Ficha Corrida

19/04/2015

Dossiê Eduardo Cunha

OBScenas: Eduardo CUnha sela aliança como João Roberto Marinho

marinho e cunhaEduardo Cunha tem uma verdadeira ficha corrida de desserviços prestados.  Deve ser por isso que a oposição votou em peso nele. Repetiu a mesma estratégia da eleição de Severino Cavalcanti, o breve. Na época, a direita do Congresso pretendia criar constrangimentos a Lula e ao PT. Fez o serviço sujo e depois limpou. O então deputado do PP de Pernambuco ainda conseguiu emplacar, vejam só, Augusto Nardes, do PP Gaúcho, no tCU.

Agora a mesma direita impôs ao PT e à Dilma Eduardo Cunha. Se ele é um legítimo representante do que existe de pior na política, o que se pode dizer de quem o escolheu para presidir o Congresso? O PMDB pende como Fernando Gouveia, para quem pagar mais. Se for o PT, vota com o PT, se a Rede Globo, chama um membro da famiglia Marinho para ser homenageado no Congresso. Se a Globo tivesse criminalizado o PMDB por abrigar semelhantes elementos, será que Eduardo Cunha teria sido eleito? Por a RBS não criminaliza o PP gaúcho como faz diuturnamente com PT?

Como mostra o Luis Nassif, Eduardo Cunha é o resultado da conjuntura atual da política brasileira. Os partidos de esquerda ou são cooptados, como Marina Silva, ou se aliam à direita, como o PSB do Beto Albuquerque. Aliás, a votação do PL da terceirização, que recebeu o apoio do PSDB, DEM, PSB, PDT e PP, é prova suficiente de que o pessoal do Instituto Millenium fez um competente trabalho. D. Judith Brito e a ANJ conseguiu colocar sob a mesma árvores o mesmo um grupo tão heterogêneo quanto emblemático do nível político que configura o atual parlamento. Dizer que foi a sociedade que colocou eles lá é parte da verdade.

Quando a velha mídia abraça determinadas candidaturas e sonega determinados fatos, a população fica órfã da verdade. Sem as melhores informações, é natural que um Jardel, um tiririca dos pampas, seja eleito. Natural também que José Ivo Sartori, um tiirica da Serra, seja eleito governador com o apoio do ampla espectro político do Estado. Com ele estiveram desde Aécio Neves, passando pela RBS do Gerdau, até o PP gaúcho. Não haveria José Ivo Sartori se não houvesse, antes, a criminalização do PT pela RBS. Possivelmente não haveria vitória do Sartori não fosse o dinheiro que o PP gaúcho conseguiu com as empresas da Lava Jato. Sartori, Cunha & Simon são dejetos do velho coronelismo eletrônico.

Dossiê Eduardo Cunha

Eduardo Cunha formava rede de captadores de dinheiro com PC Farias, diz jornal

sab, 18/04/2015 – 09:56

Atualizado em 18/04/2015 – 11:31

Cíntia Alves

Jornal GGN – Em ação por danos morais contra o Blog, o deputado federal e atual presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), contesta um artigo de Luis Nassif que cita seu envolvimento com o chamado esquema PC Farias. Diz a defesa de Cunha que o texto, de maio de 2013 (leia aqui), "imputou-lhe falsamente fato ofensivo à sua reputação, uma vez que é público e notório que o ‘esquema PC Farias’ dedicava-se à corrupção e à sonegação fiscal, sendo o próprio PC lembrado como um malfeitor e inimigo público." Ele quer indenização por constar ao lado do homem que levou Collor ao impeachment.

O envolvimento a nível nacional de Eduardo Cunha nos escândalos que orbitaram em torno de PC Farias, no início da década de 1990, é registrado em reportagens do jornal O Globo. Em uma delas, de 14 de junho de 1992, o periódico publicou com exclusividade o nomes de "10 captadores de dinheiro" que formavam a rede montada por PC para alimentar a campanha presidencial de Collor em 1989.

"Segundo relatos, a rede de PC era formada pelos ex-secretários de Assuntos Estratégico Pedro Paulo Leoni Ramos (Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso), Paulo Octávio Pereira e Luís Estevão de Oliveira (Brasília), o ex-ministro de Educação Carlos Chiarelli (Rio Grande do Sul), o ex-deputado José Carlos Martinez (Paraná), o ex-governador João Castelo (Norte do País), o ex-presidente da TVE Leleco Barbosa, o publicitário Juca Colagrossi e o atual presidente da Telerj, Eduardo Cunha, do Rio", afirmou o jornal [imagem acima].

O esquema consistia em escalar um operador em cada região do país, com exceção de São Paulo, região coordenada única e exclusivamente pelo irmão de Collor, Leopoldo. No Rio de Janeiro, Cunha era um dos captadores da rede de PC. Segundo O Globo, à época, informantes relataram que uma parte dos recursos angariados pela rede de PC não foi usada na campanha de Collor.

"Os três informantes do Globo concordam com a avaliação feita por Pedro Collor de Mello, irmão do presidente [que entregou à Veja um dossiê contra PC Farias, quando este ameaçou entrar no mercado editorial de Alagoas e concorrer com a família Collor], de que teriam sido gastos apenas 60% ou 70% do dinheiro captado na campanha. Por essas contas, o saldo ao final do segundo turno teria sido de mais de US$ 30 milhões", apurou o jornal. Os captadores da rede de PC aceitavam doações de empresários "preferencialmente em dólares ou em Certificados de Depósitos Bancário (CDB)".

No dia seguinte, 15 de junho de 1992, o jornal dedicou uma página inteira para repercutir a notícia com governadores que passaram a exigir de Collor uma explicação sobre seu envolvimento com PC, acusado de tráfico de influência, enriquecimento ilícito, desvio de recursos de campanha, entre outros crimes.

A manchete principal era "Governadores exigem ação no caso PC" [anexo]. Na mesma página, Cunha, então presidente da Telerj (companhia de telefonia do Estado), ganhou espaço para se defender. Além de negar todas as informações sobre ter participado da rede de captadores de PC Farias, Cunha disse ameaçou processar o repórter que assinou a matéria sem consultá-lo antes.

No início dos anos 1990, os problemas envolvendo PC Farias não eram os únicos com os quais Cunha tinha de lidar. Ele também sofreu desgaste com uma série de reportagens da Folha de S. Paulo sobre sua atuação na Telerj. No período, ele foi acusado de lançar editais para a contratação de empresa que seria responsável pela elaboração e comercialização das listas telefônicas do Rio. À época, o jornalista Janio de Freitas escreveu que Cunha, com as licitações enviesadas, estava a favorecer empresas como a Listel, do Grupo Abril. Outra favorecida em decisões de Cunha seria a NEC, do Grupo Globo.

Leia mais: Eduardo Cunha e o escândalo da Telerj na Folha dos anos 1990

Janio também é autor de um artigo chamado "Os representantes" [anexo]. No texto, ele aborda os homens indicados por PC Farias para cargos importantes em diversos governos. O caso destacado como o mais "espantoso" é o de Eduardo Cunha, que com dificuldade foi removido da Telerj. Janio cravou que Cunha foi "escolhido a dedo" por PC para o cargo.

A VOLTA COM JORGE LA SALVIA

Quem defendia PC Farias no escândalo que pipocou no início do governo Collor e rendeu o impeachment do ex-presidente era advogado argentino Jorge La Salvia, que também comandava a Secretaria Geral do PRN na campanha de Collor, em 1989.

La Salvia e Cunha retornaram com força às páginas de Folha de S. Paulo quando o hoje presidente da Câmara estava na chefia da Cehab (Companhia de Habitação do Rio de Janeiro), por indicação do deputado evangélico Francisco Silva (PRN). O jornal fez uma série de denúncias sobre a relação suspeita de Cunha e La Salvia, e isso custou a cabeça do hoje peemedebista, em 13 de abril de 2000 – sua mulher, então jornalista da Globo, viveu o constrangimento de noticiar a demissão da Cehab.

Em fevereiro de 2000, a Folha publicou a reportagem "Governo do Rio abriga ex-colloridos" [anexo], na qual sustenta que "Dois personagens do período Collor voltam a se encontrar, desta vez na Companhia Estadual de Habitação (Cehab) do governo Garotinho: Eduardo Cunha, tesoureiro no Rio de Janeiro da campanha presidencial de 89 e ex-presidente da Telerj (91 a 93), e Jorge La Salvia, ex-procurador de Paulo César Farias e que o teria ajudado quando fugiu do Brasil para a Tailândia. Eduardo Cunha assumiu a presidência da Cehab em setembro. Desde então, Jorge La Salvia frequenta o prédio da companhia, no centro do Rio."

Continua o jornal: "Ele [Cunha] dirigiu a Telerj de fevereiro de 91 a abril de 93, quando foi substituído, já no governo Itamar, por José de Castro. Era considerado, então, do esquema PC, mas sempre negou que tivesse participado do esquema. Cunha chegou a ser réu em um dos maiores processos do caso PC, acusado, assim como Jorge La Salvia e outras 39 pessoas, de envolvimento com Jorge Luiz Conceição, que operava contas fantasmas do chamado esquema PC.”

RELAÇÃO CUNHA-LA SALVIA É INVESTIGADA

Em março do mesmo ano, na matéria "Governo do Rio abre sindicância" [anexo], publicou a Folha: “O governador do Rio, Anthony Garotinho, abriu ontem sindicância para esclarecer a presença de Jorge La Salvia na Cehab. La Salvia é acusado de ter participado do chamado esquema PC durante o governo Collor e responde a vários processos por sonegação fiscal. A Folha informou domingo que Jorge La Salvia frequentava a Cehab. O presidente da empresa, Eduardo Cunha, explicou, então, que La Salvia representava os interesses de uma empresa de administração de crédito imobiliário, a Caci, em uma licitação. Disse ainda que nunca tinha se encontrado com La Salvia na Cehab e que nunca o recebera em seu gabinete. Essa informação foi desmentida por um diretor da própria Caci, Sérgio Mauro Gomes, que informou que foi apresentado a La Salvia no gabinete de Eduardo Cunha.”

Em abril de 2000, no texto "Collorido ressurge em duas novas crises" [anexo]: "O argentino Jorge La Salvia é o ponto comum de três grandes crises recentes na política brasileira. Ele foi o procurador de Paulo César Farias, o PC, durante todo o governo Collor. É o estopim das investigações na Cehab/RJ, pela amizade com outro collorido, Eduardo Cunha. E aparece agora nas investigações que apuram a autoria dos grampos no BNDES. A Folha apurou que foram detectadas várias ligações telefônicas entre Temílson Antônio Barreto de Resende, o Telmo, indiciado como um dos autores do grampo, e Jorge La Salvia."

Francisco Silva foi, na época, o deputado evangélico responsável por abrir as portas do governo Garotinho para Eduardo Cunha. "Eles [Cunha e Francisco Silva] têm um outro fator em comum: o advogado Carlos Kenigsberg. Foi Kenigsberg quem representou, em janeiro, [Francisco] Silva no leilão em que o deputado arrematou [por menos de 20% do valor de mercado] a casa onde Cunha mora, na Gávea (zona sul).” O escândalo da casa também foi entendido como ocultação de patrimônio.

Na ação por danos morais, a defesa de Cunha reclama que o Blog "deixou de informar que o inquérito [instaurado contra Cunha e La Salvia] desobordou em ação penal trancada pelo Tribunal Regional Federal em sede de habeas corpus, por aticipicidade do fato denunciado."

Arquivo

Ícone application/pdfgovernadores_exigem_acao_no_caso_pc_-_cunha_se_explica.pdf

Ícone application/pdfcampanha_de_collor_tinha_10_captadores_de_dinheiro.pdf

Ícone application/pdfanexo_5_governo_do_rio_abriga_dois_ex_colloridos.pdf

Ícone application/pdfanexo_8_governo_do_rio_abre_sindicancia_para_investigar_cunha_e_la_salvia.pdf

Ícone application/pdfanexo_9_collorido_ressurge_em_2_novas_crises.pdf

Ícone application/pdfanexo_6_garotinho_vai_apurar_ligacao_cunha_la_salvia.pdf

Ícone application/pdfanexo_7_diretor_liga_la_salvia_a_cunha.pdf

Ícone application/pdfanexo_10_investigacoes_comecaram_na_cehab_relacao_com_francisco_silva.pdf

Imagens

Eduardo Cunha formava rede de captadores de dinheiro com PC Farias, diz jornal | GGN

1 Comentário »

  1. […] Source: fichacorrida.wordpress.com […]

    Pingback por Dossiê Eduardo Cunha | psiu... — 19/04/2015 @ 7:39 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: