Ficha Corrida

27/09/2015

Nossa elite midiática tem autoridade moral de dirigente da Volks

Filed under: Ditabranda,Ditadura,Estupro,Le Monde,Tortura,Volkswagen — Gilmar Crestani @ 2:15 pm
Tags:

Só não sei se as peruas que a Folha emprestava para levar os corpos dilacerados para o Cemitério de Perus também eram da Volks. A prova de que a ditadura fez muito sucesso por aqui se mede pelo empenho da nossa imprensa em revelar porque todo preso da ditadura era estuprado. O estupro está para a ditadura como a fidelidade de Miriam Dutra está para FHC.

Se nossa imprensa participou ativamente para derrubar Jango, da mesma forma que atua agora para derrubar Dilma, também é verdade que atuou para legitimar a ditadura, com a qual se locupletou. As cinco irmãs (Folha, Estadão, Globo, Veja e RBS) se consolidaram com a ditadura. Por que iriam querer revelar os crimes dos seus parceiros? Nem seria justo esperar que o fizessem. Esperava-se, sim, que os que não se beneficiaram com a ditadura não fossem coniventes. Neste quesito o STF pisou no Boimate. Comprou tomate por bife…

Da mesma forma que o STF aceitou a lei com a qual os ditadores se auto anistiaram, também protegeram os crimes praticados posteriormente à referida lei, como o caso da bomba no Riocentro. No popular, não deu em nada. A Folha chegou ao cúmulo da desfaçatez ao dizer que não tivemos uma ditadura, mas uma ditabranda. Tem a mesma lógica do livro do Ali Kamel, “Não somos racistas”… Da mesma forma e pelas mesmas razões com que se livraram os criminosos da ditadura, também se livraram da justiça os criminosos da privataria tucana. Se quisermos entender melhor o que isso significa, basta que olhemos para nosso lado. Carlos Menem e Alberto Fujimori, parceiros de todas as horas do rei da privataria, foram presos, mas por aqui o responsável foi levado por Roberto Marinho e José Sarney para a Academia Brasileira de Letras. Na Argentina, Chile e Peru, os ditadores sofreram as consequências da lei. Muito diferente do que houve por aqui. Não culpo torturadores, porque tinham prazer com os estupros que praticavam, mas qual será o prazer dos assoCIAdos do Instituto Millenium em tergiversar sobre o assunto?!

Le Monde lembra aliança da VW com os militares

publicado 27/09/2015

E ajuda a desmoralizar a Comissão da 1/2 Verdade.

fusca

Essa foi a ilustração que o Monde deu à reportagem sobre a tortura a Bellantani.

O respeitado jornal francês Le Monde publicou reportagem sobre a ligação sinistra da Volkswagen brasileira com o regime militar.
O artigo sai no contexto da crise que envolve a Volkswagen americana, que fraudou os testes de poluição em carros movidos a diesel e vai ter pagar multas bilionárias, depois de envenenar milhares de pessoas, mundo afora!
O Monde lembra aqui a experiência do operário metalúrgico Lucio Antonio Bellantani, que, aos 28 anos, o serviço de segurança da própria Volkswagen entregou à polícia por discutir política e defender a democracia.
Bellantani foi torturado para denunciar outros colegas "agitadores".
A certa altura das greves do Lula no ABC, diz o Monde, os militares receberam uma lista de 463 grevistas, entre eles, os da Volkswagen.
O depoimento de Bellantani foi recolhido pela Comissão da /1/2 Verdade brasileira.
O que o Monde não diz é que o Brasil se tornou o único pais latino-americano, vítima de um regime militar, que conseguiu desmoralizar uma Comissão de Verdade!
E quando foi se aprofundar nas relações das empresas – e bancos – com o regime militar, adotou a filosofia "sergio morinha": "não vem ao caso"!
Vive le Brésil !
Ao Monde:

Mardi 22 septembre, divers syndicats ainsi que le Forum des travailleurs pour la vérité, la justice et la réparation ont réclamé l’ouverture d’une procédure d’enquête contre le groupe, accusé d’avoir collaboré aux persécutions et aux tortures lors de la dictature militaire (1964-1985).
Le Forum est une émanation d’un groupe de travail issu de la Commission nationale de la vérité (CNV), chargée depuis 2012 d’enquêter sur les violations des droits de l’homme pendant les années noires du pays.
Selon les documents collectés par le Forum, le groupe allemand, présent au Brésil depuis plus de soixante ans, aurait collaboré avec la police militaire, donnant sans gêne les noms de salariés potentiellement perturbateurs au service d’ordre de l’Etat. Charge ensuite aux policiers de les arrêter et de les torturer.
Lucio Antonio Bellantani, 71 ans, fut l’une des victimes de ce « nettoyage ». Son témoignage, rapporté par le site du magazine CartaCapital, est sans équivoque. En 1972, alors âgé de 28 ans, il fut livré aux policiers militaires par le propre service de sécurité de « Volks ».
Son crime ? « Discuter politique avec d’autres collègues afin de les syndiquer et de lutter avec eux contre la dictature et pour la démocratie », raconte-t-il.
Cette audace lui a valu plus d’un mois de détention ponctué de séances de torture, l’obligeant à donner les noms de personnes liées au Parti communiste. Aujourd’hui, Lucio Antonio se bat pour que le pays accomplisse son devoir de mémoire, que l’on enseigne aux enfants cette période sombre du Brésil, afin que « jamais plus » l’histoire ne se répète, dit-il. Et de rêver à la construction d’un « mémorial », par le groupe.
Véritable institution au Brésil, Volkswagen, fabricant de la voiture populaire Fusca, nom local de la Coccinelle, est la première entreprise mise en cause. Elle ne sera sans doute pas la seule. « Nous avons collecté beaucoup d’éléments sur cette société, mais nous avons aussi des documents à même de prouver l’implication d’autres entreprises », indique Carolina Freitas, membre du Forum.
En 1980, lors de la grande grève de quarante et un jours – orchestrée par celui qui n’était encore qu’un syndicaliste chahuteur, Luiz Inacio Lula da Silva (président brésilien de 2003 à 2010) –, la police militaire aurait reçu les noms de 436 grévistes, de Volkswagen, mais aussi d’autres entreprises alentour paralysées par l’arrêt de travail. Contacté, le groupe allemand n’a pas donné suite à nos sollicitations.

Le Monde lembra aliança da VW com os militares — Conversa Afiada

24/09/2015

Volkswagen, uma marca alemã

Filed under: Choque de Gestão,Meritocracia,Planejamento Alemão,Volkswagen — Gilmar Crestani @ 8:50 am
Tags:

fuscaEstive na Alemanha, uma vez. Não gostei. Nunca fui aos EUA, nem pretendo ir. Tenho amigos que amam a Alemanha e outros que amam os EUA. Depois de três viagens ao exterior, sempre na Europa, voltei gostando ainda mais do Brasil. O complexo de vira-latas é coisa de midiotas. Depois que o Brasil perdeu de 7 x 1 para a Alemanha nosso colonistas deitaram falação, em nostalgia incontida pela blitzkrieg, que a Alemanha venceu porque teve mais organização, enquanto no Brasil fazemos as coisas nas coxas. Tinham razão, pelo menos em parte. Aqui nossa mídia valoriza coxinhas.

O nazismo ganhou proporções na Alemanha, mas nasceu nos EUA. A Inglaterra, aliás, tinha um rei nazista.

O que deve ficar de lição aos midiotas vira-latas, não só em relação à Volks, mas também em relação à SIEMENS, é que a Alemanha não detém o patrimônio da superioridade racial e muito menos da ética.

Para finalizar, não faltará na próxima marcha dos zumbis alguém que seja capaz de dizer que a Volkswagen é do Lulinha ou que a culpa pela corrupção na empresa alemã seja do Lula. Porque para boa parcela dos celerados brasileiros a corrupção só passou a existir no Brasil e só depois que Lula chegou ao poder.

Ah, se meu fusca falasse, ele teria muitos segredos da Volks para contar…

Volkswagen pode ser risco maior para a economia alemã que crise grega

Crise na montadora pode evoluir para ameaça à economia, dizem analistas.
Volkswagen é um dos maiores empregadores da Alemanha.

Da Reuters

Martin Winterkorn, presidente-executivo da Volkswagen, renuncia (Foto: Alex Domanski/Arquivo Reuters)Martin Winterkorn, presidente-executivo da Volkswagen, renuncia (Foto: Alex Domanski/Arquivo Reuters)

O escândalo de fraude em testes de emissões de poluentes que envolveu veículos da Volkswagen nos Estados Unidos abalou o establishment corporativo e político da Alemanha e analistas alertam que a crise na montadora pode evoluir para uma ameaça à maior economia da Europa.

A Volkswagen é a maior fabricante de automóveis da Alemanha e um dos maiores empregadores do país, com mais de 270 mil funcionários empregados diretos, sem contar os postos de trabalho nas empresas fornecedoras.

ESCÂNDALO NA VW

Volkswagen é acusada de fraudar testes

O presidente-executivo da Volkswagen, Martin Winterkorn, após o escândalo sobre os testes manipulados de emissão de poluentes, renunciou ao cargo nesta quarta-feira (23), e agora os economistas estão avaliando o impacto sobre até agora saudável economia alemã.

"De repente, a Volkswagen tornou-se um risco para a economia alemã maior do que a crise da dívida grega", disse à Reuters o economista-chefe do ING, Carsten Brzeski. "Se as vendas da Volkswagen na América do Norte afundarem nos próximos meses, isso causará um impacto não somente para a empresa, mas para a economia alemã como um todo", acrescentou.

A Volkswagen vendeu quase 600 mil automóveis nos Estados Unidos no ano passado, cerca de 6 por cento das 9,5 milhões de unidades vendidas globalmente.

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) disse que a companhia pode ser multada em até US$ 18 bilhões, mais do que todo seu lucro operacional do ano passado.

este escândalo não é uma ninharia. A economia alemã foi atingida na sua essência"

Michael Huether, chefe do instituto econômico IW da Alemanha

Embora tal multa possa ser coberta com os € 21 bilhões (US$ 24 bilhões) que a companhia tem em caixa, o escândalo tem gerado temores de grandes cortes de empregos.

A preocupação mais ampla para o governo alemão é que outras montadoras como a Daimler e BMW possam sofrer consequências da catástrofe da Volkswagen. Não há nenhuma indicação de má conduta por parte das duas empresas e alguns analistas dizem que um impacto maior seria limitado.

O governo alemão disse na quarta-feira que a indústria automotiva permanece um "pilar importante" para a economia, apesar do agravamento da crise em torno Volkswagen.

Mas analistas alertam que é exatamente essa dependência do setor automotivo que pode gerar uma ameaça para uma economia que deve crescer 1,8% este ano. A Alemanha já está tendo que enfrentar a desaceleração da economia chinesa.

"Se as vendas de automóveis caírem, os fornecedores também seriam afetados e com eles toda a economia", disse à Reuters o especialista do setor automotivo do instituto DIW, Martin Gornig.

Em 2014, cerca de 775 mil pessoas trabalhavam no setor automotivo alemão — quase 2% de toda a força de trabalho do país.

Além disso, automóveis e autopeça sãos os produtos de exportação de maior sucesso da Alemanha. O setor exportou no ano passado US$ 225 bilhões, sendo responsável por quase um quinto do total das exportações alemãs.

"É por isso que este escândalo não é uma ninharia. A economia alemã foi atingida na sua essência", disse Michael Huether, chefe do instituto econômico IW da Alemanha.

Economia – Volkswagen pode ser risco maior para a economia alemã que crise grega

 

Volkswagen reconhece que adulterou 11 milhões de carros em todo o mundo

Fabricante de automóveis implantou um sistema para escapar de controles ambientais

Luis Doncel / Álvaro Sánchez Berlim / Madri 22 SEP 2015 – 19:47 BRT

O escândalo pela fraude coletiva com a qual a Volkswagen (VW) tentava evitar os limites a emissões poluentes aumenta a cada dia. Em um comunicado divulgado nesta terça-feira, a empresa, que no primeiro trimestre do ano vendeu mais de 5 milhões de veículos – número que a colocou na liderança mundial –, reconheceu que o software com o qual tentava enganar autoridades ambientais sobre as emissões de seus carros a diesel pode afetar 11 milhões de automóveis em todo o mundo. Até agora falava-se em 482.000 carros vendidos nos Estados Unidos.

As revelações dos últimos dias tiveram suas primeiras consequências econômicas. Depois de caírem 18,6% na Bolsa de Frankfurt na segunda-feira, as ações da Volkswagen operavam em queda de mais de 20% nestas terça-feira. A empresa com sede em Wolfsburgo, cujo valor de mercado era de 77,8 bilhões de euros na última sexta-feira, perdeu 26,45 bilhões de euros em apenas dois dias. Além disso, a montadora acaba de anunciar uma reserva de 6,5 bilhões de euros para possíveis futuras perdas. Um número que parece otimista diante das últimas revelações.

O presidente da Volkswagen, Martin Winterkorn, venceu há cinco meses uma disputa pelo poder com o patriarca e neto do fundador da empresa, Ferdinand Piëch. Mas agora é Winterkorn quem está em uma situação insustentável. Tudo estava preparado para que, nesta próxima sexta-feira, seu contrato fosse prorrogado por dois anos. Mas o enorme escândalo, que ameaça prejudicar a fama não só da Volkswagen como também de toda a indústria automobilística alemã, pode acabar com sua carreira. O jornal Tagesspiegel, que cita fontes do conselho de supervisão, informa que Winterkorn será substituído nesta sexta pelo chefe da Porsche, Matthias Müller.

"Investigações internas mostram que o software também estava presente em outros veículos a diesel do grupo", afirma o comunicado da empresa, dona de outras marcas, como Audi, Skoda, Seat e Porsche.

A Alemanha, a França, a Itália e a Coreia do Sul anunciaram que farão uma revisão nos veículos para conhecer o alcance da fraude. Já a Comissão Europeia afirmou, nesta terça-feira, que ainda é cedo para estabelecer "medidas de vigilância imediatas" na Europa, após a revelação de que a Volkswagen falsificou os controles. A montadora se defende dizendo que abordará as investigações com a máxima transparência e que não irá tolerar nenhuma violação das leis.

O sistema implantado pela Volkswagen em seus veículos era capaz de detectar o momento em que os carros estivessem sendo submetidos a testes por parte das autoridades. O sistema possuía um mecanismo interno de limitação de gases contaminantes que permitia ao veículo passar no teste. Uma vez terminada a prova, o mecanismo se desativava e o carro passava a liberar gases poluentes durante seu uso cotidiano.

Escândalo: Volkswagen reconhece que adulterou 11 milhões de carros em todo o mundo | Internacional | EL PAÍS Brasil

16/09/2015

FinanCIAdores ideológicos da perseguição à Lula

anaueOs grandes veículos de comunicação publicam para agradar quem os finanCIAm. Por isso, em nenhum destes veículos encontrará algum tipo de cobrança à Volkswagen por ter participado ativamente na ditadura. Seria mero acaso a atual aliança da Volks com a CBF, outra entidade íntegra…

A Volks, assim como outros 70 grandes empresas brasileiras, se aliaram aos ditadores para imporem violência e morte aos brasileiros. São os mesmos que finanCIAm o MBL.

Há um documentário que mostra como a CIA funcionava na América Latina: “Inimigo do meu inimigo”. Por meio deste documentário fica-se sabendo que Klaus Barbie, o açougueiro de Lyon, foi recrutado pela CIA para desestabilizar governos populares na América Latina.

Já em 2005 o melhor jornal argentino, Pagina12, denunciava: “En los ’60 y ’70, empresas de primera línea cooperaron con las dictaduras de Brasil y Argentina para reprimir a sindicalistas.” No Brasil, quando se trata de punir criminosos há sempre a possibilidade de eles contarem com um Geraldo Brindeiro, um Gilmar Mendes ou um Rodrigo de Grandis para a impunidade.

A matriz paulista do nazi-fascismo

No Brasil não foi diferente. Além das 6 malas de dólares com que a CIA, via FIESP, comprou o General Amaury Kruel, também houve a participação direta do chefe do campo de extermínio de Treblinka durante o nazismo, Franz Paul Stangl, via Volkswagen, no Dops paulista.

Não é mera coincidência que o maior foco golpista esteja em São Paulo. Lembremos do sequestro do Abílio Diniz, quando a polícia paulista vestiu a camisa do PT no sequestrador para botar a culpa no Lula. O então presidente da FIESP, Mário Amato, falou que “Se Lula for eleito, 800 mil empresários deixarão o País.” O movimento CANSEI, do João Dória Jr, também patrocinado pela Philips, também é de São Paulo. O MBL é da terra da garoa. Sem contar a TFP do Plínio Corrêa de Oliveira e o movimento integralista, do Plinio Salgado. Os reis dos camarotes vips do Itaquerão, que xingaram Dilma na abertura da Copa do Mundo de 2014, foram patrocinados por ilustres empresas paulistas: AMBEV, Multilaser e Banco Itaú.

http://operamundi.uol.com.br/conteudo/reportagens/38816/cnv+sistema+da+volkswagen+para+vigiar+funcionarios+na+ditadura+foi+criado+por+criminoso+nazista.shtml

Volkswagen será denunciada ao Ministério Público Federal por colaborar com a ditadura

Metalúrgicos são rendidos e presos por fazerem greve, durante os anos de chumbo da ditadura. ICONOGRAPHIA/MEMORIAL DA DEMOCRACIA

Metalúrgicos são rendidos e presos por fazerem greve, durante os anos de chumbo da ditadura. ICONOGRAPHIA/MEMORIAL DA DEMOCRACIA

Da RBA

A Volkswagen será denunciada ao Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo, na próxima terça-feira (22), por colaboração e apoio à repressão durante a ditadura civil-militar de 1964. O coletivo Memória, Verdade, Justiça e Reparação, formado por integrantes de centrais sindicais, movimentos sociais e outras entidades, farão a denúncia com base em documentos que comprovam a participação da montadora em casos de tortura e violação dos direitos dos trabalhadores.

A expectativa é que o MPF aceite a denúncia e que a empresa reconheça sua responsabilidade institucional, por meio de pedido de desculpas e indenização das vítimas. Processo semelhante foi adotado por outros países, como a Argentina e a Alemanha, por exemplo.

Em entrevista à repórter Camila Salmazio, da Rádio Brasil Atual, Álvaro Egea, advogado e secretário da CSB, relata vários episódios em que a empresa agiu em apoio à repressão. Um dos casos envolveu o ferramenteiro Lúcio Belantani, que foi detido sob acusação de conspirar contra o regime, e começou a ser torturado ainda nas dependências da montadora. Egea conta que Lúcio ficou 42 dias preso e incomunicável nas dependências do Dops, e era levado à fábrica para que delatasse os demais companheiros, tudo isso com a anuência do chefe de segurança da Volkswagen.

“É importante que uma grande corporação como a Volkswagen, que tem muitos acionistas na Alemanha que vão acompanhar isso, seja chamada à responsabilidade. Primeiro, para reconhecer os seus erros; segundo, para pedir desculpas, pedir perdão aos trabalhadores e ao povo brasileiro, e por fim, para indenizar suas vítimas”, detalha o advogado.

O coletivo também confirmou a existência de uma lista de nomes de lideranças sindicais ativas na luta contra a repressão, que era compartilhada pelas empresas do cinturão industrial de São Paulo, para impedir que conseguissem empregos. Segundo Egea, além de fazer uso dessa lista, a Volkswagen “secretariava” as reuniões em que os nomes eram discutidos. “Há evidências documentais muito concretas da participação da Volkswagen não só na repressão dos seus trabalhadores, mas como na delação e colaboração estreita com os órgãos de repressão.”

O trabalho do coletivo é realizado desde janeiro, dando continuidade às apurações realizadas no âmbito da Comissão Nacional da Verdade, que investigou crimes e violações cometidas durante a ditadura civil-militar também no movimento sindical.

Para Egea, ações como as denúncias propostas agora contra a Volkswagen, que visa a identificar e responsabilizar responsáveis por torturas, é uma forma de completar o processo de transição da ditadura para a democracia. Ele pede também que o Supremo Tribunal Federal reveja a interpretação da Lei da Anistia, para que os torturadores sejam punidos. O advogado diz ainda que outras empresas, como a Petrobras, a Embraer, a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp, de Santos) e o Metrô de São Paulo também devem ser denunciados por colaboração.

“A democracia formal foi conquista. Agora, a punição aos torturadores, o processo de busca da verdade, o processo de preservação dessa memória, de autoeducação da sociedade brasileira, esse processo ainda está em curso.”

Volkswagen será denunciada ao Ministério Público Federal por colaborar com a ditadura « Sul21

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: