Ficha Corrida

31/01/2015

EUA dão estabilidade à ditadura Saudita

O mapa mostra a distância (e cu$to) entre o petróleo venezuelano e o saudita para os EUA

venzuela mapaQual era e é a diferença entre a Arábia Saudita e demais países petrolíferos destruídos pelos EUA? Sim, assim como Israel, os sauditas são súditos dos EUA. Todos os países produtores de petróleo que não se dobraram aos interesses europeus sofreram a tal de primavera árabe. Líbia, Egito, Ucrânia, Síria, Iraque, Afeganistão foram submetidos à força. Venezuela sofre com toda sorte de subversão patrocinada pelos EUA. E só não foi golpeada porque haveria uma rejeição uniforme pelos demais países latino-americanos.

As justificativas para agrediram países ditos ditatoriais ou antidemocráticos não se aplica às arábias. Lá, os EUA são amigos do Rei. Funciona como uma posto avançado, onde a menor ofensa aos interesses norte-americanos, os petrodólares entram em ação para assassinar adversários.

Influência da Arábia Saudita cresce com tropeço de vizinhos

Primavera Árabe dá inesperado impulso ao reino do Golfo

Por DAVID D. KIRKPATRICK

CAIRO – Os governantes da Arábia Saudita tremeram quando a Primavera Árabe eclodiu, há quatro anos. Mas, longe de prejudicar a dinastia local, o caos subsequente parece ter alçado a monarquia a um poderio inigualável.

No momento em que um novo rei assume o trono, o autoritarismo voltado para a estabilidade, adotado pelos sauditas, volta a ganhar força em países como Tunísia, Egito e Bahrein. Os militantes islâmicos que os sauditas outrora temeram estão em fuga.

O problema, dizem os analistas, é que a ascensão saudita é em grande parte um subproduto da debilidade dos Estados ao seu redor, incluindo Iraque, Egito, Síria, Iêmen, Líbia, Bahrein e Tunísia.

Os sauditas estão sustentando o Bahrein e lutando em prol do governo de Bagdá. Bilhões de dólares do reino ajudam governos amigos no Egito e na Jordânia.

Milícias financiadas por Riad lutam na Líbia, e os veículos de comunicação de propriedade saudita oferecem um apoio crucial às facções favorecidas pelo reino na Tunísia e em outros lugares.

A monarquia soma algumas vitórias, como o governo instalado pelos militares no Cairo e o governo eleito na Tunísia. Mas os esforços não resultaram em qualquer sinal de estabilização na Síria, no Iraque e na Líbia. A transição no Iêmen, apoiada pelos sauditas, desmoronou, deixando rebeldes pró-Irã no comando da capital.

Por se tratar de uma monarquia absolutista, o fato de a Arábia Saudita liderar o esforço de reformulação regional é um resultado inesperado da Primavera Árabe.

"É irônico ou anacrônico se visto de fora", especialmente para quem "acredita que a região precisa urgentemente de democracia", disse Gamal Abdel Gawad, pesquisador do Centro Al-Ahram de Estudos Estratégicos e Internacionais, instituição do Cairo financiada pelo governo egípcio.

"Os últimos quatro anos depuseram contra isso e se a região precisa sobretudo de estabilidade, gestão eficaz e recursos -e tudo isso a Arábia Saudita tem-, então faz sentido que ela desempenhe um papel de liderança".

O rei Abdullah morreu em 23 de janeiro sentindo-se reconhecido, segundo analistas e diplomatas. Robert Jordan, ex-embaixador dos EUA na Arábia Saudita, disse que, numa visita à corte real anos atrás, agradeceu o monarca "por não ter dito: ‘Eu bem que avisei’".

O rei apenas deu uma risadinha. "Porque a verdade é que ele disse ‘eu bem que avisei’ muitas vezes".

Entre as queixas do rei, segundo Jordan, estiveram a urgência do governo George W. Bush em promover a democracia, o vácuo deixado pela retirada americana do Iraque, a adesão de Obama às revoltas da Primavera Árabe e, em especial, o descumprimento das ameaças de intervenção militar contra o regime sírio.

Como na Síria, a monarquia saudita -agora liderada pelo rei Salman- manteve sob controle as tensões sectárias entre a minoria xiita e seus soberanos sunitas.

O Egito, o país árabe mais populoso, foi considerado por muito tempo como o líder dessa região. Mas, quando a revolução que derrubou o ditador Hosni Mubarak, em 2011, mergulhou o Egito na turbulência, a Arábia Saudita "assumiu as suas responsabilidades", segundo Abdel Gawad.

Os governantes sauditas discretamente lastimaram a subsequente eleição da Irmandade Muçulmana. Quando Abdel Fattah al-Sisi, então general e ex-adido militar na Arábia Saudita, liderou um golpe militar em 2013, o reino se tornou seu principal patrocinador, fornecendo mais de US$ 12 bilhões (R$ 30,84 bilhões).

Atualmente, a Arábia Saudita, junto com os Emirados Árabes Unidos, está empenhada em sustentar o governo de Sisi com bilhões de dólares em ajuda.

"Eles estão prontos para respaldar a economia egípcia por muito tempo, porque o custo estratégico do fracasso representaria um ônus ainda maior em caso de colapso egípcio", disse Mustafa Alani, analista do Centro de Pesquisas do Golfo.

Além do papel da Arábia Saudita no Bahrein e no Iraque, o reino acolhe os esforços americanos de treinar rebeldes sírios.

O canal Al Arabiya e outros meios de comunicação regionais cobrem de forma simpática as facções contrárias à Irmandade Muçulmana nos países da região.

E Riad fornece apoio indireto aos combatentes da facção antijihadista que luta pelo poder na Líbia, por intermédio do Egito e dos Emirados Árabes Unidos.

Na Tunísia, como observou Alani, os sauditas contribuíram financeiramente para a estabilização do governo e declararam publicamente seu "apoio moral" aos líderes que derrotaram o partido islâmico nas eleições.

A Arábia Saudita virou líder porque "foi capaz de suportar a tempestade", disse o analista. "Então, agora eles sentem que ‘sim, sobrevivemos, ótimo, mas precisamos estabilizar o entorno se quisermos sobreviver’."

Toby Jones, historiador da Universidade Rutgers, disse que é cedo demais para avaliações.

"Eles estão apoiando os mesmos personagens que os deixaram numa posição vulnerável", disse, referindo-se à Primavera Árabe, que sacudiu a região, em 2011. "Isso só faz o relógio voltar."

1 Comentário »

  1. […] EUA dão estabilidade à ditadura Saudita | Ficha Corrida. […]

    Pingback por EUA dão estabilidade à ditadura Saudita | Ficha Corrida | psiu... — 31/01/2015 @ 2:45 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: