Ficha Corrida

25/07/2014

Se a culpa é Federal, porque quebrou só a de São Paulo?

Filed under: Folha de São Paulo,Geraldo Alckmin,PIG,PSDB,Saúde,Velha Mídia — Gilmar Crestani @ 7:19 am
Tags:

Nem vou entrar nesta história da Saúde, que, apesar de ter melhorado extraordinariamente em comparação aos tempos de FHC, pode e deve melhorar ainda mais. Quem tem dúvida, pode assistir ao documentário S.O.S. Saúde, com Michel Moore (segue abaixo o filme completo para quem quiser ter parâmetros de primeiro mundo). Alguém que não seja retardado há de lembrar que no tempo de FHC foi criado a tal de CPMF, aliás, um grande invento do Adib Jatene. Os mesmos que a criaram, quando Lula assumiu e passou a destinar seus recursos à Saúde, deram um jeito de extingui-la.

O que chama atenção é a abordagem que a velha mídia faz. Quando o assunto é o aeroporto superfaturado construído na terra do tio, a culpa é de Minas. Não entra nem sai o nome do dito cujo governante de Minas. Já, quando se trata da compra da refinaria de Pasadena, o nome de uma das pessoas envolvidas, aquela que o TCU inocentou, aparece sempre como a grande culpada.

No episódio da Santa Casa de São Paulo a Folha abre o debate sobre o financiamento da saúde, para retirar o nome de quem tomou do Governo Federal e não repassou o montante recebido à instituição. Aí vem quem ficou com a parte do leão e diz que a culpa da quebra é do Governo Federal. Como são políticos e estamos em ano de eleição, vou dar de barato que seja assim mesmo. O que chama a atenção são os pesos e medidas da Folha. Será que o jornalista, seu chefe, o Diretor de Redação, o dono não vêem que não conseguem ir além do que diz o parceiro político local. Fosse culpa exclusiva dos repasses federais, caberia a pergunta que o jornalista não faz: por que só a de São Paulo quebrou?

Os jornalistas da velha mídia tem este vezo de não fazerem a pergunta certa quando parceiros se enleiam nos controvérsias. Não fazem a fatídica pergunta porque teriam de fazer tantas outras, como por exemplo: Por que, desbancando o Rio, São Paulo se tornou o Estado mais violento do Brasil? Aliás, por que o CV quase foi extinto no Rio e o PCC nasceu em São Paulo? Por que a crise d’água só está provocando racionamento em São Paulo?

Como disse o Fernando Haddad ontem em entrevista ao jornal espanhol El País: “Sou mais cobrado por 18 meses que o Governo paulista por 20 anos”.

O que chateia não é a patota de políticos se acusando mutuamente, mas ver a manada abestalhada que não enxerga a parcialidade da velha mídia. Se a culpa é Federal, porque só São Paulo, onde o “choque de gestão” deveria fazer milagres, quebra?

O PSDB está também quebrando o que restava de credibilidade da velha mídia. Santa paciência!

Crise na Santa Casa abre debate sobre financiamento da saúde

Defasagem na tabela SUS chega a 600% em alguns procedimentos; ministro nega subfinanciamento

Ministério da Saúde cobrou esclarecimentos sobre a diferença entre valores repassados e utilizados no hospital

DE SÃO PAULO

A crise na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, que nesta semana chegou a interromper os atendimentos de urgência e emergência, trouxe à tona a discussão sobre o financiamento da saúde e abriu uma disputa entre os governos federal e estadual.

Desde o início do mês, um inquérito do Ministério Público Federal em São Paulo investiga a queda percentual do financiamento federal na saúde e a defasagem da tabela básica do SUS de remuneração de procedimentos médicos.

Para a procuradora do Ministério Público de Contas Elida Graziani Pinto, as dívidas das instituições filantrópicas, como a Santa Casa, estão ligadas ao "subfinanciamento" federal ao setor.

Em 2000, a União respondia por 59,8% dos gastos com ações e serviços públicos na área. Em 2011, o índice passou para 44,7%, segundo pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada).

No mesmo período, a participação de Estados e municípios passou de 18,5% para 25,7% e de 21,7% para 29,6%, respectivamente.

Segundo a procuradora, a disparidade se intensificou com a aprovação da Emenda 29, em 2000.

A emenda, regulamentada em 2012, prevê que o investimento da União na saúde deve ser equivalente ao total do ano anterior mais a variação nominal do Produto Interno Bruto (PIB). Os Estados devem aplicar 12% dos impostos, e os municípios, 15%.

"A falta de recursos públicos para o SUS decorre de um cenário onde a sociedade perde e os agentes públicos tentam postergar o problema, sem resolvê-lo", afirma.

Segundo a pesquisadora do Ipea Luciana Servo, a queda percentual nos investimentos federais era esperada após a emenda, uma vez que os gastos de Estados e municípios eram menores e tendiam a aumentar. Porém, ela afirma, os valores destinados ainda são menores do que o necessário.

TABELA SUS

Apontada na quarta-feira (23) pelo Estado e pela Santa Casa como uma das causas da crise na instituição, a defasagem da tabela SUS chega, em alguns casos, a 600% entre o que é pago e o valor preconizado por entidades médicas.

Segundo a Associação Paulista de Medicina, o SUS repassa por uma consulta R$ 10. Já os planos de saúde pagam entre R$25 e R$70, valor este recomendado pela entidade.

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, afirma que o país vem criando alternativas de financiamento para substituir a tabela. "A tabela está em fase de extinção", diz ele.

"Um parto que o SUS paga cerca de R$ 440, a Santa Casa recebe R$ 800. O valor dobra com os incentivos", afirma ele, referindo-se ao programa federal que complementa o repasse da tabela com igual valor a 762 hospitais filantrópicos.

Segundo ele, não há subfinanciamento e nos últimos sete anos, a tabela foi reajustada 37 vezes –o que atualizou mil dos 2.400 procedimentos.

REPASSES

Na quinta-feira (24), o governo federal cobrou em ofício uma explicação sobre R$ 74,7 milhões enviados pelo ministério e que não foram repassados pelo Estado à Santa Casa entre 2013 e este ano.

Em nota, o governo do Estado diz que "está rigorosamente em dia com a entidade [Santa Casa] e não deixou de repassar um centavo sequer dos recursos do SUS encaminhados pelo ministério."

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: