Ficha Corrida

02/12/2011

TV de graça, na internet

Filed under: Internet,Tecnologia,TV a Cabo — Gilmar Crestani @ 9:04 am

 

“Cuevana es para la industria la voz del usuario”

Las empresas acusan a Cuevana.tv de violar sus derechos de propiedad. Un juez acaba de ordenar un bloqueo parcial. El portal tiene millones de usuarios diarios. Su creador, un mendocino de 22 años, explica por primera vez la historia del sitio. Y hace su defensa.

Por Mariano Blejman

Se lo nota cansado, ojeroso, algo abrumado. Tomás Escobar, este sanjuanino creador de Cuevana.tv, el sitio que sirve para mirar películas a través de Internet gratuitamente, habla un rato por celular, intentando organizar un encuentro para la tarde: tiene la notebook en un bolso oscuro colgada. Quién diría que tanta gente quisiera hablar con él. Con 22 años a cuestas y un acento cuyano impermeable a la gran ciudad, el hombre más buscado de Internet recibe a Página/12 en el Café La Paz, avenida Corrientes, Buenos Aires, Argentina. Esta ubicación es la única certeza sobre la locación de Cuevana.tv. Porque los servidores están en Canadá; los usuarios suben contenido desde distintos rincones del mundo y tiene 12 millones de usuarios registrados, dos millones de usuarios por día y acaba de recibir dos denuncias, una de HBO y otra de Turner, por violaciones a las leyes de propiedad intelectual. Lo verdaderamente impresionante de Cuevana.tv es la repercusión mundial que tuvo la primera andanada legal que iba a iniciar Telefe, pero nunca se concretó por la presión virtual. “A Cuevana salieron a pegarle cuando intentamos cambiar el perfil”, dice Escobar.

–¿Por qué creó Cuevana.tv?

–Yo siempre veía películas por Internet y dije voy a organizar el acceso, porque en Torrent o en los blogs era difícil entender cómo ver la información. Empecé a programar muy joven como amateur y, según la necesidad de los sitios, fui aprendiendo. A los 14 años hice un sitio sobre Harry Potter, duró dos o tres años. Estudié ingeniería en computación en Córdoba, pero el primer sitio que hice fue un simulador de fútbol donde uno podía ser técnico, pero te podían echar si te iba mal o podías tener la hinchada en contra tuyo. Desde que salió Cuevana lo bajé, pero estaría bueno reflotarlo en algún momento. Cuando empecé a pensar en organizar la información de películas, primero lo pensé para los blogs que subían las series de Lost y dije: “yo puedo hacer que esto se vea más ordenado”. Armo la aplicación y se las doy a ellos. Nunca me pude comunicar, no me contestaron. Lo tenía armado y dije veamos qué sale. En un primer momento les dije a amigos, a familiares. Entonces dije ok, empecemos a indexar un poco a ver si tracciona y lo usamos entre nosotros. Eventualmente con el pasar de los meses se hizo más popular en los focos donde yo me movía, en San Juan, Córdoba, y empezó a llegar a otros países, a Buenos Aires. En un primer momento lo consideraba más un nicho, todo el mundo decía que nadie se entere así anda bien. Explotó más o menos en julio o agosto de 2010.

–El Suplemento NO hizo una encuesta de fin de año entre músicos donde Cuevana salió como la mejor web del año.

–Sí, la vi. Fue en el 2010. El gran logro de Cuevana es que logró penetrar en usuarios que no eran tan asiduos de Internet. Desde gente grande, gente que no usaba Internet más que para leer el diario y el mail, no iban a buscar soluciones de Internet. Cuevana atrajo público que no estaba acostumbrado a buscar en Internet y menos a compartir experiencias, antes se veían series y todo, pero era otro público. Cuevana lo hizo masivo y fácil de usar.

–¿Y cómo siguió?

–Hasta mayo de este año seguí estudiando y haciendo el sitio cuando podía. La colaboración de los usuarios que organizaban info de las películas, los autores, era bastante. No era full time, pero fue creciendo y llegó un punto en el que empecé a replantear algunas cosas. Desde mediados de año se ha estado buscando reconvertir el modelo de Cuevana. Esto nació como un hobby, porque probablemente de otra forma no hubiese nacido, pero ahora está la oportunidad. Siento que Cuevana es para la industria la voz del usuario. Estamos comprometidos con el usuario, con defender sus posturas, sus derechos, pelear por el usuario. El usuario no puede manejar precios, paga lo que le dicen. Se busca un modelo que beneficie a todas las partes, usuarios, creadores de contenido, dado que la industria independiente ve con buenos ojos a Cuevana y estamos empezando a trabajar con ellos.

–¿Pero qué es Cuevana?

–Hoy Cuevana no es una estructura. Se está buscando cambiar, pero hoy no se permite. Lo que logra Internet es crear entes importantes con una gran cantidad de masa crítica que se pueden hacer con muy poco detrás. No tenemos oficinas, trabajamos desde casa. En estos tiempos entraron y salieron desde distintas partes. Pero el sitio tiene mucho de lo que es la filosofía web de contenido generado por el usuario. Puede crecer y seguir evolucionando porque el usuario mismo modifica el contenido. No es algo que necesita producción propia, como un diario, por ejemplo.

–Es producción distribuida, pero convengamos en que nace con un modelo polémico desde el punto de vista legal.

–Nació así. Igualmente nunca imaginamos que iba a ser un sitio de tal magnitud, pensamos que iba a quedar entre amigos. ¿Qué, íbamos a ir a golpear la puerta de los estudios a decir “te quiero comprar los derechos”? Cuando explota, queremos empezar a reconvertirlo, a proponer un modelo que funcione.

–Con una mejor capacidad de negociación.

–Sí, pero mi postura de siempre es de deudas hacia el usuario. El usuario lo adoptó como propio, porque Cuevana defiende sus necesidades. Por eso lo defiende y le es fiel. Se demostró que existe un mercado masivo para el streaming de video en América latina. No existía esa solución hace dos años, esa solución entonces no es más que una respuesta de los consumidores hacia la industria. Nosotros queremos consumir de esta manera y se avanzó porque la industria no avanzaba. Ellos defienden su línea de distribución actual, que es media obsoleta, ¿no? Les cuesta mucho reinventarse y readaptarse por más que es posible: tenés que reeducar a la gente, cambiarla de distribución física a digital y no están preparados para hacerlo, pero es inminente. Los beneficios son innombrables.

–¿Cómo se enteran de que Telefe iba a hacer la denuncia?

–Se enteraron los abogados. Se intentó conversar con las partes, no quisieron conversar. La noticia se filtró en los medios y fue impresionante, cambió toda la postura de Telefe. Les hizo replantearse la movida que tenían preparada. No se puede estar seguro, nunca se vio la demanda, pero es de suponer que reclamaban el tema de la reproducción de su canal en vivo. Pero eso no lo hace Cuevana. Es un iframe de Justin.tv que a su vez eso lo sube un usuario y ni siquiera andaba porque a la sesión en vivo nunca se le dio pelota, es difícil actualizar. Y bueno, encima ese fin de semana se dio el suceso de este supuesto hackeo que ocurrió el domingo…

–¿Qué pasó?

–Vulneraron el sistema de Cuevana. Lograron meter una película, en vez de indexar el video de un film, pusieron uno que habían subido ellos…

–Pero en el video los que aparecen nombran gente, ¿esas son personas que trabajan con ustedes?

–Inventan mucho, hablan de algunos que aparecen en Cuevana y otros no sé quiénes son. Desconozco totalmente quiénes son, igualmente son poco serios. Después tiraron un video de Teletubies, pero no espero otra cosa. No fue un ataque serio, fue cómico. Inmediatamente se aseguró todo, porque se desconocía la procedencia del ataque. La nueva versión era mucho más segura, aunque le faltaban optimizaciones, así que decidimos adelantarla. Por la explosión en el tráfico, porque fue trending topic en Twitter número uno en el mundo, los servidores no aguantaron más. Se saturó todo y estuvo varios días andando muy mal. Estimo que el pico en estos días debe haber sido de 4 o 5 millones cuando el normal es de dos millones de personas.

–Sabe que el relanzamiento causó mucha suspicacia: muchos pensaron que era operación de marketing…

–Sí, la verdad es totalmente ridícula desde mi punto de vista. Entiendo que lo iban a explotar por ese lado. Pero lo último que quería es que Cuevana estuviese parado una semana. Anduvo con problemas, tuvimos que limitar varias funciones para que anduviera, se provocó todo esto que no es deseado para nada. Lo que sí me sorprendió es la magnitud de Cuevana en el mundo, sorprendió a muchos, pero a mí mismo me produjo sorpresa…

–Y entonces apareció HBO.

–La verdad, no sé bien de qué se trata lo de HBO. Sé que han presentado la causa. Pero no puedo saber lo que dice porque no me ha llegado. Desconozco cuál es el objeto de la denuncia para canalizarla cuando llegue el momento, pero bueno, hay que comprobar que lo que están alegando sea cierto y se procederá como corresponde.

–Y también apareció una demanda civil de Turner.

–Lo que pasa es que hay un poco de todo. Cuevana levantó más el perfil, pero también el hecho de que Cuevana se quiera reconvertir y está tratando de buscar un modelo que les convenga a ambos, no sé si es conveniente para todos. Pero muchos lo están buscando. Entonces Cuevana es un competidor que no podrían alcanzar en años. Las estimaciones de tráfico le llevarían años, estimo que vendrá por ahí.

–¿Y cómo se aplica la medida cautelar pedida por Turner?

–Llegó la medida cautelar de imprevisto. No teníamos información al respecto, igualmente bloquear DNS o proveedores de Internet, sea cual fuere el caso, es considerado un nivel de censura. No es la solución, hay otras formas de buscarle la vuelta a cualquier sitio. Porque una vez que se empieza a manipular esta censura de DNS e ISP si se maneja con intereses políticos y económicos se generan cosas complejas. Y se puede atentar contra la libertad de expresión. Es lo que algunos piensan…

SUBNOTAS

Página/12 :: Sociedad :: “Cuevana es para la industria la voz del usuario”

17/10/2011

TV paga x TV aberta: Quem (de fato) ganha com a Lei 12.485?

Filed under: TV a Cabo,Venício Lima — Gilmar Crestani @ 6:53 am
Tags:

O critério fundamental para avaliação de qualquer legislação aplicável ao setor de comunicações deve ser sempre se ela possibilita o aumento da participação de mais e diferentes vozes no debate público. Outro bom critério é verificar como se manifestam sobre ela os principais atores envolvidos.

Venício Lima

“Mudanças na regulação das comunicações são necessárias, mas precisam ser realistas, sem contaminações ideológicas dirigistas. Um bom exemplo é o PL 116, que regula o mercado de TV por assinatura. Após longa negociação entre todos os interessados, o projeto foi aprovado em instância final no Senado.”
Editorial, O Globo, 22 de setembro de 2011
No dia 12 de outubro, completou-se um mês que a Presidenta Dilma Roussef sancionou o PLC 116 (antigo PL 29) e o transformou na Lei n. 12.485 que “dispõe sobre a comunicação audiovisual de acesso condicionado”. Trata-se de uma lei complexa que, depois de longa tramitação no Congresso Nacional, iniciada ainda em 2007, havia sido aprovada no Senado Federal no dia 16 de agosto.
Muito já foi dito e escrito sobre o tema. Especialistas comprometidos com a democratização das comunicações têm elogiado a Lei e até mesmo afirmado que aqueles que não a celebram “ainda não entenderam as mudanças que ocorrem no mundo e vivem no passado”. Todavia, dúvidas importantes persistem, o debate continua necessário e algumas questões não podem ser ignoradas, inclusive a relação da Lei com o inadiável marco regulatório para as comunicações.
Para se compreender a Lei e algumas de suas questões polêmicas
1. Um dos objetivos da Lei 12.485 é unificar a legislação sobre a TV paga, independente da tecnologia utilizada. Até aqui existiam legislação e/ou regulamentos diferentes – e até mesmo conflitantes – para as diferentes modalidades, isto é, cabo ótico; satélite (Direct-to-Home ou DTH) e micro-ondas (Multipoint Microwave Distribution Services ou MMDS).
2. A nova Lei, libera completamente a participação do capital estrangeiro antes permitido para as operadoras por DTH e MMDS e apenas limitado no cabo (a 49%). A justificativa é estimular a competição e, segundo defensores da Lei, oferecer “novas opções de conteúdo audiovisual de qualidade e melhores serviços, por menores preços”.
Esse é o primeiro ponto polêmico. Brechas na regulação anterior já possibilitavam a presença do capital estrangeiro em proporções maiores do que a nominalmente permitida na TV a cabo. Além disso, como se trata de um setor estratégico, não deveria haver algum tipo de proteção ao capital nacional? Haverá incentivo real à competição permitindo-se a entrada no mercado das teles que são oligopólios globais? Pode-se falar em competição quando ela ocorre entre uns poucos oligopólios? Os preços dos serviços atualmente oferecidos por estes oligopólios (telefonia fixa e móvel) não estão entre os mais elevados do planeta?
3. Defensores da Lei destacam a distinção que ela estabelece entre os diferentes elos da “cadeia produtiva” da TV paga, vale dizer: produção, programação, empacotamento e distribuição. É a primeira vez que isso acontece no Brasil e, diz-se, o futuro aponta para a necessidade de se separar a regulação da distribuição daquela da produção de conteúdos audiovisuais. Alega-se, por exemplo, que na América do Norte, em alguns países da Europa e na nossa vizinha Argentina, a TV paga já supera a TV aberta. Esse é outro ponto polêmico.
Os últimos dados disponibilizados pela ANATEL indicam que, em agosto de 2011, a TV paga chegava a 11,6 milhões de domicílios, ou seja, a 38,3 milhões de brasileiros ou cerca de 20% do total da população. A densidade (assinantes por 100 domicílios) média dos serviços de TV Paga é de 19,4, mas treze estados estão abaixo dela e há unidades da federação, como o Piauí, onde a densidade é de apenas 4,3. Ademais, em cada 100 TVs pagas ligadas nos oito principais mercados brasileiros, mais de 60 sintonizam os canais de TV aberta na maior parte do tempo [agosto de 2011].
Não nos esqueçamos, todavia, que o mercado de TV paga não é nada desprezível. Em 2010, seu faturamento bruto atingiu R$ 1,011 bilhão. Isso representou cerca de 4% do total da verba destinada à publicidade no país (Projeto Inter-Meios).
Supondo que a TV paga, de fato, seja o destino pré-determinado para a maioria da população brasileira, consideradas as imensas diferenças de renda ainda existentes no país, em quanto tempo teríamos aqui uma situação semelhante, por exemplo, à Argentina (cerca de 50% da população)? Não conheço (e não encontrei) as projeções da indústria, mas suponho que ainda vá demorar, se é que vai acontecer.
Se este raciocínio estiver correto, não faz sentido celebrar uma Lei por efeitos que ela ainda não pode ter no que se refere à TV “consumida” por mais de 80% da população (sem incluir aqueles muitos que a assistem na TV paga). De fato, a Lei 12.485 não se aplica à TV aberta (salvo, por óbvio, nas referencias, diretas e/ou indiretas, que a ela se faz no texto legal).
Pela Lei 12.485, as empresas radiodifusoras, produtoras e programadoras não podem atuar diretamente na distribuição de conteúdos da TV Paga, mas podem controlar até 50% do capital das prestadoras de serviços de telecomunicações. Já essas últimas, não podem prestar serviços de radiodifusão de sons e imagens, produção e programação, e sua participação em empresas com essas finalidades está limitada a 30%.
Alguns estão fazendo uma leitura dessa norma como se ela fosse um bem-vindo primeiro controle da “propriedade cruzada” na mídia brasileira. Na prática, todavia, ela significa, por exemplo, que a TV Globo (aberta) continuará produzindo e distribuindo conteúdo e também continuará sócia [em até 50%] da SKY (americana) e da NET (mexicana). Já a Telefónica de Espanha, por exemplo, não poderá produzir conteúdo e se quiser ser sócia de uma empresa de radiodifusão estará limitada a 30%.
Quem se beneficia com essa regra até o hipotético dia em que a TV Paga ultrapassar a TV aberta no país? Na verdade, a regra funciona como reserva de mercado da produção e distribuição de conteúdo na TV aberta para as atuais empresas de radiodifusão.
E mais. A lógica do capital levará, mais cedo ou mais tarde, às empresas de telefonia a pressionar pela sua entrada também na produção de conteúdo. Ou farão isso “de fora prá dentro”, isto é, produzirão em estúdios em outros países e distribuirão aqui (o que a Lei não impede). Neste caso, voltaríamos à questão do item 1, acima: não seria o caso de se proteger a “indústria” audiovisual brasileira?
4. A vigência dos artigos 16º ao 18º do Capítulo V que trata de proteção “Do Conteúdo Brasileiro” está limitada (1) pelo artigo 21º que contempla o relaxamento das normas, a critério da ANATEL, diante de “comprovada impossibilidade de cumprimento”; e (2) pelo artigo 41º que prevê o término da vigência doze anos a partir da promulgação da Lei. Vale dizer, a partir de setembro de 2023, não mais valerão as exigências, por exemplo, de: três horas e meia de programação nacional por semana no horário nobre; em cada três canais dos “pacotes” comercializados, um terá que ser brasileiro; ou metade do conteúdo nacional terá de ser de produção audiovisual independente.
5. A Associação Brasileira de Canais Comunitários (ABCCOM) solicitou à Presidenta Dilma o veto dos parágrafos 1º, 5º, 7º e 8º do artigo 32 da Lei. Por quê? Eles vedam “a veiculação remunerada de anúncios e outras práticas que configurem comercialização de seus intervalos, assim como a transmissão de publicidade comercial” e prevêem que “em caso de inviabilidade técnica ou econômica”, a critério da ANATEL, as operadoras fiquem desobrigadas de transmitir os chamados “canais públicos de utilização gratuita”, isto é, comunitários, legislativos, universitários, educativos, culturais, dentre outros.
A Presidenta Dilma não atendeu à solicitação da ABCCOM.
6. Para alguns “liberais” que repudiam qualquer tipo de interferência do Estado, as “disposições retrógradas” da lei – válidas apenas para os próximos 12 anos! – são: (1) o estabelecimento de cotas para produtores nacionais (inexpressivas 3h30 por semana quando se considera que no 1º substitutivo do projeto original previa-se exatamente o dobro deste tempo e/ou quando se compara aos 50% exigidos em países da Europa); e (2) o papel atribuído à ANCINE que expedirá os certificados de produção nacional ou independente para o que de fato merecer essa classificação.
Lições possíveis
Vale registrar que não só o senso comum, mas também teorias vigentes na Ciência Política, nos ensinam que uma das melhores maneiras de se identificar os interesses em jogo em determinada decisão é verificar como se manifestam sobre ela os principais atores envolvidos.
A epígrafe deste artigo aparece em editorial do jornal O Globo que começa elogiando as privatizações do governo FHC; desqualifica os “governos populistas” da Venezuela, da Bolívia, do Equador e da Argentina pelas “experiências desastrosas” no campo das comunicações; condena as propostas da 1ª. CONFECOM; e, por fim, elogia a aprovação do PLC 116, considerado “realista” e livre de “contaminações ideológicas dirigistas”.
Não estaria aí uma boa indicação de alguns interesses que estão sendo atendidos e de quem (de fato) ganha com a Lei 12.485?
Por fim, não podemos nos esquecer (1) que o critério fundamental para avaliação de qualquer legislação aplicável ao setor de comunicações deve ser sempre se ela possibilita o aumento da participação de mais e diferentes vozes no debate público; e (2) que a Lei 12.482 regula um setor importante, mas relativamente pequeno, do enorme campo que deverá ser abrangido por um marco regulatório voltado para a positivação do direito à comunicação no Brasil.
A ver.

Professor Titular de Ciência Política e Comunicação da UnB (aposentado) e autor, dentre outros, de Regulação das Comunicações – História, poder e direitos, Editora Paulus, 2011.

Carta Maior – Venício Lima – TV paga x TV aberta: Quem (de fato) ganha com a Lei 12.485?

16/09/2011

Exame grafológico do caráter da mídia

Filed under: A$$oCIAdos,PIG,TV a Cabo — Gilmar Crestani @ 8:15 am

Os principais grupos de mídia são contra a concorrência. Lei do mercado no dos outros é refresco. Capital estrangeiro? Só para os outros setores. Nacionalismo, só para o capital, não para o conteúdo.

Empresas planejam ir à Justiça contra nova lei de TV paga

Sky informa que entrará com ação ”nos próximos dias” contra as cotas de conteúdo nacional nos canais pagos

16 de setembro de 2011 | 0h 00

Renato Cruz – O Estado de S.Paulo

Muita gente comemorou a sanção da nova lei de televisão por assinatura pela presidente Dilma Rousseff, na segunda-feira. Mas as novas regras, que, entre outros pontos, acabam com a restrição à participação do capital estrangeiro na TV a cabo, estão longe de ser unanimidade. Empresas se preparam para ir à Justiça contra a nova lei.

Ação. Sky vai até o fim contra as cotas, segundo Baptista - Valéria Gonçalvez/AE-23/4/2010

Valéria Gonçalvez/AE-23/4/2010

Ação. Sky vai até o fim contra as cotas, segundo Baptista

O presidente da Sky, Luiz Eduardo Baptista, afirmou que a empresa deve entrar com uma ação contra as cotas de programação nacional "nos próximos dias". "Vamos esgotar todos os meios possíveis", disse ele. "O próximo passo é a Justiça."

A legislação obriga que os canais tenham até três horas e meia de programação nacional e regional por semana, em horário nobre, de acordo com o que for definido pela Agência Nacional de Cinema (Ancine). Metade dessa programação deve vir de produtores independentes.

Um terço dos canais do pacote de programação terá de ser brasileiro. Nos canais brasileiros, um terço da produção precisa ser independente e dois canais devem ter 12 horas diárias de programas brasileiros independentes.

"Nunca ninguém ligou para a central de atendimento da Sky para reclamar que falta conteúdo brasileiro no horário nobre", disse Baptista. "Quando a conta dessas cotas for apresentada para os assinantes, vamos lembrar a eles, a cada momento, quem foi que apoiou esse projeto."

A Associação Brasileira de Programadores de Televisão por Assinatura (ABPTA), que reúne os canais internacionais de TV paga, também se opôs às cotas na época em que o então chamado Projeto de Lei da Câmara (PLC) 116 estava em votação. Também no caso da ABPTA, o principal problema são as cotas. A associação informou que ainda analisa o texto sancionado.

A Rede Bandeirantes se opôs ao PLC 116, e preferiu não comentar a lei depois de aprovada. Na segunda-feira, porém, de acordo com o site Telesíntese, seu vice-presidente Frederico Nogueira anunciou que o grupo iria à Justiça.

A discordância da Bandeirantes, no entanto, é outra. A lei proíbe quem produz conteúdo de distribuí-lo. A Bandeirantes é dona da empresa de cabo TV Cidade. Para se adequar à lei, teria de vender o controle da operação.

Apesar da polêmica, o PLC 116 recebeu apoio das operadoras de telecomunicações, que eram impedidas de ter empresas de TV a cabo em sua área de concessão pelas regras antigas.

Com a mudança, a Embratel, que pertence à mexicana América Móvil, poderá comprar a participação da Globo na Net e, a espanhola Telefônica, a da Abril na TVA.

Além disso, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) colocará à venda novas licenças de TV a cabo. Faz mais de uma década que a agência fez o último leilão de cabo.

Celular. Baptista, da Sky, também criticou a posição das operadoras celulares sobre a quarta geração da telefonia celular (4G). Elas brigaram por vários anos para ficar com a maior parte da faixa de 2,5 GHz, ocupada pelas empresas de MMDS (TV paga por micro-ondas), argumentando que o espectro usado atualmente ficará rapidamente congestionado.

Depois de terem conseguido o que queriam, começaram a defender o adiamento do leilão, previsto para abril de 2012. "Esse desfecho é previsível e melancólico", disse o presidente da Sky. "Todos os movimentos das operadoras são no sentido de evitar a concorrência. Isso acaba prejudicando o cidadão brasileiro."

No mês que vem, a Sky vai lançar seu serviço de banda larga sem fio em Brasília, usando a faixa do MMDS. "Estamos animados", disse Baptista. Segundo ele, ainda falta sair a homologação dos equipamentos pela Anatel. A Sky está instalando 80 antenas para cobrir a cidade.

Empresas planejam ir à Justiça contra nova lei de TV paga – economia – versaoimpressa – Estadão

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: