Ficha Corrida

16/06/2015

Zelotes, mas pode me chamar de tapera

Tapera é um nome de origem tupi que significa aldeia extinta. E aquilo que não é lembrado, não existe. É com esta lógica que todos os envolvidos na Operação Zelotes trabalha.

Como já escreveu Pedrinho Guareschi, o que não sai na mídia não existe. É a forma científica da fórmula desenvolvida pela dupla Rubens Ricúpero e Carlos Monforte naquele vazamento que ficou conhecido como Escândalo da Parabólica. E, embora desanimador, é um resultado esperado exatamente por envolver os assoCIAdos do Instituto Millenium e seus financiadores ideológicos. RBS, GERDAU e outros salafrários são os mesmos que querem ensinar o Estado a ser honesto. Quando estes grupos pagarem seus imposto deixarei pensar que fazem parte de uma máfia que suga o Estado e, por isso, condena todos que tentam fortalecer o Estado e seus serviços. A máfia detesta a eficiência estatal.

Se algo de bom nesta informação é o fato de que fica evidente que há partes do funcionalismo público que atua somente naquilo que dá IPOBE. Por exemplo, na RBS dá IBOPE atacar o PT. Jamais dará IBOPE na RBS investigando a corrupção da RBS. E a GERDAU, tão ciosa para ensinar eficiência ao setor público, de repente tem uma moral de Fernandinho Beira-Mar.

Réus graúdos levam Zelotes para longe dos holofotes
Ministério Público teme que Operação Zelotes, que investiga fraudes de grandes empresas contra o Fisco, fique parada por atender a interesses de setores da imprensa e do Judiciário

por Hylda Cavalcanti na Rede Brasil Atual

ZELOTES

A investigação de crimes praticados por grandes empresários, detentores de fatia considerável do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, caminha relegada ao desinteresse por falta de associação a um escândalo que reverta em dividendos ou prejuízos políticos. O tratamento dado por parte do Judiciário e da imprensa à Operação Zelotes é uma amostra disso, se comparado à Lava Jato. Essa tem sido a constatação de parlamentares, representantes do Ministério Público, analistas econômicos e profissionais do meio jurídico, que se debruçam sobre a elucidação de um escândalo que pode chegar R$ 19 bilhões desviados do Tesouro Nacional.

A Operação Zelotes foi deflagrada em 28 de março por diversos órgãos de investigação em conjunto com a Polícia Federal. Resultou na descoberta de uma fraude com a Receita Federal, no período de 2005 a 2013 – grandes empresas subornavam integrantes do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), ligado à Fazenda, para serem absolvidas do pagamento de impostos ou reduzir de forma significativa o valor a ser pago. Entre as empresas investigadas estão grandes corporações, como RBS (maior afiliada da Rede Globo), Gerdau, Votorantim, Ford, Mitsubishi, BRF (antiga Brasil Foods), Camargo Corrêa, e os bancos Santander, Bradesco, Safra, BankBoston, Pactual, Brascan e Opportunity.

Frederico Paiva

Procurador Paiva debate com senador Paulo Pimenta em audiência da investigações Operação Zelotes

Enquanto em várias operações de caráter semelhante essa fase já teria resultado em prisões preventivas e medidas mais adiantadas, autoridades, Ministério Público e parlamentares alertam para o risco de a investigação não chegar a um resultado efetivo. Segundo o procurador da República Frederico Paiva, “o caso até agora não entusiasmou nem o Poder Judiciário nem a mídia, ao contrário do que acontece com a Operação Lava Jato”. Ele criticou o que chamou de “passividade” por parte dos órgãos envolvidos na investigação e afirmou, durante audiência pública no Congresso Nacional, que os escândalos de corrupção no Brasil só despertam interesse quando há políticos no meio. “Quando atingem o poder econômico, não há a mesma sensibilidade. É preciso que a corrupção seja combatida por todos. Os valores são estratosféricos”, afirmou.
Representações

O MP entrou com representação na Corregedoria do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região contra o juiz responsável pela operação, Ricardo Leite, da 10ª Vara de Brasília. Leite só entregou os documentos referentes ao inquérito em curso à CPI em 1º de junho, e teria tomado decisões que não ajudaram as investigações. Ele só se manifestou pelos autos, negou a prisão temporária de 26 pessoas suspeitas de integrar o esquema e rejeitou o pedido de bloqueio de bens de investigados.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) divulgou que entrará com medida no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) contra o magistrado. Ele acusa Ricardo Leite de ser responsável por processos antigos contra personagens da Zelotes que não foram nem sequer chamados a depor. “A conduta prejudica o combate à corrupção e ao crime do colarinho branco no Brasil”, acusa.

Segundo Frederico Paiva, o MP se prepara para apresentar à Justiça, até julho, denúncias formais por corrupção e lavagem de dinheiro contra investigados na Zelotes. No total, são analisados 74 processos do Carf com suspeita de serem resultado de fraudes. Entre 15 e 20 tratam de valores que chegam a irregularidades da ordem de R$ 5 bilhões. O procurador acha que não será possível reunir provas suficientes para anular a maior parte dos 74 julgamentos suspeitos. “O Ministério Público não vai conseguir, infelizmente, alcançar 10% dos ilícitos que foram praticados no caso”, diz. “É preciso que o Poder Judiciário entenda que provas contra a corrupção só são obtidas com medidas invasivas.”

Delegados envolvidos nas investigações já acenaram que, em mais de 90% dos casos, podem não ser encontrados indícios suficientes para anular as supostas irregularidades, por causa da negativa de várias medidas investigativas que dificultou a obtenção de provas. Eles querem desmembrar as investigações, numa forma de tentar contornar as dificuldades e agilizar os trabalhos. “Muita coisa que foi praticada não terá processo. Alguns vão ficar para trás”, lamenta o procurador.

Problemas estruturais

O escândalo envolvendo o Carf descortina dois problemas estruturais brasileiros. O primeiro é o modo de funcionamento do conselho em si. O segundo, a dificuldade de se apurar e julgar crimes tributários no país. Para o procurador Frederico Paiva, esse atual modelo do órgão, que será reformulado, é propício à corrupção e ao tráfico de influência.

“Para fazer investigações desse tipo dependemos antes, muitas vezes, da atuação da Receita Federal, que precisa atestar a existência do crédito tributário definitivo, decorrente de uma fraude. E isso dificulta nosso trabalho”, afirma o delegado da PF e coordenador-geral de Polícia Fazendária, Hugo de Barros Correia, ao destacar que, por esse motivo, tem diminuído o número de inquéritos na área de direito penal tributário no país – sem falar que a PF só pode investigar casos de sonegação previamente investigados no Carf.

No início de maio, um levantamento feito pelo gabinete do senador Otto Alencar (PSD-BA) constatou que mais de 120 mil processos tramitam no Carf, contestando a cobrança de R$ 565 bilhões em impostos e multas. “Se o governo fizer um Refis, dispensar multas e juros e der um desconto de 30% sobre o valor devido, ainda receberia o suficiente para evitar esse doloroso ajuste fiscal”, avaliou o senador, ao divulgar os dados.

A lista surpreende pelos números: apresenta 780 processos com valores acima de R$ 100 milhões sendo contestados, além de 4.295 ações com valores entre
R$ 10 milhões e 100 milhões e 13.190 referentes a valores entre R$ 100 mil e
R$ 10 milhões. Outros 93.698 processos de empresas com pendências na Receita pedindo a revisão das dívidas têm valores abaixo de R$ 100 mil.

O menor grupo, composto por 780 ações, corresponde ao maior valor em impostos e multas que a União teria a receber de grandes empresas: soma mais de R$ 357 bilhões. “É nesse grupo que estão os grandes clientes, que pagam propinas aos conselheiros para ter os valores anulados ou reduzidos. O Carf foi criado para poupar os grandes conglomerados de pagar impostos”, critica o senador.

Reformulação

O Carf tem atualmente 27 conselheiros (há sete cargos vagos), indicados entre representantes dos contribuintes e do fisco, em igual proporção. As indicações de representantes da iniciativa privada costumam ser feitas pelas confederações nacionais da Indústria (CNI), do Comércio (CNC) e da Agricultura (CNA). Os conselheiros não são remunerados. Pelo que tem sido descoberto, muitos deles, no entanto, trataram de dar um jeito próprio de compensar esse detalhe. Segundo o que foi apurado até agora, foram usadas, inclusive, empresas de fachada para fazer a intermediação com os empresários interessados em pagar pela propina para se dar bem nos julgamentos.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, chegou a anunciar que uma reformulação do conselho, depois de todos esses escândalos, “trará clareza para os contribuintes e segurança para o governo”. Levy disse que a proposta definitiva de reforma do regimento do órgão seria publicada até o início deste mês de junho. O texto foi submetido a consulta pública e, conforme explicou o ministro, as sugestões apresentadas pela sociedade estão sendo consolidadas. As mudanças passam por redução do número de turmas e reorganização da câmara superior de julgamentos.

Coêlho, da OAB

Coêlho, da OAB: mudanças no Carf

Levy recebeu do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinícius Furtado Coêlho, um documento com propostas de reforma. A principal medida, aprovada no último dia 18 de maio pela entidade, é a proibição para que advogados com papel de conselheiros no Carf exerçam a advocacia privada. “A OAB poderia vetar a atuação no Carf apenas a advogados que atuassem em causas contra a Fazenda Nacional. Entendemos que o impedimento cabe em qualquer situação”, explica o presidente da OAB.Como forma de equilibrar a situação dos conselheiros que são advogados, a sugestão da Ordem é que esses profissionais, quando passarem a integrar o Carf, recebam salários entre R$ 11 mil e R$ 22 mil. O projeto já foi enviado ao Congresso Nacional.

Senadora Vanessa

Senadora Vanessa: restituição aos cofres

No Senado, onde foi  instalada uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o caso, a relatora, Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), destacou que a comissão quer ter acesso ao máximo de informações. “O resultado que queremos obter não é só punir e prender empresas e culpados, mas trazer para os cofres públicos os recursos que nunca poderiam ter saído”, ressalta. Os senadores querem mais. “O principal objetivo da CPI é investigar as razões da existência do esquema criminoso e, ao mesmo tempo, obter informações para orientar a adoção de medidas que evitem a repetição de tão lamentáveis fatos”, completa o presidente da comissão, senador Ataídes Oliveira (­PSDB-TO).Na Câmara, por sua vez, o deputado Paulo Pimenta, relator de subcomissão da Casa que acompanha as apurações do escândalo, afirmou que já pediu ao juiz Ricardo Leite para ter acesso ao processo, que está sob sigilo de Justiça. Jornalista por formação, Pimenta terminou envolvido em uma polêmica com a mídia após ter sido acusado pelo jornal Folha de S.Paulo de “inflar” a Operação Zelotes com interesses de abafar a Lava Jato.

“A imprensa brasileira trabalha os casos de corrupção não a partir do ato em si, mas a partir de quem praticou a corrupção e quem está envolvido nesses escândalos. Só depois desse filtro, dessa censura prévia, e só depois de verificar se não irá atingir interesses dos grupos econômicos influentes, é que a imprensa decide qual o tamanho da cobertura jornalística que dedicará, ou, então, se irá varrer os acontecimentos para debaixo do tapete, sumindo com esses fatos do noticiário”, rebateu. Para Pimenta, com todos os empecilhos observados até agora, o caminho para o desfecho do caso está apenas começando.

Tabela

About these ads

Réus graúdos levam Zelotes para longe dos holofotes | Luizmuller’s Blog

26/11/2014

Não há fraude sem corruptores

Em todos os grandes escândalos de corrupção no Brasil há sempre um empresário querendo tirar vantagem. É a tal de “leis do mercado”, em que faturar tudo e sempre é regra. Sabemos que nada feito sem ética é bom nem no curto nem no longo prazo. Há valores que independem do cifrão. Quando um empresário põe soda cáustica no leite, ninguém levanta a voz para reclamar. Quando um miserável rouba no supermercado, ganha páginas nos jornais e o processo de condenação vai até o STF. Aécio Neves levantou a bandeira, movendo mundos e fundos para aprovar a menoridade penal, para punir menores infratores. Para punir os maiores infratores ele não move uma pena.

corrupção (2)Esquema de fraude no IR provoca perdas de R$ 1 bi, dizem fisco e PF

Investigação aponta que auditores auxiliavam empresários e contadores a fraudar declaração

Nomes das empresas não são divulgados; delegado vê indícios de enriquecimento ilícito de servidores da Receita

MARCO ANTÔNIO MARTINS, DO RIO, para a FOLHA

Após dois anos de investigações, a PF e a Receita Federal descobriram fraudes ao Imposto de Renda que podem atingir R$ 1 bilhão.

Entre os 35 investigados, dez auditores da ativa e dois aposentados auxiliavam empresários e contadores a fraudar a declaração de renda.

A prática levou a Receita a determinar uma nova auditoria na declaração de 40 empresas localizadas nas cidades do Rio e de Niterói.

Segundo os investigadores, nenhuma prestava serviço público. Os nomes das empresas não foram revelados.

Além das buscas, a 2ª Vara Federal Criminal de Niterói expediu 35 mandados de condução coercitiva para depoimentos de empresários, contadores e auditores. Não foi pedida a prisão dos suspeitos.

Todos os auditores investigados tinham mais de 20 anos na Receita e trabalhavam no setor de fiscalização. Alguns possuíam empresas.

Os auditores foram afastados do setor, mas continuam na Receita. O prazo para apuração e conclusão do processo disciplinar é de dez anos. O corregedor da Receita, Antônio D’ávila espera reduzir a apuração para um ano.

Dos 35 mandados, 29 foram cumpridos. Seis pessoas não foram encontradas.

"O que chamava a atenção é que eles não tinham a mínima vergonha de pedir propinas. Eles não tinham limites", afirmou o delegado Enrico Zambrotti, da PF.

As buscas realizadas pela polícia nesta terça (25) surpreenderam os policiais. Em um apartamento de 550 m? de um auditor foi encontrada uma adega de 100 m?. Havia 2.400 garrafas de vinho, algumas no valor de R$ 18 mil.

Em outro endereço, o auditor fiscal morava numa cobertura na praia de Icaraí, em Niterói, avaliada em R$ 4 milhões e cuidava da reforma de outra cobertura.

"Há fortes indícios de que houve enriquecimento ilícito. Eles prestaram assessoria tributária, advocacia administrativa e parece que por isso tinham padrão de vida elevado", disse D’ávila.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: