Ficha Corrida

04/01/2014

Um governo superavitário

Filed under: Fracassomaníacos,Superávit Fiscal — Gilmar Crestani @ 10:27 am
Tags: ,

Para se ter uma ideia do torcidômetro da Folha contra o Governo basta consultar no site do próprio jornal para ver quanta tinta desperdiçada para atender as exigências de d. Judith Brito.

Vamos ver algumas passagens edificantes da Folha em 2013:

05/01/2013: Manobras fiscais aumentam aposta de inflação elevada (“Para Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central e colunista da Folha, a manobra não esconde que o governo gastou demais.” Anote este nome: Alexandre Scharsman, um colonista à serviço dos fracassomaníacos. Não acertou uma em 2013, mas é bem pago pelos seus financiadores ideológicos, como o Itaú, mecenas da Marina Silva)

07/11/2013: Eliane Cantanhêde, sempre ela, produziu esta pérola: “Com um PIB mixuruca, superavit fiscal frouxo, inflação no teto, balança desbalanceada, e sem o ingrediente novidadeiro do Bolsa Família, Dilma precisa se segurar nesses dois pontos que têm ampla aprovação nas pesquisas”. Só para refrescar a memória dos profetas do contra: a previsão inflacionária para 2013 era 6,5%, mas o governo da Dilma conseguiu conte-la nos 5,85%…. Como já disse o Carlos Araújo, é a mídia sectária que torna o PT imbatível. Com profetas como esta porta-voz do tucanato, tudo fica mais fácil de entender…

08/11/2013: um dia depois da porta-voz tucana, outro consultor da Folha, de Chi!cago, Paulo Rabello de Castro, foi ainda mais agourento: “Tripé, ou a morte pela peste” Coincidentemente, outro que frequenta os regabofes da banca. O tripé a que ser fere a peste que deixa Rabello todo Chicago se chama: superávit fiscal, inflação baixa e câmbio flutuante. Tudo o que os neoliberais fizeram mas foram dizimados pela peste…

Há outros que sentaram no croquete do tal de superávit mas não valem o espaço em branco entre uma palavra e outra. Em comum, todos são gurus da Folha…

Agora perguntem para as aves do mau agouro qual foi o crescimento da Espanha, EUA, Itália, França, Portugal?!

Para "acalmar os nervosinhos", governo anuncia superavit fiscal

Esfera federal economizou R$ 75 bilhões no ano passado; valor supera a meta de 1,5% do PIB

Dado é antecipado para ‘baixar a ansiedade do mercado’, diz Mantega; ministro não definiu patamar para este ano

VALDO CRUZMARIANA SCHREIBERDE BRASÍLIA

Para "acalmar os nervosinhos" do mercado, o ministro Guido Mantega (Fazenda) anunciou ontem que o governo federal cumpriu em 2013 sua meta de economia de gastos para pagamento da dívida pública (o chamado superavit primário).

Mantega declarou que "queria começar o ano dando boas notícias no campo fiscal" ao anunciar que o governo federal vai fechar o ano com uma economia de cerca de R$ 75 bilhões.

O dado, obtido graças a receitas extraordinárias neste final de ano, ainda depende de ajustes, mas supera a meta de 1,5% do PIB (Produto Interno Bruto) –ou R$ 73 bilhões– fixada para essa esfera de governo.

O resultado foi anunciado com quase um mês de antecipação –normalmente é divulgado no final de janeiro.

"Nós antecipamos para baixar a ansiedade, já que havia analistas dizendo que não cumpriríamos a meta. Isso vai acalmar os que estavam nervosinhos", afirmou Mantega.

A medida mostra uma tentativa de recuperar a credibilidade perdida na área fiscal, depois de o governo ter feito manobras contábeis para fechar a meta de 2012.

Em dezembro, segundo o ministro, o superavit do governo federal ficou na casa dos R$ 14 bilhões.

SETOR PÚBLICO

A meta de todo o setor público para 2013, de 2,3% do PIB, contudo, não deve ser atingida, pois depende de Estados e municípios.

Até novembro, eles haviam economizado juntos R$ 20,3 bilhões, nem metade do valor fixado para o ano (R$ 47,8 bilhões).

A expectativa é que a economia fique em 2% do PIB, número considerado razoável pelo mercado e suficiente para manter estável a dívida pública do país.

O objetivo do superavit primário é manter o endividamento público sob controle, ao mesmo tempo que limita o crescimento dos gastos públicos, diminuindo a pressão sobre a inflação.

SEM META PARA 2014

Mantega não definiu, porém, se o governo vai elevar a meta de superavit primário de 2014 –o que também tem preocupado analistas, diante do risco de a economia do governo ficar abaixo da registrado no ano passado.

"Não há nenhuma definição agora. Não vou definir parâmetros para 2014", afirmou.

Pela proposta de Orçamento de 2014, a meta mínima do governo federal é de 1,1% do PIB, abaixo da fixada para 2013, de 1,5% do PIB, o que aponta uma tendência de mais gastos neste ano de campanha da reeleição da presidente Dilma.

Segundo ele, qualquer eventual alteração na meta será divulgada em fevereiro, quando o governo anunciará quanto dos gastos do Orçamento aprovado pelo Congresso será bloqueado.

Com uma economia maior, a Fazenda ajudaria o BC a conter a alta dos preços.

INFLAÇÃO E JUROS

A alta dos preços neste ano ajudou a derrubar a popularidade da presidente, o que levou o governo a subir os juros. Diante da inflação alta, o Banco Central passou a elevar as taxas em abril, levando a Selic de 7,25% para o atual patamar de 10%.

Ainda assim, é certo que o IPCA –índice oficial de inflação– fechou o ano apenas levemente abaixo do de 2012, quando ficou em 5,84%. O resultado oficial sai na sexta.

Pelo terceiro ano seguido, a administração Dilma Rousseff não entregou a inflação no centro da meta de 4,5%.

1 Comentário »

  1. […] See on fichacorrida.wordpress.com […]

    Pingback por Um governo superavitário | EVS NOTÍCIAS. — 04/01/2014 @ 9:25 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: