Ficha Corrida

28/10/2014

O PT chegou a uma encruzilha?

Filed under: PSDB,PT — Gilmar Crestani @ 9:09 am
Tags:

Marco Antonio Villa, o guru do PSDB!

Marco Antonio VillaÉ bom que as análises cobrem mais caro do PT do que do PSDB. Só assim ficamos sabendo que, depois de quatro eleições presidenciais consecutivas, o PT chegou numa encruzilhada. E quem perdeu, chegou aonde? No mato sem cachorro? Ou foram com a vaca pro brejo? Que outro partido, isoladamente, pode se equiparar ao PT? O DEM? O PSDB? O PMDB?

As análises do historiador tucano, Marco Antonio Villa, são  um primor do descolamento da realidade: O silêncio de Lula e Adeus, PT. Eles chamam isso de historiador. Eu chamo de torcedor, do Íbis!!!

O PT, com todos os seus defeitos, ainda é a menos pior agremiação para conduzir o Brasil rumo ao futuro. As mudanças só poderiam ser maiores e mais rápidas se o PT também, além de ganhar as eleições, também ganhasse o poder. Acontece que ainda há muito esqueleto deixados pelo PSDB atrapalhando a modernidade. Enquanto existir um Gilmar Mendes, um Paulo Roberto da Costa, um Alberto Youssef, o Brasil vai patinar para sair do atoleiro legado por FHC.

MAURICIO PULS

A constelação vermelha

Multiplicação de siglas com dissidentes petistas sinaliza o vigor e as limitações de seu projeto para a sociedade

O PETISMO disputou as eleições presidenciais com sete candidatos. Cada um deles resume um momento da evolução do partido.

Rui Costa Pimenta (PCO), José Maria (PSTU) e Mauro Iasi (PCB) são fundadores do PT. Personificam a "primeira geração" vermelha. Defendem uma Revolução Socialista –propõem a estatização dos bancos, a desapropriação dos latifúndios, a moratória da dívida externa. Todas essas bandeiras constavam dos primeiros programas do PT, nos anos 80. Foram abandonadas a partir de 1989, quando a sigla vislumbrou, pela primeira vez, uma possibilidade real de chegar ao poder. Os grupos radicais foram expurgados.

Luciana Genro (PSOL) representa a "segunda geração", a da Revolução Democrática. Em vez de estatizar a economia, a legenda passou a priorizar nos anos 90 a redução da jornada de trabalho, o imposto sobre grandes fortunas, a renegociação da dívida pública. Mas essas metas só poderiam ser acolhidas pelo governo se o PT tivesse sólida maioria no Congresso. Luciana e seus companheiros bateram de frente com Lula e foram expulsos em 2003.

Dilma Rousseff aderiu ao PT só em 2001, vinda do brizolismo. Integra a "terceira geração", aquela que implementou um extenso conjunto de medidas para reduzir a pobreza –o que garantiu ao partido a admiração do eleitorado mais carente.

O petismo suavizou assim a sua doutrina até chegar a uma diretriz aceitável à maioria: o fim das desigualdades sociais deu lugar à diminuição das desigualdades, e esta foi substituída pelo combate à miséria. Essa longa marcha rumo ao centro rendeu ao PT quatro vitórias consecutivas à Presidência –um feito inédito–, mas lhe custou a multiplicação de dissidências à esquerda.

E também não impediu cisões à direita. Eduardo Jorge (PV) e Marina Silva (PSB) expressavam reivindicações não econômicas da legenda (universalização da saúde, preservação ambiental) e saíram em 2003 e 2009, respectivamente. Representam eleitores de classe média que, tendo vivenciado certa ascensão social, já não se identificam com o discurso em prol dos pobres.

Hoje o PT chegou a uma encruzilhada: o êxito de seus programas sociais tem reduzido, a cada eleição, a massa de excluídos que o apoia. A votação da sigla no primeiro turno caiu de 48,6%, em 2006, para 46,9%, em 2010, e agora para 41,6%.

Restam ao partido duas opções. A primeira é retomar a sua agenda antes da chegada ao poder –a que pregava a redução das desigualdades sociais. Essa guinada para a esquerda teria forte apoio na legenda, mas seria rejeitada no Congresso. Teria mais chances de êxito se o PT tivesse ido para a oposição.

A segunda opção é manter a linha centrista, mas reforçar o papel do Estado como indutor do crescimento. O nacional-desenvolvimentismo nascido da Revolução de 1930 ainda é capaz de soldar uma grande coalizão. O ideário de Dilma é o mesmo que impulsionou Getúlio, Juscelino e Geisel. O intervencionismo estatal não é uma escolha fortuita: responde a uma necessidade estrutural. Resultados eleitorais talvez sejam fruto do acaso. Mas a história do país está inscrita nas estrelas.

    1 Comentário »

    1. […] O PT chegou a uma encruzilha? Marco Antonio Villa, o guru do PSDB! É bom que as análises cobrem mais caro do PT do que do PSDB. […]

      Pingback por Por que quando o corrupto é do PSDB a Folha trata como algo normal? | MANHAS & MANHÃS — 28/10/2014 @ 12:43 pm | Responder


    RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

    Deixe um comentário

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

    Conectando a %s

    Blog no WordPress.com.

    %d blogueiros gostam disto: