Ficha Corrida

29/03/2014

Entenda porque Astra é nome carro ultrapassado e Petrobrás é o futuro agora

petrobras lucroNão se sabe exatamente quais foram os argumentos da A$tra, embora se saiba que os que odeiam a Petrobrás farão de tudo para transforma-la em Petrobrax, o que se sabe é que a ASTRA é belga e a  Petrobrás é a 13ª empresa petrolífera mundial. Atrás, por exemplo, da GAZPROM russa e pivô da disputa norte-americana na Ucrânia.

É moda no jornalismo tupiniquim usar adversários para subir. Basta ver a quantidade colonistas de pena de aluguel que escreveram livros sobre Lula para ver se faturavam algum patrocinador do tipo Itaú ou Boilesen. A torcida contra a Petrobrás guarda a exata dimensão do interesse em tomar o seu lugar e, por extensão, o seu pré-sal, exatamente como fizeram no Iraque, Líbia, Síria, Ucrânia e tentam fazer na Venezuela. Alguém acha, de sã consciência, que se a Petrobrás fosse um empresa de fundo de quintal, teria tantos interessados em destruí-la?

Para quem não consegue acolherar duas palavras mas engole sem mastigar o que os grupos mafiomidiáticos publicam, deveriam ler um pouco sobre a ENI e sue fundador, o italiano Enrico Mattei. O que o verbete da Wikipédia não diz é que a morte foi provocada por desastre aéreo que envolveu a máfia e as sete irmãs

Será que existe alguém que acredita, além dos beócios assinantes da Veja, que as arapongagens da CIA/NSA no Brasil eram apenas passatempo de criança?

Para belgas, Petrobras fez extravagância em Pasadena

Sócios na refinaria de Pasadena se referiam de forma pejorativa à estatal

Documentos mostram que diretores da Petrobras achavam que colegas da Astra tinham ‘visão de curto prazo’

ISABEL FLECKENVIADA ESPECIAL A PASADENARAQUEL LANDIMDAVID FRIEDLANDERDE SÃO PAULO

Os executivos da Petrobras faziam muita "besteira", eram "extravagantes" nos gastos e qualquer decisão levava "10 vezes mais tempo que o necessário". Era assim que os belgas da Astra se referiam aos seus sócios brasileiros na refinaria de Pasadena, no Texas (EUA).

Os comentários pejorativos de Mike Winget, presidente da Astra, e seu diretor de operações, Terry Hammer, aparecem numa troca de e-mails com outras cinco pessoas da equipe, datada de 2 de novembro de 2007 e obtida pela Folha na Justiça do Texas.

Os diretores da Petrobras também não estavam nem um pouco satisfeitos com os colegas da Astra. Achavam que os belgas tinham "visão de curto prazo", demoravam a "reagir" aos problemas, e pensavam muito diferente da Petrobras, conforme documentos internos da empresa também dessa época.

Na ocasião, as duas companhias discutiam o próximo passo de um negócio que começou no ano anterior, quando a Petrobras comprou da Astra 50% da refinaria texana.

Essa operação é hoje uma das principais dores de cabeça da estatal, que acabou pagando US$ 1,18 bilhão por uma refinaria que anos antes os belgas tinham comprado por US$ 42 milhões.

O próximo passo era decidir se a Petrobras compraria a outra metade de Pasadena, obrigação prevista no contrato se os sócios brigassem. Os desentendimentos começaram logo depois da associação, quando a Petrobras passou a defender investimentos de até US$ 3 bilhões para duplicar a refinaria.

Os belgas não concordaram e depois de um ano de sociedade já discutiam como sair do negócio. Nos e-mails, trocados enquanto negociavam a venda dos outros 50% para a Petrobras, é perceptível que os executivos da Astra duvidavam que a estatal realmente toparia o negócio.

"Vamos presumir o pior cenário. Teremos que continuar com a sociedade e continuar nessa bagunça por mais um ano", disse Winget. "Precisamos nos preparar para uma guerra suja".

O presidente da Astra disse que "não ficaria surpreso se a Petrobras já tiver se dado conta que a refinaria não vale os US$ 650 milhões que eles sinalizaram".

Pre-sal (2)SURPRESA

Um mês depois, Nestor Cerveró, diretor internacional da Petrobras, surpreendeu a direção da Astra com uma oferta ainda maior: US$ 700 milhões. Cerveró, que estava na BR Distribuidora, foi afastado do cargo depois que o caso de Pasadena voltou à tona.

Nas mensagens entre os belgas, fica implícito que ele era um interlocutor frequente, com quem a Astra "media o pulso" da situação. "Eles provavelmente estão sentindo o terreno… Vamos saber mais depois que o Nestor responder", disse Winget.

Com a proposta de Cerveró na mesa, os belgas acreditaram que tinham um acordo. Eles se afastaram do dia a dia e a Petrobras começou a fazer os investimentos que queria. Gastou US$ 200 milhões nas obras e a refinaria de Pasadena tomou um empréstimo de US$ 500 milhões com o banco BNP Paribas.

No começo de 2008, Cerveró encaminhou o negócio com os belgas para o conselho de administração da Petrobras. Quando ficou ciente de todos os detalhes, Dilma, que presidia o conselho, se recusou a fechar a compra.

A Petrobras, então, passou a exigir que a Astra injetasse dinheiro na refinaria e avalizasse mais um empréstimo. A briga foi parar na Justiça. Como o acordo original beneficiava os belgas, a estatal perdeu e foi forçada a fazer um dos negócios mais estranhos da sua história.

Colaborou SAMANTHA LIMA, do Rio

1 Comentário »

  1. […] See on fichacorrida.wordpress.com […]

    Pingback por Entenda porque Astra é nome carro ultrapassado e Petrobrás é o futuro agora | EVS NOTÍCIAS. — 29/03/2014 @ 1:17 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: