Ficha Corrida

04/02/2015

Quem finanCIA o tapetão voador na Argentina e Brasil?

Filed under: Alberto Nisman,CIA,DEA & DAS,FHC,Golpismo,Golpistas,Impeachment,Ives Gandra,NSA,Tapetão — Gilmar Crestani @ 9:12 am
Tags:

tio samO papel desempenhado por Ives Gandra Martins, a pedido de FHC, faz-me lembrar de um registro preservado pela erupção do Vesúvio nas paredes do banheiro da Cassa della Gemma, em Herculano: “Apollinaris medicus Titi Imp. hic cacavit bene”(Apolinário, médico do Imperador Tito, deu uma bela cagada aqui). Ives Gandra, a pedido de FHC, perpetrou, em bom juridiquês, uma bela cagada golpista.

Acabou a era dos candidatos capachos e só os EUA não viram. O Tio Sam vem perdendo todas abaixo do Caribe. Mas o monstro não descansa. Quando não é a DEA, na Colômbia e Venezuela, é a NSA na Argentina e no Brasil. Por trás de ambas, a CIA. As espionagens reveladas por Edward Snowden continuam. Na Argentina, para derrubar Cristina Kirchner, a CIA conta com a SIP. No Brasil, com o Instituto Millenium.

Estão em andamento novas eleições na Argentina sem que as oposições, favoráveis aos EUA, tenham demonstrado viabilidade eleitoral. Como na Venezuela, os EUA busca influir no rumo das eleições na Argentina e no Brasil. Instrumentado pela CIA e Mossad, um procurador ao melhor estilo Peter Sellers, o Pantera Cor-de-rosa, buscou jogar nas costas da Cristina Kirchner um atentado terrorista ocorrido no governo de um ventríloquo dos EUA, Carlos Menem. Se num primeiro momento servia de álibi para a campanha dos EUA contra o Irã, passou a servir também para vitaminizar a campanha de seus aliados, bons nos grupos mafiomidiáticos mas ruis de votos.

No tempo de FHC, o WikiLeaks revelou como se davam as trocas de informações entre os EUA e o seus vira-bostas. William Waack não gostou, mas os “cables” não deixam dúvida. Quer símbolo pior do capachismo made in PSDB do que se sujeitar a tirar os sapatos para poder entrar nos EUA?! Na Argentina aconteceu o mesmo. Cables vazaram mostrando que todas as informações reunidas pelo procurador Alberto Nisman foram-lhe “produzidas pela CIA”, na embaixada dos EUA em Buenos Aires.

As tentativas golpistas se dão por intere$$e dos EUA, mas também por despeito de pústulas nacionais. Execrado pelo povo, que o quer longe dos cofres públicos, FHC revela-se uma Cassandra, um PÓte até aqui de mágoas. Repete-se a história, traído até pela amante, Miriam Dutra, como provou o exame de DNA, FHC é mais uma vez traído pelas inconfidências de seu advogado, Ives Gandra. É o tal de rabo que sai pelo fraque ou das orelhas que fogem pela cartola…

Alberto Nisman buscava cumprir, sozinho, na Argentina, o que Gilmar Mendes, Ives Gandra, FHC et caeterva querem fazer no Brasil. São apenas instrumentos para interesses escusos. São ventríloquos das petrolíferas. São elas que finanCIAm o tapetão voador daqueles que não tem votos.

PETROLÃO

Advogado de FHC solicitou parecer sobre impeachment

Peça diz haver razões para pedir afastamento de Dilma por desvios em estatal

Ex-presidente diz que só soube do documento pelo jornal e que impeachment ‘não é matéria política’

MARIO CESAR CARVALHODE SÃO PAULO

O parecer jurídico que diz haver fundamentos para o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) por causa dos escândalos na Petrobras foi encomendado por um advogado que trabalha para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e integra o conselho do Instituto FHC.

O documento, escrito pelo advogado Ives Gandra da Silva Martins, foi solicitado por José de Oliveira Costa. O próprio Costa confirmou à Folha que trabalha para FHC: "Sou advogado dele".

Ele nega, no entanto, que o ex-presidente soubesse do parecer. Refuta também que o documento tenha caráter político: "Não tenho ligação nenhuma com o PSDB. Nem sei onde fica o diretório."

Martins nega que a peça tenha pretensões políticas: "Meu parecer é absolutamente técnico. Para mim, é indiferente se o cliente é o Fernando Henrique Cardoso ou uma empreiteira".

O parecerista diz que cobrou pela peça, mas não revela o valor. Advogados ouvidos pela Folha dizem que uma peça dessas assinada por Martins pode custar de R$ 100 mil a R$ 150 mil.

Questionado pela reportagem, FHC disse em nota que soube nesta terça (3) pela Folha que Costa encomendara o parecer –Martins citou o nome do advogado em artigo publicado nesta terça no jornal. Para o ex-presidente, "neste momento", o impeachment "não é uma matéria de interesse político".

ATÉ O FIM

Em artigo publicado neste domingo (1º), FHC incita juízes, procuradores e a mídia a ir até as últimas consequências na apuração dos desvios da Petrobras: "Que tenham a ousadia de chegar até aos mais altos hierarcas, desde que efetivamente culpados".

O parecer de Martins conclui que há elementos para que seja aberto o processo de impeachment contra Dilma por improbidade administrativa "não decorrente de dolo [intenção], mas de culpa".

Culpa, em direito, detalha Martins, são as figuras da "omissão, imperícia, negligência e imprudência".

Segundo ele, Dilma tem culpa nesse campo porque ocupava a presidência do conselho da Petrobras em 2006 quando foi comprada a refinaria de Pasadena, nos EUA, por um valor que chegaria a US$ 1,18 bilhão dois anos depois. No ano passado, a presidente disse que não aprovaria a compra se tivesse melhores informações sobre a refinaria.

A compra resultou num prejuízo de US$ 792 milhões, de acordo com o TCU (Tribunal de Contas da União).

A presidente, para o parecerista, manteve uma diretoria na estatal "que levou à destruição da Petrobras".

O advogado de FHC diz que encomendou o parecer a partir de uma dúvida que surgiu numa reunião: "Juridicamente é possível iniciar um processo de impeachment por responsabilidade civil, ou seja, por culpa?" Segundo ele, a peça seria usada se algum cliente tivesse interesse por essa mesma dúvida.

EMPREITEIRA

Costa nega que haja alguma empreiteira investigada na Operação Lava Jato por trás do pedido.

A legislação prevê que tanto as empreiteiras quanto os seus diretores sejam condenados se a Justiça concluir que houve fraude em licitações da Petrobras e que as empresas agiam como um cartel.

02/07/2014

JB sai de “alma leve”

Filed under: Assas JB Corp,Joaquim Barbosa,STF — Gilmar Crestani @ 7:42 am
Tags:

Para resumir o caráter do que já vai tarde basta lembrar as duas informações que envolvem o cavaleiro de triste figura na sua despedida: 1) mandou processar o advogado que ousou cobrar de Barbosa que pusesse em julgamento processo que estava com ele engavetado; 2) deu voto, solitário, autorizando o PSDB fazer protesto, usando seus Reis dos Camarotes, nos jogos Copa.

Até Marco Aurélio Mello, parceiro de tantas patacoadas do JB, declarou que o corretor de Miami deixa o STF com imagem arranhada. Eu acho que novo Presidente deveria chamar a Roto-Router…

Declarou que sai de alma leve, depois de levar uma surra dos seus colegas, quando perdeu por 10 x 1, mas como um cusco, com o rabo entre as pernas…

Barbosa critica ‘grupos de pressão’ no STF

Em despedida discreta, presidente da corte diz que sai de ‘alma leve’ do Supremo e afirma ter sentimento de dever cumprido

Sobre seu substituto, a ser nomeado por Dilma, disse que não dará palpite, mas que espera que seja um ‘estadista’

MATHEUS LEITÃODE BRASÍLIA

Com a "alma leve", o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, despediu-se nesta terça (1º) do tribunal afirmando que a corte não é lugar para pessoas ligadas a "grupos de pressão".

Barbosa, 59, participou de sua última sessão no Supremo dizendo estar "com o sentimento de dever cumprido".

Há um mês, ele pediu sua aposentadoria do STF, onde poderia permanecer até 2024, quando completará 70 anos.

Barbosa formalizou a sua aposentadoria oficialmente à corte, que enviará o pedido ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Caberá à presidente Dilma Rousseff escolher um novo ministro.

Questionado sobre que características deveria ter seu substituto, Barbosa disse que não daria conselhos à presidente, mas que um membro do STF deve ser fundamentalmente um "estadista".

O vice-presidente da corte, Ricardo Lewandowski, assumirá interinamente o comando do Supremo.

Depois que a aposentadoria de Barbosa for publicada no "Diário Oficial", Lewandowski terá duas sessões para marcar a eleição que irá oficializá-lo no cargo, já que, pelo sistema de rodízio, será a vez de ele assumir a presidência.

Em uma despedida discreta, sem discursos e homenagens, Barbosa definiu a sua atuação no STF como a de alguém que "comprou briga sempre que (…) havia tentativas de desviar-se do caminho correto, que é aquele traçado pela Constituição".

Nos 11 anos em que esteve no tribunal, e em quase dois na presidência, Barbosa, escolhido pelo ex-presidente Lula, colecionou polêmicas: atacou jornalistas, discutiu no plenário com ministros, acusou advogados de conluio com juízes e as associações de magistrados de corporativismo.

O ministro disse que o STF "não é lugar para pessoas que chegam com vínculos [com] determinados grupos de pressão para se privilegiar determinadas orientações".

O ministro ganhou fama, elogios e críticas, principalmente como relator que conduziu o julgamento do mensalão –que levou à prisão a antiga cúpula do PT.

Nos últimos meses, as críticas de advogados de defesa dos réus do mensalão aumentaram, sobretudo depois que Barbosa impediu que condenados em regime semiaberto tivessem direito ao trabalho externo. O entendimento dele foi alterado pelos outros ministros da corte.

Um dos pontos de maior tensão ocorreu quando o advogado de José Genoino, Luiz Fernando Pacheco, teve que ser retirado por seguranças do STF ao discutir com Barbosa no plenário.

Por isso o ministro, ao sair da função, ainda criticou o que definiu como a deterioração da prática do direito no país: "Na verdade, o que se tem é que a prática do direito no Brasil está se tornando um vale-tudo. (…) O sujeito perde nos argumentos, mas quer levar no grito, quer agredir, quer desmoralizar a autoridade".

Barbosa afirmou não pensar em uma carreira política no futuro. "A partir do dia em que for publicado o decreto da minha aposentadoria, serei cidadão como outro qualquer, livre para tomar posições que entender necessárias e apropriadas."

Ele não pode se candidatar neste ano por não ter se filiado a um partido no prazo legal. Perguntado sobre a possibilidade de candidatar-se no futuro, Barbosa afirmou não acreditar nessa hipótese.

04/04/2014

Quando o STF fará recall da Ação 470!?

Filed under: Recall,Incompetência — Gilmar Crestani @ 8:22 am
Tags: ,

Toda vez que uma empresa privada faz uma cagada fora da privada, a imprensa anuncia recall. Será que Petrobrás não poderia também fazer um recall da compra da Pasadena? No serviço público não tem perdão, tudo é corrupção. Na empresa privada, tudo é recall.  Até quando?!

Peugeot e Citroën anunciam recall de 131 mil C4 e 307

DE SÃO PAULO – A PSA Peugeot Citroën anunciou recall de toda a linha 307 (Peugeot) e dos modelos C4 VTR, C4 Hatch e C4 Pallas (Citroën) por um defeito que pode causar incêndios no motor.

A medida afeta 130.930 automóveis fabricados entre 2004 e 2012.

Segundo o fabricante, o risco de incêndio pode ser causado pela remoção inadequada da manta que faz o isolamento acústico do motor.

O chamado começou ontem e envolve modelos adquiridos de concessionária ou de pessoa física.

Consumidores que compraram o carro usado também têm direito ao reparo gratuito –que não tem limite de data para ser feito e, segundo a fabricante, demora cerca de uma hora.

De acordo com a PSA Peugeot Citroën, será aplicado reforço na fixação da manta no compartimento e, se necessário, será feita sua substituição. Também será incluída no capô uma etiqueta com instruções de montagem e desmontagem do componente.

Saiba mais informações sobre o recall no telefone 0800 011 8088 e no site www.citroen.com.br

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: