Ficha Corrida

02/11/2014

Cai mais um mito da direita midiática

Filed under: Bolsa Família,Eliane Cantanhêde,Mitologia — Gilmar Crestani @ 9:30 am
Tags:

bolsaPor que Eliana Cantanhêde não lê o jornal em que trabalha!?

Hoje a porta-voz do PSDB na Folha, Eliane Cantanhêde inocula mais um pouco do velho preconceito da velha mídia: “Era a história de um desastre anunciado e só não sabiam os menos escolarizados e quem ficou cego e surdo diante da realidade.” Com outras palavras dá trela ao estigma defendido por FHC contra os nordestinos, a de que as regiões mais pobres foram os grandes eleitores de Dilma. Ora, se foram os mais beneficiados, porque não eles?! Só falta explicar porque Dilma derrotou Aécio em Minas Gerais, onde este foi governador auto declarado com alta popularidade?! Tirando o poder econômico, pouca coisa sobra à massa cheirosa

Mas eis senão quando a própria Folha sai com esta de que o PT cresceu onde há pouco Bolsa Família. E agora como ficam as inúmeras acusações publicadas pelos a$$oCIAdos do Instituto Millenium de que o PT só tinha eleitores do Bolsa Família? Uma semana depois das eleições a Folha constata o que “só não sabiam os menos escolarizados e quem ficou cego e surdo diante da realidade”…

A melhor explicação não seria porque, ao contrário do PSDB, as políticas sociais do PT não cobram dos beneficiados retribuição eleitoral?! Não é benefício à cabresto, como faz o velho coronelismo incrustado na direita brasileira!

Petista cresceu onde há pouco Bolsa Família

Nos mil municípios menos dependentes do programa, Dilma colheu 4,8 milhões de votos a mais no segundo turno

Já nas mil cidades mais dependentes, seu crescimento em relação ao primeiro turno foi de apenas 486 mil votos

RICARDO MENDONÇADE SÃO PAULO

Embora a presidente Dilma Rousseff (PT) tenha derrotado o senador Aécio Neves (PSDB) por larga vantagem nos municípios mais dependentes do Bolsa Família, o programa social, sozinho, não explica o triunfo final da petista no segundo turno da eleição presidencial.

Isso porque, do primeiro para o segundo turno, o aumento da votação em Dilma ocorreu com mais intensidade nos municípios menos dependentes do Bolsa Família.

Dos 11,2 milhões de votos a mais que a presidente teve na etapa final, 7,3 milhões vieram das cidades onde o Bolsa Família beneficia menos de 25% da população.

Tradução: Dilma só foi reeleita porque, na disputa final, conseguiu crescer nos municípios onde há pouca gente inscrita no programa.

Essas afirmações são confirmadas a partir de vários ângulos nas tabelas que cruzam votação com dados do Bolsa Família por município.

Nas mil cidades menos dependentes do Bolsa Família (onde menos de 13% dos moradores são socorridos pelo programa), a votação de Dilma subiu de 28,2% dos válidos no primeiro turno para 38,3% na fase final.

Nos dois turnos, ela ficou atrás de Aécio nesse conjunto de cidades. Mas seu avanço de 10,1 pontos percentuais representou um ganho de 4,8 milhões de votos. Quase metade de toda a votação incorporada por ela na etapa final.

Já o avanço de Dilma nos mil municípios mais dependentes do programa acabou sendo bem mais modesto.

Nessas outras mil cidades –todas com mais de 60% da população atingida pelo Bolsa Família–, Dilma teve um ganho de 486 mil votos entre o primeiro e o segundo turno. Nesse mesmo universo, Aécio conseguiu crescer mais: obteve 730 mil novos votos.

Há duas explicações para o baixo avanço de Dilma nas cidades mais dependentes do Bolsa Família. Primeira: nesses locais, a petista já havia terminado o primeiro turno com um patamar alto de votos (73,3%). O espaço para avançar, portanto, era menor.

Segunda: nos mil municípios mais dependentes estão só 8% do eleitorado. No polo oposto (mil menos dependentes) estão 42% dos eleitores.

DISPUTA

Outro recorte que leva à mesma conclusão é a comparação entre os municípios com mais de 50% da população vinculada ao programa e os municípios com menos de 50% da população vinculada.

No primeiro grupo (o dos mais dependentes), Dilma ganha o segundo turno de Aécio por enorme vantagem: 75,8% a 24,2%. No mapa em que o vencedor de cada um desses municípios é destacados, quase tudo fica vermelho.

No outro grupo (o dos menos dependentes), Dilma perde, mas por um placar mais apertado: 52,5% para ele, 47,5% para ela. No mapa, a distribuição entre azul e vermelho parece equilibrada.

Nas 3.773 cidades com menos da metade da população no Bolsa Família, Dilma incorporou 10,2 milhões de votos no turno final. Sem isso, não teria sido reeleita.

1 Comentário »

  1. […] Cai mais um mito da direita midiática […]

    Pingback por Cai mais um mito da direita midiática | EVS NOTÍCIAS. — 02/11/2014 @ 12:01 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: