Ficha Corrida

24/07/2016

Saiba como são os bunkers dos que “patrocinam” caça ao Lula

Nunca ficou tão fácil entender porque o Bolsa Família é tão odiado pela plutocracia brasileira. Encastelados em seus Bunkers, como Faraós, odeiam que seus hebreus fujam do seu Egito. Coincidentemente, são os mesmos que aparecem no Panama Papers

Veja que são os mesmos golpistas que se perfilam ao lado PSDB para alimentarem os boatos segundo os quais os filhos do Lula seriam donos  da Friboi (Daniel Graziano) e de tantas outras grandes empresas, castelos e aviões.

Casas de Safra, Faustão e Doria estão entre as dez maiores de SP

As 10 maiores mansões de SP

ANDRÉ MONTEIRO
ARTUR RODRIGUES
DE SÃO PAULO

24/07/2016 02h00 – FOLHA DE SÃO PAULO

A fachada, decorada com uma pequena bandeira do Brasil, tem 83 metros de comprimento. Atrás do muro, campo de futebol e quadra de tênis são alguns dos atrativos da mansão de 3.304 mil m² de área construída onde mora o empresário João Doria, que deve ser oficializado neste domingo candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSDB.

Localizada no Jardim Europa, a casa está entre as dez maiores da cidade, em um terreno de 7.031 m². O endereço de Doria também é conhecido pelas reuniões. Muitos políticos são recebidos com frequência na sala de jantar, com parede forrada de quadros de Di Cavalcanti.

O preço de manter uma casa dessas dimensões em um dos bairros mais caros da cidade é alto: em 2016, foram R$ 285 mil só de IPTU.

MANSÕES DE SP – As dez maiores casas da capital

Já a maior mansão da capital paulista pertence à família do banqueiro Joseph Safra, fundadora do banco de mesmo nome. O empresário foi apontado pela revista "Forbes" em 2016 como o banqueiro mais rico do mundo, com patrimônio de US$ 17,2 bilhões.

Do lado de fora, tudo o que se vê é um muro enorme, com 254 metros de comprimento e cerca de cinco metros de altura. A vista aérea lembra o Palácio de Versalhes, na França.

A casa com 130 cômodos, cinco andares e 10.868 metros quadrados em um terreno com o dobro desse tamanho fica no bairro do Morumbi (zona oeste de SP).

Em 2015, o imóvel foi passado para o nome dos quatro filhos de Safra –no documento, consta que a residência do patriarca da família hoje é Crans-Montana, nos Alpes Suíços. Sobrou para os herdeiros também o IPTU, que, em 2016, chegou a R$ 913 mil.

Entre os donos das dez maiores mansões da cidade, catalogados em cadastro aberto recentemente pela prefeitura, há outros nomes famosos, como o do apresentador Fausto Silva, o Faustão.

A maioria dos megaimóveis fica na região do Morumbi, mas há também alguns nos Jardins e Cidade Jardim, todos na zona oeste.

As ruas onde moram os bilionários de São Paulo não são muito movimentadas. Os poucos que andam pelas calçadas são funcionários das casas, como jardineiros, motoristas e seguranças. A desconfiança é a regra entre os empregados, treinados para evitar sequestros dos patrões, encastelados atrás de muros, câmeras e cercas elétricas.

ABANDONO

De frente para a mansão Safra, a segunda maior casa do ranking é de Edemar Cid Ferreira, ex-controlador do Banco Santos, que faliu e deixou um rombo bilionário.

Projetada pelo arquiteto Ruy Ohtake, a mansão com fachada de concreto aparente custou R$ 142,7 milhões, segundo a Folha revelou em 2005. Só a mesa de mogno da sala de jantar, para 20 pessoas, consumiu US$ 390 mil (R$ 1,3 milhão).

A Justiça determinou que o imóvel seja leiloado. E, desde a ordem de despejo de Edemar em 2011, ninguém morou na casa, cujo aspecto de abandono destoa dos demais imóveis da vizinhança.

A residência do Faustão fica num terreno de 4.635 m², com 3.716 m² de área construída. O local tem academia e campo de futebol, mas é famoso pelo anexo onde o apresentador costuma convidar celebridades para pizzadas.

Perto dali, outra mansão do ranking recebeu políticos importantes. Hoje propriedade do empresário do ramo editorial Jorge Antonio Miguel Yunes, chegou a acolher o ex-presidente Juscelino Kubitschek pouco antes de sua morte, em 1976.

A residência foi erguida pelo industrial Horácio Lafer. Depois, ficou conhecida como "Casa da Manchete", ao ser habitada pela família Bloch, dona da antiga revista de mesmo nome.

Uma das mansões mais novas da lista pertence a uma empresa da família Constantino, fundadora da Gol. O imóvel fica no bairro Cidade Jardim. O estilo moderno contrasta com o retrô de outra casa entre as dez maiores e que está na mesma rua, de Rolf Baumgart, da família proprietária do Shopping Center Norte.

Todos os proprietários das dez maiores mansões da cidade foram procurados pela reportagem. Representantes das famílias Ferreira, Constantino, Baumgart, Yonamine e Yunes não foram encontrados. Os outros não quiseram dar entrevistas.

Quando foram construídas – Quando foram construídas as 100 maiores mansões de São Paulo, por década

30/08/2014

Toda falsidade vem do PSDB

graziano_filhoNão é mero acaso que o PSDB virou um traço nas pesquisas eleitorais. Coordenados pelos a$$oCIAdos do Instituto Millenium, o PSDB não sabe como chegou ao Poder, via FHC, nem como poderia voltar. Mas tem se especializado em desconstruir a imagem do PT e de suas principais figuras. Claro, também do patrimônio público. Ninguém há de esquecer que só com o leilão de três aeroportos  Dilma arrecadou mais que FHC com a venda da Vale do Rio Doce. E os aeroportos, depois de 20 anos, voltam ao Governo, e a Vale não volta mais.

O PSDB passou o tempo todo tentando desconstruir a imagem de Lula, falsificando histórias a respeito do filho de Lula (que era dono da FRIBOI, que tinha castelos, aviões, isso e mais aquilo).

E conseguiram, mais pela inoperância do PT que bovinamente contemplou sem reagir, do que pela competência do que faziam Daniel Graziano, filho do Xico Graziano, todos funcionários do PSDB. Leandro Lima do Nascimento fez agora o que vinham fazendo seus superiores, caluniar, uma especialidade da velha mídia em parceria com o PSDB.

Tivesse havido contra ataque mais contundente por parte do PT e talvez o ovo da serpente não tivesse sido chocado. Infelizmente o PT reagiu tarde, como sempre, na área da comunicação. Muito tarde, aliás. O estrago está feito e nem a prisão dos caluniadores pode consertar o prejuízo.

Os grandes grupos de mídia desde sempre vêm demonizando o partido e seus principais políticos. Foi assim com Olívio Dutra, quando a RBS transformou o Piratini numa Faixa de Gaza. E não só PT matou no osso do peito, como se diz, bovinamente, como algumas figuras ainda continuaram legitimando os ataques, como fez Maria do Rosário nos microfones do Congresso Nacional.

Cria cuervos

Vídeo falso de Lula pedindo voto em Marina foi criado por tucano

Militante do PSDB afirma que montagem foi ‘brincadeira’, sem nenhuma intenção eleitoral

Edição foi feita a partir de peça publicitária da campanha ao Senado da candidata Marina Sant’Anna (PT-GO)

ALEXANDRE ARAGÃODE SÃO PAULO

Motivo de desentendimento entre as campanhas de Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB), o vídeo falso em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece declarando apoio à candidata pessebista tem como autor um blogueiro filiado ao PSDB.

Leandro Lima do Nascimento, 26, admite ser o responsável pela montagem, mas diz não ter tido intenções eleitorais. Segundo ele, o site em que foi publicado é humorístico e isso consta de mensagem no rodapé da página.

Postado no YouTube na noite de quarta-feira (27), o vídeo veio à tona no dia seguinte e é uma edição feita a partir de peça publicitária da candidata ao Senado Marina Sant’Anna (PT-GO).

Lula aparece dizendo: "Eu conheço a Marina há mais de 30 anos. Por isso, tenho certeza de que ela é hoje a candidata mais preparada para ajudar a combater as desigualdades sociais". No original, o trecho termina com "em Goiás" –palavras suprimidas na montagem.

"Vi o vídeo da candidata a senadora Marina e vi a oportunidade de fazer uma piada", diz Nascimento, que é natural de Porto Alegre do Norte (MT), mas mora em Goiânia. "É pela piada, pela brincadeira. Como se diz na internet, pela zoeira."

Questionado pela Folha sobre sua filiação partidária, o blogueiro a princípio negou fazer parte de qualquer sigla. Entretanto, os registros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) mostram Nascimento como integrante do diretório mato-grossense do PSDB.

Confrontado com a informação, Nascimento disse não ser filiado mais –informação que não consta no TSE. "Acredito que na política partidária brasileira tanto faz quem ganhar, será a mesma coisa."

Após a repercussão, as campanhas de Dilma e Marina defenderam inquérito para apurar a autoria da peça. A montagem foi retirada do ar pelo YouTube, a pedido da coligação liderada pelo PT.

Os petistas também entraram com ação no TSE por propaganda eleitoral irregular e pediram que o Ministério Público investigue o caso. Em nota, o PSB definiu o vídeo como "tosco e fraudulento" e defendeu a apuração.

    20/07/2014

    Aparelhamento do Estado (de Minas) é isso aí

    cp20072014O que causa espanto não é Aécio ter feito isso, é ter vindo a público somente agora, quando, por ser candidato, a oposição conseguiria divulgar no horário gratuito. Não fosse Aécio candidato, e nunca a velha mídia publicaria. E não se pode descartar o dedo do José Serra nesta história. Assim como o PSDB sempre consegue que a velha mídia esconda fatos, quando interessa também pauta o assunto. Serra conseguiu fazer com que o Brasil conhecesse os hábitos de Aécio com aquele artigo do Mauro Chaves no Estadão: Pó pará, governador! E o engajamento da mídia foi tão forte que o Estado de Minas retrucou: Minas a reboque, não! Na semana passada, a respeito das relações do Aécio Neves, Juca Kfouri, outro amigo de Serra, reduziu novamente Aécio a pó.  Se há uma guerra sem trégua nem quartel entre as hostes tucanas, imagine-se o jogo sujo, pesado desferido contra adversários. Um dos responsáveis pelas baixarias contra o filho de Lula, Xico Graziano, já pediu o boné ou foi defenestrado, em qualquer hipótese, deixa a vitrine da campanha de Aécio para voltar às sombras, onde se sente mais a vontade. O verdadeiro inventor das mil e uma propriedades do filho do Lula foi o filho de Xico Graziano, Daniel Graziano, procurado pela justiça como caluniador.

    Nas fazendas do Aécio e seus parentes não há caos aéreo. Será que isso explica porque Minas virou o centro do narcotráfico internacional, conforme boletim da Associação dos Delegados da Polícia Federal… Será mera coincidência que o helipóptero seja de um velho e íntimo amigo de Aécio Neves, e que todos seus amigos na velha mídia procuraram esconder, e era abastecido com combustível pago pela Assembleia Legislativa de Minas…

    Foi para esconder este tipo de obra que a velha oposição passou a divulgar falsas propriedades do filho do Lula. Enquanto a justiça era acionada para pegar o caluniador, escondia-se esta obra prima do choque de gestão à moda tucana.

    Governo de Minas fez aeroporto em terra de tio de Aécio

    No final de seu mandato como governador do Estado, tucano gastou quase R$ 14 milhões no empreendimento

    Família do candidato do PSDB à Presidência da República é dona de uma fazenda que fica a 6 km do aeroporto

    LUCAS FERRAZENVIADO ESPECIAL A CLÁUDIO (MG)

    O governo de Minas Gerais gastou quase R$ 14 milhões para construir um aeroporto dentro de uma fazenda de um parente do senador tucano Aécio Neves, no fim do seu segundo mandato como governador do Estado.

    Construído no município de Cláudio, a 150 km de Belo Horizonte, o aeroporto ficou pronto em outubro de 2010 e é administrado por familiares de Aécio, candidato do PSDB à Presidência.

    A família de Múcio Guimarães Tolentino, 88, tio-avô do senador e ex-prefeito de Cláudio, guarda as chaves do portão do aeroporto. Para pousar ali, é preciso pedir autorização aos filhos de Múcio.

    Segundo um deles, Fernando Tolentino, a pista recebe pelo menos um voo por semana, e seu primo Aécio Neves usa o aeroporto sempre que visita a cidade, onde o senador mantém seu refúgio predileto, a Fazenda da Mata, a 6 km do aeroporto.

    Dono do terreno onde o aeroporto foi construído e da fazenda Santa Izabel, ao lado da pista, Múcio é irmão da avó de Aécio, Risoleta Tolentino Neves (1917-2003), que foi casada por 47 anos com Tancredo Neves (1910-1985).

    A pista tem 1 km e condições de receber aeronaves de pequeno e médio porte, com até 50 passageiros. O local não tem funcionários e sua operação é considerada irregular pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

    A agência federal informou à Folha que ainda não recebeu do governo estadual todos os documentos necessários para a homologação do aeroporto, procedimento exigido por lei para que ele seja aberto ao público.

    Sem se identificar como jornalista, o repórter da Folha procurou a Prefeitura de Cláudio na última semana como uma pessoa interessada em usar o aeroporto da cidade.

    O chefe de gabinete do prefeito, José Vicente de Barros, disse que Múcio Tolentino deveria ser procurado. "O aeroporto é do Estado, mas fica no terreno dele", afirmou. "É Múcio quem tem a chave."

    Indicado por Barros, Fernando Tolentino logo se prontificou a abrir o portão do local. "Ele fica dentro da nossa fazenda", disse. "O aeroporto está no final do processo, mas, para todos os efeitos, ainda é nosso."

    Indagado se seria necessário pagar pelo uso do espaço, Fernando respondeu: "Não, o trem é público, vai cobrar como?" Segundo ele, Aécio visita a fazenda da família em Cláudio "seis ou sete vezes" por ano e vai sempre de avião.

    Procurado posteriormente pela Folha, ele negou administrar o aeroporto: "Não tenho nada a ver com isso". Indagado sobre a frequência das visitas à cidade e o uso do aeroporto, Aécio não respondeu.

    Com 30 mil habitantes, Cláudio é rodeada por fazendas. Economicamente, sua importância é modesta. A vizinha Divinópolis, a 50 km, já tinha aeroporto quando o de Cláudio foi construído.

    A obra foi executada pelo Deop (Departamento de Obras Públicas do Estado) e fez parte de um programa lançado por Aécio para aumentar o número de aeroportos de pequeno e médio porte em Minas.

    O governo do Estado desapropriou a área de Múcio Tolentino antes da licitação do aeroporto e até hoje eles discutem na Justiça a indenização. O Estado fez um depósito judicial de mais de R$ 1 milhão pelo terreno, mas o tio de Aécio contesta o valor. Seu advogado, Leandro Gonçalves, não quis falar sobre o caso.

    Antes de o aeroporto ser construído, havia no local uma pista de pouso mais simples, de terra. Ela foi construída em 1983, quando Tancredo era governador de Minas e Múcio era prefeito de Cláudio, terra natal de Risoleta.

    Orçado em R$ 13,5 milhões, o aeroporto foi feito pela construtora Vilasa, responsável por outros aeroportos incluídos no programa mineiro. O custo final da obra, somados aditivos feitos ao contrato original, foi de R$ 13,9 milhões.

    Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

    %d blogueiros gostam disto: