Ficha Corrida

04/03/2015

PMDB é a cara do Pedro Simon

cp04032015Pedro Simon é o político mais inútil que já apareceu neste Estado. Ganhou sobrevida porque, nos bastidores, abastecia a RBS com suas fofocas de puteiro. A cara do Pedro Simon pode ser vista nas Presidências do Senado e do Congresso. Nada mais parecido que Pedro Simon que Sarney, Renan Calheiros e Eduardo Cunha. Esta é a cara do PMDB do José Ivo Sartori e do Padilha Rima Rica. É com esta cambada, estas chaves de xilindró que a Dilma terá de enfrentar os golpistas do Instituto Millenium.

Por que a Folha não diz que Renan Calheiros pensa que Dilma é FHC e Janot é o seu Engavetador-Geral. Renan, Cunha, PMDB e velha mídia esperava que Dilma buscasse suspender as denúncias. Dilma não é FHC, por isso Rodrigo Janot não é Geraldo Brindeiro.

Ontem falei do Severino Cavalcanti, que a mídia a oposição enfiou goela abaixo do Lula. Deu no que poderia dar, em corrupção de bagatela. Na segunda gestão da Dilma, a direita impôs um cara que é a cara da direita, corrupção no DNA. Uma direita turbinada pelos holofotes dos golpista incrustrados nas cinco irmãs (Veja, Estadão, Folha, Globo & RBS) só podia dar em Eduardo Cunha.

Mesmo com todos os escândalos com participação do PMDB a velha mídia resiste em condenar a agremiação. Ataca no varejo, na bananeira que já deu cacho. Por que não criminalizam o PMDB como fazem com o PT? Por que o PMDB é cara do velho coronelismo eletrônico. O coronelismo que vocifera contra a corrupção no jornal, rádio e tv, onde, nos bastidores, corrompe e é corrompido com o prazer e desenvoltura. O PMDB é mão avançada da corrupção midiática, da corrupção sacoleira, pé de chinelo. A corrupção profissional não é do PMDB. Esta pertence ao PSDB. A corrupção de quebrar banco, de paraíso fiscal, de entrega trilionária, como a Vale do Rio Doce e EMBRATEL, por por cachos de bananas é coisa de profissional. Tem cara de FHC, jamais de Renan Calheiros. Por que o PSDB não ataca o PMDB mas ataca o PT? Por que o PMDB é a mula do PSDB! Os peemedebistas são os aviõezinhos do tráficos PSDBista! É dos farelos desta gangue que os velhos grupos mafiomidiáticos sobrevivem.

É indisfarçável o prazer nos grupos mafiomidiáticos  com as denúncias que pegam os principais líderes do PMDB. Exatamente aqueles líderes que os mesmos grupos turbinaram para derrotarem os candidatos do PT. O PMDB é a cara da velha mídia: hiPÓcrita por fora, podre por dentro.

Até onde se pode ver da lista do Janot, os corruptos da Petrobrás estavam lá desde a época de José Sarney, quando a Globo escalou o porta-voz, Antonio Britto, e o Ministro das Comunicações, Antonio Carlos Magalhães, vulgo ACM. São eles que estão aparecendo nas denúncias. Toda vez que Lula e Dilma tentam fazer uma limpa, lá vem o PIG e seus amestrados falarem em aparelhamento do Estado. Falam em meritocracia, em choque de gestão. Esse é o choque de gestão do PMDB que o PSDB adota e apóia. E que a velha mídia abraça.

Alvo da Lava Jato, Renan retalia e derrota governo no ajuste fiscal

Senador nega medida que taxaria empresas; pedido de inquérito
inclui Cunha, presidente da Câmara, também do PMDB

Peemedebista devolve medida provisória de Dilma que aumentava tributos

Procurador pede ao STF investigação sobre 54 pessoas, incluindo o presidente da Câmara, Eduardo Cunha

DE BRASÍLIA

Incluído na lista de políticos que os procuradores da Operação Lava Jato querem investigar, o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), reagiu atacando o governo e barrando uma das principais medidas do ajuste fiscal proposto pela presidente Dilma Rousseff.

A retaliação amplia as dificuldades que a presidente tem encontrado para obter apoio no Congresso para as medidas de ajuste, que a sua equipe econômica considera essenciais para equilibrar as finanças do governo e recuperar a capacidade do país de crescer.

Nesta terça (3), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal autorização para investigar 54 pessoas suspeitas de envolvimento com o esquema de corrupção descoberto na Petrobras pela Operação Lava Jato.

Renan foi avisado com antecedência de que seu nome entrara na lista. Seus aliados acreditam que o governo exerceu influência sobre Janot com o objetivo de enfraquecer o PMDB, partido que comanda as duas casas do Congresso e é o principal aliado do PT.

O presidente do Senado reagiu à tarde, determinando a devolução de uma medida provisória que aumentava tributos pagos por empresas de vários setores, apresentada pelo governo ao Congresso no fim da semana passada.

Horas depois, Renan criou outro problema para o governo ao adiar para a semana que vem uma sessão conjunta do Congresso convocada para avaliar vetos da presidente e depois apreciar o Orçamento da União para 2015.

A decisão pode criar novo embaraço para a equipe econômica, que tem feito esforços para recuperar a confiança do mercado financeiro no governo e conta com uma rápida aprovação do Orçamento para alcançar o objetivo.

Além de Renan, a lista de políticos que a Procuradoria pretende investigar inclui o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que se elegeu para o cargo contra a vontade de Dilma em fevereiro e desde então impôs várias derrotas a ela.

Caberá ao ministro Teori Zavascki, relator dos processos no STF, analisar os pedidos e autorizar ou não os inquéritos sobre os políticos. Teori não tem prazo para decidir.

A reação de Renan foi a culminação de um processo de irritação que o Palácio do Planalto menosprezou, de acordo com a avaliação de interlocutores da presidente.

O presidente do Senado já havia boicotado um jantar com Dilma na segunda-feira (2) e dado antes declarações negativas sobre o relacionamento do PMDB com os petistas e o Palácio do Planalto.

Como os processos no Supremo estão sob sigilo, ainda não está claro por que a Procuradoria quer investigar Renan. Cunha foi citado por uma testemunha como destinatário de uma remessa de dinheiro do esquema, mas não se sabe se há outros indícios.

Renan é padrinho político do presidente da Transpetro, empresa de transporte de petróleo da Petrobras, Sergio Machado, que se licenciou do cargo por pressão dos auditores externos da estatal.

Questionado sobre o pedido de investigação da Procuradoria na tarde de terça, Renan desconversou: "Não tenho nenhuma informação".

Eduardo Cunha disse ter a consciência tranquila. "Ninguém está imune a absolutamente a nenhum tipo de investigação", disse o peemedebista. "Só não posso deixar que a mentira crie corpo."

O deputado lembrou de um episódio de sua campanha para a presidência da Câmara, quando sugeriu que integrantes da cúpula da Polícia Federal poderiam ter forjado uma gravação para associá-lo à corrupção na Petrobras.

"Eu já fui vítima de alopragem há dois meses e, se essa não foi suficientemente esclarecida, que o seja, e qualquer outra alopragem que possa aparecer estarei pronto para sempre esclarecer." (ANDRÉIA SADI, MARIANA HAUBERT, NATUZA NERY E VALDO CRUZ)

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: