Ficha Corrida

14/10/2015

Vanguarda do atraso, em Uruguaiana tem

Filed under: Incompetente,Políbio Braga,PSDB,TRF4R,Uruguaiana,Vanguarda do Atraso — Gilmar Crestani @ 9:10 am
Tags:

Sabesp O-PIG-psdb-seca-em-são-paulo-alckminOnde a vanguarda do atraso entregou a água à iniciativa privada, imitando São Paulo da SABESP, o público ficou privada sem água. Toda vez que um incompetente assume o poder público, a primeira decisão é comprovar sua inapetência. Afinal, administrar dá trabalho… Quem não sabe administrar nem construir, sabe entregar a quem vai destruir o que outros construíram. A SABESP é a prova mais recente do método de entregar um bem público essencial à lógica do dinheiro. Assim, enquanto a SABESP entra na  Bolsa de Nova Iorque, a água não entra nas casas e o público entra pelo cano. Enquanto era pública nunca faltou água aos paulistanos. Bastou privatizar que o racionamento, com preço escorchante, virou regra.

Tucano não sabe fazer, mas, de corpo e alma, sabe como ninguém destruir. O PSDB tem por tradição não deixar nenhuma obra que vá tijolo e cimento. Em Uruguaiana o PSDB segue a tradição.

Como contam os gaúchos, “sirvam nossas patranhas de modelo a toda terra.

TRF4 mantém decisão que proíbe corte de água em Quartel do Exército em Uruguaiana

Tribunal definiu que unidades públicas essenciais não podem ter o serviço suspenso em razão de inadimplência

  • Unidades públicas essenciais não podem ter o serviço de água e/ou esgoto suspenso em razão de inadimplência. A 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) confirmou, com esse entendimento, uma sentença que proibiu o corte no abastecimento do Quartel-General da 2ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, em Uruguaiana, na Fronteira Oeste.
    Ao não pagar as faturas dos meses de março, abril e maio, a unidade do Exército recebeu ameaça de suspensão do fornecimento de água. A União ingressou com mandado de segurança, argumentando que o funcionamento do posto militar, localizado na fronteira com a Argentina, é essencial à região, contando inclusive com instalação carcerária e serviço médico.
    O relator do processo no TRF4, o juiz federal convocado para atuar no tribunal Sérgio Renato Tejada Garcia, confirmou a sentença, com base em jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Para o magistrado, a suspensão fere os interesses da coletividade, devendo ser evitada.

Correio do Povo | Notícias | TRF4 mantém decisão que proíbe corte de água em Quartel do Exército em Uruguaiana

13/09/2015

Seu carro foi roubado? Procure na Tumeleiro…

Filed under: Desmanche,Incompetente,José Ivo Sartori,PMDB,RBS,Roubo,Tumeleiro — Gilmar Crestani @ 11:08 am
Tags:

OBScena: De volta para o futuro, solução cinematográfica para evitar o colapso do RS.

Sartori, de volta pro futuroOs midiotas gaúchos nãos e contentam com que isso só aconteça por aqui. Querem que este modelo de façanha se estenda à toda terra. Por isso precisam golpear Dilma. O golpismo contra Dilma é também fumaça para esconder o desmanche do RS.

A cada duas horas, três carros são roubados no RS

No primeiro semestre deste ano foram contabilizadas 7,9 mil ocorrências

Policiais examinam carcaça de automóvel em desmanche ilegal em Porto Alegre | Foto: Mauro Schaefer / CP Memória

  • Hygino Vasconcellos

A cada duas horas pelo menos três veículos são roubados no Rio Grande do Sul. A Capital registra mais da metade desse tipo de ocorrência em relação a todo o Estado. Em Porto Alegre, a cada hora, um veículo é levado dos seus donos, conforme estatística divulgada pela Secretaria da Segurança Pública (SPP). A frequência com que esse crime ocorre cresce em velocidade assustadora. Em 2014, o RS registrou 1,7 mil roubos de veículos a mais em relação ao ano anterior. Nos seis primeiros meses deste ano, foram registrados 7.907 roubos de carros no Estado, o que representa 57,49% do número de ocorrências deste crime em relação a todo o ano passado.
O especialista em segurança estratégica, Gustavo Caleffi, esclarece que os veículos roubados abastecem dois mercados distintos: de desmanches e de clonagem. Esta representa 80% do total dos crimes. Na primeira situação, a procura por peças mais baratas movimenta esse comércio. “Hoje se perdeu os princípios de moral e ética. As pessoas costumam comprar sem querer saber a origem. É só ver a venda absurda de DVD’s piratas”, analisa Caleffi. Nesse mercado, os mais visados são os carros populares. “Quanto maior o volume de automóveis de determinado modelo em circulação, maior o risco do carro ser roubado. Por isso, o seguro de um Volkswagen Gol é tão alto”.
A localização de peças mais acessíveis normalmente ocorre em desmanches irregulares. Conforme levantamento da SSP, o RS conta com 1,5 mil desmanches irregulares. A intenção, segundo a instituição, é regularizar estes estabelecimentos para combater o roubo de veículos em território gaúcho.
Ao contrário do mercado de peças, a clonagem de veículos — na realidade são clonadas as placas do carro — se volta para automóveis de alto padrão, normalmente vendidos por meio de um golpe. Veículos roubados também são usados em assaltos. Conforme o especialista, o roubo para esta finalidade é reduzido.
Em Porto Alegre, crescem a cada dia os relatos de roubos de veículos. Uma supervisora de vendas, de 30 anos, reclama de ter tido o carro roubado. O bem ainda não foi recuperado. “Já se passaram três semanas desde o ataque, sem que o automóvel tenha sido localizado”, reclama a vítima, oriunda de São Paulo.
Gaúchos gastam mais com apólices
O reflexo direto do que se percebe nas ruas — o aumento no roubo de carros —, pode ser constatado na hora de procurar um seguro. Conforme o presidente do Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (Sindseg), Júlio Cesar Rosa, Porto Alegre é uma das capitais brasileiras onde os motoristas mais gastam com apólices. E não é difícil entender o porquê. “Esta situação incide no valor do seguro. O aumento deste tipo de ocorrência (roubo de veículos) na Capital e Região Metropolitana representa 15% sobre o prêmio”, informa Rosa.
Atualmente, Porto Alegre é a segunda capital com maior número de roubos de veículos segurados no Brasil. Só perde para São Paulo, afirma Rosa. Na Capital, para cada cem veículos segurados, 1,60 é roubado. Em São Paulo, a proporção é de 2,20. “Desta maneira, vamos ultrapassar São Paulo em pouco tempo.”
Porto Alegre assumiu a segunda colocação a partir da metade de 2014 e, a cada novo relatório de indicadores de criminalidade a preocupação do setor de seguros fica mais forte. Conforme Rosa, outra consequência direta da escalada dos roubos é o baixo índice de recuperação dos veículos segurados. Na comparação entre o primeiro semestre de 2014 com o mesmo período deste ano, a devolução caiu de 35% para 20%.
Há várias motivos para explicar a queda. Falta de efetivo policial — para prender e investigar —, e o prende-solta que ocorre com crimes de menor potencial ofensivo, como é o caso do roubo de veículos. O inchaço do sistema carcerário e a demora para entregar novos presídios também aparecem como pano de fundo desse problema, destaca o presidente do Sindseg.

Correio do Povo | Notícias | A cada duas horas, três carros são roubados no RS

29/07/2015

Saiba porque a Globo foi rebaixada

Marinho %26 FHCA Globo foi rebaixada de tanto se acocorar para mexer na sarjeta. Como diz o ditado, quem planta vento colhe tempestade. A auto profecia se cumpriu. Prefiro pagar R$ 19 pilas pela Netflix do que receber de graça qualquer produto de qualquer assoCIAdo do Instituto Millenium.

E vai ficar pior. Os processos julgado do CARF foram anulados. A Operação Zelotes está apenas começando, a Lista Falciani com o nome da globaiada no HSBC ainda está em estudo. José Maria Marin já está preso e não volta. Ricardo Teixeira tomou doril, Del Nero escafedeu. Cadê os bem amigos da Rede Globo? Sobrou o Ronaldo, aquele que confunde mulher com travesti.

E, para cúmulo do azar, já não há um FHC no Planalto nem governante de respeito que troque um empréstimo do BNDES por uma Miriam Dutra. Só um trouxa como FHC para ter uma amante que o traia e ainda o fez acreditar que o filho era dele. Ah, não fosse o exame de DNA

A Rede Globo é a mais pura tradução daquele samba cantado pela sempre lembrada Clara Nunes, Lama:

Pelo curto tempo que você sumiu
Nota-se aparentemente que você subiu
Mas o que eu soube a seu respeito
Me entristeceu, ouvi dizer
Que pra subir você desceu
Você desceu

Todo mundo quer subir
A concepção da vida admite
Ainda mais quando a subida
Tem o céu como limite

Por isso não adianta estar
No mais alto degrau da fama
Com a moral toda enterrada na lama

Também, esperar o que de quem tem no cardápio um Diego Escosteguy, um William Waack, um Alexandre Garcia, uma Miriam Leitão?! Como já dizia aquele velho guru marxista, Marshall Berman: “Tudo o que é sólido desmancha no ar”.

PLIM PLIM

Por que a Globo foi rebaixada? Por Paulo Nogueira

Postado em 29 jul 2015 – por : Paulo Nogueira

Bonner será visto cada vez menos no JN

Bonner será visto cada vez menos no JN

Ontem o Globo deu mais uma de suas manchetes contra Dilma.

Era mais ou menos isso: “Agora Dilma culpa a Lava Jato pela crise econômica”.

É que Dilma dissera que a Lava Jato estava cobrando um preço sobre a economia do país, com o cerco prolongado – e para muitos exagerado – a grandes empresas nacionais.

Tudo isso posto, seria interessante saber como o Globo daria na manchete o rebaixamento de sua nota pela agência de avaliação S&P, uma das maiores referências para grandes investidores de todo o mundo. Bancos também consultam a S&P quando examinam o pedido de empréstimo de uma corporação para minimizar o risco de calote.

Tenho a convicção de que o Globo terceirizaria a culpa, no mesmo estilo que o jornal criticou tão brutalmente em Dilma.

“Instabilidade na economia brasileira faz nota da Globo baixar”: seria mais ou menos esta a manchete.

E seria a linha seguida pelos comentaristas econômicos da casa, de Miriam Leitão a Sardenberg.

A Globo foi vítima, portanto.

Tudo bem, não fosse isso um sensacional autoengano.

Não que a turbulência do momento na economia não possa ter tido algum peso. Mas o grande fator do rebaixamento está na própria Globo.

A Globo opera num setor – a mídia – que passa por um processo que vai além de transformação. Estamos diante de uma disrupção. Ou, para usar um célebre conceito de Schumpeter, presenciamos na mídia uma “destruição criativa”.

Morre um mundo, aquele em que a Globo parecia inexpugnável, e ergue-se outro em que a empresa é mais um na multidão.

A internet está fazendo com as companhias tradicionais de jornalismo o que os automóveis fizeram com as carruagens há pouco mais de cem anos.

Sabia-se, faz tempo, que a mídia impressa estava frita. Mas se imaginava que a televisão poderia escapar da internet. Não. Os sinais são claros de que o destino da tevê como a conhecemos – aberta ou paga – é o mesmo de jornais e revistas.

A internet está engolindo a televisão. Em seus tablets ou celulares, as pessoas vêm vídeos como querem, na hora em que querem – e sem precisar de emissoras de tevê.

A Reuters acaba de lançar um serviço de vídeo cujo slogan diz tudo: “O canal de notícias para quem não vê mais televisão”.

Bem-vindo ao Novo Mundo.

Nele, os protagonistas serão empresas como Netflix, e não Globo ou qualquer outra emissora.

Como esquecer um depoimento recente de Silvio Santos, ao vivo, no qual ele disse não ver televisão? SS afirmou que gasta seu tempo com a Netflix, e recomendou aos espectadores que fizessem o mesmo.

Quanto tempo até os anunciantes fazerem, no Brasil, o mesmo percurso dos consumidores e irem para a internet?

No Reino Unido, a internet em 2015 responderá por metade do bolo publicitário. No Brasil, o pedaço digital está ainda na casa dos 15%.

Todas as audiências da Globo, do jornalismo às novelas, despencam sob o impacto da internet.

O Jornal Nacional se esforça para não cair abaixo dos 20 pontos, e novelas em horário nobre, como Babilônia, descem a abismos jamais vistos na história da emissora.

O público se retirou, e quando os anunciantes fizerem o mesmo, o que afinal é inevitável, a Globo estará em apuros sérios, como é o caso, hoje, da Abril.

Na internet, a Globo jamais conseguirá reproduzir a dominância que tem na tevê – e muito menos os padrões multimilionários de receitas publicitárias.

Tudo isso pesou na avaliação da S&P.

A Globo tenderá a justificar seu rebaixamento colocando a culpa em Dilma, mas o problema está nela mesma.

Sobra a piada que a Globo usou contra Dilma.

“Dilma é culpada até pelo rebaixamento da Globo.”

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Paulo Nogueira

Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

Diário do Centro do Mundo » Por que a Globo foi rebaixada? Por Paulo Nogueira

20/07/2015

Sabesp é o verdadeiro choque de gestão à moda tucana

sabestanO palavrório do PSDB e seus porta-vozes na velha mídia é de mais obsoleto que o termo obsoleto. Desde que foi fundado, o PSDB tem sido vendido pelos grupos mafiomidiáticos como um “partido de quadros”. Os melhores quadros. A se acreditar nos assoCIAdos do Instituto Millenium, o PSDB teria mais quadros que o MASP. Mas a cada dia que passa estamos descobrindo melhor como funciona esta história de melhores quadros, do tal Choque de gestão e esta novilíngua da meritocracia. Há duas vertentes que explicam e todas desaguam dinheiro. Uma, bem antiga, são as milhares de assinaturas da Veja, Estadão, Folha distribuídos pelas escolas públicas de São Paulo. A outra é o finciamento direto, como aquela Fernando Gouveia, que recebia R$ 70 mil para criminalizar o PT. Nem vamos falar da JOVEM PAN e da Veja, dois baluartes do jornalismo celular, pré pago.

Custa caro implantar a Lei Rubens Ricúpero. Mas parece que tem sido proveitoso para ambos, pelo menos em São Paulo. Em termos de país o povo não tem comprado gato por lebre, e por isso os estertores golpistas. O mostro que teima em se mexer à frente das câmeras dos grupos mfiomidiáticos.

A SABESP é um bom exemplo de como funcionam as relações do PSDB com os golpistas midiáticos. Empresa paulista torrou dinheiro fazendo propaganda na Globo, como se fosse uma empresa nacional. E o legado é outro tributo à lei Rubens Ricúpero. Como naquele conto do Voltaire, Cândido ou Otimismo, a imprensa é o Dr Pangloss, o povo de São Paulo é o adestrado Cândido. Mesmo numa cidade que reluz, de dia falta água e de noite falta luz, com violência batendo todos os recordes, a terra do PCC aparece na mídia de forma edulcorada, a terra do Dr. Pangloss.

Onde não há água, sobra pó. É disso que parecem viver os tucanos.

Em crise, Sabesp fará ‘feirão’ de dívidas e venderá terrenos

Após perdas com a escassez hídrica, empresa tenta arrecadar a curto prazo

Companhia do governo Alckmin (PSDB) põe 22 cidades em lista de devedores para forçá-las a pagar débitos

EDUARDO GERAQUE, GUSTAVO URIBE, DE SÃO PAULO, para a FOLHA,

EDUARDO SCOLESEEDITOR DE "COTIDIANO"

O prejuízo financeiro causado pela crise hídrica em São Paulo vai obrigar a Sabesp, empresa de água e saneamento do governo Geraldo Alckmin (PSDB), a "vender as joias da avó". A expressão é do engenheiro Jerson Kelman, 67, presidente da companhia desde janeiro.

Para arrecadar dinheiro a curto prazo, a estatal irá promover três medidas: 1) colocará terrenos e imóveis à venda; 2) abrirá até setembro um "feirão" com condições atraentes para que devedores públicos e privados possam renegociar seus débitos; 3) e forçará as prefeituras com contas de água em atraso a quitar suas dívidas.

A terceira ação começou já na semana passada, quando a Sabesp enviou para o Cadin (cadastro estadual de inadimplentes) uma lista de 22 municípios que estão com faturas em aberto. "A tolerância acabou", afirma Kelman.

BALANÇO

Esse conjunto de ações ocorre em um cenário em que a crise hídrica drena recursos da empresa paulista.

Com represas secas e milhares de moradores sob racionamento (entrega controlada de água), a Sabesp vende menos água aos consumidores (reduzindo a sua arrecadação) e, ao mesmo tempo, é obrigada a investir em obras emergenciais para evitar a adoção de um rodízio (corte do fornecimento de água) na Grande São Paulo.

Um resultado da soma desses ingredientes já apareceu no último balanço da empresa. O lucro da Sabesp despencou de R$ 1,9 bilhão, em 2013, para R$ 903 milhões, no ano passado –quando a receita bruta dela caiu 6,7%, as despesas aumentaram 13,6% e os investimentos, 18,5%.

A desvalorização do real agravou a situação porque perto de 40% da dívida da Sabesp é em moeda estrangeira.

Para estimular menor consumo de água, a empresa adotou uma política de bônus, com desconto de até 30% na conta de quem economiza. A medida significou perdas de R$ 442 milhões nos cofres da Sabesp no primeiro semestre.

Ela também decidiu cobrar uma sobretaxa que pode até dobrar a tarifa de quem eleva seu consumo. Mas essa receita extra só cobre perto de metade das perdas com os bônus.

RODÍZIO

Kelman, que recebeu a Folha em seu gabinete na manhã da última sexta-feira (17), diz que, apesar do aperto, a Sabesp é uma empresa "sadia". Para ele, o problema econômico é pontual e será solucionado assim que a crise hídrica passar –o que não tem prazo para ocorrer.

"Como estamos enfrentando a crise financeira circunstancial? Com redução de custos e com uma série de medidas. Estamos vendendo as joias da avó", disse o presidente da empresa, antes de citar o conjunto de ações.

Cauteloso, especialmente por causa dos acionistas da empresa (na qual o governo do Estado tem a maior fatia), Kelman não fala em números: nem quanto estima arrecadar com essas medidas nem qual será o tamanho da anistia nesse "feirão" de renegociação das dívidas.

"Sempre quando são criadas condições favoráveis [de renegociação], cria-se um problema. Há alguns que podem não pagar porque acham que pode haver uma anistia no futuro. Mas nesse caso não haverá, porque a situação é absolutamente circunstancial", afirma Kelman.

Na entrevista à Folha, ele descartou um rodízio de água ao menos em 2015, assim como já fizera o governador, e disse que as obras emergenciais da Sabesp para evitar um rodízio, como a transferência de água entre mananciais, têm consequências ambientais "desprezíveis".

Engenheiro civil e Ph.D em recursos hídricos, afirma que a conta de água em São Paulo "é baixa comparada a qualquer coisa" e que, nos próximos 12 meses, a Sabesp vai mandar para a Arsesp, agência reguladora paulista, um novo modelo de estrutura tarifária –que, entre outras mudanças, vai unir as contas de água e de esgoto, hoje calculadas separadamente.

23/10/2014

O dedo fedorento de FHC

Filed under: Anencéfalos,Demagogo,Energúmenos,FHC,Imbecilidade,Incompetente,Maucaratismo — Gilmar Crestani @ 9:14 am
Tags:

 

A “podridão” segundo FHC, o Demagogo

Postado em 22 out 2014 – por : Paulo Nogueira

Indignado

Indignado

Passou despercebida, em meio ao alarido eleitoral, uma declaração de apoio do jurista Eros Grau, ex-STF, a Aécio.

Grau, aos 74 anos, é um dos signatários de um manifesto chamado “Esquerda democrática com Aécio Neves”.

Ao jornalista Fernando Rodrigues, da Folha, ele disse que será um “soldado” num eventual governo Aécio. Sem nenhum cargo, afirma, por razões etárias.

“É uma coisa muito engraçada. A maioria das pessoas acha que pelo fato de o presidente Lula ter indicado a mim, ao Joaquim Barbosa e ao Cezar Peluso ao Supremo, nós seríamos ligado ao PT. Mas nenhum de nós é. Eu sempre fui ligado ao PSDB e minha origem lá atrás é sabida”, diz Eros.

É uma frase curta, simples – mas sobre a qual os historiadores terão que se debruçar quando escreverem alguma biografia de Lula.

Lula, o Rei do Aparelhamento segundo seus opositores, nomeou então para o STF três juízes que nada tinham a ver com o PT, conforme palavras de um deles.

Um pouco mais que isso. Eros era, como ele mesmo conta, sabidamente ligado ao PSDB, nêmesis do PT.

Agora compare a indicação de Eros, fiquemos nele, com uma de FHC: Gilmar Mendes.

Num perfil de Gilmar Mendes e sua mulher, alguns anos atrás, a colunista da Folha Eliane Tucanhede lembrou – em tom quase de congratulação – a alma tucana do juiz.

Este foi o padrão FHC de nomeações no STF. Em seus anos no STF, Gilmar Mendes não decepcionou quem o colocou lá. Ele tem se comportado muito mais como um militante do PSDB do que como um juiz propriamente dito.

Em pleno Mensalão, Gilmar não se embaraçou ao ir, festivo, ao lançamento de um livro de Reinaldo Azevedo sobre os “petralhas”.

Abraçou o autor, posou para fotos – fez enfim tudo aquilo que um juiz não deveria fazer, em nome da imparcialidade.

Recentemente, no STF, vetou um direito de resposta do PT na Veja e desfez  assim uma decisão unânime do TSE sob a alegação de que os acusados deveriam antes provar sua inocência.

Gilmar foi e é um soldado de FHC, o mesmo FHC que conclamou as multidões a comparecer a uma manifestação contra essa “podridão” para a qual nem ele próprio confirmou participação.

No marketing, você logo aprende que um autoelogio tem determinado valor. Um elogio partido de outra pessoa vale muito mais. Se esta pessoa está do outro lado que não o seu, como é o caso de Eros Grau em relação a Lula, o valor é ainda maior.

Quanto a FHC, há uma palavra exata para políticos que falam uma coisa e fazem outra.

Demagogo.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Paulo Nogueira

Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

Diário do Centro do Mundo » A “podridão” segundo FHC, o Demagogo

Necrofilia hídrica do PSDB

Choque de gestão na Sabesp

FHC na lamaAgora que o racionamento pegou valendo, o plano estratégico de gestão da SABESP foi posto pra funcionar. A previdência administrativa do PSDB é algo que deveria pautar todas as escolas de administração no Brasil. Só falta dizer que não fizeram antes por culpa do Governo Federal. O que não duvido. Mas quem acredita nisso acredita em tudo, inclusive que os 45 escândalos da era FHC, são invenções do Lula

Foi um ato falho de FHC convidar sua manada para protestarem contra a “podridão no Brasil”. Para quem acha que tomar água que sai do lodo está tudo bem, lama, lodo, podridão é tudo a mesma coisa.

Qual das duas situações é a pior? Não ter água ou ter para consumir água saída do lodo, que é tal de volumo morto.

Sabesp começa obra em represa

DE SÃO PAULO – A Sabesp está fazendo obras na represa Jacareí, no interior de São Paulo, para viabilizar o uso do segundo "volume morto" do sistema Cantareira, reserva que tem 106 bilhões de litros de água.

Está sendo construída uma espécie de barragem em uma área que, em condições normais, estaria inundada.

Um conjunto de bombas potentes vai sugar a água armazenada nas partes mais profundas do reservatório e levá-la à altura do nível de 815 metros, onde está sendo construída uma caixa de dissipação (estrutura usada para controlar o escoamento da água).

De lá, a água seguirá até uma outra parte da represa, onde foram instaladas bombas para o uso do primeiro "volume morto", reserva técnica localizada abaixo dos pontos de captação dos reservatórios.

Essa primeira cota, com 182 bilhões de litros, está próxima de acabar. A Sabesp, porém, espera não ser necessário usar a nova parcela, devido ao início do período de chuvas.

21/10/2014

Tribunais de Faz de Conta

Filed under: Augusto Nardes,Incompetente,Politicagem,TCU — Gilmar Crestani @ 9:40 am
Tags:

TCU-DegolaQuando se vê que  José Augusto Nardes pode ser Presidente do Tribunal de Contas de União, temos a prova pronta e acabada que aquele órgão não passa de um cabide de emprego que legitima as grandes falcatruas  e pune as pequenas. Fez mais pelo fim da corrupção do poder público a Controladoria Geral da União do que o Tribunal de Contas. Pior, quem controla o Tribunal de Contas da União? O Nardes? É como botar a raposa para cuidar dos galinheiros…

Quando digo isso não falo do corpo técnico, mas dos Ministros. Ou Sinistros, como queiram…

JANIO DE FREITAS

Sem interesse

A eficiência dos Tribunais de Contas não é admirável e, quando existe, produz pouco ou nenhum efeito

Entre Petrobras, governo de Minas e outros figurantes da batalha eleitoral, paira a presença indispensável de outros, no entanto silenciados. São os Tribunais de Contas da União, um, e de Minas, outro. O de Pernambuco foi dispensado pelo acaso, mas está sob o risco de que as delações de Paulo Roberto Costa o chamem ao palco, se de fato incluem o ex-governador Eduardo Campos.

Tribunais de Contas resultam de uma ideia inteligente para subsidiar a responsabilidade do Congresso e das Assembleias de fiscalizar os gastos do governo federal e dos estaduais. Mas a ideia só funciona em parte. Pequena. A eficiência dos TCs não é admirável e, quando existe, produz pouco ou nenhum efeito. As partes abraçam-se na "aprovação das contas do ano com ressalvas". E pronto.

O Tribunal de Contas da União acompanhou ano a ano a multiplicação da sangria da Petrobras com a compra e etc., sobretudo com o etc., da refinaria de Pasadena, EUA. O TCU acompanhou a evasão de recursos da Petrobras com a refinaria Abreu e Lima. O TCU acompanhou o aumento de 100% no gasto com a petroquímica de Suape, também pernambucana. Nos últimos oito anos, realizou numerosas inspeções, auditorias e estudos sobre os três projetos e obras.

O trabalho do TCU e seu custo de nada serviram em defesa dos recursos da Petrobras e contra a maneira como grande parte deles foi desviada. O Congresso, por sua vez, posto diante de periódicas notícias sobre os inexplicados custos e atrasos daquelas obras, nunca se moveu, por parlamentares governistas ou oposicionistas, para cobrar do seu órgão auxiliar providências efetivas, que incluem até a suspensão de contratos e punições fortes. O TCU também é responsável pelo ocorrido na Petrobras.

O atual governo mineiro negou à Folha informações sobre os gastos do governo Aécio Neves em meios de comunicação ligados à sua família. Alegou pagamento global à agência intermediadora, desconhecendo a discriminação dos gastos publicitários. Se esta é a prática em Minas, é ilegal: o governo paga sem saber o que paga, o valor correto ou maroto do que paga, e nem mesmo se os serviços sem comprovante foram prestados. Mas o Tribunal de Contas de Minas aprovou as contas governamentais. Logo, ou o governo sonega informação que tem de ser pública, e então teria maus motivos para isso; ou o TC-MG aprovou contas reprováveis.

A menção, em um dos debates presidenciais, ao descumprimento do gasto obrigatório com saúde pelo passado governo mineiro motivou, da parte de Aécio Neves, reação exaltada. A discussão passa a outra instância: há quatro dias, o Ministério Público de Minas entrou com ação, relativa ainda a 2009, acusando o governo de então de aplicar na saúde apenas 7,4% dos 12% obrigatórios da receita estadual. E refutando que os gastos invocados pelo governo, como complemento da exigência, atendessem à destinação legal e, em certa parte, sequer existissem mesmo na finalidade imprópria. Mas as contas do governo foram aprovadas pelo TC-MG.

Só se discutem os gastos incertos dos governos e a corrupção enquanto cada episódio anima as Redações. E só se discutem os componentes do episódio. Como e por que esses episódios se dão, na complexa rede de burocracias envelhecidas e circunstâncias frouxas, não suscita interesse, jamais. Enquanto for assim, os gastos mal dirigidos e a corrupção têm caminho livre.

20/09/2014

Depois do Boimate da Veja, o Ramate da Knorr

Filed under: Boimate,Incompetente,Inflação,Instituto Millenium,Privada,Recall,Tomate — Gilmar Crestani @ 12:16 pm
Tags: ,

inflaçao da epocaCoisas muito estranhas andam acontecendo no mercado de notícias e de alimentação. Depois que a VEJA descobriu o maior avanço científico jamais visto, a cruza do boi com o tomate, batizado de Boimate, parecia que a fome acabaria. Não é por acaso que em italiano tomate se chama pomodoro, maçã de ouro. No Brasil, a Veja saiu na frente, como de costume, comprovante com entrevistas de ambas as partes (o boi e o tomate). Depois foi a Ana Maria Braga que, para justificar o pedido de juros altos, elevava o tomate ao símbolo inflacionário. Agora a Knorr que mata o rato e tira o pelo, mas não evita de vende-lo.

O mesmo grupo (Globo) que publica a Vogue, que vende crianças em poses sensuais, também publica a Época, que elegeu o tomate como símbolo da escalada inflacionária no Governo Dilma.

Todos estes que estão aí, cavalgando na mentira, pisaram no tomate. Aos golpistas de sempre, vai toma te cru!

Anvisa interdita lote de extrato de tomate com pelo de roedor

O ESTADO DE S. PAULO

19 Setembro 2014 | 16h 57

Na imagem, o ser inteligente não usa colar!!

tomateResolução foi publicada nesta sexta-feira no Diário Oficial da União

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou nesta sexta-feira, 19, a interdição cautelar de um lote do extrato de tomate da marca Knorr-Elefante após laudo de fiscalização apontar a presença de fragmentos de pelo de roedor. A resolução foi publicada nesta sexta no Diário Oficial da União.

A interdição, que tem duração de 90 dias, foi aplicada para o lote LG, com validade até 21 de maio de 2015. O produto é fabricado pela Cargill Agrícola S.A.

A Cargill informou que está tomando todas as medidas cabíveis para avaliar o caso junto à Anvisa e à Vigilância Sanitária de Minas Gerais para comprovar a adequação do produto. A empresa também afirmou que os demais lotes não foram afetados pela interdição e estão aptos à comercialização./COM AGÊNCIA BRASIL

13/08/2014

Picolé de Chuchu

Picolé de Chuchu é do ramo das trepadeiras que, associado ao erário público, produz o famoso ditado: “dá mais do que chuchu na cerca”. Por exemplo, ninguém dá mais assinaturas da Folha, Estadão e Veja aos alunos e funcionários públicos que o governo de São Paulo. Por isso, virou símbolo da associação entre o nada com coisa alguma. A marca patenteada pelo José Simão é D.O.C., Denominazione di Origine Controlata, made in São Paulo. Devido a “crise d’água”, o chuchu é a única fruta que dispensa o ingrediente produzido pela molécula H20 na fabricação de picolé.

Nada pode ser mais emblemático do que a escolha do chuchu como símbolo destes quase 30 anos de administração do PSDB em São Paulo. Geraldo Alckmin que me perdoe, mas em tempo de racionamento de água, o chuchu tem mais utilidade do que ele.

Geraldo Alckmin ChuchuErro associa ‘Picolé de Chuchu’ a perfil de Alckmin em rede social

Facebook reconhece problema, mas diz ainda não saber motivo

DE SÃO PAULO

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), enfrentou nesta terça-feira (12) uma situação inusitada nas redes sociais.

O perfil oficial do candidato tucano à reeleição incorporou no Facebook uma página denominada "Picolé de Chuchu", em referência ao apelido conferido em 2002 ao tucano pelo colunista da Folha José Simão.

O internauta que buscava o apelido na rede social encontrava entre as primeiras buscas uma página, com a foto do tucano, que o direcionava automaticamente para o perfil oficial do governador.

Nela, era possível ler um aviso: "A página Picolé de Chuchu foi mesclada com esta página".

A unificação de duas páginas na rede social só pode ser ser feita caso ambas tenham o mesmo administrador.

Neste caso, no entanto, o Facebook reconheceu que houve um "erro pontual no sistema", mas informou que ainda não identificou o motivo de ter ocorrido a incorporação.

Para evitar constrangimentos, a equipe do governador desabilitou a associação entre as duas páginas.

A estratégia da campanha à reeleição do tucano tem sido a de apresentá-lo justamente ao contrário: como um político de "pulso firme".

A tentativa é de neutralizar as críticas de adversários que acusam Alckmin de falta de firmeza no comando do governo paulista.

(GUSTAVO URIBE)

04/07/2014

Mais uma obra das empreiteiras de jornal

Filed under: Corruptores,Cowan,Folha de São Paulo,Incompetente — Gilmar Crestani @ 8:35 am
Tags:

Enquanto o Brasil não passar a limpo as empreiteiras, essas construtoras que financiam políticos e mídia, estes desastres continuarão acontecendo. Embora tenha sido uma obra contratada pelo serviço público, mas tocada pela iniciativa privada, o viés que a mídia dá não é de culpa da empresa, mas do prefeito ou até da Dilma. Porque será que a mídia sempre encontra uma palavra de conforto para os incompetentes da iniciativa privada ao mesmo tempo em que ataca quem paga para que a obra seja feita?

A Folha se preocupa mais em vincular com a Copa do que tratar das vítimas.

A Folha, como sempre, faz questão de continuar com seu típico diversionismo. Tira a culpa da construtora e põe a culpa na Copa. Será que a construtora Cowan, licitada pela Prefeitura de BH, estava com um olho na copa e outro na pá?! Por que é mais fácil botar a culpa na Copa do que na Cowan?! Seria porque são as empreiteiras que, com publicidade, sustentam os jornais?

Imagine se esta tragédia tivesse acontecido, não em um Estado onde governa o PSDB e seu aliado PSB, mas no RS, onde o governo é petista e o prefeito de Porto Alegre, aliado do PT, é pedetista….

Viaduto inacabado da Copa desaba e mata um em BH

Estrutura de concreto a 6 km do Mineirão atinge micro-ônibus e mata motorista

Obra foi contratada pela prefeitura e é bancada por verba federal do PAC; prefeito fala em erro de engenharia

PAULO PEIXOTODE BELO HORIZONTELILIANE PELEGRINI, COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, EM BELO HORIZONTE

Um viaduto em construção desabou nesta quinta-feira (3), em Belo Horizonte, matando ao menos uma pessoa e ferindo outras 22.

A obra, na região norte da cidade, integra o pacote federal de mobilidade da Copa e não havia ficado pronta a tempo para o Mundial.

Hanna Cristina Santos, 25, motorista de um micro-ônibus que trafegava pela avenida Pedro 1º, que passa embaixo do viaduto, morreu esmagada.

A filha dela, de cinco anos, também estava no veículo, e sofreu ferimentos leves.

Passageiros do micro-ônibus são a maioria entre os feridos. Também foram esmagados dois caminhões da obra, que estavam desocupados, e um carro de passeio.

O desabamento, a cerca de 6 km do Mineirão, foi noticiado em todo o mundo. Nove pessoas já haviam morrido em obras do Mundial, todas na construção de estádios.

A avenida Pedro 1º é um dos caminhos para o Mineirão, que já sediou cinco partidas da Copa e abrigará a semifinal na próxima terça (8).

A obra é executada pela construtora Cowan, contratada pela Prefeitura de Belo Horizonte com verba federal.

O prefeito Márcio Lacerda (PSB) afirmou que a responsabilidade será apurada, mas atribuiu o desabamento a um erro de engenharia.

A presidente Dilma Rousseff (PT) escreveu, em seu perfil no Twitter, que recebeu a notícia "com tristeza" e prestou solidariedade às famílias das vítimas.

A prefeitura contabiliza ainda uma morte "presumida": a do condutor do carro de passeio. O óbito não havia sido confirmado até a conclusão desta edição porque as equipes que trabalhavam no local não haviam conseguido alcançar o local onde ele está.

RISCO

O desabamento poderia ter sido mais grave. O tráfego de veículos era normal na avenida quando ocorreu o acidente, pouco depois das 15h.

Imagens de uma câmera de segurança mostram ônibus, caminhões e carros passando por debaixo do viaduto segundos antes da queda.

O viaduto foi planejado para ordenar o trânsito na região devido à construção do corredor do BRT (ônibus rápido) na avenida, que interrompeu vários cruzamentos.

No início da noite, o micro-ônibus e o corpo da motorista foram retirados dos escombros. Os bombeiros tentavam levantar parte do concreto, com macacos hidráulicos, para remover o carro de passeio.

A maior parte dos feridos foi levada a hospitais da região. Eles não correm risco de morrer, segundo a prefeitura. Três haviam sido liberados.

01/04/2014

Crise é da água, mas o PSDB vai bem, abrigado, pela Folha!

Pó pará, governador! Na São Paulo do PSDB, da Folha, Veja, Estadão, onde antes havia as águas de março, agora “é pau, é pedra, é o fim do caminho”… Profético este Tom Jobim. Como ele adivinhou que Judith Brito, Mário Covas, Geraldo Alckmin, José Serra e FHC usam óleo de peroba do campo como loção pós barba?!

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol
É peroba do campo, o nó da madeira
Caingá candeia, é o Matita-Pereira

Ou o Brasil acaba com o PSDB ou o PSDB ainda acabará com o Brasil!

Sabesp corta investimentos para compensar desconto a consumidor

Para evitar racionamento, governo estende a 31 cidades da Grande SP bônus para quem economizar

Perda de receita com os descontos obrigou empresa a rever os investimentos; chuvas não devem ajudar

EDUARDO GERAQUEHELOISA BRENHADE SÃO PAULO

Com a expectativa frustrada pelas águas de março e o início da temporada mais seca do ano, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou a ampliação do programa que dá bônus na conta de água de quem economizar seu consumo, como antecipou a coluna "Painel", da Folha.

No mesmo dia, a Sabesp revelou a suspensão de R$ 700 milhões do seu plano de investimentos para este ano. Esses recursos servirão para atenuar os prejuízos causados pela crise de abastecimento da Grande São Paulo.

A partir de hoje, toda a capital e mais 30 municípios da região metropolitana terão acesso ao benefício, que dá 30% de desconto na conta de quem reduz em 20% seu consumo de água.

Antes restrito aos 9 milhões de usuários do sistema Cantareira, o desconto passa a atingir 17 milhões de pessoas.

A Sabesp e o governo não informaram a estimativa do impacto que o bônus terá sobre sua receita anual.

"Tivemos uma excelente resposta dos consumidores. Conseguimos uma economia de 4,1 m³/s e por isso estenderemos o bônus", disse Alckmin. Com a ampliação, a expectativa da Sabesp é que se economizem 6 m³/s.

ELEIÇÃO

A medida faz parte de uma estratégia do governo para evitar o racionamento ao menos até outubro –mês em que ocorrem as eleições e, historicamente, a volta das chuvas.

Para especialistas, a expansão do bônus, apesar de positiva, não evita o risco de racionamento. "Pela situação do Cantareira, deveríamos estar em rodízio desde dezembro. Esperou-se pela chuva e ela não veio", afirmou Antonio Carlos Zuffo, professor de engenharia da Unicamp.

Ele diz que a única chance de evitar o desabastecimento da região é bombear a água do fundo dos reservatórios, o volume morto, obra que só deve ficar pronta no fim de junho.

"Qualquer coisa que atrasar essa obra uma ou duas semanas, parte da Grande São Paulo vai ficar sem água."

Se não chover acima da média, estima Zuffo, o nível do Cantareira chegará a zero até dia 26 de junho.

A partir de abril, as precipitações deverão ser ainda menores. Por mais que chova além da média, a chuva não será suficiente para recuperar o nível do sistema.

De acordo com os institutos de meteorologia, os meses de inverno terão chuvas normais para o período.

A crise da água deve provocar impacto financeiro de ao menos R$ 1 bilhão (valor superior aos gastos do estádio do Itaquerão), segundo estimativa feita pela Folha a partir de dados do Estado. Com ampliação da política de bônus, esse valor deve subir.

29/03/2014

#vaitercopa mas #naovaiteragua

PSDB x ÁguaEngraçado é o título psiquiátrico que a Folha inventou para dissociar o problema do criador: “crise da água”, pode?! Até parece que água entrou em crise…. Assim como a culpa pela corrupção tucana desde Mario Covas, passando por José Serra, FHC até Geraldo Alckmin é da SIEMENS e da ALSTOM

Agora a falta de água é culpa da… ÁGUA! É ela que está em crise, e não o abastecimento nem há responsáveis por essa crise de abstinência contraída pela água… Desculpem-me os amestrados, mas isso não é jornalismo nem aqui nem na Coréia do Norte.

Não me causa estranheza o comportamento da Folha, como diria Judith Brito, profetiza do Joaquim Barbosa, pois a Folha também “foi feita pra isso, sim”. O que me deixa espantado é a criatividade linguística da Folha para se reinventar e continuar acobertando os crime dos celerados do PSDB.

Crise da água é o caralho! O desabastecimento de água é o desastre anunciado de 20 anos de governos predatórios do PSDB em São Paulo! Se a SABESP tivesse investido em prevenção o que investiu nos a$$oCIAdos do Instituto Millenium(Globo/RBS, Veja, Folha & Estadão) a falta de água poderia ter sido resolvido.

E por aí também se explica o diversionismo dos ataques à Petrobrás!!

ESPECIAL – CRISE DA ÁGUA

Medidas contra racionamento de água podem custar um Itaquerão

Com pior seca da história, valor que Sabesp pode gastar ou abrir mão se aproxima de R$ 1 bi no ano

Estimativas consideram obras, queda de água consumida e descontos na conta devido à ameaça de rodízio

EDUARDO GERAQUEDE SÃO PAULO

As medidas anunciadas pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB) na tentativa de evitar um racionamento de água em São Paulo poderão ter um impacto financeiro equivalente à construção de mil escolas ou superior aos gastos do estádio do Itaquerão –onde haverá a abertura da Copa.

O valor pode se aproximar de R$ 1 bilhão em um ano, conforme estimativas da Folha a partir de informações divulgadas pelo Estado. Ele corresponde também ao dobro do investimento habitual da Sabesp em segurança hídrica num período de 12 meses.

O maior impacto não é de obras, mas da receita que a companhia de abastecimento deverá abrir mão com a esperada economia no consumo de água pela população.

Diante da pior crise da história do sistema Cantareira, que abastece 8,8 milhões de pessoas na Grande SP, a Sabesp lançou neste ano uma campanha para que os moradores baixem em pelo menos 20% a água usada e tenham desconto de 30% na conta.

Na prática, isso significa que a população poderá ter um gasto menor –mas, por outro lado, haverá menos recursos para investimentos.

Números oficiais mostram que, só de fevereiro ao começo de março, houve uma diminuição no consumo de água suficiente para abastecer uma cidade como Curitiba nesse mesmo período.

Questionada nas últimas semanas, a Sabesp se recusa a dizer que impacto isso tem na arrecadação da estatal.

Mas dados de consumo médio indicam que esse montante poderá atingir, no período de um ano, R$ 900 milhões –sendo R$ 200 milhões devido à redução da água utilizada e R$ 700 milhões em razão dos descontos.

A receita anual da Sabesp é próxima de R$ 11 bilhões.

‘VOLUME MORTO’

Além da arrecadação que a empresa pode abrir mão, foram anunciadas obras emergenciais de R$ 80 milhões para a construção das estruturas para captação do "volume morto", água que está na parte funda das represas.

A previsão do Estado é que elas possam ficar prontas no meio do ano e que essa água que nunca foi utilizada antes possa ser suficiente para abastecer parte da Grande São Paulo por quatro meses.

A gestão Alckmin também chegou a propor a construção de um conjunto de canais e túneis para a captação de água do rio Paraíba do Sul, que abastece Rio e Minas, ao custo de R$ 500 milhões.

O projeto, porém, depende de aprovação –e só deve ter resultados no fim de 2015.

Segundo a Sabesp, foram gastos, de 1995 a 2013, cerca de R$ 9,7 bilhões em melhorias para a captação de água.

PREÇO DA FALTA D’ÁGUA

R$ 1 bilhão
em um ano
é o valor do impacto estimado nas contas do governo com as medidas anunciadas para tentar evitar um racionamento de água em São Paulo

27/12/2012

Vá entender

Filed under: Colonista,Grupos Mafiomidiáticos,Incompetente,Isto é PSDB!,Oposição — Gilmar Crestani @ 8:57 am

O colonista da Folha encerra com chave de ouro dizendo assumindo a “profunda incompetência da oposição”. Falta justificar porque, sendo profundamente incompetente, ainda assim os grupos mafiomidiáticos se a$$oCIAm à oposição. Será que eles não gostam de pessoas e governos competentes. Isto atrapalharia os planos de quem quer mandar mesmo não estando no governo? É uma confissão estarrecedora, mas totalmente coerente.

VALDO CRUZ

Dez anos, êxitos e autocrítica

BRASÍLIA – O PT completa, neste final de 2012, dez anos no poder -oito de Lula e dois de Dilma Rousseff no Palácio do Planalto.

Período de avanços inegáveis, especialmente na área social, com redução das desigualdades e emersão de nova classe média. Além da manutenção da estabilidade econômica, que muita gente achava que o PT jogaria pelos ares.

Mas também foi um período em que o partido revelou-se mais do que igual aos demais, loteando o governo entre amigos e aliados e com filiados flagrados em casos de corrupção.

Para que os petistas não digam que somos injustos, fiquemos com as palavras de um deles. Em entrevista ao jornalista Kennedy Alencar, o ministro Gilberto Carvalho listou êxitos sociais e econômicos do petismo, mas não deixou de fazer uma sincera autocrítica sobre o PT no poder.

"É muito doloroso para nós vermos companheiros nossos que foram se enriquecendo ao longo desses anos", disse o ministro de Dilma e amigo de Lula. Declaração grave vinda de assessor tão próximo do poder. Só faltou citar os nomes dos companheiros -o que, convenhamos, seria sinceridade demais.

Para ele, petistas foram tomados pela "vaidade" e pela "arrogância". Reconheceu ainda que houve, de fato, casos de corrupção. A diferença, diz, é que houve punição.

Gilberto foi além. Admitiu falhas na ocupação de cargos públicos no período petista. Citou o caso das agências reguladoras. "Houve um critério de baixa exigência [nas indicações], falhou o filtro."

A despeito dos erros e falhas do PT nesta década, que não foram poucos, o governo Dilma segue muito bem avaliado. E as pesquisas apontam a própria Dilma e o ex-presidente Lula como os dois candidatos mais fortes para a sucessão de 2014.

Sinal de que, no balanço de perdas e ganhos, a população ainda enxerga mais pontos positivos do que negativos no PT. E de profunda incompetência da oposição.

05/12/2012

O desânimo da Folha

Filed under: Aécio Neves,FHC,Incompetente,Isto é PSDB! — Gilmar Crestani @ 9:08 am

De repente parece que a Folha de São Paulo, da D. Judith Brito, se dá conta de que o PSDB é isso mesmo, “uma tragédia gerencial”. Cássio Cunha Lima quebrou a Paraíba e foi preso. Yeda Crusius tentou, mas caiu do cavalo antes de quebrar o RS e ir presa também. São Paulo é essa tragédia em forma de violência e descalabro administrativo.  Até agora o PSDB mostrou competente e rápido como camelôs para vender empresas que o Estado demorou anos para construir. Eles deveriam montar empresas demolidoras. São especialista em destruir ou vender barato.

Se os “melhores quadros” são assim, imagine os demais!

FERNANDO RODRIGUES

Uma oposição atônita

BRASÍLIA – É até chato falar outra vez da incapacidade operacional da oposição, mas, nesta semana, os tucanos se excederam. Na segunda-feira, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu o anúncio imediato da candidatura ao Planalto de Aécio Neves.

No mesmo dia, o senador do PSDB reagiu costeando o alambrado. Disse que ainda não era a hora.

Em resumo, uma falta de coordenação absoluta. Se o PSDB fosse uma empresa, o episódio seria uma tragédia gerencial. O presidente do conselho de administração e homem mais respeitado do grupo (FHC) anuncia um novo projeto a ser lançado na hora do almoço. A imprensa é convocada. Na hora H, o responsável direto pelo empreendimento (Aécio) declara que não está no mo-mento de fazer uma afirmação peremptória a respeito.

A empresa do exemplo acima provocaria uma queda imediata no valor de suas ações em Bolsa. É o que tem se passado com a oposição.

Além da governança capenga, a oposição parece mais propensa a esperar um erro do adversário do que perseverar por um acerto dentro de sua própria seara.

Há duas expectativas que norteiam hoje os maiores partidos anti-Dilma. Primeiro, a esperança de que os eleitores das novas classes médias mudem o seu patamar de exigência e acabem achando que o petismo até ajudou, "mas está na hora de trocar". Segundo, torcer para colar na atual presidente a pecha de gestora incompetente.

FHC também tem dito que o PSDB precisa "ouvir mais o povo" para se reconectar com uma parcela maior do eleitorado. Boa sugestão. O problema é que tal tipo de relação não se constrói em um ano ou dois. Trata-se de tarefa de uma geração.

O PT, para o bem ou para o mal, durante décadas militou diretamente nos sindicatos e em outros movimentos sociais. Os tucanos nunca fizeram nada nem próximo disso.

fernando.rodrigues@grupofolha.com.br

22/11/2012

A faixa de Gaza é aqui

Filed under: Incompetente,Isto é PSDB!,São Paulo,Violência — Gilmar Crestani @ 6:58 am

E o Haiti, também… Se o PSDB governasse Israel, pelo teoria do Alckmin (só morre quem reage) as crianças palestinas não seriam assassinadas por soldados, seriam mortas no parto, se chorassem. Depois de vinte anos, com apoio irrestrito dos grupos mafiomidiáticos, o PSDB vai devolver o Estado de São Paulo em piores condições que o Haiti após o terremoto de magnitude 7, que ocorreu às 16h53 do dia 12 de janeiro, hora local -19h53 de Brasília. E para quem acha que incompetência do PSDB é seus aliados é fato isolado, basta lembrar da política de segurança da ex-funcionária da RBS, Yeda Crusius, e seu Cel. Mendes. O RS livrou-se de estar vivendo dias de São Paulo porque a “cruela” foi defenestrada. Mais quatro anos de Yeda e estaríamos contabilizando mortos igual São Paulo. E Yeda só não saiu antes porque tinha o apoio da RBS e seus financiadores ideológicos, como o PSDB tem na parceira com Veja, Estadão, Folha de São Paulo e Globo, todos a$$oCIAdos ao Instituto Millenium, seus parceiros.

Assassinatos dobram em São Paulo; secretário da Segurança é demitido

No cargo desde 2009, Ferreira Pinto é substituído pelo procurador de Justiça Fernando Grella Vieira

DE SÃO PAULO

Em meio a onda de violência, o secretário da Segurança Pública de SP, Antonio Ferreira Pinto, no cargo desde 2009, foi demitido pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB).

No dia em que anunciou a saída, o governo antecipou os dados da violência em outubro -que seriam divulgados no dia 25-, mostrando que quase dobrou o número de ocorrências de assassinato na capital em relação ao mesmo mês de 2011: 150 contra 78.

O novo secretário será o ex-procurador-geral de Justiça Fernando Grella Vieira, que chefiou o Ministério Público de 2008 a 2012. Ele terá as missões de aproximar as polícias Civil e Militar, priorizar a investigação no combate ao crime, estancar os assassinatos e combater a facção criminosa PCC.

Entre os motivos da saída de Ferreira Pinto estão a escalada das mortes, os ataques do PCC, a dificuldade de diálogo com o governo federal e a sociedade civil e a perda de controle de setores da polícia.

Alckmin elogiou Ferreira Pinto -"trabalhou com competência, honestidade e dignidade"- e disse que Grella "está preparado para ajudar São Paulo". Sobre a violência, afirmou que o governo reconhece "as dificuldades que estamos vivendo".

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: