Ficha Corrida

14/09/2016

Encontraram o bandido mas prenderam os jovens

Filed under: Etchegoyen,Exército — Gilmar Crestani @ 8:41 am
Tags:

Não há novidade quando se descobre que há um ninho de bandidos agindo para incriminar inocentes. A ilegitimidade desta quadrilha é congênita. Há um padrão na incompetência, implantar provas para poder incriminar. Aliás, esse sempre foi o padrão do Exército brasileiro e dos governos sem legitimidade. Valente com jovens, cagão com bandidos. Avante soldados, para trás!

Enxertar objetos que pudessem incriminar jovens foi a operação mais ariscada desses parasitas. Não fazem absolutamente nada para proteger a nação contra o narcotráfico internacional, mas servem para assediar sexualmente jovens que protestam contra uma quadrilha que tomou o cofre central de assalto.  As fronteiras estão abertas, escancaradas. Um heliPÓptero entrou do Paraguai, cruzou vários estados carregado com 450 kg de cocaína. Nada aconteceu. Coincidentemente, o dono do helicóptero vira ministrou e seu amigo, o primeiro a ser comigo, é parça de um  Et, seu Etchegoyen. Aí fica claro quem promove os quebra-quebra para incriminar os jovens. São da mesma famiglia que levou bombas para explodir numa festa com milhares de jovens, o famoso caso do Riocentro, que até hoje continua impune.

Por que o Exército não infiltra nas quadrilhas empresariais? Por que não se infiltra no Panama Papers? Tem muito lavador que goza de medalha a honra militar.

Fica a lição, não deixe ninguém ligado ao exército se aproximar. Se for inevitável, filme. E verifique a mochila para ver se não implantou algo que possa ser usado para te incriminar. Temer também, como coordenador político da Dilma, enxertou Eduardo CUnha na Presidência da Câmara para afastar Dilma e tomar seu posto. Com bandido não se brinca.

Xadrez da volta da comunidade de informações

Por jloeffler – No dia 13/09/2016

Data: 13/09/2016  -Fonte: GGN Autor: Luís Nassif

milico-infiltrado

Não é surpresa que as duas notícias mais relevantes sobre as manifestações anti-Temer tenham sido de veículos fora do mainstream.

No dia 8 de setembro, o blog Ponte divulgou a presença de um agente infiltrado nas redes de namoro Tinder e Facebook, com participação ativa na prisão dos 26 manifestantes (http://ponte.org/?p=17404) mantidos em isolamento.

Sob o codinome de Balta, o agente infiltrou-se também em um grupo de WhatsApp. Nas mensagens do grupo, a Ponte não encontrou nada que sugerisse atos de violência. Coube a Balta sugerir o encontro no Centro Cultural São Paulo. Lá, deu-se a batida da PM e a prisão. Enquanto os detidos eram levados para uma viatura, Beta era isolado do grupo.

Entrevistado, o coronel Dimitrios Fyskatoris, comandante do Comando de Policiamento da Capital (CPC), afirmou que a detenção do grupo ocorreu por acaso.

No dia 9, El País identificou o agente infiltrado (https://is.gd/e7ZZoW). Tratava-se do capitão do Exército Willian Pina Botelho, da comunidade de inteligência.

Peça 1 – as duas pinças do aparelho repressor

Nesses tempos de informação online, confirma-se o que o Xadrez já vinha prevendo pelo menos desde 7 de maio.

No “Xadrez do governo Temer e o fator militar” (https://is.gd/4nhJKW) mostramos as duas pinças que estavam sendo montadas para devolver protagonismo aos militares: a recriação do GSI, entregue ao general Sérgio Etchegoyen, e a entrega do Ministério da Justiça a Alexandre Moraes.

“Do lado de Temer, uma das maneiras de desviar o foco das críticas seria a criação do inimigo interno. Nos últimos anos, uma certa imprensa de ultradireita recriou versões tupininquins da Guerra Fria, com pirações de toda ordem – como a invasão das FARCs, a aliança com as forças bolivarianas. A tentativa de recriação da legitimidade política das Forças Armadas passa por aí”.

(…) A maneira dos militares voltarem para a política seria através da recriação de uma estrutura militar de controle no governo federal, mas diferente do extinto GSI (Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República) e mais próximo do SNI (Serviço Nacional de Informações) e da segurança presidencial”.

Os movimentos do jogo estão aí:

Movimento 1 – a recriação da GSI, colocando embaixo dela a Abin (Agência Brasileira de Inteligência e o Sisbin (Sistema Brasileiro de Inteligência) com as comunidades de inteligência, com vistas a envolver as Forças Armadas na repressão interna. A aprovação da Lei Nacional de Inteligência (https://is.gd/n5mj1P) consolidou o novo modelo.

Movimento 2 – o carnaval em torno dos supostos terroristas islâmicos, a fim de recriar o mito do inimigo externo e justificar a entrada das Forças Armadas no jogo.

Movimento 3 – a coordenação da repressão às manifestações pelas Polícias Militares. Há sinais de participação direta do Ministro Alexandre de Moraes nesse jogo (https://is.gd/pIispG ehttps://is.gd/C4gsGj). Desde maio, aliás, Moraes já tentava recriar o clima pós-64 equiparando os protestos pró-Dilma a atos de guerrilha (https://is.gd/9lgLvC).

Peça 2 – a generalização do conceito de inimigo

A repressão de domingo traz um dado assustador.

Os “inimigos” identificados eram jovens, adolescentes em sua maioria, a maioria deles “socorristas” – preparadas para socorrer manifestantes vítimas de gás lacrimogênio. Todos foram levados para a delegacia e mantidos incomunicáveis por várias horas e ameaçados de enquadramento como “organização criminosa”. Para sua sorte, o caso caiu com um juiz legalista e corajoso que mandou soltá-los.

A pesada e injustificada repressão aos manifestantes mereceu cobertura das reportagens online – devido à óbvia dificuldade em enquadrar os repórteres na hora. No dia seguinte, meras reportagens burocráticas dos jornalões. Deu-se mais espaço a UM fotógrafo da UOL que teria sido agredido por UM manifestante. E retomou-se o caso do cinegrafista morto por um rojão de um black bloc em manifestação do Rio de anos atrás. Escondeu-se a informação de que, no domingo, coube a seguranças da CUT – e não à PM – conter os black blocs nas manifestações.

Pior: a primeira prova de envolvimento das Forças Armadas na repressão – o caso do capitão – foi ignorado pelos jornais. Chegou-se ao cúmulo de tirar lições políticas positivas do “look” da primeira dama, e ignorar-se a participação de um capitão da ativa na repressão.

Peça 3 – a radicalização da repressão

O vácuo político abriu espaço para as corporações de Estado.

Os setores técnicos das Forças Armadas e os combatentes na ponta não são chegados à política. O envolvimento das Forças Armadas está sendo comandado pelo General Sérgio Etchegoyen e por setores da burocracia brasiliense. As comunidades de inteligência voltam ao primeiro plano. Em vez de se dedicarem à guerra cibernética, à segurança das pesquisas brasileiras ou do pré-sal, sua missão será recriar a figura do inimigo.

No início, foi o carnaval em torno dos tais terroristas do Estado islâmico. Depois, dos movimentos populares. Agora, chegaram aos filhos da classe média paulistana. Entre a rapaziada que se organizou para as manifestações poderiam estar filhos de procuradores “coxinhas”, de juízes, de jornalistas, armados de gaze, vinagre e outros elementos para socorrer pessoas sufocadas por gás ou pimenta.

Atravessaram muito rapidamente as fronteiras sociais. Imagine-se o que não sucederá na base da pirâmide. Na divisão de trabalhos, caberá à dobradinha GSI-PM a repressão a qualquer forma de protesto de rua. E aos procuradores da Lava Jato a repressão continuada aos quadros políticos.

Peça 4 – as forças anti-repressão

genreal-visit-a-folha
Aí se entra em um quadro complicado: institucionalmente, não há forças capazes de se contrapor a essa escalada do arbítrio.

Mídia – não se espere defesa de movimentos populares ou de pobres da periferia: não são seu público. Os manifestantes de domingo, sim. A indignação com a violência da PM transbordou dos canais político-partidários. Era a oportunidade de expressarem a indignação, até como maneira de legitimar suas campanhas pró-golpe. O fato de não se manifestarem, ou se manifestarem timidamente, sobre os abusos da PM paulista, e de esconderem a participação do capitão do Exército na criminalização de um grupo de jovens, é significativo: jogaram a toalha. De um lado, devido à pesada crise financeira por que passam. De outro, pelo uso continuado do cachimbo da direita, que os deixou de boca torta. Estão sendo tratados com cenoura e chicote. Na semana passada, a Folha recebeu em almoço a nova diretoria da Caixa Econômica Federal. Ontem, comandantes do Exército.

Judiciário – dependerá cada vez mais da ação individual de juízes. À esta altura, nada se pode esperar do STF (Supremo Tribunal Federal) ou dos tribunais superiores. Os bravos Ministros do Supremo abriram mão de analisar a ilegalidade do golpe, foram cedendo a cada passo, imaginando ser o último, pretendendo afastar de si o cálice da resistência à atual onda de arbítrio, julgando que, alcançados os objetivos de derrubar o governo, a repressão cessaria com em um passe de mágica. A cada dia será mais caro o preço do silêncio. É pungente assistir o Ministro Luís Roberto Barroso derramando diariamente declarações repletas de boas intenções por todos os lados e todos os temas… menos os essenciais. Quando Dilma caiu, suspirou fundo e pensou: poderei voltar à minha doutrinação civilizatória, o discurso do politicamente correto para os salões, sem ser incomodado. Prezado Ministro, lamento decepcioná-lo, mas voces chocaram o ovo da serpente

Ministério Público Federal – No MPF há um conjunto de bravos procuradores, alguns dos quais correram às delegacias no domingo, em defesa dos meninos presos, ao contrário dos procuradores estaduais. A própria PFDC (Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão) manifestou-se bravamente em defesa do direito de manifestação. Mas no topo do MPF, o Procurador Geral da República (PGR) Rodrigo Janot já escolheu lado. E, no presidencialismo do MPF, é o PGR quem dá as cartas. Nada se espere dele, a não ser o recrudescimento das ações contra políticos adversários, cumprindo o dignificante trabalho de fuzilar prisioneiros no campo de batalha e blindar os aliados.

A receita está dada: Etchegoyen montando a espionagem; Moraes articulando a repressão às manifestações; Janot coordenando a repressão política. E o sentimento democrático brotando em sucessivas manifestações, tanto de manifestantes nas ruas, como de personalidades em abaixo-assinados.

Fonte: http://www.aepet.org.br/noticias/pagina/13769/Xadrez-da-volta-da-comunidade-de-informaes

Praia de Xangri-Lá – Saiba tudo o que REALMENTE acontece em Xangri-Lá

1 Comentário »

  1. […] Fonte: Encontraram o bandido mas prenderam os jovens […]

    Pingback por Encontraram o bandido mas prenderam os jovens | GLÁUCIA SEM COMENTÁRIOS — 17/09/2016 @ 10:05 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: