Ficha Corrida

26/04/2015

Chile pune jornal que apoiou a ditadura

Filed under: Ditabranda,Ditadura,Ovo da Serpente,Rede Globo,Rede Globo de Manipulação — Gilmar Crestani @ 9:24 pm
Tags:

Ditadura e GLobonNo Brasil, os jornais que apoiaram e se apoiaram nos ditadores não só estão impunes, como querem dar novos golpes. Os assoCIAdos do Instituto Millenium têm saudade do tempo em que prendiam sem mandado, torturavam por prazer, estupravam por falta de mãe, e matavam porque gorila não conhece o pai.

A Folha ainda emprestava as peruas para desovar os presuntos esquartejados nas valas clandestinas do Cemitério de Perus. Para a Folha, a ditadura foi ditabranda.

A Comissão da Verdade foi um parto que não ganhou visibilidade. Claro, a verdade incomoda quem viveu das sombras e nas sombras. Os grupos mafiomidiáticos se constituíram durante a ditadura e com ela se locupletaram. A lei da anistia, feita pelos ditadores e em benefício próprio, isentava de punição os criminosos. Uma lei sob medida. É como se o Fernandinho Beira-Mar depois de traficar fizesse um lei impedindo de investigar seu passado de traficante.

Mas isso é só no Brasil. Aqui o STF foi o primeiro a impedir a verdade. A revisão da lei de anistia é um dos maiores erros do STF.

Na Argentina, Chile ou em qualquer outro país democrático, a revisão dos crimes cometidos por agentes do Estado não só foram como continuam acontecendo. É o que mostra o Chile nesta semana. Coisa impensável no Brasil, se observarmos que a RBS todo ano desova um funcionário num partido diferente com o único objetivo de se blindar junto ao poder político.

EL MUNDO › EXPULSAN AL DUEÑO DEL DIARIO EL MERCURIO POR COLABORAR CON LA DICTADURA EN CHILE

Un colegio de periodistas se depura

La única sanción moral al empresario y periodista de 87 años busca reparar simbólicamente el enorme daño que causó a la sociedad chilena el periódico conservador. Sin embargo, Edwards no ha sido condenado ni procesado judicialmente.

Por Mercedes López San Miguel

Más de cuatro décadas después, el Colegio de Periodistas de Chile expulsó a Agustín Edwards, dueño del diario El Mercurio, por contribuir con el golpe de Estado contra Salvador Allende. La pequeña sanción moral al empresario y periodista de 87 años, conocida la semana pasada, busca reparar simbólicamente el enorme daño que causó a la sociedad chilena el periódico conservador. Sin embargo, Edwards no ha sido condenado ni procesado judicialmente por ninguna de las operaciones de montaje que llevó adelante El Mercurio, ni por sus mentiras, ni porque habría recibido financiamiento de la CIA durante la administración Nixon para colaborar con la propaganda desestabilizadora del gobierno de Unidad Popular.

“Es difícil entender la historia de Chile sin El Mercurio”, dijo el entonces presidente Ricardo Lagos cuando el periódico fundado en 1900 cumplía cien años, en alusión al rol fundamental en la política que tuvo el diario, siempre portavoz de la oligarquía y del poder financiero. “El Mercuriomiente” fue la frase que más resonó entre los estudiantes en 1967, que ya por entonces reclamaban una reforma de los centros de estudios. Durante la protesta estudiantil de 2011, El Mercurio dedicó varios editoriales para defender las bases del modelo neoliberal y rebatir las principales demandas de los jóvenes.

Agustín Edwards –el quinto Agustín de una familia dueña de grandes fortunas– convirtió al diario en un bastión contra el gobierno socialista, en un defensor de la dictadura y en un promotor del sistema económico de total apertura de los mercados al mundo impulsado por los Chicago boys a mediados de los setenta, cuya herencia continúa en la actualidad.

Durante los tres años de gobierno de Unidad Popular, Edwards vivió en Estados Unidos, como accionista de Pepsi-Cola. Dejó a dos hombres de su confianza en la presidencia de El Mercurio, Fernando Léniz y Hernán Cubillos, quienes luego serían ministros de Economía y de Exteriores de la dictadura de Pinochet. “La CIA gastó más de un millón y medio de dólares para apoyar a El Mercurio, el principal diario de Chile y el más importante canal de propaganda en contra de Allende”, señaló Patricia Verdugo citando los archivos desclasificados de EE.UU. en el libro Salvador Allende: cómo la Casa Blanca provocó su muerte.

El 9 de abril de 1987 El Mercurio publicó en la tapa que dos estudiantes de la Universidad de Santiago eran los líderes de los disturbios que se generaron en Parque O’Higgins, durante la visita del papa Juan Pablo II. El medio tituló “Identificados violentistas del PC en el parque” y señalaba a Iván Barra Stuckrath y Jorge Jaña Obregón como los responsables de los desmanes. Los jóvenes ni siquiera estaban en el lugar y la Justicia después comprobó que eran inocentes. El abogado Luis Cuello Peña, quien patrocinó la denuncia ética contra el diario presentada ante el Colegio de Periodistas en noviembre pasado, contó a Página/12 que usó este ejemplo de montaje periodístico como prueba irrefutable. “Fue una operación de los organismos de seguridad. Los dos estudiantes estaban detenidos y eran torturados cuando se publicó la tapa. El diario nunca aclaró la falsedad de la información.”

El abogado y organismos de derechos humanos sostuvieron en base a los testimonios de las víctimas de la represión y material documental que El Mercurio fue un aparato de propaganda de la dictadura y que en lugar de proteger a los trabajadores de prensa difundió las listas de periodistas que eran perseguidos. “Cometió infracciones al código de ética, ya que atentó contra el deber de amparar a los periodistas”, dijo Cuello Peña.

El dueño del periódico nunca fue enjuiciado por las operaciones de encubrimiento y montajes de El Mercurio, como de otros medios de su imperio periodístico. En octubre de 2013, Edwards declaró ante el juez Carroza en calidad de testigo por la causa que lleva el magistrado sobre los instigadores del golpe del `73. Las preguntas giraron en torno del financiamiento de la CIA a El Mercurio, los viajes al extranjero que en esa época hizo Edwards, y la injerencia que él tenía en la línea editorial del periódico y de sus otros medios asociados, como el vespertino La Segunda. “No recibí dineros de la CIA”, sostuvo el empresario ante el juez, y aseguró que no tuvo incidencia en la línea editorial del diario mientras vivió en EE.UU. y tampoco a su regreso, en 1975, cuando se hizo cargo de los negocios familiares. Agustín Edwards es un retrato vivo de la impunidad de los civiles colaboracionistas en Chile.

mercelopez@pagina12.com.ar

Página/12 :: El mundo :: Un colegio de periodistas se depura

27/05/2013

Herzog, um capolavoro da Ditadura

Filed under: Assassinato,Ditadura,Vladimir Herzog — Gilmar Crestani @ 8:00 am
Tags:

herzog

Fotógrafo do caso Herzog reconstituirá cena do crime

Ele diz ter sido usado para forjar suicídio

DE SÃO PAULO

O fotógrafo Silvaldo Leung Vieira, ex-funcionário da Polícia Civil de São Paulo e autor da fotografia do jornalista Vladimir Herzog morto em 1975, visitará hoje, às 11h, o local onde funcionou o extinto DOI-Codi –um dos principais órgãos da repressão na ditadura militar (1964-1985).

Vieira fará a visita a convite da Comissão da Verdade da Câmara Municipal de São Paulo, que pretende reconstituir a cena do crime e esclarecer as circunstâncias da morte de Herzog.

Vlado, como era conhecido, compareceu espontaneamente ao DOI-Codi após ter sido procurado por agentes da repressão em sua casa e na TV Cultura, onde trabalhava como diretor de jornalismo. Ele foi torturado até a morte.

Na época, a versão oficial apresentada pelo Exército foi a de que ele havia se suicidado. Ficou famosa a fotografia de autoria de Vieira divulgada pelos militares, com a cena forjada de suicídio.

Na imagem, Vlado aparece pendurado por um cordão no pescoço, mas com os pés tocando o chão.

Em entrevista à Folha em 2012, o fotógrafo disse ter sido usado pelo regime militar para forjar a cena de suicídio.

Em março deste ano, após pedido da Comissão Nacional da Verdade, a família do jornalista recebeu um novo atestado de óbito, corrigindo a causa da morte.

Na certidão, passou a constar que Vlado morreu em decorrência de "lesões e maus tratos sofridos durante o interrogatório em dependência do 2º Exército (DOI-Codi)", em substituição a "asfixia mecânica por enforcamento".

Amanhã, a Comissão da Verdade da Câmara Municipal ouvirá depoimento de Silvaldo sobre o caso.

18/05/2013

Um depoimento insuspeito

Filed under: Argentina,Ditadura,Jorge Rafael Videla,Roubo de bebês — Gilmar Crestani @ 8:58 am
Tags: ,

Depoimento insuspeito, já que Clóvis Rossi trabalha para a “ditabranda” da Folha…

E pensar que ainda há gente (gente?) que não só apoiou com tem saudade da ditadura militar?! É por isso que, quando ouço alguém defendendo a ditadura militar, mais amo os animais. Nem mesmo as antas são tão imbecis.

Sofri o medo que as ditaduras injetam no corpo e na alma

Notei que um baixinho gordinho sempre aparecia em locais a que eu ia

CLÓVIS ROSSI, COLUNISTA DA FOLHA

Jorge Rafael Videla, o maior símbolo da ditadura argentina do período 1976/83, morreu onde devia mesmo morrer: na cadeia.

Não é o caso de fazer um balanço do que foi esse terrível período da história argentina, prenhe, aliás, de períodos terríveis.

Só vou falar do medo, o medo tremendo que ditaduras injetam no corpo e na alma até de quem, como eu, nem argentino sou.

Medo que começou quando a sucursal da Folha em Brasília iniciou as gestões junto à embaixada argentina para que eu obtivesse o visto de residência, já que havia sido designado correspondente do jornal em "mi Buenos Aires querido".

Era 1980, Videla era o presidente de turno da ditadura. A informação inicial foi a de que não me dariam o visto porque eu não era jornalista, "era militante".

Não era exatamente mentira. Nunca militei em partido algum, mas militava, sim, como voluntário em defesa dos direitos humanos, sob o generoso guarda-chuva da Arquidiocese de São Paulo, então comandada por dom Paulo Evaristo Arns.

Ser carimbado como militante pela ditadura argentina equivalia quase a uma sentença de morte. Por isso, hesitei a princípio em assumir o posto, ainda mais pelo risco a que exporia a família.

Mas acabei indo, torcendo para que o fato de ser correspondente funcionasse como um habeas corpus preventivo, embora precário.

Funcionou em termos. Até que, um dado dia, apresenta-se em meu apartamento Eduardo Pereyra Rossi (sem parentesco), um dos sete "comandantes", como os Montoneros, o grupo peronista dedicado à luta armada, chamava seus principais líderes.

Era um dos sete homens mais procurados pela máquina de matar dos militares. Eduardo me fora apresentado em São Paulo, durante as férias, por um amigo comum.

Conversamos um bom tempo. Ao despedir-se, me pediu que eu observasse da sacada até que ele dobrasse a esquina. Se fosse preso antes, que eu fizesse a denúncia.

Eduardo, naquele dia, dobrou a esquina, mas uns dez dias depois, foi morto em um suposto "enfrentamiento".

Aí, começaram os problemas mais sérios. Primeiro, um roubo no apartamento, quando estávamos todos fora, em que levaram notas de US$ 50 e US$ 100, mas deixaram as de US$ 10. Você conhece ladrão comum que deixa notas de dólar encontradas na mesma gaveta em que estavam as roubadas?

O objetivo era deixar a mensagem de que eu estava sendo vigiado e podiam fazer o que quisessem. Após outro episódio similar, chamamos a polícia, que, porém, não procurou impressões digitais nas portas, alegando que em portas de madeira não ficam impressões digitais.

Depois, começou o seguimento na rua. Notei que um baixinho gordinho aparecia frequentemente em locais a que eu ia. Um dado dia, apareceu na porta da galeria em que ficava a lavanderia a que eu levava a roupa (a família estava de férias no Brasil).

Depois, reapareceu na estação do metrô perto de casa, e desceu na mesma estação que eu. Eu havia marcado encontro com um advogado (comunista) da Liga dos Direitos do Homem, num café da praça Lavalle, no centro.

Entrei no café, sentei e, pelos janelões, vi que ao baixinho gordinho se juntara um mais alto, espigado, de óculos escuros, bolsa tipo capanga embaixo do braço. Ficaram olhando para o café, e eu olhando para eles.

O advogado não apareceu. Deduzi que havia sido preso, que meu nome e telefone estavam na agenda dele e por isso eu estava sendo seguido.

Saí depois de uma hora de espera. Quando dei meia volta após um tumulto qualquer na pracinha, dei de cara com o baixinho gordinho, que me seguiu até o metrô.

Pouco mais tarde, vou almoçar no café da esquina de casa. Não demora e entram o baixinho gordinho e o da bolsa capanga. Não consigo comer, já aterrorizado.

Vou à sede da Liga dos Direitos do Homem, saber do meu amigo advogado. Não estava, não aparecia havia dias. Parecia confirmar-se a minha dedução sobre sua prisão.

Desço e, no térreo, ao fechar a porta pantográfica do elevador (prédio antigo, elevador antigo), dou de cara com um gigante de 2 metros de altura. Pensei: "Agora, engrossaram e mandaram um bem grandão para me fazer desaparecer". Era apenas a minha imagem no espelho. O episódio me ensinou o efeito devastador que o medo provoca, em situações que você não pode controlar.

A Folha achou prudente antecipar viagem já programada para a América Central para cobrir as guerras em andamento. Fui e mesmo tendo caído em fogo cruzado em El Salvador, eu ao menos sabia quem era quem e de onde vinha o perigo.

Na guerra argentina, o terror era promovido pelas sombras de um Estado tomado por uma máquina de matar.

PS – Meu amigo advogado tinha apenas ido visitar a mãe doente no interior.

26/04/2011

Porta-voz do Instituto Millenium relincha

Jabor consegue ser ainda pior que a ditabranda da Folha. Psicólogo de filme B, Jabor agora também revela sua faceta de sádico. Apanhar foi bom para quem cara pálida. Quer dize que contra quem não existia só mesmo golpe militar? A bomba no Rio Centro foi a pá de cal sobre quem não existia. Jabor é isso, por isso escreve para os grupos que apoiaram a ditadura: Estadão e Globo. Só faltou chamar de Bombranda?

Não existíamos e não sabíamos

26 de abril de 2011 | 0h 00

Arnaldo Jabor – O Estado de S.Paulo

Na revista piauí deste mês, há um artigo seminal de Pérsio Arida, sobre sua participação juvenil na guerrilha urbana. Lá está a análise rara de um prisioneiro torturado sobre a onda revolucionária que pegou nossa geração; lá estão os humanos tremores, a dúvida, o medo, todo o irresistível delírio ideológico e psicológico que insuflou uma geração para sofrimentos e mortes depois de 68. A luta armada foi a consequência da fé que tínhamos antes de 64, influenciados pela guerra fria, Cuba liberada, Vietnã.

A importância que restou de tudo, como Pérsio aponta, foi justamente a "via-crúcis" que tivemos de viver e que, por vias tortas, acabou nos levando à democracia em 85. Historicamente, foi bom.

O golpe militar de 64 aconteceu porque nós não existíamos. Éramos uma ilusão. A esquerda era uma ilusão no Brasil. (Já imagino as "cerdas bravas do javali" se eriçando em alguns cangotes). Mas, existia o quê? Existia uma revolução verbal. A ideologia "revolucionária" era um ensopadinho feito de JK, Marx, Getúlio e sonho. Existia uma ideologia que nos dava a sensação de que o "povo do Brasil marchava conosco", um "wishful thinking" de que éramos o "sal da terra". Havia a crendice de que nossos inimigos estavam todos "fora" de nós, fora do País e das estruturas políticas arcaicas que nos corroem há 400 anos. Existia um "bacalhau português" em nosso discurso, um forte ranço ibérico em nosso aparente "rationale" franco-alemão: o amor ao abstrato, a literatura salvacionista, a busca de um "Uno" totalizante. A população nem sabia que existíamos. Não havia base material, econômica ou armada, "condições objetivas" para qualquer revolução. Por trás de nossas utopias, o Brasil escravista e patriarcal dormia a sono solto, intocado. Éramos uma esquerda imaginária, delegando ao Estado a tarefa de fazer uma revolução contra o Estado. Até nas revoluções precisamos do Governo.

Por baixo dos sonhos juvenis, havia apenas o sindicalismo de pelegos e dependentes do presidente, que deu a grande festa de 13 de março (o comício da Central, com tochas da Petrobrás e clima soviético). Eu estava lá, olhando para Thereza Goulart, linda de vestido azul e coque anos 60 e vendo, depois, com calafrio na espinha, as velas acesas em protesto contra nós em todas as janelas da classe média "reacionária", do Flamengo até Ipanema. Essa era a verdadeira "sociedade civil" que acordava. Hoje, acho que o único cara que sacava a zorra toda era o próprio Jango, mais brasileiro, mais sábio, entre os gritos de Darcy Ribeiro falando do "Brasil, nossa Roma tropical!". Havia uma espécie de "substituição de importações dentro da alma": a crença de que éramos "especiais" e de que podíamos prescindir do mundo real, fazendo uma mutação por vontade mágica. Só analisávamos a realidade "objetiva", quando tínhamos de estar incluídos nela, subjetivamente. Em seu artigo, Pérsio se inclui.

Mas existia o que, então?

Existiam os outros. Os "outros" surgiram do nada. O óbvio de nossa cultura pipocou do "nada" em 64. Fantasmas seculares reviveram. Apareceu uma classe média apavorada e burra, que sempre esteve ali. Surgiu um Exército autoritário e submisso às exigências externas. Ficamos conhecendo a ignorância do povo (que idealizávamos), descobrimos que a resistência reacionária de minhas tias era igual à dos usineiros e banqueiros. Descobrimos a violência repressiva de uma falsa "cordialidade". Descobrimos o óbvio do mundo.

Eu estava dentro da UNE pegando fogo no 1.º de abril e quase morri queimado; mas, senti nesse dia que a vida real começava. A sensação não foi de derrota; foi a de acordar de um sonho para um pesadelo. Um pesadelo feito de milicos grossos, burrice popular e pragmatismo de gringos do "mercado". (Foi inesquecível o surgimento de Castelo Branco, feio como um ET de boné verde, na capa do O Cruzeiro).

Em 64, começara o calvário que nos levou a uma possível maturidade. Despertamos para a bruta mão do "money market", que precisava nos emprestar dinheiro, para que o Estado pós-getulista-verde-oliva avalizasse a instalação das multinacionais aqui. Ou vocês acham que iam nos emprestar US$ 100 bilhões para o Jango fazer a reforma agrária com o Francisco Julião? Aprisionaram-nos para contrairmos a dívida como, 20 anos depois, nos libertaram para pagá-la. Depois de 64 e 68, vimos que a esquerda tinha "princípios" e "fins", mas não tinha "meios".

Nossos paranoicos achavam (e muitos continuam achando) que somos vítimas de uma trama de Washington.

Claro que a CIA armou coisas com direitistas daqui, mas foram apenas os parteiros do desejo material da Produção.

O tempo da ditadura foi um show de materialismo histórico. Mas ibérico não gosta de ver essas coisas. E, logo, tapamos os olhos e nos consideramos as "vítimas", lutando pela "liberdade" formal. E não víamos que a barra-pesada estava entranhada em nossas instituições políticas, assim como não havia ideal democrático nenhum em nossos guerrilheiros. Nessa época, poderíamos ter descoberto que um país sem sociedade organizada morre na praia. E deveríamos ter descoberto que não adianta nada analisar os "erros" de nossa esquerda "revolucionária" como se fossem erros episódicos, veniais. A esquerda no Brasil tem de ser repensada "ab ovo", pois é impossível trancar a complexidade de nossa formação nacional num "pensamento único". Por isso, é desesperante ver gente ainda querendo restaurar ilusões perdidas.

O tempo não para e as forças produtivas do mundo continuarão agindo sobre nossa resistência colonial.

A mutação modernizadora, digital, do mundo nos obriga à democracia. Quando entenderemos que a verdadeira revolução brasileira tem de ser endógena, democrática e que só um choque de capitalismo e de empreendedores livres pode arrasar o "bunker" corrupto, a casamata secular do Estado patrimonialista? Pérsio não morreu e, 20 anos depois, ajudou a acabar com a inflação. Valeu…

Não existíamos e não sabíamos – cultura – Estadao.com.br

01/04/2011

O que a falácia da ditabranda revela

O Marco produz texto definitivo sobre “os democratas” de araque do PIG. Folha, Estadão, Globo & RBS, reunidos entorno do Instituto Millenium mantém a profissão de fé de que democracia só existe quando eles dão as cartas e jogam de mão.
Marco Aurélio Weissheimer, publicado no sítio Carta Maior:
Em um editorial publicado no dia 17 de fevereiro de 2009, o jornal Folha de S. Paulo utilizou a expressão “ditabranda” para se referir à ditadura que governou o Brasil entre 1964 e 1985. Na opinião do jornal, que apoiou o golpe militar de 1964 que derrubou o governo constitucional de João Goulart, a ditadura brasileira teria sido “mais branda” e “menos violenta” que outros regimes similares na América Latina.
Como já se sabe, a Folha não foi original na escolha do termo. Em setembro de 1983, o general Augusto Pinochet, em resposta às críticas dirigidas à ditadura militar chilena, afirmou: “Esta nunca foi uma ditadura, senhores, é uma dictablanda”. Mas o tema central aqui não diz respeito à originalidade. O uso do termo pelo jornal envolve uma falácia nada inocente. Uma falácia que revela muita coisa sobre as causas e consequências do golpe militar de 1964 e sobre o momento vivido pela América Latina.
É importante lembrar em que contexto o termo foi utilizado pela Folha. Intitulado “Limites a Chávez”, o editorial criticava o que considerava ser um “endurecimento do governo de Hugo Chávez na Venezuela”. A escolha da ditadura brasileira para fazer a comparação com o governo de Chávez revela, por um lado, a escassa inteligência do editorialista. Para o ponto que ele queria sustentar, tal comparação não era necessária e muito menos adequada. Tanto é que pouca gente lembra que o editorial era dirigido contra Chávez, mas todo mundo lembra da “ditabranda”.
A falta de inteligência, neste caso, parece andar de mãos dadas com uma falsa consciência culpada que tenta esconder e/ou justificar pecados do passado. Para a Folha, a ditadura brasileira foi uma “ditabranda” porque teria preservado “formas controladas de disputa política e acesso à Justiça”, o que não estaria ocorrendo na Venezuela. Mas essa falta de inteligência talvez seja apenas uma cortina de fumaça.
O editorial não menciona quais seriam as “formas controladas de disputa política e acesso à Justiça” da ditadura militar brasileira, mas considera-as mais democráticas que o governo Chávez que, em uma década, realizou 15 eleições no país, incluindo aí um referendo revogatório que poderia ter custado o mandato ao presidente venezuelano. Ao fazer essa comparação e a escolha pela ditadura brasileira, a Folha está apenas atualizando as razões pelas quais apoiou, junto com a imensa maioria da imprensa brasileira, o golpe militar contra o governo constitucional de João Goulart.
Está dizendo, entre outras coisas, que, caso um determinado governo implementar um certo tipo de políticas justifica-se interromper a democracia e adotar “formas controladas de disputa política e acesso à Justiça”. A escolha do termo “ditabranda”, portanto, não é acidental e tampouco um descuido. Trata-se de uma profissão de fé ideológica.
Há uma cortina de véus que tentam esconder o caráter intencional dessa escolha. Um desses véus apresenta-se sob a forma de uma falácia, a que afirma que a nossa ditadura não teria sido tão violenta quanto outras na América Latina. O núcleo duro dessa falácia consiste em dissociar a ditadura brasileira das ditaduras em outros países do continente e do contexto histórico da época, como se elas não mantivessem relação entre si, como se não integrassem um mesmo golpe desferido contra a democracia em toda a região.
O golpe militar de 1964 e a ditadura militar brasileira alimentaram política e materialmente uma série de outras ditaduras na América Latina. As democracias chilena e uruguaia caíram em 1973. A argentina em 1976. Os golpes foram se sucedendo na região, com o apoio político e logístico dos EUA e do Brasil. Documentos sobre a Operação Condor fornecem vastas evidências dessa relação.
Recordando. A Operação Condor é o nome dado à ação coordenada dos serviços de inteligência das ditaduras militares na América do Sul, iniciada em 1975, com o objetivo de prender, torturar e matar militantes de esquerda no Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Uruguai e Bolívia.
O pretexto era o argumento clássico da Guerra Fria: "deter o avanço do comunismo internacional". Auxiliados técnica, política e financeiramente por oficiais do Exército dos Estados Unidos, os militares sul-americanos passaram a agir de forma integrada, trocando informações sobre opositores considerados perigosos e executando ações de prisão e/ou extermínio. A operação deixou cerca de 30 mil mortos e desaparecidos na Argentina, entre 3 mil e 7 mil no Chile e mais de 200 no Uruguai, além de outros milhares de prisioneiros e torturados em todo o continente.
Na contabilidade macabra de mortos e desaparecidos, o Brasil registrou um número menor de vítimas durante a ditadura militar, comparado com o que aconteceu nos outros países da região. No entanto, documento secretos divulgados recentemente no Paraguai e nos EUA mostraram que os militares brasileiros tiveram participação ativa na organização da repressão em outros países, como, por exemplo, na montagem do serviço secreto chileno, a Dina. Esses documentos mostram que oficiais do hoje extinto Serviço Nacional de Informações (SNI) ministraram cursos de técnicas de interrogatório e tortura para militares chilenos.
Em uma entrevista ao jornal O Estado de São Paulo (30/12/2007), o general Agnaldo Del Nero Augusto admitiu que o Exército brasileiro prendeu militantes montoneros e de outras organizações de esquerda latino-americanas e os entregou aos militares argentinos. “A gente não matava. Prendia e entregava. Não há crime nisso”, justificou na época o general. Humildade dele. Além de prender e entregar, os militares brasileiros também torturavam e treinavam oficiais de outros países a torturar. Em um dos documentos divulgados no Paraguai, um militar brasileiro diz a Pinochet para enviar pessoas para se formarem em repressão no Brasil, em um centro de tortura localizado em Manaus.
Durante a ditadura, o Brasil sustentou política e materialmente governos que torturaram e assassinaram milhares de pessoas. Esconder essa conexão é fundamental para a Folha afirmar a suposta existência de uma “ditabranda” no Brasil. A ditadura brasileira não teve nada de branda. Ao contrário, ela foi um elemento articulador, política e logisticamente, de outros regimes autoritários alinhados com os EUA durante a guerra fria. O editorial da Folha faz eco às palavras do general Del Nero: “a gente só apoiava e financiava a ditadura; não há crime nisso”.
Não é coincidência, pois, que o mesmo jornal faça oposição ferrenha aos governos latino-americanos que, a partir do início dos anos 2000, levaram o continente para outros rumos. Governos eleitos no Brasil, na Venezuela, na Bolívia, na Argentina, no Paraguai e no Uruguai passam a ser alvos de uma sistemática oposição midiática que, muitas vezes, substitui a própria oposição partidária.
A Folha acha a ditadura branda porque, no fundo, subordina a continuidade e o avanço da democracia a seus interesses particulares e a uma agenda ideológica particular, a saber, a da sacralização do lucro e do mercado privado. Uma grande parcela do empresariado brasileiro achou o mesmo em 64 e apoiou o golpe. Querer diminuir ou relativizar a crueldade e o caráter criminoso do que aconteceu no Brasil naquele período tem um duplo objetivo: esconder e mascarar a responsabilidade pelas escolhas feitas, e lembrar que a lógica que embalou o golpe segue viva na sociedade, com um discurso remodelado, mas pronto entrar em ação, caso a democracia torne-se demasiadamente democrática.

21/02/2011

Ditabranda, pero no mucho

Filed under: FSP,PIG — Gilmar Crestani @ 8:03 pm
Tags: ,

É que, ao 90 anos, a Folha tantas começa a sofrer do mal de Alzheimer. Aliás, diria Frias, se não me falha a memória…

El mea culpa del diario paulista

El influyente diario brasileño Folha de Sao Paulo reconoció en sus páginas haber respaldado el golpe militar de 1964, que derrocó al presidente constitucional Joao Goulart e instaló una dictadura que se extendió hasta 1985.

El diario, que celebra sus 90 años, se posicionó sobre este momento histórico en un artículo donde narra la trayectoria del periódico más vendido e influyente de Brasil. "En 1976, el diario, que apoyó el golpe militar de 1964, abre espacio en sus páginas para opositores de la dictadura y se convierte en uno de los catalizadores de la apertura", escribió en su edición de este lunes.

En 2009 organismos de derechos humanos protestaron en la puerta del diario, en el centro de la ciudad de San Pablo, porque un editorial de Folha calificó al régimen militar brasileño como una "dictablanda", en comparación con las otras dictaduras que gobernaron países sudamericanos en las décadas de los `60 y `70.

De todos modos, el matutino matizó su admisión de haber respaldado a la dictadura al destacar "el apoyo a las campañas populares de Directas Yá entre 1983 y 1984 y el lanzamiento de un proyecto editorial con periodismo crítico, apartidario y pluralista transformaron a Folha en el diario más leído del país y ocupa ese puesto hace 25 años".

Actualmente el director del diario es el hijo de Octavio Frías y la empresa Folha es la más fuerte en contenidos de internet del país, con participación en el portal UOL. También posee el diario Valor Económico, en sociedad con el otro gigante de los medios del país, el grupo Globo, de Río de Janeiro.

La presidenta Dilma Rousseff, presa política y víctima de torturas por parte de la dictadura, participará este lunes de los actos de celebración de los 90 años del diario, en la sala Sao Paulo, principal espacio destinado a la música clásica.

Página/12 :: Ultimas Noticias :: El mea culpa del diario paulista

04/12/2010

Carrasco pode ser dono de jornal?

Filed under: PIG — Gilmar Crestani @ 9:58 am
Tags: , ,
Mais um episódio edificante que marcou o surgimento dos membros da facção Instituto Millenium!
Morte de Bacuri e a cumplicidade da Folha

Carrasco pode ser dono de jornal?Do blog "Limpinho e cheiroso", via http://altamiroborges.blogspot.com/:
Na próxima terça-feira, dia 7 de dezembro, às 19 horas, na Câmara dos Vereadores de São Paulo, Eduardo Leite, o Bacuri, receberá, in memoriam, o título de Cidadão Paulistano por iniciativa dos vereadores Juliana Cardoso e Ítalo Cardoso.
Para quem não o conheceu, trata-se de mais um dos casos de absoluta crueldade da repressão. Na madrugada da véspera de ser retirado do Dops para ser assassinado, a repressão lhe entregou – na cela onde estava sozinho – um exemplar da Folha da Tarde que noticiava sua “fuga”.
Para que jamais esqueçamos a história, a Folha da Tarde era aquele pasquim que o senhor Otávio Frias – pai do senhor Otávio Frias Filho – cedeu graciosamente ao esquadrão da morte durante os dois anos finais dos 1960 e que assim continuou até o final dos anos de 1970.
Bacuri tem uma das histórias mais bonitas de nossa resistência. Quando foi preso, sua companheira – a camarada Denize – estava grávida. Meses depois, nasceu a Maria Eduarda.
Quem não puder comparecer ao evento, envie uma mensagem dirigida a essas duas mulheres para o endereço da Denize Crispim Perez: zdenize@gmail.com
Leia a seguir, o texto sobre Bacuri que está no sítio Tortura Nunca Mais:
Cumplicidade entre a mídia e a repressão
O relato abaixo serve para demonstrar a ação combinada e orgânica entre a repressão da ditadura militar de 64 e os órgãos da mídia oligárquica no Brasil.
O assassinato de Eduardo Collen Leite, o “Bacuri”, é um dos mais terríveis dos que se tem notícia, já que as torturas a ele infligidas duraram 109 dias consecutivos, deixando-o completamente mutilado. Quando o corpo foi entregue aos familiares estava sem orelhas, com olhos vazados e com mutilações e cortes profundos em toda a sua extensão.
Foi preso no dia 21 de agosto de 1970, no Rio de Janeiro, pelo delegado Sérgio Fleury e sua equipe, quando chegava em sua casa. Passou pelo Cenimar/RJ e DOI-Codi/RJ, onde foi visto pela ex-presa política Cecília Coimbra, já quase sem poder se locomover.
Do local da prisão, Eduardo foi levado a uma residência particular onde foi torturado. Seus gritos e de seus torturadores chamaram a atenção dos vizinhos, que avisaram a polícia. Ao constatar de que se tratava da equipe do delegado Fleury, pediram apenas para que mudassem o local das torturas.
Após ser torturado na sede do Cenimar, no Rio de Janeiro, Eduardo foi transferido para o 41° Distrito Policial, São Paulo, cujo delegado titular era o próprio Fleury.
Novamente transferido para o Cenimar/RJ, Eduardo permaneceu sendo torturado até meados de setembro, quando voltou novamente para São Paulo, sendo levado para a sede do DOI-Codi. Em outubro, foi removido para o Dops paulista, sendo encarcerado na cela 4 do chamado “fundão” (celas totalmente isoladas).
Em 25 de outubro, todos os jornais do País divulgaram a nota oficial do Dops/SP relatando a morte de Joaquim Câmara Ferreira (comandante da ALN), ocorrida em 23 de outubro. Nesta nota, foi inserida a informação de que Bacuri havia conseguido fugir, sendo ignorado seu destino. Foi encontrado nos arquivos do Dops a transcrição de uma mensagem recebida do Dops/SP pela 2ª seção do IV Exército, assinada pelo coronel Erar de Campos Vasconcelos, chefe da 2ª Seção do II Exército, dizendo “que foi dado a conhecer a repórteres da imprensa falada e escrita o seguinte roteiro para ser explorado dentro do esquema montado”.
O tal roteiro falava da morte súbita de Câmara Ferreira após ferir a dentadas e pontapés vários investigadores. E mais adiante diz “Eduardo Leite, o Bacuri, cuja prisão vinha sendo mantida em sigilo pelas autoridades, havia sido levado ao local para apontar Joaquim Câmara Ferreira (…) Aproveitando-se da confusão, Bacuri (…) logrou fugir (…)”. Estava evidenciado o plano para assassinar Eduardo Collen Leite
O testemunho de cerca de 50 presos políticos recolhidos às celas do Dops paulista (entre eles, o gaúcho Ubiratan de Souza, da VPR) neste período prova que Eduardo jamais saíra de sua cela naqueles dias, a não ser quando era carregado para as sessões diárias de tortura. Eduardo era carregado porque não tinha mais condições de manter-se em pé, muito menos de caminhar ou fugir, após dois meses de torturas diárias.
O comandante da tropa de choque do Dops/SP, tenente Chiari da PM paulista, mostrou a Eduardo e a inúmeros outros presos políticos, no dia 25, os jornais que noticiavam sua fuga.
Para facilitar a retirada de Eduardo de sua cela, sem que os demais prisioneiros do Dops percebessem, o delegado Luiz Gonzaga dos Santos Barbosa, responsável pela carceragem do Dops àquela época, exigiu o remanejamento total dos presos, e a remoção de Eduardo para a cela n° 1, que ficava defronte à carceragem e longe da observação dos demais presos. Seu nome foi retirado da relação de presos, as dobradiças e fechaduras de sua cela foram lubrificadas de forma a evitar ruídos que chamassem a atenção.
Os prisioneiros políticos, na tentativa de salvar a vida de seu companheiro, montaram um sistema de vigília permanente. Aos 50 minutos do dia 27 de outubro de 1970, Eduardo foi retirado de sua cela, arrastado pelos braços, pela falta total de condições de pôr-se em pé, com o corpo repleto de hematomas, cortes e queimaduras, sob os protestos desesperados de seus companheiros.
Segundo testemunho de Ubiratan, todos os presos chegaram junto às grades e estendiam braços e mãos para cumprimentar ou simplesmente tocar em Bacuri, ao mesmo tempo que vibravam talheres e copos metálicos no ferro das grades numa demonstração de protesto pela iminente morte de um companheiro. Todos sabiam que Bacuri seria executado.
Eduardo não foi mais visto. Os carcereiros do Dops, frequentemente questionados sobre o destino de Bacuri, só respondiam que ele havia sido levado para interrogatórios em um andar superior. Os policiais da equipe do delegado Fleury respondiam apenas que não sabiam; apenas o policial conhecido pelo nome de Carlinhos Metralha é que afirmou que Eduardo estava no sítio particular do delegado Fleury. Tal sítio era usado pelo delegado e sua equipe para torturar os presos considerados especiais ou os que seriam certamente assassinados e, por isso, deveriam permanecer escondidos.
Em 8 de dezembro, 109 dias após sua prisão, e 42 dias após seu sequestro do Dops, os grandes jornais do País publicavam nota oficial informando a morte de Eduardo em “um tiroteio nas imediações da cidade de São Sebastião”, no litoral paulista. Era evidente o conluio entre a repressão e a mídia, nesta farsa montada para eliminar Eduardo Leite.
A notícia oficial da morte de Eduardo teve um objetivo claro: tirar as condições da inclusão de seu nome na lista das pessoas a serem trocadas pela vida do embaixador da Suíça no Brasil, que havia sido sequestrado em 7 de dezembro. Seu nome seria incluído nessa lista e seria impossível soltar o preso Eduardo que, oficialmente, estava foragido e, além do mais, completamente desfigurado e mutilado pela tortura.
As informações são do grupo Tortura Nunca Mais e de Ubiratan de Souza.

22/11/2010

Folha ressuscita a Ditabranda

Filed under: PIG — Gilmar Crestani @ 9:28 pm
Tags: , , , ,

Dilma: a vingança póstuma do “seu” Frias

O Ficha Corrida reproduz post do Conversa Afiada que traz informação do Eduardo Guimarães: a respeito da participação da famiglia Frias na “Ditabranda”.

alt
O homem fardado e a declaração na foto acima correspondem a Otávio Frias de Oliveira, o falecido fundador do jornal Folha de São Paulo. Imagem e palavras pertencem a momentos distintos de sua vida. Todavia, unidas explicam por que seu herdeiro Otavio Frias Filho, o “Otavinho”, foi resgatar em arquivos dos órgãos de repressão da ditadura militar as desculpas usadas por esta para prender e torturar Dilma Vana Rousseff, a presidente eleita do Brasil.
Frias de Oliveira lutou na Revolução Constitucionalista de 1932, que tentou dar um golpe de Estado contra Getúlio Vargas. Coerente com seu apreço pelo militarismo e pela derrubada de governos dos quais não gostava, apoiou o golpe militar de 1964. Nesse período, a Folha de São Paulo serviu de voz e pernas para os ditadores que se sucederiam no poder ao exaltá-los e ao transportar para eles seus presos políticos até os centros de tortura do regime.
No dia 21 de setembro de 1971, a Ação Libertadora Nacional (ALN) incendiou camionetes da Folha que eram utilizadas para entregar jornais. Os responsáveis acusavam o dono do jornal de emprestar os veículos para transporte de presos políticos. Frias de Oliveira respondeu ao atentado publicando um editorial na primeira página no dia seguinte, sob o título “Banditismo”.
Eis um trecho do texto:
“Os ataques do terrorismo não alterarão a nossa linha de conduta. Como o pior cego é o que não quer ver, o pior do terrorismo é não compreender que no Brasil não há lugar para ele. Nunca houve. E de maneira especial não há hoje, quando um governo sério, responsável, respeitável e com indiscutível apoio popular está levando o Brasil pelos seguros caminhos do desenvolvimento com justiça social-realidade que nenhum brasileiro lúcido pode negar, e que o mundo todo reconhece e proclama. […] Um país, enfim, de onde a subversão -que se alimenta do ódio e cultiva a violência – está sendo definitivamente erradicada, com o decidido apoio do povo e da imprensa, que reflete os sentimentos deste. Essa mesma imprensa que os remanescentes do terror querem golpear.”
(Editorial: Banditismo – publicado em 22 de setembro de 1971; Octavio Frias de Oliveira).
O presidente da República de então era Emílio Garrastazu Médici. Nomeado presidente pelos militares, comandou o período mais duro da ditadura militar. Foi a época do auge das prisões, torturas e assassinatos de militantes políticos de esquerda pelo regime.
Apesar dos elogios de Frias de Oliveira à ditadura, segundo a Fundação Getúlio Vargas foi no governo Médici que a miséria e a concentração de renda ganharam impulso. O Brasil teve o 9º Produto Nacional Bruto do mundo no período, mas em desnutrição perdia apenas para Índia, Indonésia, Bangladesh, Paquistão e Filipinas.
O uso político que o jornal Folha de São Paulo começou a fazer neste sábado das desculpas da ditadura para prender e torturar impiedosamente uma garota de 19 anos que lutava para libertar seu país do regime de exceção constitui-se, portanto, em uma vingança póstuma de um homem que dedicou sua vida à uma luta incessante contra a democracia, obviamente por acreditar que o povo não sabia votar.
——
Folha de São Paulo
20/11/2010
Dilma tinha código de acesso a arsenal usado por guerrilha
Revelação foi feita em 1970 sob tortura por ex-colega da petista na luta armada e confirmada por ele em entrevista
Grupo VAR-Palmares guardava em imóvel 58 fuzis e 4 metralhadoras; armamento foi roubado de batalhão do ABC
MATHEUS LEITÃO
LUCAS FERRAZ
DE BRASÍLIA
A presidente eleita, Dilma Rousseff, zelava, junto com outros dois militantes, pelo arsenal da VAR-Palmares, organização que combateu a ditadura militar (1964-1985).
Entre os armamentos, havia 58 fuzis Mauser, 4 metralhadoras Ina, 2 revólveres, 3 carabinas, 3 latas de pólvora, 10 bombas de efeito moral, 100 gramas de clorofórmio, 1 rojão de fabricação caseira, 4 latas de “dinamite granulada” e 30 frascos com substâncias para “confecção de matérias explosivas”, como ácido nítrico. Além de caixas com centenas de munições.
A descrição consta do processo que a ditadura abriu contra Dilma e seus colegas nos anos 70. A Folha teve acesso a uma cópia do documento. Com tarja de “reservado”, até anteontem ele estava trancado nos cofres do Superior Tribunal Militar.
Trata-se de depoimento dado em março de 1970 por João Batista de Sousa, militante do mesmo grupo de guerrilha do qual Dilma foi dirigente.
Sob tortura, ele revelou detalhes do arsenal reunido para combater a repressão e disse que Dilma tinha recebido a senha para acessá-lo.
Quarenta anos depois, Sousa confirmou à Folha o que havia dito aos policiais -e deu mais detalhes.
Dilma já havia admitido, em entrevista à Folha em fevereiro, que na juventude fez treinamento com armas de fogo. O documento do STM, porém, é a primeira peça que a vincula diretamente à ação armada durante a ditadura.
Procurada pela Folha, a presidente eleita não quis falar sobre o assunto.
O armamento foi roubado do 10º Batalhão da Força Pública do Estado de São Paulo em São Caetano do Sul (SP), de acordo com o DOPS (Departamento de Ordem Política e Social).
A ação ocorreu em junho de 1969, mês em que as organizações VPR e Colina se fundiram na VAR-Palmares.
Sousa disse que foi responsável por guardar o arsenal após a fusão. Com medo de ser preso, fez um “código” com o endereço do “aparelho” -como eram chamados os apartamentos onde militantes se escondiam.
Para sua própria segurança e do arsenal, Sousa dividiu o endereço do “aparelho” em Santo André (SP) em duas partes.
Assim, só duas pessoas juntas poderiam saber onde estavam as armas. Uma parte da informação foi entregue a Dilma, codinome “Luisa”. A outra, passada a Antonio Carlos Melo Pereira, guerrilheiro anistiado pelo governo depois de morrer.
O documento registra assim a informação: “Que, tal código, entregou a “Tadeu” e “Luisa”, sendo que deu a cada um uma parte e apenas a junção das duas partes é que poderia o mencionado código ser decifrado”.
“Fiz isso para que Dilma, minha chefe na VAR, pudesse encontrar as armas”, diz, hoje, Sousa.
Tido pelos colegas como um dos mais corajosos da VAR-Palmares, Sousa afirma ter sido torturado por mais de 20 dias. Ficou quatro anos preso e, hoje, pede indenização ao governo federal.
Aposentado, depois de trabalhar como relações públicas e com assistência técnica para carros no interior de São Paulo, ele diz ter votado em Dilma. Na entrevista, chamou a presidente eleita de “minha coordenadora”.
“PONTOS”
Sousa contou que tinha três “pontos” -como eram chamados os locais e horas de encontro na clandestinidade- com Dilma nos dias seguintes à sua prisão. Mas disse que não entregou as datas e endereços durante as sessões de tortura -inclusive com choques elétricos na “cadeira do dragão”.
Sousa participou de operações armadas, como assaltos a bancos e mercados. “Informava todas as ações para Dilma com três dias de antecedência”, declarou.
Com a “dinamite granulada”, por exemplo, ele afirma ter feito bombas com canos de água “cortados no tamanho de quatro polegadas, com pregos dentro”.
Quando 18 militares à paisana cercaram seu “aparelho”, Sousa os recebeu com rajadas de metralhadoras e com as bombas caseiras. Um militar ficou ferido.
Os agentes conseguiram uma trégua após duas horas de intenso tiroteio.
Sousa diz que, meses depois, Dilma contou a ele que, quando ele não apareceu nos encontros previstos, ela usou o código para pegar o arsenal: Dilma e Melo encontraram a casa perfurada de balas e a rua semelhante a uma trincheira de guerra, com enormes buracos.
O depoimento registra 13 bombas jogadas contra os militares. Com um vizinho, Dilma e Melo descobriram que o companheiro esquerdista havia sido levado vivo pela repressão.

16/03/2010

Ditabranda politicamente incorreta

Filed under: Cosa Nostra,PIG — Gilmar Crestani @ 7:18 pm
Tags: ,

O que Zero Hora, Folha de São Paulo e Globo têm em comum? Não sabe?
São todos frutos colaterais da Ditadura. Descubra a data de nascimento destes grupos e vais entender a participação que tiveram no golpe e na legitimação da tortura e morte da “esquerda”. Anote esta palavra, mas esconda da vista deles.

Falsos Democratas do Instituto Millenium

Falsos por que nunca foram nem serão democratas, como prova a própria criação do Instituto Millenium. Ao mesmo tempo que homenageiam Café Millenium, famoso prostíbulo de São Paulo, o Instituto é também uma espécie de OBAN do século XXI. Ao invés da Folha emprestar furgões para transportar clandestinamente presos, agora ela dá abrigo a teses caras a torturadores. Para os conspiradores e direitistas atuais, a Folha é mais útil fabricando uma ficha falsa da Dilma ou mesmo tentando vender a ditadura por Ditabranda do que emprestando veículos.
A pergunta que não quer calar: – Com quantos Cidadão Boilesen conta o Instituto Millenium?

Ditabranda
Com certeza, não foi mera coincidência que o crescimento destes grupos se deu com a ditadura. E é tudo tão óbvio que a Folha até acha que tudo não passou de uma ditabranda…
Eis um tira gosto de quão brando foi o “regime” que Folha, Zero Hora e Globo patrocinaram:

Ditadura ou ditabranda?

Ditadura ou ditabranda?

Mário, que Mário?
A Folha até escalou um tal de Mário Magalhães (seria parente de Magalhães Pinto ou Antônio Carlos Magalhães, vulgo ACM?!) para reescrever a História. No endereço eletrônico http://www1.folha.uol.com.br/folha/80anos/tempos_cruciais-02.shtml vais encontrar a prova de que mentira tem perna curta.

Como tem Pulha nesta Folha!

Como tem Pulha nesta Folha!


O tal Mário (que Mário?) admite que a “Folha apoiou o regime de 64“. Ao chamar ditadura de “regime” já dá para se ter uma idéia do caráter do sabujo. Mas ele não para por aí. A descrição continua com uma adversativa, como quem confessa o crime, “mas se engajou na redemocratização nos anos 70
Até as paredes do DOI-CODI sabe que a Folha emprestou seus furgões de entregar jornal para a polícia conduzir clandestinamente aqueles que se atreviam em exercer algo que o Instituto Millenium pensa ser de sua exclusividade como se fosse direito autoral: “liberdade de expressão”. Não foi mero acaso que a população, consciente do papel dantesco a que se prestava o grupo Folha da Manhã, passou a usar seu “direito autoral” de atear fogo nos “barcos de Caronte” da Folha.
O texto do mequetrefe está ilustrado com uma foto de um dos carros incendiados. Mas ele não explica a existência daquela fato, sequer informa que se trata de um dos carros da Folha queimados. Aquele carro é o Guernica do Grupo Folha…
Se observarem bem, a data da foto, que pertence ao Banco de Imagens da Folha, é 22/09/1971. Contudo, que estória conta o colonista? “Na manhã do dia 16 de setembro de 1977, os leitores da Folha receberam o jornal com uma longa coluna em branco“. O que faz uma foto de setembro de 71 ilustrando um episódio que teria ocorrido em 77?

A Guerra dos Seis Anos
Apenas seis anos dividem a data da foto com o carro queimado com a data da coluna em branco do Lourenço Diaféria. O que são seis anos afinal? Em 2000 a Folha era a favor do Governo. Em 2006, ficou contra? O que mudou? Por que mudou? Em 2000 tinha um Governo que vendeu o Brasil aos Sirotskys, Marinhos, Frias e Mesquitas (CRT, Vale, Petrobrax, etc) e demais financiadores do Instituto Millenium. Em 2006 outro Governo vende o Brasil, metaforicamente, para o mundo. Por mais que a mídia tenha tentado manipular as eleições de 2006, o povo, que não é bobo, conquistou a alforria.
Hoje o Brasil é player mundial, o mais confiavel para mediar conflitos milenares do Oriente Médio. Disso o Instituto Millenium não gosta, e por isso não fala.

MAS
E mais bobagens segue pelo texto, como a de que “a Folha apoiou a deposição de Goulart, mas não participou de nenhuma conspiração“. Entendeu? O que faz esse mas que teima em juntar cacos inseparáveis?
É, está difícil. Não se preocupe, vai ficar pior, pois a tarefa inglória coube ao Mário, coitado. Aliás, outra ilustração traz a seguinte besteira: “Tanques em rua do Rio de Janeiro após o movimento de 64“. Aí fico sem saber se “movimento” se refere aos tanques ou ao regime…
Ditaddura virou “regime”, e o golpe foi apenas um “movimento”… Um movimento da natureza, como um tsunami, um terremoto, sem causa aparente, talvez provocado por pessoas que hoje criam o Instituto Millenium para mudar o “regime” com um simples “movimento”.

A Farsa dos Farsantes
E a história se repete como farsa. Lá pelas tantas da beatificação aparece mais uma confissão: “A Folha apoiou a deposição de Goulart porque considerou ter havido esquerdização do governo.
Lembra o que disse um ilustre sabujo do Instituto Millenium, Arnaldo Jabor: “- a esquerda não deveria mais existir“.
Deu pra entender ou ainda precisa que desenhe. Para os energúmenos do Instituto Millenium, democracia é aquela onde não existe esquerda. Eles querem matar, literalmente, a saudade daquele “movimento” implantando um novo “regime” sem esquerdas. Para isso trouxeram Cisneros e a RCTV, por que o Pedro Carmona brasileiro eles arrumam, e, no momento, se chama José Serra.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: