Ficha Corrida

26/10/2015

Midiota

Filed under: Amestrados,Ódio de Classe,Celene Carvalho,Déficit Civilizatório,Midiota — Gilmar Crestani @ 12:48 am
Tags:

Midiota é um termo usado para designar o público que é teleguiado pela mídia. Dos que conheço, nenhum consegue formular um parágrafo com sujeito, verbo e predicado. Só sabem usar adjetivos e pontos de exclamação. Foi a mídia que recrutou a marcha dos zumbis. E foi a mídia que chocou o ovo da serpente. A cada dia que passa, mais víboras, como esta, estão aparecendo em locais públicos. Há uma parcela de amestrados que perdeu o pudor de mostrarem que não têm pudor.  Vendo figuras como esta não é difícil entender as hordas nazistas entrando em lojas de judeus para bater e destruir. Pelo andar da carruagem, Bolsonaro terá mais facilidade para recrutar SS do que Hitler.

Por que será que tudo de estranho ou acontece no Paraná ou em São Paulo? Paraná se explica, pela proximidade com o Paraguai e seus produtos falsificados. Mas São Paulo? Seria a água do Tietê que a SABESP anda fornecendo? Ou seria uma demência exatamente pelo racionamento d’água?!

Os sites e os blogueiros que fazem a cabeça da mulher que agrediu Suplicy. Por Paulo Nogueira

Postado em 25 out 2015 – por : Paulo Nogueira

O ídolo

O ídolo

Onde buscam suas informações desvairados como a mulher histérica que hostilizou neste sábado o ex-senador Suplicy na Livraria Cultura de São Paulo?

Quem turva a cabeça deles? Quem os enche de uma mistura brutal de ódio e ignorância?

São questões que vinham de ocorrendo desde que assisti a vídeos de manifestações de direita em que os presentes, diante de um microfone, falavam coisas desconexas, num tom de quem não tem nenhum controle emocional, os olhos arregalados e uma expressão de doidos.

Tive, agora, a oportunidade de responder a muitas de minhas dúvidas.

Um amigo do Facebook, Alexandre, me enviou a conta ali da mulher que estrelou o vídeo da agressão a Suplicy na Livraria Cultura.

Seu nome é Celene Carvalho, 50 anos.

Ela já ganhara notoriedade ao perturbar o casamento do médico Roberto Kalil, ao qual Dilma e Lula compareceram.

Na linha do tempo de Celena você encontra diversas menções ao site O Antagonista, dos jornalistas Diogo Mainardi e Mário Sabino.

Não surpreende.

O Antagonista é um vulcão em permanente erupção de ódio ao progressismo. Mainardi é Mainardi. Sabino é aquele ex-redator chefe da Veja que mandou um subalterno escrever uma crítica glorificadora de um romance dele mesmo que desapareceu no tempo e no espaço, pela irrelevância literária.

A Veja também é muito citada por Celene. Mais uma vez, nenhuma surpresa.

Num vídeo da Veja compartilhado por ela, Augusto Nunes e Marco Antônio Villa discorrem sobre “a organização criminosa”, o PT.

Em outro, Marcelo Madureira convoca as pessoas para uma manifestação pelo impeachment.

Mas seu ídolo, para usar sua própria expressão, é Reinaldo Azevedo. Ela publicou no Facebook, com visível orgulho, uma foto em que está ao lado de Azevedo. Parecem ter sido feitos um para o outro. (Tolstoi jamais se gabou dos romances que escreveu. Tinha sérias restrições a Ana Karenina. Mas Azevedo não se cansa de lembrar à humanidade que cunhou a palavra “petralha”, amplamente empregada por analfabetos políticos e obtusos de toda natureza.)

Moro é outro heroi de Celene. Uma de suas fotos mais curtidas e comentadas no Facebook ao traz com a mulher de Moro.

Com a mulher de Moro, seu heroi

Com a mulher de Moro, seu heroi

Publicações em geral elegem uma pessoa como seu personagem símbolo, para que os editores calibrem melhor seus textos e atinjam o público alvo.

O personagem símbolo da Veja e do Antagonista é Celene Carvalho. Isto conta tudo sobre o conteúdo de ambos.

Lauro Jardim, ex-Veja e atual Globo, também aparece na página de Celene. De novo, era previsível.

Fica claro, pela leitura do Facebook de Celene, que é a mídia que foi criando figuras como ela, gente que vai espalhando seu ódio doentio por todos os lados.

São os filhos da mídia.

12182333_917809441630508_570018063_n

Celene aparentemente é solteira. Não se vê nenhuma menção a filhos ou a marido ou namorado em seu Facebook. Tampouco amigos são vistos lá. Nada de livros, nada de filmes.

Tudo é dominado pelo antipetismo.

Provavelmente ela encontrou na militância de direita um substituto para uma vida pessoal vazia, solitária e sem sentido.

Ela se apresenta como hoteleira. Uma pesquisa no Google a aponta como dona do hotel Dona Balbina, de uma estrela, no Espírito Santo.

Aparentemente, ela não tem tido tempo para cuidar de seu negócio. No site TripAdvisor, um hóspede relata que a água do chuveiro estava fria, que a cama de casal era dura e muito estreita e que o telefone do quarto não se comunicava com a recepção.

“Além do mais falta frigobar no quarto”, disse o hóspede. “Acho que no verão deve ser impossível dormir pela falta de ar condicionado.”

O hotel parece ser uma das últimas prioridades de Celene. Além de insultar outras pessoas, Celene se entreteve nos últimos meses em atividades como a feitura do boneco Pixuleco.

Penso comigo que já é hora de ela acrescentar uma nova atividade a sua rotina: providenciar um advogado para defendê-la num processo.

Até aqui, ela tem tido mãos livres para disseminar injúrias e atormentar pessoas pacíficas como Suplicy.

Torço que Suplicy se incumba de dar esta nova atividade a Celene Carvalho.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Paulo Nogueira

Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

Diário do Centro do Mundo » Os sites e os blogueiros que fazem a cabeça da mulher que agrediu Suplicy. Por Paulo Nogueira

19/07/2015

O Tiririca Gaudério é obra da RBS

Filed under: Amestrados,Manada,Palhaços,RBS,Tiririca Gaudério,Tumeleiro — Gilmar Crestani @ 9:27 pm
Tags:

Sartori SegurnaçanCada Estado tem o Tiririca que merece. A diferença é que o nosso, José Ivo Sartori, nasceu da mesma ninhada onde saíram outros espécimes desovadas pela RBS. É da mesma ninhada do Antonio Britto, da Yeda Crusius, que até Sartori pensava ter sido a pior governante deste Estado, Ana Amélia Lemos, Lasier Martins, Luis Carlos Heinze. São todos paridos pela lavagem cerebral perpetrada pelos inquilinos da Operação Zelotes.

Num ponto temos que concorda o mau palhaço que fez a alma da manada: a RBS detém o verdadeiro poder deste Estado. Senão, qual a posição do governo no Estado em relação ao seu correligionário, Eduardo CUnha? A RBS não faz a ele as perguntas que fazia ao Tarso. O que pensa Sartori da Operação Zelotes?  O que ele tem a dizer sobre as sonegações bilionárias por parte de empresas deste Estado? Nada. Melhor assim. Como diria Romário, Sartori calado é um poeta. Se isto é ruim, pior é saber que uma merda destas conseguiu passar a perna em metade do RS. Estamos mal, muito mal. Mas cantamos que nossa façanhas, como eleger um Tiririca, deve servir de modelo à São Paulo, outra terra que elege tiriricas.

Um Estado idiotizado, este é o Rio Grande do Sul

Noticias No Comments »

Aqui não há meio termo. Aqui se é colorado ou gremista, Ximango ou Maragato. Assim somos por formação e desde o surgimento disto que qualifico como a igreja mais nociva ao povo desse Estado que é MTG, faz cerca de 60 anos e adotada pela Rede Baita $onegadora que com ela arrecada montanhas de dinheiro, as coisas vem sendo agravadas. Aqui não somos brasileiros, aqui temos que ser “gauchos”. Tivemos até o ano passado um Governo que muito investiu na área de segurança com a criação de aproximadamente 3.000 vagas em dois presídios, um em Venâncio Aires e outro ainda não ocupadoem Canoas por razões que desconheço.
Tínhamos baixíssimo índice de esclarecimento de homicídios, especialmente na grande Porto Alegre, o mesmo índice do restante do país. O Governo de então ouviu a quem conhece o ramo, ou seja, as únicas autoridade policiais constituídas que são os Delegados de Polícia. Foram criadas diversas Delegacias Especializadas na Investigações de Homicídios e os índices de esclarecimento foi elevado a índices do dito primeiro mundo. Por certo ocorreram erros o que é compreensível, pois nossa espécie está longe da perfeição.
Chegou a hora da eleição. Escolhemos, digo isto por que foi decisão da maioria colocar Sartori no Governo do Estado. Na campanha, ele que é professor debochou de seus colegas mandando-os buscar o PISO no Tumelero e outras bobagens mais.
Desde que assumiu Sartori vem demonstrando que não tinha a menor condição de governar. Acredito que nem mesmo ele imaginava ser eleito. De imediato criou uma Secretaria para dar emprego à esposa. Óbvio é que a família é o maior patrimônio que nós temos, mas sabendo das finanças do Estado e isto não novidade alguma, pois só o guru dele, o tal Britto deixou o estado em maus lençóis com um passivo de NOVE E MEIO BILHÕES DE REAIS em precatórios.
A minha dúvida agora é saber até quando ele vai ficar empacado como um burro velho. Tarso concedeu ao magistério ao longo dos quatro anos uma recuperação de salários defasados ao longo de muito tempo que alcançou a casa dos 73%. Para a minha instituição, a POLÍCIA a correção foi excelente. Agora o Sartori diz que não tem dinheiro. Será que não tem mesmo ou ele mente? Por que faço essa indagação? Por que nos primeiros dias de Governo alugou um helicóptero por TREZE MIL REAIS para trazê-lo até a casa de um correligionário para comer uma feijoada aqui no litoral, mais precisamente em Xangri-Lá. Feijoada que espero lhe tenha causado um grande desconforto digestivo.
Será que depois dos setenta anos serei obrigado a seguir a grande sugestão dele durante a campanha que é juntar quatro quilos de lixo para trocar por um quilo de comida?
Durante os mais de trinta anos pouco ou quase nada consegui acumular. Tenho tão somente um teto que nos pertence e que foi comprado com financiamento. Temo pelo futuro de minha esposa e a vontade que sinto neste momento é a de mandar o Sartori passear no céu para que lá de cima possa ver as cag…… que vem fazendo.
Te cuida Sartório!!! Ou o final correto seria: Renuncia Sartório!!!

Praia de Xangri-Lá

04/03/2014

Quem alimenta o ódio dos amestrados?

Filed under: Amestrados,Golpismo,Grupos Mafiomidiáticos — Gilmar Crestani @ 9:32 pm
Tags: ,

Lula nomeou, além de outros,  Rosa Weber e Joaquim Barbosa, que viraram heróis dos que não tem votos mas aos quais sobra ódio. Gilmar Mendes é herança de FHC, assim como Celso de Mello é do Sarney e Marco Aurélio Mello é de outro herói dos que votam de acordo com o que determina a Globo, Collor de Mello, o caçador de marajás. Dilma indicou um ex-advogado da Globo, Luís Roberto Barroso, e um ex-ministro do STJ e ex-desembargador do TRF4, Teori Albino Zavascki. Nenhum dos bois empunhou bandeiras do PT, muito antes pelo contrário. Mas são mortalmente odiados porque não seguiram as regras do que não tem votos mas tem ódio e mídia. Peça aos que vivem distribuindo ódio contra Genoíno para acolherarem duas frases  e esperem sentados. Não conseguem, sozinhos, elaborarem um raciocínio simples com sujeito verbo e predicado. Nem mesmo o próprio Ministro Joaquim Barbosa admitindo que perpetrou uma barbaridade diminuiu a virulência. Pelo contrário, estão babados como vira-latas em mês de cachorro louco.

Nassif: as semelhanças entre 1964 e 2014

Jango caiu mesmo tendo apoio popular – nota do C Af.

O Conversa Afiada reproduz artigo de Luis Nassif, extraído do Jornal GGN:

As semelhanças entre 1964 e 2014

Luis Nassif
Santos Vahlis, hoje em dia, é mais conhecido pelos edifícios que deixou no Rio de Janeiro e pelas festas que proporcionou nos anos 50. Foi um dos grandes construtores do bairro de Copacabana.
Venezuelano, mudou-se para o Brasil, trabalhou com a importação de gasolina e tentou se engatar nas concessões de refinarias no governo Dutra. Foi derrotado pela maior influência dos grupos cariocas já estabelecidos.
Nos anos seguintes, foi um dos financiadores da campanha do general Estillac Leal para a presidência do Clube Militar, em torno da bandeira do monopólio estatal. Torna-se amigo de Leonel Brizola, defensor de Jango.
Provavelmente graças ao fato de ser bom cliente dos jornais, com seus anúncios imobiliários, tinha uma coluna no Correio da Manhã, cujo ghost writer era o grande Franklin de Oliveira.
Tentou adquirir o jornal “A Noite” para fortalecer a imprensa pró-Jango. Foi atropelado pelo pessoal do IBAD (Instituto Brasileiro de Ação Democrática) que, em vez de comprar o jornal, comprou sua opinião por Cr$ 5 milhões. A CPI que investigou a transação teve como integrante o deputado Ruben Paiva.
Por sua atuação, Vahlis sofreu ataques de toda ordem. Contra ele, levantaram a história de que teria feito uma naturalização ilegal. Em 1961 foi preso e jogado nu em uma cela de cadeia,  em pleno inverno, a ponto do detetive que o prendeu temer por sua vida.
Como era possível a perseguição implacável dos IPMs (Inquéritos Policial Militares), de delegados e dos Ministérios Públicos estaduais, contra aliados do próprio governo?
Esse mesmo fenômeno observou-se nos últimos anos, com os abusos cometidos no julgamento da AP 470, envolvendo não um ou dois Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), mas cinco, seis deles, endossando arbitrariedades que escandalizaram juristas conservadores.


Características da democracia
Para tentar entender o fenômeno, andei trabalhando em um estudo que pretendo apresentar no evento “50 anos da ditadura”, que ocorrerá a partir da semana que vem no Recife.
Aqui, um pequeno quadro esquemático que explica porque 2014 é tão semelhante a 1964 – embora torçamos por um desfecho diferente.
1.     A democracia é um processo permanente de inclusões sucessivas. Também é o regime de maior instabilidade (e medo) das pessoas. Nos regimes autoritários, na monarquia, nos sistemas de castas, não há ascensão vertical das pessoas – nem sua queda. Na democracia de mercado há a instabilidade permanente, mesmo para os bem situados. Teme-se o dia seguinte, a perda do emprego, das posses, do status.
2.     Além disso, há repartição entre os poderes que abre espaço para a montagem de alianças e acordos econômicos, nos quais os grandes grupos econômicos se aliam aos grupos de mídia, através deles aos diversos poderes de Estado.
3.     Cada época de inclusão gera novas classes de incluídos que cumprem seu papel de entrar no mercado de trabalho, ganhar capacidade de consumo e, no momento seguinte, cidadania e capacidade de organização. Gera resistências tanto na classe média (medo da perda de status) quanto nos de cima (perda de influência).
Aí, cria-se uma divisão no mercado de opinião que será explorado a seguir.
O mercado de opinião
Simplificadamente, dividi o mercado de opinião em dois grupos.

O primeiro é o mercado liderado pelos Grupos de Mídia. Por definição, é um mercado que influencia preponderantemente os setores já estabelecidos que já passaram pela fase da inclusão, do emprego, da carreira, integrando-se aos estabelecidos da fase anterior.
Por suas características, os grupos mais resistentes ao novo são os estamentos militar,  jurídico e a alta e média classes médias – especialmente os estamentos que trabalham em grandes companhias hierarquizadas.
A razão é simples. Vivem em estruturas burocráticas, hierarquizadas, nas quais cumprem uma carreira, sujeitando-se a promoções ao longo de sua vida útil. Por isso mesmo, a renovação se dá de forma muito lenta, proporcional à lentidão com que mudam os lugares nessas corporações.
Por todas essas características – da insegurança, da carreira construída passo a passo – esses grupos são extremamente influenciados por movimentos de manada. Por segurança, querem pensar do mesmo modo que a maioria, ou que o status quo do seu grupo (ou de suas chefias).
Esse grupo pode ser denominado conceitualmente de opinião pública midiática. Ele detém o poder, a capacidade de influenciar leis, julgamentos, posições.
É o grupo que detém poder. Mas não detém voto. Mesmo porque, quem têm votos é a maioria; quem recebe votos são os políticos.
O segundo grupo é o dos novos incluídos econômicos e dos incluídos políticos mas que não tem posição de hegemonia. Entram aí sindicatos, organizações sociais, o povão pré-organização etc, enfim, a maioria da população – especialmente em países com tão grandes diferenças de renda.
Os canais de informação desse público são os sindicatos, organizações sociais e os partidos políticos.
É um público que detém os votos, mas não detém poder.


O conflito entre poder e voto
Em cada período de inclusão, o partido que entende as necessidades dos incluídos ganha as eleições. Foi assim nos EUA com o Partido Republicano no século 19, com o Partido Democrata no século 20.
Processos de inclusão diminuem as diferenças de renda, ampliam a classe média e, quando o país se civiliza, garantem a estabilidade política – porque a maioria se torna classe média.
Em países socialmente atrasados – como o Brasil – qualquer gesto em direção à inclusão sofre enormes resistências dos setores tradicionais.
Não se trata de viés político, ideológico (no sentido mais amplo), mas de atraso mesmo, um atraso entranhado, anti-civilizatório,  que atinge não apenas os hommers simpsons, mas acadêmicos conservadores, magistrados, empresários sem visão. E, especialmente, os grupos de mídia. Os de baixo temem perder status; os de cima, temem perder poder.
O partido que entende os novos movimentos colhe leitor de baciada.
O único fator capaz de derrubá-lo são as crises econômicas (o fenômeno do populismo é o de procurar satisfazer de qualquer maneira as massas descuidando-se da economia) ou o golpe.


A reação através do golpe
Sem perspectivas eleitorais, os segmentos incluídos na chamada opinião pública midiática recorrem ao golpismo puro e simples.
Consiste em fomentar diuturnamente o discurso do ódio e levar a vendetta para o campo jurídico-policial. É o que levou à prisão de Santos Vahlis e aos abusos da AP 470.
O movimento foi bem sucedido em 1964 e consistia no seguinte:
1.     Para mobilizar a classe média, a mídia levanta fantasmas capazes de despertar medos ancestrais: o fantasma do comunismo, que destroi famílias e propriedades, do golpe que estaria sendo preparado pelo governo, da corrupção que se alastra etc.
2.     A campanha midiática cria o clima de ódio que se torna cada vez mais vociferante quanto menores são as chances eleitorais de mudar o governo.
3.     Com a influência sobre o Judiciário e o Ministério Público, além de denúncias concretas, qualquer fato vira denúncia grave e, na ponta, haverá um inquérito para criminaliza-lo.
4.     Aí se entra no ponto central: as agressões, os atentados ao direito, as manipulações provocam reações entre aliados do governo. Qualquer reação, por mais insignificante, serve para alimentar a versão de que o governo planeja um golpe. O ponto central do golpe consiste em fomentar reações que materializem as suspeitas de que é o governo que planeja o golpe.

Confiram esse vídeo aqui do Arnaldo Jabor, sobre uma proposta de um deputado obscuro do PT. O próprio Jabor considera-o obscuro. Mas repare nas conclusões que tira. Ele foi buscá-las em uma nave do tempo diretamente de 1964
O grande problema de Jango foram os aliados iludidos pela revolução cubana e pela própria campanha da mídia – que superestimava, intencionalmente, os poderes da liga camponesas e quetais.
O histórico trabalho de Wanderley Guilherme dos Santos, em 1962, expos de forma magistral e trágica  como se dava essa manipulação das reações.
Esse mesmo clima em relação às ligas camponesas, a mídia tentou recriar com as fantasias sobre a influências das Farcs no Brasil, sobre os dólares cubanos transportados em garrafas de rum e um sem-número de artigos de colunistas denunciando o suposto autoritarismo de Lula.
Lula e Dilma fugiram à armadilha, recorrendo ao que chamei, na época, de republicanismo ingênuo, às vezes até com um cuidado excessivo.
Não tomaram nenhuma atitude contra a mídia; não pressionaram o STF; têm sido cautelosos de maneira até exagerada; não permitiram que o PT saísse às ruas em protesto contra os abusos da AP 470.
Apesar de entender esse caminho, Jango não conseguiu segurar os seus. Houve radicalização intensa, conduzida por Leonel Brizola e Darcy Ribeiro, pelo PCB de Luiz Carlos Prestes e por lideranças sindicais, que acabaram proporcionando o álibi de que os golpistas precisavam.
No entanto, há um ponto em comum nos dois períodos: o ódio que a campanha midiática provocou em diversos setores de classe média crescerá em razão inversamente proporcional ao crescimento eleitoral da oposição. E o mote central será essa a Copa do Mundo e o mote de que o governo gastou em estádios o dinheiro da saúde.
Há uma guerra de comunicação central.

Nassif: as semelhanças entre 1964 e 2014 | Conversa Afiada

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: