Ficha Corrida

06/05/2014

Na Folha, o termo “racionamento” só aparece quando seu uso é afastado

PSDB e MidiaA partidarização não é só evidente. A própria diretora da Folha, Judith Brito, admitiu com todas as letras. E as formas de evidenciar é camaleônica mas não menos perceptível. Eufemismos e adjetivações são os elementos que denunciam. Quando querem denegrir, pintam com cores fortes, adjetivam e marcam na paleta com ferro e fogo. Para salvar o barco, usam eufemismo, escondem, silenciam.

Veja-se o caso do racionamento em São Paulo. O termo “racionamento” só apareceu agora, em editorial, quando o risco é afastado pelo Governador do Estado. Aliás, o nome e os responsáveis também só aparecem agora. Até este editorial, a Folha tratava o problema no fornecimento de água como um evento de outro mundo, sem envolver instituições nem responsáveis. Não aparecia o nome do Governador Geraldo Alckmin, nem o risco de racionamento. Usavam termos psíquicos, como “crise hídrica”, crise d’água. De repente, por qualquer me dá cá uma palha, dão nome aos bois. Para a Folha, “racionamento afastado”, mas o que significa “conter a utilização de água do Cantareira”?! Eufemismo de racionamento…

EDITORIAIS

editoriais@uol.com.br

Racionamento afastado

Governador Geraldo Alckmin descarta rodízio de água neste ano, mas segurança hídrica da Grande São Paulo não está de todo garantida

Após a abertura da Parada do Orgulho Gay de São Paulo, anteontem, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) deixou de lado a hesitação das últimas semanas e afirmou de modo categórico que não haverá racionamento de água na capital paulista ao longo de 2014.

Não deixa de ser uma declaração tranquilizadora, sobretudo no momento em que o volume armazenado do sistema Cantareira, cadente há meses, atinge meros 10% de sua capacidade útil.

Os dados e as ponderações do governo tucano, porém, ainda precisam passar pelo crivo de especialistas para se tornarem irrefutáveis. Diversos técnicos vinham considerando inevitável haver restrições na distribuição de água, e a ausência de explicações claras nos últimos meses gerou compreensível desconfiança na população.

Partiram do secretário de Saneamento e Recursos Hídricos, Mauro Arce, os números por trás do argumento. Três providências principais seriam responsáveis por afastar a perspectiva de racionamento –medida que, de resto, oferece riscos a uma rede antiquada, devido às repetidas variações de pressão.

As duas primeiras ações serviram para conter a utilização de água do Cantareira, que atendia quase 9 milhões de pessoas com uma vazão de 31,77 metros cúbicos por segundo (m³/s) em fevereiro.

O bônus de 30% para quem reduziu o consumo em 20% permitiu cortar em 1,64 m³/s a demanda (em breve deverá vir uma sobretaxa equivalente para quem aumentar o consumo). Além disso, 1,6 milhão de clientes foram remanejados para os sistemas Alto Tietê e Guarapiranga. A retirada de água caiu para 25,3 m³/s em abril.

A terceira providência deve gerar resultado em questão de semanas: o uso do chamado volume morto da represa –ou seja, água que hoje está abaixo do nível de captação.

Com os equipamentos instalados, o nível das represas passaria dos atuais 10% para 28,5%, na primeira etapa (e ganharia outros 21,5 pontos percentuais num segundo momento). Seria o suficiente para garantir o abastecimento até fevereiro de 2015, bem além do reinício das chuvas, em setembro.

O governo de Geraldo Alckmin relaciona ainda investimentos, realizados e contratados, que elevariam em 16,1 m³/s a produção de água tratada para a Grande São Paulo. Um deles, no sistema São Lourenço, exigirá buscar água a 83 km da capital.

A estiagem inusitada mostrou a parte da população paulista que é considerável a insegurança hídrica em que vive. Pressionado, o governo do Estado explicou-se sobre o que faz (ou deixa de fazer) para enfrentar a situação. Baixar a guarda e descuidar da vigilância, de ora em diante, implica aceitar o risco de que a crise se repita.

3 Comentários »

  1. […] A partidarização não é só evidente. A própria diretora da Folha, Judith Brito, admitiu com todas as letras. E as formas de evidenciar é camaleônica mas não menos perceptível. Eufemismos e adjetivações são os elementos que denunciam.  […]

    Pingback por Na Folha, o termo “racionamento” s&... — 06/05/2014 @ 7:10 pm | Responder

  2. […] See on fichacorrida.wordpress.com […]

    Pingback por Na Folha, o termo “racionamento” só aparece quando seu uso é afastado | EVS NOTÍCIAS. — 06/05/2014 @ 1:33 pm | Responder

  3. […] A partidarização não é só evidente. A própria diretora da Folha, Judith Brito, admitiu com todas as letras. E as formas de evidenciar é camaleônica mas não menos perceptível. Eufemismos e adjetivaç…  […]

    Pingback por Na Folha, o termo “racionamento” s&... — 06/05/2014 @ 1:33 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: