Ficha Corrida

27/07/2015

tCU, de onde menos se espera, de lá mesmo é que só sai m…

Dilma_x_aecio_golpista_2015-07-09Desde 2002, a partir da derrota dos setores corruptos da sociedade, que se desenvolve uma batalha sem trégua nem quartel para retomar o monopólio da corrupção. Não combatem a corrupção, combatem a concorrência na corrupção.

É dos setores mais corruptos da sociedade que parte o combate mais feroz contra as tímidas tentativas de leve inclinação do uso dos recursos públicos para os setores mais carentes da sociedade. Não é sem motivo que contra o Mais Médicos tenham se insurgido aqueles profissionais liberais useiros e vezeiros de dedos de silicone para marcar o cartão ponto.

A concorrência no preço do atendimento médico foi entendido como um convite ao duelo de vida e morte. A máfia de branco dá a vida pela morte da concorrência.

Na esteira da luta da casa grande contra as migalhas destinadas à senzala abriram-se as tumbas e delas ressuscitou um ódio de classe como há muito não se via na direita hidrófoba.

As instituições públicas que desde a descoberta do Brasil vêm sendo ocupadas por pessoas oriundas de uma camada social privilegiada reagem de uma forma desmesurada contra esta partilha dos recursos públicos. Estamentos sociais acostumadas a privilégios hereditários se insurgem com a melhoria de classes sociais desprivilegiadas simplesmente porque isso significa alguma emancipação. Os que ganham auxílio pré-escolar, dedução das despesas médicas e educacionais no imposto de renda, devotam ódio eterno ao Bolsa Família de R$ 73,00 por filho, condicionado à frequência escolar.

Dentre todos, os grupos mais virulentos contra a melhoria das condições de vida de ampla maioria da sociedade são os que sempre se locupletaram com a ditadura, e que na atualidade ainda contam com mais recursos públicos. São as concessões públicas dos meios de comunicação. Estes grupos empresariais estiveram em todos os momentos golpistas e, não por coincidência, são os que mais violentamente buscam criminalizar os movimentos sociais. E são eles também que recebem, proporcionalmente, os maiores recursos de origem pública.

As cinco irmãs (Abril, Estado, Folha, Globo & RBS) agem como se tivessem direito divino sobre a maior parcela do orçamento da União. Recursos estes jamais partilhado de forma adequada às necessidades, por exemplo, para ficar com um segmento caro ao deputado gaúcho Luis Carlos Heinze, aos indígenas. Sem contar a dívida histórica com os descendentes de escravos.

De outra banda, instituições públicas relevantes e, por isso, altamente remuneradas, como as cúpulas do Poder Judiciário, do MP e do tCU, também se insurgem pelo simples fato de seus filhos terem de conviver, em ambientes universitários, com cotistas e alguns gatos pingados das camadas sempre alijadas do acesso ao ensino superior. Como já disse a colunista representante desta classe, Danusa Leão, “ir a Nova York já teve sua graça, mas, agora, o porteiro do prédio também pode ir, então qual a graça?“.

A julgar pela pequena escala de ascensão, comparativamente com a reação desencadeada, o Brasil vai ter de esperar por pelo menos mais cem anos para ter uma sociedade menos desigual. Este tempo poderá vir a ser abreviado  se houver uma revolução social, com um massacre desta elite egoísta e predatória.

Os ataques mais virulentos contra Lula, Dilma e o PT partem exatamente da parte mais podre das instituições públicas e privadas. Por isso também entendo como positiva, na medida que identifica e as reduz ao que efetivamente são: golpistas e predatórias. É como se fosse o estertor do Polifemo da corrupção. Se não for, agora, cairão logo mais sob o jugo de outro partido que não seja tão podre e nefasto como tem sido o PSDB.

Ministro do TCU é acusado de receber dinheiro desviado

Ex-tesoureiro de Campina Grande (PB) diz ter feito entregas a Vital do Rêgo

Denunciante gravou vídeo para o TV Folha sobre o assunto; Rêgo, que analisará contas de Dilma, nega a acusação

RUBENS VALENTEENVIADO ESPECIAL A CAMPINA GRANDE

“[Eu] deixava lá o pacote, ou a caixa, ou a sacola, a caixa de uísque [com o dinheiro desviado], depois ele [Vital do Rêgo] fazia toda a repartição e resolvia seus problemas de campanhaRennan Fariasex-diretor da Secretaria de Finanças da Prefeitura de Campina Grande (PB)

O ex-tesoureiro da Prefeitura de Campina Grande (PB) Rennan Farias afirmou à Folha que, em 2010, entregou dinheiro em espécie ao então candidato ao Senado Vital do Rêgo (PMDB-PB), hoje ministro do TCU (Tribunal de Contas da União). A verba foi desviada, disse, de um contrato de R$ 10,3 milhões da prefeitura com uma empreiteira que não executou os serviços.

Farias, que gravou um vídeo para a TV Folha com a acusação, disse que também fez entregas ao irmão do ministro, o deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PMDB-PB), e a firmas que atuavam nas campanhas da família.

Em 2010, o ministro do TCU foi eleito senador pelo PMDB-PB. Veneziano era prefeito de Campina Grande. Eles negam as acusações (leia na pág. A5).

No TCU, Vital será um dos nove ministros a analisar as contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff. Ele é ligado ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). A análise é vista pela oposição como possível via para um processo de impeachment.

Farias trabalhou nas duas gestões de Veneziano (2005-2012) em Campina Grande. Diretor financeiro da Secretaria de Finanças, cuidava do fluxo de caixa do município.

Na segunda gestão, eles romperam. Segundo Farias, isso ocorreu porque os Vital do Rêgo deixaram de reconhecer as dívidas que ele contraía com agiotas para financiar as campanhas do grupo. O ex-tesoureiro disse que “perdeu tudo” para quitar os compromissos e ainda deve cerca de R$ 1 milhão.

Farias disse que foi ameaçado de morte pelos agiotas e tentou se suicidar, tendo sido salvo por um amigo. Passou a frequentar uma igreja evangélica e decidiu que deveria tirar o “peso da consciência”.

“Eu participei e eu também devo e mereço receber a minha sentença para que eu possa, arrependido desses erros, buscar sair dessa prisão de consciência”, disse.

O ex-tesoureiro contou ter feito as entregas de dinheiro “diretamente no apartamento” do hoje ministro do TCU, no bairro da Prata, em Campina Grande: “[Eu] deixava lá o pacote, ou a caixa, ou a sacola, a caixa de uísque [com dinheiro], depois ele fazia toda a repartição, a divisão, e resolvia seus problemas de campanha”, disse.

Farias afirma que assinou cheques no esquema e estima os desvios em em pelo menos R$ 4 milhões. A Folha obteve cópias de documentos que comprovam as assinaturas dele no processo de liberação de verba da prefeitura.

O esquema, disse, funcionou da seguinte forma: a prefeitura assinou contrato com uma empreiteira chamada JGR, que previa genericamente obras “em diversas ruas de diversos bairros” da cidade.

A JGR, diz, só tinha uma secretária e não realizou os serviços. Os cheques da prefeitura eram repassados a outras firmas, Compecc e Contérmica, sediadas em João Pessoa. Essas sacavam o dinheiro e repassavam a Farias para ser entregue aos políticos da família Vital do Rêgo.

Além dos desvios da prefeitura, Farias disse ter levantado cerca de R$ 10 milhões junto a agiotas para as campanhas dos Vital do Rêgo. E falou da existência de um “mensalinho” na Câmara Municipal de Campina Grande.

Vídeo de Farias em folha.com/no1660682

2 Comentários »

  1. […] Sourced through Scoop.it from: fichacorrida.wordpress.com […]

    Pingback por tCU, de onde menos se espera, de lá mesmo é que só sai m… | psiu... — 27/07/2015 @ 12:39 pm | Responder

  2. […] Desde 2002, a partir da derrota dos setores corruptos da sociedade, que se desenvolve uma batalha sem trégua nem quartel para retomar o monopólio da corrupção. Não combatem a corrupção, combatem a …  […]

    Pingback por tCU, de onde menos se espera, de lá mesm... — 27/07/2015 @ 12:39 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: