Ficha Corrida

21/11/2015

A direita só vai presa quando puder arrastar junto a esquerda

fhc-imprensaA possibilidade de que a elite econômica padeça na justiça do mesmo rigor com que a esquerda é contemplada depende da… direita. Os maiores baques sofridos pela direita foram perpetrados pela própria direita. Graças à José Serra, via Mauro Chaves, o “Pó pará, governador” grudou de tal forma em Aécio Neves como se já tivesse nascido com ele. Outra obra inesquecível foi o Caso Lunus, em que, para eliminar uma candidata do seu campo, o ramo da Polícia Federal subordinado aos interesses de Serra vigiou de perto os dutos que abastecia o comitê de campanha rebento feminino do clã Sarney, Roseana Sarney.

A Lava Jata, assim com já fora o Mensalão, por visarem eliminar cabeças da esquerda, levam de roldão apenas quem pode servir ao plano. Não se trata de punir a corrupção, mas de punir a concorrência na corrupção. O caso mais emblemático que ilustra esta estratégia pode ser vistas diariamente no Congresso. Enquanto servia de algoz a Dilma, Lula e ao PT, Eduardo CUnha era a Meca dos jihadistas do exército islâmico abrigado no MPF/PF. Mesmo agora, bagaço a ser cuspido, continua podendo interferir na aplicação da justiça, corrompendo, ameaçando e ocultando provas sem que nada lhe aconteça. A família de Lula sofre contínua devassa, mas os devassos podem continuar ocupando microfones e manter o modus operandi que esvazias as burras das viúva.

Note que da oposição, apenas mortos ou personagens secundários aparecem. E ainda assim apenas para justificar a caça ao Lula. É a forma de iludir a opinião pública de que, aos olhos do Procuradores e Polícia Federal, perante a lei todos são iguais. Não nos esqueçamos, o mensalão do PT, filho do mensalão do PSDB, foi julgado e seus acusados, punidos. Já o mensalão do PSDB continua esquecido em algum escaninho das proteções mafiosas.

Dois episódios são ilustrativos da proteção mafiomidiática: 1) o caso FHC & Miriam Dutra e 2) o Escândalo da Parabólica. São ilustrativos o suficiente para demonstrar o caráter obsceno das relações do lumpenjornalismo com o poder político.

Outro episódio que ilustra a captura das instituições pelo lumpenjonalismo é a Operação Zelotes. A RBS pagou R$ 11 milhões para se sagar de R$ 111 milhões em impostos. Qual foi o único escritório invadido pela Polícia? O do filho do Lula… Até as noras foram objeto de acusações, mas a famiglia do estuprador de Florianópolis permanece dando cartas e jogando de mão. Coincidência, Sarney & Sirostky são filiais da Rede Globo

Justiça Federal nega pedido de prisão para Ricardo Murad

Por jloeffler

No dia 20/11/2015

Em Noticias

Corretíssima a decisão, pois não sendo genro do LULA e sim do SARNEY obviamente ele é honesto está sendo assim injustiçado.
O Editor

__________________________________________________-

Publicado em: 19/11/2015 – 18:06

O juiz federal da 1ª Vara Federal de São Luís, Roberto Carvalho Veloso, negou, na tarde de ontem (19), o pedido de prisão, feito pela Polícia Federal, do ex-secretário de Estado da Saúde Ricardo Murad.

Veloso entendeu que a prisão é desnecessária, mas decidiu apreender o passaporte de Murad, impedindo-o de sair de São Luís.

No despacho, o magistrado expediu mandado de busca e apreensão, solicitado pela PF, na casa onde morou a mãe do ex-secretário, falecida recentemente. A PF esteve na casa, mas nada encontrou.

Ricardo Murad – que foi secretário da Saúde na gestão de Roseana Sarney (PMDB), de quem é cunhado – foi uma das 27 pessoas conduzidas coercitivamente na Operação “Sermão aos Peixes”, da Polícia Federal, deflagrada na segunda-feira (16).

Ele depôs na PF por 15 horas (das 11h30 da terça às 2h30 da quarta), só então sendo liberado.

Na operação também foram cumpridos 13 mandados de prisão preventiva e 60 de busca e apreensão.

Doações eleitorais – Segundo a PF, duas entidades não governamentais contratadas pela Secretaria de Saúde do Maranhão para gerir unidades hospitalares do Estado, o ICN (Instituto Cidadania e Natureza) e a Bem Viver, contrataram, sem licitação, inúmeras empresas para serviços terceirizados.

Esse grupo de empresas recebeu um total de R$ 205,6 milhões em recursos públicos. Na mesma época, essas empresas, de acordo com a PF, beneficiaram campanhas eleitorais com doações registradas na Justiça Eleitoral em um total estimado em R$ 4,9 milhões.

Uma das principais contribuintes de campanha foi a Litucera Limpeza e Engenharia, sediada em Vinhedo (SP). A Litucera recebeu R$ 15,8 milhões da Bem Viver e outros R$ 28,2 milhões do ICN. Desse montante, segundo o relatório da PF, a Litucera destinou pelo menos R$ 1,9 milhão para candidatos nas eleições de 2010, 2012 e 2014.

“A autoridade policial logrou demonstrar que além da prefeita eleita [de Coroatá] Maria Teresa Trovão Murad, esposa de Ricardo Murad, a Litucera financiou a campanha de mais 60 candidatos a vereador, sendo que foram eleitos sete vereadores do total de 13 vereadores, que corresponde a 53% do total de vereadores da Câmara Municipal”, escreveu o juiz Roberto Veloso.

Além de ajudar a mulher do então secretário de Saúde com R$ 186 mil, a Litucera também destinou R$ 200 mil à campanha da filha do casal, a deputada estadual Andrea Trovão Murad (PMDB) e outros R$ 22 mil ao irmão de Maria Teresa, Alexandre Cesar Trovão, hoje presidente da Câmara de Coroatá.

No total, segundo a PF, 61 campanhas eleitorais de candidatos ligados a Ricardo Murad, em 2010, 2012 e 2104, foram turbinadas com recursos oriundos do “esquema” das empresas terceirizadas na Saúde.

Levantamento feito pelo jornal Folha de S. Paulo aponta que uma das empresas investigadas também destinou R$ 1 milhão, em 2010, para a campanha que reelegeu a governadora Roseana Sarney, em doação registrada para a direção estadual do PMDB do Maranhão – e outros R$ 730 mil para a direção da sigla no Tocantins.

Copiado de: jornalpequeno.com.br

Praia de Xangri-Lá | Saiba tudo o que REALMENTE acontece em Xangri-Lá

25/09/2015

Até que enfim aparece a explicação porque Sarney votou no Aécio

Sarney votou no AécioSó para lembrar, Sarney é do PMDB do Pedro Simon, do Tiririca da Serra, do Eduardo Cunha. A famiglia Sarney é dona da TV Mirante, filial da Rede Globo no Maranhão e, portanto, colega de outros coronéis regionais, com os quais sentam à mesa para rezar para São Marinho, como os Sirotsky, no Sul, Collor nas Alagoas e ACM na Bahia. Como diria minha falecida avó, o melhor não dá sabão…

Ex-chefe da Casa Civil de Roseana Sarney tem prisão decretada

Carlos Madeiro
Colaboração para o UOL, em Maceió

24/09/201519h41

A Justiça do Maranhão decretou, nesta quinta-feira (24), a prisão preventiva do ex-chefe da Casa Civil no governo de Roseana Sarney (PMDB) no Maranhão, João Abreu. Ele é acusado de receber R$ 3 milhões em propina do doleiro Alberto Yousseff para intermediar o pagamento de um precatório à construtora Constran. No final de agosto, Abreu foi indiciado por corrupção. 

Segundo o delegado-geral da Polícia Civil do Maranhão, a ordem de prisão foi dada pelo juiz Osmar Gomes, responsável pela Central de Inquéritos. Nesta tarde, policiais foram até o prédio onde mora o ex-chefe da Casa Civil, no bairro nobre de Ponta da Areia, em São Luís, mas não o acharam.

"Nós estamos fazendo campana permanente no prédio dele porque tivemos informações de que ele estaria no local, mas não o encontramos. Ele pode estar escondido em outro apartamento. Por conta disso, vamos permanecer até que todos sejam averiguados", disse.

O acordo que teria sido fechado com pagamento de propina pelo governo do Maranhão com a construtora resultou no acerto de pagamento de R$ 114 milhões à empreiteira envolvida na operação Lava Jato. Segundo as investigações, Abreu cobrou e recebeu do doleiro R$ 3 milhões para agilizar o acordo.

O doleiro Alberto Youssef foi preso em um hotel de luxo na capital maranhense no dia 17 de março de 2014. Ele estaria na cidade para pagar propina a João Abreu. A prisão desencadeou a Lava Jato.

O UOL tentou falar com o advogado Carlos Seabra, que defende João Abreu, mas ele não atendeu as ligações. Em outra ocasião, ele negou que seu cliente tivesse recebido qualquer tipo de pagamento irregular.

O acordo entre governo e Constran foi fechado no dia 23 de novembro de 2013, com a autorização da juíza da 1ª Vara da Fazenda Pública, Luiza Neponucena. O pagamento autorizado era referente à dívida gerada por obras rodoviárias executadas nos anos 1980, e o acordo foi pago em valor integral, sem deságio –apenas com desconto de juros.

Em apenas 33 dias após a assinatura, a Constran recebeu a primeira parcela do acordo: R$ 4,7 milhões, furando uma longa fila existente de precatórios no Estado que deveriam ter sido pagos antes.

Ao todo, foram pagas sete parcelas. Em junho, quando o caso veio à tona, a Justiça suspendeu o acordo.   Até agora foram pagos R$ 34 milhões do acordo.

A nova gestão do governo do Maranhão fez uma auditoria sobre o precatório e concluiu que houve dano aos cofres públicos –já que o débito seria de menos de R$ 50 milhões.

30/01/2015

Ufa, Folha descobre nepotismo no Maranhão

De repente, não mais que de repente, o Maranhão começa a merecer atenção dos grupos mafiomidiáticos. Durante décadas a famiglia dos Honoráveis Bandidos mandou e desmandou no Maranhão. O capo di tutti i capi chegou a ocupar, por largos anos, espaço de articulista na Folha de São Paulo. Seria um pedido do mais ilustre eleitor do Aécio Neves no Maranhão?! Vamos lembrar que mesmo se dizendo apoiador de Dilma, Sarney foi flagrado pela TV apertando o 45 do Aécio nas últimas eleições.

Com Flávio Dino, do PC do B, a Folha começa a se ocupar do Maranhão. Mesmo Sarney tendo trabalhado na Folha, parece que a ela, a Folha, não sabia que Roseana era filha dele, Sarney. Talvez por isso nunca tenha dado uma manchete sequer negativa ao donatário do Maranhão. Ah, sim, houve um momento muito específico, quando o araponga do José Serra precisou detonar a candidatura da Roseana, no famoso caso Lunus

Dino nomeia parentes de aliados no Maranhão

Atual governador criticava presença de familiares nas gestões dos Sarney

Parentes, namorada e até sócio de auxiliares têm cargos; governo diz que aptidões levaram à escolha dos nomeados

DIÓGENES CAMPANHADE SÃO PAULO

Principal adversário da família Sarney no Maranhão, o governador do Estado, Flávio Dino (PC do B), abriga em postos importantes parentes, namorada e até sócio de aliados.

A prática não configura nepotismo, já que os nomeados não atuam nos mesmos órgãos que os auxiliares aos quais são ligados. Mesmo assim, vem rendendo críticas a Dino, que condenava o nepotismo no governo dos Sarney.

O secretário de Articulação Política, Márcio Jerry, tem a namorada chefiando o gabinete do governador e a irmã dela como número dois da pasta de Esporte e Lazer.

A professora Joslene da Silva Rodrigues, namorada de Jerry, é dirigente do PC do B e próxima de Dino. Atuou na coordenação das campanhas e em seu gabinete quando ele foi deputado federal.

A irmã dela, Joslea, foi nomeada secretária-adjunta de Esporte. Ex-judoca, chefiou o departamento do idoso da pasta na gestão Roseana Sarney (PMDB) e atuou no Ministério do Esporte, comandado até 2014 pelo PC do B.

Na Secretaria de Representação Institucional do Maranhão no DF, a adjunta carrega um sobrenome conhecido: Liz Ângela Gonçalves de Melo é irmã do presidente do instituto de terras do Estado.

Ana Karla Silvestre Fernandes, mulher do ex-governador e futuro secretário de Minas e Energia, José Reinaldo Tavares, foi nomeada corregedora-geral do Estado.

Outro parente nomeado, o advogado César Pires Filho, assessor jurídico do Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial do Maranhão, tem sangue oposicionista. Seu pai, o deputado estadual César Pires (DEM), foi líder do governo Roseana na Assembleia.

A presença de familiares no governo era uma das principais críticas da oposição nos anos de predomínio do grupo de Sarney. Um dos exemplos mais conhecidos era Ricardo Murad, cunhado de Roseana, que comandou a Secretaria da Saúde até o 2014.

Além de parentes, a gestão Dino terá o antigo sócio de um secretário justamente na pasta de Transparência e Controle, uma das principais promessas de sua campanha.

O titular, Rodrigo Lago, nomeou como chefe da assessoria especial Marcos Canário Caminha, com quem dividia um escritório de advocacia.

Embora o governo defenda as nomeações, um de seus auxiliares admite "incômodo político".

"Do ponto de vista jurídico, é evidente que não caracteriza nepotismo. Sob o ponto de vista político, não deixa de ser um certo incômodo, porque afinal de contas a gente vinha se debatendo com o grupo Sarney", afirma o futuro secretário de Representação Institucional no DF, Domingos Dutra.

19/01/2014

Para a Globo, é Rede: prá mim, quadrilha!

A Rede Globo, montada durante a ditadura, com ajuda dos milicos, reuniu a fina flor do fascio. Roberto Marinho, capo dei tutti i capi. No RS, Sirotsky; na Bahia, ACM. Em Alagoas, Collor. No Maranhão, Sarney. E mesmo tendo uma Rede de Televisão, Sarney ocupou por longos anos espaço cativo na Folha de São Paulo. Com ajuda de Roberto Marinho, chegou a Academia Brasileira de Letras. Todas estas famiglias não eram ninguém antes da ditadura. Depois, multi-milionários.

E depois bandido é o Genoíno!

Afiliada, Roseana reclama cada vez mais da Globo

:

Uma das proprietárias da afiliada da Rede Globo no Maranhão, a TV Mirante, governadora Roseana Sarney (PMDB) se diz vítima de perseguição da grande mídia, desde o início da crise no sistema prisional no Estado; ela está extremamente desconfortável com a cobertura da TV dos irmãos Marinho; matéria de cinco minutos no Jornal Nacional na quarta-feira passada sobre problemas indicadores sociais foi considerada um exagero pela governadora

19 de Janeiro de 2014 às 12:03

247 – A governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), ficou extremamente desconfortável com as sucessivas reportagens sobre a crise prisional e sobre os indicadores sociais do Maranhão veiculadas pela Rede Globo nas últimas semanas. Roseana é uma das proprietárias das ações da TV Mirante, afiliada da Rede Globo no Estado, e ficou surpresa com a forma como a emissora tratou o assunto. Além de Roseana, o empresário Fernando Sarney, seu irmão, e o senador José Sarney (PMDB-AP), seu pai, são proprietários da afiliada.

Segundo matéria do portal IG, a governadora do Maranhão se diz perseguida da grande mídia. Ela teria ficado surpresa com reportagem de cinco minutos do Jornal Nacional da última quarta-feira sobre os problemas sociais do Maranhão. Aliados da governadora informaram que ela classificou como “exagero” a exposição que o Estado vem tendo nos últimos dias.

No entanto, essa não é a primeira vez que Roseana tem que enfrentar desconfortos por matérias veiculadas pela Rede Globo. No ano passado, a emissora citou problemas na saúde do Maranhão no programa “Profissão Repórter”, mostrando falhas do programa “Saúde é Vida”, que previa a construção de 62 hospitais, mas sem nenhum concluído.

Afiliada, Roseana reclama cada vez mais da Globo | Brasil 24/7

24/11/2012

Cabeça de bagre com rabo de baleia

Ou rabo de baleia com cabeça de bagre. Em todo caso, ao contrário do cão, é o rabo(preso) que balança o corpo.

Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney

publicado em 24 de novembro de 2012 às 11:37

     

Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney. Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF

Gurgel acuado

por Mauricio Dias, em CartaCapital

É sinal positivo o clamor da oposição, em coro com trêfegos parlamentares da base governista, contra o texto do deputado Odair Cunha (PT-MG), relator da CPMI sobre as atividades  criminosas e as afinidades eletivas do bicheiro Carlinhos Cachoeira.

Cunha incomodou muita gente e contrariou variados interesses. Não se sabe se o relatório conseguirá cruzar a tempestade provocada pelos contrariados e chegar a porto seguro. Na partida, se assemelha a um barquinho navegando sob bombardeio. E pode afundar antes de ancorar.

A lista de indiciados e de responsabilizados, elaborada por Cunha, é uma carga pesada. O relator julgou suficientes as provas colhidas que, em princípio, são capazes de derrubar o governador tucano Marconi Perillo (GO); de incriminar jornalistas que, ao romper limites éticos, transitaram do campo da investigação para o da associação, e de provocar danos graves ao empresário Fernando Cavendish, da Delta, entre outros casos.

Notadamente, o relatório pode desestabilizar o procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Gurgel é peixe graúdo. A contrariedade da mídia, com a inclusão do nome dele na lista de Cunha, comprova. Ele tornou-se um procurador heterodoxo. Virou peça do jogo político de curto e de longo prazo. Em linhas gerais, passou a atuar afinado com a oposição a Dilma, a colaborar com o esforço de neutralização de Lula e, por fim, mas não menos importante, a agir com o objetivo de encerrar o ciclo do PT no poder.

Caso aprovado, o relatório de Cunha pode abalar Gurgel e, inclusive, interferir na própria sucessão dele, na PGR, em julho de 2013.Roberto Gurgel é acusado por crimes constitucional, legal e funcional. A aprovação do relatório, nesse ponto, levará a questão à Comissão de Constituição e Justiça do Senado, competente para processar o procurador-geral por crime de responsabilidade.

No STF, Gurgel seria julgado por improbidade administrativa e por prevaricação.O procurador-geral foi fisgado porque manteve engavetadas as denúncias da Operação Vegas. Assim atraiu a suspeita de ter sido conivente com as atividades criminosas de Cachoeira, apuradas pela Polícia Federal. Ele alegou à CPI que tinha detectado somente desvios no “campo ético”, insuficientes para abrir ação penal.

Gurgel, no entanto, mantém outros problemas na gaveta. Há quase cem dias guarda o processo enviado ao Ministério Público, no qual a governadora Roseana Sarney (MA) é acusada de assinar convênios com as prefeituras, no valor aproximado de 1 bilhão de reais. Cabe a ele dar um parecer que pode levar Roseana a perder o mandato.

Há quem veja nessa morosidade um conluio entre o senador Sarney, pai da governadora, e Gurgel. Sustentam essa hipótese renitentes coincidências. José Arantes, assessor parlamentar do procurador-geral foi assessor parlamentar de Sarney na Presidência da República. Seria apenas um detalhe curioso?

Mas há problemas concretos. Um deles, já denunciado nesta coluna, levou o presidente da Câmara quase à exasperação. Na terça-feira 20, o deputado Marco Maia criticou pública e duramente o Senado pela morosidade em votar a indicação do professor Luiz Moreira, já aprovada pelos deputados, para o Conselho Nacional do Ministério Público (CNPM).

Seria “morosidade gurgeliana”? Ou seja, a indicação estaria bloqueada por Sarney em favor de Gurgel? Gurgel teria bloqueado o processo de Roseana em favor de Sarney? Finalmente, haveria nessa história uma vergonhosa troca de favores?

Mauricio Dias: Há cem dias, Gurgel guarda um processo que ameaça Roseana Sarney « Viomundo – O que você não vê na mídia

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: