Ficha Corrida

10/12/2013

O povo não é bobo, abaixo a Rede que fatura o povo

Já que o melhor colunista político volta ao tema, reproduzo o que escrevi ontem: “Qualquer ameba sabe, segurança é obrigação dos Estados, não da União. Então, quando há violência, como  em jogos do Corinthians, Vasco ou Atlético Paranaense, a imprensa logo joga a responsabilidade para Dilma. Mas quem manda nas polícias no RS é Tarso Genro, e nos demais estados, os respectivos governadores. No caso da violência dos torcedores, geralmente de torcidas organizadas, há uma culpa generalizada. A começar pelos clubes, que os financiam. Hoje, com o aparato tecnológico que existe, todo torcedor baderneiro é facilmente identificado. Quando preso, o Judiciário solta, e o MP faz que não vê. Jogar a responsabilidade para a União, aliviando para o Estados, é um boa forma de compactuar com a violência. Ou de querer faturar com ela. Cadê as punições aos clubes pela CBF ou pelo STJD, que é ocupado pela família Zveiter. E não precisa de lei, que já existem. E, como dizem e fazem os Ministro do STF, basta uma teoria: domínio do fato. Quando se quer prender alguém, como mostra o atual STF, basta força de vontade e algemas. E um pouco de ódio de classe, claro. O resto é diversionismo. Estado de direito no Brasil é o Estado da Direita!

Quando o gen é determinante para a ocupação do posto jurídico mais importante do Tribunal Esportivo, é porque a solução está nas mãos da máfia, que muito bem se serve da Omertà midiática.”

JANIO DE FREITAS

Em volta das arquibancadas

É possível processar a quase totalidade dos criminosos, e não só dois ou três como é feito, quando é feito

A grita em tantas direções não evita que seja difícil, senão impossível, encontrar entre os gritadores um que não seja corresponsável, em alguma medida, pelo espetáculo das bestas humanas nas arquibancadas de Joinville, e em todas as outras.

Já que estamos por aqui, podemos começar pelos meios de comunicação. Nenhum jornal, TV, revista ou rádio se interessou, jamais, por encarar para valer a violência que invadiu os estádios, no Brasil todo, há muito tempo. Assim como os bestalhões cometem periodicamente os seus acessos de brutalidade aproveitando o futebol, a imprensa (vá lá, engloba tudo) faz o seu surto de críticas como subsidiário do espetáculo boçal. E logo se segue a pausa, a imprensa à espera da clarinada dos boçais.

Na imprensa, poucos não sabem que muitos dos bandos são patrocinados com doações dos respectivos clubes, a pretexto de torcida para incentivo ao time. E que o patrocínio tem duplo interesse eleitoreiro, nas disputas pelo poder no clube e nas eleições político-partidárias: há muitos cabos eleitorais nas torcidas organizadas. É uma engrenagem bastante conhecida.

Se a engrenagem cria um enguiço maior, nem por isso a gritaria subsidiária avançará necessariamente mais. O episódio da Bolívia é exemplar. De repente foi "descoberto" lá no litoral paulista um "dimenor" apresentado como disparador do rojão sobre torcedores bolivianos, com a consequência de matar um menino de 14 anos. À família da vítima foi dado, não uma indenização, mas um cala a boca monetário, como complemento da "solução" incumbida a uma charmosa advogada e comentarista de jornal da TV Cultura. Ali o bando de boçais pouco se distinguiu de um grupo de querubins.

Se antes o assunto estava em estado mortiço, a "solução" cobriu-o de silêncio. Nem com tantos jornais, TVs, revistas e rádios, houve uma iniciativa de verificar se o "dimenor" ao menos viajou mesmo para a Bolívia, que algum rastro ficaria. Por falar nele, em que condições vivem, hoje, o próprio e sua família?

A legislação para o problema é uma grande farsa. Foi elaborada mais com interesses políticos do que para regramento efetivo. A chamada Justiça Esportiva não tem como coibir a ferocidade nas arquibancadas, mas finge ter, com medidas idiotas como "o jogo com fechamento dos portões" e a perda de mando de campo, que punem os futuros times adversários do time "punido". Mas assim se cumpre o objetivo dos mandatários do futebol, de não criarem problemas políticos e eleitorais para si e para seus correligionários.

E as autoridades da ordem? A Polícia Civil de São Paulo mostrou ontem o que é um verdadeiro trabalho policial. Prendeu duas dezenas de desordeiros e ladrões que investigou desde outubro, quando a morte de um menino por tiro policial serviu de pretexto para a interrupção da rodovia Fernão Dias, roubo de cargas e de caminhões, saques a lojas e incêndios de ônibus. Foi investigação, foi infiltração, foram interrogatórios, com um resultado que, por certo, irá além desse episódio: vai atemorizar muitos dos que têm feito tais ações sem dificuldade no ato e no pós-ato.

O trabalho excelente nesse caso demonstra que é possível identificar, prender e processar a quase totalidade dos criminosos das arquibancadas, e não só dois ou três como é feito, quando é feito. O que demonstra, também, que se não é feito é porque os governantes estaduais não querem e os setores que lhes podem cobrar não os cobram de verdade, não os põem xeque.

A gritaria tem razão de ser. Mas é também contra si mesma.

1 Comentário »

  1. […] See on fichacorrida.wordpress.com […]

    Pingback por O povo não é bobo, abaixo a Rede que fatura o povo | EVS NOTÍCIAS. — 11/12/2013 @ 6:13 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: