Ficha Corrida

21/09/2013

Os maiores corruptores tem sede nos EUA

Filed under: Bancos,Corruptores,Isto é EUA!,JP Morgan — Gilmar Crestani @ 10:08 am
Tags:

JP Morgan pagará US$ 920 mi por esconder perdas

Banco fez manobras contábeis para encobrir rombo causado por derivativos

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

O banco de investimento americano JP Morgan aceitou pagar um total de US$ 920 milhões em multas por irregularidades cometidas com operações de derivativos no Reino Unido entre o fim de 2011 e o início de 2012.

O caso, conhecido como baleia de Londres, envolve transações que resultaram em rombo para o banco de mais de US$ 6 bilhões.

As autoridades reguladoras acusam os executivos de falsificar documentos e alterar balanços para encobrir a perda. Dizem ainda que eles tentaram esconder fatos e não colaboraram com as investigações conduzidas pelos reguladores.

A punição representa um revés para o banco pela sua reputação de ter uma das melhores áreas de contenção de risco do mercado financeiro.

O presidente do banco, James Dimon, chegou a classificar a preocupação dos investidores com as operações de "uma tempestade no copo d’água" quando as primeiras suspeitas começaram a ser reveladas, em março do ano passado.

Ao aceitar pagar as multas nesta semana, o banco admitiu o erro. "Aceitamos a nossa responsabilidade e reconhecemos os erros desde o início e aprendemos com eles trabalhando para consertá-los", afirmou Dimon.

01/09/2013

JP Morgan, braço armado da bandidagem financeira internacional

Filed under: Financiadores Ideológicos,JP Morgan,Quadrilha — Gilmar Crestani @ 6:17 pm
Tags:

 

Días de tormenta en JP Morgan

Multas millonarias e investigaciones internas por sobornos en la semana en que detienen al ejecutivo español acusado de ocultar pérdidas enormes

Sandro Pozzi / Joseba Elola Nueva York / Madrid 1 SEP 2013 – 00:35 CET12

Un hombre camina frente a las oficinas de JP Morgan en Nueva York, en julio de 2012. / ANDREW BURTON (REUTERS)

Nadie discute que Jamie Dimon fue uno de los salvadores del sistema financiero. En plena crisis del sector, el presidente ejecutivo de JP Morgan Chase explotó como nadie los medios de comunicación para criticar los excesos de Wall Street y defender el modelo de negocio de su banco. Una arrogancia que no gustó a sus pares, mientras los políticos en Washington resaltaban su figura, incluido el propio presidente Barack Obama.

Pero esos días en que le jaleaban han pasado. El banco que preside vive días de aguas turbias. Está siendo investigado por manipular precios en el mercado de la energía. El Gobierno de Estados Unidos pretende que pague una multa de 4.500 millones de euros por operaciones realizadas durante la crisis de las hipotecas subprime. Y en Madrid, esta semana, era por fin detenido Javier Martín-Artajo, el ejecutivo que se hallaba en busca y captura acusado de conspirar para ocultar pérdidas millonarias. La imagen de la entidad, otrora salvadora del sistema financiero, atraviesa días de zozobra.

Dimon se muerde en estos días la lengua para evitar que vaya más rápido que su cabeza. El llamado caso de la ballena de Londres, en el que está presuntamente implicado el directivo español Javier Martín-Artajo, ha dejado al banquero menos odiado de EE UU al desnudo. Y ni la maquinaría de lobby de Wall Street ni la influencia del banquero en la Casa Blanca impiden que la entidad esté bajo el foco por esos excesos del sector financiero que condujeron a la crisis.

JP Morgan, el mayor banco por activos de EE UU, y toda una fortaleza financiera —con un beneficio que ascendió en el primer semestre de este año a cerca de 10.000 millones de euros (13.025 millones de dólares), un 30% más que en 2012—, está siendo investigado por manipular los índices de los precios de la electricidad en California y en varios Estados del Medio Oeste estadounidense —a finales de julio pactó con el regulador norteamericano el desembolso de 305 millones de euros (410 millones de dólares)— . Además, se ha abierto una investigación para determinar si sus prácticas de contratación en China han violado la legislación que castiga los sobornos. Todo ello en una semana en que las autoridades norteamericanas le reclaman unos 4.507 millones de euros por los activos que vendió a las hipotecarias semipúblicas Fannie Mae y Freddie Mac.

“Es difícil que lo extraditen”, declara un abogado sobre Martín-Artajo

La tormenta de JP Morgan vivió además esta semana un episodio crucial en suelo español. El martes pasado era detenido en Madrid Javier Martín-Artajo, el español al que las autoridades norteamericanas acusan de haber conspirado y de haber falsificado datos para ocultar pérdidas millonarias desde su puesto de supervisor de la estrategia de inversiones de la oficina de JP Morgan en Londres.

El 14 de agosto la fiscalía estadounidense ponía al ejecutivo español en su punto de mira. Le señalaba como responsable de conspirar para maquillar pérdidas millonarias. Una operación que, como una bola de nieve, terminó convirtiéndose en un agujero de 4.500 millones de euros.

El fiscal del distrito sur de Nueva York, Preet Bharara, no pudo ser más claro al presentar los cargos. “Tal y como se alega, los acusados, Javier-Martín Artajo y Julien Grout [operador francés que trabajaba a las órdenes del ejecutivo español] mintieron deliberadamente y repetidamente acerca del valor real de miles de millones de dólares de activos para ocultar pérdidas masivas que crecieron mes a mes a principios de 2012”. Al ejecutivo español, el anuncio de la fiscalía estadounidense le pilló en España, de vacaciones, según señalan fuentes de su entorno.

Fue el martes pasado, a las 10.30 de la mañana, cuando Javier Martín-Artajo, de 49 años, decidía entregarse a la policía en una comisaría madrileña del barrio de Canillas. Daba este paso después de que el Grupo de Localización de Fugitivos Internacionales le convenciera de que era lo mejor que podía hacer. Ponía así fin a las dos semanas en las que estuvo en busca y captura, con una nota roja de la Interpol en el cogote, es decir, con las policías de medio mundo alertadas para atraparle. Su equipo jurídico se encuentra a la espera de que llegue la documentación en la que Estados Unidos pida formalmente su extradición, que debería llegar en el plazo de 40 días.

“Es bastante difícil que lo extraditen”, declara el abogado Marcelo Belgrano, especialista en Derecho Internacional. “La propia ley no permite la extradición de ciudadanos españoles”. El abogado matiza que si las autoridades españolas quisieran, lo podrían hacer, pero no es lo habitual. Se le debería juzgar, por tanto, en territorio español. Pero al estar todas las pruebas en territorio norteamericano, resultaría un proceso jurídico complejo.

El banco está siendo investigado por manipular precios del sector energético

Son días duros para Martín-Artajo. El ejecutivo está muy afectado, señalan fuentes de su entorno. Tras años de vivir como un rey, de estar en la cúspide de la City londinense, de ser uno de los traders mejor valorados en el banco de inversión JP Morgan, se encuentra de nuevo en su país, con el pasaporte retenido y una orden de extradición pendiente de llegar.

Javier Martín-Artajo tuvo una trayectoria brillante hasta que se destapó el escándalo de la ballena de Londres. Creció en una familia acomodada. Su tío abuelo fue Ministro de Relaciones Exteriores de Franco entre 1945 y 1957. Graduado por la Escuela Técnica Superior de Ingeniería (ICAI), cursó dos másteres MBA en la Universidad norteamericana de Columbia, trabajó como trader en Lehman Brothers y de allí saltó al Dresdner Bank. En mayo de 2007 aterrizó en JP Morgan, donde comandó el departamento de gestión de riesgos y consiguió notables resultados para la compañía. Hasta el año pasado. En julio de 2012, su brillante carrera se veía abruptamente interrumpida. Estallaba el escándalo. Despedido. Un año más tarde, el asunto se encuentra en fase penal.

El delito presuntamente cometido por el español consiste en haber ocultado pérdidas. En haber reflejado valoraciones infladas entre marzo y mayo de 2012. Los brokers más considerados en el mercado, explica un extrader que ha trabajado durante 16 años en la City londinense y en Madrid para un gran banco de inversión, son los que más se la juegan, los que más arriesgan. En ocasiones, hacen apuestas al límite y, si no aciertan, en vez de dar marcha atrás y asumirlas, redoblan su apuesta.

“Es muy fácil esconder pérdidas”, declara este extrader que prefiere no identificarse. “Pero solo te piden explicaciones cuando pierdes; cuando ganas, tus jefes de te dan palmaditas en la espalda”. Al extrader le cuesta creer que los superiores de Martín-Artajo no estuvieran al tanto de pérdidas tan abultadas como las que se empezaron a producir en la división manejada por el ejecutivo español.

El presidente de la compañía, Jamie Dimon, minimizó el problema cuando se encendieron las primeras alarmas, en mayo de 2012. Dijo que se trataba de una tormenta en una tetera. Pero las dimensiones del fiasco fueron creciendo. El agujero que al principio se cifró en 1.500 millones de euros escaló a 4.500 millones conforme se agudizó la crisis de la deuda soberana, el pasado verano.

Dimon quiere ahora quitarse el problema de encima cuanto antes. Ya se habla de que podría llegar a pagar a los reguladores hasta 600 millones para zanjar la investigación, extremo sobre el que JP Morgan no quiere hacer comentarios, según señala un portavoz de la compañía.

Días de tormenta en JP Morgan | Economía | EL PAÍS

16/12/2011

Tutto in famiglia

Filed under: Isto é PSDB!,JP Morgan,Verônica Serra — Gilmar Crestani @ 9:14 am

Margot, a ex-sócia de Verônica Serra

Verônica Sera, na foto publicada no Valor Econômico: compra de empresa pela JP Morgan sem registro na Junta Comercial de SP

Graças ao leitor Ivan, a gente  confere  que, de fato, a D. Verônica Serra é a representante da OEP, braço do JP Morgan, em seus investimentos no Brasil.

Está lá, no Valor Econômico, que a Portal de Documentos SA foi mesmo comprada pelo banco, por um valor entre US$ 100 e 200 milhões de  dólares.Diz o jornal:

“De acordo com Verônica, não haverá mudanças na gestão da empresa investida. “A One Equity não entra nas companhias para fazer mudanças no dia a dia. A atuação é feita por meio do conselho de administração”, diz. Dos seis assentos do conselho, a One Equity terá três deles. Além da própria Verônica, estão nele Christian Ahrens e Brad Coppens, diretores do braço de investimentos do J.P. Morgan.”

Embora a transação seja de 1° de fevereiro deste ano, não há registro dela na Junta Comercial, muito embora Serra, Ahrens e Bradley ( o Brad), estejam desde esta época lá como conselheiros. Donde se pode,  despreparados como somos, concluir que foram vendidas três cadeiras no conselho da empresa, não parte da empresa. Ou será que eles mandam na empresa, mas não respondem societariamente por isso?

Bem, mas a matéria nos aponta que o negócio foi feito pela Pacific Investimentos, uma das empresas de Verônica.

Um empresa recente, criada em março do ano passado, com um capital de R$ 268.834,00. Três sócios de R$ 1,00, para constar e R$ 188.181 de Verônica e R$ $ 80.650 para a cidadã americana Margot Alyse Greenman.

Em apenas cinco meses, em agosto, esta eficientíssima empresa consegue lucros de R$172.930 – uma proeza fantástica, pois menos de 30% do capital registrado tinha sido integralizado, ou R$ 82, 6 mil -  e estes lucros são distribuídos da seguinte forma: a sócia majoritária, Veronica Serra, fica com menos, R$ 80.650 – pagos à vista – e Margot com R$92.280, sendo R$ 24.280 cash e o resto na forma de um Corolla 2008, flex, pertencente à empresa. Como o carro foi contabilizado como lucro, não deve ter feito parte da integralização do capital.

No mesmo dia 25 de agosto, D. Margot vai embora, a bordo do Corolla, da empresa, que passa a ser toda, exceto por R$ 2, de Verônica Serra.

Com D. Margot, vão embora as ligações formais da Pacific Investimentos com o nome  Morgan e com o Caribe.

Porque D. Margot é uma mulher muito presente nestes negócios.

Logo em setembro ela é admitida como diretora da Solfin  Securitizadora de Crédito, que muda de nome para Financial Crédito, e que salta de um capital de R$ 10 mil para R$ 65 milhões. Lá, ela tem a companhia, como colegas de diretoria, do ex-presidente do BNDES, José Pio Borges,  e o ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda de FHC,Winston Fritsch.

Mas, deslocando-se com seu Corolla, ela acha tempo para representar, como diretora financeira,  os modestos R$ 200 que a MR Brasil Empreendimentos Imobiliários adquire na Financial 1 Desenvolvimento Imobiliário, criada em 13 de outubro de 2010. E ela já representava esta empresa  nas participações de R$ 160 na Abioye Empreendimentos e de ser diretora da Financial ABV, outra empresa modesta, de apenas R$ 1 mil de capital social.

Uma trabalheira, sobretudo para quem, dois dias antes de fundar a empresa em sociedade com Verônica Serra, era admitida como administradora da Acelo Participações, fundada por membros de um escritório de advocacia e que, naquele mesmo dia 3 de março os substituia pela Morgan Rio Interests II, PLC e pela MR (bom abreviar, não é?)  Aflilliants II, LLC, ambas  sediadas na 9 West 57TH Street, 26 ° andar, em Nova York. Com D. Margot e com as MR, o capital da empresa, que era de R$ 1 mil, foi subindo até chegar aos R$ 20.718.966 de hoje.

Com tudo isso, D. Margot  – e participando de outras empresas, que não listo por piedade do leitor – ainda participava de seminários, como representante no Brasil do Morgan Rio Capital Manegement.

Este fundo, dirigido pelo sr. Jacobo Buzali,  tem escritório em Nova York e está sediado – adivinhou? – nas Ilhas Cayman, mais precisamente na 27 Hospital  Road, 5TH Floor, P.O. BOX 10293, no Citi Hedge Fund Services , no Cayman Corporate Centre, em Georgetown.

Ou o mundo é pequeno ou o Caribe é grande, o que vocês acham?

PS. Os documentos, como sempre aqui, são públicos. Estão na Junta Comercial de São Paulo. Basta fazer o cadastro e acessar.

Tijolaço – O Blog do Brizola Neto

14/12/2011

Isto é PSDB: Papel, Só De Bolinhas…

Filed under: CITCO,Isto é PSDB!,José Serra,JP Morgan,Verônica Serra — Gilmar Crestani @ 8:59 am

 

Os bons negócios do JP Morgan com Verônica Serra e com o homem da Citco, a empresa do Caribe

Vamos contar duas histórias, que estão à espera do nosso famoso “jornalismo investigativo”.

Apenas fatos e documentos, sem qualquer ilação.

História N°1:

No dia 1° de fevereiro deste ano, a edição digital do jornal Monitor Mercantil publicou:

A One Equity Partners (OEP), braço de investimentos do banco J.P.Morgan, acertou a aquisição de 50% do Portal de Documentos, empresa brasileira que fornece soluções de gestão integrada nos serviços de cobrança de crédito”“

Cinco dias antes, a Portal de Documentos, até então uma empresa limitada, com capital social de R$ 200 mil, transformara-se em Sociedade.

Naquele 1° de fevereiro, a Portal de Documentos realiza uma assembléia, mas não há transferência de cotas para a OEP ou para o JP Morgan. Há, porém a eleição de dois cidadãos americanos como conselheiros administrativos: Bradley J.Coppens e Christian (que está grafado como Christina na Junta Comercial) Patrick Raymond Ahrens, ambos diretores da empresa de investimentos ligada ao JP . Amos fornecem CPF errado e indicam como residência Strawinskylaan 1135, NL-1077, a sede do JP Morgan na Holanda, embora o banco possua uma aqui, e muitos negócios no Brasil, como a compra, em outubro de 2010, da Gávea Investimentos, de Armírio Fraga, ex-presidente do BC no Governo FHC.

Na mesma assembléia, Bradley e Arhens nomeiam sua procuradora com plenos poderes.

A Sra. Verônica Allende Serra.

História N°2:

Era uma vez três empresas modestas.

A Dernamo Participações Limitada, a mais rica de todas, com capital social de R$ 1.000,00 e duas outras, bem modestas, a Gurham Participações Ltda. e a Hemath Participações Ltda, cada das duas com R$ 100 (cem reais, não cem mil) de capital registrado.

Todas foram criadas por um escritório de despachantes, o Serpac – Serviços Paralegais e Contábeis – atualmente chamada TMF – que, criado em 2007 com capital de R$ 100 mil, pulou para mais de R$ 820 mil em em 2009.
Mas voltemos às três empresinhas.

Em junho de 2009, o J.P. Morgan Trustee and Depositary Company , de Londres, compra 99% da Dermano, por R$999. Em março de 2010, faz o mesmo com a Gurham e com a Hemath, pagando 99 reais por cada uma.

E aí, quem é nomeado administrador da empresa, que passa a chamar-se Select Brazil Investimentos Imobiliários?

Sim, ele, o multihomem, José Tavares de Lucena, que é o representante brasileiro da Citco do Caribe e gestor das empresas de Paulo Henrique Cardoso, o PHC: a Radio Holdings e a Rádio Itapema, a famosa Rádio Disney, em sociedade com a Walt Disney Corporation, sob o nome de ABC Venture Corp.

Com ele, o outro administrador da rádio PHC, Jobiniano Vitoriano Locateli.

E aí a empresa é capitalizada em mais de R$ 18,9 milhões!

A mesma coisa aconteceu com a Ghuram e a Hemat, mas em escala ainda maior. Dos R$ 100 de capital social que cada uma tinha, passou-se, de uma só tacada, para R$ 57.134.999,00 na Ghuram e para R$ 54.977.782,00 na Hemath.

Que destino será que tomaram estes mais de R$ 130 milhões vindos de fora,justo em 2010?

As três empresas são renomeadas, neste processo, como Select Brazil Investimentos Investimentos Imobiliários – I, II e III – e cada uma tem um real (isto mesmo, R$ 1) de participação da Select Brazil Nominee Limited, com sede em Londres, mais precisamente no escritório de advocacia Addleshaw Goddard & Co ., se estiver correto o endereço fornecido.

Dois contadores, diga-se, que vivem em casas modestas, considerando que o primeiro é administrador, diretor ou conselheiro de 66 empresas e o segundo de 204 empresas, a grande maioria com participação de capital estrangeiro.

PS:os documentos, que é só clicar e ampliar e  todas as informações societárias foram obtidas dos arquivos online da Junta Comercial de São Paulo. São públicos. Basta fazer o cadastro e pesquisar.  Ou isso será pedir muito ao “jornalismo investigativo”?

Daqui a pouco, aqui neste Tijolaço, duas histórias exemplares de como se fazem negócios no Brasil.

Nas duas, um personagem comum: o JP Morgan.

Que tem como procuradores Veronica Serra e José Tavares de Lucena, o gestor da Citco – a lavanderia do Caribe – no Brasil

 

Se mídia não crê no Amaury, acredite na Veja

O deputado Brizola Neto vai levar, hoje, um dos livros do jornalista Amaury Ribeiro Júnior à tribuna da Câmara.

Porque, como já se disse aqui, são dois livros. Um, que conta a história. Outro, que tem os documentos que a provam.

Por isso, o que vai ser levado ao plenário é um só: a parte, o que contém os documentos que provam as conexões entre o “coletor” das campanhas de José Serra – a expressão não é nossa – e os paraísos ficais no Caribe.

Quem vai dizer o que ele fazia não é o Amaury, para não se impugnar a verdade por conta de seu desprezo pelos tucanos.

Vai ser uma denúncia daquelas que a imprensa gosta, com a reprodução de uma matéria da Veja.

Não a Veja de agora, quando ela ignora solenemente este escândalo.

Mas a de 8 de maio de 2002,que noticia que Ricardo Sérgio – e dois ministros de FHC o confirmam – andava pedindo R$ 15 milhões de propina na privatização da Vale.

“Ricardo Sérgio não caiu de pára-quedas no chamado ninho tucano. Ele foi apresentado a José Serra e a Fernando Henrique Cardoso pelo ex-ministro Clóvis Carvalho. Em 1990, José Serra candidatou-se a deputado federal e não tinha dinheiro para fazer a campanha. Clóvis Carvalho destacou quatro pessoas para ajudá-lo na coleta. Um deles era Ricardo Sérgio. Em 1994, Serra se candidatou ao Senado por São Paulo, e Ricardo Sérgio voltou a ajudá-lo como coletor de fundos de campanha. A última disputa da qual Serra participou foi para a prefeitura de São Paulo, em 1996. Depois, o senador não mais concorreu em nenhuma outra eleição, até a deste ano. Ricardo Sérgio também foi uma das pessoas acionadas para arrecadar contribuições para a campanha presidencial de Fernando Henrique Cardoso, em 1994. O mesmo acontece uma reeleição de FHC, em 1998. Na função de coletor de contribuições eleitorais, Ricardo Sérgio era muito bem-sucedido.

Tome-se a campanha de José Serra para o Senado, em 1994. Coube a Ricardo Sérgio conseguir uma doação milionária do empresário Carlos Jereissati, do grupo La Fonte e um dos donos da Telemar. Jereissati é amigo de Ricardo Sérgio desde os anos 70. A pedido de Ricardo Sérgio, Jereissati lhe entregou o equivalente a 2 milhões de reais. “Foram quatro ou cinco prestações, não me lembro exatamente”, afirmou Jereissati a VEJA. Na lista oficial de doadores do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo não há registro de doação desse valor feita por Jereissati a Serra em 1994. Constam três doações de empresas do grupo La Fonte: uma no dia 11 de julho, de 15000 reais, outra em 9 de agosto, de 30000 reais, e uma terceira em 27 de setembro, de 50000 reais. Ou seja, os 2 milhões saíram do cofre de Jereissati e não chegaram ao registro oficial das arrecadações de Serra. Outro exemplo da eficiência arrecadatória de Ricardo Sérgio. Em 1998, ele teve uma conversa com os sócios do consórcio Telemar e obteve a segunda maior doação da campanha da reeleição de FHC. De acordo com os dados do Tribunal Superior Eleitoral, o Itaú foi o maior doador daquele ano, com 2,6 milhões de reais. Dois sócios da Telemar, o grupo Inepar e o La Fonte, deram juntos 2,5 milhões.
Como é natural na formação das equipes de governo, pessoas que trabalham nas campanhas acabam sendo convidadas a ocupar postos na administração pública. A qualidade do cargo está relacionada à importância do correligionário, mas leva em conta a formação profissional e o passado do candidato ao emprego. Ricardo Sérgio, de 56 anos, é economista, com pós-graduação na Fundação Getúlio Vargas. Atuou no mercado financeiro e tem experiência internacional. Morou dois anos em Nova York, trabalhando pelo Citibank. O convite para o cargo em Brasília veio de Clóvis Carvalho. José Serra endossou a escolha. Foi indicada para Ricardo Sérgio a diretoria da área internacional e comercial do Banco do Brasil. Ele começou a trabalhar em 1995 e era o único diretor não escolhido pelo presidente do banco, Paulo César Ximenes. No dia-a-dia, o diretor mantinha uma atuação de espectro amplo. No Palácio do Planalto, costumava resolver problemascom o ex-secretário-geral da Presidência da República Eduardo Jorge Caldas Pereira, com quem falava sobre política. Na Previ, não apenas orientava decisões como também nomeou um dos pilares da instituição, o responsável pela direção de investimentos. O escolhido foi João Bosco Madeiro da Costa, com quem havia trabalhado na iniciativa privada. A intimidade dos dois era tão grande que costumavam tratar-se por “boneca” ao telefone.”

O livro de Amaury Ribeiro Jr. tem “apenas” as provas.

Há um processo arrastando-se na Justiça. E há, mais grave ainda, o mesmo esquema corrupto acontecendo no Brasil de hoje.

Documentos escandalosos que revelam uma triangulação empresarial entre o “administrador” da Rádio Disney, de PHC , o JP Morgan e o Citibank. Comprando empresas a R$ 99 e elevando seu capital, do dia para a noite, a mais de R$ 50 milhões.

E o mesmo banco comprando empresas em nome de prepostos e nomeando a filha de um conhecido político como conselheira e procuradora.

O novelo começou a ter seus fios puxados.

Tijolaço – O Blog do Brizola Neto

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: