Ficha Corrida

04/05/2015

Omertà é seu nome

Filed under: Máfia,Omertà,Operação Lava Jato,Pizzu — Gilmar Crestani @ 8:34 am
Tags:

A máfia, assim como o tango, legou ao mundo termos próprios. Do lunfardo, por exemplo, temos o verbete “tira” para designar policiais. Da máfia, temos o pizzu, que é a cota-parte devida pela proteção mafiaosa, que em São Paulo alcança a cifra de R$ 70 mil reais. Outro termo introduzido no sistema de delação premiada conduzida para pegar Lula, é Omertà. Tudo o que diz respeito ao Aécio Neves é jogado para debaixo do tapete, como vem acontecendo com ele desde os tempos da ditadura. Aécio pode exercer dois cargos, simultaneamente, em Brasília e Minas, enquanto estudava no Rio de Janeiro. Ele pode construir aeroportos em terras da família (Tio Quedo) e usar e abusar dos helipópteros do governo de Minas, pode ter uma irmã na Secretaria de Comunicação, Andrea Neves, para distribuir recursos públicos em suas rádios e jornais, pode ser acusado no decorrer da Operação Lava Jato que nada lhe acontece. Em relação ao PSDB em geral, como admitiu o Jorge Pozzobom e até a Folha em editorial, e ao Aécio em particular, há uma verdadeira Omertà!

Delatores da Lava Jato preservaram Aécio

:

Em acordo de delação premiada em troca de redução de pena, doleiro Alberto Youssef  e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa indicaram que iriam revelar, entre outros casos, crime de corrupção cometido pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) em estatal do setor elétrico; "Toda e qualquer obra realizada em Furnas possuía comissionamento. Se especula que quem recebia por Aécio Neves era a pessoa de sua irmã", aponta documento assinado no MP; no entanto, à força-tarefa, Youssef não apresentou provas e preservou o tucano; inquérito contra o ex-presidenciável foi arquivado

4 de Maio de 2015 às 05:37

247 – Ao assinar os acordos de delação premiada, o doleiro Alberto Youssef e ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa prometeram revelar, entre outros casos, crime de corrupção cometido pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) em estatal do setor elétrico.

"Toda e qualquer obra realizada em Furnas possuía comissionamento. Se especula que quem recebia por Aécio Neves era a pessoa de sua irmã", aponta documento assinado no MP.

No entanto, na fase de depoimentos à força-tarefa, Youssef não cumpriu com o acordo e preservou o tucano.

O doleiro afirmou apenas que o ex-deputado José Janene (PP-PR), morto em 2010, havia dito que Aécio "dividia" com ele propinas de Furnas, mas não apresentou provas. O inquérito contra o ex-presidenciável acabou arquivado.

Costa também apontaria pagamentos de propinas para o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e seu colega Romero Jucá (PMDB-RR), mas não levou a questão adiante.

Leia aqui reportagem de Flavio Ferreira sobre o assunto.

Delatores da Lava Jato preservaram Aécio | Brasil 24/7

1 Comentário »

  1. […] Source: fichacorrida.wordpress.com […]

    Pingback por Omertà é seu nome | psiu... — 04/05/2015 @ 1:29 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: