Ficha Corrida

16/08/2015

Olha teu primo aí, Farid Germano Filho

Filed under: Farid Germano Filho,Fundação Piratini,José Otávio Germano,Operação Rodin,PP,RS — Gilmar Crestani @ 10:15 am
Tags:

OBScena: Farid desmaia ao vivo

Farid, o germano

O ex-celetista do Grupo Pampa e da Rádio Grenal, Farid Germano Filho,  não perdia oportunidade para jogar nas costas do governo federal, Dilma, Lula e o PT todo e qualquer problema que aparecesse. Inclusive os que enfrentam o atual governo do Estado. A sabujice e o puxa-saquismo granjeou-lhe um mensalinho da Fundação Piratini. De um lado o Tiririca corta salário dos funcionários de carreira, do outro arruma boca para vira-bostas. Com a ida deste rebento da famiglia Germano serão criadas as condições para a extinção da Fundação Piratini. O sucateamento é a véspera da doação, destruição ou privatização. O PP gaúcho é especialista na matéria.

O Tiririca da Serra agora contará com alguém à altura para tratar da comunicação no Estado. E com isso consolida e solidifica a relação do PP gaúcho com a central Tumeleiro de soluções.

 

‘Não sei dizer se Pedro Corrêa tinha influência ou não’, diz deputado alvo da Lava Jato

16 agosto 2015 | 06:00

José Otávio Germano (PP/RS), apontado por delatores como beneficiário de propina mensal de até R$ 150 mil, depôs como testemunha de defesa ex-presidente do PP, preso em Curitiba

Por Fausto Macedo, Julia Affonso e Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

O deputado federal José Otávio Germano (PP/RS), alvo da Operação Lava Jato, declarou à Justiça Federal que ‘não sabe dizer’ se o ex-deputado Pedro Corrêa (PP/PE) – preso por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro – exerceu alguma influência no partido depois de ter sido cassado em 2006. Corrêa foi presidente do PP.

“Eu nunca fui da cúpula do partido, não tenho condição de com propriedade, com nitidez, dizer exatamente se ele (Corrêa) tinha influência ou não. Isso é muito subjetivo, é muito relativo”, disse Germano, ele próprio sob investigação da Procuradoria-Geral da República por supostamente ter sido beneficiário de propinas do esquema de corrupção que se instalou na Petrobrás entre 2004 e 2014.

A diretoria de Abastecimento da estatal petrolífera era cota fixa do PP, segundo a Lava Jato . O partido indicou o engenheiro Paulo Roberto Costa para ocupar a unidade estratégica da Petrobrás. Na ocasião, o homem forte do PP era o deputado José Janene, morto em 2010. A Lava Jato constatou que o partido manteve o domínio da Abastecimento durante todo o período em que o esquema de corrupção operou no Âmbito de contratos bilionários.

Pedro Corrêa é acusado de ter sido contemplado com propinas do esquema. Ele arrolou três deputados federais como suas testemunhas de defesa, todos eles alvos da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal e todos do PP- José Otávio Germano (RS), Nelson Meurer (PR) e Waldir Maranhão (MA).

Um dos delatores da Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef, afirmou que Germano ‘recebia de R$ 30 mil a R$ 150 mil por mês da cota do PP’. Paulo Roberto Costa afirmou, em sua delação, que o parlamentar fez lobby em troca de propina para uma empresa participar de contratos da estatal petrolífera – a empresa atuou em obras da refinaria Premium I, no Maranhão.

Germano não admite a inclusão de seu nome na lista de suspeitos de irregularidades. Ele nega ter recebido propinas no esquema Petrobrás. Na audiência presidida pelo juiz federal Sérgio Moro, o deputado gaúcho foi ouvido por vídeoconferência. Germano, acompanhado de seu advogado, estava em uma sala na Justiça Federal em Brasília. Moro em seu gabinete na Justiça Federal no Paraná, base da Lava Jato.

O parlamentar disse que conheceu Pedro Corrêa quando ele presidia o PP. “Na época eu era presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, em 1996, provavelmente”, disse Germano. Sobre as atividades de Corrêa depois que foi cassado, a testemunha disse que ‘não tem conhecimento’. “Eu o encontrei em reuniões partidárias, encontros partidários, né?”

‘Não sei dizer se Pedro Corrêa tinha influência ou não’, diz deputado alvo da Lava Jato

29/07/2015

Entenda porque os eleitores do Tiririca da Serra, amestrados pela RBS, odeiam Tarso e o PT

rbs (2)

Eta povinho besta. Os midiotas acreditam na RBS, aquela pega na Operação Zelotes, consomem lei com detergente, queijo com amido de milho, iogurte com soda cáustica e cantam “sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra”. O PP gaúcho, pego por inteiro na Lava Jato, comanda a manada amestrada pela RBS no ódio aos movimentos sociais. Para cada Luis Carlos Prates da RBS há um Luis Carlos Heinze no PP. Para cada Ana Amélia Lemos na RBS, há um Augusto Nardes no TCU. Por que a RBS não condena o PMDB do Eduardo CUnha? Ora, porque precisa deles para se safar da Zelotes…

Os idiotas gaúchos adoram a política de segurança do Governo Sartori porque ela é feita com dinheiro retirado das diárias dos policiais para ser investido em propaganda. A RBS, como fiel filial da Rede Globo, também adota a Lei Rubens Ricúpero: esconde o que é ruim para Sartori e tenta impingir porcaria como se fosse coisa boa.

E o Tiririca da Serra, no mesmo diapasão do Geraldo Alckmin, sempre consegue uma boquinha para o Farid Germano Filho na TVE e assim consegue mais amestrado para sua plateia de imbecis. A Política de Segurança é a mesma do governo Yeda Crusius, que por sua vez foi importada de São Paulo, via PCC. Vide Operação Rodin! Mas o Tiririca da Serra é capaz de confundir PCC com PVC e mandar procurar segurança na Tumeleiro.

Agora no RS, como em São Paulo e Paraná, é mais fácil os governadores sentarem com o PCC do que com os professores ou com os policiais. E a manada abestalhada come capim, até porque o salário dos funcionários vem parcelado. Mas o dele e do marketing, em dia!

“O Tribunal de Contas do Estado aprovou por unanimidade as contas do nosso governo e fez um excelente diagnóstico da situação financeira do RS. Reproduzo aqui a fala do conselheiro/relator, Algir Lorenzon, sobre a nossa gestão das finanças:
“Ele sacou bastante do Caixa Único? Sacou, é verdade! Mas ele aplicou mais do que qualquer outro, em qualquer período do estado do Rio Grande do Sul na Educação, na Saúde, no pagamento de precatórios, no reajuste de servidores públicos, no pagamento em dias destes servidores e na reposição de pessoal nas áreas da segurança, saúde e educação.
Se formos confrontar toda a situação, mostrando que não há nenhuma incompatibilidade ou irregularidade na contabilização dos gastos, aquilo que hoje a imprensa nacional vem chamando de pedaladas, observamos que no Rio Grande não teve nada disso. Tudo foi às claras, está tudo contabilizado.
É um quadro ruim? É! Mas no ano passado era também, no governo passado também foi, no anterior também foi. Quando eu disse que estou examinando pelo vigésimo sexto ano consecutivo contas de governador, me recordo, pela memória que ainda tenho, de que o quadro também era ruim em 1990.
Se o governador Tarso Genro tivesse agido com dolo, com ma fé, com atos de corrupção, com qualquer coisa desse tipo, nós estaríamos propondo o voto desfavorável. Mas nada disso ocorreu.
Ele retirou recursos do Caixa Único e aplicou em Saúde, Educação e Segurança atingindo os melhores índices, de todos os tempos, no quadro do Estado.”

Praia de Xangri-Lá

16/07/2015

PP gaúcho: Sirvam nossas patranhas de modelo a toda terra.

ANA RBS LEMOSEm tudo o que acontecimento, bom ou ruim, a RBS busca sempre a presença de um gaúcho entre vítimas ou agraciados. Só não encontra seus ex-funcionários quando estes são pegos fazendo o que aprenderam com ela. A RBS não via nada de errado em Antônio Britto lhe entregar a CRT. A RBS também não sabia que sua funcionária, Ana Amélia Lemos era funcionária fantasma do Senado. Casada com um senador biônico, Ana Amélia tinha licença da RBS para diuturnamente atacar o PT e defender a RBS. Foi assim que a$$oCIOu à campanha do Aécio Neves e do Tiririca da Serra, José Ivo Sartori. O PP gaúcho tem esta tradição de se vincular à RBS e, desculpe à redundância, ao atraso político, econômico e cultural. Não é sem motivo que Mônica Leal virou Secretária da Cultura da paulista que inventou a “pantalha gaúcha” e o “bebê japonês”. Yeda Crusius, outra cria da RBS, legou ao Rio Grande a Operação Rodin em que aparecem os mesmos correligionários do PP e, vejam só, José Barrionuevo, da Central de Recados, do pastiche Zero Hora.

Como um mão lava a outra, com seus funcionários na linha de frente da política gaúcha, a RBS não precisa de advogados para se defender nas Operação Zelotes e na Operação Pavlova. Da mesma forma, nada desabonador sobre eles sai na RBS. Neste consórcio, quando uma mão suja lava a outra, as duas ficam sujas.

Como diz o hino riograndense, povo que não tem virtude acaba por ser escravo da RBS. E os escravos da RBS não só votaram nos seus funcionários Antonio Britto, Yeda Crusius, Ana Amélia Lemos, Lasier Martins, como também se vangloriam de ser ignorantes. Só uma manada amadrinha pela RBS poderia colocar no Piratini mais esta peça folclórica, que faz do verdadeiro Tiririca parecer um intelectual de conhecimento enciclopédico. Perto de Luis Carlos Prates, outra prata da casa, o outro Luís, o Heinze, também prata desta plagas, pela suas considerações culturais em relação aos índios, se assemelha à Maria Teresa de Calcutá. Heinze é parte de uma tradição gaúcha que canta em prosa em verso o orgulho de grosso, idiota e preconceituoso. Nem vou falar na famiglia Germano, e seus Farid do mesmo saco!

Graças a RBS, elementos como Augusto Nardes ganham projeção nacional. E nada a respeito deles é informado para a massa ignara que continua cantando nossas patranhas como se fossem façanhas.

Moral de Cuecas: Augusto Nardes, do TCU e do PP, é denunciado por recebebimento de propina

ministrosPropina2

Do Brasil 29

O ministro (“adorado” pela oposição) Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União (TCU), autor de um relatório em que aponta irregularidades nas contas do governo federal em 2014 (as chamadas ‘pedaladas fiscais’) teve o nome envolvido em denúncias de propina em obras públicas em documentos apreendidos com executivos da Camargo Corrêa.

A denúncia foi feita pela revista Carta Capital. A reportagem cita um “termo de acordo” de 500 mil reais de Nardes com o ex-diretor do DNIT( Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Luiz Antonio Pagot, e com o PP, o partido do ministro.

O caso do cartel das empreiteiras que prestam serviços à Petrobras, investigado pela Polícia Federal na Operação Lava Jato, envolveu recentemente o nome do presidente do tribunal, Aroldo Cedraz, tornando ainda mais fragilizada a credibilidade da instituição que investiga Dilma.

O empresário Ricardo Pessoa, em delação premiada, revelou à Justiça que pagava R$ 50 mil por mês ao advogado Tiago Cedraz, filho do ministro, para obter informações privilegiadas que dissessem respeito à sua empresa.

(com informações do Brasil247 e Carta Capital)

Lê também aqui no Blog:

PP da Anamélia, do Germano e do Heinze mostram o que é hipocrisia
A “carta de agradecimento” (?) da Ana Amélia a empreiteira OAS

Luizmuller’s Blog | Espaço de divulgação de textos e ações que defendem trabalho decente no Rio Grande e no Brasil

21/06/2015

HiPÓcrisia: chamar de brahma é incriminador; de toxicômano, não

aecio Alexandre-Accioly-Renata-Padilha-Aecio-Neves-e-Leticia-Weber-1024x683 Aecio_Bebado_preso

A empolgação da Rede Globo e seus ventríloquos na Lava Jato é a prova cabal da hiPÓcrisia dos que odeiam Lula. Quer dizer que consumir Brahma ou ter sido chamado de Brahma por empresários no ato de roubar é motivo para deixar bandidos ouriçados. São os mesmos 12% que não se vexam com o fato de que um helipóptero com 450 kg de cocaína vire pó e suma do noticiário. Por que todas as alegações de consumo de cocaína por um candidato à presidência, mesmo tendo sido feitas por um correligionário que também foi candidato à presidência, não os excita. A Globo repercute o vazamento como se tivesse encontrado um crime capital cometido por Lula.

Outro aspecto que chama a atenção é o fato de os vazamentos, paralelamente ao espetáculo das prisões, ocorrerem sempre às sextas-feiras. O casamento do espetáculo com vazamentos e momentos de fechamento da Veja faz-me lembrar de um antigo filme dirigido pelo francês Jules Dassin, Nunca aos Domingos. Nunca aos domingos ou segundas, sempre às sextas-feiras. Por quê?

Como o americano do filme, que tenta convencer Ilya a largar a prostituição, os a$$oCIAdos do Instituto Millenium parecem querer convencer Lula a trocar as brahmas pela coca ou pela devassa. Se for consumidor de coca tem chance de trabalhar na Globo?

Um parêntese: A prostituta do filme de Jules Dassin, Melina Mercouri, foi a maior Ministra da Cultura da Grécia pós-democratização. Foi dela a iniciativa de buscar em Londres os frisos roubados do Partenon, os famosos mármores de Elgin. Os saques do patrimônio grego são parecidos às tentativas de destruir o patrimônio brasileiro. Uma frase da Carta Testamento de Getúlio Vargas parece ter sido escrita para explicar o que está acontecendo hoje: “Quis criar liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobrás e, mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma.“ Os mesmos que levaram Getúlio ao suicídio, saudaram a chegada da ditadura em editorial. Continuaram seus golpes diários. Não tem nenhum compromisso com a democracia. São frutos do furto.

Feito o parêntese e voltando ao tema, o vazamento oportuniza aos capachos da direita a vomitarem suas manifestações de ódio a Lula.

Na tarde deste domingo ouvi o comentarista esportivo da Rádio Grenal, Farid Germano Filho, fazer um comentário com base no vazamento da Lava Jato, chamando Lula de bêbado. Nunca ouvi Farid falando do fato de seus primos terem sido presos por corrupção. Farid não tem que falar para incriminar seus parentes do PP gaúcho. Mas poderia ter falado quando Aécio Neves foi pego numa blitz bêbado e sem carteira. Nem vou falar no famoso artigo do Mauro Chaves no Estadão, “Pó pará, governador”, ou de outro famoso artigo escrito pelo tucano Juca Kfouri falando dos mesmos costumes. Não digo que não se possa falar do Lula e das brahmas ou das cachaças que ele toma. Só acho uma tremenda putaria achar que beber uma brahmas seja mais pecaminoso que consumir cocaína. Ademais, por acaso Lula se deixou fotografar em clara e escandalosa propaganda da Brahama?

E que as prostitutas trabalhem a semana toda, “nunca aos domingos”…  

 

Lava Jato divulga documentos para mostrar que empresários chamavam Lula de Brahma

dom, 21/06/2015 – 12:54

‘Nosso amigo Brahma’, dizem empreiteiros da OAS sobre Lula

De O Globo

Documento divulgado pela Justiça Federal do Paraná na última sexta-feira mostram que o ex-presidente da OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, e executivos da empresa tratavam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo apelido de Brahma.

E-mails trocados entre o ex-presidente da empresa e César Uzeda, então diretor-superintendente da OAS Internacional, tratavam de viagens e palestras de Lula no exterior. Segundo a Polícia Federal, Brahma era Lula.

“Nosso Amigo Brahma pode fazer uma palestra no dia 26/11. Quem poderíamos convidar? Não quer um público gde (20 a 30) pessoas, tipo mesa redonda. Tema: relação Brasil-Chile”, diz Pinheiro.

Lula esteve em Santiago por dois dias e fez palestras. Segundo a PF, ele viajou em avião oferecido pela empreiteira. Numa mensagem, Uzeda compara Lula à presidente Dilma Rousseff:

“A agenda nem de longe produz os efeitos anteriores do governo Brahma (…) a senhora não leva jeito, discurso fraco, confuso e desarticulado, falta carisma.”

Lava Jato divulga documentos para mostrar que empresários chamavam Lula de Brahma | GGN

02/06/2015

CBF e seus estafetas

GloboSonegaRicacosRetornando da academia, depois da Voz do Brasil, vim zapeando as rádios Guaíba, Gaúcha e Grenal. Parei quando ouvi o Farid Germano Filho entrevistando Darcisio Perondi. Como o assunto da corrupção na CBF/FIFA é o assunto do momento, nada melhor que seja abordado pelas rádios esportivas, como a Grenal.

Mas, como diria outro gaúcho, o Barão de Itararé, de onde menos se espera, de lá mesmo é que não sai nada. Como esperar alguma coisa decente da família Farid Germano. Esses caras engordaram mamando nas tetas do Estado. Recentemente, o primo mais ilustre do Fardid, o José Otávio Germando, foi descoberto, juntamente com o PP Gaúcho, no escândalo da Petrobrás. Aliás, Otávio Germano esteve envolvido em todos os escândalos de corrupção que se tem notícia neste Estado. Pausa para vomitar.

Não é que o  escândalo da FIFA/CBF, na cabeça destes invertebrados, sobrou para a Dilma. Sim, os dois energúmenos conseguiram jogar a culpa dos escândalos do José Maria Marin, Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero no colo do PT. Sim, a dobradinha Darcísio Perondi e Farid Germando Filho conseguiram mais esta façanha.

Do Farid já mencionei o tipo de de cromossoma que infesta o DNA Germano.

Quanto aos Perondi, basta dizer que a família esteve mancomunada com Ricardo Teixeira por longos 20 anos. Ainda em janeiro de 2002 fiz este registro para o Observatório da Imprensa:

O Sul Maravilha, que gosta de botar a culpa no Nordeste pelos maus políticos, contribui com as principais peças desse quebra-cabeça que virou a política nacional. O deputado gaúcho Darcisio Perondi virou vice-líder do governo no Congresso depois que votou contra a CPI da Corrupção. O irmão, Emidio Perondi, foi um dos gaúchos que votaram contra as Diretas-Já, e hoje dirige a Federação Gaúcha de Futebol, que está sob o pente fino da CPI do Futebol. Aliás, Darcisio Perondi está na mira da mesma CPI por ter recebido dinheiro da CBF na campanha para a Câmara em 1998. Não por acaso, ambos gaúchos do PMDB, que a RBS não lembra quem são, nem o que fazem. Para saber a última do Perondi, só lendo os jornais do centro do país.

O Darcisio Perondi é o mesmo já foi processado por improbidade administrativa, que votou contra a necessidade de rotular os produtos transgênicos. Está, com todo o PDMB gaúcho, no bolso do Eduardo CUnha. Como se vê, é um uma figurinha carimbada  do retrocesso. Não admira que tenha sido parceiro fiel e longevo de Ricardo Teixeira.

Com a cobertura que a velha mídia dá para gente como Ricardo Teixeira e seus capachos regionais, não é de admirar que a Polícia Federal e o Ministério Público prefira fechar parceria com estes veículos e com os próprios larápios.

Bem, aí concluo. José Maria Marin, Ricardo Teixeira e Marco Polo del Nero seriam apenas ratazanas não fossem as contribuições de pessoas como Darcísio Perondi e todos os membros de Federações e dirigentes de Futebol que os elegem. Portanto, não basta prender Marin, Del Nero e Ricardo Teixeira. Tem que ver quem sempre foram seus parceiros comerciais. Não basta prender José Hawilla. Estes todos são bagres. Os tubarões figura na Lista Forbes como os mais os mais ricos do Brasil. Os filhos do Roberto Marinho!

14/03/2015

Censura: Zero Hora e Correio do Povo escondem PP dos gaúchos

heinzeLuis Carlos Heinze, do PP gaúcho, ganhou o troféu "Racista do Ano"

– Herr, Heinze, aposto que não há na Lava Jato nenhum “quilombola, índio, gay ou lésbica”. Mas também é verdade que lá tem tudo o que não presta!

Curioso para saber no que o pessoal do PP gaúcho aplicou o dinheiro conseguido com muito trabalho na Petrobrás, via Paulo Roberto Costa, visito os portais dos que se dizem grupos de informação gaúchos. Pensava encontrar explicações para entender porque o PP gaúcho, cabresteado pela funcionária da RBS, se bandeou todo pro lado do Aécio Neves. Uma explicação que está internet mas que os RBS e CP se recusam a dar, é a que Dornelles, primo do Aécio, era quem sabia do dinheiro do PP, diz Ciro Nogueira. Ciro, o pequeno, é o Presidente do PP…

No Correio do Povo: Janot diz que Lava Jato é o maior esquema de corrupção do País. O Correio do Povo explica porque a Igreja Universal no RS é uma linha do PP para assuntos de exploração espiritual.

Já na RBS, as matérias em destaque são: Saiba como foi o último capítulo da novela Império e Saiba quem são os articuladores do protesto contra Dilma. A mesma estagiária em pedagogia fez as duas matérias. “Saiba” porquê! Sim, ela, a RBS e sua estagiária querem nos ensinar. Estão sempre querendo nos doutrinar. Por isso também escolheram dois adolescentes para dizer como devemos ser.

Para a RBS, tudo se resume em novela. Ela conta o enredo mas não entrega produtores nem diretores. Dá o tampa e esconde a mão. A RBS quer nos fazer crer que as manifestações que são articuladas para derrubar Dilma, e que não é de hoje, é obra de dois jovens nerds. A própria RBS, ao chama-los de caras pintadas, é uma das mãos que balança o berço. Até porque nem poderia ser diferente. A Globo já escalou o elenco desta novela, cujo enredo envolve espionagem, heliPÓpteros com 450 kg de cocaína, sistemas de contagem de votos, comemoração de vitórias antes de terminada a contagem dos votos.

Como na Lista Falciani, a Lista do PP gaúcho só tem gente branca de olhos azuis!

 

Traficantes de Informações

16606542039_8df3fb706d_bA única informação presente nos dois portais, Correio do Povo e RBS, é o estrondoso silêncio a respeito do partido gaúcho que está de corpo e alma envolvido naquilo que o Procurador Geral da República chamou de “maior esquema de corrupção”, o PP do Pratini de Moraes, Ana Amélia Lemos, e a famiglia Germano…

(Aqui um parentes para falar de Farid Germano Filho, primo do meliante mor do PP gaúcho. Este energúmeno, conhecedor das “proezas” do primo amado, ocupa o espaço esportivo para culpar, inclusive quando seu Grêmio perde, o Governo Federal. É este tipo de imbecil que, por suas relações familiares, é guindado a ocupar espaço nos grupos mafiomidiáticos). Farid Germano Filho não é muito diferente de Wianey Carlet. Ambos são filhos do jornalismo invertebrado, que impreca contra pobres para defender os patrões. São paus mandados!

A Operação Lava Jato só é maior, por enquanto, porque Janot ainda não começou apurar as fraudes no HSBC… O swissleaks é ainda maior, mas como pega os traficam informações, não será manchete nem movimentará os nerds de facebook.

Este é tipo de protesto que os jovens inocentes, os nerds de jornal, que a RBS ajuda a vender. Se aparecer um nerd sem toddynho e matar, a RBS poderá publicar em seus jornais: “Um mártir para o MST” Ou, Dilma já tem seu mártir

Quando será que o Instituto Millenium será enfrentado como grupo mafioso que é. A constatação de que estão todos com contas em paraísos fiscais, se não explica tudo, já é indício suficiente para provar onde estão e quem protege BANDidos.

 

SwissLeaks

hsbc swissleaks corrupção A glamourização dos protestos esconde as digitais da RBS e seu histórico de luta contra o MST. Você “sabia” que a RBS é obra da Ditadura, e, em parceria com a Rede Globo, fez a defesa dos ditadores em benefício próprio?! A RBS nasceu com a ditadura e está falindo com a democracia. Sua única chance de sobrevida é a derrubada de governos democráticos.

Militante tucana “contra a corrupção” é filha de envolvido no escândalo Swissleaks. Fernanda Mano de Almeida também mantinha conta no HSBC.

Essa não merece reportagem na RBS, muito menos é lembrada. O que interessa é glamourizar golpistas.

Só derrubando Dilma e entronizando alguém que derrame recursos, só assim a RBS terá uma sobrevida.

Eu ainda lembro quando FHC foi apeado do poder e no dia seguinte desembarcou em Porto Alegre Pedro Parente e Pérsio Arida. Uma mão do PSDB lavou a outra da RBS, e as duas limparam a bunda.

Os movimentos de derrubada de governos, na América Latina ou no Oriente Médio, mas sempre para derrubar grandes produtores de Petróleo. Coincidentemente, contam com grupos ventríloquos de mídia cumprirem o que determinam seus finanCIAdores ideológicos.

16/11/2014

Tapetão do PSDB pegou 9 corruptores

A Operação Lava Jato começou em março contra lavagem de dinheiro operada por antigo parceiro do PSDB desde os tempos do BANESTADO, Alberto Youssef. Em determinado momento das eleições, com a delação premiada em andamento, fizeram vazar que Álvaro Dias e Sérgio Guerra também teriam sido abastecidos pelo esquema. Como se trata de políticos do PSDB, a notícia passou batida. Talvez porque se tratava de preparar a capa da Veja que viria na véspera do segundo turno das eleições

Tudo muito nebuloso? Nebuloso nada. Jogada ensaiada, com a internação de Youssef na véspera para preparar a capa da Veja com o “eles sabiam de tudo” era a explicação que faltava para entender do inxerto de um morto do PSDB.

Os delegados da Operação Lava Jato e dublês de cabos eleitorais de Aécio Neves ainda precisam provar se são ou não apenas instrumentos golpistas de um Álvaro Dias, de um Aécio Neves ou de um FHC. Terão pela frente a chance de mostrar que a prisão dos grandes empresários não é mais uma jogada ensaiada para servir de álibi para as verdadeiras intenções golpistas.

Será que a prisão dos empresários serviria apenas para criar uma aura de legitimidade, de modo que a próxima tacada viria escudada por esta de agora, com vistas a alcançar um objetivo caro à cúpula do PSDB, o golpe?!

O que não podemos esquecer é que desde o momento em que FHC passou a faixa para o Lula há uma frustração muito grande na direita brasileira. FHC pensava igual Janio Quadros (para quem perdeu as eleições paulistanas e sofreu o vexame da cadeira desinfetada), que Lula seria um péssimo presidente a ponto de achar que voltaria ao Planalto nos braços do povo. Quando viu que as coisas não eram bem assim, o Instituto Millenium criou o clima para que Lula sofresse impeachment. FHC deu uma declaração em 2005 que traduz muito bem o tamanho de seu caráter: “se Lula for retirado do poder, assume o Vice, José Alencar, então vamos deixá-lo sangrando e assim ganharemos fácil em 2006”.

Mas Lula deu a volta por cima e se reelegeu apesar das idênticas tentativas de golpe naquela reeleição como às de agora, com Dilma. O famoso caso dos aloprados montados pelo núcleo do José Serra na Polícia Federal, com o famoso delegado Bruno estrelando o golpe, levou aquelas eleições de 2006 ao segundo turno. A única punição ao vazador das fotos vazadas à Globo, Delegado Bruno, foi uma suspensão de 9 dias.

O Mote Golpista

lacerdismo

O que está acontecendo agora não é nada diferente do que já houve antes em vários momentos destes país. Pelo menos desde Getúlio há um projeto de golpe muito bem sintetizado por Lacerda, que a direita traz à tona toda vez que perde uma eleição. José Aníbal foi quem se encarregou de ressuscitar o lema de sempre dos dos golpistas sem votos. Neste momento eles estão no estágio do “se eleito, não pode tomar posse”. Ainda terão pela frente ainda o “se tomar posse, não pode governar”, como, aliás, fizeram todo o tempo. Basta lembrar que os mesmos que aprovaram a CPMF durante o governo FHC foram os mesmos que acabaram com a CPMF no governo LULA…

No estágio atual dos eventos relacionados ao golpe em andamento o que chama mais a atenção é total ausência de acusações aos executivos da maiores empresas brasileiras presos. Não há uma linha de acusação em relação às 9 empreiteiras: Camargo Corrêa, OAS, Odebrecht, UTC, Queiroz Galvão, Galvão Engenharia, Mendes Júnior, Engevix e Iesa. OAS, Odebrecht. Até parece que foram petistas e não executivos de grandes empresas os presos pela Operação Lava Jato…

Por que nestas horas não pedem pena de morte aos empresários presos?

Ouvi de um jornalista esportivo, Farid Germano Filho, de famosa famiglia envolvida no Escândalo do Detran Gaúcho, acusações ensandecidas contra Dilma simplesmente porque durante a operação de prisão dos principais dirigentes da empresas ela estava na Austrália participando do G20. Como se Dilma e não os agentes da Polícia Federal tem autoridade para prender.

Não disse nenhuma palavra, por exemplo, em relação à OAS, com quem o time e de sua famiglia fez a ARENA, e que está sendo acusada no desvio de dinheiro em esquema montado na Petrobrás. Os veículos de comunicação da velha mídia ainda não assimilaram a derrota e, por isso, não desceram do palanque. Por que será que não há uma única linha na velha imprensa pedindo severas punições a estes grupos empresariais.  Simplesmente porque são elas que os finanCIAm! Por que Farid Germano Filho não falou nos executivos das maiores empreiteiras do Brasil presos por corrupção. Claro, por diversionismo, prefere atacar Dilma do que defender seus corruptos, simplesmente porque Dilma não fará nada contra ele, enquanto as empresas poderiam cortar financiamento eleitoral à famglia Germano ou ao Grupo Pampa, dona d’O Sul, TV Pampa e Rádio Grenal, dentre outras. Farid pode ser mau caráter, mas burro ele não é…

Duas imagens que não cabem no cérebro de um Germano, seja pai, filho ou bastardo:

dilma_brics_capa

A Odebrecht e a Queiróz Galvão, por exemplo, estão envolvidas no tremsalão também conhecido propinoduto tucano nos trens em São Paulo. Engraçado como as coisas que envolvem os tucanos andam mais devagar que a perfuração dos túneis, graças à parceria com gente como Rodrigo de Grandis. Mesmo que as justiças da Alemanha e Suíça tenham condenados respectivamente Siemens e Alstom, no Brasil o PSDB sofre de liberdade. Até parece que os ataques ao PT se deve única e exclusivamente para eliminar a concorrência, jamais eliminar a corrupção.

Gilmar Mendes tem parte na culpa dos corruptores

Para eliminar os principais focos de corrupção envolvendo as empreiteiras há, primeiro, que se mudar a cultura que impera no STF. Quando no STF a votação estava 6 x 1 a favor do financiamento público das eleições, Gilmar Mendes pediu vistas e até agora não tirou o traseiro de cima. É compreensível. Como líder do PSDB no STF, o que o PSDB pensa, Gilmar executa. Roberto Requião cobrou de Gilmar Mendes o retorno ao Plenário do STF para que concluísse a ação a tempo de influenciar nas eleições de 2014, mas o representante do PSDB no STF entendeu por bem que esta seria a grande chance de seu partido retornar ao Planalto. Deu no que deu, mas o PSDB não se desistiu. Por isso o tapetão, para o PSDB, é sua última e única chance de retornar ao poder. Quando ao nível de Gilmar Mendes basta dizer que chamou o TSE de Tribunal Nazista, e seus colegas de STF (Joaquim Barbosa, Rosa Weber, Luiz Fux, Barroso e Teori Zavascki) de bolivarianos). Nada mal para um jagunço de Diamantino.

Vamos lembrar que as principais iniciativas para que se diminua o nível de corrupção partiram do Governo Federal. Contrariamente ao tempo de FHC, não mais se engaveta ou se impede a Polícia Federal de atuar. Graças à Lei nº. 12.846 sancionada pela Dilma em 2013 e que começou a vigorar a partir de janeiro deste ano. Esta lei define melhor os corruptores, pessoas físicas ou jurídicas. A nova lei permite aplicar aos sócios e executivos das empresas multas que variam de 0,1% a 20% sobre o faturamento, podendo inclusive resultar na  extinção da empresa, vindas a figurar no Cadastro Nacional de Empresas Punidas (CNEP).

Se Gilmar Mendes não tivesse sentado num processo já decidido, com o único intuito de tirar uma carta na manga para tentar reverter um escorre irreversível, um dos principais caminhos para acabar com a corrupção já estaria em andamento. A quem não interessa funcionamento público senão àqueles que são movidos pelos interesses das grandes empresas. Hoje o Congresso é escolhido pelos que mais recebem dinheiro privado para a campanha.

Financiamento Privado das Campanhas 

Vou pegar dois casos, Eduardo Cunha, no Rio de Janeiro, e Beto Albuquerque no RS.

Eduardo Cunha é o representante da grandes empresas de telecomunicações, aos quais se aliou para tentar derrotar o marco civil da Internet. Matéria da Carta Capital de março dava conta que “Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara, e apontado como o mais ferrenho defensor dos interesses das empresas de Telefonia nessa questão”. Na edição de ontem, 15/11/2014, a Carta Capital atualiza e dá sentido à informação de março: “Líder do PMDB e candidato a presidente da Câmara gastou 6,4 milhões de reais para reeleger-se. Empresas de setores defendidos por ele estão entre principais financiadores”. Como defender o interesse público se o político é financiado pelo interesse privado?! E o que é pior, com poderes suficiente para disputar a presidência do Congresso…. Elucidativo, não?!

Beto Albuquerque foi financiado pelo agronegócio e por isso defendeu a liberação dos transgênicos. Mas isso só se tornou público graças à sua participação como vice da Marina Silva. Coube à Folha o papel de revelar a relação do socialista com os transgênicos. Ao financiamento cabe a reciprocidade no Congresso.

Houvesse o financiamento público, este tipo de relação direta entre financiador e financiado deixaria de existir e nem por isso haveria mais prejuízo aos cofres públicos.

 

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: