Ficha Corrida

15/12/2014

Privatização da corrupção

 

Hsbc, ética y…

Por Vladimir L. Cares *

La divulgación de información reservada se ha hecho habitual en el último tiempo. Palabras como Wikileaks se han popularizado rápidamente y personajes como Julian Assange son reconocidos en todos los rincones del planeta. Similar publicidad ha recaído en el experto en informática y ex agente de inteligencia de la NSA (National Security Agency) de los Estados Unidos Edward Snowden, hasta hace unos años un ilustre desconocido. Antes de transformarse en una celebridad global, Snowden pasó momentos más propios de una película de espionaje de la época de la Guerra Fría. De Hawai, su residencia y lugar de trabajo, voló a Hong Kong. Allí, divulgó información secreta de la NSA. Por último, se dirigió a Moscú en cuyo aeropuerto permaneció retenido hasta que le fuera otorgado el asilo por parte del gobierno ruso, pese al reclamo de extradición de las autoridades estadounidenses. En Moscú se encuentra aún oculto Snowden y se espera que esté allí por mucho tiempo más.

En días recientes, el gobierno nacional ha denunciado ante la Justicia argentina una trama ilegal para realizar fuga de divisas y evasión fiscal a cuentas secretas en Suiza, por parte de más de cuatro mil personas y empresas. La información fue suministrada a la AFIP por la Dirección General de las Finanzas Públicas de Francia, a raíz de una filtración de datos realizada en 2008 por un ex empleado del HSBC de Ginebra, el ítalo-francés Hervé Falciani. La totalidad de personas físicas y jurídicas figurantes en la lista completa obtenida por Falciani alcanza a más de 130 mil clientes, incluyendo en ella a argentinos, españoles y franceses, entre otras nacionalidades. En la actualidad Falciani colabora en España con la Fiscalía Anticorrupción y está amparado por un programa de protección de testigos, auspiciado por Naciones Unidas en su Convención contra la Delincuencia Organizada Transnacional (Convención de Palermo).

Tras la denuncia realizada por la AFIP, Falciani ha recibido un trato áspero por parte de representantes de la prensa hegemónica. Así, en un editorial del diario El Día de La Plata considera que “esa información, que data de 2006, fue filtrada por un empleado infiel del banco HSBC”. Además, Jorge Lanata desde Clarín afirma que “el Gobierno decidió traer la manada de elefantes para ocultar el elefante propio: denunció la existencia de unas cuatro mil cuentas en Suiza que habían sido reveladas por un empleado infiel del HSBC en Europa”.

Por otra parte, en el sitio web de Marcelo Longobardi podemos anoticiarnos de que “lo que hubo es la existencia de un presunto empleado infiel en el HSBC. Se robó información que no sabemos si es cierta o ha sido manipulada”.

Como vemos, el hilo conductor del argumento de los voceros del establishment argentino apunta a una deslegitimación de Hervé Falciani, al que unánimemente se considera como un empleado infiel, autor de un robo inexcusable. Sin embargo, si queremos ser serios en el análisis, tendríamos que preguntarnos si lo realizado por Snowden, Falciani y tantos otros puede ser estudiado desde otra perspectiva. La respuesta es sí.

En el idioma español no existe un término unívoco que referencie el acto de divulgar al público o a la Justicia la información de proyectos o actos cuestionables, ilegales o faltos de ética realizados por una organización. Términos como soplonaje, buchonaje o entregador tienen una carga peyorativa notoria. Con menos agresividad está la figura del informante o denunciante. La palabra topo, muy frecuentada en las notas periodísticas, está más relacionada con el espionaje tradicional, pues hace referencia a alguien que, trabajando en una organización, actúa camuflado sirviendo a otra organización o país. Sin embargo, hay una expresión que es utilizada con amplitud y adecuación en la disciplina de la ética aplicada (principalmente en la ética de la ingeniería, en la ética de las organizaciones o en la ética de los negocios): whistleblowing. Traducida literalmente significa “soplar el silbato” y con ello hace referencia al acto de llamar la atención o señalar públicamente una falta.

Una definición más precisa indica que un whistleblowing es el acto realizado por un individuo perteneciente a una determinada organización y que consiste en divulgar, por fuera de los canales propios, aquellos actos impropios o ilegales cometidos por la propia organización o por personas en posiciones de autoridad dentro de ella. Cabe aclarar que no toda acción puede justificar el whistleblowing sino sólo aquella que pueda entrañar daños a la población, sean éstos físicos, psicológicos o financieros. Un whistleblowing implica para el agente que lleva adelante la divulgación la existencia de un dilema ético a resolver, puesto que colisionan el cumplimiento de la lealtad hacia la institución en la que presta servicios, por un lado, con los principios, virtudes o deberes que el mismo agente considera como constituyentes genuinos de su moralidad.

Se han propuesto diversos criterios para justificar un whistleblowing y, por tanto, dar una cobertura ética que sustente la acción llevada a cabo por el denunciante (whistleblower). Uno de ellos, ya clásico, fue elaborado en su momento por Richard De George en su texto Business Ethics (1986). Un enfoque diferente es sostenido por Michael Davies en su trabajo “Some Paradoxes of Whistleblowing” (Business and Professional Ethics Journal, 1996). El modelo de Davies –conocido como la teoría de la complicidad– enumera ciertas condiciones a cumplimentar, a saber:

a. lo divulgado debe provenir de la institución en donde el agente trabaja;

b. el agente debe ser una persona que voluntariamente trabaje en la institución;

c. la organización, aun siendo legítima, practica acciones que son éticamente muy cuestionables;

d. el agente considera que será cómplice de actos moralmente inaceptables si no los divulga públicamente.

Davies considera que, además, los puntos c y d sean entendidos como conocimiento concreto, es decir que el agente las considere creencias justificadas y verdaderas (para ello debe poder contar con evidencias sólidas que avalen su accionar).

Es pertinente mencionar aquí, además, que en varios países se ha legislado con variado y desigual impacto lo concerniente al whistleblowing, en particular en lo referente a la protección de las personas denunciantes (Whistleblowers Protection Act, Australia, Public Interest Disclosure, Nueva Zelanda o el Public Sirvants Disclosure Protection Act, en Canadá). En los Estados Unidos existe el Whistleblower Protection Act desde 2007. Asimismo, la gubernamental OSHA (Occupational Safety & Health Administration, Estados Unidos) tiene su propio manual dedicado a los actos encuadrados en el whistleblowing, en particular para la tramitación de denuncias por represalias. Así, en su capítulo 14 (dedicado a las empresas financieras) establece: “Ninguna empresa, incluyendo cualquiera o cualquier funcionario, empleado, contratista, subcontratista o agente de dicha empresa puede despedir, degradar, suspender, amenazar, acosar, o de cualquier otra manera discriminar contra un empleado en los términos y condiciones de empleo debido a cualquier acto que, realizado por el empleado, proporcionara información sobre cualquier conducta que el empleado cree razonablemente constituya una violación del marco legal, cualquier regla o regulación de la Comisión de Bolsa y Valores, o cualquier disposición de las leyes federales en materia de fraude contra los accionistas”.

Entendemos que, tanto en el plano de la ética (por ejemplo, apego al modelo de Davies) como también en la jurisprudencia de diversos marcos legales que regulan la divulgación de información clasificada, las acciones realizadas por individuos como Hervé Falciani están plenamente justificadas. Falciani pudo encontrar con su acción la respuesta adecuada para su dilema ético: ¿qué prevalece en la balanza, la lealtad a tal o cual compañía o el bienestar de la comunidad?

Ricardo Maliandi, una de las voces más autorizadas de los estudios éticos en Argentina, nos recuerda que la cuestión del conflicto moral representa efectivamente una especie de núcleo de donde derivan todas las cuestiones éticas. Citando a Antonio Machado, en Etica, conceptos y problemas (Buenos Aires, 2009), Maliandi agrega “¿Se vive de hecho o de derecho? He aquí nuestra cuestión. Comprenderéis que éste es el problema ético por excelencia, viejo como el mundo”.

* Facultad de Ingeniería, Universidad Nacional del Comahue.

vladi.cares@gmail.com

Página/12 :: cash

HSBC: grande lavanderia do dinheiro das drogas

Posted by Thoth3126 on 02/11/2014

HSBC não conseguiu agir sobre lavagem de dinheiro, disse Senado dos EUA

Uma dura e contundente investigação do Senado dos EUA concluiu que o gigante HSBC, o maior banco da Europa, com sede em Londres, Inglaterra, ignorou todos os sinais de alerta de que as suas operações globais estavam sendo usadas para lavagem de dinheiro do tráfico de drogas e por potenciais terroristas. A Divisão mexicana do HSBC também esta sofrendo uma crítica particularmente dura e difícil. Segundo o relatório, ela continuou a fazer negócios com “casas de câmbio” – negócios de troca de moedas – anos depois que os seus concorrentes pararam esse tipo de operação…

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

A Investigação concluiu que o HSBC S/A o maior banco da Europa ignorou os sinais de alerta sobre os lavadores de dinheiro das DROGAS e terroristas potenciais.

A casa da GuardaFonte: http://www.guardian.co.uk/

Dominic Rushe em Nova York – The Guardian

Uma dura e contundente investigação do Senado dos EUA concluiu que o gigante HSBC, o maior banco da Europa, com sede em Londres, Inglaterra, ignorou todos os sinais de alerta de que as suas operações globais estavam sendo usadas para lavagem de dinheiro do tráfico de drogas e por potenciais terroristas.

A sede do HSBC em Londres. De acordo com uma investigação do Senado dos EUA, o banco não agiu com controles sobre a lavagem de capitais das drogas. Fotografia: Facundo Arrizabalaga / EPA

As conclusões do inquérito serão exibidas terça-feira em Washington quando os funcionários do HSBC serão chamados para explicar as ações do banco. A comissão do Senado divulgou um relatório com 340 paginas antes dessa reunião que catalogou e citou os controles frouxos nas operações do banco.

A Divisão mexicana do HSBC esta sofrendo uma crítica particularmente dura e difícil. Segundo o relatório, ela continuou a fazer negócios com “casas de câmbio” – negócios de troca de moedas – anos depois que os seus concorrentes pararam esse tipo de operação por medo de que elas pudessem ser operações de fachadas para lavagem de dinheiro dos grandes cartéis de drogas.

O relatório diz que o HSBC do México  tinha uma filial nas Ilhas Cayman que, em 2008 trabalhou com 50.000 contas de clientes e US$ 2,1 bilhões em participações societárias – em país onde sequer tinha pessoal ou escritórios. O HSBC também enviou notas bancárias (Note Bank) de carro ou avião para o HSBC nos EUA. O banco enviou US$ 7 bilhões para os EUA desde o México, em 2007 e 2008, segundo o relatório.

Montanhas de Dólares do tráfico de drogas transformam traficantes e grandes bancos em sócios no crime organizado… Há muito tempo…

O banco também contornou as sanções econômico-financeiras norte-americanas impostas a países como Cuba e o IRÃ, diz o relatório. Em um caso analisado pela comissão, duas filiais do HSBC processaram 25.000 operações envolvendo US$ 19.4 bilhões, durante mais de sete anos sem revelar as ligações das transações com o IRÃ.

O banco HSBC também forneceu dólares e serviços bancários para bancos na Arábia Saudita e Bangladesh, apesar desses bancos terem conexões com o financiamento do terrorismo, diz o relatório.

Em outro exemplo de falta de controle, diz o relatório sobre as atividades ilegais do HSBC, apuraram operações de limpeza de dólares de US$ 290 milhões ao longo de quatro anos, em cheques de viagens (US travellers Checks) suspeitos para um banco japonês, beneficiando russos que alegavam estar no negócio de carros usados.

“Em uma época de terrorismo internacional, de consumo elevado e violência das drogas, o crime organizado em nossas ruas e em nossas fronteiras, parar o fluxos de capitais ilícitos que suportam essas atrocidades é um imperativo de segurança nacional”, disse o senador Carl Levin, presidente da subcomissão do senado.

“O HSBC usou o seu banco nos EUA como uma porta de entrada para o sistema financeiro dos EUA para algumas de suas filiais do HSBC em todo o mundo fornecer (e lucrarem muitíssimo) serviços de dólares norte-americanos para os clientes enquanto estava jogando rápido, fácil e livre com as normas bancárias norte americanas”.

Em um comunicado na noite de segunda-feira o HSBC declarou: “Nós aprendemos muito trabalhando com o subcomitê sobre esta caso e história e também estamos trabalhando com as autoridades reguladoras dos EUA, e reconhecemos que nossos controles poderiam e deveriam ter sido mais fortes e eficazes, a fim de detectar e lidar com um comportamento inaceitável”.

“Acreditamos que esse caso histórico irá fornecer importantes lições para toda a indústria financeira na busca de evitar atores ilícitos que entram no sistema financeiro global. “Com uma nova equipe de liderança sênior e uma nova estratégia sendo implantada  desde o ano passado, o HSBC já tomou medidas concretas para aumentar o seu quadro para responder a estas questões, incluindo mudanças significativas para fortalecer o cumprimento de gestão de risco, e da cultura.”

O relatório também é altamente crítico aos reguladores do governo. Em 2010, o Escritório do Controlador da Moeda (Office of the Comptroller of the Currency-OCC), havia citado o HSBC para uma série de deficiências, incluindo a falta de acompanhamento em transferências eletrônicas de US$ 60 bilhões e atividades das contas e uma carteira de 17.000 alertas de pendências sobre as atividades suspeitas de contas.

Mas os investigadores descobriram que o Escritório do Controlador da Moeda (Office of the Comptroller of the Currency – OCC) não tinha tomado uma única ação sequer de penalização contra o banco nos últimos seis anos.

O novo executivo-chefe do HSBC, Stuart Gulliver disse a equipe na semana passada que ele iria pedir desculpas pelo comportamento passado do banco antes do que se espera que seja aplicado uma multa substancial ao HSBC.

“Entre 2004 e 2010, nossos controles para lavagem de dinheiro deveria ter sido mais forte e eficaz, e não conseguimos detectar e lidar com o comportamento inaceitável“, disse Gulliver.

“A observância e a cultura do HSBC para o cumprimento das normas legais tem sido permissivamente poluída por um longo tempo“, disse Levin.

“A recente mudança na liderança do banco sinaliza que o HSBC está empenhado em limpar a casa. Esse compromisso é bem-vindo, certamente, mas vai demorar mais do que meras palavras para o banco mudar de rumo. Assim como certo é a necessidade de regulação mais dura pela OCC”.

Leia o comunicado de imprensa do Senado dos EUA no link: http://www.hsgac.senate.gov/subcommittees/

Mais informações sobre “grandes bancos”, drogas e corrupção:

http://thoth3126.com.br/o-trafico-de-opio-em-hong-kong-illuminatis/ http://thoth3126.com.br/h-s-b-c-opio-e-drogas-a-origem-do-banco-ingles/ http://thoth3126.com.br/a-verdade-sobre-os-grandes-bancos-ocidentais/ http://thoth3126.com.br/grupo-bilderberg-entrevista-com-banqueiro-suico/ http://thoth3126.com.br/a-situacao-global-uma-atualizacao/ http://thoth3126.com.br/category/reptilianos/

01/10/2014

Seu Túbal, aqui hicimos mierda con su diñero!

BANCO ITAU NA ARGENTINA

Hoje o jornal argentino, Página12, dá matéria de capa às declarações da Presidenta Cristina Kirchner. Em discurso aponta os principais responsável pela captura da encomia argentina deste os tempos de Carlos Menem.

Assim como a AMBEV, o Banco Itaú também entrou forte na Argentina. Assim como apoia Marina aqui, lá apoiou Menem e agora os golpistas.

Enquanto o Brasil reage com cautela às tentativas de ingerência do Banco Itaú na condução do Banco Central e na infiltração de ventríloquos para tomar o poder político, na Argentina a reação é direta, dando nome aos bois.

A famiglia Setúbal, que achava que poderia administrar a independência do Banco Central no Brasil e comprar a Argentina por trinta dinheiros pode sair perdendo nos dois lugares.

Nunca fui nem nunca serei cliente do Banco Itaú. Quem quer o melhor para o Brasil tem o dever de dar um basta à tentativa do Itaú de transformar cidadãos em clientes seus.

Cristina: Itaú pode ter problemas na Argentina

:

Presidente argentina, Cristina Kirchner, fez um alerta a setores a quem responsabiliza pela “crise da dívida” em seu país; ela prometeu controle maior do Ministério da Economia sobre bancos e corretoras que operam com um tipo de dólar mais valorizado, incluindo o banco Itaú, de Roberto Setúbal

1 de Outubro de 2014 às 07:08

247 – A presidente argentina, Cristina Kirchner, fez um alerta a diversos setores em discurso na Casa Rosada, a quem responsabiliza pela “crise da dívida” em seu país.

Ela atacou, entre outros, os fundos "abutres", a Justiça norte-americana, o mercado de dólar paralelo os bancos, incluindo o banco Itaú, de Roberto Setúbal

Segundo ela, o Ministério da Economia irá se esforçar para ver por que operações com um tipo de dólar mais valorizado são concentradas em poucas corretoras e bancos.

Sistema permite comprar títulos em pesos, enviar o ativo para uma conta no estrangeiro, vendê-lo e receber na Argentina novamente, mas com um valor de dólar mais alto do que o oficial.

Leia aqui reportagem de Felipe Gutierrez sobre o assunto.

Cristina: Itaú pode ter problemas na Argentina | Brasil 24/7

Cristina cita Itaú e diz que vai verificar operação de bancos

Em discurso, presidente argentina faz críticas a diversos setores

FELIPE GUTIERREZ, DE BUENOS AIRES, para a FOLHA

Em um discurso na Casa Rosada, a presidente argentina, Cristina Kirchner, atacou os fundos "abutres", a Justiça dos EUA, o mercado de dólar paralelo, bancos, corretoras de valores mobiliários, produtores de soja e a mídia local. As críticas foram por dois principais motivos: a crise da dívida e o que ela considera especulação.

A presidente afirmou que os produtores de soja estão estocando a colheita porque acham que vai haver uma desvalorização da moeda.

Outros que foram criticados foram corretoras e bancos que fazem operações com um tipo de dólar mais valorizado, chamado "contabilizado em liquidação".

É um jeito de comprar títulos em pesos, enviar o ativo para uma conta no estrangeiro, vendê-lo e receber na Argentina novamente, mas com um valor de dólar mais alto do que o oficial.

Ela disse que o Ministério da Economia irá se esforçar para ver por que os volumes desse tipo de são concentrados em poucas corretoras e bancos –o Itaú foi citado.

ABUTRES

A presidente também falou do depósito que a Argentina fez nesta terça (30), de US$ 161 milhões, em Buenos Aires, para os credores da dívida que o país reconhece.

Esse depósito foi feito em Buenos Aires depois de uma lei que foi aprovada rapidamente para que isso fosse permitido. Os credores vão poder escolher se receberão esse dinheiro no país.

Por essa lei, o juiz Thomas Griesa, dos EUA, considerou que a Argentina desacatou a Justiça –ele havia determinado que o país só poderia seguir pagando aos credores caso acertasse conta de US$ 1,3 bilhão com os fundos que o governo chama de "abutres".

EL PAIS › LA PRESIDENTA VOLVIO A HABLARLES A LOS MILITANTES REUNIDOS EN LOS PATIOS DE LA CASA ROSADA

“Ahora usan los golpes de mercado”

Luego del acto en el Salón de las Mujeres, Cristina Kirchner salió para dirigirse a los militantes. Pidió que cuidaran al país y puso el acento en los ataques de los fondos buitre y los sectores que los apoyan.

Por Julián Bruschtein

“Cambien la canción: cuando dicen si la tocan a Cristina, digan la Argentina, porque yo soy sólo la última valla de contención. Vienen por la Argentina”, arengó ayer la presidenta Cristina Fernández de Kirchner a los militantes que se agolparon en los patios internos de la Casa Rosada para escucharla. Después del discurso oficial en el Salón de las Mujeres del Bicentenario (ver página 3), en el que advirtió sobre los ataques contra el Gobierno de parte de los fondos buitre y sectores internos, sostuvo que “ya no vienen como veían antes, que armaban a sus hermanos de uniforme contra el pueblo, acá no usan misiles, usan golpes de mercado, golpes financieros para que la gente crea que las cosas andan mal”.

“Las cosas que nos han tocado vivir son insólitas: pasamos por momentos difíciles en que el mundo se venía abajo, sin trabajo, industrias. Teníamos una deuda de una vez y media de lo que producíamos. Sin embargo, desde aquel 25 de mayo de 2003 hemos construido un país que hoy necesitamos cuidar entre todos”, destacó en su discurso la Presidenta en los intervalos en los que los militantes la dejaban, cuando paraban de cantar sus consignas. “Patria sí, colonia no”, entonaban en medio de los saltos, el fervor y las banderas y pecheras de la agrupación La Cámpora. “Hasta hace poco decía que era una consigna de otros tiempos, pero no saben cuán actual y vigente sigue esa consigna para todos los argentinos”, les devolvió Fernández de Kirchner y dio paso al canto generalizado y a todo volumen.

“No se es soberano solamente por tener una Constitución o por votar cada dos años. Se es soberano cuando se tiene la dignidad de sostener la bandera en alto y no dejar que se pisotee la dignidad nacional”, dijo haciendo foco en que se trataba de “un país que ha crecido sobre tragedias como el dolor, el exilio, las ausencias”, para defender los logros de la última década, y por ello llamó a “mantener la bandera en alto frente a estos ataques con los que buscan envenenarles la cabeza a los argentinos”. En los tres patios por los que pasó, los militantes del Movimiento Evita, Kolina, de la Tupac Amaru, del Partido Comunista Congreso Extraordinario, arengaron a la Presidenta cantando su apoyo incondicional al modelo iniciado en el 2003 por Néstor Kirchner y su liderazgo actual.

“Vamos transformando la Argentina, Unidos y Organizados junto a Néstor y Cristina. Los pibes siempre vamos al frente, pensamos diferente la patria no se vende. No pasa nada si todos los traidores se van con Massa, siempre te sigo, somos los soldados del pingüino”, se escuchaba a la multitud en la Casa de Gobierno, dedicando algunas estrofas al ex jefe de Gabinete Sergio Massa y su proyecto del Frente Renovador. “Esos que hablan tanto del futuro es porque no se quieren hacer cargo de lo que hicieron en el pasado. Yo no fui parte de ese pasado ni del endeudamiento, ni del neoliberalismo, ni de la dictadura, por el contrario. Me hago cargo de lo que pasa en la Argentina”, pareció contestar Fernández de Kirchner en un mensaje a la oposición que coquetea con la estrategia de los fondos buitre para intentar llegar a la presidencia en las elecciones del 2015, y que también fue denunciada en el discurso.

“Cuidado con los que prometen el oro y el moro por las elecciones. Hoy prometen de todo, y hay que estar atentos porque después ya sabemos lo que pasa”, destacó luego, dejando expuestos a los candidatos opositores que anuncian baja de impuestos si llegan a la presidencia, como Mauricio Macri y Massa. También se acordó de un sector del sindicalismo opositor que tomó la decisión de realizar medidas de fuerza en medio de la disputa con los holdouts cuando señaló que “es cierto que los sindicatos son de Perón, aunque algunos parece que son de los fondos buitre”.

“Los que no me quieren, los que no me votan y los que nunca me van a votar saben que yo no miento y que no voy a traicionar al país. Eso lo saben”, dijo para demostrar que “la razón está de nuestro lado”. “Somos un mal ejemplo porque somos los primeros en decir que no y nos quieren escarmentar. Por eso quieren voltear al Gobierno y desestabilizan todos los días un poco más”, denunció al finalizar el discurso.

12/09/2014

A Rede cearense tem menos furos

 

O partido da Neca

12 de setembro de 2014 | 09:02 Autor: Fernando Brito

neca

A D. Maria Alice Setúbal tem o direito de doar para quem ela quiser o seu dinheiro de herdeira do Itaú.

Desde que respeite, claro, o limite legal de 10% do que teve de rendimentos no ano anterior, o que eleva sua renda anual para pelo menos R$ 20 milhões em 2013, ou R$ 1,67 milhão por mês, sobre os quais, tenho certeza, D. Neca deve ter recolhido os impostos devidos, ao contrário de sua empresa, que deve R$ 18,7 bilhões ao Fisco, sem as multas e correções aplicáveis.

É apenas uma das muitas – embora seja a maior delas – mazelas do financiamento privado de campanhas políticas, esta praga que só uma constituinte específica para a reforma eleitoral poderá banir do país.

A doações de campanha, todas elas, implicam no mínimo em boa-vontade futura dos eleitos com os interesses empresariais específicos. No mínimo, frise-se.

A reportagem do Estadão mostra, porém, que, além se seu apoio pessoal a Marina Silva, Maria Alice Setúbal põe sua fortuna pessoal a serviço da formação de um partido político.

Não é simplesmente uma pessoa: é também uma mala de dinheiro de mais de R$ 2 milhões, supondo sempre que todos os recursos foram declarados.

As doações foram cuidadosamente repartidas entre os políticos com os quais se pretendia (pretendia?) montar a Rede da “nova política”.

A Rede é um amontoado de hipocrisias que não resistiria a qualquer imprensa que fizesse com seriedade o que o Estadão fez hoje: revelá-las.

Querem exemplos?

Lembram do caso do dirigente redista afastado por Marina, chocada com suas fotos com uma barra de ferro nas mãos, depredando o prédio do Itamaraty?

Mentira.

O senhor Pedro Piccolo está lá, todo feliz da vida, na direção nacional da Rede Sustentabilidade, ocupando o posto de Coordenador Nacional, oficialmente.

Isso é só um pedacinho do mar de cinismo que há nesta organização, na qual só os tolos e os muito espertos acreditam.

O partido da Neca | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

Depois da fusão do Itaú com Unibanco, vem aí a (con)fusão com Marina

Banco ItaúMarina e aliados e é 3ª maior doadora entre pessoas físicas

DANIEL BRAMATTI JOSÉ ROBERTO DE TOLEDO E RODRIGO BURGARELLI – O ESTADO DE S. PAULO

12 Setembro 2014 | 03h 00

Acionista do banco Itaú ajudou candidata do PSB e concorrentes de outros três partidos todos vinculados à Rede

Além de coordenar o programa de governo de Marina Silva (PSB), a acionista do banco Itaú e educadora Maria Alice Setubal é a terceira maior doadora individual nestas eleições. Até o começo de setembro, Neca, como é conhecida, havia dado R$ 2.010.200 a candidatos do PSB (16), PV (3), PDT (2) e PPS (1). As doações têm como destinatários concorrentes em 13 Estados e no Distrito Federal. Os valores também variam. Os beneficiados são políticos ligados à Rede Sustentabilidade, partido que Marina tentou criar sem sucesso no ano passado.

As maiores doações foram de R$ 200 mil. Além de Marina – por meio do comitê financeiro da candidatura presidencial do PSB -, receberam essa quantia candidatos a deputado federal em São Paulo (José Gustavo Fávaro) e Tocantins (Rafael Boff), e o candidato a governador do PSB no Amazonas, Marcelo Ramos Rodrigues.

Neca fez ainda seis doações de R$ 130 mil para candidatos à Câmara e ao Senado – como Eliana Calmon (PSB-BA) e Reguffe (PDT-DF). As demais doações são de R$ 70 mil e R$ 10 mil, para candidatos a deputado estadual e federal da Bahia a Santa Catarina. Em comum, a maioria tenta se colocar no perfil de “novo”: jovens, estreantes nas urnas ou defensores da bandeira da renovação.

A acionista do Itaú virou alvo da presidente Dilma Rousseff (PT) por ter doado R$ 1 milhão para um instituto fundado por Marina em 2013. Em entrevista ao Estadopublicada nesta quinta-feira, Neca afirmou que o banco “nunca bancou” a ex-ministra.

Líderes. Neca só ficou atrás de outros dois grandes empresários no ranking de maiores doares como pessoa física: Alexandre Grendene Bartelle (R$ 2,4 milhões) e Marcelo Beltrão de Almeida (R$ 2,3 milhões).

O primeiro é um dos fundadores da Grendene, que, segundo a Forbes, é a maior fabricante de sandálias do mundo. Seu patrimônio é estimado pela revista em US$ 1,6 bilhão. Suas doações se concentram nos dois Estados onde a Grendene tem mais interesses: o Ceará (onde fica a maior fábrica) e o Rio Grande do Sul (local da sede administrativa da empresa).

Alexandre foi acompanhado nas doações por três parentes: Pedro Grendene Bartelle (R$ 1,5 milhão), Maria Cristina (R$ 1 milhão), Pedro Bartelle (R$ 625 mil) e Giovana Bartelle Velloso (R$ 375 mil). Juntos, os quatro doaram R$ 5,9 milhões. Como pessoa jurídica, a Grendene doou R$ 1,7 milhão.

Segundo maior doador, Marcelo Beltrão de Almeida (PMDB-PR) é suplente de deputado federal e concorre a uma cadeira no Senado. Marcelo é herdeiro da CR Almeida, uma das maiores empreiteiras do País – e doadora de R$ 9,4 milhões nestas eleições. A maior doação do candidato a senador foi para si próprio: R$ 2,2 milhões. O resto foi para candidatos a deputado estadual do PMDB no Paraná.

Fortalecimento. Procurada pela reportagem, Neca afirmou que não pretende fazer mais doações até o fim da campanha. Ela disse que fez as doações para “fortalecer” os candidatos da Rede. Como a sigla não obteve o registro do Tribunal Superior Eleitoral, o grupo dispersou e acabou se filiando a diferentes partidos. A maioria, porém, seguiu o mesmo caminho de Marina e entrou no PSB.

A assessoria de Marcelo Beltrão de Almeida disse que os valores doados foram altos porque ele optou por financiar a própria campanha, sem depender de recursos de terceiros. Alexandre Grendene Bartelle não foi localizado para comentar o assunto./ COLABOROU ISADORA PERO

11/09/2014

Educadora assume titularidade e bota Marina no Banco (Itaú)

Freud tem explicações pra tudo. Por isso, Freud explica porque uma educadora só se refere a bancos e esquece o termo “educação”. Os a$$oCIAdos do Instituto Millenium, não contentes em patrulhar o Poder Judiciário, também começam a maquiar a imagem da filha pródiga dos Setúbal. Bastou a população se dar conta que a decisão da Neca Setúbal de autorizar ao Banco Itaú de administrar a independência do Banco Central era como botar a raposa para cuidar do galinheiro, o Banco Itaú exigiu, por ser o maior anunciante, e Folha e Estadão estão tentando vestir na loba uma pele de cordeiro.

Há uma explicação tão simples quanto sintomática: a criação da CPMF por FHC pretendia financiar a saúde pública. Não financiou. Mas CMPF serviu para o Ministério Público rastrear dinheiro ilício, tráficos e outros crimes. Com a CPMF todo mundo pagava imposto, até bancos, criminosos de todos os tipos, donos de helicópteros cheios de cocaína, grupos mafiomidiáticos, jogadores de futebol, jogo do bixo. Bastou o PSDB perder a boquinha federal para todo mundo se voltasse contra a CPMF. E aí entra Marina Silva. Bastou acabar com a única contribuição dos maiores lavadores de dinheiro ilícito, incluindo aí os bancos, para que Marina angariasse o apoio de toda sorte de sonegadores, principalmente daqueles que vivem da financeirização da economia (especulação).

Afinal, Neca Setubal é banqueira ou educadora?

AYRTON VIGNOLA: Brasil, S„o Paulo, SP, 31/08/2010. Retrato da candidata ‡ PresidÍncia da Rep˙blica pelo Partido Verde (PV), Marina Silva(e), que se re˙ne com um grupo de mulheres de diferentes ·reas de atuaÁ„o para falar sobre as propostas do programa de governo e da lid

Coordenadora do programa de governo de Marina Silva, Neca Setubal deflagra, nesta quinta-feira, uma operação midiática para sair das cordas e deixar de representar um peso para sua candidata; em entrevista ao Estado de S. Paulo, ela diz ser alvo de "preconceito"; na Folha, conta com uma generosa reportagem em que é sempre identificada como "educadora"; no entanto, ela própria diz que vive com os dividendos que recebe como acionista do Itaú e foi na condição de banqueira, não de educadora, que ela doou R$ 1 milhão ou 83% de todos os recursos do instituto de Marina Silva; na primeira entrevista que concedeu, após a morte de Eduardo Campos, a acionista do Itaú defendeu a agenda dos bancos e não mencionou a palavra educação uma única vez; até o fim da disputa, Neca não sairá da linha de tiro

11 de Setembro de 2014 às 05:54

247 – A coordenadora do programa de governo de Marina Silva, Maria Alice Setubal, conhecida como Neca, deflagrou, nesta quinta-feira, uma operação para tentar sair das cordas e deixar de representar um peso para sua candidata, depois que as pesquisas eleitorais desta semana apontaram os primeiros problemas na campanha do PSB. Em dois levantamentos, da CNT/MDA e do Datafolha, Marina perdeu pontos e passou a estar em empate técnico com a presidente Dilma Rousseff no segundo turno. Uma das razões é o fato de Marina estar extremamente associada a Neca, herdeira do Banco Itaú, que deu a ela R$ 1 milhão no ano passado (83% de toda a receita do seu instituto).

A ação de imagem de Neca Setubal envolveu dois jornais paulistas. Ao Estado de S. Paulo, ela concedeu uma entrevista à colunista Sonia Racy, em que diz ser alvo de um preconceito contra banqueiros que vem desde a Idade Média. Na mesma entrevista, enfatiza sua condição de "educadora". Na Folha, ela contou com uma generosa reportagem, que vai na mesma linha. "Acionista do Itaú e colaboradora do Itaú viveu afastada dos negócios da família", diz o título (leia aqui).

O tom da reportagem não poderia ser mais claro:

Aos 63 anos, a educadora Maria Alice Setubal, mais conhecida como Neca, é dona de 1,3% das ações do grupo (o equivalente a 0,5% do Itaú Unibanco), mas nunca teve cargo nas empresas comandadas pela família.

Ela já deu aula em escolas e numa faculdade, e trabalha há anos com educação, cultura e projetos sociais. Seus filhos também estão fora do Itaú. Os dois rapazes trabalham em bancos concorrentes. A filha é psicanalista.

Neca não tem, praticamente, nada a ver com os destinos do Itaú. E a orientação interna da Folha, que talvez tenha marinado, parece ser tratá-la sempre como "educadora".

O problema, no entanto, é que foi a própria Neca quem escolheu desempenhar o papel de banqueira e porta-voz da agenda dos bancos na campanha de Marina.

Afinal, foi na condição de banqueira ou educadora que ela doou 83% dos recursos do instituto que se dedica a alimentar o mito Marina Silva?

O ponto mais importante não é esse. Logo após a morte de Eduardo Campos, Neca Setubal passou a falar em nome da candidata Marina Silva, numa entrevista concedida ao jornalista Fernando Rodrigues, e defendeu a agenda dos bancos. O título da reportagem foi explícito: "Marina Silva acena ao mercado e promete autonomia para o BC" (leia aqui).

Na longa entrevista, a "educadora" Neca Setúbal não menciona uma única vez a palavra "educação". No entanto, discorre longamente sobre metas de inflação, autonomia do Banco Central e outros temas econômicos. Diz, inclusive, que Marina concederá autonomia ao BC, mesmo sem concordar com esta tese. Eis um trecho:

Eduardo Campos falou várias vezes que a meta de inflação seria perseguir 4,5% nos próximos quatro anos para assumir uma meta, de 3%, a partir de 2019. Isso vai estar explicitado no programa?

Vai.

Dessa forma?
Dessa forma. Exatamente. A meta de inflação vai para o centro, para 4,5%, ao longo do governo de quatro anos. Para depois chegar a 3%. Isso está explícito.

Economistas ortodoxos e alguns do governo dizem que para reduzir a inflação ao longo de quatro anos nesse nível seria necessário aumentar juros e produzir desemprego no país. Esse tema é tratado no programa?
Não dessa forma, não vai dizer. Acho que não existe "vou aumentar juros". Nenhum programa vai colocar dessa forma.
O capítulo de economia tem um olhar que combina com uma parte da gestão de recursos naturais. Busca-se um diálogo com o desenvolvimento sustentável.
O Eduardo [Campos] tinha um compromisso com o social. Ao mesmo tempo que enfatizava a gestão, nunca perdia de vista o compromisso com a questão social. Ele dizia que conseguiria compor: trazer a inflação [para o centro da meta] e ter responsabilidade fiscal. No programa de governo tem o que ele falou. Ele já havia falado de ter um conselho de fiscalização.

Marina, como o programa já está pronto, concordava com todos esses pontos e vai assumi-los?
Vai assumi-los. Vai assumir todos os programas. Ela tinha se posicionado em alguns pontos de uma forma diferente do Eduardo. Por exemplo, o caso do Banco Central. Ela achava que não era necessário ter uma autonomia formal do Banco Central. Ela não achava que precisaria…

De uma lei…
…De uma lei para dar mais autonomia. Mas acho que são os consensos. Existiam diferenças e o programa reflete o que é de consenso. Então ela, enfim, aceitou isso.

No caso do Banco Central, como Eduardo propunha autonomia, mandatos para o presidente e diretores, isso tudo está mantido e será assumido por Marina?
Será assumido pela Marina. A declaração dela é que vai assumir todos os compromissos do Eduardo.

No caso do Banco Central, uma lei seria proposta?
Muitas vezes, Marina falava: "Bom, isso não era a minha posição, mas essa foi a posição do Eduardo e a gente concordou com isso". Então, ela vai assumir essas posições.

A autonomia do Banco Central?
É.

A entrevista de Neca Setubal após a morte de Campos deixa absolutamente claro que ela não falava como "educadora", mas sim como "banqueira". Ou, na melhor das hipóteses, como herdeira de um grande banco, cujos dividendos a sustentam, assim como o instituto Marina Silva.

Afinal, Neca Setubal é banqueira ou educadora? | Brasil 24/7

05/09/2014

Bancos e velha mídia: os olhos não veem o que o nariz sente

O economista que tantos anos serviu ao tucanato mostra o óbvio, mas que os a$$oCIAdos do Instituto Millenium não podem aceitar pois o histerismo é sua razão de vida. O crescimento econômico, pós 2008, foi pequeno no mundo todo. Mesmo Alemanha, Japão e China tiveram recessão. Por que o Brasil teria crescimento reduzido? Ora, o PIB da Alemanha, neste ano, está em 0,2% como registrou o Estadão. O Japão continua patinando e até a China baixou sua previsão de crescimento. Sem contar um dado positivo em relação ao Brasil: pleno emprego e aumento real do salário mínimo.

Os ataques econômicos ao Governo Federal têm endereço certo. Partem dos Bancos. Primeiro foi o Santander, que precisa de mais dinheiro para sustentar a matriz, já que a Espanha está falida, com desemprego na ordem 27%. O Banco Itaú sempre foi um financiador ideológico da Rede Globo. E a Rede Globo sempre foi golpista. Escreveu editorial saudando a chegada da ditadura e com ela fez parceria, como faria com o diabo, para derrotar trabalhadores. O episódio da Proconsult foi apenas mais um da série de que faz parte o Escândalo da Parabólica, do Rubens Ricúpero.

O que querem os bancos? Juros mais altos para faturarem mais. É a tal de financeirização da economia, quando vale mais a pena aplicar o dinheiro do que investir. Os bandos são os maiores anunciantes da velha mídia. Uma coisa leva a outra, como o nariz do cachorro no próprio rabo. Ora, não é por outra razão que a RBS desova funcionários para ocupar postos políticos e o Banco Itaú captura, via Neca Setúbal,  Marina Silva para voltar a mandar no Banco Central.

LUIZ CARLOS MENDONÇA DE BARROS

O Brasil não é a Venezuela

Recessão é ajuste natural após período de boom; basta uma política adequada para economia voltar aos trilhos

Existe hoje um clima de quase pânico em parte da elite brasileira. Sou testemunha deste fato, pois, por dever profissional, tenho contato com um grande número desses desesperados. A leitura deste pessoal é a de que estamos caminhando celeremente para o mesmo caminho trilhado pela Argentina e pela Venezuela.

O leitor sabe que não concordo com essa leitura catastrofista por várias razões. Uma delas é que a recessão que vivemos hoje nada mais representa do que o caminho natural de toda a economia de mercado depois de um período de boom econômico, como o que vivemos entre 2004 e 2011. Esse ajuste foi evitado no início do mandato da presidenta Dilma pela aplicação de doses maciças de anabolizantes com alto conteúdo de expansão do crédito dos bancos públicos e aumento dos gastos do governo.

Entre 2004 e 2007 o crédito cresceu a uma taxa de 25% ao ano nos bancos privados e de 20% no caso dos bancos públicos. Entre 2007 e 2008, esta taxa acelerou-se para mais de 35% ao ano no segmento privado, com os bancos oficiais ficando para trás, crescendo apenas 20% ao ano.

Mas, a partir do agravamento da crise americana, no segundo semestre de 2008, essas posições se inverteram, com os bancos privados pisando no freio e trazendo a taxa de expansão de seus empréstimos para menos de 10% ao ano e os bancos oficiais expandindo suas operações a uma taxa que chegou a 40% nas vésperas das eleições de 2010.

Era o governo reagindo à crise externa e defendendo a eleição de sua candidata a presidente da República. Passadas as eleições, a política econômica do governo voltou à normalidade, com os bancos públicos reduzindo a taxa de expansão de suas operações para algo próximo a 20% ao ano, a mesma verificada então nos bancos privados.

Pois foi nesse momento que a queda da atividade passou a tomar conta da economia brasileira dentro de um processo natural de ajustes, como escrevi acima. O governo, em vez de aceitá-lo –e administrar esse ajuste–, decidiu aumentar suas apostas no crescimento do consumo e, mais uma vez, os bancos públicos foram chamados a agir.

As taxas anuais de crescimento de suas operações voltaram a crescer, chegando a 30% ao ano em 2013. Neste cenário, as vendas ao consumo aumentaram, dando a impressão de que a economia –como no passado– voltaria a responder positivamente aos mesmos anabolizantes.

Ledo engano, pois as condições eram outras e a inflação apareceu com força, obrigando o Banco Central a mudar o sinal de sua política monetária. Pressionado pelos efeitos de uma inflação que, mesmo com juros mais altos, ameaçava sair do controle, o governo jogou a toalha e, nos últimos meses, ordenou que os bancos públicos normalizassem suas operações.

Hoje a taxa de expansão caiu para 18% ao ano e deve continuar a desacelerar, seguindo a direção dos bancos privados, que vem expandindo suas operações a uma taxa modestíssima para nossos padrões, de 8% ao ano.

Volto agora ao início de minha coluna e reafirmo minha posição de que esta recessão que estamos vivendo é "ainda" fruto de um ajuste natural e benéfico de nossa economia. Com uma política econômica adequada, será questão de pouco tempo voltarmos ao leito natural de crescimento, que deve ser hoje da ordem de 3% ao ano. O que nos afasta de forma clara do mesmo caminho trilhado pela Venezuela e Argentina.

E parece que essa é também a leitura do mercado internacional de capitais, pois o Brasil teve uma demanda de US$ 4,8 bilhões para a emissão de US$ 500 milhões de títulos de dez anos de prazo anunciada há poucos dias. Aproveitando-se da situação em que as ofertas de compra representaram mais de nove vezes o valor da emissão, o Tesouro vendeu um total de US$ 1 bilhão, pagando juros anuais de 3,88%, ou seja, 1,4 ponto percentual mais do que o título equivalente do Tesouro americano.

Como eu, todos os compradores destes papéis –e de outros emitidos pelo governo brasileiro no exterior e aqui no país– estão longe da histeria dos brasileiros preocupados com nosso futuro de Venezuela.

lcmb2@terra.com.br

LUIZ CARLOS MENDONÇA DE BARROS, 71, engenheiro e economista, é economista-chefe da Quest Investimentos. Foi presidente do BNDES e ministro das Comunicações (governo Fernando Henrique Cardoso). Escreve às sextas-feiras, a cada 14 dias, nesta coluna.

01/09/2014

Armínio Fraga: “Não vamos arrochar salários nem assassinar velhinhas”, o resto tá liberado

Manchete d’O Globo, de 05 de março de 1999, logo após a reeleição de FHC: BC eleva juros a 45% ao mês para conter inflação! E o mais engraçado é que esta informação O Globo tirou do ar, como se a internet não tivesse encurtado ainda mais as pernas da mentira.O Clipping que a Radiobras fazia dos jornais da época não me deixam mentir!

arminio fragaA melhor frase, se não a única aproveitável, do economista do PSDB: "Arminio Fraga não resolve nada." Ele tem virtude em reconhecer que é um inútil, que sempre resolveu os problemas com mais juros e arrocho salarial. O desemprego foi a política de quando assessorou FHC. Subjaz na filosofia  do desemprego a lógica de que um desempregado não consome. E se não há consumo, não há inflação. Foi assim que FHC resolveu o problema da inflação. A condenação ao aumento real do salário mínimo só pode ser brincadeira de quem nunca recebeu salário mínimo. Em contrapartida, não vi nenhuma proposta para taxar a grandes fortunas nem cobrar mais impostos dos bancos, os maiores beneficiados com inflação alta.

Dilma e Lula provaram que é possível ter melhoria com pleno emprego. Até porque, como disse a economista Maria da Conceição Tavares, o povo não come PIB!

Recordar para não cometer o mesmo erro, veja reportagem da Revista Istoé de fevereiro de 1999: Ao mestre com carinho, a respeito das ligações de Armínio Fraga com o mega especulador George Soros! Mais atual, hoje na Folha, professor da Unicamp detona o economista que conseguiu a proeza de elevar a taxa de juros a 45% ao mês! Taí onde mora o amor dos bancos aos candidatos Aécio e Marina!

  • ENTREVISTA DA 2ª ARMINIO FRAGA:  Não vamos arrochar salários nem assassinar velhinhas

    Economista aliado do tucano Aécio Neves reclama de patrulhamento no debate sobre problemas do país

    ÉRICA FRAGAMARIANA CARNEIROENVIADAS AO RIO

    "Nomeado" futuro ministro da Fazenda, caso Aécio Neves (PSDB) vença a eleição, Arminio Fraga, 57, reclama do aparente patrulhamento, na sua opinião, do atual debate sobre problemas econômicos.

    Ele diz que precisa "fazer um discurso" antes de tratar de temas relevantes, como o reajuste do salário mínimo e as mudanças na previdência. "Senão, você é acusado de ser assassino de velhinhas, o que obviamente não é o caso."

    Falar da discussão muda a fisionomia do (quase sempre pacato) economista: "Eu tenho que fazer um preâmbulo. Se não, imediatamente, o PT vai falar: Eles vão arrochar os salários, arrochar os aposentados’", afirmou.

    Nesta entrevista à Folha, Arminio fala sobre uma das bases de maior apoio político de Aécio: a diminuição da oferta de empréstimos do BNDES. "O empresariado tem que se engajar numa posição mais moderna."

    Para ele, sua "nomeação", sozinha, não representa um choque de confiança. "Arminio Fraga não resolve nada."

    Folha – Se Aécio Neves vencer, qual será a regra de reajuste do salário mínimo?

    Arminio Fraga – O Aécio já declarou que a política de aumento real do salário mínimo continua. A regra, no mínimo, vale por um ano e a essa altura não vejo por que mudar –a preocupação é que ele [o reajuste] fique até baixo neste momento.

    Eu disse, e fui mal interpretado, que os salários em geral tinham subido muito, e que para continuar a subir, o que é totalmente desejável e alcançável, o Brasil teria que mostrar também um crescimento da produtividade. Como acredito que, com Aécio, os salários vão subir, sinceramente, não tenho problema com essa fórmula.

    Economistas próximos do sr. dizem que a regra atual onera a Previdência e desequilibra as contas do governo.

    O papel de um futuro ministro da Fazenda não é tanto ter uma opinião a respeito disso, mas mostrar qual é o orçamento e qual é a tendência no médio prazo. Eu acho que isso está fazendo falta, o Brasil está voando no escuro, em um ambiente de um populismo exacerbado.

    Vocês são críticos à atuação do BNDES, mas o banco oferece crédito barato para parte do empresariado. Como dizer para eles que isso tem de mudar?

    O empresariado hoje entende que esse mercado de crédito dual, onde alguns privilegiados recebem crédito e a maioria não recebe, não é bom. Indiretamente põe pressão no juro, tem implicações distributivas perversas e, no fundo, existe porque outras coisas não estão funcionando.

    Se outras coisas forem postas para funcionar, todo esse aparato de UTI pode ser removido. Fazer uma reforma tributária que desonere a exportação, o investimento, simplifique o sistema [tributário], tem um impacto enorme. Mobilizar capital para infraestrutura e arrumar a casa para ter um juro mais baixo para todo mundo tem um impacto enorme também.

    Essas políticas, não só o crédito subsidiado, mas muitas das desonerações e do aparato protecionista, não são a resposta ideal.

    À medida que se possa corrigir essas falhas, será possível desfazer esse caminho que não está dando certo. Alguém acha que a indústria no Brasil está indo bem, com todo esse crédito, subsídio e proteções?

    Um ajuste fiscal envolveria cortar quais gastos?

    A sociedade tem que fazer opções. O nosso papel é colocar essa discussão na mesa, de uma maneira que ela possa ser concluída com mais consciência dos custos e benefícios e quais são os efeitos do ponto de vista do crescimento, da distribuição de renda. Há um imenso espaço para fazer políticas que teriam impacto redistributivo relevante. O caminho a seguir foi mapeado pelo FHC. Ele tomou a decisão de delegar áreas que naquele momento faziam parte do governo para o setor privado, sob supervisão, para focar em saúde e educação. Foi um pacto extraordinário. Essa discussão tem que ser permanente.

    O sr. falou em tirar subsídios e focar na redução da desigualdade. Como os empresários reagiriam?

    Eles temem que a correção dos fundamentos [da economia] não ocorra e eles fiquem no pior dos mundos. Mas acho que o empresariado tem de se engajar numa posição mais moderna. O melhor exemplo é o Pedro Passos [sócio da Natura e colunista da Folha], que com muita coragem está quebrando todos os tabus e defendendo posições muito parecidas com essas. Acho que esse esgotamento do modelo já é entendido pela maioria. Ninguém gosta de ficar indo a Brasília negociar alguma coisa. Mesmo os que se beneficiavam mais disso estão vendo o Brasil parando.

    Eu tenho a convicção de que arrumar a casa, fazendo ajustes, vai gerar crescimento. A recessão já chegou.

    Se o crescimento se recuperar, não diminui o ímpeto por reformas?

    Só vai haver choque de confiança se o governo mostrar serviço. No gogó não vai.

    O seu nome sozinho não basta para recuperar a confiança?

    Arminio Fraga não resolve nada. Quem tem de resolver é o Brasil. Se o governo não atrapalhar, já ajuda bastante.

    O programa do PSDB não trata de problemas da Previdência como a necessidade de aumentar a idade mínima, acabar com as pensões. Vocês vão enfrentar essas questões?

    Nossa estratégia já está bem mapeada. Começar com uma reforma política, uma reforma administrativa, e colocar na mesa uma proposta já bem amarrada de reforma tributária. Fazer uma blitz na infraestrutura, mobilizar capital privado e, com isso, deslanchar uma primeira etapa do investimento no Brasil que nos parece ser urgente.

    Em paralelo, acho que temos que declarar a guerra ao custo Brasil.

    O tema da Previdência é importante, mas ele se presta também ao populismo. A nossa posição é que esse tema precisa ser debatido. Mas tenho de fazer um preâmbulo, se não imediatamente o PT vai falar: "Eles vão arrochar os salários, vão arrochar os aposentados". Isso tudo é mentira. Mas é, assim, nós não temos medo de discutir.

    Na medida em que as pessoas vivem mais, você tem de pensar na idade de aposentadoria e na viabilidade atual do sistema. Outra coisa estranha são as pensões. E acho que também merece ser discutido, sem prejuízo de quem já tem o benefício. E outros temas: como um país que está com desemprego baixo tem um aumento colossal no seguro-desemprego?

    São ótimos temas, mas para falar deles é preciso fazer um discurso antes, senão você vai ser acusado de "assassino das velhinhas", o que obviamente não é o caso.

    O governo diz que está fazendo um ajuste gradual e que chegaria aos mesmos objetivos sem dor.

    Que ajuste? As contas fiscais estão piorando. Eles estão fazendo um desajuste gradual na área fiscal, e a inflação está em 6,5%, apesar dos preços reprimidos. Qual a credibilidade que o governo tem para dizer que vai fazer um ajuste gradual? Eu também acredito que o ajuste fiscal pode ser feito em dois anos. Eu também acredito que a meta de inflação não precisa ser reduzida da noite para o dia, mas tem que acontecer. Não é incorreto o que o governo diz, mas não corresponde ao que eles praticam.

    Por que a independência do Banco Central não é bandeira do PSDB?

    Esse é um tema antigo e polêmico dentro do PSDB. O partido sempre gostou da ideia de dar autonomia ao Banco Central, mas com algum mecanismo de proteção em relação a problemas extremos, como o Banco Central trabalhar mal. O Aécio deixou claro que vai dar a chamada autonomia operacional ao Banco Central e não está fechado discutir a lei.

    Olhando de fora, o atual Banco Central é autônomo?

    Menos do que seria desejável. Sou amigo do [presidente do BC Alexandre] Tombini, mas acho que ele vem sofrendo porque há de fato uma percepção de que ele está sob muita pressão.

    Para aprovar uma reforma tributária precisa construir uma maioria. Como vocês fariam?

    Precisa. Acho que o Aécio trabalharia isso.

    Com quem?

    Acho que com o país todo. É tal a emergência nessa área que eu acho que tanto o Congresso quanto a sociedade, os empresários em particular, iam dar muito apoio. Acho que é algo que seria muito bacana. E, se o Executivo estiver disposto a trabalhar isso dando um mínimo de garantia para os Estados, a coisa é bem viável.

    O que a proposta de reforma tributária de vocês tem de diferente?

    Correndo o risco de soar um pouco agressivo, a nossa é a única. Teve proposta [do governo] de unificar as alíquotas do ICMS. Nós estamos falando em consolidar esses impostos, acabar com a cumulatividade, simplificar as regras. Estamos bem avançados nesse trabalho. Nossa ideia é abrir a discussão.

    Vocês ofereceriam propostas para uma reforma em um eventual governo Marina?

    Sim, sim, claro. Acho que qualquer coisa que nós façamos não é segredo.

    Você participaria de um eventual governo Marina Silva?

    Estou discutindo esses temas com Aécio há quase dois anos e acredito que ele é o caminho. Eu não vou. Não pretendo ir se não for com ele.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: