Ficha Corrida

10/07/2015

Apertem os cintos e saibam porque o heliPÓptero sumiu

Filed under: hiPÓcrita,Inimputável,PSDB,Zezé Perrela — Gilmar Crestani @ 9:49 am
Tags:

Como os atos atribuídos ao hoje senador do PDT teriam sido praticados quando ainda era filiado ao PSDB, da base de apoio de outro inimputável, Aécio Neves, fica explicado, como bem revelou um certo deputado gaúcho, também do PSDB, porque continua livre, leve e solto, quiçá pedindo o impeachment da Dilma…

Perrella é acusado de ‘desviar’ R$ 1,3 mi da Assembleia de MG

Moreira Mariz: <p>Plenário do Senado durante sessão deliberativa ordinária. Em pronunciamento, senador Zeze Perrella (PDT-MG). Foto: Moreira Mariz/Agência Senado</p>

Segundo a investigação do Ministério Público de Minas Gerais, senador Zezé Perrella (PDT) recebeu reembolsos por despesas pessoais com verba indenizatória no valor de quase R$ 1,3 milhão; Na época, ele era deputado estadual, filiado ao PSDB, e parte da base de apoio ao então governador de Minas Gerais Aécio Neves (PSDB)

10 de Julho de 2015 às 06:39

247 – O Ministério Público de Minas Gerais entrou com ação por improbidade administrativa contra o senador Zezé Perrella (PDT) por enriquecimento ilícito e lesão ao erário entre os anos de 2007 e 2010.

Segundo a investigação, ele recebeu reembolsos por despesas pessoais com verba indenizatória no valor de quase R$ 1,3 milhão.

Na época, ele era deputado estadual, filiado ao PSDB, e parte da base de apoio ao então governador de Minas Gerais Aécio Neves (PSDB).

Entre os gastos declarados, ele foi ressarcido em R$ 187,8 mil por despesas com gráficas, que não confirmaram os serviços. Ele também pediu o reembolso de R$ 175,8 mil referentes a combustível para abastecimento de um avião particular.

Questionado, ele afirma que a ação “não passa de perseguição do promotor Eduardo Nepomuceno (um dos autores da ação)”.

Leia aqui reportagem de Fausto Macedo sobre o assunto.

Perrella é acusado de ‘desviar’ R$ 1,3 mi da Assembleia de MG | Brasil 24/7

 

Perrella é acusado de receber R$ 1,3 milhão da Assembleia de Minas para reembolso de gastos pessoais

Redação – 10 julho 2015 | 04:30

Ação do Ministério Público do Estado diz que o atual senador obteve enriquecimento ilícito e lesou o erário ao utilizar verbas indenizatórias quando foi deputado estadual, entre 2007 e 2010

Por Eduardo Kattah e Mateus Coutinho

perrellawaldemirbarreto

O senador Zezé Perrella (PDT-MG). Foto: Waldemir Barreto/Ag. Senado

O Ministério Público de Minas Gerais entrou com ação por improbidade administrativa contra o senador Zezé Perrella (PDT) por enriquecimento ilícito e lesão ao erário entre os anos de 2007 e 2010, quando ele exercia o mandato de deputado estadual. A investigação a Promotoria do Patrimônio Público afirma que Perrella recebeu reembolsos por despesas com verba indenizatória no valor de quase R$ 1,3 milhão, mas os gastos ressarcidos não tiveram relação com a atividade parlamentar. O parlamentar alega que os gastos foram legais e acusa o Ministério Público de perseguição.

Segundo os promotores que assinam a ação, o parlamentar recebeu reembolso por atividades de cunho privado ou por serviços que não foram comprovados. No período, Perrella era filiado ao PSDB, partido pelo qual atuou de 2005 a 2009 antes de ir para o PDT, sendo da base de apoio ao então governador de Minas Gerais Aécio Neves (PSDB).

Como deputado estadual ele tinha direito a verba indenizatória – destinada ao custeio de despesas como aluguel de imóvel ou veículos para a atividade parlamentar – de, no máximo, R$ 20 mil por mês.

Somente com gastos de “assessoria contábil e tributária”, Perrella gastou R$ 198,3 mil. Segundo a ação, os serviços não tinham “qualquer caráter público”. O então deputado estadual foi ressarcido em R$ 187,8 mil por despesas com divulgação de atividade parlamentar por meio de serviços gráficos. Contudo, proprietários de algumas empresas ouvidos durante o inquérito não confirmaram os serviços para o então deputado ou não conseguiram comprovar os trabalhos prestados. O representante de uma gráfica, inclusive, disse aos investigadores que a empresa estava desativada na época dos fatos.

+ Quadrilha internacional trouxe cocaína das Farc ao Brasil e  mirava África

Avião. Perrella também pediu o ressarcimento de R$ 175,8 mil referentes a combustível para abastecimento de um avião particular. O caso chamou a atenção da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Belo Horizonte, pois a maioria dos voos ocorreu em vésperas de fins de semana ou feriados e, inclusive destinos fora do Estado – para cidades como Rio de Janeiro, São Paulo, São José dos Pinhais (PR) e Salvador.

Os promotores ressaltam ainda que durante o período para o qual Perrella pediu o reembolso, o então deputado faltou 89 das 101 sessões na Assembleia de Minas, o que reforça as suspeitas dos promotores de que ele utilizou a verba de gabinete para fins pessoais.

almg-entrada

Assembleia de Minas Gerais. Foto: Divulgação

Perrella também foi ressarcido em R$ 116 mil referentes a gastos com combustível de automóveis. O proprietário de um dos postos onde foram feitos os abastecimentos revelou aos promotores que um empresário ligado ao então deputado abastecia no nome de Perrella. Também foram pagos, com dinheiro público, R$ 84,6 mil em aluguel de carros da empresa de Alvimar de Oliveira Costa Júnior, sobrinho do parlamentar.

A Promotoria do Patrimônio Público de Belo Horizonte alega na ação que houve “manifesto desvio de finalidade na conduta do deputado estadual, importando enriquecimento ilícito, com a direta violação do interesse público”. A ação foi ajuizada no início de maio na Vara da Fazenda Pública Estadual

COM A PALAVRA, A DEFESA DE ZEZÉ PERRELLA

Em resposta ao Estado, o senador afirmou que a ação movida contra ele “não passa de perseguição do promotor Eduardo Nepomuceno (um dos autores da ação)”. Perrella disse que já denunciou o promotor no Conselho Nacional do Ministério Público e afirma que “Todos os gastos realizados no período como deputado foram legais, previstos no regimento da Assembleia Legislativa de Minas Gerais”.

Helicóptero. Não é a primeira vez que um representante da família Perrella aparece em um questionamento envolvendo aeronaves. O ex-deputado estadual Gustavo Perrella (SDD), filho do senador, usou, segundo o Ministério Público, verbas oficiais da Assembleia de Minas para abastecer um helicóptero da empresa da família que foi apreendido pela Polícia Federal com 445 quilos de cocaína pela Polícia Federal em 2013.

Na ocasião, a aeronave em nome da Limeira Agropecuária, da família de Perrella, era pilotada por um funcionário da empresa que tinha um cargo na Assembleia mineira por indicação de Gustavo Perrella. O filho do senador não foi investigado pela PF e nem denunciado pelo Ministério Público Federal no processo por tráfico internacional de drogas que tramita na Justiça Federal no Espírito Santo.

1 Comentário »

  1. Perplexo! A Polícia Federal. o ministério da justiça e os poderes da república ficam assim impávidos e serenos perante um mais que notório caso de tráfico de cocaína? Não pode! Tem algo muito errado nisto tudo. O mais despreparado policial teria providenciada a prisão de todos os envolvidos, mas os agentes da nossa melhor polícia nada fizeram ou por outra, fizeram até demais: Aprontaram a mais descarada e fedorentada cagada que uma policia pode fazer!

    Comentário por pintobasto — 26/07/2015 @ 1:38 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: