Ficha Corrida

17/03/2016

Cevada, mas não é o que estás pensando

Manada de búfalosNo meu tempo de piá, caçávamos passarinho e pescávamos lambaris. E com muita técnica. Antes de armamos arapucas para jacus, nambus e pombas, preparávamos o local jogando ração por dias a fio. Também no rio onde pretendíamos pescar, jogávamos ração e assim íamos informando aos peixinhos onde todo dia haveria comida. As pombas caíam na arapuca; os peixes, na tarrafa.

O procedimento, mesmo sem nunca termos ouvido falar em Pavlov, sempre resultava concreto. O procedimento, com outros instrumentos e animais, está sendo aplicado pela Rede Globo.

O modus operandi dos grupos mafiomidiáticos não difere da nossa tecnologia rural. Ceva-se midiotas, colhe-se fascistas.

A ração composta de alienação e ódio, diariamente distribuídas de forma homeopática, mantém a manada amestrada e pronta para se atirar no precipício com a égua-madrinha. (Para quem não sabe, égua-madrinha é o animal que serve de guia à tropa já amestrada. Costuma-se pendurar um guizo (um sininho, cincerro), no pescoço para que, ao caminhar, seu som indique o rumo à manada. O peão que cavalga a égua madrinha é chamado de madrinheiro. E aí fica a dúvida se é a égua-madrinha ou o cavaleiro o verdadeiro condutor da manda.)

Os a$$oCIAdos do Instituto Millenium vêm cevando os girinos para que, na hora aprazada de converte-los em zumbis, possam amadrinha-los de forma automática. Bateu o guizo, manada em marcha. Eles dominam a técnica e vem aperfeiçoando desde 1954. Getúlio Vargas caiu na arapuca, mas preferiu se imolar  servir de carniça para os corvos que o rondavam. Em 1964, as mesmas cinco famílias que ainda hoje monopolizam o mercado de amestramento de manada, bateram o guizo e a manada, com Deus e pela família, marchou rumo aos tenebrosos dias da ditadura. Enquanto a manada acovardada continua pastando, as éguas madrinhas deitaram e rolaram no DOI-CODI. A Operação Bandeirantes – OBAN, do Cidadão Boilesen, se encarregou de alimentar o prostíbulo com vítimas para prazer dos sádicos nas sessões noturnas de tortura, estupro e esquartejamento. Está tudo devidamente documentado pela Comissão da Verdade. A Rede Globo até publicou editorial dizendo que foi um erro, mas a Folha saiu-se pela tangente dizendo que prender sem mandato, torturar, estuprar, esquartejar e depois esconder membros e vísceras em valas clandestinas era apenas ditabranda.

A cultura da violência e morte dos que não pensam como eles está no DNA. Cultivam a distribuição de ódio com a mesma tenacidade com que seus agentes estupravam as vítimas. Divulgou a Comissão da Verdade que os finanCIAdores da ditadura gozavam, literalmente, do direito de presenciarem as sessões de tortura dos presos clandestinos. Depois de alcançarem orgasmos nas sessões coletivas, a Folha ainda emprestava as peruas para o que restava dos corpos fossem jogados nas valas clandestinas do Cemitério de Perus.

Como na fábula da rã e do escorpião, é da natureza da velha mídia o compadrio com a ilegalidade. Será que ninguém lembra do Caçador de Marajás para entrarem de novo nesta balela de Caçadores de Lula? Felizmente, nem todo mundo se deixa amestrar de forma bovina.

Como diria o velho bardo lusitano, Camões:

Cesse tudo o que a Musa antiga canta,
Que outro valor mais alto se alevanta.

Há pelo menos dois hilários problemas na estratégia. Primeiro, parecem ter confundido, talvez de tanto pensarem em putaria, Quarta Frota com Alexandre Frota. A Frota norte-americana para o Atlântico Sul ainda não disponibilizou um trac sequer para explodirem o Brasil. As malas de dinheiro podem ter chegado ao Kim Kataguiri, mas daí a financiarem um exército vai uma boa distância. Segundo, nem escalando Alexandre Frota vão conseguir foder com todos os brasileiros. Até agora o máximo que conseguiram foi estuprarem a Constituição. O que veremos é se os estuprados vão simplesmente relaxar e gozar.

A estratégia de arapuca, jamais superada no impacto e resultado, foi aquela proposta e executada por Leônidas, nas Termópilas, quando trezentos espartanos conseguiram deter Xerxes e seu exército por alguns dia, ceifando dezenas de milhares de “imortais” persas. Diz-se que eram imortais porque, sempre que um morria, seu lugar era imediatamente ocupado por outro, de modo que sempre haveria o mesmo contingente de imortais.

Enquanto a égua madrinha excita os batalhões do “somos todos CUnha”, nós somos todos Lula sempre!

16/08/2015

Os piromaníacos da Globo elegem Nero para bombeiro

PIG1O PIG se move. Jogaram a toalha do impeachment da Dilma para concentrar esforços na caça ao grande molusco.

A matéria da Folha de São Paulo de hoje serve apenas para confirmar quem é a égua madrinha dos golpistas que estão desembarcando, a Rede Globo. A opção pela coordenação da Globo, via Instituto Millenium, deve-se ao know how adquirido em golpes anteriores bem sucedidos.

Tanto é verdade que o a Globo era a principal fomentadora da marcha dos zumbis que após desembarcar do roteiro, o movimento arrefeceu. O que só aumentou a síndrome de abstinência do Napoleão das Alterosas.

Aécio Neves, que via o cavalo paraguaio passar encilhando, acabou caindo por um golpe paraguaio aplicado pela égua madrinha de suas loucas cavalgadas.

Grupo Globo pediu moderação a políticos

Família Marinho teve reuniões com ministros e líderes de partidos

João Roberto Marinho expressou preocupação com a crise política e seus efeitos para a atividade econômica

DANIELA LIMA, DE SÃO PAULO, para a FOLHA

O vice-presidente do Grupo Globo, João Roberto Marinho, procurou nas últimas semanas líderes das principais forças políticas do país e integrantes do governo para expressar preocupação com o agravamento da crise e pedir moderação para evitar que ela se aprofunde ainda mais.

Um dos proprietários do maior grupo de comunicação do país, que inclui a maior rede de televisão e o jornal "O Globo", Marinho encontrou-se com três ministros do governo Dilma Rousseff (PT) e reuniu-se com o vice-presidente Michel Temer (PMDB) na semana passada.

No dia 5, quando o Senado organizou uma sessão solene em homenagem aos 50 anos da TV Globo, Marinho se reuniu com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e conversou reservadamente com as bancadas do PT e do PSDB no Senado.

Segundo um integrante do governo, Marinho também esteve com o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, principal auxiliar de Dilma, o chefe da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, e o ministro do Turismo, Henrique Alves, dono de uma afiliada da TV Globo no Rio Grande do Norte.

Na conversa com Temer, que ocorreu na última terça (11), Marinho pediu uma avaliação das chances de o Planalto conseguir recompor sua base no Congresso e questionou o vice sobre os caminhos que o PMDB vê para o país.

O empresário esteve ainda com o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), na reunião com a bancada do PSDB, e falou com outros dois líderes de prestígio na sigla, o governador paulista, Geraldo Alckmin, e o senador José Serra (SP).

Conforme relatos obtidos pela Folha sobre essas conversas, Marinho manifestou em todos os encontros preocupação com a situação econômica, mencionando a queda acentuada do faturamento dos grupos de mídia e de outros setores da economia.

Outros líderes empresariais transmitiram mensagens semelhantes nas últimas semanas, mas os apelos de Marinho tiveram ressonância maior entre os políticos por causa da influência da Globo na opinião pública. Por meio de sua assessoria, ele disse à Folha que preferia não comentar o assunto.

O empresário já manifestava preocupação com o cenário econômico e o risco de descontrole no ambiente político há cerca de dois meses, quando recebeu o governador Geraldo Alckmin na sede da Globo, no Rio.

A preocupação dos empresários aumentou após a decisão do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de romper com o governo e patrocinar projetos que ameaçam o equilíbrio das finanças públicas.

Nos últimos dias, porém, o governo começou a discutir com líderes do PMDB no Senado uma agenda de reformas e ganhou fôlego para enfrentar os opositores que defendem a saída de Dilma como solução para a crise.

19/01/2014

Égua-madrinha ou bucha de canhão?!

Filed under: Égua-madrinha,Bucha de Canhão,Eduardo Campos,Marina Silva — Gilmar Crestani @ 7:44 am
Tags:

Programa de governo? Linha auxiliar dos grupos mafiomidiáticos…

Égua-madrinha: égua que serve de guia à tropa já acostumada a ela. Tem em seu pescoço um cincerro, a cujo som os demais animais seguem. É conduzida pelo madrinheiro, peão que a cavalga seguindo na frente da tropa.

Bucha de canhão: Em uma guerra o soldado vai na frente tomar tiro, na linha de trás fica os canhões atirando logo a frente da linha dos soldados para enfraquecer a linha inimiga.

Campos contra reeleição: último ato por Marina vice

Em postagem no Facebook neste fim de semana, o presidenciável do PSB, Eduardo Campos, defendeu o fim da reeleição; "Não é possível que o país, os estados e os municípios fiquem reféns de projetos eleitorais. No vale-tudo partidário, mais 4 anos de mandato são mais importantes que as soluções que a população precisa. Defendo mandato único para cargos executivos e eleições casadas", afirmou; declaração do governador de Pernambuco deve efetivar, de uma vez por todas, a ex-senadora Marina Silva como sua companheira na chapa presidencial; este é o segundo passo importante de Campos em troca da presença de Marina Silva como sua candidata a vice-presidente; antes, Campos rompeu com Alckmin apoio à reeleição do governador paulista

Brasil 24/7

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: