Ficha Corrida

20/10/2014

Corrupção, perguntem ao Maluf?

Filed under: Corrupção,Corrupção Corporativa,Corruptômetro,Corruptores — Gilmar Crestani @ 7:57 am
Tags:

STF de justicaHá um paradoxo no ar. Todos os políticos recentes que alcançaram renome internacional são tratados no Brasil como párias. Em contraste, todos os políticos condenados judicialmente no âmbito internacional, são endeusados pela nossa velha mídia e absolvidos pelo STF, não necessariamente nesta ordem.

Paulo Maluf, por exemplo, foi condenado em todos os lugares por onde seu dinheiro passou. No Brasil, o STF absolveu. Robson Marinho foi condenado na Suíça.

No Brasil, preside o Tribunal de Contas de São Paulo, Estado onde o PSDB dá as cartas e joga de mão, de dia falta água e de noite falta luz, e os roubos crescem há pelos menos 15 meses consecutivos. De todos os desvios na compra superfaturada de trens, nenhum político foi condenado. No Brasil. Por que na Suíça e na Alemanha, as empresas Alstom e Siemens já o foram.

No Brasil há uma tolerância com a corrupção perpetrado por agentes do PSDB/DEM. E intolerância com que se mexe com o monopólio da direita.

O STF fez, na gestão de Joaquim Barbosa, não foi combater o crime, mas a concorrência.

Tanto que julgou apenas um dos lados, do lado que o recebe em convescotes e dá glamour à sua pessoa. Todos as denúncias anteriores e posteriores dormem em berço esplêndido.

A justiça tem se mostrado cega, surda e muda, mas ainda assim consegue escolher um lado.

Por que nunca foi feita uma CPI para investigar a corrupção corporativa? Por que as empreiteiras nunca são condenadas, nem no Congresso nem na Justiça? Por que todo herói da Veja, depois de virar capa e ocupar as páginas amarelas  vira um réu, mas a justiça não condena, com exceção com José Roberto Arruda e Luiz Estêvão, dois políticos menores.

joaquim_barbosa175a_antes_depoisRAQUEL ROLNIK

A falácia da corrupção

A maneira como os casos de corrupção são apresentados, na verdade, mais oculta do que revela

Escândalos de corrupção envolvendo políticos são o assunto que mais consome páginas de jornais e minutos na TV. Em tempos de campanha eleitoral, ganham ainda mais centralidade: nos programas políticos dos candidatos, nos debates, nos comentários na mídia e nas redes sociais, em reuniões de família e mesas de bar.

A corrupção é de fato indignante: é desvio de dinheiro público, é comportamento antiético, conspurca o Estado. Ver políticos, secretários e gestores bebendo champanhe em Paris, passeando de jatinho ou comprando apartamentos que custam milhões de reais –tudo com nosso dinheiro– de fato revolta. No entanto, a maneira como os casos de corrupção têm sido apresentados, na verdade, mais oculta do que revela o problema.

Geralmente, os escândalos de corrupção estão relacionados a superfaturamento de obras e serviços contratados pelo Estado. Quando "estouram", imediatamente aparecem os "políticos corruptos" e o destino do dinheiro desviado por estes, mas quase nunca isso vem acompanhado de preocupação semelhante em mostrar o conjunto de atores, instituições e processos envolvidos no negócio.

jbCom tantos órgãos fiscalizado- res e leis que constroem um enorme emaranhado institucional para impedir que a contratação de obras e serviços pelo Estado seja passível de corrupção e que, ao mesmo tempo, garantem a livre competição entre os fornecedores, por que será que a corrupção persiste? Para responder a essa questão, é preciso abordar assuntos sobre o quais não se fala.

Não se fala, por exemplo, na prática corrente de grupos empresariais que atuam nas obras e serviços públicos de dividir entre si tais obras e serviços, combinando previamente preços e, assim, garantindo mercados cativos, como o de coleta e destinação de lixo, transporte, energia… a lista é gigante. Não se fala, também, do controle das políticas públicas por estes grupos, quem terminam definindo que projetos e políticas serão executados, onde e como, e, evidentemente, ganhando as licitações para implementá-los.

Não se fala do grau de privatização do Estado brasileiro –não no sentido de repasse da prestação de serviços para empresas privadas, mas no sentido do controle dos processos decisórios sobre sua implementação. Não se fala nos uísques caros e passeios de jatinhos que rolam nas "amizades" pessoais entre as lideranças destes grupos e políticos e gestores de praticamente todos os partidos, absolutamente necessárias para garantir a perpetuação de seus contratos, de suas concessões, de seus monopólios.

Pouco se fala, aliás, de práticas cotidianas da cultura brasileira, como "molhar" a mão do guarda, acertar "por fora", que de tão banais nem parecem corrupção, mas são.

A corrupção não acaba porque, infelizmente, ela depende menos da existência de políticos corretos –que, sim existem!– que de um modelo de relacionamento do setor privado com o Estado brasileiro –do qual o financiamento de campanhas é um dos mecanismos–, que hoje perpetua relações de privilégios e benefícios privados para empresas, partidos políticos e indivíduos.

Falar em corrupção sem entrar nessas questões é apenas construir uma cortina de fumaça útil para não expor os verdadeiros beneficiários de todo o butim.

1 Comentário »

  1. […] em doses homeopáticas, jorram informações. Continua, contudo, o padrão traçado por 4h Corrupção, perguntem ao Maluf? Há um paradoxo no ar. Todos os políticos recentes que alcançaram renome internacional são […]

    Pingback por Pinóquio das gerais | MANHAS & MANHÃS — 20/10/2014 @ 12:14 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: