Ficha Corrida

14/06/2016

Globo rege a banda Ré Pública

OBScena: ditadura, golpe e boçalidade à moda Globo

Globo Ressurge a Democracia

Quando tenho dúvida a respeito de determinados fatos políticos, observo o posicionamento da Rede Globo e de seus ventríloquos no RS. E opto pelo oposto. Não erro nunca. Quem tem no seu DNA uma conjunto de procedimentos todos voltados contra os interesses sociais, e que trabalha com afinco para negar qualquer direito que não seja do seu grupo de interesse, não merece respeito, muito menos credibilidade. Desde sempre, todas as iniciativas que foram tomadas em benefícios dos desvalidos, a Globo tem se posicionado contra. Todos os governos que priorizam a educação, a Globo vê como concorrente, porque pensa que ela detém o direito de educar o povo brasileiro. Desde sempre, a educação começa pelo exemplo. O exemplo que a Rede Globo dá é de total desrespeito à inteligência alheia. Trama, dá golpe, sonega, mente, incrimina, julga e condena, mas só seus adversário ideológicos. Para a Globo, CUnha é um anjo, um bênção.

Mais uma vez na história deste país, sob o comando da Rede Globo é instalada a Cleptocracia. Na orquestra que a Rede Globo montou para tocar o baile da Ilha Fiscal os músicos são todos réus. A escolha da Globo se deu exatamente segundo a ordem crescente de denúncias.  A menor acusação que pesa sobre eles é a tentativa de golpe para acabar com as investigações que os tornam réus. Nenhuma investigação pode ser feita sobre os golpistas, pelos menos não antes de consuma-lo. A ordem, em forma de método e prática, às vezes implícita mas quase sempre de forma bem explícita, percorrem os múltiplos braços do polvo siciliano também conhecido como Cosa Nostra, no popular, Máfia. Nossa velha mídia forma verdadeiro grupo mafiomidiático sob coordenação do Instituto Millenium.

O termo república nasce com Cícero, no seu De Re Publica, inspirada nos diálogos de Platão. O filósofo grego concebia uma forma ideal de organização política. O romano, usando o método socrático, via na Re Publica (a coisa pública) medida para um bom governo. Pelas páginas de O Globo e via Jornal Nacional, o Grupo Globo também vende sua concepção de governo. É a ré pública. Todos os que ela apoia são foram, são ou serão réus públicos. As escolhas obedecem uma lógica. E tem história, está incrustrado no seu DNA. É uma longa construção que remonta à sua origem mas que aparece claramente como “ré pública” em 1954, e confirma com o conjunto da obra perpetrada em 1964. Ali estavam todos os artigos com quais trabalharia ao longo do tempo até os dias de hoje. Nos governos instaurados sob os auspícios da Rede Globo os principais personagens, sejam em 1964 ou em 2016, nunca passam pelo crivo popular. Quando passam, como Collor de Mello, só com grosseira manipulação. E ainda assim, não sobrevivem por que são tão honestos quanto quem os engendram.

globo diadurad

Nada mais parecido com os jornais de 1964 que as repetidas edições de 2016. Até o apoio à Marcha dos Zumbis se parece com aqueles da famiglia, tradição e propriedade de 1964. Recentemente a Rede Globo omitiu, escondeu, uma manifestação de centena de milhares de pessoas pela paulista, exatamente como fizeram com o comício pela Diretas-Já, em 1984, no Vale do Anhangabaú.

É sintomático que a Rede Globo já tenha admitido em editorial que foi um erro o apoio à Ditadura. Não pediu perdão, nem disse que não o faria de novo. Pior, jamais admitiu que foi um erro ter escondido os comícios que pediam Diretas-Já, nem que não mais manipularia debates, como fez com o debate entre Lula x Collor. Mas Boni, 22 anos depois, confessou a manipulação. Está gravado em vídeo.  E o que se fez diante das palavras de Boni? Nada. A mídia não se mexeu. A justiça não se mexeu. O governo não se mexeu. O MPF não se mexeu. Então, se tudo o que se faz de errado não é questiono, resta a lição de que se pode continuar cometendo o mesmo crime. A Globo entendeu o recados das instituições e permanece com as mesmas práticas. Da mesma forma acontece em relação aos crimes da ditadura. Quando o STF decide que não se deve mexer com os crimes praticados pela ditadura, é porque está cultivando e adubando Bolsonaro. Bolsonaro, hoje, é filho da omissão covarde do STF em relação aos crimes da ditadura. Entende-se, pois, para condenar os crimes praticados pela ditadura, o STF chegaria na Rede Globo, nas peruas da Folha e nas valas clandestinas do Cemitério de Perus. Chegaria aos mandantes e beneficiados das sessões de tortura, estupro, morte e esquartejamento. Paulo Malhães confessou, e nem por isso houve punição. Brilhante Ustra morreu inocente… Por essas e outras que há ainda imbecis que pedem a volta da ditadura. A existência destes boçais é a contribuição silenciosa do STF à grande famiglia de Bolsonaros.

Globo x 13 salario

A Rede Globo sabe que a verdade só pode ser obtida pelo conhecimento. Está na alegoria da Caverna, na República de Platão. Por isso a mentira na forma de informação. A verdade é conhecimento, a Globo depende da mentira para sobreviver. E por isso a vende como verdade. A ignorância é a mãe do atraso, e o atraso é uma mãe para a Globo.

Quanto ao papel do Globo, basta verificarmos, por exemplo, edições da época. O golpe militar foi festejado com o “Ressurge a Democracia”. Se no princípio da ditadura a Globo vendia que o 13º aos trabalhadores seria uma tragédia, em 2016 fez publicar, para atacar as políticas sociais e raciais, o famigerado “Não somos Racistas”.  Os editorias de antes agora se somam aos livros e articulistas proxenetas que fazem às vezes de voz do patrão.

Toda vez que um governo resolve implantar políticas sociais, as organizações Globo partem para o golpe. Foi assim com Getúlio Vargas em 1954, com Jango em 1964, com Brizola (Proconsult) em , com Lula (Rubens Ricúpero & Carlos Monforte) e as estatuetas ao Assas JB Corp, e agora com a parceria com Eduardo CUnha para derrubar Dilma e “Restaurar a Cleptocracia”. FIES, PROUNI, Mais Médicos, tudo foi duramente combatido pela mesma plutocracia que finanCIA a Globo. E, pela ignorância, muitos dos beneficiados com estas políticas, sequer se dão conta do quanto foi difícil implementá-las, de quem trabalhou para que elas existissem, e também dos que trabalharam para que elas não vingassem. É o caso do ENEM, por exemplo, que sobrevive apesar da luta diuturna dos privatistas.

globo (4)

Simbolicamente, a República de Platão denuncia que a cicuta a Sócrates é a forma com que a plutocracia chega ao poder. Faz-se necessário conspirar, atacar diuturnamente, injetando cicuta na forma de ódio de classe, como se viu nas manifestações convocadas pela Rede Globo. Sócrates foi acusado pela plutocracia ateniense de enganar os jovens. Qual a diferença entre os acusadores de Sócrates com o papel desempenhado Bolsonaro, Silas Malafaia, José Serra, Michel Temer, Aécio Neves, Merval Pereira e Eduardo CUnha, todos na mão da Globo, nas manifestações em apoio ao golpe!?

Da Alegoria da Caverna saem as semelhanças com o baile dos vampiros da plutocracia brasileira. Nem tudo é o que parece.

A Rede Globo não tem Platão no seu manual. Outro personagem da mitologia grega casa melhor com o método Globo, Procusto.

Golpistas (8)

Este bandoleiro grego tinha um estilo de  aplicar justiça igual aos métodos empregados pela Rede Globo. Suas vítimas eram espichadas sobre uma cama. As mais curtas, espichava. As maiores, cortava para que ficassem do tamanho da cama.

Assim são as informações da Rede Globo, corta ou espicha dependendo da vítima. Por exemplo, se preocupa com os pedalinhos do Lula mas silencia a respeito dos envolvidos com um heliPÓptero com 450 kg de pasta base de cocaína. Nada diz a respeito da Lista Falciani do HSBC, da Lista de Furnas, da Lista Odebrecht, do Panama Papers, onde aliás está de corpo, alma e triplex (sob o manto da Mossack & Fonseca). A Globo entende tudo dos filhos do Lula, mas nada diz a respeito do filho de FHC com a funcionária Miriam Dutra, ou de Paulo Henrique Cardoso, de Luciana Cardoso. A Rede Globo nunca deu espaço em seu Jornal Nacional para falar da participação de sua filial RBS, pega na Operação Zelotes, ou Zelotsky como carinhosamente apelidam os gaúchos, decorrente dos escândalos no CARF.

Golpistas (4)

Sonegação, Meritocracia, Choque de Gestão são assuntos tratados ao melhor estilo Procusto. Meritocracia acontece quando um estudante no Rio de Janeiro, com apenas 17 anos, ganha emprego em Brasília. Quando ganha de presente de parentes emprego de vice-presidente das Loterias da Caixa. Quando constrói aeroportos com dinheiro público em terras de familiares. Quando uso o helicóptero do estado para transportar familiares e amigos. Quando é preso bêbado, sem carteira de trânsito e ainda assim não vira escândalo.

Para quem se interessa, há um livro disponível em “.pdf” na internet, a História Secreta da Rede Globo, escrita por Daniel Hertz. Há também um documentário que a Globo conseguiu proibir sua divulgação no Brasil, mas que também está disponível para quem quer conhecer um pouco melhor a respeito do modus operandi da famiglia mais siciliana do Brasif, Muito Além do Cidadão Kane.

grupos mafiomidiaticos

Dado o golpe, a Globo recomeça um período de purificação. Aos poucos entrega os anéis para ficar com os dedos. Mas jamais entrega o rubi, o PSDB. Estes são monstros sagrados. E não só para a Globo, mas também para o Estadão, Folha, RBS, Poder Judiciário, MPF. Como confessou o deputado gaúcho Jorge Pozzobom, o PSDB tem imunidade e, por isso, pode traficar, dirigir embriagado, ser decadelatado, que continuará como se fosse um partido de vestais.

Despois do Golpe, o STF afasta CUnha. Depois do Golpe, a Rede Globo ataca CUnha. Depois do Golpe, a Folha e Estadão, sempre a serviço do José “tarja preta” Serra, soltam pequenas notas contra Aécio Neves. Depois do golpe, cospem em quem sujou as mãos por eles.

Grupos Mafiomidiaticos

Os EUA invadiram a Itália pela Sicília. Não foi uma escolha aleatória. Houve um acordo com a máfia. Foram recebidos com tiros de festim. É mais ou menos isso que está acontecendo no Brasil.

Os cleptocratas adentram ao Palácio do Planalto sob tiros de festim. O Paraguai os reconhece.

Ressurge a Cleptocracia!

Anúncios

27/05/2016

O Circo da Quadrilha

merda globoQuando FHC comprou a reeleição por 200 mil à cabeça, José Sarney (Honoráveis Bandidos) & Roberto Marinho imortalizaram-no na Academia Brasileira de Letras. Miriam Dutra (Tomás Dutra Schmidt) & Brasif são eternamente agradecidas. Os serviçais foram distribuídos entre os principais beneficiados dos esquemas que haviam sido montados por FHC. É nessa conjuntura que Pedro Parente desce no Salgado Filho é abrigado nos holerites da RBS. Mas ele não é a única ligação afetiva com os esquemas industriais montados na era FHC. Pedro Correia conseguiu o passe da dublê de jornalista e ponta-de-lança da RBS em Brasília, Ana Amélia Lemos. Com mais esta aquisição, montava-se a tour de força, a peça de resistência a qualquer iniciativa de manter programas sociais. Mas para isso precisavam criminalizar o Governador Olívio Dutra, e, depois, Tarso Genro. O PP de Pedro Correia, José Otávio Germano (um dos biscoitos Zezé) e Augusto Nardes serviu de barriga de aluguel à RBS. Para despistar, introduziram Lasier Martins no PDT que, nas mãos de Vieira da Cunha virou uma sigla de aluguel.

Quando Lula assumiu, começou a desaparelhar os estames da quadrilha criando a CGU. Como era um presidencialismo de coalizão, teve de manter as ocupações de porteira fechada: o PP gaúcho e o PMDB de Michel Temer e Eduardo CUnha, ficou com a Petrobrás (Pedro Barusco e  Sérgio Machado, cavalo de Tróia do PSDBJ. Toda iniciativa de retirar os chefes de quadrilha distribuídos pelas Estatais, vinha a Rede Globo e a RBS dizendo que o PT queria aparelha o Estado. Com o bombardeio diuturno dos maiores interessados na manutenção das velhas estruturas, Lula não conseguiu. Para isso apostou em Dilma Rousseff. Por ter exercido com dedicação e honestidade cargos no Governo Olívio e na Casa Civil, sem qualquer mácula, Dilma tinha e tem a cara da mulher incorruptível. Ou, como dizem seus detratores  na velha mídia, de “gerentona”.

Dilma não está na Lista de Furnas, na Lista Falciani do HSBC, não está na Lista Odebrecht, não está no Panama Papers. Dilma não está na Operação Lava Jato, na Operação Zelotes, na Operação Pavlova, na Operação Ouro Verde (Portocred). Entendeu porque, dado o golpe, estas listas saíram do noticiário?!

Dilma acabou com o esquema de Furnas. Um esquema tão antigo e de tanta serventia, inclusive a ministro do STF, não poderia ser jogado no lixo como brinquedo quebrado. Ali começou o ódio dos que estão “putos com ela”, do “primeiro a ser comido”, mas, principalmente, do vingativo sócio dos bancos suíços, Eduardo CUnha. A única coisa que Dilma ganhou com isso foi o ódio eterno da dupla Rede Globo & Eduardo CUnha que, com o dinheiro da corrupção bem guardado na Suíça, compraram a senha de entrada no circo montado no Congresso. A Rede Globo faturou o show ao vivo. Ah, a senha era de entrada no circo com o que se garantia proteção midiática eterna foi “famiglia”… É a atualização do “Coronelismo, enxada e voto” em, como já denunciei em artigo publicado no Observatório da Imprensa em outubro de 2002, em Coronelismo Eletrônico

rbs golpeClaro, Dilma não moveu contra uma vírgula, pelo contrário, deu tudo e muito mais para que a Operação Lava Jato fizesse com que não sobrasse pedra sobre pedra nos esquemas de corrupção que herdara dos seus detratores. E é fácil de entender porque Dilma não se entregaria, ou como vazou o Renan, “ela tem uma bravura pessoal que é uma coisa inacreditável”. Ao contrário dos “putos” e dos “com medo” e “primeiro a ser comido”, não há uma vírgula de acusação contra Dilma. É limpa. Por aí se explica o ódio que lhe devotam todos os corruptos. Não é sem razão que a manada de amestrados vestiu, sem pensar nem tergiversar, a camisa da CBF para simbolizar o apego à corrupção. Sabe aqueles nossos conhecidos que vociferavam acusando o governo de corrupto? Pois é, tome cuidado com eles. Das duas, uma: ou são muito ignorantes ou são corruptos. Não há meio termo para explicar tanto esforço para derrubar uma presidente honesta para colocar em seu lugar uma quadrilha ramificada como câncer em metástase pelos instituições. Diz muito a respeito do funcionamento de nossas instituições porque Paulo Salim Maluf não pode sair do Brasil sob o risco de ser preso, como o foi José Maria Marin, mas que por aqui, como Ricardo Teixeira, não lhes acontece nada. Se “todo mundo conhece” os esquemas do Aécio Neves, com dez delações, mantém-se como inimputável, é porque as instituições falharam ou se locupletaram. Eu preferiria a primeira, mas, pelas evidências, não vejo como não se admitir a simbiose de interesses. Chama atenção o fato de que até a cunha do Vaccari foi presa, mas nada, nem depoimento coercitivo, acontece com Andrea Neves e Cláudia Cruz. Por aí se vê que estamos nas mãos de algo ainda pior do que a Cosa Nostra, já que para combater a máfia havia as instituições, mas e para limpar as instituições?

O circo se fecha, reunindo os que foram saídos pelo voto mas voltaram pelo crime, quando a RBS consegue emplacar na Petrobrás, vejam só, Pedro Parente:Pedro Parente, ex-ministro de FHC, será o novo presidente da Petrobras”. O circo montado pela Rede Globo & RBS conseguiu trazer de volta toda a quadrilha que o voto havia defenestrado. Para nós, gaúchos, a presença de Eliseu Rima Rica na Casa Civil é por demais explicado. Nem desenhando fica mais claro. Há tantas caras para mostrar o Brasil dos golpistas, mas o ator pornô, Alexandre Frota, no Ministério da Educação é mais do que um acinte, é um cusparada no nosso rosto.

A plutocracia midiática conseguiu dar o golpe numa Presidenta honesta para implantar uma Cleptocracia.  O complô, como denuncia a imprensa internacional, não permite que chamemos de golpe paraguaio, pois no golpe paraguaio houve um verniz de legalidade. No golpe à brasileira trata-se de uma verdadeira república das bananas, pois o cheiro mostra que deram um verniz de merda. Royalties ao Gregório Duvivier

De nada adianta trocar os políticos se a manada continuar sendo guiada pela égua madrinha das cinco irmãs (Globo, Veja, Estadão, Folha & RBS).

Em gravação, Renan expõe influência de jornais na Lava Jato

qua, 25/05/2016 – 17:36 – Atualizado em 25/05/2016 – 17:39

Patricia Faermann

Jornal GGN – Durante a conversa com o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, o senador Renan Calheiros expôs o papel da imprensa na crise política do Brasil e no processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff. Renan e Machado citam Otavio Frias Filho, diretor de Redação da Folha de S. Paulo, João Roberto Marinho, das Organizações Globo, uma funcionária não identificada da Folha, outro do Uol e o colunista Gerson Camarotti, da Globo.

Em determinado momento do diálogo, Sérgio Machado chama a atenção do senador para a antecipação da imprensa sobre etapas da Operação Lava Jato: "Renan, na semana passada, não sei se tu viu, um material que saiu na quinta ou sexta-feira de um cara aqui do Uol, um jornalista aqui, dizendo que quinta-feira tinha viajado às pressas… E que estava sendo montada operação no Nordeste com Polícia Federal, o caralho, na quinta-feira", disse, em referência à 24ª fase da Lava Jato, que mirou no ex-presidente Lula, no dia 4 de março.

"Então, meu amigo, a gente tem que pensar como é que a gente encontra uma saída para isso aí, porque a imprensa…", emendou Machado, temendo as consequências da falta de controle político sobre o avanço da Operação, sob o consentimento de meios de comunicação. 

"Não vê essa matéria do Camarotti [Gerson Camarotti, comentarista de política da Globo]?", recordou-se Renan Calheiros. Na trancrição disponibilizada pela Folha, o nome do jornalista foi omitido, ao contrário do que revela o áudio. O GGN apurou que faziam referência à reportagem "‘Sei que posso ser preso a qualquer momento’, diz Renan Calheiros", publicada no dia 10 de março deste ano. Na matéria, o colunista afirma que Renan "fez um desabafo que surpreendeu a todos os presentes", durante jantar com senadores tucanos e peemedebistas. "Ao falar do ambiente de imprevisibilidade da operação Lava Jato, Renan disparou: ‘Eu sei que posso ser preso a qualquer momento. Há dois anos estão tentando isso’", publicou.

"Só se [você] fosse um imbecil", respondeu Machado, em ironia à publicação de Camarotti. "Como é que tu vai sentar numa mesa para negociar e diz que está ameaçado de preso, pô? Só quem não te conhece. É um imbecil [o jornalista]", apontou. "É, tem que ter um fato contra mim", completou Renan. "Mas mesmo que tivesse, você não ia dizer, porra, não ia se fragilizar, tu não é imbecil", disse. 

"Agora, a Globo passou de qualquer limite, Renan", ressaltou o ex-presidente da Transpetro.

Em seguida, o presidente do Senado contou que havia agendado "uma conversa inicial com o governo", nos dias seguintes de março, e a presidente Dilma lhe disse que uma "conversa dela com João Roberto [Marinho] foi desastrosa". Durante o diálogo relatado por Dilma a Renan, a presidente teria "reclamado" sobre o posicionamento e atuação dos jornais da rede Globo na crise política. "Ele [Marinho] disse que não tinha como influir. [Dilma] disse que tinha como influir, porque ele influiu em situações semelhantes, o que é verdade", contou Renan. 

"E ele [Marinho] disse que o que está acontecendo é um efeito manada no Brasil contra o governo", contou o senador, expondo o posicionamento admitido pela Rede Globo.

Em trecho seguinte, Renan disse que também havia conversado, ele próprio, com alguma funcionária da Folha, sem especificar se era jornalista, executiva, diretora, etc. "A conversa com a menina da Folha foi muito ruim. Com Otavinho [Otavio Frias Filho, a conversa] foi muito melhor", disse. "Otavinho reconheceu que tem exageros, eles próprios têm cometido exageros", teria admitido o diretor do jornal paulista. 

E seguiu: "com o João [Roberto Marinho], veio com aquela conversa de sempre, diz que não manda, que não influencia, que hoje é muito difícil", disse Renan, reforçando a fala da presidente Dilma, que alertou a Marinho o tratamento "diferente" para "casos iguais". "[Dilma] disse a ele: João, não é, é porque vocês tratam diferentemente de casos iguais. Nós temos vários indicativos. E ele disse o seguinte: isso virou uma manada, uma manada, está todo mundo contra o governo. Quer dizer, uma maneira sutil de dizer ‘acabou’", contou o senador à Machado.

Leia mais:

Renan intermediou em nomeação de Lula para a Casa Civil como saída da crise

O estadista Renan e as pegadinhas de Sérgio Machado

Peça-chave para incriminar caciques do PMDB, Machado conseguiu apoio de Sarney

Em gravação, Renan expõe influência de jornais na Lava Jato | GGN

09/05/2016

Rede Globo é nome por trás do golpe

Desde o governo Olívio Dutra no RS percebi que a luta não era contra os partidos de direita. Eles têm ódio, mas não tem votos. Por isso criamos o ZeroFora e o Midi@ética. A descentralização das verbas publicitárias e a criação de uma Universidade Estadual desencadeou uma fúria encabeçada pela RBS mais abraçada pelo Instituto Millenium. A violência em Porto Alegre foi atribuída pela Revista Veja ao Governo Olívio. E nunca esteve tão baixa. Agora, por exemplo, há um assalto a cada 55 segundos, e a Veja sequer lembra do Tiririca da Serra.

No tempo de FHC a parabólica vazou o método Rede Globo de manipulação. Rubens Ricúpero foi o porta-voz da Rede Goebbels, mas coube ao Carlos Monforte a dobradinha ensaiada nos estúdios do PROJAC. Ali se revelava mais um cromossoma do DNA golpista. Como na fábula da rã e do escorpião, o golpismo está no DNA da famiglia Marinho. Mas a Globo tem todos os motivos para odiar Lula. Graças ao patrocínio de caça ao Lula acabou atraindo para si os holofotes, e assim se fica sabendo que ela e seus ventríloquos estão todos na listas que rolam por aí. Estão aí Lista de Furnas, Lista Falciani, Operação Zelotes, Lista Odebrecht, Panama Papers para mostrar porque Dilma deve sofrer um golpe e Lula, caçado.

O recrutamento de ventríloquos para o golpe atual deu-se mediante a farta distribuição de estatuetas. As estatuetas foram a senha assim como na máfia o “selinho”, e famiglia na turma do Eduardo CUnha. Funciona assim, a Globo recruta os ventríloquos e adestra os midiotas. E a plutocracia patrocina a chegada da cleptocracia no comando da República das Bananas.

Eduardo CUnha é apenas um mero instrumento nas mãos dos golpistas. A velha mídia foi a égua madrinha, e o STF deu o verniz jurídico ao Golpe Paraguaio. Mas nem mil de mão de verniz apagarão dos anais da história os registros que o povo, de norte a sul, está denunciando nos campos de futebol. O Brasileirão vem aí e com ele os contos de torcida: Temer, Jamais como cantou ontem a torcida Camisa 12 do Inter. Quarenta e dois mil torcedores lotaram o Beira-Rio e viu a maioria da torcida entoar contra o golpe. Rádios  e tvs sempre prontos a deram voz a favor dos golpistas, mas não repercutem nada a respeito do que se vê nos estádios. Vale aqui a frase atribuída a Abraham Lincoln.

“Pode-se enganar a todos por algum tempo;… Pode-se enganar a todos por algum tempo; pode-se enganar alguns por todo o tempo; mas não se pode enganar a todos todo o tempo.”

O campeonato acabou. E a Globo também

E eles pensam que o povo não está percebendo

Compartilhar no WhatsApp

Imprimir

publicado 09/05/2016

Os principais campeonatos estaduais do Brasil terminaram neste domingo (08). As finais foram marcadas por protestos de torcidas contra o Golpe e contra Michel Temer.
Sobrou também para a Rede Globo, acusada de Golpista.
As faixas traziam mensagens como ‘Temer Jamais’, além de ‘Golpe’, ‘Golpe Não’ e ‘Golpista’, todos com a letra ‘O’ substituída pelo símbolo da Rede Globo.

Na vitória do Internacional contra o Juventude, no Campeonato Gaúcho (Foto: Reprodução/TV Globo)

Na vitória do Bahia, mas com título do Vitória, no Campeonato Baiano

Protesto durante vitória e título do Paysandu no Campeonato Paraense

O campeonato acabou. E a Globo também — Conversa Afiada

26/04/2016

Por que os corruptos sempre têm apoio midiático, na Argentina e no Brasil?

OFFSHORE

No Brasil, como na Argentina, os maiores corruptos sempre contam com o acobertamento dos grupos mafiomidiáticos.  No Brasil a Rede Globo, além de ser a maior sonegadora individual, talvez perdendo apenas para a dupla gaúcha, RBS  & Gerdau, faz estrondoso silêncio sobre a sonegação das Copas de 2002 e 2006. Aparece na lista do Panama Papers sob a licença poética da Mossack & Fonseca. Já estava envolvida na sonegação da FIFA, quando um de seus principais parceiros de negociatas, foi preso nos EUA, J. Hawilla. Seus parceiros comerciais José Maria Marin, Ricardo Teixeira  e Marco Polo del Nero estão exilados no Brasil. Quem saiu, está preso. Mas não há vazamento da dupla MPF/PF que envolva a Rede Globo. As parcerias para caçar Lula servem exatamente para jogar uma cortina de fumaça sobre a atuação da parceira.

Por aqui não mais se ouve falar da Lista Falciani do HSBC, da Lista de Furnas, da Lista Odebrecht, da Operação Zelotes, da Pavlova e da Portocred. Fácil de entender. Não consta o nome de Lula e Dilma em nenhuma delas, mas seus caçadores aparecem em quase todas.

Na Argentina não é diferente. O principal grupo de mídia, o Clarín, também está sempre envolvido em escândalos financeiros. A única diferença é que na Argentina parece que as instituições não contam com estatuetas nem com um Instituto Innovare… Mas também é verdade que por lá investigam Cristina Kirchner, que não aparece em nenhuma lista, mas silenciam sobre Maurício Macri, que aparece em todas. Nem os subalternos de Macri são objetos de devassa. É por isso que a eleição de Maurício Macri foi tão festeja por todos os a$$oCIAdos do Instituto Millenium. A SIP é para a Argentina o que o Instituto Millenium é para o Brasil: o braço midiático do golpe. É o tal de Efeito Orloff

Lá como cá, os corruptos podem destituir honestos. Sob as bênçãos dos Pôncio Pilatos  dos STF.

Un hombre hecho a medida del Grupo Macri

El ex secretario de Hacienda durante los dos mandatos de Macri en la Ciudad tuvo una orden de captura internacional vigente hasta marzo pasado. Tiene otras causas por evasión en Brasil mientras se desempeñó como ejecutivo de Iecsa (Socma).

Por Nora Veiras

Desde que estalló el escándalo de los Panama Papers, Néstor Grindetti, uno de los hombres de más confianza de Mauricio Macri, pone cada día un poco más alta la vara del escándalo: durante ocho años manejó el tercer presupuesto del país mientras en los últimos cuatro pendía sobre él un pedido de captura internacional que recién caducó el 30 de marzo pasado. Ya instalado en la intendencia de Lanús, Grindetti sigue con nueve causas pendientes en la Justicia de Brasil por su trabajo como ejecutivo de Iecsa, la filial en ese país del Grupo Sociedad Macri (Socma). Fiel a la estrategia de minimizar todo conflicto, el jefe de Gabinete, Marcos Peña, dijo ayer que “Grindetti ya dio las explicaciones y confiamos en esas explicaciones”. El propio Grindetti adjudicó a “una intencionalidad política” la difusión de su situación procesal y se amparó en el Presidente: “Hablamos (con Macri) por teléfono como para apoyarnos en esto, para darnos un poco de aliento. Estas cosas pasan y vamos a tener que trabajar en ese sentido”. A este paso se impone otra sesión con el gurú de la felicidad.

En la página web del Diario de Justicia del Estado de Paraná, el equivalente al Centro de Información Judicial de la Argentina, aparecen seis causas penales y tres laborales en las que está involucrado Grindetti. Una de esas causas es la que derivó en el pedido de captura

de Interpol. El origen de la denuncia se remonta a comienzos del 2000, cuando Grindetti se desempeñó como ejecutivo de Iecsa y terminó procesado junto a otros ejecutivos, entre ellos Pablo Tomás Boero, por evasión impositiva. Tras sucesivas citaciones sin respuesta, en 2012 un juez de Curitiba dictó el pedido de captura internacional de los ejecutivos. Habitualmente esas órdenes se ejecutan en forma rápida, días apenas. En este caso, Grindetti tuvo suerte: pudo sortear varios viajes al exterior (en 2013 con Macri a Panama, en 2014 a Brasil para disfrutar del Mundial de Fútbol y en enero pasado para vacacionar en Punta del Este) y seguir a cargo de Hacienda en la Ciudad y encarar la campaña a intendente sin que nadie supiera de su pedido de captura. La orden salió de Curitiba pero aparentemente la Oficina Central Nacional (OCN), con sede en Brasilia, no hizo operativo el pedido de captura.

Boero, alto ejecutivo de Socma, tuvo menos suerte, el 22 de febrero pasado cuando fue a renovar su visa a los Estados Unidos le saltó el pedido de captura. Interpol lo detuvo y lo llevó al juzgado federal de Daniel Rafecas, de turno en ese momento. El ejecutivo pasó la noche en los calabozos de la calle Cavia y quedó en libertad luego de que la justicia brasileña informara que la causa había prescripto. En ese momento, abogados de Grindetti se presentaron ante el tribunal de Rafecas para averiguar si su cliente también aparecía en la causa. A Buenos Aires no había llegado información. Rápidamente se movieron en Brasil y el 30 de marzo pasado, los tribunales de Curitiba notificaron el sobreseimiento de Grindetti y Boero por prescripción, es decir el tiempo les jugó a favor y levantaron la orden de captura internacional. Esta vez en perjuicio de Grindetti, en otra vuelta de irregularidades inexplicables, el 7 de abril pasado, Interpol subió la orden de captura internacional contra Grindetti. Los abogados del intendente acudieron al juzgado de Rafecas y se labró entonces el acta en la que consta que la causa ya estaba cerrada. “Esta gente va dejando una buena imagen por el mundo”, ironizó un funcionario judicial.

“No me cabe duda de que hay una intencionalidad política por la fuerte polarización que se está produciendo. Uno mira los comentarios de Twitter y uno se da cuenta de dónde vienen los ataques, es muy claro”, dijo Grindetti y solo confesó su preocupación por “cómo juega Independiente”. El ex secretario de Justicia y candidato a intendente por el Frente para la Victoria de Lanús, Julián Alvarez, calificó como “tremendo” lo que pasa con el hombre que le ganó en los comicios: “Apareció con sociedades offshore en los Panama Papers, asociadas a cuentas en Suiza, ahora se difunde este pedido de captura internacional en Brasil en causas por evasión. Nuestro bloque va a insistir con un pedido de interpelación en el Concejo Deliberante y esperamos que esta vez el Frente Renovador nos acompañe” (ver aparte).

De bonos y offshores

“Todos los temas se van a poder ir aclarando a medida que se vayan explicando”, intentó justiciar ayer Peña cuando le preguntaron otra vez más por las andanzas de Grindetti. La diputada Elisa Carrió, integrante de Cambiemos, salió rauda a decir apenas aparecieron los Panama Papers que ella siempre pensó que el hombre elegido por Macri para manejar los fondos porteños era “un corrupto” y que le parecía “inexplicable” sus manejos en paraísos fiscales.

En 2010 el entonces ministro de Hacienda porteño comandó la colocación de los bonos Tango Serie 8. Los Panama Papers revelaron que poco después empezó a manejar una sociedad fantasma y una cuenta en un banco suizo.

Grindetti quedó a cargo del manejo de Mercier Internacional SA, una empresa de dueños desconocidos radicada en Panama, y también de una cuenta en un banco suizo vinculado con esa colocación de deuda. El dato reavivó las sospechas de que detrás de aquel endeudamiento por 475 millones de dólares hubo una maniobra de lavado de dinero que luego fue destinado a financiar la actividad política del PRO. En un minucioso escrito el ex candidato a vicejefe de Gobierno porteño por el FpV, Leandro Santoro, presentó una denuncia ante la Procuraduría de Criminalidad Económica y Lavado de Activos (Procelac) para que tanto el ex secretario de Hacienda como Macri sean investigados

Según los documentos del estudio de abogados panameño Mossack Fonseca, Grindetti tuvo un poder para manejar la firma Mercier Internacional SA entre 2010 y 2013. En ese lapso el ahora intendente también figura como apoderado de la empresa para el manejo de una cuenta en el banco Clariden Leu AG, con sede en la ciudad suiza de Zurich.

La aparición de Grindetti y del propio Macri en los Panama Papers derivó en una denuncia judicial del diputado del FpV Darío Martínez que recayó en el juzgado de Sebastián Casanello. Ayer el fiscal Federico Delgado planteó la separación de las causas (ver aparte). En la Ciudad de Buenos Aires, el diputado porteño Marcelo Ramal (FIT) presentó un proyecto para que la Legislatura forme una comisión que investigue el caso de Grindetti, porque, recordó, colocó “475 millones de dólares a través de los Bonos Tango 08 por el cual el Credit Suisse cobró, junto a un operador del PRO, una exorbitante comisión”.

Sobre su participación en sociedades offshore, Grindetti reiteró que el tema “está en la Justicia” y que “en el corto plazo” va a poder “explicar con lujo de detalles lo que pasó”. Dijo que cuenta con el apoyo del Presidente. Grindetti empezó como cadete en el Grupo Macri y terminó como miembro del directorio. Habrá que ver hasta donde llega la carrera en común.

Página/12 :: El país :: Un hombre hecho a medida del Grupo Macri

21/04/2016

As caras e as máscaras

recatada2As imagens de Eduardo CUnha, antes, durante e depois do golpe paraguaio, mantêm as mesmas expressões de deboche de sempre. O sorriso Monalisa indisfarçável faz todo o sentido. Basta atentarmos que são máscaras que escondem faces pouco ou nada vistas. A começar pela do mordomo Michel Temer. Quando olho para uma foto do CUnha vejo muitas coisas, menos ele. Vejo sua mulher e filha com salvo-conduto para fazerem o que bem entenderem com o dinheiro extorquido e lavado pelo marido e pai. Vejo a Rede Globo que, talvez por Cláudia Cruz ser funcionária, não só nunca escreveu uma vírgula sobre as proezas do comandante-em-chefe do golpe como se perfilou ao lado dele no golpe. Maior insufladora também porque maior beneficiária.

Vejo nas fotos do CUnha a cara dos meus colegas que vestiram camisetas com o escudo da CBF para gritarem contra a corrupção. Vejo os nomes dos que constam nas mais variadas listas que circulam por aí. Vejo o Zezé Perrela, dono do heliPÓptero, votando “sim” a pedido do CUnha. Olho a imagem de  CUnha e vejo Aécio Neves, octa delatado, comemorando o salvo-conduto da irmã Andrea Neves. Foi para nos mostrar este sorrido debochado do CUnha que Gilmar Mendes impediu Lula de assumir o cargo de Ministro da Casa Civil. Gilmar Mendes sentou, a pedido do Eduardo CUnha, por um ano no processo que tratava do finanCIAmento privado de campanha.

A imagem de Eduardo CUnha festejando a vingança contra Dilma, talvez por não ser uma mulher real para os padrões da Veja, nem em dó-lar, para os padrões do CUnha, lembra de todas as mulheres que pedem a volta da ditadura, por que na ditadura o estupro tinha os métodos e a cara do Bolsonaro.  Não ter abraçado a causa de Cunha no Conselho de Ética foi, na visão da famiglia das cinco irmãs (Veja, Folha, Estadão, Globo & RBS), crime capital da Dilma. Nem Goebbels, se vivo fosse, teria desempenhado um papel tão convincente ao dos grupos mafiomidiáticos. A imprensa internacional está tripudiando. A última reportagem da Revista Veja sobre a ex-futura-dama, Marcela Temer, é a contribuição da Revista Veja à moldura que adorna a foto do Eduardo CUnha. A idéia era beatificar Cláudia Cruz, para endeusar Cunha, então começaram, pela urgência em se legitimarem, pela mulher do maior beneficiário do papel exercido por Cunha, a “mulher do” Temer… O Grupo Abril, ainda com o vezo de faturar com a Playboy, só aceita mulher no papel de capacho, desfrutável em dó-lar.

Alguns amigos, dos poucos que mantive nestes tempos de golpe, e que se enganados por terem participados das manifestações contra a corrupção, me perguntaram como não entrar mais no espírito de manada. Como poderiam saber, alegam?! Pra mim, a escolha é tão simples quanto certa: ver de que lado estão a Rede Globo e a RBS, e ficar no lado oposto. Não tem erro. O golpismo está no DNA deles. Eles vendem a ideia de que é possível limpar o chão com merda. E todos os seus celetistas são escolhidos também ou pelo DNA golpista, ou por serem invertebrados. Os a$$oCIAdos do Instituto Millenium odeiam cheiro de povo. Nada causa mais ojeriza e urticária na Rede Globo e suas filiais do que a existência de gente honesta. Para eles, valem apenas aqueles que Benz e empresas de fachada em paraísos fiscais. Ou teria sido por outro motivo que a Rede Globo capturou Assas JB Corp com estatueta?!

A diferença deste golpe daquele de 1964 está na existência da internet. Sem ela não teríamos acesso ao que pensam as empresas jornalísticas estrangeiras a respeito de nacionais. Esse foi o grande crime do PT, Lula e Dilma: nada fizeram para moralizarem as concessões públicas de rádio e televisão. Todo pessoa decente sabe que, diante da Rede Globo & Filiais, a máfia siciliana poderia ser tomada por entidade filantrópica.

Campanha nas ruas de Londres denuncia golpe e mostra cara dos golpistas

:

Painéis espalhados pelas ruas de Londres, na Inglaterra, destacam imagens de políticos brasileiros como o vice Michel Temer, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), e o líder da oposição Aécio Neves (PSDB) como a cara dos golpistas que tentam destituir a presidente Dilma Rousseff do poder no Brasil

21 de Abril de 2016 às 05:33

247 – Uma campanha espalhada pelas ruas de Londres, na Inglaterra, destaca imagens de políticos brasileiros como o vice Michel Temer, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), e o líder da oposição Aécio Neves (PSDB) como a cara dos golpistas que tentam destituir a presidente Dilma Rousseff do poder no Brasil.

A imprensa internacional já trata o processo de impeachment como golpe e Dilma Rousseff pode denunciar a manobra na tribuna da ONU nesta sexta-feira, diante de chefes de Estado de países do mundo inteiro.

Campanha nas ruas de Londres denuncia golpe e mostra cara dos golpistas | Brasil 24/7

15/03/2016

Biografia bonsai do golpismo vira-lata

#GlobolpeO japonês bonzinho dos golpistas paraguaios teve seu afastamento confirmado pelo STJ. E não por excesso de trabalho, muito menos por reputação ilibada. Vai-se mais um herói dos fascistas. Já tinham ido o “somos todos CUnha”, o Napoleão das Alterosas, a “a voz à procura de um cérebro”. Os últimos dos moicanos, desde sempre alcovitados pelos a$$oCIAdos do Instituto Millenium, os neofascistas deixaram sem merenda na marcha dos zumbis. É bonito ver Fernando Francischini e Beto Richa engrossando o coro contra a corrupção. Só doentes para não perceberam o tamanho da hiPÓcrisia que tomou conta da turba que votou no Aécio. Até o banqueiro da Brasif, Cláudio Procownick, levou sua escrava, porque pode pagar, a tira-colo para as manifestações. Quer violência maior do que atirar um punhado de dinheiro na cara de alguém obrigado a cumprir um papel que vai de encontro aos seus interesses?! O que o banqueiro fez para melhorar a vida dos que ele emprega como “domésticos”? Será que ele viu o filme “Que horas ela volta?”?! O que ele diria se, ao invés de FHC, Lula tivesse sustentado Miriam Dutra na Espanha para que a Globo continuasse com o governo na mão?!

Em Porto Alegre, o pessoal pego na Operação Portocred, vestindo camisas Padrão FIFA da CBF, se fizeram de cortina para protegerem a RBS & Gerdau da Operação Zelotes. Não lembraram de Augusto Nardes nem de ninguém do PP gaúcho… Por quê? Certamente não é pela falta de informação. Pode-se botar, sem qualquer margem de erro, na deformação do caráter. Nunca, nem aqui nem na China, curso superior e acesso à cultura supriu o maucaratismo. Por que ninguém fala na Lista Falciani do HSBC? Ora, ninguém é obrigado a se auto incriminar, diriam os palhaços…

A Rede Globo, que amadrinhou a manada para o golpe paraguaio tem mais interesse que seus amestrados na deposição de Dilma. Além do envolvimento de todos os seus varões de Plutarco, a própria tem muito a se explicar. E não se trata apenas da parceria com J. Hawilla, nem a longeva irmandade com João Havelange, Ricardo Teixeira, José Maria Marin, Marco Polo del Nero. Com estes sonegou os valores decorrentes das Copas de 2002 e 2006. Pior do que isso é a tentativa de capturar a Justiça mediante estatuetas, sem contar o ninho de captação, o Instituto Innovare. A cereja do bolo é informação pela imprensa do exterior, Bloomberg, que a mansão irregular de Paraty estaria em nome de offshore ligada a empresa investigada na Lava Jato (Mossack Fonseca). Por aí se confirma: tudo o que é imputado ao Lula decorre do fato de eles tomarem a si por parâmetro. Por fazerem se julgam no direito de atribuírem a outrem suas práticas.

Os golpistas sabem perfeitamente de tudo. Então, se apesar de saberem que são apenas bois de piranha, continuam se deixando conduzir bovinamente é porque o nível ético está abaixo do cu do cachorro. Não se importam em cumprirem o papel de biombo dos corruptos. Como podem explicar a derrubada de Dilma para porem Michel Temer, Renan Calheiros ou Eduardo CUnha? Não se trata do Aécio Neves, que já está sendo derrubado pelos seus pares paulistas. A briga de bugio entre Doria e Matarazzo diz muito a respeito dos que vivem acusando a Presidenta Dilma. Nunca os nomes do PSDB foram tão apropriados para uma disputa política “Dó Ria e Mata Razo”! Estes são aqueles que a imprensa trata por semideuses na comparação com a “demoníaca” Dilma.

Não houvesse o compadrio do MPF que alcovita o Napoleão das Alterosas, o pentacitado nas delações premiadas já teria sofrido o sequestro que Lula suportou. A caçada ao Lula explica porque os corruptos devem ser protegidos. Preso Lula e derrubada Dilma, sai Janot e entra Rodrigo de Grandis. No Ministério da Justiça entra Newton Ishii pelos relevantes serviços prestados à tríplice fronteira… Silas Malafaia, Marco Feliciano e até Marcola ocupariam Ministérios. Merval Pereria ou seria o porta-voz, como ACM no tempo de Tancredo e Sarney, Ministro das Comunicações. E assim a Rede Globo voltaria a tomar empréstimo do BNDES…

O melhor roteiro da insana caçada ao Lula Gigante foi escrita pelo auditor da Receita Federal Allan Patrick, mas nem a genialidade de Kafka, lembrada por ele, conseguiu construir um Processo mais ensandecido que a legião de zumbis que rondam a vida do Lula.

Fico me perguntando o que fariam depois de uma eventual prisão do Lula?! Iriam voltar a arrancar maconha no polígono das secas?! Trabalhariam de freelance para  Rede Globo? Virariam guardas de aeroportos clandestinos? Conduziriam os heliPÓpteros para ancoradouros seguros, mais próximos dos consumidores?! Só a total inversão de valores explica porque todo o PSDB e PP são condenados no exterior enquanto gozam de imunidade e proteção mafiosa pelas instituições aparelhadas de golpistas.

Quem está adorando tudo isso são os mesmos que estiveram no Egito, Líbia, Ucrânia, Síria & Venezuela. Coincidentemente, todos países produtores de petróleo, como o Brasil do Pré-Sal. Alguém ainda lembra do Edward Snowden e as revelações de que NSA grampeava Dilma e a Petrobrás?! Não? Que conveniente…

Golpe Paraguaio. Nunca um nome foi tão apropriado para o que está acontecendo no Brasil. E não é porque foi importado do Paraguai pelo japonês bonzinho…

22/02/2016

Abuso de confiança

Midia DesonestaOs crimes praticados pela velha mídia se equiparam aos crimes praticados no seio das Igrejas: a pedofilia dos padres aos quais foram entregues por confiança crianças e jovens se equivale ao abuso praticado pelas concessões públicas, o monopólio mafiomidiático. Diversamente da pluralidade das religiões que abusam da confiança nelas depositada, no Brasil temos apenas cinco famílias que monopolizam os negócios da informação: Civita, Frias, Mesquita, Marinho & Sirotsky. E não é demais repetir, são concessões públicas, portanto, deveriam zelar por um bem público.

Como se dá o crime no lumpenjornalismo?

Iguais ao bandido grego, Procusto, as cinco irmãs estendem suas vítimas na cama de seus interesses. Jogar simplesmente a culpa no patrão é o mesmo que fizeram os subalternos de Hitler, muito bem demonstrado nos livro “Os carrascos voluntários de Hitler”. Com o agravante de que os jornalistas têm a opção, já aqueles que extrapolavam as medidas da cama de Hitler perdiam, literalmente, a cabeça.

Não me iludo com o repentino reaquecimento do caso Miriam Dutra. O reaparecimento de FHC atende apenas e exclusivamente ao objetivo de servir de álibi para a caçada ao Lula. FHC é candidato a presidiário; Lula é pré-candidato para 2018. Pouco importa se Bumlai é amigo de Lula e que Fernando Lemos e Jorge Bornhausen não sejam amigos de FHC, ou que Zezé Perrella já não é mais amigo de Aécio Neves. O povo que não come pelas mãos dos bandidos mafiomdiáticos já percebeu a manipulação grosseira dos golpistas paraguaios.

Nem ao mais beócio dos jornalistas faleceria o entendimento de que estão indo, para usar um termo caro à Escola FHC de bandidagem, muito além do “limite da responsabilidade”. E o objetivo é de uma clareza meridiana: impedir uma nova candidatura do grande molusco. Não precisa ser inteligente, basta não ser burro nem safado para entender que o reaparecimento do caso Miriam Dutra é extemporâneo e serve apenas para vender aos incautos o balcão do MPF de que pau que bate em Chico também bate em Francisco. O assunto Miriam Dutra é mais velho que Matusalém. Então, por que só agora?!

Fica por demais evidente quando mantém o foco na moça. E a Rede Globo? Qual é a participação da Rede Globo nesta armação ilimitada? E a famiglia Bornhausen da Brasif, quando lucrou nesta parceria de cama, mesa e banho?

Será que  Rede Globo não sabia de nada?! A fonte de abastecia a funcionária na Espanha é mesma que financia a compra de estatuetas para capturar mariposas?!

Por que nunca interessou ao MPF a captura do governo FHC, via Miriam Dutra, pelas Organizações Globo? Seria pelas mesmas razões que levam o MPF a fazer novas parcerias, via vazamentos seletivos, com os mesmos grupos mafiomidiáticos. Esses procuradores da Lava Jato são daltônicos? Só viam a cor do subsídio mas nada da vênus platinada?! De repente, viraram arautos do combate à corrupção e caçadores de obras primas: Lula e sua ousada determinação de instituir políticas sociais reconhecidas mundialmente. Nesta Belíndia, com forte apoio midiático, os procuradores da Bélgica se insurgem para manterem as castas da Índia.

Desde o início pressenti que o combate à corrupção dos movimentos orquestrados pela velha mídia tinham por objetivo combater a concorrência à corrupção. Pior, os pretextos não passam de cortina de fumaça para que pudessem voltar a roubar não só impunemente mas com o apoio despudorado dos que, ao longo da própria história, se locupletaram com a corrupção: a velha mídia.

As recentes decisões apontam para inimputabilidade do PSDB. Aécio Neves figura na mesa dos inocentes. A justiça acaba de passar uma camada de teflon nele. Toda vez que virem notícia da apreensão de menores com maconha lembrem-se: um helipóptero com 450 kg de cocaína virou pó…

Todos os golpistas que querem derrubar Dilma estão envolvidos em corrupção. A começar por populares e até pessoas pessoas próximas da gente. Quem dá atestado médico falso; quem sonega; quem recebe mais créditos no cartão de estacionamento mais do que lhe é devido e não devolve; quem estaciona em lugar de deficientes ou idosos; quem fura fila; quem altera nota fiscal; quem altera recibo médico; quem busca atestado falso para não trabalhar: todos são tão ou mais corruptos do que aqueles que alegam combater. E quem não conhece estridentes combatentes da corrupção alheia que não tenha incorrido nestes atos de corrupção?!

Agora vejamos o decálogo dos famosos arautos do combate à corrupção:

1) famiglia Marinho: os donos da Rede Globo compõem, segundo a Forbes, a família mais rica do Brasil. Se há mérito no que conseguiram,também é verdade que alcançaram graças à parceria que fizeram com os ditadores e capturando FHC viam Miriam Dutra. Quando não encontraram governo útil aos seus propósitos, partiram para o golpe pura e simplesmente. A sonegação descoberta relativamente às copas de 2002 e 2006 é apenas a cereja do bolo. A parceria com a Time-Life é o registro da longevidade da parceria com a corrupção. O documentário Muito Além do Cidadão Kane está aí para provar. Os Escândalos da Parabólica e da Proconsult dão uma pálida ideia até onde vai o comportamento mafioso.

2) famiglia Frias: os combativos donos da Folha de São Paulo não só apoiaram a ditadura como emprestavam suas peruas para transportarem os corpos destroçados dos presos políticos. A comissão da verdade provou que eles também participavam, pelo menos como assistentes, das sessões de tortura. Como sabemos, eles não se contentavam em prender quem pensava diferente. Mas se compraziam em prender, torturar, estuprar, esquartejar e depois escondiam os corpos dilacerados nas valas clandestinas do cemitério de Perus, em São Paulo. A Rede Globo que tanto acusa o BNDES agora foi apontada pela Miriam Dutra de ter se beneficiado, via FHC, de empréstimo subsidiado. O tCU não viu nada, nem a PF nem o MPF. Para a Rede Globo, o BNDES é quem “faz a diferença”…

3) famiglia Mesquita: o Estadão que ajudou a ditadura, voltou-se contra ela quando já não podia fazer nada. A mesma família que constantemente busca criminalizar a Lula e seus filhos, jamais respondem pelo crime que seu chefe de Redação, Pimenta Neves, cometeu. Como sabemos, os assédios morais e sexuais sobre Sandra Gomide ocorriam nas barbas dos impolutos Mesquitas.

4) famiglia Sirotsky: como filial da Rede Globo, a RBS está envolvida até a medula na Operação Zelotes. Como o PSDB, a RBS parece também ser inimputável. Aliás, a parceria da RBS com Augusto Nardes lembra outra parceria de maior espanto da Rede Bunda Suja, aquela com Antonio Britto que lhe rendeu, de mão beijada, a CRT.

5) famiglia Nardes – Augusto Nardes está na Zelotes, aliás, como todo o PP gaúcho está na Lava Jato.

6) famiglia Cedraz – que faz dobradinha com a famiglia Nardes no tCU!

7) famiglia Capez – fraudando a merenda escolar na Capitania Hereditária do PSDB.

8) familia PSDB – desde a fundação afundando o Brasil. Desde FHC, Mário Covas, José Serra, Cássio Cunha Lima, Yeda Crusius, Beto Richa, todos inimputáveis, como a famiglia Corleone. Luciana Cardoso encabeça uma réstia de alho de uma famiglia dada ao emprego sem trabalho. Antes dela Aécio Neves, com 17 anos e estudando no RJ, tinha cargo em Brasília. Agora esta da irmã da Miriam DutraMargrit Schmidt é a verdadeira face da cruza da meritocracia com o choque de gestão vendido pela mídia como sendo filosofia do PSDB… Fernando Lemos e Fernando Gouveia fazem parte da mesma constelação.

9) famiglia MPF – esses procuradores arrotando combate à corrupção e que já recebiam seus subsídios religiosamente nas duas gestões FHC deveriam devolver o que receberam por falta não justificada. É dinheiro mal havido. Que os políticos de qualquer matiz façam o discurso que quiserem para derrotarem seus adversários é da regra do jogo, que procuradores arrotem prepotência com tamanho rabo preso é de uma desfaçatez sem precedentes. De regra, são seguidores de Geraldo Brindeiro, como Rodrigo de Grandis ou Douglas Kirchner: criminalizam seus adversários ideológicos como cortina de fumaça para encobrirem seus partidários.

10) famiglia Marcola – bem, aqui entram Marcola, o heliPÓptero e toda sorte de facínoras que tem assento nas conversas com golpistas sem serem incomodados pela mídia. Pode-se incluir toda pena de aluguel, aquelas que gozam com o pau do patrão. Como o bandoleiro mitológico Procusto, desde que caiba na cama dos golpistas qualquer bandido é bom. Pode-se ter assento com bandidos, aos quais é dado o benefício da dúvida. Só não há dúvida quando se trata de criminalizar Lula. Aí, até transportar uma caixa de isopor com cerveja vira motivo para criminalizar. Na famiglia do Marcola entram todos os fascistas padrão FIFA que vestem a camisa com escudo da CBF para pedir ditadura e defender a sonegação. Entra Eduardo CUnha e sua trupe de Kim Kataguiri Brasil afora. Entra a Lista Falciani do HSBC. Entram todos os que o noticiário deixa de fora de seus ataques, cujo silêncio grita mais alto.

16/12/2015

Rubnei Quícoli e o jornalismo que “faz diferença”

Antes da “Marice Corrêa de Lima” teve o Rubnei Quícoli. E desde sempre haverá algum “amigo do Lula”, mas nunca haverá o amigo do Gilmar Mendes, amigo do FHC, amigo do Aécio Neves. Nem mesmo Zezé Perrella, depois da apreensão do heliPÓptero, será considerado amigo do Napoleão das Alterosas.

O melhor adubo e a melhor estufa para desenvolver e proteger criminosos está nas mãos dos grupos mafiomidiáticos. É o que os assoCIAdos do Instituto Millenium fazem de melhor. Se há bandidos nas instituições públicas que roubam inpunemente, agradeça às cinco famiglias (Civita, Frias, Mesquita, Marinho & Sirotsky) mafiomidiáticas. Eles sabem como recrutar, mediante estatuetas compradas com sonegação, capitães de mato que atendam a seus intere$$es.

Furtado: A imprensa está pautada por bandidos

: <p>Porto Alegre - Entrevista com Jorge Furtado na sede da Casa de Cinema - Foto Eduardo Seidl - 10.05.10</p>

Cineasta Jorge Furtado afirma que a irresponsabilidade da mídia alimenta o espírito golpista da sociedade, na medida em que não oferece uma correta leitura da realidade brasileira: “Os jornais estão impregnados de ideologia. A infâmia e a fama são absolutas nessa era da mídia”, lamentou; ele cita nomes como o do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) e de delatores da Lava Jato e diz: “São bandidos que alimentam diariamente a imprensa, são eles que fazem as capas de jornais diariamente”

16 de Dezembro de 2015 às 06:03

Por Naira Hofmeister, da Carta Maior

A memória prodigiosa para “lembrar de nomes esquisitos” somada à curiosidade investigativa permitiu ao cineasta Jorge Furtado criar uma pequena enciclopédia de casos que exemplificam como a imprensa trai seu compromisso de informar o cidadão no Brasil.
Ele deu uma amostra disso ao público que assistiu a sua palestra na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, no último sábado, 12 de dezembro. Disse mais: que a irresponsabilidade da mídia alimenta o espírito golpista da sociedade, na medida em que não oferece uma correta leitura da realidade brasileira.
“Os jornais estão impregnados de ideologia. A infâmia e a fama são absolutas nessa era da mídia”, lamentou.
Apesar de sua crítica da imprensa, Furtado tinha uma perspectiva positiva, graças à novíssima lei que garante o Direito de Resposta àqueles que se sintam prejudicados por uma matéria distorcida ou mal apurada. “É uma novidade que pode mudar muita coisa”, exaltou o cineasta, apontando o episódio.
Mal sabia Furtado que dois dias após sua fala, a Associação Nacional dos Jornais (ANJ) – que representa os conglomerados de comunicação do país – entraria com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para cassar a recém-editada lei, nesta segunda-feira (14).
Segundo o portal especializado Jota, a Ação Direta de Inconstitucionalidade tenta anular cinco dos 12 artigos que regulamentam o Direito de Resposta. A justificativa da ANJ é que a norma “afronta garantias constitucionais a exemplo do devido processo legal, do contraditório e da ampla defesa”, entre outros.
“Na prática, o instituto do direito de resposta, ao invés de pluralizar o debate democrático, converteu-se em instrumento capaz de promover grave e inadmissível efeito silenciador sobre a imprensa”, defendem os jornalões.
O cineasta não sabia ainda da iniciativa dos empresários da comunicação, mas de sua palestra pode-se concluir que daria uma gargalhada diante dos argumentos.
“A imprensa publica o que quer, sem checar nenhuma denúncia. Depois, quando elas não se confirmam, ninguém volta para retificar”, condenou no sábado.
Além da investida contrária da ANJ, a força da medida ficou evidente quando O Globo publicou uma errata na capa do jornal, desmentindo uma informação que havia sido manchete em outubro e que vinculava o filho de Lula à corrupção investigada pela Operação Lava Jato – não por força da Justiça, mas por iniciativa própria do jornal, dado que a norma estava por ser assinada pela presidenta Dilma Rousseff.

O caso Rubnei Quícoli
Um dos “nomes estranhos” que Jorge Furtado nunca apagou da memória é Rubnei Quícoli – “já pensou um personagem com nome desses?”, introduziu.
Rubnei Quícoli protagonizou uma ficção em 2010, mas ela saiu no jornal como verdade e Furtado lembra do episódio com detalhes. “Deram uma foto de meia página dele com um terno preto em cima de um edifício muito alto. Parecia assim uma campanha da Hugo Boss”, comparou.
A imagem ilustrava uma reportagem em que Quícoli acusava a ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra de ter cobrado propina para negociar um empréstimo do BNDES a um empreendimento seu na área de energia eólica.
Erenice chegou a ser investigada, mas nada sendo provado contra ela, o processo foi arquivado. A Folha de S.Paulo se limitou a noticiar o fim do inquérito.
A indignação de Furtado, entretanto, recai sobre o inusitado fato de que o denunciante, Quícoli, era um bandido com extensa ficha criminal. “Ele tinha várias passagens pela polícia. Chegou a tentar vender um caminhão e sua carga roubada ao antigo dono e depois tentou matar o motorista que o entregou”, recordou.
“E esse sujeito ocupa a capa da Folha de S.Paulo”, surpreende-se, passados já cinco anos do episódio.
Furtado coloca no mesmo cesto outros nomes que memórias ordinárias são capazes de reconhecer: o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) ou os delatores da Lava Jato. “São bandidos que alimentam diariamente a imprensa, são eles que fazem as capas de jornais diariamente”, conclui.

A corrupção na Petrobras
O cineasta – que levou às telas de cinema seu olhar sobre a imprensa brasileira no documentário O Mercado de Notícias (fragmentos podem ser assistidos aqui;http://www.omercadodenoticias.com.br/) – condena a partidarização da imprensa no Brasil, coisa que, aliás, foi assumida pela ex-presidente da ANJ Judith Brito, quando ainda comandava a entidade: “Os meios de comunicação estão fazendo de fato a posição oposicionista deste país, já que a oposição está profundamente fragilizada”, ela explicou em 2010.
“Neste caso, a imprensa assume que deixa de fazer jornalismo e passa a fazer política. Não se dedica mais a buscar a verdade factual e isso é um grave problema para a democracia”, defendeu.
Furtado exemplificou, com o caso da Petrobras, que o senso comum já se acostumou a relacionar a uma desvalorização e desmonte que seriam consequências diretas da corrupção ocorrida nestes 13 anos de governo do PT.
“Só que outro dia descobri que a Petrobras se tornou a maior petrolífera do mundo este ano! Que bateu o recorde de exploração de petróleo, alcançando 1 bilhão de barris. Esse ano!”, repetiu.
Ele também leu manchetes dos jornais dos anos 60, nas quais eram relatados problemas de corrupção graves na estatal. Lembrou ainda que as denúncias dos jornalistas Paulo Francis, na década de 90, e Ricardo Boechat ainda nos anos 80 sobre os desvios de verba para uso pessoal na Petrobras. Boechat, hoje no grupo Bandeirantes, ganhou o prêmio mais respeitado do jornalismo brasileiro com sua investigação, O Esso.
Mesmo analisado o atual escândalo, Furtado lembra que em seus depoimentos, os delatores dizem que “essa quadrilha” operava na Petrobras desde 1997 – antes, portanto, de o PT assumir o Palácio do Planalto.
Outro elemento que lhe causou estranhamento foi ver uma reportagem sobre o pagamento de propina na estatal ilustrada com a imagem de uma lista dos receptores de dinheiro. O jornal borrou um trecho onde aparecia a inscrição “15M para JS”, seguidos do endereço e do telefone do ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB).
“Puseram uma tarja preta para não mostrar a vinculação com Serra. Mas quando o Bumlai (José Carlos Bumlai) foi preso, ele era o ‘amigo do Lula’”, comparou.

“A eleição não terminou”
O bate-papo com Jorge Furtado foi uma promoção dos gabinetes dos deputados do Partido dos Trabalhadores (PT) Stela Farias (estadual) e Henrique Fontana (federal).
Era um momento que vinha sendo acalentado desde o ano passado, ainda quando se discutia a reforma política que acabou saindo de maneira enviesada. Na ocasião, se achou melhor deixar “para depois da eleição”.
“Só que a eleição ainda não terminou, ela não termina nunca”, lamentou o cineasta.

Furtado: A imprensa está pautada por bandidos | Brasil 24/7

26/10/2015

As bombas que eram tracks

As pombas

Raimundo Correia

Vai-se a primeira pomba despertada…
Vai-se outra mais… mais outra… enfim dezenas
De pombas vão-se dos pombais, apenas
Raia sanguínea e fresca a madrugada…

E à tarde, quando a rígida nortada
Sopra, aos pombais de novo elas, serenas,
Ruflando as asas, sacudindo as penas,
Voltam todas em bando e em revoada…

Também dos corações onde abotoam,
Os sonhos, um por um, céleres voam,
Como voam as pombas dos pombais;

No azul da adolescência as asas soltam,
Fogem… Mas aos pombais as pombas voltam,
E eles aos corações não voltam mais…

Como no poema do Raimundo Correia, uma a uma as bombas soltadas pelos golpistas vão se esfacelando como tracks de festa infantil. Os assoCIAdos do Instituto Millenium vendem os tracks como se fossem as tais bombas inteligentes que os EUA jogaram sobre o Afeganistão. Lá como cá, atingem, cirurgicamente, apenas… hospitais. Aliás, ainda no ramo de bombas, a direita brasileira tem um apego muito grande por bombas que estouram nos próprios braços, como aquela do Riocentro.

O que estamos vendo é que, como as pombas do Raimundo Correia, as bombas da direita hidrófoba voltam aos umbrais de onde saíram, mas os sonhos de destruir Lula, Dilma e PT, que move todo todo brasileiro corrupto, já não convencem mais. O jornalismo de torcida organizada, do tipo hooligans, é tudo o que resta aos golpistas inveterados.

Lista das principais bombas lançadas contra o PT, Dilma e Lula e os seus lançadores:

RBS, Rede Globo e demais membros do Instituto Millenium

sonegação é só negação não é corrupçãoOs veículos de mídia, por terem o DNA incrustrado no golpismo, mantém um guerra sem quartel contra Lula, Dilma e o PT. O ódio disseminado pelos grupos mafiomidiáticos quer convencer os seus candidatos perdedores que o poder lhes pertence por direito divino. Revelado pelo vazamento, via parabólica, a prática de esconder o que é bom ao PT, Lula e Dilma e mostrar tudo o que lhes possa ser jogado como criminoso, constitui-se a verdadeira Lei Rubens Ricúpero. Eis aí a primeira bomba que se autodestrói. A Rede Globo está envolvida, junto com J. Hawilla, Ricardo Teixeira, José Maria Marin e Marco Polo del Nero, no escândalo de sonegação da Copa de 2002. A RBS, por sua vez, foi pega na Operação Zelotes corrompendo para sonegar pelo menos R$ 113 milhões. É com este dinheiro sonegado que eles capturam servidores públicos e políticos para se safarem de suas obrigações legais. O ódio dos grupos mafiomidiáticos pode ser medido por declarações de seus estafetas mais ilustres: Luis Carlos Prates, Arnaldo Jabor, Rachel Sheherazade, Merval Pereira, Fernando Gouveia e Danusa Leão. Acaba de vazar que a RBS pagou R$ 11,7 milhões para se safar de R$ 113 milhões de impostos. E isto explica porque um Estado que já foi pujante, desde que a RBS por aqui cresceu, arrefeceu. Dizem que o RS está quebrado mas não dizem quem o quebrou. A RBS teve e tem participação nisso. Não por acaso, seus mais salientes funcionários, buscam conseguir imunidade parlamentar. Pode-se inscrever neste rol, além do já denunciado Afonso Motta, também os dois senadores da RBS, Ana Amélia Lemos e Lasier Martins. A sonegação conseguida mediante pagamento de quase doze milhões explica porque a RBS deu tanta cobertura aos manifestantes que diziam que sonegação não é crime…

Pode-se e deve-se por na conta dos grupos mafiomidiáticos a luta constante contra o ENEM. Foram eles que repercutiram o grito dos que não queriam concorrência para ingressar nas Universidade Públicas. Coincidentemente, passaram a odiar Lula que sozinho construiu mais Universidades que todos os seus antecessores somados. De repente, o ENEM passa despercebido e leva às universidades um público diferenciado, em cores e procedências. O resultado disso vai demorar, mas vai aparecer. Instituições hoje ocupadas por oriundos da classe média secularmente privilegiada transformar-se-ão quando esta leva social substituir a anterior.

A Folha tem um costume que se observa de forma crônica também nos demais: acusações que de alguma forma visam Lula, seu nome e seu partido aparecem na TV. Se a má notícia tem a ver com o PSDB ou seus aliados de ocasião, o fato é tratado de forma asséptica, como quem se desculpa por trazer o assunto à baila. Por exemplo, a má administração, o descalabro na segurança pública jamais são levados à conta de Geraldo Alckmin. Se der, põem a culpa no PT.

AssoCIAções Médicas

mais medicos menos mulasTodo dia que passa mais médicos envolvidos na batalha contra o Mais Médicos aparecem em situações de completa e absoluta falta de ética. A máfia de branco não esconde todo ódio que têm pelas políticas de saúde pública que levam atendimento a locais carentes. Não importa que milhões de pessoas ficariam sem assistência, importa demonstrar em praça pública toda a deformação profissional e a completa ausência de escrúpulos humanísticos. É irmã siamesa da constatação que fez Danusa Leão: “Ir a Nova York já teve sua graça, mas, agora, o porteiro do prédio também pode ir, então qual a graça?”

O fato de pessoas que estão na “casta”, ao parecer deles, mais inferior disputar e ocupar espaço em sala de aula com os filhos dos sempre privilegiados é motivo de ódio animalesco. O filme da Anna Muylaert, “Que horas ela volta?” da conta muito bem de retratar essa situação criada pelo PT de Lula e Dilma.

Outro lado desta mesma moeda reside no vira-latismo em relação à valoração do filme. Só passa a ter valor a partir do momento que concorre a prêmios internacionais.

Se lá fora for aceito, então é bom. Se não, não!

Para se ter uma ideia, o símbolo moral do ódio médico é Ronaldo Caiado

 

tCU

tCU faz de contaÓrgão (sic!) auxiliar do Congresso é o mais novo bastião dos golpistas. Sonho de onde partiriam as bombas que serviriam para detonar Dilma, descobre, antes mesmos que seus torpedos cheguem ao Congresso, que eram track de corruptos inveterados.

Augusto Nardes, ilustre membro do PP gaúcho, pego todinho na Lava Jato, também foi pego na Operação Zelotes.

Agora é a vez de outro ilustre membro daquele grupelho de políticos fracassados, o Aroldo Cedraz.

Ana Arraes, que fazia uma dupla inseparável com o filho Eduardo Campos, perfilou-se aos inescrupulosos parceiros.

Augusto Nardes e Aroldo Cedraz são personagem que até bem pouco tempo, como ensina FHC em suas memórias, tinham livre trânsito para fazerem o que fazem sem serem incomodados por incômodas denúncias.

Eduardo CUnha

cunhas-somosProtegido pela Rede Globo, onde trabalhava a mulher Cláudia Cruz, o Presidente da Câmara virou Meca do MBL, Carlos Sampaio, Aécio Neves e Paulinho da Força Sindical. A Veja, como fizeram com Demóstenes Torres, apostou todas as fichas nele. As Marchas dos Zumbis, puxadas pela mídia golpista, tinham para Eduardo CUnha um lema que não deixa dúvida do nível das manifestações que tentaram destituir Dilma para colocar em seu lugar o Napoleão das Alterosas: “Cunha é corrupto mas está do nosso lado”. Não é só fazer coro ao notório corrupto, mas principalmente indicativo do déficit civilizatório da turma do toxicômano. Se houvesse qualquer compromisso no combate à corrupção o MPF teria processado os portadores de tais faixas por apologia à corrupção?!

Eduado CUnha, em que pese todas as provas já reunidas pela Suíça, continua podendo interferir na ocultação de provas e na continuidade dos crimes. Tentou, inclusive, impedir que a Suíça enviasse ao Brasil o dinheiro e as provas. Não há, até este momento, pedido de prisão seja dele, seja dos demais membros da quadrilha familiar, por obstrução à justiça ou ocultação de provas. Não há, no caso do CUnha, a mesma virulência aplicada com a CUnhada do Vaccari, o que indica até que ponto nossas instituições agem à reboco de interesses escusos. Embora não esteja no PSDB, para tamanha imunidade, Cunha tem sido muito  útil ao PSDB. A parceria que fez com Carlos Sampaio para tentar entronizar o Napoleão das Alterosas tem obnubilado os olhos cegos e estrábicos da justiça.

 

FHC

Miriam-DutraO ex-presidente, a par de tudo o que já se sabia, agora botou em livro que não só nomeou ladrões como, sabendo, nada fez para puni-los. Até aí, nenhuma novidade. O que mostra o verdadeiro caráter dele e de seus aliados é a festa que Veja fez neste fim de semana por mais esta descoberta na biografia do mestre dos corruptos.

A capacidade,  a inteligência de FHC mede-se também pelo fato de ter sido traído até pela amante. Assumiu como seu um filho que era só mãe, Miriam Dutra. Como os filhos de D. Ruth sabem o pai que têm, pediram exame de DNA e encontraram indícios de que era filho da Globo, usado para capturar o governo no tempo do pai. O empréstimo do BNDES a Globopar explica o ostracismo da funcionária da Globo na Espanha. Quem a sustentou por lá?

A destruição do patrimônio nacional em prol do Consenso de Washington rendeu a ele e de resto aos seus correligionários o legado de três passada de pires ao FMI. Em contrapartida, não deixaram nenhuma obra que se use cimento e tijolos. Só pessoas totalmente desinformadas ou com muito ódio para dar trela ao pior presidente que este país já teve. Se não bastasse tudo o que já sabíamos, agora começam a aparecer até pela boca dele. Como diz o ditado, quem fala muito dá bom dia a cavalo. Por ser figura onipresente na mídia golpista, todo dia tem uma entrevista sem que dele se cobre responsabilidade por ter posto, no limite da responsabilidade, todos os casos de corrupção sob o manto do primo de seu vice. Geraldo Brindeiro, quatro vezes reconduzido, sendo que na última havia ficado em sétimo lugar na eleição pelos seus pares da procuradoria, era primo de Marco Maciel. Outro legado que envergonha qualquer pessoa minimamente informada na área jurídica é Gilmar Mendes.

Manifestações e a Marcha dos Zumbis

Manifestações - negros nao entram_Desde 2013 brotou um caldo de cultura de ódio e despeito que envergonha as pessoas que têm um mínimo de decência. Chamo de Marcha dos Zumbis porque reúne pessoas e ideias que pensava estavam abaixo das placas tectônicas. Usar a democracia para pedir a ditadura é menos paradigmáticas das obscenidades. Primeiro, foram contra o fato de Lula ter conseguido trazer a Copa de 2014 para o Brasil. Diziam, #naovaitercopa. A Folha de São Paulo chegou a dar manchete “Copa começa hoje com seleção em alta e organização em xeque”. Depois, os reis dos camarotes vips do Itaquerão, patrocinados pela Multilaser, Banco Itaú xingaram Dilma para que o mundo pudesse ver o nível educacional. A partir daí os golpistas vestiram a camisa Padrão FIFA da CBF. Os golpistas, como a seleção da camisa que vestem, estão levando 7 x 1. Mas isso não importa. Assim como não importa que todos os corruptos ligados ao futebol, como os golpistas, andam livres, leves e soltos pelo Brasil, mas não ousam viajar ao exterior. O patrono deles está na Suíça e talvez vá aos EUA, e não será para Miami, de onde Ricardo Teixeira fugiu para… o Brasil. Aqui, enquanto Lula não for caçado e preso, não corre risco algum. Aqui toda direita está ocupada em encontrar pelo em ovo ou prender Lula pelos filhos ou noras.

Por não ter entendido como tirar proveito das manifestações, Arnaldo Jabor foi ridicularizado pela tv Argentina. Um dia disse atacou os manifestantes, no dia seguinte disse exatamente o contrário e tudo espumando de ódio. E se o patrão pedisse, desdiria tudo novamente. Seres invertebrados tem estas e outra facilidades.

Em porto Alegre, uma cidade tomada e domada pelos interesses da RBS, houve manifestações no reduto da classe média alta, Parcão e Bela Vista. Não há um registro de manifestações na Restinga ou na Vila IAPI. Claro, só midiotas atenderam ao apelo dos corruptos para derrubar quem deu e está dando todas as condições para que não sobre “pedra sobre pedra” na corrupção.

A bandeira da FIFA foi o menor dos pecados dos manifestantes. Hoje sabe-se que todos seus heróis estão presos ou respondendo processo por corrupção. Quem exigia Padrão FIFA está vendo o chefe da CBF preso na Suíça e os demais sem condições de saírem do Brasil sob pena de serem presos pelo FBI. No entanto, não houve nenhuma manifestação pedido que Ricardo Teixeira, Marco Polo del Nero e seus parceiros na mídia fossem investigados e punidos. Serve, em relação a eles o que disseram em relação ao Eduardo CUnha, “é corrupto mas é nosso corrupto”, “somos milhares de CUnhas”…

 

Narcotráfico

FHC apologia às drogasE assim chegamos ao pilar que move a direita moralista mas imoral. Diz-se que a luta contra as drogas é uma luta perdida. A população carcerária no RS é majoritariamente de pequenos traficantes. Todo dia a mídia publica a apreensão de entorpecentes pela polícia. É a parte menor. A parte maior é consumida nas melhores famílias.

De novo o filme “Que horas ela volta?”. Nele se mostra quem são os consumidores. Se há tanto consumo é porque há muito consumidor. E são eles os responsáveis pela narcotráfico. Não é sem motivo que a mídia esconde a apreensão de 450 kg de cocaína num helicóptero. É a mesma mídia que não faz o menor esforço para mostrar as festas onde rola mais cocaína que guaraná. A Revista norte-americana, TMZ, fala das festas que Aécio dava. Nossa mídia consegue se infiltrar e gravar qualquer coisa, seja em presídios, em selas com Alberto Youssef, mas nunca esteve nas festas do Ronaldinho Gaúcho. Nunca mostrou o que rola nas festas do Ronaldo Nazário. As festas do Aécio, então, nem pensar. Nem mesmo quando o Estadão publicou “Pó pará, governador” a polícia se deu ao trabalho de entender porque José Serra atacou Aécio, pelas mãos de Mauro Chaves, com tamanha ousadia. Juca Kfouri também deu a entender.

Notícia de traficantes se matando tem todo dia. Não há notícia das festas onde a farinhada rola solta. E não me vem com este papo de que é doença. Pelo quantidade de cocaína que a polícia julga que se consome no Brasil, então a nossa classe média deve estar toda doente. Se consumir fosse doença, a primeira providência é levar o sujeito ao médico. E aí chegamos ao paradoxo, FHC pedindo o afastamento da Dilma porque usou dinheiro da CEF, BB e BNDES para pagar em dia o Bolsa Família, mas dele ninguém cobra por fazer apologia de drogas que, como sabemos, não é uma atitude legal num idoso. A menos que seja senil.

Deve-se ao envolvimento do PSDB com as drogas a explicação porque não deu em nada a apreensão de um heliPÓptero com 450 kg de cocaína. A ADPF chegou a publicar que Minas Gerais havia se tornado centro de distribuição de drogas para o nordeste. Qual é a participação dos aeroportos clandestinos nesta logística? Quando disso tem participação senão comissiva pelo menos omissiva de Aécio Neves? Ah, se Zezé Perrela fosse amigo do Lula….

Este são os lançadores de bombas contra Dilma, Lula e o PT. Se nossa democracia está por um fio, o rompimento deste fio está nas mãos dessa turma aí. Vamos deixar?

22/10/2015

Meu nome é Renato Guerreiro, mas pode me chamar de Miriam Dutra

OBScena: a parceria que escondeu a corrupção no Brasil

Marinho %26 FHCAparecem indícios de como FHC foi seduzido pela funcionária da Globo, Miriam Dutra. A captura de FHC pela Rede Globo ficou patente ainda durante a campanha eleitoral, quando o então Ministro Rubens Ricúpero, em parceria com Carlos Monforte, revelou, nos estúdios da Globo, o método que a Parabólica vazou. Aliás, quem já assistiu o documentário Muito Além do Cidadão Kane, sabe como os governos subalternos aos interesses da Rede Globo nomeavam Ministros. Foi assim, aliás, que ACM virou Ministros das Comunicações… Os métodos de captura dos Marinho aparece também na criação do Instituto Innovare e na distribuição de estatuetas compradas com dinheiro sonegado a quem vai fazer a diferença para Rede Globo.

Na parceria de mão dupla reuniu, na ABL, a plêiade do coronelismo eletrônico: José Sarney, Merval Pereira, FHC & Roberto Marinho.

Se os assoCIAdos do Instituto Millenium fossem investigados com os mesmos critérios da Lava Jato, não sobraria nem contínuo fora da prisão. A história da ascensão econômica das cinco irmãs coincide (coincidência?!) com a ditadura.

Presidente do Grupo Globo contesta reportagem da Folha

DE SÃO PAULO – 22/10/2015 02h00 –

O presidente do Grupo Globo, Roberto Irineu Marinho, enviou carta à Folha para contestar reportagem publicada na terça, no site e nesta quarta (21), no impresso, que trata dos diários do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

No primeiro volume dos diários, FHC afirma ter nomeado um alto funcionário do Ministério das Comunicações em 1995 após consultar Marinho a respeito de três indicações. Um desses nomes foi escolhido secretário-executivo pelo então titular da pasta, Sérgio Motta.

O trecho da obra, reproduzido na reportagem da Folha, diz o seguinte: "Eu próprio [FHC], depois de ter pedido uma informação ao Roberto Irineu Marinho a respeito de três pessoas competentes da área, pedi ao [ministro] Eduardo Jorge que as entrevistasse", afirma o tucano. "Passei os nomes ao Sérgio Motta [1940-98]. O secretário-executivo escolhido pelo Sérgio [Renato Guerreiro] é um desses três."

"O então presidente, por iniciativa dele, quis conhecer a minha opinião sobre três nomes para uma posição técnica", afirma Marinho na nota enviada à Redação.

Leia abaixo a íntegra da carta do presidente do Grupo Globo.

*

Na reportagem "Reclamações contra a Folha são uma constante no livro" (ontem, Poder, página A10), a Folha afirma que a Globo influenciou a escolha de nomes no Ministério das Comunicações. Não é verdade. A Folhaomitiu outros trechos do diário em que o então presidente Fernando Henrique atesta que a Globo não teve, nem quis ter, qualquer influência. Em 25 de dezembro de 1994, ele disse: "Nunca houve, nem de longe, nenhuma insinuação de designação de A, B ou C". Mais, o pessoal da Globo especificamente disse o seguinte: "Olha, o ministro é seu, quem disser que fala por nós está mentindo, nós não temos nenhuma reivindicação". Nos registros feitos entre 30 de janeiro e 5 de fevereiro de 1995, disse Fernando Henrique em relação ao ministério: "É preciso mudar os métodos de administração, acabar com o nepotismo e, sobretudo, com a falta de critérios objetivos na distribuição dos canais. Eu já tinha conversado muito com o Sérgio sobre esse assunto e ele está levando isso adiante, com o apoio, hoje, de setores crescentes da opinião pública e –devo deixar aqui um depoimento– do Sistema Globo, que não tem reivindicação nenhuma na matéria. Pelo contrário, o seu desejo é que haja uma limpeza na área". Ao omitir tais declarações, a Folha cometeu erro grave e distorceu os fatos. Para o leitor do livro, o trecho citado pela Folha deixa evidente o que se passou. O então presidente, por iniciativa dele, quis conhecer a minha opinião sobre três nomes para uma posição técnica, nenhum deles das minhas relações pessoais ou profissionais. E, depois de mandar auxiliares inquiri-los e de ouvir a opinião de outras pessoas, nomeou aquele que quis, prerrogativa apenas dele. Outros trechos do diário mostram as dificuldades que nosso grupo de comunicação enfrentou no ministério, o que demonstra, mais uma vez, que nossa influência nele foi nenhuma.

Roberto Irineu Marinho, presidente do Grupo Globo

20/09/2015

A justiça é cega; eu, não!

justica-cega-21O Verissimo é a prova viva da manipulação, desde sempre, da imprensa. O Grupo RBS, onde Verissimo trabalhava (Zero Hora), suspendeu-o simplesmente por ter chamado o então candidato a Presidência, Fernando Collor de Mello, de ponto de interrogação bem penteado.

As filiais da Rede Globo reúnem coronéis locais. No Maranhão, Sarney; Ceará, Jereissati; RN, Garibaldi Alves; Alagoas, Collor; Bahia, ACM; RS, Sirotsky. Como se vê, ao olhar para a ficha corrida destas famílias ficamos com a certeza de que farão de tudo contra movimentos sociais. Haja o que houver, estarão sempre ao lado dos seus finanCIAdores ideológicos.

A captura, mediante estatuetas compradas com dinheiro da sonegação, de parcela do Poder Judiciário faz corar até a estátua à frente do STF.

Conspiração

20/09/2015 – por Luis Fernando Verissimo

Coitado de quem, no futuro, tentar entender o que se passava no Brasil, hoje. A perspectiva histórica não ajudará, só complicará mais. Havia uma presidente — Vilma, Dilma, qualquer coisa assim — eleita e reeleita democraticamente por um partido de esquerda, mas criticada pelo seu próprio partido por adotar, no seu segundo mandato, uma política econômica neoliberal, que deveria agradar à oposição neoliberal, que, no entanto, tentava derrubar a presidente — em parte pela sua política econômica!

Os historiadores do futuro serão justificados se desconfiarem de uma conspiração por trás da contradição. Vilma ou Dilma teria optado por uma política econômica contrária a todos os seus princípios para que provocasse uma revolta popular e levasse a uma ditadura de esquerda, liderada pelo seu mentor político, um tal de Gugu, Lulu, Lula, por aí.

Como já saberá todo mundo no ano de 2050, políticas econômicas neoliberais só aumentam a desigualdade e levam ao desastre. Vilma ou Dilma teria encarregado seu ministro da Fazenda Joaquim (ou Manoel) Levis de causar um levante social o mais rápido possível, para apressar o desastre. Fariam parte da conspiração duas grandes personalidades nacionais, Eduardo Fuinha e Renan Baleeiro, ou coisas parecidas, com irretocáveis credenciais de esquerda, que teriam voluntariamente se sacrificado, tornando-se antipáticos e reacionários para criar na população um sentimento de nojo da política e dos políticos e também contribuir para a revolta.

Outra personalidade que disfarçaria sua candura e simpatia para revoltar a população seria o ministro do Supremo Gilmar Mentes.

Uma particularidade do Brasil que certamente intrigará os historiadores futuros será a aparente existência no país — inédita em todo o mundo — de dois sistemas de pesos e medidas. O cidadão poderia escolher um sistema como se escolhe uma água mineral, com gás ou sem gás. No caso, pesos e medidas que valiam para todo mundo, até o PSDB, ou pesos e medidas que só valiam para o PT.

Outra dificuldade para brasilianistas que virão será como diferenciar os escândalos de corrupção, que eram tantos. Por que haveria escândalos que davam manchetes e escândalos que só saíam nas páginas internas dos jornais, quando saíam? Escândalos que acabavam em cadeia ou escândalos que acabavam na gaveta de um procurador camarada?

Mas o maior mistério de todos para quem nos estudar de longe será o ódio. Nossa reputação de povo amável talvez sobreviva até 2050. Então, como explicar o ódio destes dias?

Pílulas do Instituto Millenium para diverticulite

Rede Roubo, um vez golpista, golpista sempre!

“O pior analfabeto é o que lê a Veja” e mais 11 frases sobre o jornalismo brasileiro. Por Paulo Nogueira

Postado em 19 set 2015 – por : Paulo Nogueira

Acredite se quiser

Acredite se quiser

1)  O pior analfabeto é o que lê a Veja.

2) A Globo não resolve nem o problema da novela das 9 e acha que tem a fórmula para resolver o problema do país.

3)  O surdo irremediável é o que ouve a Jovem Pan.

4)  Não dá para confiar mais nem na exatidão do dia que aparece na Folha.

5)  Fé obtusa é acreditar não nos pastores evangélicos, mas nos editores do Jornal Nacional.

6) Os barões da imprensa merecerão respeito no dia em que aprenderem a fazer uma legenda.

7)  Numa redação, você tem inteira liberdade para dizer sim, sim ou mesmo sim.

8)   Os editoriais exigem toda sorte de corte de gastos do governo, excetuada a publicidade que é colocada neles.

9) O mundo fica subitamente melhor quando você não abre um jornal.

10)  Não há uma pastilha na sede das Organizações Globo que não tenha sido fruto de  dinheiro público.

11) Um macaco teria feito a Globo ser o que é, tantas as mamatas que Roberto Marinho recebeu dos governos.

12)  Nenhum dono de jornal  passaria num bafômetro que medisse a parcialidade.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Paulo Nogueira

Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

Diário do Centro do Mundo » “O pior analfabeto é o que lê a Veja” e mais 11 frases sobre o jornalismo brasileiro. Por Paulo Nogueira

04/09/2015

Não é uma cobertura, Anastasia, é um acobertamento

Mais do que a imunidade judiciária admitida pelo deputado do PSDB gaúcho, Jorge Pozzobom, a direita brasileira é acobertada pelos grupos mafiomidiáticos. As cinco famílias associadas ao Instituto Millenium ditam o que é e o que não crime, quem pode e quem não pode roubar. Este comportamento das cinco irmãs (Folha, Estadão, Veja, Globo & RBS) leva o PSDB e Geraldo Alckmin sentarem com Marcola do PCC mas se negam a negociarem com professores. Criminalizam as ciclovias só porque é de iniciativa de seus inimigos políticos, como bem disse a Diretora do Grupo Folha, Judith Brito.

E não se trata “apenas” de alcovitar a roubalheira de seus financiadores ideológicos, o coronelismo eletrônico acaba, por osmose, a adotar as mesmas práticas de quem eles protegem. Dá até para dizer que a defesa dos corruptos do PSDB, DEM, PMDB é uma espécie de autodefesa, como se pode ver pela Lista Falciani do HSBC e da Operação Zelotes. O volume de recursos públicos desviados nestas descobertas é muitas vezes superior à soma de todas as outras operações, contudo, não merecem uma linha dos principais veículos envolvidos.

E a uma clara condescendência das instituições como PF, MPF & Poder Judiciário. Tanto que até hoje os julgamentos das mais variadas denúncias contra o PSDB dormem nos escaninhos das repartições sem que ninguém vista a camisa da CBF para protestar. Também, como se pode esperar quando quem protesta veste a camisa da CBF, aquela que tem laços mais próximos com a FIFA e com a Rede Globo?!

PF crê que Youssef mandou levar R$1 milhão à casa de prima de Aécio

3 de Setembro de 2015 – Valter Lima

:

Em janeiro, o policial federal Jayme Alves de Oliveira Filho foi acusado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal de ser transportador de dinheiro de propinas do doleiro Alberto Yousseff.

Careca disse em depoimento à PF do Paraná em 18 de novembro que entregou, em 2010, R$ 1 milhão ao então candidato a governador de Minas Gerais Antônio Anastasia (PSDB). Em um segundo depoimento, disse que quem o recebeu nessa casa “parecia” com o ex-governador de Minas.

Por conta disso, o procurador-geral da República remeteu ao STF pedido de abertura de 21 inquéritos contra pessoas com foro privilegiado investigadas pela Operação Lava Jato. Entre elas, o ex-governador Anastasia.

Na última quarta-feira, a imprensa divulga que o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, pediu o arquivamento contra Anastasia por falta de provas. Ato contínuo, a PF pede ao STF que o processo contra o tucano não seja arquivado porque tem novas evidências contra ele.

O pedido para continuar as investigações partiu de um delegado da PF. O delegado agiu com base em e-mail enviado à Presidência da República. O documento indicou a casa em que Careca afirmou ter entregado cerca de R$ 1 milhão a alguém “parecido” com Anastasia.

O e-mail foi enviado por uma mulher que afirma que a casa em que Careca entregou o dinheiro pertence a uma prima do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Tânia Guimarães Campos.

Embora a autora da denúncia pedisse anonimato ao Palácio do Planalto, a PF afirma que ela trabalhou na secretaria de Planejamento do governo de Minas Gerais, ainda na gestão tucana, encerrada em 2014.

A PF decidiu pedir o prosseguimento das investigações contra Anastasia porque a casa descrita no email é, realmente, da prima de Aécio, quem, juntamente com outras lideranças tucanas, frequentaria reiteradamente esse imóvel.

Em seu perfil no Facebook, Anastasia diz que a casa para a qual a PF agora diz que Yousseff mandou o dinheiro não seria a mesma descrita por Careca.

Além disso, o tucano gravou um vídeo em que tenta se explicar.

Só tem um problema nesse vídeo ou na postagem de Anastasia no Facebook: o ex-governador esqueceu de informar que a casa da foto debaixo é da prima de Aécio, Tania Campos. A PF esteve na casa dela na última segunda-feira tirando fotos e descobriu que o dono anterior da casa em que Careca diz ter entregue o dinheiro é ligado ao PSDB.

No relatório da PF são citados dois endereços para a suposta casa onde o dinheiro teria sido entregue ao senador. Ambos no bairro de Belvedere, em Belo Horizonte, distantes cerca de 800 metros um do outro.

Além da residência apontada pela denunciante, a PF chegou a um imóvel que pertenceria a um funcionário da Assembleia Legislativa de Minas e diz que haveria “existência de relevantes vínculos entre os atuais e antigos moradores da residência localizada na av. José Maria Alkimim, 876, bairro Belvedere, Belo Horizonte/MG, e o grupo de sustentação política do senador Antonio Augusto Junho Anastasia”

Deputado mineiro que não quer aparecer “por enquanto” disse ao Blog por telefone, que a PF estaria para incluir a prima de Aécio na investigação e, possivelmente, o próprio presidente do PSDB.

PF crê que Youssef mandou levar R$1 milhão à casa de prima de Aécio | Brasil 24/7

28/08/2015

Um PMDB com a cara de RBS

zhnNo RS é assim, e no Brasil não é diferente, por uma razão muito simples: quem governa o Brasil, desde o golpe de 1964, é a Rede Globo.

É claro que para isso ela tem de capturar ou fazer alguma transação. Na ditadura fez parceria profícua. Enquanto negava as Diretas-Já, negociava a composição com Tancredo e Sarney. Foi assim, por exemplo, que emplacou o porta-voz, Antonio Britto, e o Ministro das Comunicações, ACM.

Aliás, coincidência não gratuita, Roberto Marinho, capo di tutti i capi, comandava sua rede via família de coronéis nos estados: no Maranhão, Sarney; RN, Garibaldi Alves; Alagoas, Collor de Mello; Bahia, ACM; RS, Sirotsky.

Não foi sem motivo que no RS Pedro Simon, embora nunca tenha apresentado um projeto sequer em benefício do RS, foi eleito sob os auspícios da RS. Depois do Amaral de Souza e Pedro Simon, e na mesma trilha, a RBS conduziu ao Piratini Antonio Britto e dele ganhou a CRT. Parceiro do Aécio nos costumes, quando foi saído foi se limpar na Espanha.

Olívio Dutra fez um governo milhares de vezes melhor, mas a RBS não deu tréguas. Achincalhou, em parceria com a Veja (corpos espalhados pelas vilas). Inventaram, com parceria conspícua do Vieira da CUnha, outro comensal da RBS, uma CPI. Todos perderam, inclusive e principalmente o Estado.

Mas deu tempo para Olívio legar uma UERGS e um atestado de honestidade que ninguém pode negar.

Olívio continua morando no mesmo lugar, usando ônibus e bicicleta para se locomover, e com reconhecimento quanto à sua integridade moral, já a RBS está na Operação Zelotes

ZH VejaA perseguição ao Olívio rendeu a eleição de um medíocre chamado Rigotto, cuja acusação mais simples tinha a ver com cocaína na família. Depois RBS conseguiu emplacar a Yeda Crusius, também sob a parceria do PMDB de Pedro Simon & José Ivo Sartori. Cansado de tanta mediocridade, os gaúchos elegeram Tarso Genro. Recuperou o poder do Estado, fortaleceu os servidos e organizou as finanças.

O bombardeio implacável rendeu a eleição de dois funcionários da RBS para o Senado, Ana Amélia Lemos, do PP gaúcho, e Lasier Martins, com um partido de aluguel emprestado por Vieira da Cunha. É o único grupo de comunicação que tem dois senadores.

No governo do Estado a manada amestrada que segue bovinamente a RBS elegeu aquele que tinha por projeto mandar resolver os problemas na tumeleiro. Com os crescentes problemas do Estado, inversamente aos da RBS e da famiglia Sartori, a violência ganhou proporções dantescas. Mas agora a Veja, sempre parceira de qualquer patife, não dá as caras por aqui.

Claro, a Veja no RS atende por Zero Hora. Irmãs-siamesas, via Instituto Millenium, na patifaria.

A RBS e Veja que sempre atentam contra o PT, fazem um silêncio sepulcral em ralação aos patifes do PMDB. A RBS não se dignou a condenar o PP gaúcho pela participção em massa na Operação Lava Jato, nem agora serve para desmascarar a obtusidade do Tiririca da Serra. Se não consegue fazer isso, como já não conseguiu informar sobre a Operação Rodin, nada fará para mostrar o lado do PMDB no apodrecimento das instituições.

O único crime para os grupos mafiomidiáticos é a existência do PT. Marcola, PCC, Aécio Neves, Helipóptero, Alstom, Siemens, Fernando Baiano se inscrevem na Lei Rubens Ricúpero da bandidagem. O silêncio dos assoCIAdos do Instituto Millenium entorno da informação do Alberto Youssef de que Aécio Neves recebia R$ 150 mil mensais pela Lista de Furnas é o suficiente quem são os verdadeiros bandidos.

PETROLÃO

Lobista que negocia delação indica que entregará a cúpula do PMDB

Fernando Baiano citou Renan, Cunha e Henrique Alves nas tratativas com o Ministério Público

Termos da delação devem ser assinados na próxima semana; tempo de prisão é o principal entrave

GABRIEL MASCARENHASDE BRASÍLIABELA MEGALEDE CURITIBA

Apontado como operador do PMDB no esquema de corrupção na Petrobras, o lobista Fernando Soares, o Baiano, disse a integrantes do Ministério Público Federal que pode entregar informações sobre suposta participação de três figuras de peso do partido e de um petista nos desvios de recursos da estatal.

A Folha apurou que ele citou os nomes dos peemedebistas Renan Calheiros (AL), presidente do Senado, do ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves (RN), do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ) e do senador petista Delcídio do Amaral (MS).

O lobista também adiantou que pode dar mais elementos sobre o papel de Nestor Cerveró, ex-diretor da área internacional da Petrobras, no esquema. Embora não tenha detalhado a atuação dos políticos ou de Cerveró, Baiano adiantou que pode contribuir com informações novas.

Essa é a condição imposta pelos investigadores para fechar o acordo, que garantiria ao lobista penas atenuadas.

As conversas com Baiano começaram há cerca de um mês, em Curitiba, onde o lobista está preso numa cela da Superintendência da PF desde novembro. Na última semana, ele teve dois encontros com os procuradores.

Apesar de não ter assinado os termos da delação, o que deve ser feito na próxima semana, o acordo está praticamente fechado, segundo fontes ligadas à Polícia Federal e à defesa do lobista.

Os maiores entraves aconteceram devido ao tempo de prisão. A defesa queria que, com a colaboração, Baiano saísse imediatamente da cadeia, mas a Procuradoria não cedeu. O mais provável é que ele saia apenas em novembro.

Baiano também tentou negociar morar fora do Brasil, já que sua mulher tem cidadania americana. O argumento do operador era que gostaria de reconstruir a vida no exterior com a família. O Ministério Público vetou o pedido.

ALVOS

Cunha, Renan e Cerveró já são alvos da Lava Jato. Cunha foi denunciado ao STF (Supremo Tribunal Federal) na última semana, acusado de corrupção e lavagem de dinheiro. Cerveró foi condenado pelos mesmos crimes. Renan é alvo de inquérito no STF.

Procurados, Renan e Henrique Alves informaram que não iriam se pronunciar. O advogado de Cunha não retornou os contatos da reportagem. A assessoria do PMBD disse que jamais autorizou alguém a se apresentar como operador da legenda.

Delcidio Amaral disse que conhece Baiano da época em que foi diretor da Petrobras, nos anos 90, mas que não teve mais contato com ele. Questionado sobre a possibilidade de ser citado na delação do lobista, o senador afirmou que "desconhece esse assunto".

Já Edson Ribeiro, advogado de Nestor Cerveró, disse que informações colhidas em delações de suspeitos presos não têm credibilidade. Para ele, eles sofrem terror psicológico e só aceitam falar para se verem livres da carceragem.

Questionado sobre a possibilidade de Cerveró se tornar delator, Ribeiro disse que "não haverá delação premiada".

Segundo a Folha apurou, no entanto, a defesa de Cerveró preparou um material volumoso, com 25 anexos, e até o filho do ex-diretor vem acompanhando as reuniões com a Procuradoria. Mesmo assim, as conversas não evoluem, já que os procuradores consideram insuficiente o que ele vem relatando.

O executivo comoveu os companheiros da carceragem ao passar a madrugada desta quinta (27) chorando ao receber a notícia de que sua negociação não estava indo bem. Cerveró tem assistência semanal de um psiquiatra.

25/08/2015

Mais uma que vai virar pó

A pergunta que não quer calar: por que a Veja não vazou antes das eleições. Afinal, só a Veja sabia de tudo… Hoje, prova-se com a revelação abaixo, há mais bandidos comandando os a$$oCIAdos do Instituto Millenium do que no PCC. Aliás, duas instituições tipicamente tucanas. O diversionismo do Ministro Gilmar Mendes, investindo-se no papel de promotor eleitoral para perseguir Dilma, é comovente pelo que significa de fidelidade canina a quem o guindou a condição de ministro. A revista TMZ, Juca Kfouri e Mauro Chaves tinham razão. E a profecia deles antecedeu  o helipóptero.

Uai, moço, “it don’t comes to the case”

Por Fernando Brito · 25/08/2015

tookbribes

É mesmo indispensável o ensino de inglês nas escolas brasileiras.

Só assim o pessoa pode ler matérias que não saem (ou saem escondidinhas, lá no “pé” das reportagens”) como esta da Reuters:

“Lavador de dinheiro brasileiro testemunha que ex-candidato presidencial pegou propina”.

O fato não ocorreu por lá, não. Foi aqui, em Brasília, em pleno Congresso, dentro de uma CPI, diante de dezenas de jornalistas brasileiros.

Parece que estamos voltando aos tempos de “Tanga”, a ilha imaginada pelo Henfil, onde um ditador acaba com a imprensa e recebe um único exemplar do The New York Times, para ele a verdade absoluta.

O pior é que as manchetes são que Eduardo Cunha diz que vai aparecer um delator “premiado” falando de Renan Calheiros, mas um superdelator premiadíssimo, pai de todo o dedurismo, diz que “Aécio Neves took bribes” mal dá um rodapé.

Estamos pior que a Tanga do Henfil, corrijo-me, porque não foi preciso um ditador para acabar com a imprensa.

Ela se matou.

E não foi de vergonha.

Uai, moço, “it don’t comes to the case”TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: