Ficha Corrida

04/11/2011

Imprensa é quem “endeusa” Lula com os ataques vis que lhe faz

Filed under: Colonista,Grupos Mafiomidiáticos,Lucia Hippolito,PIG — Gilmar Crestani @ 10:07 am
Tags:

A mídia assustada com as serpentes? Ué, mas quem sai aos seus não degenera… Fosse assim, como dizem, que Lula deveria se tratar no SUS, só para ficar nos colonistas, então Lúcia Hippólito deveria falar somente de bêbados. Veja porque…

Imprensa é quem “endeusa” Lula com os ataques vis que lhe faz

Posted by eduguim on 03/11/11 • Categorized as denúncia

Eles estão se dizendo “indignados” e “chocados” com os ataques vis que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva passou a receber nas redes sociais da internet logo após o anúncio de que está sofrendo de câncer. Um após o outro, os colunistas da grande imprensa vêm recitando um discursinho pasteurizado de que do lado dos que atacam Lula estão os “trogloditas”, mas do outro estão os que tentam “endeusá-lo”, como se isso, mesmo se fosse verdade, justificasse os ataques desumanos, selvagens e psicóticos a que o país assiste estarrecido.

Nos últimos dias, li sucessivos textos de colunistas do Estadão, da Folha e das Globos dizendo isso. Clóvis Rossi, Dora Kramer, Eliane Cantanhêde, Gilberto Dimenstein… E por aí vai. Esse neo bom-mocismo desses colunistas até quebrou um pouco o consenso que todos eles, em uníssono, costumam ter sobre política – consenso que é formulado nos “aquários” e por eles “decretado”, como se sabe.

Esses colunistas bonzinhos e sensíveis estão se contrapondo a outros como Reinaldo Azevedo ou Elio Gaspari, que andaram “fundamentando” a cobrança a Lula para que se trate no SUS com o “argumento” de que o ex-presidente um dia elogiou o sistema ao inaugurar um hospital, ou à comentarista da CBN Lucia Hippolito, que voltou novamente à ribalta ao acusar Lula de ser alcoólatra depois de ela ter feito uma tentativa de comentário naquela rádio, um tempo atrás, estando visivelmente alcoolizada.

Todos os citados e muitos outros que alguém certamente leu por aí, porém, têm algo em comum: vêm com a mesma história de que os “trogloditas” se contrapõem aos “fundamentalistas” que quereriam “endeusar” ou “santificar” Lula, o que é apenas uma estratégia para “explicarem” a conduta animalesca dessa gente covarde que se aproveita de um momento em que seu alvo preferido há décadas não pode nem falar para se defender para lhe fazer acusações e cobranças sem qualquer traço de racionalidade, sensibilidade e decência.

Quero que achem aqui ou em qualquer um dos blogs autoproclamados progressistas, que são os mais simpáticos a Lula, qualquer tentativa de “endeusá-lo” ou “santificá-lo”. Muito pelo contrário: à diferença de blogs realmente fundamentalistas como o de um Reinaldo Azevedo, principal incentivador da “teoria” de que Lula deveria se tratar no SUS, blogs como este permitem ataques de todos os tipos ao ex-presidente e muitos lhe fazem críticas pontuais. Nos blogs fundamentalistas de direita, só pode comentar quem concorda com os blogueiros.

A simpatia por Lula se cristaliza justamente por isso: alvo de ataques injustos, repulsivos, chocantes e desumanos, e de mentiras absurdas e facilmente desmontáveis que a mídia pensa que impede que sejam desmontadas, esse político que a tudo sempre suportou com estoicismo e dignidade acaba sendo transformado em uma eterna vítima e alvo da solidariedade de qualquer um que seja contrário à injustiça e à covardia independentemente de quem for o alvo.

Esse discurso hipócrita desses colunistas “bonzinhos” contrapõe os que nunca tentaram “endeusar” Lula coisa nenhuma, mas apenas defender um homem contra quem jamais foi levantada uma única acusação que tenha se provado verdadeira em suas décadas sucessivas de atuação política, àqueles que, como chacais ou abutres, só atacam vítimas fragilizadas e que não podem se defender. Fazem isso porque a culpa por esses dementes estarem se reproduzindo em escala geométrica é da mesma imprensa que lhes fornece a semente do ódio.

As críticas incessantes que a grande imprensa faz a todos os aspectos da figura humana de Lula, com ilações sobre seu caráter, com mentiras e distorções sobre sua atuação política, com a negação quase completa de qualquer mérito na obra imensa que realizou no país em seu período de oito anos na Presidência se contrapõem a esses mesmos colunistas “chocados” com a selvageria com que o atacam. Agora lhe reconhecem algum mérito, sim, mas fazem isso para se eximir da culpa que têm e que o jornalista Kennedy Alencar vocalizou com perfeição anteontem na rádio CBN.

Alencar acusou até os próprios colegas na Folha de São Paulo que estão formulando essa teoria maluca de “endeusamento de Lula” ao dizer que a imprensa tem culpa pela onda de ódio que se levantou contra o ex-presidente, ainda que, estatisticamente, essa onda nada represente diante de um quadro em que oitenta por cento da sociedade o aprova com entusiasmo. Por isso é que vivo dizendo que a grande imprensa ainda irá canonizar Lula, pois ao atacá-lo da forma baixa que se vê quase todo dia minimiza defeitos que qualquer ser humano tem.

—–

A campanha Respeitem Lula, o Estadista que Ergueu o Brasil continua. Você pode deixar seu comentário de apoioaqui ou pode aderir a ela no Facebook clicando aqui. Será mantida e lembrada por muito tempo, ainda. Quando tiver um bom número de adesões, imprimirei todos os comentários e enviarei ao ex-presidente. Até agora, no Facebook, quase 2.000 pessoas já aderiram. Adira você também e divulgue essa campanha justa e necessária.

—–

Assista, abaixo, ao comentário cristalino do jornalista Bob Fernandes sobre o assunto.

Imprensa é quem “endeusa” Lula com os ataques vis que lhe faz | Blog da Cidadania

02/11/2011

A euforia com a doença é pior do que um câncer

Equipes de TV em frente ao Sírio Libanês. Ex-presidente deixou o hospital nesta terça (1º) e seguirá com tratamento contra câncer na laringe

Equipes de TV em frente ao Sírio Libanês. Ex-presidente deixou o hospital nesta terça (1º) e seguirá com tratamento contra câncer na laringe

Marcelo Semer
De São Paulo

A revelação da grave doença do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva trouxe, infelizmente, bem mais do que uma onda de solidariedade.

A ira, o rancor e até um inacreditável entusiasmo ultrapassaram todos os limites do bom senso, descortinando um ódio de classe que, descobriu-se, ainda continua exageradamente impregnado.

O líder da juventude do PSDB usou o Twitter para equiparar jocosamente a luta de Lula contra o câncer a suas disputas eleitorais, lembrando sintomaticamente de "duas derrotas para FHC".

A jornalista Lúcia Hipólito não se constrangeu ao atribuir, sem qualquer autoridade, a doença a um suposto alcoolismo do ex-presidente -que estaria pagando agora o preço por todas que tomou.

No Facebook, uma hipócrita campanha se alastrou pela classe média bem nutrida provocando Lula a se tratar em hospitais do SUS, que pouquíssimos deles frequentam, aliás.

Com uma indisfarçável satisfação e a suprema ironia da desgraça, utilizaram a mais drástica das oportunidades para menosprezar a importância social do ex-presidente. Depois, é lógico, de terem comemorado a derrota do financiamento para a saúde pública.

A euforia com a doença alheia é ainda pior do que o próprio câncer.

O cálculo político também.

Não demorou nada desde que o diagnóstico se tornou público, para que os astrólogos da grande imprensa passassem a fazer suas assombrosas previsões.

Lula estará afastado das campanhas municipais, prejudicará os resultados de seu partido em 2012 e aqueles que dele dependerem vão ficar à míngua. Enfim, uma nova história política começando a ser escrita.

São os mesmos futurólogos, no entanto, que cravaram o mensalão como sua morte política, que desprezaram as chances de Dilma no começo da campanha e sepultaram o kirchnerismo na Argentina junto com o ex-presidente Nestor.

O que há de tão errado nas análises é que são frutos do desejo, não do conhecimento. Apostas da esperança, não da lógica.

Não se viu campanha para que o empresário José Alencar, que tratou de seu câncer na vice-presidência, frequentasse os hospitais públicos.

Fernando Henrique Cardoso criou a CPMF em seu governo para vitaminar a saúde, mas quem teve coragem de exigir que sua esposa fosse tratada no SUS, destinatário daqueles impostos?

Para muitos, Lula deve honrar sua origem pobre.

Não na hora de estimular transferências de renda ou impulsionar acesso dos mais humildes às universidades públicas -que incomodam ou dificultam o caminho da classe média.

Deve honrar sua origem de pobre vivendo como um pobre, vestindo-se como um pobre, tratando-se como um pobre.

A trajetória de Lula deveria ser um orgulho para o país. Um daqueles exemplos de como até um capitalismo mal ajambrado e uma democracia censitária como a nossa permitem, vez por outra, tal ascensão.

Mas para quem está no andar de cima, é um ultraje que ele tenha deslocado o foco do Estado para a pobreza, valorizado tanto os carentes, estimulado, sobretudo, as regiões e as populações mais incultas.

Afinal, as entradas social e de serviço não podem jamais se confundir num país de tantas casas-grandes e senzalas.

O recrudescimento do discurso dos colunistas do ódio, a campanha eleitoral que beirou o terrorismo, a xenofobia rediviva, enfim, colheram seus frutos.

E muitos daqueles que estimularam a política do tudo-ou-nada, demonizando a figura de Lula, acostumando o público aos ataques pessoais mais repulsivos, de repente se assustaram com os ecos de seus próprios leitores.

Lula não é um semideus. Não está isento de críticas por causa da doença e não traz consigo uma história de vida sem defeitos ou perversões -como, de resto, nenhum de nós.

Mas a delicada situação em que se encontra não é a melhor oportunidade para que nos divorciemos de nossa humanidade.

Marcelo Semer é Juiz de Direito em São Paulo. Foi presidente da Associação Juízes para a Democracia. Coordenador de "Direitos Humanos: essência do Direito do Trabalho" (LTr) e autor de "Crime Impossível" (Malheiros) e do romance "Certas Canções" (7 Letras). Responsável pelo Blog Sem Juízo.

A euforia com a doença é pior do que um câncer – Terra – Marcelo Semer

31/10/2011

Praga de urubu em cavalo gordo

Filed under: CBN,Lucia Hippolito,Lula,Rede Globo de Corrupção — Gilmar Crestani @ 9:03 am
Tags:

 

Gerson Carneiro: Praga de urubu não pega

Gerson Carneiro, por e-mail

Caríssimos Luiz Carlos Azenha e Conceição Lemes, segue áudio da Lucia Hippolito debochando, torcendo e comemorando a doença do Lula. Inacreditável. Aparecem coisas do tipo:

“… não é surpresa tendo em vista o abuso da fala do Presidente que jamais teve um exercício de fonoaudiologia, de nada disso, e tava no palanque todo santo dia, tabagismo, alcoolismo..”

“…o presidente Lula sempre teve aquela voz feia…”

http://www.cbn.com.br/Player/player.htm?audio=2011/colunas/lucia_111029&OAS_sitepage=cbn/editorias/pais

Essa demonstração de euforia por vislumbrar uma possibilidade de finalmente calar o Lula, demonstrada pela Lúcia Hippolito, é um um sinal de extrema fraqueza, porque,  além de tudo, deixa transparecer que lhe resta como única possibilidade de felicidade a morte do Lula.  Tudo isso mostra  a pequenez dos porta-vozes da direita e como Lula é grande.

Leia também:

Luis Nassif: Como seria um Brasil sem Lula?

#forçalula

Lula inicia quimioterapia na segunda-feira

Lula tem um tumor na laringe

Lula no Sciences-Po: “Os jovens não têm o direito de desanimar nunca!”

O outro lado da foto do estudante que “atacou” Lula na Bahia

Martin Granovsky: Foi preciso um argentino defender Lula em Paris

Gerson Carneiro: Praga de urubu não pega | Viomundo – O que você não vê na mídia

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: