou criação de novos instrumentos legais e institucionais de ação afirmativa.”

A representação é assinada pelos professores Alexandre do Nascimento, Rodrigo Guerón e pelo advogado André Magalhães Barros. Um abaixo-assinado será anexado a ação que já aguarda uma posicionamento da Justiça.

Da Sucursal de Brasília,
Iram Alfaia

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: