Ficha Corrida

25/07/2014

Anã do jornalismo

Filed under: Eliane Cantanhêde,Genocídio,Israel,Palestina — Gilmar Crestani @ 7:57 am
Tags:

Israel_PalestinaA impoluta porta-voz do PSDB, Eliane Cantanhêde, com todo seu vira-latismo, adota, sem constrangimento, a alcunha lançada pelos genocidas. A briosa jornalista, convenientemente, esquece que nos 30 do século passado, Hitler pôs Goebbels para trabalhar na defesa da super raça ariana: os nazistas botaram no mesmo barco anões, homossexuais, ciganos, judeus. E eram tantos estes “degenerados”, que buscaram uma “solução final”, muito parecida com que o que Israel está fazendo com a Palestina.

Israel usa contra o Brasil, a pátria do Osvaldo Aranha, criador daquele “paraíso artificial”, a mesma linguagem diplomática que usa em relação aos palestinos. É bem verdade que há vozes dentro e fora de Israel que condena a invasão da Cisjordânia, Gaza e do toda terra ou pedaço de pedra ao redor de Jerusalém por colonos de todas as partes do mundo. Só eu conheço uma meia dúzia de brasileiros que para lá partiram. Israel não passa de um encrave norte-americano no Oriente Médio. Retire da espalda os pittbuls norte-americanos e Israel vira um anão de jardim. As únicas resoluções da ONU que não tem qualquer validade são aquelas que envolvem Israel e os EUA. Por que será?

Nas votações da ONU, como mostra o painel da imagem, qual é o único país que não quer investigar o genocídio dos palestinos? De repente descubro que o mundo todo está errado e Israel, à sobra dos EUA, é o único certo.

ELIANE CANTANHÊDE

“Anão diplomático”

BRASÍLIA – Depois de três anos e meio de uma política externa dorminhoca, o Brasil deu um pulo da cama, tomou-se de brios e partiu para cima de Israel.

Em sintonia fina com o Planalto e num mesmo dia, o Itamaraty votou a favor de uma resolução dura contra Israel no Conselho de Direitos Humanos da ONU, soltou uma nota com zero firula, convocou o embaixador brasileiro em Tel Aviv e chamou o embaixador israelense em Brasília para dar um recado mal humorado.

Israel x PalestinaA nota oficial, condena “energicamente o uso desproporcional da força” e foi recebida como uma declaração de guerra diplomática por Israel, que reagiu também de forma surpreendente e ácida, ora criticando a “irrelevância” da diplomacia brasileira, ora chamando o Brasil de “anão diplomático”. Planalto e Itamaraty bufaram.

As relações entre Brasil e Israel têm sido pautadas pelo pragmatismo, por exemplo, na área comercial, mas nunca foram de amor. Portanto, o Brasil se fingiu de desentendido na guerra civil síria, assistiu de camarote o desastre político no Egito e, pior, lavou as mãos quando os vorazes russos passaram a devorar nacos da Ucrânia. Mas o país se sentiu à vontade para condenar Israel. E com motivos inquestionáveis.

Mortes são dolorosas em quaisquer circunstâncias, mas mortes de militares em guerras e em situação de tensão são compreensíveis, como são agora as pouco mais de 30 mortes de soldados israelenses. Mas como não ver, não ouvir e não gritar diante de centenas de mortes de civis palestinos (e de onde quer que seja), ainda mais se grande parte delas são de mulheres e crianças? E como não ver, não ouvir e não gritar que caíram mais de 700 de um lado e menos de 5% disso no outro? Crime de guerra?

A posição brasileira, clara e dura, marca uma inflexão da política externa de Dilma, a meses do fim do governo, e confirma que Israel perdeu a guerra da opinião pública internacional e está cada vez mais isolado.

30/01/2012

A direita não tem cor nem país, só o ódio a une

Filed under: Direita,Genocídio,Holocausto,Orhan Pamuk — Gilmar Crestani @ 9:02 am

 

La cárcel, guardiana de la memoria de los genocidios

La aprobación en Francia de una ley que criminaliza la negación del genocidio armenio desata una dura polémica jurídica, política y diplomática

Andrea Rizzi Madrid 29 ENE 2012 – 20:19 CET1

Estudiantes en el baile de fraternidades WKR, en el Palacio Imperial de Viena, organizado por la ultraderecha austriaca el 27 de enero, día en que se conmemora el Holocausto. / EFE

El 16 de diciembre de 2005, ante los ojos del mundo, un tribunal de Estambul celebró una vista penal en la que se sometía a juicio al escritor Orhan Pamuk, que posteriormente sería galardonado con el Premio Nobel. La fiscalía le imputaba haber declarado que “un millón de armenios fueron asesinados en estas tierras entre 1915 y 1917, y nadie se atreve a decirlo”. El proceso, fundamentado en una norma que criminaliza los insultos a la nación, la etnia o las instituciones turcas, causó gran revuelo y protestas en muchos países. Finalmente, ante la fuerte presión externa, el cargo penal fue archivado.

Dentro de pocos días, en Francia, quienes nieguen que los armenios sufrieron un genocidio (o cualquier otro genocidio reconocido como tal por el Parlamento), se enfrentan a un año de cárcel. Nicolas Sarkozy tiene previsto promulgar la ley, aprobada la semana pasada por el Senado francés, a principios de febrero.

Los dos episodios se sitúan en las antípodas en el mapa de las posibles relaciones entre Estado y memoria. Pero, pese a la admirable intención de defender a las víctimas ante repugnantes episodios de negacionismo, la formulación del texto francés también ha despertado serias perplejidades jurídicas, políticas y diplomáticas.

Turquía enjuició a Pamuk por lo contrario: hablar del genocidio

La pugna entre quienes ven en él una noble defensa de la memoria y aquellos que lo consideran un peligroso recorte a la libertad de opinión se inscribe, en este caso, en el marco de un vibrante conflicto diplomático con Turquía. Ankara reconoce que el Imperio Otomano mató a cientos de miles de armenios pero, con varios argumentos, rechaza que se tratara de un genocidio, es decir, de un intento de exterminio de ese pueblo.

Como telón de fondo de toda la polémica, se evidencia el perfil de una Europa que recurre cada vez más al derecho penal como guardián de la memoria, como último baluarte ante la sensación de una deriva, ante el proliferar de episodios indignantes —como el baile de ultraderechistas organizado el viernes pasado en Viena en el Día de la Memoria del Holocausto— a los que la Red y las nuevas tecnologías otorgan un peligroso eco. Ante semejante escenario, muchos quieren poner remedio a través del Estado, del derecho, que define y reprime. “En el fondo, aquí nos encontramos ante un debate vinculado a la identidad europea, que se está difuminando, y por tanto, quizá en un síntoma de debilidad, nos estamos anclando al derecho penal”, observa Emanuela Fronza, profesora de la Universidad de Trento que ha publicado varios estudios en la materia.

Una sentencia del Constitucional ha eliminado en España esa figura penal

En este territorio se inscribe, precisamente, el primer orden de críticas a la ley francesa, que otorga al legislador el poder de definir cuáles episodios históricos fueron genocidios. Muchos historiadores se rebelan ante esta situación. “En un Estado libre, no compete a las autoridades políticas definir la verdad histórica y restringir la libertad de los investigadores bajo amenaza penal”, reza un manifiesto del grupo Libertad para la Historia, un movimiento de académicos que se opone a la ley. Varios países (entre ellos Alemania) condenan el negacionismo del Holocausto, pero conceder al legislador potestad para definir cuáles actos fueron genocidios es claramente un paso más.

Un segundo orden de críticas concierne las circunstancias específicas del caso. “El negacionismo del genocidio armenio es una política pública, de Estado. Por ello, suscita particular perplejidad el uso del derecho penal, que se concentra en los individuos, en lugar de encarar el tema desde un punto de vista político”, dice Fronza. Con esta ley, no solo podría ser enjuiciado en Francia el primer ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, por expresar el punto de vista oficial del país; también lo sería cualquier estudiante mayor de edad que repitiera la lección aprendida en la escuela.

Un tercer orden de críticas concierne la amplia formulación del texto, que permitirá llevar al banquillo a cualquiera que argumente que no se trató de genocidio, sin distinguir entre aquellos que niegan burdamente con la intención de fomentar odio y violencia, y aquellos que argumenten objeciones con respeto hacia las víctimas, que no niegan los hechos, sino, sobre la base de investigaciones académicas, su calificación jurídico-histórica.

Al respecto, es interesante la jurisprudencia española. El Código Penal español incluía una norma muy parecida a la francesa, pero el Tribunal Constitucional ordenó en 2007 eliminar la penalización de la simple negación de genocidio. “Por otra parte, la criminalización de la justificación de genocidio fue salvada por el Constitucional, pero solo cuando esta constituye una provocación indirecta a la comisión de crímenes”, explica el profesor Bernardo Feijoo, de la Universidad Autónoma de Madrid. “Así que el punto de equilibrio del Constitucional es claro: el límite a la libertad de expresión empieza en el punto en el que esta se usa para organizar un clima favorable a que se atente contra un determinado grupo étnico, religioso, etcétera. Eso es, por ejemplo, lo que sucedió con Radio Ruanda, que lanzaba mensajes incendiarios antes de que empezara la masacre”.

Así, en España, las autoridades actuaron por la vía penal contra el dueño de la librería Europa de Barcelona, que difundía textos antisemitas y que justificaban el Holocausto. Pero sería inadmisible un procedimiento penal contra el prestigioso historiador Bernard Lewis que, con argumentos académicos, sostiene que la masacre de armenios en Anatolia no puede clasificarse como genocidio.

“Pero la sentencia del Constitucional español va en contratendencia, es prácticamente la única en ese sentido. En Europa se extiende la aceptación de la penalización de la negación, que es reclamada por las propias instituciones europeas”, señala Fronza.

Este es uno de los argumentos de los promotores de la ley francesa: cumplir con las decisiones marco europeas. Los detractores indican que esta va mucho más allá de la petición de Bruselas, al no exigir ese vínculo entre negación y peligro social.

Valérie Boyer, la diputada que ha impulsado la ley, ha defendido así el espíritu de la norma en un artículo publicado en la revista Atlántico: “Los franceses de origen armenio tienen derecho a ser protegidos en su territorio de las terribles propagandas que ensucian la memoria de sus familiares masacrados. […] Para ellos, reclamo la protección de la República contra esa insoportable agresión moral”. Boyer afirma, además, que “negar genocidios contrastados significa prolongar la intención genocida sobre las generaciones siguientes y atentar contra su dignidad humana”.

Boyer milita en la conservadora formación UMP; pero la ley ha roto las líneas políticas, cosechando votos a favor y en contra en el seno de prácticamente todos los partidos. Los críticos señalan que la ley, a tres meses de las presidenciales, tiene un sabor electoral: en Francia hay unos 500.000 electores de origen armenio.

La cárcel, guardiana de la memoria de los genocidios | Internacional | EL PAÍS

19/10/2011

Democracia made in USA

Reza a lenda que Israel teria desenvolvido uma praga étnica. Ela só ataca indivíduos cujo genoma, por ter sido mapeado, seja idêntico. Seria para exterminar com árabes em geral, palestinos em particular. Diante da evolução da máquina de guerra, não é de se duvidar. Se foi ou vai ser usado é outra história. O que parece certo, no entanto, que foram envidados esforços neste sentido. Considerando que  Israel não passa de um Estado totalmente tutelado pelos EUA, ganha força a versão.

Os EUA só perderam, em termos de racismo, à África do Sul, com seu apartheid. Uma vez acabado o apartheid, a impressão que fica é que os EUA continuam o que sempre foram, um país da segregação. As exceções só servem para confirmar a regra. O Furacão Katrina que assolou New Orleans acabou por demonstrar não só o apartheid racial, como também o social.

A questão com os latinos em geral, e o México em particular, é racial e social. Mais, se há um acordo com o México para a implantação da ALCA, fica ainda mais evidente que se trata de transformar o México em mão-obra-barata, reclusa, como gado de corte, já que não pode entrar nos EUA. A ALCA teve outra vantagem para os EUA, ao invés da Colômbia, transformou o México em grande fornecer de tóxico. Seus viciados, dos EUA, já não precisam viajar aos países andinos para consumir droga. Agora basta atravessar a fronteira.

Se a nova Ku Klux Kan quiser de fato exterminar com os latinos e demais imigrantes, talvez devesse, ao espírito que incentivou a ideologia nazista e o desenvolvimento da bomba atômica, estreitar os laços científicos com Israel para detonar a bomba étnica…

Morte aos imigrantes

O homem da foto pode ser o próximo presidente dos Estados Unidos. Ele é Herman Cain, que passou de desconhecido azarão a candidato sensação dos republicanos nesse período de debates entre os que postulam o direito à indicação do partido para enfrentar Barack Obama no pleito de novembro do ano que vem.

É verdade que os muitos pretendentes republicanos estão em processo de autofagia, cada um que cresce nas pesquisas vira alvo dos demais. E assim já tivemos pelo menos uns três que chegaram ao topo, tornaram-se favoritos,  mas foram abatidos pela artilharia dos seus pares.
Mas o nosso personagem de hoje, Herman Cain, afro-americano como Obama, estava no grupo dos figurantes, praticamente zero  chance.  Eis que,  de repente, o homem inventou um plano de governo baseado nos números 9-9-9, que nem ele sabe explicar direito, e isso provocou a curiosidade da mídia que lhe abriu generosos espaços.

Dai em diante, Cain subiu feito um foguete nas pesquisas e agora disputa cabeça com cabeça a preferência dos eleitores republicanos e é o único que vence Obama, por 43 a 41%, em simulações do presidente com os demais postulantes republicanos.

Mas há um detalhe a ser levado em conta.  Essas pesquisas foram feitas nos dias 14 e 15 de outubro. De lá para cá,  Cain andou metendo os pés pelas mãos e agora corre o risco de despencar.  Há candidatos que, quanto mais aparecem na mídia,  maior o risco de mostrar sua incapacidade para ocupar o cargo de presidente dos Estados Unidos.
Foi o que aconteceu no último domingo, durante entrevista na TV.  Perguntado sobre a questão migatória, Herman Cain disse que seu plano era aumentar a altura do muro que separa a fronteira EUA-México e equipá-lo com uma cerca eletrificada mortal, para acabar com a imigração ilegal naquela área.

Uma declaração no mínimo grosseira e ofensiva à imensa comunidade latina, sobretudo mexicana, que vive e vota nos EUA. Pode ser que pelo teor racista e nazistóide de seu projeto, Cain consiga arrebanhar votos entre os mais conservadores, mas  com certeza perdeu os votos dos hispânicos, cerca de 15% do eleitorado. Indocumentados não votam, sabe-se, mas seus parentes e amigos, sim.
Certamente admoestado por seus assesores, Cain rapidamente saiu em campo para tentar apagar o incêndio causado pela declaração de péssimo gosto. E numa entrevista à CNN, garantiu que a história da cerca letal não passou de uma brincadeira e prometeu que vai ser mais cuidadoso ao escolher suas palavras daqui por diante.
Não aprendi a ser politicamente correto”, disse ele a John King, da CNN.

Enquanto os republicanos se desgastam em debates e declarações que visam a derrubada do adversário que está dentro da mesmo casa, Obama assiste de camarote. E apesar da recessão e do desemprego, ele está nas ruas disputando a simpatia do eleitor.

Nesta segunda, em evento público na Carolina do Norte, a multidão em coro pedia sua reeleição.   Como bom politico, Obama tirou partido da situação. Levantando os braços, como se estivesse pedindo calma aos presentes, ele aproveitou a situação para fazer aquela média que deixa qualquer eleitor feliz:

“Olha aqui, pessoal, eu apreciaria permanecer mais quatro anos na presidência, mas minha preocupação neste momento é com os treze meses que ainda tenho pela frente”.

Susan Sarandon: "O Papa é nazista"

Quem arrebentou a boca do balão no fim de semana, foi a atriz Susan Sarandon . Entrevistada no Festival de Cinema de Hampton, New Hampshire, a atriz disse ao entrevistador ter enviado ao Papa uma cópia do livro "Dead Man Walking". Nesse momento, ela fez uma pausa e completou: “ao último (Papa), não a esse nazista que temos agora”.
Visivelmente embaraçado, o entrevistador mostrou gentilmente que desaprovava a declaração de Sarandon, mas a atriz não voltou atrás e confirmou sua opinião a respeito do Papa, em meio ao riso do público presente.
Com isso, ela trouxe de volta o passado de Bento XVI, que pertenceu, de fato, à Juventude Hitlerista quando era adolescente. A Igreja Católica já esclareceu que ele tinha 14 anos e que era uma exigência na época pertencer à Juventude. Esclarece ainda que ele não teve uma participação ativa no movimento.
Por mais que tentem explicar,  a biografia de Bento ou Benedito vai estar sempre com a mácula do “Meu passado me condena”.

Morte aos imigrantes | Direto da Redação – 10 anos

05/10/2011

Pimenta no dos outros é refresco

Filed under: Democracia made in USA,Genocídio,Terrorismo de Estado — Gilmar Crestani @ 9:22 am
Tags:

 

EUA deixam reunião do Conselho de Segurança após acusação de apoiar genocídio

A delegação dos Estados Unidos abandonou nesta terça-feira a reunião do Conselho de Segurança da ONU, onde Rússia e China vetaram uma resolução de condenação à Síria, depois que o representante de Damasco acusou os americanos de "apoiarem o genocídio" ao protegerem Israel em detrimento dos palestinos.

A embaixadora americana nas Nações Unidas, Susan Rice, e os demais diplomatas americanos se levantaram e deixaram a sala do Conselho, enquanto o representante sírio, Bashar Jafari, dizia em seu discurso que os EUA poderiam ser acusados de genocídio por seu apoio aos israelenses.

Jafari assegurou que os EUA usaram seu poder de veto 50 vezes desde 1945 para protegerem Israel, pelo que poderiam ser acusados de participar do genocídio israelense contra os palestinos.

"Essa linguagem é equivalente a fechar os olhos e apoiar os massacres israelenses nas terras árabes ocupadas", indicou Jafari, que foi o último representante diplomático a discursar na reunião que frustrou a tentativa dos países da UE (União Europeia) de condenar Damasco.

Antes de Jafari ter finalizado seu discurso, o embaixador britânico, Mark Lyall Grant, também abandonou seu assento na mesa do Conselho de Segurança em protesto por suas palavras.

Em declarações posteriores à imprensa, a embaixadora americana evitou comentar o incidente, mas foi especialmente dura com Rússia e China, que utilizaram seu direito de veto de maneira conjunta pela primeira vez desde julho de 2008 para evitar que o Conselho condenasse o regime de Bashar al Assad.

"Os sírios que querem que os direitos humanos universais sejam respeitados, assim como suas aspirações de liberdade, foram esbofeteados por vários membros do Conselho de Segurança", disse Susan Rice, que lamentou que alguns países façam "de tudo para defender os ditadores que seguem o caminho da guerra".

Rússia e China vetaram a resolução apresentada pelos quatro países da UE que estão no Conselho – França, Alemanha, Reino Unido e Portugal -, que não incluía sanções contra Damasco, mas sim uma dura condenação pela repressão, enquanto Brasil, Índia, África do Sul e Líbano se abstiveram.

Os europeus e os EUA, além de Bósnia, Colômbia, Nigéria e Gabão votaram a favor.

O embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin, assegurou que seu país não concorda "com este movimento unilateral e acusatório contra Damasco", e assinalou que a aposta europeia não promoveria uma solução pacífica para a crise, como deseja a Rússia.

O veto à resolução europeia gerou o protesto de algumas organizações humanitárias, como a HRW (Human Rights Watch), cujo diretor na ONU, Philippe Bolopion, acusou Rússia e China de "permitirem que o governo sírio siga com sua aberrante campanha de repressão" e lamentou "a passividade" de Índia, Brasil e África do Sul.

Folha.com – Mundo – EUA deixam reunião do Conselho de Segurança após acusação de apoiar genocídio – 05/10/2011

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: