Ficha Corrida

01/12/2014

Mais Médicos, menos estupradores

Filed under: Estupro,Geraldo Alckmin,Mais Médicos,PSDB,Roger Abdelmassih,USP — Gilmar Crestani @ 8:00 am
Tags:

mais medicos menos hipocrisiaAbriram a Caixa de Pandora na USP. Além da falência administrativa, da perda da qualidade, agora também a violência na Faculdade de Medicina. São o resultado de 20 anos de PSDB amadrinhando os rumos de São Paulo. Tudo isso, que é muito, não é tudo. Espanta é o silêncio das entidades médicas que passaram o ano vociferando contra o Mais Médicos. Nenhuma palavra a respeito do tipo de formação que as faculdades de Medicina, públicas e privadas, estão dando aos nossos médicos. É este o ambiente onde se formam os Roger Abdelmassih. E não é de estranhar que na outra ponta, na hora de livrar a cara dos estupradores, há outro legado do PSDB, Gilmar Mendes.

Estamos esperando uma campanha midiáticas, notas em jornais, cartas abertas das assoCIAções médicas a respeito da Faculdade de Medicina da USP! Seria porque João Grandino Rodas tenha sido sempre o melhor amigo de dois expoentes do tucanato paulista: José Serra e Geraldo Alckmin?!

FERNANDA MENA

USP, estupros e metrô

Os episódios de violência sexual dentro da Faculdade de Medicina da USP assustam tanto quanto o comportamento institucional que se seguiu.

As denúncias de assédio, abuso e estupros foram recebidas pela direção da instituição com indiferença. Tudo indicava que os casos seriam varridos para baixo do tapete.

Essa arbitrariedade não é rara na gestão do principal centro de ensino e pesquisa do país, a começar pela escolha de seu reitor: nomeado pelo governador ainda que não seja o mais votado da universidade. É o clichê do encastelamento acadêmico: olha-se o mundo de cima sem muito apreço pelos contratos que regem a sociedade a sua volta. E tudo se resolve ali dentro.

Um dos casos mais graves dessa conduta não veio a público. Há cerca de dez anos, a USP foi procurada pelo metrô para discutir o projeto da linha que liga a região central à zona oeste, local de seu principal campus na capital.

Parecia natural que uma das estações estivesse dentro da Cidade Universitária, por onde passam, diariamente, cerca de 100 mil pessoas e cujo acesso não é dos mais fáceis.

A USP rejeitou o projeto. O sindicato de funcionários diz que o argumento seria a atração de "gente diferenciada", termo cunhado por moradores do bairro de Higienópolis para explicar por que não queriam metrô em seu território.

A ideia de que a parada atrairia forasteiros ao campus foi avaliada como complicador da já precária segurança local. E se sobrepôs às vantagens de criar um meio de transporte a alunos, professores, funcionários e outros.

Se o argumento da pureza surpreende quando aplicado pela elite de Higienópolis, o que dizer quando evocado por cabeças da principal universidade pública do país? Hoje, USP e metrô evitam o assunto.

A estação mais próxima, a Butantã, fica a um quilômetro do portão principal. De noite, após as 22h40, quando se encerram as aulas noturnas, é preciso coragem para percorrê-lo, a não ser em grupos. Nesse horário, o próprio campus é muito mal iluminado –condição, aliás, que favoreceu outros estupros e crimes ali.

O ônibus circular da universidade ganhou dos alunos um apelido digno de sua frequência e praticidade: secular.

O prejuízo é imenso.

A exemplo da sindicância aberta para apurar a gestão do ex-reitor João Grandino Rodas (2010-2013), que autorizou aumento de gastos com funcionários sem consultar ninguém e mergulhou a USP em sua pior crise financeira, é urgente tirá-la do isolamento.

Dar mais transparência ao que ocorre ali, seja nas festas da Medicina, seja nas reuniões da reitoria, é integrar a universidade ao mundo a sua volta. E, para isso, nada melhor, na prática e no imaginário, do que uma estação de metrô.

FERNANDA MENA é repórter especial da Folha.

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: